História The Stage - Capítulo 31


Escrita por:

Postado
Categorias Avenged Sevenfold, Bullet For My Valentine, Slipknot
Personagens Corey Taylor, M. Shadows, Matt Tuck, Synyster Gates, Zacky Vengeance
Tags Corey Taylor, Joey Jordinson, Matt Tuck, Synyster Gates, Zacky Vengeance
Visualizações 28
Palavras 1.866
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas, voltei! Estou amando escrever esta estória e espero que vocês estejam gostando tanto quanto eu, muita coisa vai acontecer ainda, esperem o inesperado.

Boa leitura!

Capítulo 31 - Capítulo XXXI


Fanfic / Fanfiction The Stage - Capítulo 31 - Capítulo XXXI

Sunset Boulevard, 19:12h

Yulia estava em sua casa, os últimos dias foram cansativos e penosos para todos, por isso resolveu descansar, quando acordou foi tomar um banho refrescante para aliviar a tensão, enquanto a água escorria pelo seu corpo lembrou do que aconteceu na festa, rapidamente afastou aqueles pensamentos da sua mente “aquilo não pode voltar a acontecer”.

Assim que saiu do banho vestiu o seu roupão, sentou na cama enquanto passava o creme para a pele, o seu celular tocou e era uma mensagem do Joey perguntando com ela estava, ele queria ir vê-la mas, ela disse que era melhor não, queria descansar, assim que terminou foi para a cozinha tomar uma água quando a sua campainha tocou. Era o Matt que a recebeu com um beijo feroz assim que ela abriu a porta. Ele trazia uma garrafa de champanhe Cristal com ele.

- Matt – disse ela ofegante depois de larga-lo.

- Boa noite para você também amor – disse todo feliz, reparou no traje da namorada – estava esperando por mim?

- Não – disse toda vermelha fechando a porta, reparou na garrafa – champanhe?

- Sim – respondeu todo animado – esqueceu que já faz um mês  e algumas semanas que a gente voltou?

Ela ficou sem jeito – ai meu amor eu não lembrava, é que aconteceu tanta coisa…

- Não tem importância. Está sozinha?

- Estou – respondeu desconfiada – por que a pergunta?

Ele tirou o casaco de couro e se aproximou dela – já faz algum tempo que a gente não faz amor Yulia – disse desamarrando o robe dela – estou com saudades.

- Isso quer dizer que você já ultrapassou…

- Já, não vamos mais falar disso – disse levando o champanhe na geladeira – essa noite é nossa… só nossa.

- Matt…

- Não me diz que não quer? – perguntou se aproximando e envolvendo-a em seus braços.

Yulia tentou falar mas…

Ela nem teve tempo, Matt beijou-a como não fazia há dias, aquela pegada, aquelas mãos fortes que a envolvia, a maneira feroz que  ele a beijava, ele estava com desejo, estava acendendo por dentro e ela também. Foram para o quarto dela e deixaram a porta aberta, deitaram na cama, Yulia tirou a roupa dele e beijou o seu peitoral, passou a mão dentro da sua cueca fazendo com que ele soltasse um grunhido. Matt ficou em cima dela, estava excitado, passara uns bons dias sem estar com ela.

Olhou para ela com aqueles olhos azuis, passou a mão pelo seu corpo, desamarrava o seu robe e tirou a sua calcinha, passou a mão entre as pernas dela.

- Matt… - gemeu Yulia ofegante

- Não, Yulia – sussurrou – não diz nada, apenas sente.

Então ele beijou os seus seios, foi descendo até chegar na sua genitália e começou a estimula-la. Yulia se contorcia na cama, gemia de prazer, seu corpo tremia, seu sangue estava quente, cada fibra do seu corpo respondia aos estímulos de Matt, a sensação era tão boa quanto te-lo completamente dentro de si. Os gemidos dela causaram uma sensação intensa de prazer nele, ele gostava do que ouvia, como ouvia, e saber que ele e o que estava fazendo era o motivo dela estar assim simplesmente o enlouquecia.

