1. Spirit Fanfics >
  2. The Queen's Desire >
  3. Livros, livros e mais livros

História The Queen's Desire - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, boa noite a todos. Uau, quanto tempo heinkkk Enfim, hoje trago o capitulo 4 e eu espero de coração que todos vocês gostem. Tambem gostaria de me desculpar pela demora, mas olha que lindo 6k de palavras, amei.
Então... espero que gostem e espero voltar o mais rapido possivelkkk

Capítulo 4 - Livros, livros e mais livros


Fanfic / Fanfiction The Queen's Desire - Capítulo 4 - Livros, livros e mais livros

Capitulo 4

- O que você está fazendo? – Perguntou Sakura, enquanto via a morena se virar lentamente em sua direção. Se arrependeu no mesmo instante ao ver a cara de brava da garota, que a encarava profundamente.

Hinata, ao escutar a voz da novata atrás de si, rapidamente escondeu o diário pelas bagunças em cima da cama. Se a garota não notasse que havia o lido, rezaria dez vezes naquele mesmo dia. Porém, ainda havia reclamações a serem feitas e não as deixaria passar em branco. Por isso, com a voz irritadiça, falou:

- Estava arrumando a bagunça que você fez! – Apontou para a garota a sua frente, que corou envergonhada. Rolou os olhos. – Não gosto de sujeira!  Temos regras aqui, entende?

Timidamente, a Haruno lançou o olhar da parede tentando fugir da encarada mortífera que a garota a lançava.

- Desculpe. – pediu simplesmente. – Pensei que estivesse mexendo em minhas coisas.

A morena rolou os olhos e logo após bocejou, dando a entender que não continuaria com aquela discussão.

- Vou dormir. – Disse enquanto a encarava pelos cantos dos olhos.

 

***

 

A academia ST. Vladmir era extremamente grande, possuindo andares que nunca foram explorados por alunos e até mesmo funcionários. Vista pelo lado exterior, muitos poderiam olhar e dizer que possuía apenas três andares, mas seu interior era muito diferente. Existiam mais andares no subsolo do que podiam ser contados.

O quarto andar do subsolo era, talvez, o mais frequentado pelos alunos, por se tratar de onde estava o refeitório. E nesse andar, Gaara, com os cabelos extremamente bagunçados e com a face sonolenta, caminhava pelos corredores. Faltava menos de meia hora para o início das aulas e o ruivo acabara de sair da cama. Havia ficado o dia anterior inteiro com Matsuri e preocupado com Ino, que continuava o ignorando.

Assim que passou pela enorme porta de madeira tratou de localizar algum rosto conhecido, este acabou por ser o de Temari, sua irmã mais velha.

- Como vai? – Pergunto à garota, após beijar a bochecha da mesma. Se sentou ao seu lado enquanto a observava limpar o rosto com uma faceta de nojo.

- Bem... – Ela apenas o disse voltando sua atenção ao livro que lia.

Observando a irmã, logo notou que ali havia algo errado – apenas não sabia o que. Mas, a garota que nunca deixava de comer alguma fruta antes do início das aulas dessa vez trazia nenhum alimento consigo.

- Sua cara está péssima. – Comentou, ganhando a atenção da mais velha novamente. – Coma algo, antes que desmaie por aí.

- Me deixa em paz, Gaara.

A provável pequena discussão que começaria foi interrompida por Shikamaru, que se sentou à frente dos irmãos. Ao contrário de ambos, o moreno vinha com diversos alimentos para que pudesse comer.

- Acho que cheguei em boa hora. – falou ao arrumar suas coisas na mesa recebendo uma piscadela de Gaara em agradecimento. Revirou os olhos.

Temari bufou voltando a prestar sua atenção no livro. Não possuía tempo para lidar com Gaara e o amigo de Gaara, assim como ela o chamava. Assim como o mais novo antes a perguntou, não estava bem – no entanto, fazia quase um mês de sua situação e o ruivo acabou por perceber tarde demais. Suspirou pesado, desejando tacar a bandeja de comida de Shikamaru longe.

Quando chegou ao refeitório, Temari se sentou à mesa mais longe possível de todas as pessoas, para evitar algum possível constrangimento, mas todo o seu cuidado se acabou quando o irmão e o Nara se sentaram ao seu lado. Mais quem faltava? Ela pensava. Já esperava Rock Lee chegando com diversos tipos variados de frutas e falando que todos deviam seguir sua dieta saudável. Os pensamentos da No Sabaku foram interrompidos pelos resmungos de Shikamaru, que logo tratou de dizer:

- Sua fiel escudeira já chegou, Gaara. – Encarava a garota na porta de entrada, enquanto se despedia de algumas amigas.

Temari rosnou em desgosto, recebendo a face em negação do irmão como resposta. Não era segredo para nenhum aluno daquela escola o quanto a loira não gostava da “amiga” do ruivo, assim como o restante de seus amigos.

