História The Secret Life of Daydreams - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Drama, Hinata, Naruhina, Naruto, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Visualizações 60
Palavras 1.947
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - 8th


Ás cinco da tarde, as duas jovens se recolheram para se vestir, e, ás seis e meia, Sakura foi chamada para o jantar. As numerosas e educadas perguntas que lhe foram dirigidas, entre as quais teve o prazer de discernir a finíssima solicitude do sr. Uzumaki, ela não pôde dar uma resposta positiva. Hinata não havia melhorado em nada. Ao ouvir isso, as irmãs repetiram três ou quatro vezes como aquilo as afligia, quão desagradável é ter um forte resfriado e como detestavam ficar doentes. Em seguida, não pensaram mais no assunto, e a indiferença delas por Hinata quando não estavam na presença dela trouxe de volta a Sakura toda a repulsa que antes sentira por elas.

O irmão delas, de fato era o único por quem sentia simpatia. A preocupação dele com Hinata era evidente, e suas atenções com ela, muito gentis, o que a impediu de se sentir uma completa intrusa, como acreditava ser considerada pelos demais. Só ele parecia dar-se conta da sua presença. A srta. Uzumaki estava absorvida pelo sr. Uchiha, o mesmo se podia dizer de sua irmã; e quanto ao sr. Hurst, ao lado do qual se sentou Sakura, era um homem indolente, que vivia somente para comer, beber e jogar baralho; que, quando viu que ela preferia um prato simples a um ragoût*, nada mais teve a lhe dizer.

Terminando o jantar, Sakura logo voltou para junto de Hinata, e a srta. Uzumaki começou a falar mal dela assim que ela deixou a sala. Suas maneiras foram consideradas péssimas, um misto de orgulho e impertinência; não sabia conversar, não tinha nem estilo, nem beleza. Tal era também o parecer da sra. Hurst, que acrescentou:

- Ela nada tem que a recomende, salvo o fato de ser uma excelente andarilha. Nunca me esquecerei de quando ela apareceu, hoje de manhã. Parecia uma selvagem.

- É verdade, Konan. Mal pude conter-me. Foi um completo absurdo ter vindo! Que tinha ela de percorrer os campos, só porque a irmã estava resfriada? E os cabelos, tão despenteados, tão desgrenhados! E aquela cor, rosa? Onde já se viu...

- E as saias? Espero que você tenha visto as saias dela, mergulhadas em seis polegadas de lama, tenho certeza; e o sobretudo que ela usou para escondê-las não fez bem o seu trabalho.

- Seu retrato pode ser exato — disse Naruto —, mas tudo isso me passou despercebido. Achei que a srta. Sakura Haruno estava muitíssimo bem quando entrou na sala esta manhã. Realmente não notei as saias sujas.

- Você as notou, sr. Uchiha, tenho certeza — disse a srta. Uzumaki —, e sei que não gostaria de ver a sua irmã dando uma tal exibição.

- Certamente que não.

- Caminhar três ou quatro milhas ou quantas forem a pé na lama, e sozinha, completamente sozinha! Que será que ela quis com isso? Acho que isso revela um tipo detestável de independência e presunção, uma provincianíssima indiferença ao decoro.

- Mostra uma agradabillísima afeição pela irmã — disse Naruto.

- Receio, sr. Uchiha — observou a srta. Uzumaki quase sussurrando —, que esta aventura tenha afetado um pouco a sua admiração pelos belos olhos dela.

- Nem um pouco — replicou ele. — Eles estavam brilhando por causa do exercício.

Seguiu-se as palavras uma breve pausa, que foi interrompida pela sra. Hurst:

- Tenho grande consideração pela srta. Hinata Haruno. Ela é um doce de menina, e desejo de coração que ela logo se estabeleça. Mas com esse pai essa mãe, e com parentes tão baixos, receio que sejam poucas as suas possibilidades de sucesso.

- Creio ter ouvido você dizer que o tio delas é advogado em Meryton.

- Sim; e elas têm outro, que vive perto de Cheapside.

- Gente muito importante! — acrescentou a irmã, e ambas deram gargalhadas.

- Se elas tivessem uma quantidade de tios suficientes para lotar todo o Cheapside — exclamou Naruto —, isso não as tornaria nem um pouquinho menos encantadoras.

