História The souls of a lost time - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 9
Palavras 1.483
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Droubble, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Incesto, Mutilação, Pansexualidade, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Joguei uma referência no título. Enfim espero que gostem ^^

Capítulo 2 - 2- You never walk alone


      Oi de novo....estou anotando nesse estúpido diário pois preciso desabafar, estou com raiva. Ninguém quer me conta nada sobre o que acontece aqui, Nathalie? Apenas muda de assunto, fala que não quer conversar sobre isso, Victor? Apenas ri de mim e diz que estou me saindo bem. Estou a bastante tempo aqui pelo visto, mas por algum acidente perdi minhas memórias, mas eu lembrei. Meu nome verdadeiro é Alex, e desde de que me lembre por gente estou nesse lugar, tudo que passei foi a tona. Eles tentaram me jogar numa sala estranha...mas eu resisti e bati neles, agora estão todos sangrando.... hehehe.... era lindo a cor do sangue deles. Quero fazer mais isso, é bom...me faz me sentir aliviada, mostro a dor que sinto nos experimentos.

  Amanda e Clara andavam em silêncio em direção ao hospital, as suas lembranças ainda giravam em torno das descrições detalhadas que viram no diário. Elas haviam lido mais sobre o diário de Anne, que na verdade era Alex. Ela havia se tornado uma psicopata...

  -- por que será que faziam aquilo Amanda? Aquilo que foi narrado foi completamente desumano. -- diz Clara quebrando o silêncio.

-- eu não sei, acho que eles estavam tão envoltos do pensamento de tá fazendo o bem para a humanidade que esqueceram da sua própria. Parece até demônios. -- A loira responde depois de pensar por alguns minutos.

   Quando as duas chegam no Hospital abandonado elas se dirigem para o corredor descrito no diário -- deve ser esse corredor que dá acesso a sala de cirurgia -- diz Clara com um pequeno mapa desenhado por ela mesma do estabelecimento.

  --foi uma boa ideia desenhar um mapa, assim a gente não se perde -- Fala Amanda admirando a esperteza de sua amiga.

  --hehe, sabe, as vezes e preciso fazer a massa encefálica funcionar -- Clara responde com humor -- vem, achei a sala -- ela aponta para uma porta com um letreiro desgastado mas que dava pra ver que estava escrito "sala de cirurgia"

As duas entram na sala escura. Tudo parecia "intacto" pois havia vários objetos estranho em mesas, o local estava  sujo de sangue. -- nossa parece até que alguém morreu aqui recentemente -- Amanda olhando o sangue e alguns instrumentos que também estavam sujos. 

   -- Amanda veja! -- Clara mostra em suas mãos uma pilha de papéis desgastados, alguns tinham manchas de sangue.

-- deve ser o relatório que eles faziam após os experimentos, guarda isso na mochila. Nós vamos ver isso assim que sairmos daqui.

    As duas saem da estranha sala e vão se dirigindo para a porta de entrada, mas quando elas estão saindo ouvem uma voz vinda de trás delas.

  --o que vocês estão fazendo aqui? -- As duas se viram num susto e se deparam com uma garota de cabelos negros e olhos castanhos. -- sabem que é perigoso estar aqui -- ela fala.

   -- Quem é você? -- Amanda pergunta com uma pontada de medo.

  -- Meu nome é Alex, e os seus? -- As duas meninas relaxam um pouco e sorriem. -- e aqui não é um bom lugar para duas meninas como vocês ficarem, saíam. 

-- Meu nome é Clara, essa é Amanda. Está tudo bem, chegamos hoje na cidade perto daqui e queríamos explorar. Vamos sair agora.  -- Clara afirma de modo natural, nem parecia que ela estava mentindo. Afinal, o verdadeiro propósito delas era apenas saber se era  verdade a lenda do hospital. -- como chegou aqui? --

  -- Eu moro a alguns kilometros daqui, mas vi vocês duas andando no bosque e fiquei curiosa. Bom, de qualquer forma, cuidado com esse hospital. A muitas

lendas que rondam sua história, e acredite, não é bom mexer nisso. -- ela fala se afastando.

  -- Certo -- Amanda fala e sai arrastando Clara.

   -- Aquela garota me deu um susto e você? E que mentira bem bolada tu fez viu, fiquei até orgulhosa da minha amiga-- fala Amanda sorrindo.  Já em sua casa com as duas no quarto.

  -- Por um minuto eu pensei que ela fosse um espírito -- fala Clara com humor. -- mas bora ler esses documentos. Estou muito curiosa --

   As duas garotas pegam o papel e se preparam para ler.

_____________________________

  Experimento 15  relatório

Informações:    Homem adulto de estrutura média, pesa 47kg com 1,70 de altura. Aparentemente saudável imposto ao experimento mental para aumentar a capacidade de atividade em campo de batalha. 