- Odeio ela. – falou enquanto fechava seu livro, disposta a deixar o local. Se recusava a ficar perto da morena, que jurava que levava uma vida falsa. – Muito forçada.

- Não trate as pessoas assim, Temari. Você nem a conhece! – A repreendeu com um olhar significativo.

A loira bufou e ele sorriu. Sabia que Matsuri possuía uma personalidade demasiada extrovertida, mas pensava ser pela idade da menina – pelo menos, essa era a perspectiva de Gaara.

- Olá a todos! – Saudou a garota, finalmente chegando ao grupo. Se colocou as costas de Gaara, o abraçando por trás. O sorriso tomava conta de seu rosto, fazendo seus olhos ficarem semicerrados como se sorrissem juntos.

Temari, que antes protestava sobre sua vinda, sorriu forçado e logo tratou de virar o rosto para outro lado. Já Shikamaru apenas deu um balançar de cabeça, sem muito animo – O Nara se perguntava se teria sido uma boa ideia sentar com os irmãos.

O Sabaku No se levantou e ficou do lado da morena, a enlaçando pelo pescoço. Ainda possuíam alguns minutos antes da primeira aula e pretendia passar com Matsuri, que era nova na academia.

- Você já comeu? – Perguntou à mais nova recebendo um balançar de cabeça em negação. Então, ambos deixaram a mesa e foram em direção a bancada, onde poderiam comer algo.

Temari olhava a cena desgostosa. Não era como se fosse uma irmã ciumenta ou alguém ignorante, mas achava a garota um estilo completamente diferente do ruivo. Mas “se os opostos se atraem”, o que ela poderia fazer?

- Fala sério...

- Parece que sobramos. – Comentou Shikamaru a sua segunda fala do dia.

- Sobrou você, Shikamaru. Apenas você. – E dito, se retirou da mesa.

Ao contrário da loira, O Nara não possuía nada contra Matsuri – até porque não a conhecia. Mas considerava engraçado, e até mesmo problemático, o modo que a mais velha agia com Gaara na situação. Apenas desejava que Temari fosse menos grossa.

 

***

O segundo e terceiro andar do subsolo eram dedicados apenas as salas de aulas, que eram extremamente espaçosas e possuidoras de enormes janelas, essas que eram revestidas com cortinas vermelhas.

Todas as salas possuíam um padrão, com o mesmo estilo e quantidade de cadeiras e mesas e um quadro negro do tamanho de uma parede. Os alunos sentavam em trios, mas mesmo assim continuavam distantes e possuíam degraus de modo que as mesas de trás ficassem mais elevadas do que as da frente. De fato, tudo na academia tinha sido bem articulado e desprovido de falhas – assim pensavam.

- [...]Bom, deu certo para mim. – Falou a Yamanaka enquanto adentrava a aula.

Hinata e Ino vinham conversando a caminho da sala de Anatomia, localizada no terceiro andar do subsolo. O professor, de nome dado Orochimaru, odiava atrasos e por isso sempre exigia que os alunos chegassem antes de si, afim de evitar confrontos.

- Olá. – Saudou Sakura as duas meninas que se sentavam ao seu lado.

Desde o primeiro dia de aula da Haruno na academia, Ino a havia convidado para se sentar junto a ela e Hinata. Segundo a loira, muitos corriam do humor da Hyuga e como a rosada teria de lidar obrigatoriamente com a mesma, por serem colegas de quarto, seria conveniente sua presença na mesa.

- Olá, novata. Dormiu bem? – Perguntou a loira, simpática como de costume. Sentava no meio do trio, com o interesse de movimentar mais as conversas na mesma.

Diferente de Ino, Hinata nada a respondeu. Não se falavam desde a noite anterior, onde a rosada a havia “pego” mexendo em suas coisas – algo que não se orgulhava. Odiava mentiras e que bisbilhotassem suas coisas, então se sentia uma hipócrita. Mas, já havia o feito, não? Não era como se pretendesse falar de novo com a garota, apenas resmungos por dormirem no mesmo cômodo.

- Bom dia, Karin. – Cumprimentou Shion a amiga, enquanto chegava à classe junto a Kin. A loira que usava os cabelos presos em um rabo de cavalo e uma leve maquiagem no rosto, caçou com o olhar Naruto, este que se via no final da sala junto aos amigos.

- Bom dia. – Respondeu a ruiva, seca e com a face mal humorada. Estava escorada na porta, longe do restante da classe.

As duas amigas se encararam duvidosas, tentando entender o mal humor matinal da Uzumaki. Apesar disso, tiveram a mesma ação de não perguntar o que acontecia e ignorar a situação. Se sentaram na mesa compartilhada juntas e ficaram em silencio, até que Karin começasse a falar.

- Não entendo o porquê de ele não me aceitar. – Tinha os braços cruzados, assim como as pernas. A ruiva, que sentava no canto esquerdo, fuzilava Naruto ao fundo da sala com o olhar.

