1. Spirit Fanfics >
  2. The Secrets Of Your Eyes - BoruSara >
  3. Capítulo XV - Feitiço.

História The Secrets Of Your Eyes - BoruSara - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


Yo, turminha! Tô escrevendo rapidão pois meu celular está apenas com quatro porcento de bateria. ;-;
Eu queria vir aqui agradecer muito a todo apoio que vocês tem me dado, principalmente a quem está no grupo do whatsapp, que tem me acompanhado e me motivado a escrever cada dia mais.
Eu amo muito todos vocês.
Um obrigada especial a @uma_otakuComum, @_Suga_Sofi_, @ayracroft, @Leitora477 e ao @KaiSen, que inclusive é um dos meninos que mais tem comentado e interagido comigo e com a fic. Muito obrigada, eu amo muito vocês (até os que esqueci de citar). ♡

Capítulo 18 - Capítulo XV - Feitiço.


Fanfic / Fanfiction The Secrets Of Your Eyes - BoruSara - Capítulo 18 - Capítulo XV - Feitiço.


O burburinho na arquibancada do lado esquerdo da quadra de esportes só serviu para fazer crescer a tensão presente no ambiente desde que Sarada e seus amigos colocaram os pés ali. Haviam muitos voluntários aquele ano e isso era ótimo para o colégio, embora o número de interessados não fosse o mesmo de capacitados para os jogos. No meio da quadra estavam Hoki e Torune, conversando sobre algo que despertava muito interesse na Uchiha, visto que eles olhavam vez ou outra para a direção dela e de seus amigos.

— Ei, Sara. – Chamou Chōchō, fazendo a Uchiha olhá-la. — Se o seu objetivo é intimidar os outros voluntários, você está se saindo muito bem.

— O que? – Confusa sobre a fala da amiga, Sarada franziu as sobrancelhas, desviando o olhar para ela. — Do que você está falando?

— Tem uns dez minutos que você está olhando fixamente para aqueles dois lá na frente, parece que vai devorá-los. – Comentou, fazendo Sarada erguer uma das sombrancelhas e cruzar os braços enquanto apoiava as costas na arquibancada.

— Não vê que estão olhando para nós? – Perguntou incomodada. — Eu sei que estou fora de quadra há um tempo, mas eu não estou tão ruim assim.

— O que? – Foi a vez de Chōchō se surpreender. — Acha que é disso que estão falando? Uchiha Sarada, você é um monstro no vôlei. Eles estão é com medo de você massacrar os novatos.

— Sem dúvida. – Concordou Shikadai, que estava sentado um degrau acima, jogando em seu smartphone.

— Viu? Até o Shikadai concordou. – Afirmou Chōchō, fazendo a Uchiha rir e relaxar após um breve suspiro.

— É, talvez seja isso. – Comentou Sarada enquanto seu olhar se dirigiu à entrada da quadra, assim como todos os outros alunos fizeram.

— Quem é? – Perguntou Sarada à Chōchō, ainda com o olhar fixo na figura que adentrava a quadra rumo centro, junto aos outros dois. Era um rapaz de estrutura baixa, cabelos longos e escuros, olhos puxados e pele clara.

— Não sabe quem é? – Perguntou Chōchō, surpresa. — É ninguém mais e ninguém menos que Haku Momochi, membro do Grêmio estudantil e o cara mais kawaii do colégio.

— É um cara? – Perguntou Deidara, fazendo as garotas rirem. — O que foi?

— Interessado? – Perguntou Fū, fazendo o loiro corar e franzir as sombrancelhas.

— Parem com isso. – Repreendeu a Uchiha, arrancando um sorriso de Deidara, que pulou do degrau de cima e se sentou ao seu lado, abraçando-a.

— Olha, eles já vão começar. – Alertou Himawari, que estava ao lado de Boruto, dois degraus acima.

No centro da quadra, Hoki encerrou sua conversa com Torune assim que Haku chegou. Parando de frente para a arquibancada quase lotada, eles suspirou e esperou pelo silêncio de todos, que curiosos, logo se calaram.

— Muito bem, vamos conversar. – Iniciou enquanto olhava para cada um dos rostos ali presentes, demorando um pouco mais do que necessário em Sarada e seus amigos. — Como há muitos voluntários esse ano, será necessário que todos passem por uma avaliação, que será feita pelos treinadores dos respectivos esportes; eles irão decidir quem fica e quem sai.

