História The Queen Of Broken Heart - Capítulo 8


Escrita por: e Leksa-Debnam

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Annie Cresta, Clove, Coriolanus Snow, Effie Trinket, Finnick Odair, Gale Hawthorne, Haymitch Abernathy, Johanna Mason, Katniss Everdeen, Madge Undersee, Peeta Mellark, Primrose Everdeen
Visualizações 383
Palavras 2.825
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu sei que vocês devem estar querendo me matar pela demora, mas eu estava com um bloqueio criativo horrível e a semana também está super corrida, sorry babes

Pra compensar, trouxe uma surpresa no capítulo 💜

Fiquem com esse gif maravilindo e apreciem a beleza do meu bebê Everdeen 💜

Capítulo 8 - We don't have anything, Mellark


Fanfic / Fanfiction The Queen Of Broken Heart - Capítulo 8 - We don't have anything, Mellark

POV Peeta Mellark

 

 

 

 

 

- Você está confortável assim?

 

- Sim, obrigado. - Eu sorrio.

 

- Tem certeza que não precisa de mais nada? - Mags pergunta com seu costumeiro sorriso bondoso, eu penso por alguns segundos.

 

- Na verdade, sim. Onde está a Katniss?

 

- A senhorita Everdeen está cuidando dos preparos para a sua viagem. - Diz e eu a olho confuso.

 

- Minha viagem? Não seria a nossa viagem? - Digo e Mags sorri.

 

- Ela vai conversar com o senhor em breve, senhor Mellark.

 

- De fato, eu vou. - Sua voz toma conta do ambiente e apesar de Mags ter deixado meus travesseiros extremamente confortáveis, me remexo desconfortavelmente. - Mags, você pode nos deixar sozinhos?

 

- É claro, senhorita Everdeen. - Ela sorri para a morena que espera a velha senhora sair e fechar a porta atrás de si para enfim se aproximar e se sentar ao lado do meu tronco, na cama.

 

- O que Mags quis dizer com a minha viagem? Você não vem comigo?

 

Ela suspira profundamente e entrelaça seus dedos os repousando no seu colo, enquanto parece escolher as palavras.

 

- Eu preciso ir até o meu irmão, Peeta. - Diz e eu assinto.

 

- Eu vou com você. - Digo com firmeza, ela balança a cabeça e suspira novamente.

 

- Você não pode. Está ferido.

 

- Exatamente, Katniss! Você não percebeu que aquele cara não estava atrás de mim? Ele estava lá por você! - Digo exaltado, sua mão fria encontra a minha e eu sinto uma mínima onda de calma me invadir. - Eu não posso deixar que nada aconteça com você. - Sussurro enquanto minha mão se aproxima devagar do seu rosto, mas ela não recua.

 

- Nada vai acontecer comigo, Peeta. - Sussurra enquanto eu acaricio sua bochecha.

 

- Eu preciso estar com você pra ter certeza.

 

- Você precisa focar em ficar melhor. Você não pode me proteger assim. - Diz e eu suspiro profundamente.

 

- Quando você volta?

 

- Devo chegar segunda, pela manhã. - Diz.

 

- E quando você vai me deixar voltar a trabalhar?

 

- Quando você estiver bem para fazê-lo. - Diz e eu reviro os olhos.

 

- E quando isso vai ser?

 

- Eu não sei. O que você acha?

 

- Por mim, eu iria junto com você. - Digo e ela sorri. - Que tipo de guarda-costas serei eu, se não posso proteger a minha patroa?

 

- Que tipo de patroa serei eu, se deixar que meu guarda-costas ferido volte ao trabalho só porque é da vontade dele? - Brinca, eu reviro os olhos mas acabo sorrindo.

 

- Você é que manda, Everdeen. - Me dou por vencido, recebendo um sorriso em resposta. - Quando você vai?

 

- De tarde. - Diz simplesmente, considerando que era de madrugada, teríamos poucas horas.

 

- Hey, o que acha de ficar aqui, comigo? - Pergunto e ela levanta os olhos até os meus. - Por causa... ahn... dos... pesadelos. - Perco completamente o raciocínio com o seu olhar sobre o meu, ela dá um risinho e assente.

 

- Estarei aqui em trinta minutos.

 

- Eu vou esperar. - Digo enquanto ela se levanta e anda até a porta.

 

Antes que ela abra, seus olhos encontram os meus por alguns segundos, antes que ela os desvie e suma pela mesma.

 

Passo a mão pelos cabelos e fecho os olhos com força, me levanto devagar e pego uma cueca e minha calça de moletom, indo para o banheiro.

 

Tomo um banho rápido e escovo os dentes, seco um pouco meus cabelos com a toalha e caminho para o quarto.

 

A porta se abre e meus olhos vão para ela, onde Katniss estava de costas para mim enquanto trancava a mesma.