Assim que terminou, Yulia o beijou e tirou a sua cueca, ficou em cima dele e começou a  senti-lo dentro de si, ele sentia prazer só de vê-la em cima dele provocando a penetração. Antes que ele pudesse dizer alguma coisa ela aumentou a intensidade, ela o beijou e o Matt aproveitou para ficar em cima dela. Ele começou a penetrá-la de volta olhando-a nos olhos, os dois aproveitaram o momento trocando beijos e carícias.

Yulia arranhou as suas costas, foi um gesto espontâneo, Matt penetrava-a e a beijava, queria que aquele momento acabasse nunca.

Svetlana estava no hospital com o Brian, ficou lá até fazerem o curativo nele, dava para sentir no rosto dele a agonia que sentia por não poder sentir o braço, mas era algo que precisava aprender a lidar, estava ficando tarde ele precisava dormir e descansar, ela também na verdade. Então chegou perto dele para se despedir.

- Brian – chamou, ele olhou para ela – eu já vou.

- Mas, já? – perguntou, já conseguia falar com certa vivacidade.

- Sim, está ficando tarde e também preciso descansar – disse – depois de amanhã eu volto.

- Eu não me importo que venha todos os dias.

Svenia riu – os médicos precisam de espaço e quando eu estou aqui…

- Eles sabem o quanto você me faz bem por isso não acho que eles se importem.

- Isso deve incomoda-los as vezes.

- Eles que se incomodem – disse tossindo em seguida.

- Eles só estão fazendo o seu trabalho, Brian.

Uma das enfermeiras chegou com o jantar e a medicação dele.

- Agora eu acho que tenho mesmo que ir. Boa noite.

- Boa noite – respondeu.

New Valley, 20:25h

Svenia teve que enfrentar uma chuva de fotógrafos só para conseguir sair do hospital, se não fosse o segurança e o seu motorista demoraria uma eternidade para chegar em casa. Quando saiu do carro, viu um outro carro estacionado, estranhou, “talvez seja o meu padrinho”. O motorista abriu a porta para ela.

- Obrigada Howard.

- A senhora ainda vai precisar dos meus serviços?

- Não, está dispensado, obrigada.

Entrou e fechou a porta, assim que chegou no andar de cima foi no seu quarto e quase teve um surto, o Corey estava deitado na sua cama e acariciava a sua camisola vermelha.

Assim que a viu abriu um sorriso – boa noite meu amor.

- Sai da minha cama – disse ríspida.

- Ela é bem confortável.

- Sai da minha casa! – ela estava começando a ficar com raiva – como se atreve a invadir a minha privacidade desse jeito?

- Calma – disse levantando da cama – eu estou te ligando a um tempão e você não atende, mandei um monte de mensagens e não respondeu nenhuma.

- E não pretendia responder.

Corey a fuzilou com o olhar – posso saber aonde estava?

- No hospital.

- E ao que parece aquele lugar se tornou a tua nova casa.

- O meu marido vai ficar lá durante um bom tempo então…

Ela sabe o quanto ele odeia quando se refere ao Brian como “marido” – para… apenas para – disse Corey.

- Não disse nada de errado.

- Até quando esse seu ódio por mim vai durar?

- Até você aprender a valorizar o que tem – disse Svenia.

- E ai você se divorcia… e nós voltamos – disse Corey se aproximando.

Svenia riu – quem disse que eu vou me divorciar?

- Isso é uma piada? – disse Corey controlando a raiva.

- Não – disse seca.

 - Então quer dizer que o que o Joey me disse é verdade? Você cancelou mesmo?

- Eu quase joguei o meu casamento fora por você.

Ele não queria desabar, mas não estava conseguindo evitar – olha eu sei…

- O que é que você sabe? Que você errou? O que Corey? Que Você lamenta? – perguntou Svenia – você abusou do meu amor por você, dei tantas oportunidades e você jogou tudo no lixo, o Brian me falhou apenas uma vez… por que eu não devo perdoa-lo e recuperar o meu casamento?