   Seu corpo não aguentou as doses e morreu na cirurgia.

Experimento número 16

   Informações: mulher adulta, pesa 44kg e 1,60 de altura. Saudável.

  Submetida ao teste de aumento de capacidade cerebral. Morta por ter tido uma hemorragia.

  Experimento número 17

   Informações: menina criança, pesa 34kg e tem 1,45 de altura, saudável e estéril. (Órgãos sexuais guardados no depósito 2 ala Leste) 

  Foi submetida ao aumento de capacidade cerebral, morta.

Atenção: guarda  arquivos assim que serem usados na sala de arquivos (ala Oeste sala 1)

  _____________________________________

   A lista continuava, Amanda e Clara estavam em puro choque.

-- isso é algo desumano, eles usaram até crianças! -- Clara fala.

-- o que será esse experimento? -- Amanda diz olhando os papéis.

-- não sei, só tem um jeito de descobrir. Vamos para essa sala. --  Clara fala, por mais que estivesse com medo, a sua curiosidade havia sido muito maior. Afinal, a mais velha tinha sede de conhecimento era muito forte.

    As duas garotas deixam os arquivos em casa e vão para o hospital da forma mais discreta possível para a estranha mulher não as ver. Quando as duas chegam vão direto para a sala de arquivos. -- deve ser aqui -- Amanda fala com um fósforo usando sua iluminação, ela entra na sala tossindo um pouco -- nossa, a quanto tempo isso não é aberto? -- pergunta com um pouco de indignação.

--sei lá, vamos logo pegar os arquivos que ainda estão inteiros e sair daqui. Esse lugar me dá arrepios.-- fala Clara adentrando na sala escura.

   As duas garotas vão até a prateleira que parecia mais intacta -- nossa como eu sou burra! -- Amanda pega uma lanterna um tanto velha da mochila -- esqueci disso aqui, hehe. -- ela acende e encara Clara que olhava para a mesma sem reação. -- está olhando o que? Vamos logo, e as lugar me dá arrepios. --

   Clara apenas suspira provavelmente pensando em como sua amiga era burra. E assim as duas começam a procura um arquivo decente com a luz da lanterna. Continuaram procurando por um certo tempo até encontrarem um arquivo que parecia intacto. -- deve ser esse -- Amanda fala pegando com cuidado a pasta. -- vamos logo sair daqui, esse lugar está me dando claustrofobia. As duas garotas saem do Hospital e seguem o rumo quase decorado do bosque a sua casa. Quando chegam em casa as duas garotas rapidamente entram no quarto para ler os papéis.

      Arquivo 03

  O novo projeto de dar os cadernos para os melhores pacientes está começando, primeiro foi a menina que não tinha memória, os outros virão assim que todos terminarem. Esperamos que eles anotem seus desejos mais obscuros.

  O resto do arquivo não deu para ler pois a letra estava desgastada e meio molhada como se tivesse caído água nele. Amanda pega outro arquivo com cuidado, esse parecia mais velho e com poeira.

  Arquivo ~~

  Experimento 0

             ALTAMENTE SECRETO

  

   O truque dos diários deu errado, eles só serviram para aumentar a loucura. Eles se tornaram coisas piores que imaginavamos, toda a humanidade deles se foi. Agora são como nós, só que piores. São modificados, os trancamos na sala 616 para nos protegermos, os deixamos morrer lá mas....eles voltaram.

   Se alguém estiver lendo isso saía antes que eles te percebam e resolvam brincar com você, eles gostam de saciar sua sede de vingança infinita. Nós nunca devíamos ter feito aquele experimento....

 

      Eles finalmente me acharam, é o fim.

     Amanda e Clara estava assustadas, a última parte do arquivo foi escrita a mão, havia resquícios de sangue no papel. -- Clara...será que realmente é bom nós mechermos com isso? Fomos avisadas agora até pelo passado. Fora que estou me sentindo desconfortável...-- Amanda fala apertando seu braço e olhando para a janela de seu quarto.

    -- calma Amanda, nada de ruim vai acontecer. Não iremos fazer os experimentos, apenas vamos ve-los -- Clara fala tentando acalmar sua amiga segurando sua mão. -- vem vamos comer alguma coisa, estou com fome --

   As duas garotas saem do quarto fechando a porta, parecia que nada havia acontecido. Mas mal elas sabiam que eram observadas por dois seres...

  -- a curiosidade matou o gato minhas pequenas....E ela não foi piedosa. Assim como eu não serei -- uma voz fala antes de sumir novamente deixando nada mais que o silêncio no quarto.

   O segundo ser? Apenas a risada infantil foi ouvida.

 

Sempre que andar pelo bosque, certifique que não há ninguém te observando. E nunca seja mau com uma criança.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, me perdoem pelos erros ortográficos ^^'
Bjs e nunca cantem kagome kagome de noite.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...