Suas irmãs o olharam com descrença.

- Mas isso deve reduzir substancialmente as suas possibilidades de se casarem com homens respeitáveis da sociedade — replicou Sasuke.

A essas palavras, Naruto não deu nenhuma resposta, mas suas irmãs concordaram enfaticamente com elas e deram rédea sobre à sua hilaridade por certo tempo, às custas dos parentescos vulgares de sua querida amiga.

Com renovada ternura, porém, elas voltaram ao quarto de Hinata ao deixarem a sala de jantar e permaneceram com ela até serem chamadas para o café. Ela ainda estava bem mal, e Sakura não quis deixá-la em nenhum momento, até o cair da tarde, quando, satisfeita, viu a irmã adormecer, e lhe pareceu mais correto do que agradável descer ao andar de baixo. Ao entrar na sala de estar, deu com todo o grupo a jogar loo*, e foi de imediato convidada a juntar-se a eles, mas, desconfiando de que estivessem jogando com apostas caras, recusou o convite e, usando a irmã como desculpa, disse que se divertiria durante o pouco tempo que poderia passar no andar de baixo com a leitura de um livro. O sr. Hurst olhou espantado para ela.

- Você prefere ler a jogar cartas? — disse ele. — Isso é muito curioso.

- A srta. Sakura Haruno — disse a srta. Uzumaki — tem desprezo pelo baralho. É uma grande leitora e não sente prazer em mais nada.

- Não mereço nem tal elogio, nem tal censura! — exclamou Sakura.  — Não sou uma grande leitora e sinto prazer em muitas coisas.

- Tenho certeza de que sente prazer em cuidar da irmã  — disse Naruto  —, e espero que tal prazer aumente ao vê-la curada.

Agradeceu-lhe Sakura de coração e, então, dirigiu-se para uma mesa sobre a qual havia alguns livros. Ele logo se ofereceu para trazer-lhes outros  — todo o acervo da biblioteca.

- E, por você e para meu próprio crédito, eu queria que a minha coleção fosse maior, mas sou um sujeito preguiçoso e, embora tenha muitos livros, tenho mais do que abri em toda a minha vida.

Sakura garantiu-lhe que os volumes dispostos  na sala lhe eram mais do que suficientes.

- Muito me espanta  — disse a srta. Uzumaki  — que meu pai tenha deixado uma coleção de livros tão pequena. Que deliciosa você tem em Pemberley, sr. Uchiha!

- Ela só podia ser boa  — replicou ele.  —  É fruto do trabalho de muitas gerações.

- E depois você mesmo acrescentou tanto a ela, pois está sempre comprando livros.

- Não consigo compreender o desdém pela biblioteca da família nos dias de hoje.

- Desdém! Tenho certeza de que você não desdenha nada que possa aumentar a beleza daquele nobre lugar. Naruto, quando você construir a sua casa, queria que ela tivesse metade das delícias de Pemberley.

- Assim espero!

- Mas eu lhe aconselho vivamente a escolher uma casa nesta vizinhança e tomar Pemberley como uma espécie de modelo. Não há na Inglaterra condado mais encantador do que Derbyshire  — disse a srta. Uzumaki.

- É o que mais quero; eu compraria a própria Pemberley se Sasuke a vendesse  — disse Naruto em um tom divertido.

- Estou falando de coisas possíveis, Naruto.

- Palavra de honra Karin, acho mais possível comprar Pemberley do que imitá-lo.

Sakura estava tão preocupada com o que se passara, que dava pouca atenção ao livro; e logo o deixou de lado, dirigiu-se para a mesa de jogo e ficou entre o sr. Uzumaki e a sua irmã mais velha, observando o jogo.

- A srta. Uchiha cresceu muito desde a minha ultima visita?  — disse a srta. Uzumaki.  — Ela será tão alta quanto eu?

- Acho que sim. Ela tem hoje mais ou menos a altura da srta. Sakura Haruno ou até mais.

- Que vontade de torna a vê-la! Nunca encontrei ninguém que me agradasse tanto. Que porte, que modos! E tão prendada para a idade! Toca piano maravilhosamente.

- Muito me espanta  — disse Naruto  — como todas as mocinhas conseguem ter paciência para serem tão prendadas. 

