História The selection - Capítulo 45


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail, Naruto
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Gale, Galu, Gruvia, Jerza, Nali, Nalu
Visualizações 175
Palavras 1.953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Harem, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 45 - A Elite- Triângulo


Fanfic / Fanfiction The selection - Capítulo 45 - A Elite- Triângulo

ME SENTEI AO PÉ DA ÁRVORE. As pernas dobradas contra o peito. Esperava. Minha mãe sempre dizia que era isso o que devíamos fazer quando nos perdêssemos. Isso me deu tempo para pensar no que acabara de acontecer.

Como foi possível os rebeldes entrarem no palácio dois dias seguidos? Dois dias seguidos! Será que as coisas tinham piorado tanto lá fora desde o começo da Seleção? Pelo que via quando ainda estava em Magnólia e pelo que vivi no palácio, era um fato inédito.

Minhas pernas estavam arranhadas, e, agora que eu não estava escondida, sentia as picadas. Também havia uma feridinha no meio da minha coxa que eu não sabia ao certo como aparecera. Estava com sede, e assim, quieta, comecei a sentir o desgaste emocional, mental e físico daquele dia. Descansei a cabeça na árvore e fechei os olhos. Não queria dormir. Mas aconteceu.

Algum tempo depois, ouvi um som de passos. Escancarei os olhos. A floresta estava mais escura do que me lembrava. Por quanto tempo tinha dormido?

Meu primeiro impulso foi subir novamente na árvore. Cheguei mesmo a correr para trás do tronco, pisando por cima dos retalhos da bolsa da rebelde. Mas então ouvi alguém chamar meu nome.

— Senhorita Lucy! — alguém disse. — Onde você está?

— Senhorita Lucy ? — chamou outra voz.

Em seguida, em voz alta, ouvi alguém ordenar.

— Certifiquem-se de ter vasculhado todos os lugares. Se a mataram, podem tê-la pendurado ou tentado enterrá-la. Atenção.

— Sim, senhor — os homens responderam em coro.

Espiei por trás da árvore, concentrando-me nos sons. Apertei os olhos na tentativa de distinguir as silhuetas que se moviam em meio às sombras; não tinha muita certeza de que tinham vindo me salvar. Mas um dos guardas, que apesar de puxar um pouco a perna não ficava para trás de forma alguma, me deu a certeza de estar salva.

Um pequeno e fraco raio de sol iluminou o rosto de Gajel e eu corri.

— Estou aqui! — gritei. — Estou aqui!

Corri direto para os braços de Gajel, pela primeira vez sem me importar com quem nos veria.

— Graças aos céus — ele disse, esbaforido.

Depois, voltando-se para os outros, gritou:

— Estou com ela! Está viva!

Gajel inclinou-se e me pegou no colo, como se eu fosse um bebê.

— Estava com muito medo de encontrar seu corpo por aí. Você está ferida?

— Um pouco, nas pernas.

Um segundo depois, estávamos rodeados por vários guardas, que parabenizavam Gajel pelo trabalho bem-feito.

— Senhorita Lucy — o comandante falou — você tem algum ferimento?

— Apenas uns arranhões na perna — respondi, balançando a cabeça.

— Eles tentaram machucá-la?

— Não. Eles não me pegaram.

Ele pareceu um pouco surpreso.

— Penso que nenhuma das outras garotas correria mais rápido do que eles.

Sorri, finalmente tranquila.

— Nenhuma das outras é uma Cinco.

Vários guardas riram, inclusive Gajel.

— Bom argumento. Vamos levá-la de volta.

Ele se pôs à nossa frente e ordenou aos outros soldados:

— Estejam atentos. Eles ainda podem estar nas imediações.

Durante o caminho, Gajel falou-me em voz baixa:

— Sei que você é rápida e esperta, mas fiquei apavorado.

— Menti para o oficial — sussurrei.

— O que você quer dizer?

— Eles chegaram a me alcançar.

Gajel me encarou horrorizado.

— Não fizeram nada, mas uma menina me viu. Ela fez uma reverência e foi embora.

— Reverência?

— Também fiquei surpresa. Ela não parecia brava ou ameaçadora. Na verdade, parecia uma garota normal.

Pensei na comparação de Natsu entre os dois grupos rebeldes e tive certeza de que aquela garota era nortista. Não havia qualquer agressividade nela; apenas a vontade de cumprir seu dever. E não havia dúvidas de que o ataque da noite anterior tinha sido sulista. Será que isso significava que os ataques não foram apenas seguidos, mas executados por grupos diferentes? Será que os nortistas nos espreitavam e esperavam para nos pegar exaustos? Imaginá-los espionando o palácio o tempo todo era um pouco assustador.

