História The Secret of The Wings - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Pentagon (PTG)
Personagens Kino, Yuto
Tags Boyxboy, Kito, Kiyu, Pentagon, Yuki, Yuno
Visualizações 12
Palavras 1.153
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Slash
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, meu amores.
Adivinha quem voltou??? Ele mesmo, o papai. E como antes as capas ainda estão um lixo, mas dessa vez eu tô até gostando mais que as outras (se alguém quiser se oferecer pra ser capista pra mim não vou reclamar).
Essa fanfic é inteiramente dedicada a @icedpetal, minha Sun.
"O bonito tem fanfics não terminadas e volta com mais uma, né fdp?" Pois é, mais forte que eu.
Bom, eu comecei essa fanfic e fiz todas as minhas amigas assistirem Tinker Bell e agora que estou passando por alguns problemas eu resolvi me apoiar aqui porque é o que eu posso tentar fazer por enquanto.
Bom, esse é só o comecinho, não sei quantos capítulos ela vai ter (provavelmente 3) e vou ver se chego com mais uma ainda essa semana.
Espero que gostem, o papai ama muito vocês meus docinhos.

~~Surra de Fluffy de casal flop na galera

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction The Secret of The Wings - Capítulo 1 - Prólogo

 

Hyunggu pulava animadamente pelo jardim, suas asinhas pequenas batendo agitadas conforme se movia. O Kang havia acordado disposto, tão disposto que arrumou toda a sua casinha no refúgio das fadas antes de sair para completar sua missão diária. Por fazer parte do grupo das artesãs, ele sempre tinha de estar ajudando em pequenos reparos ou criação de novos artefatos que pudessem ser úteis para uso de todos.

Para honrar seu título de melhor fada, completou tudo no devido tempo de modo a lhe restar minutos para que pudesse ir atrás de objetos perdidos. Gastar seus minutos recolhendo pequenas bugigangas deixava sua mente criativa sempre trabalhando, gostava daquilo.

 

 

Durante o voo entres as árvores sentiu um vento muito gelado vindo do Sul. Sabia que não deveria manter-se curioso em relação àquilo só que era mais forte que si. O instinto curioso era maior do que os pompons em seus sapatinhos. Por isso, caminhou sorrateiramente até a beira do lago que dividia as fadas do inverno das fadas do verão. Logo o anseio foi deixado de lado quando viu um objeto brilhante preso em um galho das árvores à beira da água. Não tardou a correr até lá para que pudesse pegar a pedra, só não contou com bater de frente com outra fadinha.

Levou as mãozinhas até a testa, massageando o local e tentando se situar. A batida fez com que ficasse tonto e como não era lá exemplo de saúde, sentiu que poderia cair a qualquer momento o que o levou a procurar o local mais próximo para se apoiar, sendo este uma árvore rasteira.

— Você está bem? — Ouviu uma voz rouquinha, sentindo-se curioso com a mesma. Parecia tímida.

— Ah... Estou sim, eu só fiquei um pouco zonzo com a batida. — Explicou, tirando os dedos do rosto para que finalmente pudesse observar a figura a sua frente. Quase caiu uma segunda vez ao notar quão bonita a fada era, ainda mais por ela obter um brilho que não era comum de ver. — Perdoe-me por isso, eu vi um objeto brilhando e tentei pegar o mesmo. Estava tão determinado que nem percebi que tinha mais alguém aqui.

—  Você também estava indo atrás da coisa? Acho que por isso esbarramos. — Deixou que uma risadinha escapasse dos seus lábios, Kino desestabilizou-se por uma terceira vez. — Coleciona coisas achadas? — Estendeu as mãos para o outro, buscando segurá-lo já que ele ainda parecia meio cambaleante. Não conseguia tirar os olhos da figura hipnotizante, aquelas asas brilhando... Nunca havia visto algo assim.

Tinham a plena certeza de que tudo aquilo era novo. Tinha uma áurea que os envolvia e a mesma emanava uma luz arroxeada. Passaram alguns longos minutos se observando enquanto andavam em círculo, ficaram tão perdidos em olhar o outro que não perceberam que ambos tinham o brilho. A fada do inverno assustou-se ao ver suas asas reluzindo fortemente, mas Kino havia ficado encantado. Adorava coisas novas. Riu baixinho com a cena, finalmente se situando e decidindo responder a figura pálida.