- Todas as mocinhas prendadas! Meu querido Naruto, que quer dizer com isso?

- Sim, todas elas, acho eu. Todas elas pintam mesas, forram biombos e fazem bolsas de malha. Conheço pouquíssimas que não façam tudo isso e tenho certeza de que nunca ouvi alguém se referir pela primeira vez a uma jovem senhorita sem mencionar que ela é muito prendada.

- A sua lista das prendas mais comuns  — disse Sasuke  — é muito bem observada. A palavra é aplicada a muitas moças que só a merecem por fazerem bolsinhas de malha ou forrarem biombos. Mas estou muito longe de concordar com você na sua avaliação das mulheres em geral. Não posso gabar-me de conhecer mais do que meia dúzia delas, entre todas as minhas relações, que sejam realmente prendadas.

- Nem eu, com certeza  — disse a srta. Uzumaki.

- Então  — observou Sakura  —, a sua ideia de uma mulher prendada deve ser muito exigente.

- Sim, é muito exigente.

- Ah! Certamente  — exclamou seu fiel assistente  — nenhuma mulher pode ser considerada prendada se não superar em muito o que se costuma fazer. Deve ter um conhecimento profundo da música, do canto, do desenho, da dança e dos idiomas modernos para merecer a qualificação; e, além de tudo isso, deve possuir algo no modo de ser e na maneira de caminhar, no tom de voz, no trato e nas expressões, para que a palavra não seja merecida senão em parte.

- Tudo isso ela deve ter  — acrescentou Sasuke  —, e a tudo isso ela deve acrescentar algo mais essencial: o cultivo da inteligência pelas amplas leituras.

- Já não estou surpresa por você conhecer  seis mulheres prendadas. Meu espanto agora é por você conhecer tantas  — disse Sakura.

- Será que você é tão severa com o seu próprio sexo para duvidar da possibilidade de tudo isso?

- Nunca vi uma mulher assim. Nunca vi assim juntos o bom gosto e a capacidade e a aplicação e a elegância, como você os descreve.

A sra. Hurst e a srta. Uzumaki protestavam contra a injustiça de sua dúvida implícita, alegando ambas conhecerem muitas mulheres que correspondiam à descrição, quando o sr. Hurst lhes chamou a atenção, com amargas queixas sobre a desatenção delas ao jogo. Com isso, a conversa chegou ao fim, e logo em seguida Sakura deixou a sala.

- Sakura Haruno  — disse a srta. Uzumaki, quando a porta se fechou atrás dela  — é uma dessas mocinhas que procuram chamar para si a atenção do outro sexo menosprezando o seu próprio; e com muitos homens, tenho certeza, isso dá certo. Mas, na minha opinião, trata-se de um truque baixo, um estratagema sórdido.

- Sem dúvida  — replicou Sasuke, para quem essa observação se dirigia em especial  —, há baixeza em todos os truques de que as mulheres por vezes se valem para seduzir. É desprezível tudo o que tenha alguma afinidade com a astúcia.

A srta. Uzumaki não ficou muito satisfeita com a resposta e nem quis dar continuidade ao assunto.

Juntou-se Sakura a elas de novo apenas para dizer que a irmã havia piorado e que não podia deixá-la. Naruto mandou imediatamente chamar o sr. Jones, enquanto suas irmãs, convictas da inutilidade dos conselhos de um provinciano, recomendaram que mandassem alguém a Londres para trazer algum dos médicos mais eminentes. Disso ela não quis saber, mas estava inclinada a aceitar a proposta de Naruto; e ficou decidido que o sr. Jones seria chamado de manhãzinha, se a srta. Haruno não estivesse claramente melhor. Naruto estava bastante preocupado; suas irmãs afirmaram estar arrasadas. Elas, porém, consolaram-se de sua tristeza cantando duetos após o jantar, enquanto ele não conseguia encontrar melhor expressão aos seus sentimentos do que pelas ordens dadas à governanta para que a doente e a sua irmã recebessem toda a atenção possível.


Notas Finais


ragoût: é um ensopado, feito com carne, vinho, legumes e extrato de tomate. (também conhecido por nós meros mortais como sopa)
loo: era um tipo de pôquer (poker)
Cê não for abusar muito eu gostaria de uns feedbacks pra saber se vocês estão gostando ou não, desde já gradicida. ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...