1. Spirit Fanfics >
  2. The Return ( Madara e Indra) >
  3. Indra

História The Return ( Madara e Indra) - Capítulo 4


Escrita por: Mei-ling

Notas do Autor


Voltei gentarada linda


Eu disse que ele estava voltando e o praga gostosudo voltou mesmo, e se fazendo de santo kkkk confesso que gosto de personagens cínicos (mas só personagens mesmo)

Esse é um dos capítulos que eu mais gostei de escrever e espero que gostem do que vem por aí

Se encontrarem erros que dificultem a leitura podem me avisar que eu corrijo, ok?!

Enfim, boa leitura a todos e é isso aí <3

Capítulo 4 - Indra


Fanfic / Fanfiction The Return ( Madara e Indra) - Capítulo 4 - Indra

17:00 


O interfone toca e Madara atende já sabendo que Hashirama veio lhe buscar para irem até a cafeteria mais famosa de Shibuya, ele pega um casaco e sua carteira e vai de encontro com o amigo. Hashirama estava de carro, mas eles preferiam ir andando, já que o estabelecimento era próximo dali. 


Durante o trajeto, Madara não sabia expressar em palavras seus sentimentos e problemas que estava passando, o Senju fazia perguntas para ele e o jovem Uchiha respondia com sim ou não, o professor não era um excelente conselheiro, mas fazia o possível para ajudar o amigo.



- O que te preocupa em relação a seu pai? - eles caminhavam devagar e Hashirama olhava pra frente com as mãos nos bolsos;


- Não quero decepcioná-lo, eu me sinto livre depois do término, mas me sinto um idiota por não cumprir com aquela promessa… - O jovem Uchiha sentia a necessidade de fazer tudo por seu velho pai, ele tinha medo de ser repreendido ou comparado com o irmão;


- Entendo… Madara, você precisa tomar decisões por você mesmo, pelo seu bem, e não pelo seu pai, esperando a aprovação dele… - a voz do homem soava firme, mas o tom era leve e calmo. Hashirama transmitia sabedoria com suas palavras e Madara compreendia perfeitamente; - Você se sente bem, porque foi algo que você quis fazer, por um lado minha sobrinha estava certa, você gostaria de passar sua vida acorrentado a alguém por obrigação ou como você mesmo disse, por ambição dos pais?! 


- Espero que ele entenda o meu lado, eu fiz aquilo por ele, mas… - o amigo completa o que ele não tinha coragem de falar;


- Quer que ele reconheça você como um homem que toma suas próprias decisões e não por agradar as vontades dele! Sabe o que eu acho Madara?! Que talvez, ele esteja esperando um pouco de ousadia da sua parte, tipo não fazer algo que dependa da autorização dele!


- E se ele me desertar da família por isso? Não me importo com a fortuna dele, mas eu não quero me sentir abandonado pelo meu pai...


- Ele não pode fazer isso! Você é um homem com ideais, opinião própria e é independente! Não foi criado para ser a sombra dele. Comparar você com o Indra, é um insulto! Você é uma pessoa muito melhor do que ele! - aquelas palavras fizeram Madara se sentir melhor e mais confiante em relação a "desafiar" o ancião da família Uchiha;


Hashirama olha de canto para o amigo e nota um semblante mais tranquilo em Madara, mas ainda algo o afligia, o Uchiha era mais que um amigo para ele, era como um irmão e ele gostaria de cuidar e proteger.



- Tem mais alguma coisa, Madara… - após aquelas palavras, ele ouve um suspiro pesado e um olhar triste e distante, Madara olhava para baixo e rangia os dentes, mas ele não parecia estar com raiva;


- O meu irmão está voltando para casa… - Hashirama arregala os olhos, ele abre a boca formando um perfeito "O", eles param na rua já bem próximo a seu destino e o único som a ser ouvido era dos carros;


- Mas… Porquê agora? - O Senju engole a saliva e abre a boca novamente, era surreal a notícia que acabara de receber; - Mada…


- EU NÃO SEI… - ele interrompe o companheiro, ele parecia agitado e muito desesperado; - Eu não sei! - Ele rangia os dentes com tanta força que era possível ouvir pequenos estalos. 



