História The song of my life - (Imagine animes) - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 244
Palavras 1.582
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Genteeee, deu mo trabalhão pra fazer. Inicialmente eu tinha outra proposta pra esse cap. Mas dai eu resolvi deixar ele mais emocional. bjsss

Capítulo 1 - Hot N' Cold - Shouto Todoroki (Boku no Hero Academia)


Fanfic / Fanfiction The song of my life - (Imagine animes) - Capítulo 1 - Hot N' Cold - Shouto Todoroki (Boku no Hero Academia)

Quente e frio

 

(S/N) por um momento se perdeu no olhar frio de Todoroki. Passara a aula inteira o encarando e agora que seu olhar era retribuído, não sabia como reagir. Até que o mesmo para o seu alivio, desviou o olhar. 

Tinha algo de muito misterioso nele. Ele era uma incógnita, falava com poucas pessoas e sempre tirava notas boas. Mas o que intrigava mesmo a garota era a queimadura em seu rosto. 

Já surgiram muitos boatos sobre como ela surgiu. Mas nada confirmado. E as pessoas não tinham coragem de lhe perguntar. Tudo aquilo só a deixava mais curiosa. 

(...)

 

O sinal tocou anunciando o fim das aulas . (S/N) arrumava calmamente seus materiais, sempre era a última a sair. Pelo canto do olho, via Todoroki fazer o mesmo. 

- (S/N), você vem? - Escutou a voz de Uraraka da porta da sala, fazendo a garota se assustar e derrubar seu estojo, espalhando todas as canetas pelo chão. - Quer ajuda? 

- Ah, não. Eu me viro sozinha, pode ir na frente. Eu te alcanço. - Falou (S/N), coçando a nuca envergonhada. 

- Tudo bem, estarei te esperando lá fora então - com isso, Uraraka deixou a sala. 

(S/N) suspirou,  agachando-se para pegar suas canetas do chão. Até que sentiu alguém fazer o mesmo do seu lado. Ao virar-se para ver quem era, deu de cara com um par de olhos coloridos, fazendo-a cair no chão de susto. 

- Você está bem? - Perguntou Todoroki estendendo-lhe a mão, com um olhar impassivo. 

- É-é...eu...estou! - Falou a menina envergonhada aceitando a mão do colega. - Obrigada. 

O Shouto nada disse,  apenas respondeu com um aceno de cabeça. O mesmo logo começou a juntar as canetas da garota do chão, que segurou a mão do mesmo o impedindo. 

- Não precisa - sussurrou próxima ao rosto do garoto, sem perceber o quanto aquilo era perigoso. 

Ao perceber o contato excessivo, soltou a mão do garoto percebendo que a mesma era muito fria.

- Mas eu quero ajudar, não me custa nada. - Disse ele, voltando a recolher as canetas. 

A garota percebendo que ele não desistiria, deixou que o mesmo a ajudasse. Embora não concordasse com tal decisão. (S/N) não gostava de estar perto dele, sentia-se desconfortável. E o nervosismo inexplicável,  fazia suas mãos soarem. 

A garota recolheu a última caneta, indo colocar no estojo que Todoroki estendia em sua direção. Mas a deixou cair, e os dois abaixaram-se para pega-lá na mesma hora. Tendo novamente um encontro de mãos e olhares. 

Uma típica cena de filme, que não durou mais de cinco segundos. Pois (S/N) queria quebrar aquele contato o mais rápido possível. 

- Você é muito desastrada - disse ele recolhendo o material, logo levantando-se. E por um momento, (S/N) viu ele  dar um leve sorriso, quase imperceptível . Mais como um puxar de lábios. Que a garota achou extremamente bonito.  

- A culpa é sua - disse a garota. - Você me deixa nervosa. 

- Por que ? 

-  Também queria saber - disse ela, quase num resmungo . 

- É por isso que fica me encarando durante a aula? - Perguntou o Shouto, com uma das sobrancelhas arqueadas . 

- Você percebeu? - Perguntou, quase engasgando-se com a própria saliva. 

- Não tinha como não perceber. - Disse ele, entregando-lhe o estojo azul marinho. Que a garota logo guardou na bolsa, junto com o resto do material. 

- Olha...eu...- falou virando-se para ele. - Eu... - sussurrou. Agora que estava nervosa mesmo, o Shouto aproximava-se lentamente da garota. Quase como um predador prestes a dar o bote. 

Suas respirações de misturavam . A de Todoroki, lenta e um tanto irrelugar. Já a de (S/N), estava pesada. Sentia a extrema vontade de beijá-lo . Queria muito provar dos lábios finos do garoto. 

O Shouto pôs a mão delicadamente no rosto da garota, tirando alguns fios de cabelo da bochecha dela. Que se arrepiou com o contato. Parecia que a mão fria dele fazia um encaixe perfeito de temperaturas com a sua pele quente. 

- Você não respondeu a minha pergunta . - Disse ele, afastando-se dela. Que quase bufou em descontentamento. 

- Eu só estava curiosa - disse olhando pros lados. A fim de evitar os olhos dele. 

- Sobre o que? 

- Sobre sua queimadura - disse agora olhando-o nos olhos. 

- Isso não é da sua conta . - Disse o mesmo, agora fechando um pouco a cara, colocando as mãos no bolso. 

