1. Spirit Fanfics >
  2. The Sound Of Love - Jikook >
  3. One

História The Sound Of Love - Jikook - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Oi oi oiiiii, espero que gostem desse cap, bem, quero dizer que vou mudar umas coisinhas, eu disse que iria demorar um pouquinho para o Jimin e o Jeikei se conhecerem, mas deixei logo que eles se "esbarrem" por aqui mesmo.
É isso, tenham uma boa leitura e se proteja do Coronavirus❤

LEMBRANDO QUE:
Italico: P.O.V Jungkook
Negrito: P.O.V Jimin

Capítulo 2 - One


Fanfic / Fanfiction The Sound Of Love - Jikook - Capítulo 2 - One


Dois dias após o contrato 

12:00


Toco a campainha, sendo logo atendido por Anastacia, passo pela mesma rapidamente e subo as escadas logo sendo interrompido pelo som da minha mãe me chamando, revirei os olhos e olhei pra trás, tendo a visão da mais velha de braços cruzados e com uma sobrancelha arqueada.

- Onde estava esse tempo todo? O horário normal para você chegar aqui é 11:30 senhor Jeon, você acha que me engana? Estava aonde?

- Na casa da Lalisa, minha mãe - Respondi educadamente, o que não adiantou muito.

- Claro, como sempre na casa dessa vadia - Falou em tom de deboche, suspirei irritado

- Mãe ela não é uma vadia

- Ah não, uma garota que ja namorou com três filhos de familias famosas por dinheiro e ainda deu pra metade da faculdade não é uma vadia? - Disse em tom bravo, apenas dei de ombros e voltei a subir as escadas

- Pelo menos não sou igual a Momo...

- ESCUTA AQUI - Ouvi os passos da mais velha subindo na escada, respirei fundo contando até três e me virei - Pelo fato dela ser lésbica não significa que ela não tenha caráter, e deixe de ser assim com sua irmã, ela te ama, eu a apoiei, por que você não apoia?

- Foi como o papai disse... - Falei simples e me virei em direção ao quarto

- Ah claro.. - Bufou - Seu pai sempre foi muito preconceituoso com isso, mas eu não, eu só queria que você não puxasse tanto ao seu pai quanto a isso.

- Tá - Fechei a porta do quarto ao entrar, logo a trancando e me deitando na cama, suspirei pesado.

"Meu pai me faz falta nessas horas" Pensei.

Ja fazia dois anos que meu pai havia falecido, mesmo ele sendo um pouco chato e "rigido" eu o amava demais.

Já a minha mãe...

Ela sempre foi muito sensivel e protetora (por mais que eu goste desse jeito dela), mas ela não levava quase nada a sério, mal se importava com as coisas la fora para cuidar de mim e da Momo.

Ah sim, a Momo..

Ela se assumiu lésbica um ano atrás, por mais que eu deteste esse tipo de pessoa, ela ainda era minha irmã, eu e meu pai tinhamos o que puxar.

Dois homofóbicos.

Eu nunca concordei sobre esse negócio de "Homem com homem mulher com mulher". Acho uma coisa tão nojenta, bem..sem mais comentários.

Tirei meus sapatos e minhas meias, as colocando no canto da parede, ouço batidas na porta e digo um "entre" um pouco alto, vendo a porta ser aberta e uma silhueta feminina entrar.

Era a Anastacia.

Sorri fraco e me aproximei da mesma.

- Olá tia Taci - Falei sorrindo, vi que a mais velha carregava uma bandeja com comida, a peguei e a coloquei no balcão - Obrigada querido - Se sentou em uma cadeira próxima da cama.

- De nada tia... - Me sentei na cama e tirei minha camisa, a jogando no cesto - Quem fez a comida foi aquela nova cozinheira?

- Sim sim - Falou sorrindo enquanto brincava com os dedos, fofa - Ela está em época de experiencia, a comida dela é muito boa, digo isso por mim né? - Riu fraca, apenas sorri e fui até o criado mudo.

- A senhora vai arrumar meu quarto né? - Assentiu a mais velha, se levantando.

- Volto ja, e quando for 3 horas da tarde você terá que ir pra aula de Judô ok? - Assenti, em questão de segundos Anastacia saiu, me deixando sozinho.