Por algum motivo, Madara sentia dor em seu interior, um vazio imenso tomava conta do seu coração e ele não conseguia pensar em mais nada, um misto de sentimentos perturbadores e o que mais ele sentia além da imensa dor era medo. Seu coração acelera e ele fica ofegante, suspiros altos são liberados de sua boca e Hashirama fica preocupado, ele sabia que o Uchiha tinha o costume de pensar demais em coisas ruins quando estava preocupado com algo. 


Ele entra na frente do amigo e põe a mão em seus ombros e chamava pelo seu nome, Madara olha para ele com o semblante assustado como se tivesse visto alguma assombração, Hashirama começa a fazer perguntas bobas como, o que ele tinha comido mais cedo, que roupa usou um dia atrás, isso tudo, para acalmar o Uchiha. O jovem ia respondendo e não percebeu quando os pensamentos ruins passaram, agora ele se sentia mais calmo e tranquilo, ele respirava normalmente e sua expressão também muda e ele diz apenas uma única coisa a Hashirama.



- Obrigado! 



Hashirama dá um pequeno sorriso e eles continuam caminhando até entrar na Coffee & Vanilla. Quando chegam, um sininho na entrada toca e alguns baristas e garçonetes os comprimentam com um sorriso simpático e amistoso, junto de um "Sejam muito bem vindos", o Senju já era conhecido por ser irmão do dono do local. 


Eles pedem um café simples e vão para a varanda, lá em cima eles encontram com um homem alto de cabelos brancos todo bagunçado, o homem ouve os passos e se vira, para ele não era uma surpresa encontrar com seu irmão mais velho e o amigo, pois tinha visto eles chegando na cafeteria. Ele não diz nada, apenas olha para o semblante de Madara e sai do ambiente com passos largos.



- Acho que ele não está num bom dia… - Hashirama sempre dizia isso quando encontrava com Tobirama, Madara não diz nada, apenas anda em direção ao corrimão e respirava o máximo de ar que podia, ele fica um bom tempo em silêncio, ele queria sentir a brisa do vento de um fim de tarde e observar o lindo pôr do sol alaranjado no céu;


- Aqui! Ao invés de café, você está precisando de um chá… - O homem de cabelos grisalhos volta com um copo de chá e entrega para Madara, depois ele toma o café da mão do Uchiha; - Eu vi vocês na rua, você não parece bem! Isso vai te acalmar… 



Com as duas mãos simbolizando um gesto de gratidão, Madara pega o copo e ainda agradece abaixando a cabeça como uma pequena reverência. 


O chá de ervas doces acalma o rapaz de cabelos longos. Os dois sempre tiveram uma pequena rivalidade, mas Tobirama sabia da importância de Madara na vida de Hashirama e vice-versa, talvez por um lado, eles também se vissem como irmãos e a verdade era que eles disputavam a atenção do Senju mais velho vulgo, professor de botânica.



- O que aconteceu? - ele pergunta por curiosidade, estava um grande silêncio e todos com cara de tacho;


- O Indra está vindo! - depois de falar, Hashirama põe a mão na boca e dá pequenos tapas, um gesto de arrependimento por ter falado; - Não era pra fala… 


- O patife… Digo, o filho pródigo resolveu voltar ao lar? - Como os Senju's e os Uchiha's eram muito próximos, era claro que eles se conheciam; - Quando a princesa chega? 


- Eu não sei, na carta não dizia… - ele não repreendeu Hashirama, pois sabia que cedo ou tarde todos ficariam sabendo da notícia;


- Carta? Ele não sabe mandar um e-mail ou uma mensagem de texto? Ou uma ligação? - as relações de Indra com todos era ruim, ele tinha poucos amigos e seus conhecidos não tinham boas lembranças dele. Tobirama vai até o outro lado da varanda e acende um cigarro, ele bebe um gole do café que pegou do Uchiha;


- Não precisa falar disso se não quiser! - Hashirama toca o ombro do amigo, tentando deixá-lo confortável;


- Não, está tudo bem! Já passou… Eu ainda não disse ao pai sobre isso também! - Os irmãos Senju's se entre olham e Tobirama vai até Madara para lhe dizer algumas doces palavras;


- Vai ficar fazendo beicinho porque o cretino do seu irmão está voltando das férias dele? - aquelas palavras deixaram Madara se sentir intimidado, ele precisava de uma leve chacoalhada;