— Coleciono objetos perdidos, me ajuda a descobrir novos instrumentos para o refúgio. Sou uma fada artesã... – Disse baixinho. As bochechas tomando uma coloração ainda mais vermelhinha quando sentiu os dedos grandes segurando-o. Deixou que ele o encaminhasse até perto da água onde era mais frio, não ligou muito para este detalhe já que sabia que o mesmo não podia se dar ao luxo de ficar exposto ao sol. – O que faz aqui? As suas asinhas podem derreter. – Comentou preocupado, as bochechas inflando a medida que fazia um biquinho manhoso nos lábios.

— Estava à procura de novas coisas achadas, só que eu sou cuidadoso. Não saio daqui da beira onde ainda tenho proteção do frio. — Explicou-lhe, colocando seu cachecol em torno do pequeno que começou a tremer mesmo sem perceber. – Você também não deveria estar aqui, as suas asinhas podem quebrar.

— Eu não fico muito tempo nessas partes, não gosto do frio. Aliás, eu não deveria nem estar sobrevoando esse lugar. Se a Rainha Clarion descobre que estou aqui é possível que ela corte meu pozinho mágico. – Resmungou, esfregando os braços para eliminar o frio.

 

Foi só falar em ser pego que logo uma fada apareceu ali, sendo esta Sorn, uma amiga sua e fada da água.

 

— Bebê, todos estão procurando desesperados por você. Como sumiu assim? Em um segundo estava lá montando cestinhas e no outro tinha desaparecido... — Resmungou, jogando os longos cabelos pretos ao vento.

— Desculpa. Eu vim coletar objetos perdidos, não pensei que fossem precisar de mim. — Levantou-se preguiçosamente, agarrando-se com força ao cachecol grosso.

— Houve um pequeno contratempo e como você é a melhor artesã a Rainha Clarion pediu que eu viesse lhe procurar. Sorte a sua que eu vim, se descobrem que você está conversando com fadas do inverno você é uma fadinha morta. — Cochichou essa ultima frase no ouvido do pequeno.

Kino sentiu-se ruborizar e já estava a bater as asinhas pronto para sair dali, não podiam saber que estava violando as regras.

— Espera! — Ouviu a voz tímida o chamando, portanto retesou no lugar, vendo o outro se aproximar e colocar o objeto brilhante de antes em suas mãos. Agradeceu num muxoxo tão baixo que o maior quase não ouviu e logo saiu voando desesperado. O coraçãozinho batendo feito louco dentro do corpo.

 

Deixou o objeto em sua casinha, antes de ir ao local onde o esperavam para ajuda. No entanto, enquanto pregava uma rodinha no carrinho de ratos, quase acabou batendo por acidente em seus dedinhos. Ficou um tanto quando chateado com o ocorrido, estava distraído demais pensando no garoto de pele mais escura que as fadas do inverno normais. Queria saber como ele não era tão pálido mesmo não saindo do seu recanto gelado. A questão não saia de sua cabeça, por isso não conseguia fazer seu trabalho sem se atrapalhar.

Murmurou desanimado quando terminou tudo o que tinha para fazer, negar-se-ia a deixar um trabalho não feito por conta de um problema da sua cabecinha. Portanto, ao entardecer dirigiu-se até seus aposentos, vendo o objeto brilhante em cima de sua mesinha. De repente, viu-se repleto de empolgação para descobrir o que era aquilo, ainda mais por lembrá-lo do garotinho ao qual nem mesmo o nome perguntou.

Pegou uma lupa e um objeto pontiagudo que o ajudasse a quebrar o cristal, reduzindo o mesmo a farelos de brilho e pequenos cristaisinhos. Começou a pular animado, poderia usar aquilo para tantas outras ideias que foi difícil sentir sono mesmo que todas as fadas do refúgio já estivessem dormindo.

Percebeu que se misturasse pequenas quantidades do farelo de cristal com folhas amarradas e ressecadas, o resultado era uma linda mistura de pó colorido e brilhante. Aquilo era fascinante. Era como as experiências de Zarina, só que sem o pozinho mágico.

Começou a pular, animado demais para se conter e continuou a testar diversas misturas. Em sua cabeça pensava em reencontrar a fadinha misteriosa e mostrar-lhe o que fizera do objeto deles.

 


Notas Finais


Essa é a história mais fluffy que eu tenho, e eu particularmente estou amando kkk
Bom, gostaram? Como sempre, estou aberto à críticas e comentários positivos. Assim como gostaria de ajuda para qualquer erro já que eu posso ter deixado algo escapar.
Sugestões são sempre bem vindas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...