 

- Você deveria estar deitado, em completo conforto. - Diz ainda de costas, percebo que ela usava o robe de seda preto e Deus do céu.

 

Ela se vira e seus olhos encontram os meus, eu sorrio e me aproximo da cama devagar, me deitando em seguida.

 

- Agora eu estou deitado e em completo conforto. - Digo e ela revira os olhos, se aproximando devagar.

 

- Você é um crianção, senhor Mellark.

 

Ela desliga o abajur e se deita ao meu lado direito, sem realmente encostar em mim.

 

- Você não precisa ter medo de me machucar. - Sussurro, consigo ver seus olhos me fitando mesmo em meio a escuridão.

 

- Eu não tenho medo. - Sussurra de volta, se aproximando de mim devagar.

 

A puxo para o meu peito e solto um gemido de dor quando me arrumo para aconchegá-la melhor, fazendo com que Katniss se afaste de mim.

 

- Você está bem? - Pergunta preocupada.

 

- Você não tem medo de me machucar, huh? - Respondo sorrindo, vendo seus olhos brilharem de raiva.

 

- Isso foi uma péssima ideia. - Ela se levanta com pressa e eu seguro seu pulso, fazendo-a parar e me olhar.

 

- Desculpe. Eu vou parar. Só... não me deixe sozinho. - Peço, ela suspira pesadamente e se deita ao meu lado, me ajeito com mais calma e ela enfim deita no meu peito.

 

- Então você tem medo de ficar sozinho. - Diz, eu bufo e ela ri, sua risada era tão bonita.

 

- Você vai se cuidar, não vai?

 

- Por que toda essa preocupação? - Diz sorrindo e eu dou de ombros.

 

- Eu não vou mais arrumar trabalho de guarda-costas depois que você me demitir, se eu não cuidar direito de você.

 

- Eu tenho motivos para te demitir?

 

- Você tem motivos para me demitir? - Rebato, ela arqueia a sobrancelha.

 

- Na verdade, eu tenho motivos para aumentar seu salário. - Diz e eu rio.

 

- Eu já ganho mais do que o suficiente, senhorita Everdeen.

 

- Me conte mais sobre Annie Mellark. - Diz do nada e eu a olho confuso.

 

- Não há muito para contar sobre a minha irmã.

 

- Comece por aí. Qual a diferença de idade?

 

- Três minutos. - Solto uma risada nasal e ela me olha. - Somos gêmeos. Eu sou o mais velho.

 

- Por três minutos.

 

- Mas eu sou o mais velho. - Digo e ela sorri, assentindo.

 

- Como é ter uma irmã gêmea?

 

- É estranho. - Digo, mordendo o lábio inferior. - Bom, pelo menos a parte da nossa conexão.

 

- Conexão?

 

- É. - Eu assinto. - Desde pequenos, eu e Annie temos uma espécie de conexão. Quando eu estava triste, Annie ficava triste. Quando Annie tinha dor de estômago, eu tinha dor de estômago.

 

- É por isso que você sabia que ela iria ligar, não é? Ela sentiu a sua dor.

 

- Bem, ela não sentiu exatamente a minha dor, mas é isso sim.

 

- Isso deve ser o máximo! - Diz e eu sorrio.

 

- É, até que é legal. - Minha mão vai devagar até o seu cabelo e eu faço um leve carinho nos seus fios negros, ouvindo-a suspirar. - E quanto você e Gale?

 

- Como sabe sobre Gale? - Diz e eu congelo, mas sorrio para disfarçar.

 

- Eu ouvi você e Primrose conversando sobre ele.

 

- Você ouve coisas demais. - Diz e eu sorrio.

 

- Você não tem ideia. - Ela se levanta devagar e me olha, arqueio a sobrancelha.

 

- Então, você anda me espionando?

 

- Mas é claro que não. - Digo e ela arqueia a sobrancelha. - Talvez eu tenha ouvido algumas coisas. Ai!

 

Ela me dá um tapa e eu gargalho, seguro suas mãos e faço cócegas na sua barriga, ela ri e tenta se soltar, sua mão direita se solta e ela retribui as cócegas, eu sorrio e a jogo para o lado e a prenso contra a cama com o peso do meu corpo, ignorando a pontada de dor que isso causa.

 

Prendo suas mãos acima da sua cabeça e sorrio vitorioso, antes de encará-la.

 

Seus olhos brilham na minha direção e eu vejo o sorriso em seus lábios, nossas respirações estão ofegantes pelas risadas e seus cabelos negros estão espalhados pelo meu travesseiro.

 

Meu olhar encontra o seu e percebo que ele agora agora tem um brilho diferente, que deixa seus olhos mais escuros e bonitos, o sorriso sumiu de seus lábios e ela está com os mesmos entreabertos, vermelhos e chamativos.