- O que… - ele pisca algumas vezes e olha para Tobirama incrédulo;


- Que o que? Aquele filho da puta fez da sua vida um inferno, te culpou pela morte da sua mãe e vai embora sem dizer nada! Apenas desaparece deixando todo mundo morto de preocupação e agora ele resolve voltar e você faz essa cara de bunda? - Tobirama lembrava claramente do rosto e da voz de Indra, ele estava certo em tudo o que dizia; - Tá com medo de que Madara? Do inferninho que ele vai fazer quando chegar? O showzinho que ele vai dar quando pisar nessa cidade? Ou de destruir a sua relação com o velho Tajima? - aquilo acertou em cheio o peito do Uchiha, ele se sentía fraco e inútil;


- Ele sabe que o pai está doente, e só agora resolveu voltar… Acho que ele…


- Não se preocupa com o bem estar da família prodígio? Você está pensando certo Madara, ele quer a fortuna do seu pai! E fazendo essa cara de coitado, não vai fazer ele ter pena de você ou do velho! Bem capaz dele fazer essa cara e o seu pai ficar com pena dele depois…


- Ei Tobirama! Chega disso! - o grisalho sempre pegava pesado com as palavras e Hashirama tinha receio de que começasse uma briga ali; 


- Ele está certo! Eu estou sendo muito frouxo! Não sou mais criança e não tem porque eu ficar mal com isso...


- Isso! - Tobirama toma outro gole do café e volta a falar; - Ele não precisa saber que doeu! Faz ele pensar que todo mundo esqueceu as patifarias dele, e que você não se importa mais… Voltar por causa de dinheiro, isso é a cara dele! - ele ri lembrando da personalidade do "inimigo";


- Nem você superou! - Hashirama se mete na conversa, porque não demoraria muito para falarem de problemas muito pessoais;


- E quem disse que ele precisa saber disso! Madara, nós nunca fomos amigos e eu só te suporto por causa do Hashirama e da Tsuna, mas agora somos nós três contra ele! Entendeu! - aquilo parecia um plano de guerra para se proteger;


- Concordo… Mas o que ele fez para você? - Muita gente tinha motivo para odiar seu irmão mais velho, mas Tobirama? O que houve entre eles?;


- Não é da sua conta! Falando na Tsuna, e a minha sobrinha Madara? - rapidamente ele muda de assunto;


- Trocando de assunto vacilão? Para sua felicidade nós terminamos! - Madara dá um leve tapa na bochecha de Tobirama como um sinal de "alívio";


- Como? O que houve? - ele olha para os dois a sua frente muito confuso;


- Não estava rolando nada e eles já estavam cansados… O namoro deles era um esquema do pai e do senhor Tajima! - Hashirama explica o que Madara estava com preguiça de falar;


- Como?? - as duas famílias sempre se superavam em fazer besteira por causa de dinheiro;


- É surdo agora? Eu achei melhor terminar… As duas famílias saíram ganhando no final!


- Ah, parece que alguém já voltou ao normal! E eu achando que cretino só tinha na família Uchiha! E o Ashura? Deixou o pai montar esse circo todo! - ele nem imaginava que o irmão mais velho fazia parte do golpe;


- Parece que tinha dedo dele no meio! O Madara acha que ela está afim de outra pessoa… Lembra do Dan?


- O Dan? Eles se gostavam, mas isso no E.M, ela vivia de conversa com o cara da biblioteca! - ele olha para o Uchiha e ri debochando da situação;


- Ah que ótimo, agora só falta eu ser corno, puta que pariu! - ele cruza os braços e revira os olhos;


- Não queria dizer isso da minha sobrinha, mas talvez só talvez, você seja! - Madara olha para Tobirama como se desejasse estrangular ele; - Ela sempre vinha aqui com ele! Não se beijavam, mas ficavam um tempão de conversinha. 


- Acho que eu era o amante dela… - Hashirama ri e Tobirama o acompanha, Madara estava sendo carregado por uma maré de azar;


- Puta merda, o Ashura… Deixa eles pra lá! - Tobirama não acreditava no fato do seu irmão mais velho ser um cretino como seu pai;


- Já deixei, só queria saber como contar para o pai! 