- Se não quiser contar, tudo bem. - Falou a menina, sentindo-se mal por se intrometer. 

- Bom...- começou ele. Mas parecia que tinha algo entalado em sua garganta. Como se não conseguisse mais falar. 

- Ei, tudo bem. - Disse (S/N), segurando as mãos do garoto. Sem se importar com a vergonha. Olhou-o nos olhos e disse - não precisa ficar assim. Vou te escutar, não julgarei você. E também não contarei a ninguém . 

Todoroki arregalou um pouco os olhos com as ações da garota desastrada. Viu-a sorrir, e sentiu-se seguro. Sabia que podia confiar nela. Mesmo sendo tão atrapalhada. Ela não o julgaria. 

- Bom, desde que nasci, vi meu pai abusar e agredir minha mãe. Quando eles eram jovens, forçaram minha mãe a casar com ele para unir as duas famílias. Já que queriam fazer uma parceria entre as empresas. Ele obrigava a minha mãe a fazer sexo com ele. Ele a estuprava constantemente. Tudo isso para ela ter filhos. Mas ela dificilmente ficava grávida. E quando ficou, foram de gêmeas. Mas ele não queria que uma mulher comandasse tudo. Ele queria um homem, então continuou forçando outra grávidez. Até que eu nasci. E ele começou a abusar de mim também. Queria que eu fosse como ele. - Enquanto falava, o Shouto não havia derramado uma lágrima sequer.

A garota imaginou que fosse porquê não havia mais pelo que chorar. Ele com certeza já havia derramado muitas lágrimas. 

- Ele que fez isso com você? - Perguntou a menina com lágrimas nos olhos. Estava emocionada. Tocou o rosto do garoto delicadamente. Foi subindo até tocar a pele queimada, perto do olho do mesmo. E sentiu uma enorme vontade de beijar o local, porém, não o fez. 

O Shouto segurou o braço da menina delicadamente tirando-o de seu rosto,  negando com a cabeça. Entrelaçou os dedos dela nos seus e continuou. 

- Ele fazia um especie de treinamento comigo. Era horrível. Mas enquanto ele fazia isso comigo, eu tentava impedir que ele fizesse o mesmo com minha mãe. Ela estava  frágil psicologicamente. Tinha medo de tudo, estava começando a ficar louca. Um dia, eu a  vi  chorando na cozinha, perguntei o que havia acontecido.  Ela mandou eu não chegar perto, e começou a falar que eu era igual ao meu pai. Que eu era um monstro. Aquilo tinha doido mais do que qualquer coisa que meu pai já havia feito. Minha mãe apesar dos abusos, sempre foi boa comigo. Dizia que eu era diferente. Mas naquele dia ela disse a verdade sobre mim. Eu tentei me aproximar, mas ela jogou água quente no meu rosto, causando a queimadura. 

- Todoroki, ela não disse a verdade sobre você! - Disse a menina apertando forte as mãos do Shouto. - Você é diferente. É alguém bom e gentil. 

- Eu tenho medo de me tonar igual a ele. - Havia tristeza em sua voz. (S/N) sentiu o coração apertar, queria poder fazer algo. Sentia-se inútil. 

- Você não vai, acredite em mim! - Disse convicta. - Porque eu acredito em você. 

- Como tem tanta certeza? - Perguntou soltando as mãos dela, mas logo sentiu falta do contato das mãos pequenas da garota. 

- Porque eu sei que você é bom. E aposto que sua mãe também sabe. 

- Eu- antes que o mesmo pudesse contraria-lá, a garota aproximou-se rápido, segurou o rosto do Shouto com as duas mãos e selou seus lábios no dele. 

O contato não durara mais de dois segundos, mas foi o bastante para deixa-lá querendo mais. 

- Me desculpa - disse vermelha, e se surpreendeu ao ver o garoto com as bochechas levemente coradas . 

Ia sair dali correndo, mas o Shouto segurou-a pela cintura, e beijou-a com ardor. Pediu permissão com a língua, que logo foi concedida pela garota. 

Os lábios de Todoroki também eram levemente frios, mas conseguia deixa-lá quente. A menina sentia as pernas vacilarem, estava ficando excitada. 

Sentiu as mãos geladas do mesmo correrem livremente pelo seu corpo. Cada lugar tocado queimava como brasa. Até que ambos ficaram sem ar, e tiveram que quebrar o beijo. 

(S/N) não sentia vergonha, não no momento. Mas sabia que horas depois que lembrasse do ocorrido o constrangimento bateria. Ficaram se encarando com a respiração ofegante, até que a garota olhou para o relógio e lembrou-se de Uraraka. 

- Oh meu deus! Eu deixei a Uraraka esperando esse tempo todo. - Disse desesperada enquanto pegava suas coisas. - Eu tenho que ir, nos vemos amanhã! 

E sem esperar resposta alguma do Shouto, a garota saiu correndo porta a fora. Quase levanto uma queda durante o caminho, que fez o garoto soltar uma leve risada. 

- Sempre desastrada !

 

Porque você é quente, depois frio

Você é sim, depois não

Você está dentro, depois está fora

Você está por cima, depois por baixo

Você está errado quando está certo

É preto e é branco

Nós brigamos e terminamos

Nós beijamos e voltamos

Hot N' Cold - Katy Parry

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Confiram minhas outras fics!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...