 

Seus olhos descem para os meus lábios e eu fecho os olhos com força, tentando me controlar.

 

Abro os olhos novamente e ela está me fitando, Deus, ela é tão linda!

 

Sinto todo o meu autocontrole se esvaindo conforme ela morde o lábio inferior enquanto olha para a minha boca, e antes que eu o faça, ela toma meus lábios com os seus.

 

Ah, a boca que eu não conseguia tirar da minha cabeça desde aquele selinho no hospital, agora estava junto da minha de novo.

 

Seus lábios eram a melhor coisa que eu já tinha provado em toda a minha vida, e eu percebi que beijar Katniss Everdeen foi de longe a melhor coisa que eu já fiz.

 

Sinto sua língua passear pelos meus lábios e eu ofego, dando passagem.

 

Sua língua era quente e macia assim como seus lábios, assim como ela.

 

Um arrepio gostoso sobe pelo meu corpo quando sinto suas mãos se soltarem do meu aperto e subirem pelos meus braços, passando suas unhas de leve.

 

Levo uma das minhas mãos até a sua cintura onde eu faço movimentos circulares enquanto a outra suporta meu peso, me impedindo de machucá-la.

 

Suas mãos chegam aos meus cabelos e ela puxa meus fios com certa força, os bagunçando mais ainda.

 

Sinto meus pulmões implorarem por ar mas sinceramente não ligo, a última coisa que passava pela minha cabeça agora era parar de beijá-la.

 

Uma das suas mãos vai até as minhas costas e ela passa as unhas pela mesma, suspiro contra os seus lábios e desço meus beijos para o seu maxilar.

 

Katniss joga a cabeça para trás me dando mais espaço e eu mordo a pele sensível do seu pescoço, fazendo-a gemer baixinho e intensificar o aperto nos meus cabelos e costas.

 

Distribuo beijos e mordidas por toda a extensão do seu pescoço, fazendo-a gemer e se agarrar mais em mim.

 

Meus lábios encontram os seus novamente e ela prontamente dá passagem, suas mãos descem até a barra da minha calça e vão até a barra da cueca, onde ela passa os dedos.

 

Sinto meu braço de apoio fraquejar com o seu toque e separo meus lábios dos seus, analisando-a.

 

Seus lábios estavam vermelhos e inchados - o que era minha culpa -, seu peito subia e descia e seu robe estava quase totalmente aberto - o que também era minha culpa.

 

E céus, se ela está assim, não quero nem imaginar como eu devo estar.

 

Apesar de meus lábios implorarem pelos seus, minha barriga latejava e meu braço já estava tremendo.

 

Dou uma última olhada para o seu rosto e volto a deitar ao seu lado, fazendo com que suas mãos se afastem de mim.

 

Passo as mãos pelos cabelos e fecho os olhos, pensando na merda que eu havia acabado de fazer.

 

Sinto sua respiração no meu rosto e abro os olhos devagar, encarando seus olhos cor de tempestade me fitando.

 

- O que nós temos? - Sussurro.

 

- Nós não temos nada, Mellark.

 

Seus olhos se fechando são a última coisa que eu vejo antes de fechar os meus, assim que meus lábios voltam a esmagar os seus.

 

Eu me arrependeria disso? Provavelmente.

 

Eu ligava para isso agora? Com certeza não.

 

 

 

 

 

 

POV Katniss Everdeen

 

 

 

 

Os beijos de Peeta Mellark eram indescritíveis.

 

Seu beijo era o melhor que eu já havia provado, sem dúvidas.

 

Eu nunca havia me sentido daquele jeito antes, seus lábios acabaram com toda a minha sanidade em questão de segundos, e se não fosse pelo seu machucado, eu acredito que eu teria muito mais do que simples beijos para me arrepender de ter trocado com Peeta Mellark.

 

- Você está me ouvindo, Kat?

 

Eu levo um susto com a mão de Primrose na minha e olho para a minha irmã, que tinha seus olhos verdes cerrados na minha direção.

 

- Não, desculpe Prim. O que você disse?

 

- Você não pode me levar junto para Washington? - Ela faz biquinho e eu suspiro.

 

- Eu sinto muito loirinha, mas você sabe que não. Suas aulas começam hoje, e papai me mata se você faltar.

 

- Você pode pelo menos dizer para Gale vir me ver? Eu estou com saudades!

 

- É claro que eu digo. - Eu sorrio para ela e beijo sua bochecha.

 

- Peeta não vem? - Pergunta, se referindo ao fato de que eu e ela havíamos vindo sozinhas até a estação de trem.

 

- Ele não sabe que eu viria mais cedo, Prim.

 

- Ele vai ficar bravo com você. - Diz e eu balanço a cabeça, sorrindo.

 

- Ele late mas não morde, Prim.

 

As marcas no seu pescoço discordam.

