1. Spirit Fanfics >
  2. The Seventh Colossus >
  3. A luz na escuridão

História The Seventh Colossus - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Heyhey pipocasss, como todos estamos de isolamento, vou aproveitar o tempo pra postar os capítulosss

(tHaNk YoU cOrOnA)

É isso, espero que gostem, lindxs

Capítulo 8 - A luz na escuridão


Enquanto xingava vários palavrões na minha mente, chegou certo momento em que o tal velhote finalmente decidiu sair do estabelecimento, rodeado de homens grandes e fortes. 

Para meu ódio, o "acéfalo" sentou ao meu lado, à medida que me olhava de cima a baixo com um olhar curioso. Pensei que ele tentaria dizer alguma palavra, provavelmente para provocar, mas se manteve calado e se acomodou no banco.

Felizmente o caminho até o casarão do rico era curto, o que de meu um alívio por não ficar tanto tempo naquele silêncio mortal. Era um lar escondido e cheio de câmeras por todos os lados. 

Fui sendo levada por um dos capangas ao longo da mansão, à proporção que bolava mais de cinco fugas elaboradas por diversas saídas no local. 

Num milésimo de segundo que fiz o cara (que me mantinha presa) tropeçar, corri até uma porta que levava ao quintal, no entanto recebi um soco bem dado na testa quando virei para a esquerda na saída. Eu desmaiei completamente.

Um desmaio depois...

Uma mosca insuportável azoinava meu ouvido, me fazendo matá-la no mesmo instante. Ainda sem processar que meu plano mental de fuga havia falhado, notei que estava numa cama aconchegante, provavelmente um colchão d'água. 

O quarto estava com a porta trancada e ele era totalmente branco, me dando um desconforto estranho nos olhos. Caminhei pelo cômodo, que era levemente abafado. 

Passei a mão pelo tecido macio da cortina que tampava uma janela trancada e sem nenhuma vista que me dasse esperança que houvesse algum ser que me desse socorro.

Tomei um susto. "Toc toc, posso entrar?", disse o coroa escroto do lado de fora, e sim, ele disse "toc toc". Eu apenas fiquei quieta e sentei na cama, fingindo serenidade. Minha consciência lotou de pensamentos nos quais me alertavam que eu iria ser assediada ou algo pior.

[???] *entra no quarto* Olá, bela garota! Me perdoe por não ter me apresentado antes. Me chamo Matthew Ashworth, e você?

Eu apenas o ignorei, olhando em um ponto fixo na cama.

[Matthew] *semi-cerra os olhos* Hm... Você fala a minha língua?

[Eva] *respira fundo* Eu falo, idiota.

[Matthew] *coça a garganta* Te ganhei para a senhorita me respeitar! Vou repetir, qual é o seu nome?

[Eva] Não irei dizer.

[Matthew] Quanta indecência... Vou me divertir com outra coisa então, já que não quer ser educada comigo.

O jeito como ele é babaca é surreal. Me lembrar deste certo momento me dá terríveis gatilhos... Na sua mão, havia um controle simples, com apenas três botões: aumentar ou diminuir a frequência do choque e ativar. 

Sim, ele me dava choques cada vez mais piores quando a minha pessoa não respondia suas perguntas. São momentos como esses que a única salvação era um milagre, e o milagre no caso era um garoto.

[???] *entra assustado no cômodo* Pai, para com isso! Você deveria soltar ela! Eu não acredito que você fez essa merda! Se minha mãe estivesse aqui você não se tornaria esse montro ridículo!

Uh, essa pegou no coração.

[Matthew] *arregala os olhos* O que disse?! Você deveria não se meter na minha vida, seu imundo! *se exalta* NÃO CITE A SUA MÃE!!!

[???] Vai se fuder.

[Matthew] Tenha modos! Quero que saia daqui agora!

[???] Ainda bem que sei que vai queimar no inferno.

E ele não parou por ai. O garoto, que era alto e moreno, arrancou o controle da mão do pai e o estraçalhou no chão, de modo que importunou tanto o pai que o velhote chamou um guarda, que arrastou o filho para fora. Se eu não estivesse fraca, mataria o homem na hora.

[Matthew] *encara o filho* Eu nunca vou me orgulhar de você.

Bom, eu senti que era a hora da minha morte apenas com o olhar que o nojento me deu, além dele sacar uma faca. "Quero logo ver o meu ouro", pestanejou com a cara mais assustadora que presenciei. 

Já com a lâmina roçando em meu braço, a campainha tocou. Pelo jeito os deuses estavam ao meu lado.


Notas Finais


E foooooooooooooooooooi este o cap, gostosxs, curtinho mesmo

Caso tenham alguma crítica para a minha história, eu aceito, ok?

v a z e i


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...