— Os voluntários ao basquete irão com o Hoki para a quadra de basquete; as voluntárias para o vôlei ficarão aqui, comigo; e os voluntários ao futebol irão acompanhar o Haku até o pátio. – Informou Torune.

— Os testes irão até as cinco e meia da tarde e os resultados sairão no blog do colégio, amanhã pela manhã; embora eu creio que vocês saberão de imediato quem fica ou quem sai. – Completou Hoki, fazendo sinal para que todos os voluntários ao basquete o seguissem.

— Boa sorte, Bolt! – Exclamou Himawari, assistindo o irmão deixar a quadra, mas não sem antes acenar para ela e seus amigos.

— Bom, pessoal do futebol, comigo. – Chamou Haku, dirigindo-se à saída logo após todos os voluntários ao basquete terem deixado a quadra.

— Boa sorte, Dei! Boa sorte, Shika! – Animou Sarada, mostrando os polegares erguidos para ambos os amigos.

— Obrigada, Sara. – Agradeceu Shikadai, deixando a quadra enquanto puxava Deidara consigo.

— Nós vamos conseguir! – Afirmou Deidara, rindo enquanto seguia o amigo apressado.

— Muito bem, a todas que estão aqui, eu devo informar algumas coisas à vocês: primeiro, eu não ligo para o históricos de vocês, se é repleto de vitórias ou não, o que importa é o que vocês vão mostrar aqui e agora; segundo, eu não vou pegar leve e não vou aceitar nada mais e nada menos que excelente; terceiro e último, mas não menos importante, eu não vou dar segunda chance, então não implorem. Um "fora" é um "fora" e ponto final. – Quando Torune acabou de falar, um silêncio tomou a quadra. Porém, para a surpresa de todos ali presentes, uma risada ecoou alta pelo local.

— Já chega dessa baboseira! – Exclamou Fū, completamente eufórica. — Nós vamos mostrar a você algo melhor do que excelente; vamos lhe mostrar como se joga de verdade! – Afirmou, erguendo o polegar e apontando para si, fazendo referência a ela e as suas amigas.

— Pois bem, comecemos então. – Falou o treinador, enquanto se dirigia para fora do centro da quadra. — Quero duas equipes de seis. As partidas terão no máximo três sets, e não se preocupem com quem ganha ou quem perde, eu irei avaliar cada uma de vocês individualmente. Vocês tem cinco minutos para formarem as equipes.

— Ei, Uchiha. – Sarada desviou o olhar para a garota que estava parada no primeiro degrau da arquibancada, de braços cruzados enquanto a encarava com as sombrancelhas erguidas e um sorriso presunçoso no rosto. Era Yodo Sabaku, prima de Shikadai. — Eu soube que você era muito boa no vôlei, mas deixou as quadras depois de uma derrota feia.

— Não, ela deixou as quadras por motivo pessoal; motivo este que não diz respeito a você. – Rebateu Fū, enquanto encarava a jovem.

— E Uchiha Sarada não era boa no vôlei. – Dessa vez, quem falou foi uma outra jovem que resolveu se aproximar ao ouvir a conversa. — Ela ainda é a melhor. – Estreitando os olhos, Sarada analisou a outra, que lhe era familiar; pele clara, um cabelo longo negro, com um laço lilás escuro e uma franja comprida, impedindo seus olhos de serem vistos.

Garota esquisita? – Perguntou Chōchō, atraindo a atenção de todas as outras da roda de conversa.

— Isso mesmo, Akimichi. – Um sorriso estranho se formou nos lábios da garota, que se aproximou de Sarada, parando bem a sua frente. — Sou Hako Kuroi, nos conhecemos quando eu estava na sexta série. Eu sempre lhe admirei muito.

— Ah, meu Deus! Eu me lembro de você. – Sarada sorriu surpresa ao se lembrar de sua infância e da garota esquisita da sua sala; a lolita gótica. — Você não mudou nada.

— Eu sei, eu tenho um estilo único. – Ambas riram e logo um sorriso ambicioso tomou os lábios da Kuroi. — Vamos formar uma equipe?

— Acha que sabe jogar? – Brincou Sarada, cruzando os braços.

— Eu tenho certeza. – Afirmou e ambas riram outra vez.

— Certo, então já temos cinco. Falta uma. – Informou Sarada, descendo as mãos para a cintura.

— Eu posso jogar com vocês? – Wasabi Izuno, uma jovem de cabelos castanhos curtos e espinhosos e olhos verdes semelhantes a de um gato; colega de classe de Sarada, se pronunciou.