 

Mordo a bochecha para calar a minha consciência, abraçando Primrose.

 

- Eu vou sentir saudades, loirinha. - Sussurro e ela me abraça forte.

 

- Eu também, Kat. Volte logo, okay?

 

- Você é que vai vir para LA, Primrose. - Digo e ela sorri, assentindo. - Se cuide, está bem?

 

- Você também. Eu amo você.

 

- Eu também te amo, Prim. - Beijo sua testa e ela sorri, olho para Jared que sorri pra mim. - Cuide bem dela, okay?

 

- Sempre, senhorita Everdeen. - Eu sorrio para ele e olho para Primrose. - Boa viagem.

 

- Obrigada, Jared. - Eu sorrio e dou um último abraço na minha irmã, antes de pegar minha mala com firmeza e caminhar para dentro do trem. 

 

Sento no meu lugar e olho pela janela, Prim faz tchau pra mim e eu retribuo, Jared fala alguma coisa para ela e a minha irmã assente, me manda um beijo e segue na direção oposta do trem.

 

Uso meus fones de ouvido e dou play na música, quando vou bloquear o celular uma mensagem chega, me fazendo sorrir.

 

 

 

 

 

Como ousa ir viajar sem me avisar e deixar apenas um bilhete para trás? Por que você não me disse que ia de manhã? Eu teria acordado para lhe desejar um bom dia e uma boa viagem :(   [8:17 AM]

 

Você está acordado e pode desejá-lo agora, Mellark!   [8:17 AM]

 

 

 

 

 

Não é bem isso que eu quis dizer... :P    [8:18 AM]

 

 

 

 

 

Que ousadia!   [8:18 AM]

 

 

 

 

 

A ousada aqui é você! Estou me sentindo uma menina que saiu com o cara que acreditava ser o príncipe dos sonhos e dormiu com ele, pra depois acordar sozinha na cama   [8:19 AM]

 

E o último fato é verídico!   [8:19 AM]

 

 

 

 

 

Que ridículo, Mellark   [8:19 AM]

 

Eu pelo menos deixei meu número para que você criasse mais expectativas  [8:19 AM]

 

 

 

 

 

Quanta maldade!   [8:19 AM]

 

Aposto que deixou seu número porque sentiria a minha falta ;)   [8:19 AM]

 

 

 

 

 

Desde quando você é tão convencido?   [8:20 AM]

 

 

 

 

 

Eu sempre fui assim, baby   [8:20 AM]

 

 

 

 

 

 

Sorrio e bloqueio a tela do celular, fecho meus olhos e permito que meus pensamentos vão até ele, e em como ele era bonito.

 

Eu lembrava exatamente da visão que havia tido horas atrás, quando seu rosto estava tão perto do meu.

 

Seus olhos eram de um azul sem igual, como um limpo oceano. Seus cílios eram dourados e pareciam quase maiores que os meus, seus lábios eram finos e rosados, sua barba começava a crescer deixando seu rosto levemente áspero.

 

Lembro das suas mãos grandes segurando a minha cintura com firmeza enquanto ele me beijava avidamente, balanço a cabeça e me pego mordendo o lábio inferior.

 

Desbloqueio o celular e vejo que tem duas novas mensagens suas.

 

 

 

 

 

 

Eu vou voltar para casa no seu jatinho particular?   [8:30 AM]

 

Embarcando agora, sentirei falta daquela cama!   [8:47 AM]

 

 

 

 

 

 

Eu sorrio com a sua mensagem e vejo o seu online se transformar em digitando, segundos depois chega outra mensagem.

 

 

 

 

 

 

 

Ei, está tudo bem?   [8:52 AM]

 

 

 

 

 

Está tudo bem sim, só estava observando a paisagem   [8:52 AM]

 

PS: a cama é o de menos, senhor Mellark :)   [8:53 AM]

 

 

 

 

 

Céus, isso quer dizer que aquilo vai acontecer mais vezes?   [8:53 AM]

 

 

 

 

 

 

Mordo o lábio e suspiro profundamente, pensando em como isso poderia dar fodidamente errado.

 

A lista de "contras" era muito maior do que a de "prós", isso era incontestável.

 

Mas, ao lembrar dos seus lábios juntos dos meus e das nossas línguas se movimentando em sincronia, dos arrepios gostosos pela minha pele e as marcas pelo meu pescoço e clavícula, eu sabia que o tamanho da lista de "contras" não me importava nem um pouco no momento.

 

 

 

 

 

 

Vamos esperar o tempo nos dizer, Mellark   [9:01 AM]

 

 

 

 

 

 

Bloqueio meu celular e fecho os olhos, pensando na lista de prós que ficar com Peeta Mellark traria para a minha vida.

 

Algumas horas depois, percebo que a lista de prós era maior do que eu imaginava. 


Notas Finais


Ahhh, o amor 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...