- Esse caso é o de menos, você mesmo disse que as famílias já conseguiram o que queriam com esse show! Quando você estiver bem calmo, você vai e conta pra ele, mas que seja antes do bonito lá descobrir… Você sabe porque… - Vindo do irmão de Madara eles poderiam esperar qualquer coisa;


- Tem razão, vou fazer isso! - ele já se sentia melhor, o Uchiha rabugento havia voltado para o mundo real. As palavras ácidas de Tobirama ajudaram;


- Precisamos de um plano! Todo mundo nessa cidade tem uma pendência com o Indra, nós seremos os primeiros a cobrar! - Hashirama levanta uma das sobrancelhas, ele sabia que Indra fez mal para muita gente, mas ele não sentia vontade de fazer o mesmo com ele;


- Fingir que tá tudo bem, e descobrir o plano mirabolante dele? - Madara faz algumas caretas porque eles realmente estavam parecendo duas crianças;


- Lógico!


- Vocês dois estão iguais quando eram crianças! Só se davam bem quando era pra se vingar do valentão da escola! - o Uchiha estudou na mesma turma de Tobirama e eles sempre brigavam por besteiras, já Hashirama, estudou com Indra e Izuna a vida toda;



A conversa dos três dura um bom tempo, quando já era noite, Hashirama resolve voltar com o amigo, ele deixa Madara em casa e pega seu carro indo para sua residência.


Em seu quarto, Madara pensava a respeito da conversa que teve com os irmãos Senju, ele respira fundo e vai até o quarto do pai, mas não o encontra. Então ele procura uma das cuidadoras e elas dizem que ele foi até a varanda da casa tomar um pouco de ar, Madara achou aquilo estranho, pois o velho só saía da cama para fazer algumas refeições e usar o toalete, deveria ter acontecido alguma coisa para o velho ter saído da cama.



- Oi pai. - ele chega na varanda e cumprimenta o senhor, o semblante de Tajima era despreocupado e parecia estar de bom humor;


- Filho, que bom que está aqui! - ele abre um sorriso que a tempos não mostrava;


- Pai, o que está fazendo aqui! Está frio… - o jovem rapaz fica desesperado ao ver o corpo frágil do velho do lado de fora da casa, o inverno estava no fim, mas ainda esfriava muito a noite;


- Acordei me sentindo bem hoje, e a primavera já está chegando… Você parece tenso, precisa de alguma coisa? - o jovem segue até o lado do pai e suspira alto e expõe seus sentimentos;


- Pai, o Indra mandou uma carta… Dizendo que está voltando para casa! - seus olhos escuros se perdem numa imensidão de tristeza;


- Ele disse quando vem? - Tajima fica sem reação, ele não sabia o pensar ou dizer;


- Na carta não dizia nada, mas acho que em breve ele estará aqui! - com os olhos voltados para baixo, ele falava devagar tentando controlar sua respiração;


- Você está bem com isso, filho? - ele sabia da relação dos filhos e o que seu primogênito tinha se tornado;


- Estou! Estou sim… - Ele tentava parecer convincente, mas Tajima sabia que aquilo tinha abalado Madara;


- É isso o que importa para mim! - ele prefere mudar de assunto, a notícia pegou os dois de surpresa e ele sabia que o filho não estava bem; - Como está a garota? - o jovem o olhou espantado, era agora que ele teria de contar tudo;


- Nós terminamos… Não me sentia à vontade com ela, e ela não gostava de mim, então achei melhor… - seu pai o interrompe, o coração de Madara estava acelerado, ele tinha medo da reação do pai;


- Eu entendo! Espero que esteja melhor agora, Madara! - depois disso, ele não diz mais nada, apenas coloca a mão sob o ombro do filho e olha sereno para ele, devagar ele retorna para seu quarto e Madara fica sem entender nada;



Madara não diz nada também, era melhor aproveitar que Tajima estava bem naquele dia e deixar as coisas daquele jeito. Ele toma um banho e coloca em ordem seus trabalhos, ele manda mensagens para os colegas de sua turma e começam a planejar um seminário. Tarde da noite ele resolve ir dormir, a reação de seu pai foi um tanto quanto curiosa, talvez Hashirama estivesse certo, Tajima deveria estar esperando uma atitude ousada do filho.