Aos seus olhos, o menino parecia bastante animado enquanto conversava com Gaara e Kiba. Perguntava a si mesma se quando casasse com o loiro as coisas mudariam, se receberia atenção e um tratamento decente como sua companheira.

- Te aceitar? Quem não te aceita? – Confusa, Kin perguntou. As sobrancelhas que se juntavam e a boca semiaberta exibia não entendimento sobre as palavras da amiga. Sua dúvida de imediato foi respondida por Shion, que acotovelou seu braço enquanto com o queixo apontava para o garoto ao fundo.

Como se já não aguentasse o diário afastamento do loiro, que ao seu ver tinha que sempre estar ao seu lado, Karin levantou-se enraivecida. O puxaria a força se preciso, mas Naruto sentaria ao seu lado na mesa.

- Karin, onde está indo? – Perguntou Shion, tentando alcançar o braço da amiga mesmo sentada. A ruiva já estava longe de si, a passos pesados e largos.

A Uzumaki percorria a sala ignorando quem estivesse em seu caminho, resultando em vários esbarros com outros alunos. Seu semblante fechava à medida que se aproximava de Naruto, que sorria enquanto conversava com os amigos. Quando tudo parecia dar certo e se preparava para agarrar o braço do noivo e puxa-lo para o outro lado da sala, sentiu seu corpo sofrer um forte impacto e logo jogado direto no chão, de bruços.

- Aí... – praguejou de dor ao tentar levantar a cabeça. Sentia toda a sua frente doer, em especial os seios. Ainda deitada, se virou para frente e apoiou os cotovelos ao chão, inclinando-se para cima, procurava pela pessoa que a havia derrubado.

Enquanto todos os alunos se amontoavam para ver o que acontecia, Sakura procurava por sinais de lesões em Ino, que havia sofrido dor ao levantar-se e bater de frente com a ruiva.

- Nossa, Ino, você está bem? – Yukata perguntou ao se aproximar da loira, assim como outros alunos. O ombro deslocado da loira respondia à pergunta, havia sido um forte impacto.

- Ela bateu as costas na lateral da cadeira quando foi empurrada. – Comentou a rosada, encostando no local citado, notando o rosto da amiga se contorcer de dor pelo leve toque. – Vai precisar ir à enfermaria. – Constatou.

- Eu caio no chão e é ela quem é socorrida? – levantou enfurecida com a situação, notando até mesmo as amigas e o “namorado” do lado da loira, que agora era levada para enfermaria por Kiba. – Vocês só podem estar brincando... Shion! Kin!

As anteriormente ditas, foram de encontro a ruiva – que agora arrumava o comprido cabelo. Porem, diferente do que a Uzumaki esperava, ambas vinham com as faces nada felizes, como se desaprovassem o que havia o feito.

- Tem que olhar por onde anda, Karin, empurrou vários alunos. – A loira cruzou os braços ao falar. Agora, a amiga seria certamente chamada a diretoria e receberia uma punição pelo o ocorrido.

Karin rolou os olhos pelas palavras da amiga e os parou em Hinata, que a encarava distante, nada contente. E não gostando do olhar audacioso que a morena a encarava, deixou com que as amigas falassem sozinha e foi ao encontro da garota.                         

 - Porque tanto me olha, Hinatinha? – Sorriu em deboche, se pondo a frente da mesma. – Sei que sou bonita demais, mas não precisa...

- Deixe de piadas. – Com a voz carregada de raiva, pronunciou suas primeiras palavras para a garota. – Você empurrou metade da sala e machucou Ino, tendo ainda a insolência de reclamar por ninguém a ajudar, nem mesmo suas amigas... e futuro noivo. – No momento de sua última palavra dita, dedicou seu olhar a Shion, que virou a cabeça para o lado fingindo não saber do que se tratava.

Por alguns segundos, a Uzumaki não soube o que falar, chegando a ficar boquiaberta com o que acabava de escutar. E por mais que tentasse não escutar as reclamações da morena, sabia que as palavras ditas sobre si eram justas, no entanto, seu orgulho jamais deixaria a concordar com a garota. Quando se deu conta que nada a tinha respondido e todos olhavam para si, suas bochechas tomaram uma coloração rosada por tamanha vergonha. Pensando que não podia se deixar calar pela Hyuga, tentou abrange-la de alguma forma.

- Me desculpe, Hyuga, mas você não é a pessoa mais apropriada para dizer essas coisas sobre mim. – Defendeu-se.

- Karin, não finja que é a mesma propor...

- Quando a própria mãe não aguentou ficar ao seu lado de tão insuportável. – Proferiu de forma suave, assim como o sorriso agora no rosto. A frase dita tão calma e de aparência ingênua fez com que a morena perdesse as palavras na boca.

Agora, era Hinata quem não sabia mais o que dizer e se mantinha boquiaberta, sem reação. Era como se seu corpo estivesse travado, assim como qualquer reação que pudesse ter. Os olhos de coloração cinzam não piscavam e uma pequena lagrima desceu dos mesmos para a sua bochecha. Karin fez Hinata se lembrar de algo em seu passado, o que tanto lutou para apagar de sua memória.