— É claro que pode, Wasabi! – Afirmou Chōchō, fazendo a garota sorrir e se juntar a elas.

Quando o apito foi ouvido, as duas primeiras equipes formadas já estavam em campo. Fū estava ocupando a posição da defesa direita; Chōchō a posição saída de rede; Sarada estava na meio de rede; Hako na entrada de rede; Himawari na defesa esquerda; e Wasabi na defesa central. No outro time tínhamos: Saki na posição da defesa direita; Namida na saída de rede; Yodo na meio de rede; Nue na entrada de rede; Tsuru na defesa esquerda; e Enko na defesa central.

— Prontas? – Perguntou Torune enquanto se sentava em sua cadeira fora de quadra, com uma prancheta em mãos.

Hai! – Responderam todas em uníssono e então o apito foi ouvido, dando início a partida.


Enquanto isso no pátio, Shikadai se esforçava para mostrar suas habilidades em campo, porém, parecia que de alguma forma os outros jogadores não estavam no seu nível, exceto Deidara, que jogava em seu time. Não que todos os outros fossem ruins, mas o Nara parecia ser mais rápido e imparável, como um sombra em campo.

— Deidara, aqui! – Gritou o Nara um pouco mais a frente do amigo, que estava sendo cercado por outros dois jogadores do time inimigo.

Como estavam na grande área adversária, Deidara driblou o primeiro e começou a correr, logo passando a bola para Shikadai, porém, o último adversário acabou por tentar lhe dar uma caneta fora do tempo e o derrubou feio no chão, fazendo-o se encolher e se contorcer com a dor que sentiu no quadril e no joelho direito.

Pênalti! – Gritou Shikadai, esbaforido.

Logo o treinador Haku apitou, anunciando o pênalti e entrando em campo para conferir o estado de Deidara, que ainda estava no chão.

— Deidara, está tudo bem? – Perguntou Haku, ajoelhando-se em frente ao loiro caído no chão. — Consegue continuar?

— Claro que sim. – Respondeu o loiro, respirando profundamente e pedindo ajuda para se levantar.

Já de pé, Deidara moveu o joelho e viu que estava tudo bem, logo saindo da grande área para o pênalti que Metal Lee iria bater. O moreno sombrancelhudo, como era popularmente chamado entre os amigos, respirou fundo e se preparou para bater. O apito foi ouvido e Metal Lee colocou toda a força que podia naquele chute, fechando os olhos logo em seguida. Tinha muito medo de fracassar em frente aos amigos.

GOOOOLLL! – Gritou Deidara, erguendo os braços enquanto o resto do time ia ao encontro de Metal Lee, erguendo-o do chão. Haviam ganhado a partida de três à zero.

Enquanto comemoravam, Deidara avistou Sarada deixar a quadra rodeada de outras jovens, entre elas estavam Himawari, Chōchō e Fū. Pareciam alegres e isso só poderia ser um bom sinal. Seu olhar se encontrou com o da Uchiha e ela sorriu, acenando positivamente para ele, que entendeu o recado e fez o mesmo.

— Caramba, Uchiha, como você fez aquilo?! – Perguntou Wasabi, completamente animada.

— Sim! Você conseguiu quebrar o bloqueio e ainda fez um ponto! – Concordou Namida Suzumeno, uma garota branca, de cabelos cheios e compridos castanhos, amarrados numa longa e fofa maria-chiquinha, que jogou contra Sarada e sua equipe.

— Eu disse a vocês que ela ainda era incrível, não disse? – Perguntou Chōchō, segurando nos ombros da Uchiha.

— Chō, não é pra tanto. – Resmungou a Uchiha, tímida. Gostava de ser reconhecida, mas se fosse paparicada de mais, ficava envergonhada.

— É claro que é pra tanto. – Surpresa, Sarada se virou para ver Boruto se aproximando delas. Himawari foi a primeira a correr para saber do irmão como havia sido e sorriu ao ouvir: — Nós vencemos, é claro.

— Yo, galera! – Exclamou Shikadai ao se aproximar com Deidara, que mancava um pouco. — Como foi com vocês?

— Nós vencemos! – Falou Fū.

— E nós também! – Reafirmou Boruto, sorrindo de orelha a orelha.

— Ah, cara, nós também! – Falou Deidara. — Nossa irmandade é demais, mano! – Sarada riu, o que chamou a atenção de seus amigos. Ela estava rindo com bastante frequência, e isso era bom.