Corey segurou-a pelo braço – porque eu não vou deixar. Você me ama que eu sei e eu também te amo!

- Me solta! – disse se soltando.

- Tanto que depois de tanto tempo foi para a cama comigo.

- Porque eu acreditei em tudo o que você me disse! Mas, não, era só o Corey sendo o Corey.

Ele se aproximou mais dela – e você gosta de mim mesmo assim não gosta?

- Fica longe de mim.

Ele deu uma risada – você não me quer longe, eu sei – disse tentando toca-la. Ela não deixou, ele avistou o retrato dos dois de casamento na penteadeira e pegou – é, eu devo confessar que ele tem uma vocação para marido que eu nunca tive, o desgraçado é tão bom nisso que casou contigo. Mas, essa é a diferença entre nós os dois, no Brian você encontrou um bom marido eu devo confessar, mas em mim… você encontrou muito mais que isso.

- A tua presunção não tem limites – disse Svenia – ele fez algo que você nunca fez comigo.

- Posso saber o que é?

- Foi sincero – disse Svenia recebendo o seu retrato.

Corey fez uma cara de desdém – ele sempre teve essa fraqueza, é honesto demais para o seu próprio bem. Mas vai relevar o que ele fez comigo? – perguntou.

- Você já me ameaçou de morte e eu perdoei não foi?

- Eu estava embriagado.

Svenia fitou o chão – ele tem razão, o que a gente tinha não era um relacionamento.

- Não fala assim – disse Corey.

- Era um ciclo vicioso… que não vai se repetir nunca mais – disse Svenia.

Corey estava com os olhos marejados – você está nervosa e chateada comigo, não está falando coisa com coisa. Eu vou te deixar sozinha.

- Corey entre a gente…

- Eu não aceito e nunca vou aceitar esse teu casamento você me entendeu? – disse furioso.

- E quem disse que eu preciso da tua aceitação? – ela estava ficando sem paciência – que porra é essa?

- Você não está bem. Não estou te reconhecendo – disse Corey incrédulo – a gente se fala amanhã.

Ele saiu e deixou-a no seu quarto, estava cansada demais para ter que se lamentar por mais alguma coisa que o Corey fez, então jantou e depois tentou descansar.

Yulia e Matt estavam aninhados na cama dela trocando beijos, estavam sem os lençóis para encobri-los e nem se importaram.

- Já estava com saudades disso – disse Matt acariciando os cabelos dela.

Yulia riu de leve – é tão bom quando estamos assim, sem brigas nem nada – ela beijou o peitoral dele – também senti falta disso.

- Por pouco pensei que fosse te perder de novo – disse Matt.

- Não vamos mais falar disso.

- Tem razão – disse ficando em cima dela – a nossa noite só está começando – Yulia riu.

Os dois ficaram ai namorando mais um pouco, depois desfrutaram de um banho a dois e mais tarde tiveram um jantar romântico e dividiram uma garrafa de champanhe.

No dia seguinte, Matt acordou primeiro e resolveu preparar o pequeno almoço para eles, ele vestia um roupão que a Yulia tinha em casa só para ele, estava com o cabelo úmido por conta do banho, enquanto arrumava a bandeja para levar à Yulia a campainha tocou. Ele foi atender e teve uma baita surpresa.

- Matt?

- Bom dia, Joey – respondeu sorridente – você veio a procura da Yulia não é?

Ele não respondeu, apenas observou Matt e o seu roupão.

Yulia saiu do quarto com o seu roupão e foi na sala – amor? Você está ai?

- Sim – ele deixou a porta aberta para que o Joey entrasse e foi dar um beijo de bom dia à namorada – bom dia amor, você tem visita.

- Quem é… - Yulia ficou estática.

Os dois se encararam, Joey reparou na sala, duas taças de champanhe, cera de vela derretida na mesa, um casaco de couro no sofá…

“ Eles passaram a noite juntos e ele quer que eu saiba, pois é Matt… estou me sentindo péssimo”


Notas Finais


Até a próxima semana!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...