- Espera... isso é uma lagrima? Minha nossa, Hinata, você está chorando...

A fala da Uzumaki fez com que a Hyuga despertasse e acabasse por perceber o que acontecia. De forma ligeira, tratou de limpar a lagrima que descia e se virou, percebendo o olhar de todos sobre si. Oh, como aquilo a irritava... olhares curiosos e julgadores, até mesmo piedosos. Era como uma piada para ela. Mas ela sentia medo desses olhares, da aglomeração que existia sobre si e por isso, sem querer pensar no que seria dito sobre a mesma, fugiu daquela sala, correu para longe deixando todos para trás.

- Nossa, geralmente não é o contrário? – a garota riu com a cena e logo ajeitou os óculos. Como achava revigorante o que acabara de acontecer... o que havia feito acontecer. Talvez ninguém poderia arruinar sua felicidade, que continuava crescente conforme os múrmuros dos alunos vinham à tona.

Enquanto Karin demonstrava o quão feliz estava fazendo piadas e rindo das próprias, Naruto se mantinha totalmente oposto na situação. O garoto repudiava as ações apáticas da ruiva e ele se importava com Hinata, o fazendo sentir o coração doer ao ver a menina sair aos prantos da sala.

- Você não devia ter falado isso, Karin. – Declarou para a ruiva, antes de ir atrás de Hinata.

Fora da sala de aula, Naruto continuava a seguir a morena que, por onde passava, arrancava olhares curiosos das pessoas presentes. Continuou a acompanhar seus passos até que a mesma chegasse ao jardim e se sentasse em baixo de uma arvore, o mais longe de todos.

- Oi – Saudou ao se aproximar. Sentou-se ao lado da Hyuga, que se contraiu ainda mais em seu canto.

- O que você quer? – Enxugou as lagrimas com as mãos, tentando acreditar que faria com que a face chorosa não ficasse visível para o garoto. Uma ideia equivocada de sua parte, já que mesmo limpando o rosto as lagrimas não paravam de descer, e como ela se sentia patética por.

Naruto suspirou, passando a encarar Hinata. Sua ultima conversa com a garota não havia sido boa, na verdade, como se arrependia dela o ver daquele jeito. Seus pensamentos também questionavam quanto tempo não ficava a sós com a morena, sem brigas e discussões precipitadas.

- Não posso mais conversar? – levou a mão ao peito parecendo ofendido. Sua intenção era que o clima fosse o menos deprimente ou hostil possível, que pelo menos tirasse um sorriso do rosto da Hyuga.

- Não somos amigos para isso. – Rolou os olhos ao falar. Acabavam de a lembrar de lembranças que tanto lutou para esquecer e, agora, Naruto vinha para lembra-la de outra novamente.

- Mas já fomos. – Retrucou. Bateu seus ombros no da garota que o olhou com os olhos marejados. – Você sempre foi mandona.

- O que? – desacreditou. –  Que audácia, Uzumaki! – a leve bronca saiu aos risos.

- Audácia? – Riu das palavras usadas pela mesma. – “Neji fique calado!” “Faça o que estou mandando” – Imitou uma voz fina e infantilizada.

Hyuga inflou o rosto e cruzou os braços inconformada. Como Naruto ousava a dizer que era mandona? Ela pensava, queria soca-lo pelas palavras e depois abraça-lo e chorar em seu peito, tal quando eram pequenos.

- Sabe do que mais eu lembro? – excitava fazer a pergunta, mas era mais forte que ele. Sentia que precisava faze-la, relembrar a todo custo aquele tempo e toda afeição que sentiam.

- O que? – Perguntou animada. Ao ver o garoto se ajoelhar em sua frente e pegar uma de suas mãos, sabia exatamente do momento que o mesmo tentava relembra-la. Era como se todos quisessem faze-la chorar naquele dia, assim pensava.

Naruto se ajoelhou em frente a Hinata, que por mais que tentasse não conseguia cessar sua lagrimas. O Uzumaki pegou a mão da morena enquanto a olhava com carinho, queria que soubesse que sempre podia contar consigo.

- Naru... – Ela começou a fala, entre soluços. A face vermelha e inchada causada pelo constante choro a fazia pensar a quão patética era.

- Percebi que quero casar com você. – Compartilhou a descoberta com a garota. Passou a mão na grama verde e bem cuidada, arrancando-a uma folha. – Mas não depende só de mim essa decisão. – Concluiu.

- Então...

- Sabe, Hinata, você gostaria de casar comigo quando crescermos? – perguntou, sentindo o coração bater fortemente ao esperar a resposta da garota. Estaria disposto a faze-la a pessoa mais feliz de todos os reinos.