Eu sempre gostei da Anastacia (ou tia Taci, como queira chamar), ela é como uma avó pra mim, sempre está cuidando bem de mim, me sinto confortável em desabafar com ela.

Tirei minha roupa e coloquei no cesto, fui ao banheiro e liguei o chuveiro, começando a tomar um banho.


                 ●~⏳~●

Após o banho vesti apenas uma regata preta e uma bermuda da mesma cor, arrumei minha mochila colocando meu judogui (roupa tradicional do judô), deixei meus cabelos um pouco bagunçados e me sentei na cama, vi que a comida estava morna, mas apenas dei de ombros e comi, que por sinal estava deliciosa. Depois que eu terminei de comer escovei meus dentes e peguei minha mochila, saindo do quarto e descendo as escadas.

Enquanto descia os degraus ouvia umas batidas na porta, mas que diabos estão batendo na porta? A campainha serve pra que?

Percebi que a pessoa batia de maneira desesperada. Bufei.

O que que essa pessoa quer?

Passei a mão pelos cabelos e abri a porta lentamente, me deparando com um garoto menor que eu no sentido de tamanho, seus cabelos eram rosados e sua pele branca, suas bochechas um pouco gordinhas e seu olhar era de nervosismo.

- É...Oi? Posso aju... - Fui interrompido ao ver o mesmo entrar em disparada para dentro - EI GAROTO? EU TE DEI PERMIÇÃO? - Disse, mas o menino continuava a olhar para os lados, sem dizer nada - EI GAROTO, TA ME ESCUTANDO? - Me aproximei do mesmo, seu olhar procurava algo.

Ou alguém.

Toquei seu ombro fazendo o menor se virar e me olhar, o encarei com os olhos cerrados.

- O QUE PENSA QUE ESTÁ FAZENDO? QUEM É VOCÊ? POR QUE NÃO ME RESPONDE? O GATO COMEU SUA LINGUA? VOCÊ É SURDO MOLEQUE? - Disse com raiva, em alto e bom tom, mas o garoto apenas se afastou, com os olhos marejados. Céus, eu estou já pra perder minha paciencia.

- Escuta aqui - Continuei - Me fala quem é você? O que faz aqui? ME DIGA GAROTO - Disse me aproximando dele, mas o mesmo permaneceu calado -ORA SEU... - Levantei a mão e fechei o punho, mas fui interrompido por uma voz madura, que parecia ser da cozinheira.

- NÃO -Correu até o garoto e o abraçou forte - NÃO FAÇA NADA COM ELE JEON..POR FAVOR.

- ENTÃO POR QUE ESSE GAROTO NÃO ME RESPONDE? QUEM É ELE PRA SENHORA ESTAR DEFENDENDO? 

- ELE É MEU FILHO, E ELE NÃO RESPONDE PORQUE ELE É SURDO...

A feição zangada que eu tinha em meu rosto rapidamente se desfez, céus...Como não tinha reparado que ele era surdo? Pensei que ele estava apenas desesperado ou se fazendo de idiota, respirei fundo e massageei as têmporas, olhei para a senhora Park

- Me desculpe...Sinto muito mesmo - A mais velha apenas assentiu e puxou levemente o garoto para a cozinha, senti um aperto no meu peito e suspirei triste, eu fui um babaca realmente em ter feito isso.

Balancei minha cabeça e sai de casa, indo para a aula de Judô, mas infelizmente o que a senhora Park disse antes de eu o acertar em cheio foram devastadoras, elas pareciam querer ficar na minha cabeça o tempo todo..

Céus...Eu estou tão arrependido. Nunca tinha sentido um sentimento desse tipo, na verdade eu sempre fui orgulhoso pra esse negócio de briga.

Mas na real...Eu acho que é apenas pena mesmo.

- Jeon? - Senti o Sensei tocar meu braço - Você ta bem?

- Sim senhor - Me levantei do banco 

- Okay, então vamos começar - Assenti e o segui, indo até a sala onde iniciariamos a aula.

Mais uma vez respirei fundo e deixei que tudo aquilo que pensei fosse esvaziado da minha mente.


Notas Finais


Espero que tenham gostado😔✊❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...