Fevereiro já estava terminando e a primavera chegava junto de Março, o vento não estava mais tão gelado como antes e as flores de cerejeiras estavam florescendo, a estação mais linda e mágica do Japão já mostrava as caras. As ruas e os parques estavam decorados com as árvores de flores cor de rosa, o céu azul com poucas nuvens brancas completam aquela linda paisagem de primavera.


Hashirama trocou suas aulas e escolheu as duas últimas aulas para ver o seminário dos alunos, Ino estava muito nervosa com sua primeira apresentação, Konan e os demais colegas tentavam acalmá-la, todos estudaram muito bem sobre o tema abordado, eles não precisavam ter medo das perguntas do professor. Aquela manhã passou rápido e as duas últimas aulas chegaram, e o galã da família Senju entrou na turma com o rosto sério, ele observava os alunos em pé ao lado da carteira, eles o esperavam. Quando entra e os olha, ele ouve os alunos o receberem e se curvarem.



- E aí turma! Preparados! - ele coloca suas coisas sob sua mesa; - Eu vou puxar a minha cadeira até o canto da sala para ver a apresentação de vocês melhor! Fiquem a vontade para iniciar. - ele leva sua cadeira até o fundo da sala, ele leva um caderno de anotação junto de um lápis e uma borracha, ali tinha o nome dos alunos e as equipes dividas, ele teria que avaliar a nota do grupo e a nota individual de cada estudante;


- Vamos nós primeiro! - Konan dizia para os colegas, o equipamento para a apresentação já estava pronto, todos concordam e seguem até a frente da turma;



Hashirama faz um sinal com a mão para que iniciem, Konan começa se apresentando e apresentando o grupo, então cada um da equipe a acompanha. Ela fala sobre o tema que escolheu e começa sua introdução sobre como identificar tipos de plantas e como cada uma dessas plantas sobreviviam dentro de uma estufa e ao ar livre. 


Depois de falar sobre plantas ao ar livre, Ino completa contando a vida das plantas dentro da estufa, e logo Hashirama faz um sinal indicando que queria fazer uma pergunta para ela.



- Porque a vida das plantas é melhor dentro da estufa? - naquele momento, a loira congelou, ela sabia o porquê, sua mãe era florista, mas parecia que naquele momento ela havia esquecido tudo;


- A estufa é utilizada quando o objetivo é o aquecimento do ambiente. Essa técnica é importante, porque algumas plantas se desenvolvem melhor em determinadas temperaturas! - ela estava muito nervosa e Konan faz um sinal de "ok" para ela;


- Mas porque? Porque a estufa é essencial? - novamente ele faz a pergunta e a jovem fica cada vez mais nervosa, não só ela, mas como os colegas de equipe e o restante da turma;


- O frio pode causar má germinação da semente e pouca absorção dos nutrientes. Isso ocorre porque o sistema radicular paralisa sua atividade e traz como consequência, o abortamento de flores e o crescimento lento. O calor excessivo também é problemático, pois com ele as plantas transpiram mais e se desidratam com facilidade. As altas temperaturas também inviabilizam o grão de pólen, além de causar outros defeitos de ordem fisiológica! - Ela respira fundo e continua explicando; 

- Outro fator que causa dificuldades no desenvolvimento dos vegetais, é a baixa umidade relativa do ar. O resultado dessa ocorrência é a desidratação das plantas, que levam à necessidade de uma irrigação mais eficiente. Ao contrário, quando a umidade relativa do ar for muito alta, acima do exigido, o crescimento pode ficar comprometido pelo desenvolvimento de doenças! 



- Perfeito, e a estufa? - ele começa às anotações;


- Um material ideal para a cobertura de estufas deve deixar passar as radiações, durante o dia, e ser opaco às radiações de maior comprimento de onda emitidas durante a noite, pelo solo e pelas plantas. Existem vários fatores que devem ser avaliados ao se escolher um local para a instalação das estufas, como a topografia, o vento e a luminosidade.