Com a face tomada pelo rubor, a Hyuga se levantou ligeira ficando em frente ao loiro. Com a boca aberta em um sorriso que se estendia cada vez mais por seu rosto, falou:

- Sim! – E com sua resposta, Naruto passou a folha arrancada em seu dedo anelar e dando um nó na mesma.

Ao enrolar a folha no dedo de Hinata, se inclinou para frente ficando ainda mais próximo da garota. Sentia-se atraído pela Hyuga, de modo que mesmo mais de uma década afastado da mesma não o fizesse sentir o contrário.

- Não! – Interrompeu a aproximação o afastando com os braços. Seu coração palpitava fortemente e a imensa vontade de chorar novamente a tomou conta. – Apenas... me deixe em paz. – Pediu, antes de deixar o local e Naruto sozinho.

 

***

 

Após uma, do que parecia ser, “interminável” aula de Latim, o trio andava pelo corredor pouco movimentado da academia. Rock Lee era o mais falante, expressando o tanto que o professor se atrasava e o faziam perder matérias pequenas – que, segundo ele, já deviam ter passado a tempos. Já haviam passado das férias de verão e ainda estavam no início do livro.

- [...]Penso em reclamar com a diretora sobre. – Expôs o pensamento, com os dedos apoiados no queixo.

De fato, o professor de latim era realmente muito atrasado na matéria – essa que não era sua principal função ensina-la. Mas o homem era querido por todos e há anos lecionava na academia, se Lee o quisesse tirar seria ignorado pelos outros.

Neji balançou a cabeça em negação e logo lançando o olhar para a morena ao seu lado, que mantinha um olhar distante e uma expressão abatida.

- Acho melhor não fazer isso, Lee. – O aconselhou ainda encarando Tenten.

O garoto, que andava a frente dos dois amigos, se virou e encarou o Hyuga, não entendendo suas palavras. Claro, tinha noção que o moreno nunca o apoiaria em loucuras, mas acreditava que o mesmo estava igualmente farto. Não podia ser o único a se incomodar com aquilo, podia?

- Logico que n... – O próprio interrompeu suas falavas, parecendo se distrair com algo que havia visto no final do corredor. Um sorriso considerado “bobo” tomou conta de sua face e ele mudou sua frase. – Sabe, eu tenho algo para fazer. – E assim deixou os amigos, enquanto corria em direção a escada.

Mesmo confuso com o acontecimento, Neji se virou para Tenten e pousou as mãos no ombro da amiga, ganhando atenção da mesma – que parecia finalmente ter despertado.

- O que foi? – Perguntou a garota, o encarando confusa.

Ele suspirou, antes de perguntar:

- O que aconteceu? – ainda com uma das mãos nos ombros da morena, usou a outra para afagar os cabelos presos da mesma.

- São coisas de sua cabeça, Neji. – Riu enquanto se afastava do garoto, evitando contato. Coçava a nuca constrangida.

Por mais que dissesse ser “besteiras”, o moreno sabia que não. Conhecia tanto tempo a amiga para saber quando a mesma estava bem e quando não, e uma Tenten calada por aulas seguidas não era algo bom. Mas se ela não o quisesse contar, não poderia contestar – era direito da garota, assim pensava.

- Okay, senhorita. – Aceitou a resposta, mesmo ainda estando preocupado. – Então vamos beber algo... doce. – Sugeriu voltando a se aproximar da morena. – Vou tirar um sorriso da sua cara feia. – Falou ao posicionar um dedo de cada lado do final dos lábios da menina, os puxando para cima e formando um sorriso.

Ela riu, concordando e disse:

- Vamos sim! – Então, enlaçou seus braços no dele e saíram conversando, como sempre faziam.

 

***

Um dos cômodos mais visitado pelos estudantes da academia no período de provas, era a biblioteca, localizada no 4 andar (subsolo). Mas, em épocas comuns, era normal a mesma sempre estar pouco movimentada, recebendo um pouco mais de 10 alunos por dia.

A biblioteca era antiga, foi o primeiro cômodo construído no castelo, o que era notável pela sua estrutura e moveis, que nunca foram trocados. Apesar, a mesma possuía um espaçamento notável e diversas prateleiras onde não faltariam livros para ler.

Sabendo que poderia encontrar tudo o que precisaria no local, Sakura tratou de ir ao mesmo em seu tempo de descanso. Desde que não conseguiu ler o diário de sua progenitora, havia ficado chateada. Sentia falta da mãe e o caderno vermelho era uma forma que poderiam se conectar.

- Olá. – Cumprimentou a senhora sentada atrás de um enorme balcão. Sentia o coração palpitando rapidamente enquanto seu rosto rondava por toda a biblioteca, escura e com pouca iluminação.

- O que procura? – Perguntou, completamente desinteressada. Ajeitava os óculos enquanto carimbava os papeis em cima do balcão.

Sakura suspirou ao se aproximar da senhora, essa que levantou os olhos desconfiada. A entregou uma folha de papel velho, escrito algumas palavras que havia tirado do diário.