Ao mesmo tempo, o ataque foi quase engraçado. Teriam simplesmente entrado pela porta da frente? Por quantas horas permaneceram no palácio para coletar seus tesouros? Isso me lembrou de algo.

— Ela estava com livros, um monte de livros — afirmei.

Gajel concordou com a cabeça.

— Parece que isso acontece bastante. Ninguém faz ideia do que fazem com eles. Meu palpite é que usam para fazer fogueiras. Acho que é frio onde eles vivem.

— Hmm — respondi, sem responder.

Se eu precisasse de combustível, pensaria em lugares muito mais fáceis de conseguir do que no palácio. E a garota estava tão desesperada para juntá-los que eu tinha certeza de que era mais que isso.

Foi preciso uma hora de caminhada lenta e constante para voltarmos ao palácio. Mesmo machucado, Gajel não me deixou escorregar de seus braços em momento algum. De fato, parecia gostar do trajeto apesar do trabalho extra. Eu também gostei.

— Os próximos dias talvez sejam cheios para mim, mas tentarei vê-la em breve — Gajel falou ao meu ouvido enquanto cruzávamos o gramado amplo e fofo que dava para o palácio.

— Tudo bem — respondi baixo.

Ele abriu um pequeno sorriso, e eu o imitei, contemplando a vista diante de nossos olhos. O palácio brilhava ao sol do fim da tarde; em cada um dos andares, havia janelas com luzes acesas. Nunca havia visto o palácio assim. Lindo.

Por algum motivo, pensei que Natsu estaria lá, à minha espera na porta dos fundos. Não estava. Ninguém estava. Gajel recebeu ordens de levar-me até a ala hospitalar para que o doutor Ashlar pudesse cuidar das minhas pernas; outro guarda foi enviado para contar à família real que eu fora encontrada viva.

Minha volta passou em branco: fiquei sozinha em meu leito com as pernas enfaixadas até cair no sono.

Escutei um espirro.

Abri os olhos um pouco confusa até lembrar onde estava. Pisquei os olhos e inspecionei o quarto.

— Não queria acordar você — disse Natsu, bem baixinho. — Você tem que voltar a dormir.

Ele estava sentado em uma cadeira ao lado do meu leito, tão próximo que poderia encostar a cabeça em meu cotovelo se quisesse.

— Que horas são? — perguntei, esfregando os olhos.

— Quase duas.

— Da manhã?

Natsu confirmou. Ele me olhava atentamente, e logo fiquei muito preocupada com minha aparência. Eu tinha lavado o rosto e prendido os cabelos quando cheguei, mas era certo que minha bochecha estava cheia de marcas de travesseiro.

— Você nunca dorme? — perguntei.

— Durmo. Só estou tenso.

— Risco laboral? — ironizei, sentando-me na cama.

Ele abriu um sorriso.

— Algo do tipo.

Fez-se um silêncio longo. Nenhum de nós sabia o que dizer.

— Pensei uma coisa hoje na floresta — falei, do nada.

O sorriso dele aumentou diante da minha facilidade em pôr o incidente de lado.

— É mesmo?

— Sobre você.

Ele chegou um pouco mais perto, seus olhos castanhos cravados nos meus.

— Me conte.

— Bem — comecei — estava pensando sobre o seu comportamento ontem, quando Mirajane e Ultear ainda não tinham chegado ao abrigo. Você ficou tão preocupado. E hoje, quando os rebeldes apareceram, vi você tentar correr atrás de omim.

— Tentei. Sinto muito — ele balançou a cabeça, envergonhado por não ter feito mais.

— Não estou chateada — expliquei. — Quando eu estava perdida, pensei na sua preocupação comigo, na sua preocupação com as outras. Não tenho a pretensão de adivinhar seus sentimentos em relação a cada uma de nós, mas sei que você e eu não estamos entre os destaques da programação atualmente.

— Já tivemos dias melhores — ele comentou, com um sorriso nos lábios.

— Mas mesmo assim você correu atrás de mim. Você confiou Mirajane a um guarda porque ela não podia correr. Você tenta nos manter seguras. Todas. Então, por que machucaria uma de nós?

Ele permaneceu calado, sem saber ao certo aonde eu queria chegar.