- Na montagem do ambiente protegido, questões como resistência, vedação e orientação da direção dos ventos precisam ser verificadas. O agricultor deve procurar conjugar as situações, observando a resistência da estrutura e a necessidade de obtenção de luminosidade! - Quando ela termina de responder as perguntas, Hashirama dá um leve sorriso para ela;


- Tudo bem Ino? - a garota arregalou os olhos, ela gagueja um pouco, mas responde que sim; - Porque escolheu este curso? Botânica/Biologia! - ela fica séria, e responde com convicção, deixando o professor satisfeito;


- Minha mãe é florista! Ela morou no interior do Japão por anos e junto do meu pai, eles começaram a cultivar flores e depois plantas de várias espécies, quando vieram para o centro da cidade, eles construíram uma estufa e fizeram dela uma loja de flores! Ela me ensinou tudo o que eu sei e eu amo o trabalho dela!



Eles terminam o seminário e vão se sentar, os demais grupos fazem suas apresentações e Hashirama fazia sempre as mesmas perguntas, alguns alunos fizeram o que Konan disse para Ino, apresentaram os trabalhos de qualquer jeito, outros liam um pequeno roteiro que foi dividido entre o grupo e logo o professor pede para que eles encerrem a apresentação, estava horrível.


Quando todos já estavam indo embora, Hashirama encontra Madara andando na rua tranquilamente com Sasuke e seus amigos. 



- Quando que a gente vai terminar aquela fase do jogo? - Sasuke muda de assunto para falar com o primo que estava zuando Naruto;


- Fora essa semana na outra, ainda tenho uns trabalhos para fazer. Acho que semana que vem eu vou estar mais tranquilo!



As meninas cochichavam atrás sobre o primo de Sasuke, depois de terem aquela conversa, a amizade delas mudou bastante e para melhor. Mas não evitavam falar de homens muito bonitos. Madara atrasa o passo para conversar com a rosinha do grupo, ele demorou demais porque a buzina do carro de Hashirama o interrompe.



- Aceita uma carona? - Madara olha para o primo e pensa se deveria aceitar;


- Pode ir, vamos passar em algum lugar pra comer alguma coisa! Depois vou levar a Sakura até a estação! - Sasuke dizia, e Sakura cruzava os dedos para o Uchiha recusar o pedido;


- Então eu aceito! - ele dá a volta e entra no carro, a menina praguejava em seus pensamentos, e vão os dois amigos para a casa de Madara;



Quando param na frente do condomínio, Madara o convida para entrar e Hashirama aceita o convite, eles passam a portaria e o porteiro os comprimenta e torce o nariz para o Uchiha. Os dois amigos se entreolham, mas ignoram aquela atitude. Quando chegam na casa de Madara, eles entram na residência tirando os calçados. Na entrada tinha uma pequena sapateira e logo a grande sala principal. no sofá era visível o capacete e as jaquetas pretas jogadas. 


Num canto da parede onde ficavam as chaves penduradas, tinha uma chave extra. Os dois andam apressados até a garagem da casa e encontram uma moto parada ao lado do carro de Madara. Os dois reviraram os olhos e começaram a caçar a visita.


Na sala de estar que Tajima transformou em uma biblioteca/sala de chá, lá estava o velho acompanhado de um homem de cabelos longos ondulados de cor acastanhada. Hashirama cochicha algo para Madara que o faz rir em seguida.



- Então era daqui que estava vindo o cheiro de podre! - ele vira o rosto e deixa sua mão na frente da boca, a risada de Madara chamou a atenção dos dois homens que estão sentados no chão tomando chá;


- Olha só que maravilha, duas visitas inesperadas no mesmo dia! - o velho olha para Hashirama e faz um aceno com a mão; - É bom ver você Tobirama! - o jovem de cabelo castanho esconde o riso virando o rosto;


- Eu digo o mesmo Senhor Uchiha, mas eu sou o Hashirama! - ele se curva e o velho senhor faz o mesmo, ainda sentado;


- Venham, sentem-se conosco! - ele chama os dois rapazes que estavam congelados em pé na entrada da sala; - Madara, acho que sei porque aquele dia eu estava tão agitado! Acho que estava sentindo que o Indra voltaria…


- Fica frio como gelo… - o Senju cochicha e dá uma cutucada no amigo com o cotovelo;


- Sim pai, eu falei para o senhor que ele estava vindo… - Com um sorriso sem graça ele vai até o pai e senta no chão com Hashirama e os dois encaram o irmão mais velho do Uchiha;



Um silêncio se instala no cômodo da casa, ninguém sabia o que dizer, Madara e Hashirama se sentiam desconfortáveis diante daquela situação.