- Queria saber a sessão onde posso achar livros que me ajudem a aprender essa língua. – Sorriu torto enquanto deixava a mulher tomar o papel de suas mãos.

 A sobrancelha da mais velha arqueou e logo após de sua boca saiu um suspiro, deixando a Haruno ainda mais ansiosa pela resposta.

- Olha, menina, parece ser uma língua muito antiga..., mas vá na penúltima sessão, talvez lá você encontre algo. – Apenas o disse, enquanto soltava o papel sobre o balcão com desdém e voltando a seu trabalho anterior.

Sakura agradeceu num sussurro pegando a folha de volta para si, logo se encaminhando para onde a haviam instruído. Passava pelas sessões enquanto as lias, uma por uma. A garota, que nunca havia saído para explorar o mundo a sua fora, se deslumbrava com o enorme cômodo repleto de livros.

Como já o dito, havia sido criada em “isolamento”. A fazenda era enorme e para chegar à cidade demorava mais de meia hora, e dizendo ser um caminho perigoso Chiyo nunca a deixou sair. Nem mesmo sua mãe saíra, uma única vez sequer. Por várias vezes se perguntou como seria a vida fora da fazenda, com outros hábitos e amigos.

Sakura, ao chegar na sessão desejada, passou a procurar um livro que poderia conter o mesmo tipo de escrita no diário vermelho. Haviam vários em diversos idiomas, alguns desconhecidos pela mesma.

- Vou passar a tarde toda aqui pelo visto. – Murmurou ao reclamar. Os livros iam passando pelas mãos da rosada, que já estavam um pouco sujas pela poeira que ali havia. Segurava o expiro fortemente, odiando sua alergia.

Na última fileira da última prateleira, o último livro era tirado pelas mãos da garota, já cansada de tanta busca e sem esperança. Os olhos verdes cintilaram e piscaram repetitivamente não acreditando ao olhar o mesmo estilo de letras e palavras semelhantes no diário. Ela sorriu e virou-se ligeiramente, desejando sentar-se e abrir o livro o mais rápido possível, no entanto seu corpo foi de encontro com outro, porem maior, fazendo o livro ser jogado de suas mãos.

- Nossos encontros sempre são assim? – Questionou o garoto descontraído ao pegar o cartapácio antes que o mesmo atingisse o chão. Analisou a garota surpresa a frente, provavelmente pensando como o havia feito.

Sasuke perguntava se era possível a existência de um ser como a garota a sua frente. Não estava a pensar mal da mesma, mas era excêntrico a mesma surpreende-se por um reflexo normal dos Vrykolakas.  

- Me desculpe. – O pediu ao receber a obra de volta as mãos. A face já avermelhada transparecia a vergonha que sentia, suas bochechas queimavam a mil.

 O Uchiha voltava a estudar a garota a sua frente, que insistia em fugir de seus olhos. Por mais que estivessem na mesma turma, não havia tido muito contato com a mesma e poucas foram as vezes que algum contato tiveram. Mas, agora, ali a encarava tentando perceber seu jeito e a atenção em todos os seus detalhes.

Já Sakura sentia cada vez mais a cor avermelhada tomar conta de seu rosto à medida que o menino continuava a olhar. Apertou o livro contra o peito e abria os lábios repetidas vezes para falar, mas sempre com as palavras fugindo de si.  

- Então você é uma pesquisadora? – Brincou o garoto ao apontar para o livro, esse cravado nas mãos da Haruno.

O silencio ali já havia sumido, assim como as bochechas rosadas da novata, que parecia ser da conta que já estava um bom tempo parada. A mesma riu e desgrudou o livro de si, lembro a capa uma vez mais, não conseguia entender nada do que estava escrito.

- Estou começando no assunto. – Suspirou. Se perguntava como faria dali pra frente, para saber o que estava escrito. Havia achado o livro, mas não havia uma única palavra que conseguia ler.

- Então não é bom começar por esse. – Informou. – Está todo em gótico. Se não a conhece não tem como ler.

Os olhos da rosada piscaram a mil e encararam o rapaz a sua frente. O garoto acabava de falar o nome do idioma que tanto buscava por entender, poderia ajuda-la. Então, com um sorriso que ligeiramente tomou conta de sua face sem ao menos perceber, perguntou:

- Você conhece esse idioma? – Se aproximou do garoto ao encarar no fundo dos olhos pretos do mesmo.

O Uchiha, surpreso pela aproximação, riu sem graça. Talvez a rosada estivesse esperando demais de si, acabaria se decepcionando. No entanto, gostava da aproximação repentina da menina e de como parecia empolgada.

- Não. – O sorriso existente no rosto da Haruno sumiu ao receber sua resposta e ela se afastou, cabisbaixa. – Faz décadas que não pratico, então... – Se explicou.

A garota murmurou um som em entendimento e, novamente, se perdeu no olhar do moreno, que transmitia suavidade. Sakura sentiu como se seu coração esquentasse à medida que o garoto continuava a olhar, se sentia bem.