— Agora compreendo. Se você está preocupado com a nossa segurança, jamais faria aquilo com Juvia . Tenho certeza de que teria impedido o castigo se pudesse.

Ele soltou um suspiro e disse:

— Em um piscar de olhos.

— Eu sei.

Um pouco hesitante, Natsu estendeu o braço por cima da cama para segurar minha mão. Deixei.

— Lembra-se do que lhe disse outro dia, que tinha algo que queria mostrar a você?

— Sim.

— Não se esqueça disso, certo? O dia está próximo. O cargo tem muitas exigências, nem sempre agradáveis. Mas, às vezes... às vezes você pode fazer coisas boas.

Não entendi o que ele quis dizer, mas fiz que sim com a cabeça.

— Imagino que terei de esperar até vocês terminarem a tarefa. Vocês estão um pouco atrasadas.

— Argh! — soltei a mão de Natsu e tapei os olhos. Tinha me esquecido completamente da recepção. Olhei-o novamente. — Ainda vão querer que a gente faça isso? Tivemos dois ataques de rebeldes, e passei a maior parte do dia perdida na floresta. Estragaremos tudo.

— Vocês terão que se superar — disse ele, com uma expressão simpática no rosto.

Deixei minha cabeça cair sobre o travesseiro.

— Vai ser um desastre.

Ele riu.

— Não se preocupe. Mesmo se você não for bem como as outras, não é do meu feitio enxotá-la daqui.

Algo naquela frase soou estranho. Me sentei de novo.

— Você quer dizer que se as outras forem piores que eu, uma delas pode ser enxotada?

Natsu hesitou por um instante, evidentemente sem saber ao certo o que responder.

— Natsu ?

Ele suspirou.

— Tenho duas semanas antes do próximo corte. E a tarefa terá um peso grande. Você e Mirajane estão na situação mais difícil. Uma nova relação, menos gente para trabalhar; e apesar de terem uma cultura alegre, os italianos ofendem-se com facilidade. E além disso, vocês quase não tiveram tempo para trabalhar...

Imaginei se dava para notar o sangue subindo pelo meu rosto.

— Não deveria ajudar, mas se precisarem de algo, por favor digam. Sou incapaz de mandar uma de vocês duas para casa.

Quando tivemos nossa primeira briga, por causa de Lissana , pensei que um pedaço de mim tinha morrido. E depois, quando Juvia se foi tão de repente, pensei a mesma coisa. Tinha certeza de que sempre que algo bloqueava o meu caminho, pedaços do meu coração se desintegravam. Mas eu estava errada. Lá, deitada no leito do hospital, meu coração se despedaçou pela primeira vez de verdade. E a dor era indescritível. Até aquele momento, eu tentava me convencer de que tudo que tinha visto entre Natsu e Mirajane era minha imaginação, mas agora eu tinha certeza.

Ele gostava dela. Talvez tanto quanto gostava de mim.

Concordei com a cabeça diante da oferta, incapaz de dizer qualquer outra coisa.

Falei a mim mesma para pegar meu coração de volta, ele não podia ser de Natsu. Tínhamos começado essa história como amigos. Talvez fosse esse o nosso destino: bons amigos. Mas eu estava arrasada.

— Preciso ir — disse ele. — E você precisa dormir. Seu dia foi muito longo.

Fiz uma cara de tédio. O ataque e a floresta não tinham sido nem a metade dos meus problemas.

Natsu levantou e ajeitou o terno.

— Queria dizer muito mais a você. Realmente pensei que a tinha perdido.

— Eu estou bem. De verdade — assegurei, dando de ombros.

— Sei disso agora. Mas em vários momentos do dia fui obrigado a me preparar para o pior.

Ele fez uma pausa para ponderar suas palavras.

— Geralmente — continuou — entre todas as garotas, é mais fácil falar com você sobre a nossa relação. Mas sinto que não é a coisa mais sábia a fazer agora.

Encolhi a cabeça. Era impossível tentar falar de sentimentos com alguém que obviamente tinha uma queda por outra garota.

— Olhe para mim, Lucy — ele pediu, com a voz suave.

Olhei.

— Não tem problema. Posso esperar. Só quero que saiba... Não sou capaz de encontrar palavras para expressar o tamanho do meu alívio ao ver você aqui, inteira. Nunca fui tão grato por nada.

Um silêncio maravilhado tomou conta de mim, como sempre acontece quando ele toca em certos pontos do meu coração. Um pedaço de mim, no entanto, preocupava-se com minha facilidade para acreditar em suas palavras.

— Boa noite, Lucy.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...