— Sabe o que eu acho? Isso pede um... – Boruto fora interrompido por Sarada, que apontou para ele e completou:

— Hambúrguer! – Surpreso, Boruto piscou várias vezes antes de rir e concordar várias vezes.

— Isso mesmo! – Falou animado.

Os amigos, que observavam os dois, sorriram e se entreolharam. A amizade deles estava fluindo bem e isso era um bom sinal para todos eles. Sarada já havia passado por muito desde a partida dele e estava precisando de novos ares; Boruto e Himawari vieram na hora certa.

Após todos concordarem em ir aquela lanchonete do centro, onde Boruto e Sarada haviam ido no aniversário do loiro, deixaram o colégio juntos, rumo ao centro. No caminho, surgiu a ideia de irem ao cinema, que não era nada longe da lanchonete onde comprariam os hambúrgueres, então Deidara e Fū ficaram responsáveis por comprar os ingressos de todos, enquanto o resto comprava os hambúrgueres.

Quando chegaram a lanchonete, Sarada disse que iria ligar para casa para avisar que chegaria um pouco mais tarde, para não preocupar sua mãe, então Boruto se ofereceu para fazer o pedido dela. Do lado de fora, a Uchiha pegou seu smartphone e discou o número da sua mãe, realizando a ligação, que chamou até cair na caixa postal. Talvez ela estivesse dobrando o plantão no hospital, pensou. Então resolveu ligar para Shisui, que demorou um bocado, mas acabou por atender a ligação.

— Maninho? – Chamou carinhosamente. — Que bom que atendeu.

Deus, desculpe a demora, Sara. – Sarada pôde ouvir algo explodindo ao fundo. — Eu estou fritando ovos aqui, sabe? – Riu abafado e Sarada o acompanhou.

— Você é tão habilidoso na cozinha, mas parece que não é nada bom fritando ovos. – Comentou maldosa.

Assim você me magoa, Uchiha Sarada. – Fingiu-se magoar, porém logo riram outra vez. — Está tudo bem? Por que ligou?

— Avisar que vou chegar um pouco mais tarde hoje. – Ouviu outra pequena explosão e um resmungo do mais velho. — Está tudo bem aí?

Está sim, eu não vou desistir de comer meu pão com ovo e o Izuna está querendo também. – Falou convicto.

Ele vai acaba morrendo nessa luta com os ovos fritos! – Gritou Izuna ao fundo, fazendo Sarada rir.

Mas me responde uma coisa, por que não ligou para a mamãe? – Perguntou Shisui após tacar um pano de prato em Izuna.

— Ela não atendeu, então pensei que poderia estar dobrando o turno. – Respondeu a Uchiha, olhando para um outdoor no alto de um dos grandes prédios do centro, onde passava uma entrevista com seu tio Itachi, algo normal para si.

Deve ser isso mesmo. – Murmurou Shisui. — Por que vai chegar tarde?

— Cinema com meus amigos. – Respondeu ainda olhando para o outdoor, reparando no quão bonito seu tio era, mesmo no auge dos seus quarenta anos.

Sério? Wow. Eu fico feliz que esteja saindo mais agora, Sara. – Respondeu enquanto um barulho de raspagem soava do outro lado.

— É, eu também. – Sarada riu. — Você queimou, não queimou?

Xiu, guria. – Falou falsamente bravo.

— Deveria pedir para o tio Itachi lhe ensinar a fritar ovos. Ele é o melhor. – Tirou sarro, fazendo seu irmão bufar e logo depois rir.

Vai assistir seu filme, pirralha. Eu vou dar um jeito nisso antes que o papai chegue. – Sarada riu.

— Tá bom. Até mais tarde. – Se despediu do irmão e desligou a chamada, bloqueando a tela, pronta para entrar na lanchonete.

Porém, seu celular vibrou novamente, anunciando uma nova mensagem. Talvez fosse de Shisui ou de sua mãe, pensou. Desbloqueando a tela, viu que era de um número desconhecido, então resolveu ler a mensagem para ver do que se tratava.

“Expecto Patronum”? – Confusa com a mensagem, Sarada se assustou quando Boruto a chamou dizendo que já estavam indo para o cinema, então ela bloqueou o celular e o guardou no bolso, ignorando a mensagem.

Naquele dia, eles assistiram Harry Potter no cinema.


Notas Finais


E ai, o que acharam? Pegaram a referência? Me contem nos comentários! Até a próxima. ♡

Entre no grupo do whatsapp e venha interagir conosco: https://chat.whatsapp.com/HlUKxjbO4mF7BcBcvroRuB


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...