- Mas talvez eu consiga lembrar de algumas coisas, mesmo que poucas. – Falou às pressas, como se cortasse o clima. Puxou a cadeira de uma mesa próxima para a garota sentar, apontando com as mãos.

- Ah, claro. – Falou, após entender do que se tratava. Sentou-se na cadeira destinada para sua pessoa e entregou o livro nas mãos do Uchiha, que se sentou ao seu lado.

 

***

A garota andava pelos corredores escuros e esvaziados do quinto andar (subsolo) afim de chegar ao seu dormitório. Os cabelos desgrenhados e o rosto inchado pelo choro mostravam o estado caótico que se encontrava. Como era incrível que o maldito garoto ainda mexia consigo mesmo após tanto tempo, a fazendo perceber que aqueles sentimentos que tanto lutou e acreditou esquecer nunca haviam sumido. Como ela o detestava pelo ato, como ele podia sequer pensar que conseguiria beija-la? O considerava tão estupido.  

Como se fosse um costume de todos no castelo, colidiu com outro corpo, porem esse maior e mais forte que o seu.  Ela levantou a face relutante, mas pronta para xingar a pessoa que ficou em sua frente, e acabou por encontrar os olhos acinzentados no rosto tão familiarizado para a mesma.

- Hinata, o que aconteceu? – Neji perguntou preocupado com o estado da prima. – Porque chora? – A pegou pelos ombros e a encarou, percebendo o desespero em seu olhar e as lagrimas que começavam a aparecer mesmo a contragosto.

Ela o abraçou como se fosse a ultima coisa que pudesse fazer naquele momento e sabendo que podia ser a única ação que a faria melhorar. O primo era seu porto seguro, o considerava seu irmão.

 

***

- Então, como você se sente? – Perguntou.

- Shizune, você veio do céu. – Respondeu a loira com um enorme sorriso. Como se sentia melhor depois de ser tratada pela mais velha, que a tratou tão bem. Não conseguia entender como havia se machucado aquele ponto, mas estava feliz por não sentir mais nada.

A morena sorriu diante das palavras de Ino, que continuava a mexer o corpo contente que nem uma criança. Não costumavam a receber muitos alunos na enfermaria e a execução de sua principal função raramente acontecia, então ver Ino a elogiando realmente a deixava feliz.

- Mas quando Karin tomará jeito, hein... – Compartilhou o pensamento com a garota. Trabalhava na academia há meio século e a ruiva nunca mudará a postura encrenqueira que possuía, talvez isso nunca acontecesse.

- Não cite o demônio, vai que aparece. – Recebeu um leve tapa no ombro da mais velha em resposta ao seu comentário, mas ainda sim a mesma não conseguia segurar a risada.

 - Que errado. – Levou a mão a testa abaixando a cabeça, na finalidade de que a loira não visse sua face vermelha. – Preciso resolver algumas coisas para a senhora Tsunade, mas fique aqui descansando. – Avisou já em direção a porta.

- Pelo menos peça para me trocarem de quarto! – Elevou a voz para o pedido, já que a morena não se encontrava mais no mesmo cômodo que ela. Suspirou, agora ficaria entediada naquele lugar. Talvez pediria para Hinata a fazer companhia.

- Oi. – O garoto saudou ainda na entrada. Com as mãos, segurava um copo na altura do peito, mas ainda tremulas transparecendo seu nervosismo, apesar da expressão de tranquilidade estampada em seu rosto.

- O que faz aqui? – Perguntou grosseiramente.

- Apenas queria saber se está melhor. – Aproximou-se da garota. – Suco de morango, seu favorito. – A entregou com a face virada para o lado, como se esperasse que a mesma jogasse o liquido sobre si.

Ino suspirou. De fato, não o queria ali, mas não seria o monstro que o trataria mal ou gritaria o expulsando. De toda forma, seria desconfortável para ela.

- Obrigada. – Murmurou cabisbaixa. Pensava que o garoto apenas seria gentil e iria embora, a deixando para descansar, mas percebeu o engano quando o mesmo se sentou na ponta da cama hospitalar passando a observa-la, agora de uma maneira mais suave.

- Faz tempo que não conversamos Ino...

A Yamanaka sorriu desconfortável pela situação. Não queria mandar o garoto embora, o mesmo comprou seu suco favorito para si – por mais que não tivesse pedido. Pensava que seria grosseria se o mandasse embora. Ela suspirou e olhou em direção a porta, tentando não prestar atenção na “conversa” que se iniciava, mas percebeu ser uma péssima ideia quando viu Gaara que acabava de chegar os olhando e logo indo embora com uma péssima expressão no rosto.

- Sai, vai embora. – Pediu. Agora pensava o quão bom seria ficar sozinha o restante do dia.