- Você ficou melhor com o cabelo longo, Hashirama. - o elogio de Indra chama a atenção dos dois amigos, eles acham um pouco estranho ouvir aquilo do rapaz;


- Ah, antes meu cabelo parecia uma tigela! Acho que assim fica melhor mesmo! - ele dá um sorriso e Madara o cutuca e faz uma careta;


- Fica mesmo! A última vez que eu o vi, você era mais baixo também, ou estou confundindo com o Ashura? - ele olhava apenas para Hashirama, ele ignorava a presença do irmão;


- Não, eu cresci também! Acho que não sou mais tão inseguro quanto antes! - Indra apenas faz um aceno de concordância com o Senju;


- Acho que você não está aqui por mim! - o semblante dele estava relaxado, mas seus olhos pareciam cansados;


- Sim, eu só vim trazer o Madara, mas acho que já estou de saída! - ele vai se levantando e Madara o acompanha;



Eles vão até o lado de fora da casa e ficam se encarando, até começarem a rir, aquilo foi estranho para eles.



- Qual é? O seu irmão voltou como bom samaritano? Bem que o Tobirama falou… Você viu a cara dele, os olhos dele? A quanto tempo ele não dorme? - Hashirama aponta para os olhos indicando as "olheiras";


- Como você é falso Hashirama, ele te faz um elogio e você sai pra falar mal do cara! - ele ria dos comentários do amigo e da situação;


- Mas você viu? - a aparência de Indra tinha mudado muito desde a última vez que o viram, ele não foi na formatura do colégio pois tinha ido embora e a partir daquele dia, ninguém mais o viu;


- Claro que eu vi! Parecia maquiagem…


- As olheiras dele são tão escuras e roxas que parece maquiagem mesmo! Nada contra se for, mas ele está meio acabadinho… - o Uchiha começa a rir, Hashirama era como seu primo, as vezes soltava umas pérolas e perdia a chance de ficar quieto;


- Acabadinho Hashirama! Uma semana dormindo e acho que resolve! - ele cruza os braços e encarou o amigo; 


- E mesmo assim o cretino continua bonito…


- Quer namorar com ele? Eu te dou a benção! - Hashirama força uma risada e revira os olhos;


- Idiota, mas acho que preciso ir. Vi algumas apresentações dos alunos, e preciso ler os relatórios deles… E depois tenho um compromisso… - o Uchiha olha para ele desconfiado e pergunta qual seria o tal compromisso;


- Um encontro? Com ela? - Não precisava de muitas informações para o Uchiha deduzir que Hashirama só ia a encontros com Mito;


- Talvez, ela trabalha na biblioteca, então vou passar lá para "comprar" uns livros… - ele ajeitava a gravata enquanto falava;


- Sei… leva um suquinho de morango pra ela também! - Hashirama ri do comentário;


- Que suco de morango Madara, você está bem engraçado hoje. Acho que vou optar pelo café desta vez! Eu sei qual ela gosta…


- Boa, depois me conta como foi… - ele dá um sorriso duvidoso para o amigo;


- Não vou levar ela pra minha casa! - ele faz um bico e fica com a cara emburrada;


- Eu não disse isso, é pra dizer como foi o encontro, essas coisas sabe, para eu não fazer igual depois!


- Ha ha ha, engraçadão! Tô indo, se cuida e não dá moral se ele falar alguma besteira, valeu? - ele tira as chaves do bolso e vai andando até o carro;


- Ok, bom encontro e vê se desencalha! - Hashirama ignora o deboche e entra no carro, Madara entra em sua casa e vai para seu quarto para não ter o desprazer de encontrar com o irmão;



Notas Finais


Por hoje é só gente!

Madara, Hashirama e Tobirama são a prova de que você sai da adolescência, mas a adolescência não sai de você hahaha

Ficou um pouco claro as tretas do povo com o Indra e os conflitos internos do Madara em relação a isso. A relação deles é um pouco ruim!

O próximo cap é Hashirama e Mito se não me engano e tô escrevendo um de Madara e Sakura, aguardem que logo logo eles estarão no ar!

Espero que tenham gostado do cap de hoje e obrigada a todos que estão acompanhado a fic <3

Até a próxima!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...