 

***

O Uchiha suspirou ao entrar no dormitório. Se sentia exausto, porem estranhamente feliz. Passar o restante do dia na biblioteca com a garota de cabelos róseos não havia sido ruim, por mais que estivessem numa biblioteca realmente haviam se divertido. Oh, claro... ele havia esquecido de pergunta-la seu nome, se castigou por isso. Mas não havia problema, afinal, eram da mesma turma de anatomia e poderia pergunta-la a qualquer instante. Entretanto, demoraria cerca de uma semana para que estivessem novamente na mesma sala e se fosse chama-la fora, todos o ficariam perguntando sobre. Como era desastrosa sua vida, ele pensava.

Assim que afastou os pensamentos secundários da mente, deu importância para o quarto que dividia com mais dois colegas e apenas Naruto se encontrava lá dentro, já com a roupagem que usaria para dormir e uma faceta triste perceptível. E novamente via se encontrar na mesma situação, onde escutaria as bobagens que o amigo fez durante o dia.

- Nossa, já vai dormir? – Falou aos risos. O loiro não o dedicou a atenção continuando calado. Suspirou. – O que aconteceu dessa vez? – Se jogou na cama, tentando imaginar o que seria respondido.

- Conversei com a Hinata. – Falou enquanto se ajeitava na cama bagunçada. – E tentei beija-la.

Sasuke surpreendeu-se com as falas do amigo e se levantou da cama no mesmo instante. Foi em direção a Naruto, ainda desacreditado, e se sentou na ponta da cama do mesmo. E, então, Perguntou:

- E o que aconteceu?

- Simplesmente, ela recusou e foi embora. – Suspirou em nervos. Como queria se sufocar com o travesseiro e ali mesmo morrer. Hinata já o odiava e agora o odiaria mais, deveria o achar um babaca. – Foi um erro ir atrás dela... de novo. – Afirmou.

O moreno conseguia sentir a dor do amigo, justamente por saber de tudo o que se passava. Talvez devesse conversar com Hinata e a pedir compaixão por Naruto, mas se o fizesse seria Naruto que não teria compaixão por si. No final, sabia que não era de sua responsabilidade se meter.

 

***

Com os olhos fechados, buscava relaxar enquanto sentia a água quente em seu corpo. Se deixou escorregar um pouco mais para baixo da banheira, fazendo o liquido chegar até seu pescoço. Após passar o restante de seu dia com Neji, que a acolheu e conversou consigo por bastante tempo, sabia que precisaria espairecer a mente. Mas as coisas não aconteciam como a morena queria, já que não conseguia parar de pensar em tudo que Naruto a falou. “Mandona” ela riu com o pensamento, de todo modo, o garoto não havia mentido ao chama-la assim. E pensava como seus últimos dias haviam sido conturbados, desde o acontecimento entre Shion e Naruto, sua discussão com Karin, e claro, Sakura. A garota quase a pegou mexendo em suas coisas, e como se sentia hipócrita.

Talvez a ultima coisa que Hinata faria seria relaxar, pois ao se lembrar de Sakura sentiu como se um choque de responsabilidade caísse em suas costas. Ter mentido sobre não estar mexendo nas coisas da Haruno foi uma péssima ideia, mais ainda quando leu o que estava escrito no caderno vermelho. E por isso que deixou a banheira e se vestiu, logo saindo do banheiro.

- Vamos lá, cadê você... – perguntou para si mesma. Vasculhava as coisas da novata, a procura do diário. A morena precisava confirmar o que havia lido e, também, contaria para a colega de quarto sobre a mentira que a havia contado. A busca não demorou, já que logo achou o diário fora da caixa, porem embaixo da cama da Haruno.

- O que você está fazendo? – Perguntou a garota que acabava de chegar. – Você está mexendo nas minhas coisas? – Se aproximou da Hyuga, enfurecida.

- Eu menti, estava lendo seu diário. – Confessou imediatamente, surpreendendo a garota a sua frente. – Eu vou te ajudar.

 

 

Por favor, leia as notas finais.


Notas Finais


eu realmente tenho bloqueio criativo em certas partes e as vezes acho que nada a bom, tendo em vista que fiquei 1 mês presa na cena da sala de aula. Eu realmente demoro tambem pra escrever por conta da minha escrita, eu nunca acho que ta boa e tudo mais, e eu apaguei VARIAS fanfics minhas só por conta da escrita, fanfics que eu tinha toda a trajetória completa. Eu mesma me chamo de burra por apagar uma historia com mais de 200 favoritos kkkk Mas o que eu gostaria de falar é:
sei que são poucas pessoas que leem essa historia e sei que demoro pra postar, mas eu gostaria de saber se vcs gostam dessa historia, o que vcs pensam quando leem essa historia. Eu gostaria de saber a reação de vcs, do que te deixam com raiva ou se vcs querem algo. Eu não posso cobrar comentarios, eu não vou, mas eu gostaria de interagir, eu gosto de interagir. Só isso.

Alias, criei uma pasta no pinterest, ainda to postando.
https://br.pinterest.com/hwnstephi/the-queens-desire/ <-- caso alguem queira ver


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...