História The stolen happiness - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kizashi Haruno, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha
Tags Agente Secreto, Drama, Herança, Madrasta, Mistério, Policial, Sasusaku
Visualizações 284
Palavras 2.947
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Literatura Feminina, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sasusakus, amores 💖💖

Buenas noite!!!

Peço desculpas pela demora, esse capítulo já deveria ter postado, porém, fiz uma viagem de última hora e não pude atualizar antes.

No início dos capítulos em itálico colocarei uma previsão do futuro, e pode ser que eu coloque do passado também. Mas, claro, que tudo será explicado no decorrer da fanfic. Estou apenas avisando para que não haja confusão. rsrs...

Desde já agradeço a todos que estão sempre me acompanhando em minhas postagens, e aos novos que aqui se encontram sejam bem vindos. Agradeço a todo carinho, favoritos e comentários, que por sinal, eu não esperava todo esse retorno logo no prólogo, por isso, muito, muito obrigada. Vocês são demais!

Nesse capítulo eu cito a música Ocean Drive - Duke Dumont.



Boa leitura 🌸

Capítulo 2 - O estranho moreno gostoso do bar


.

Eu corria por aquele corredor em busca de uma saída e em meio a fumaça que cobria o local. Coloquei um pano que encontrei por ali sobre o nariz e a boca, tentando não inalar daquela fumaça negra que invadia todo o ambiente.

Gritei pelo seu nome tentando localizá-lo, antes que fosse tarde demais. Porém, não obtive resposta alguma, apenas o desespero que começava a se instalar em meu interior. Tentei de todas as formas não pensar na possibilidade dele estar morto, sei que ele é forte e que nada de ruim poderia atingi-lo.

— SASUKE! – gritei mais uma vez na tentativa de ouvir a sua voz, para que, juntos saíssemos daquele lugar deixando para trás todo o mal que passou em nossas vidas.

.

.

.

 

Novembro… 2014
 

O som da música invadia os meus ouvidos e estremecia as paredes que me cercava, no caso as do meu quarto. De fato, minha madrasta deve estar louca de raiva e espumando veneno a essa altura e daqui a pouco bate na minha porta. Biscate! No início eu até a respeitava, mas depois de ver sua verdadeira face eu comecei a odiá-la.

Faz cinco anos que a minha mãe faleceu e levou apenas um para que o meu pai se casasse novamente e justamente com ela. Ela sabe que sei seus podres e está louca para se livrar de mim e colocar as mãos em toda a minha herança. Interesseira! Ainda acabo com cada fio de cabelo dela.

Não são atitudes infantis, pois já passei dos doze há algum tempo. Estou com meus vinte e três anos e tenho maturidade o suficiente para saber que não é certo provocá-la a esse ponto. Eu tento, e procuro meios de me livrar e fazê-la sumir dessa casa, mas nada parece resolver, já que, quando a vi traindo o meu pai e contei ao mesmo ele não acreditou em mim.

Por isso, continuarei aqui deitada na minha cama com as pernas na parede pra cima, enquanto desfruto do meu som e fuço no Facebook das minhas amigas para ver as novidades. Meu celular tocou, me notificando uma mensagem da Ino.

 

Ino: Miga, sua louca!

 

Sorri com a sua mensagem e logo digitei a resposta.

 

Eu: Qual a boa nova? Estou aqui fuçando o Facebook e vejo uma notificação muito interessante da Hinata… Hummmmmm
 

Ino: Boa nova? Isso é milagre… Hahahahahahaha
 

Eu: Coitada da Hinata. Não fale assim.
 

Ino: Como não falar? Veja só: Hinata está em um relacionamento sério com Naruto Uzumaki.

OMG!! Estou surtando e tão feliz ao mesmo tempo por ela.

 

Eu: Também estou.
 

Ino: Hoje iremos encontrá-la e conhecer o loiro, namorado dela. Ele levará uns amigos… ;)
 

Eu: Não vou poder ir hoje. Sabe como é…
 

Ino: Sua madrasta de novo? Aquela vaca!!!!! Ainda faço ela rolar escada abaixo.
 

Eu: Pois é… Eu bem que queria fazer isso.
 

Eu ia ler a mensagem que Ino respondeu, mas uma batida insistente na porta me fez bufar e levantar pra ir ver o que a chata queria. Mesmo já imaginando o que era.

— SAKURA! ABRA! AGORA! – ela berrava com sua linda educação. Aproveitando-se que meu pai estava ausente em uma viagem de negócios.

— Diga madrasta linda, o que queres? – perguntei visivelmente irônica.

— Abaixa esse som. – ela mandou.

Ela acha mesmo que eu obedeceria ela a essa altura do campeonato? Tola!

— Não. – disse e bati a porta na cara dela em seguida, ouvindo do outro lado sua voz irritante.

Ignorei-a e peguei o controle remoto que estava em cima da minha cama e aumentei o volume, interrompendo os zumbidos ao meu redor.

Logo deitei de bruços na minha cama digitando uma mensagem pra Ino.
 

Eu: Mudanças de planos! Estarei pronta às 8.
 

Ino: Uau!! É isso aí testa... Mostra para essa vaca como é que se faz. Vamos aproveitar e bolar um plano mirabolante para acabar com essa ruiva perua. ;)
 

Dei uma curta risada para a tela do celular imaginando sua feição ao me mandar isso, em seguida deixei meu iPhone na cama e abri a porta do closet entrando no mesmo e escolhendo um vestido não muito extravagante para usar.

Optei por um não muito brilhoso preto, sem estampas e com as costas abertas. Tinha finas alças e ia até a metade das coxas. Perfeito! Usaria um salto Christian Louboutin fino fechado na frente para acompanhá-lo na cor preta também.

Logo que escolhi caminhei até o banheiro do meu quarto e como tinha tempo de sobra liguei a torneira quente da banheira. Eu estava precisando relaxar, não poderia sair tão tensa sem antes relaxar nessa espuma. Dei um sorriso com meu pensamento bobo.

Talvez Ino tenha razão, tenho que distrair minha cabeça, se não ficarei louca com essa mulher do meu pai. Não há nada que possa ser feito, temos que conviver uma com a outra, pelo menos até que eu complete minha faculdade e arrume um emprego para logo ter o meu apartamento e sair dessa casa.

Ser rica não é sinônimo de felicidade, o dinheiro compra felicidade momentânea. Eu estava me sentindo infeliz. A morte de minha mãe despertou sentimentos desesperadores dentro de mim e eu não soube lidar com a perda.

As vezes penso que desconto toda a minha raiva nela, mas sei que ela é uma vaca e que ela apenas aumenta a minha raiva mais ainda. Não a suporto! Minha mãe não merecia isso, principalmente por sua morte ter sido tão injusta. Um acidente!

Minha mãe ficou de me buscar na faculdade para irmos juntas a livraria comprar alguns livros e ela aproveitaria para comprar alguns para si. No caminho até a minha faculdade para me buscar ela sofreu um grave acidente. A cena do carro descendo a ladeira sem freio e se chocando contra um caminhão jamais saiu de minha cabeça. Dias e noites em claro, sofrendo por sua perda e sua ausência.

Balancei a cabeça negativamente e tentei espantar tais lembranças de minha mente, pois o psicólogo me orientou dessa forma. Lembre-se das coisas boas Sakura, lembrar de coisas ruins atraí coisas negativas.

Suspirei e me despi jogando um pouco do sabão líquido de cerejeira na água da banheira, entrando na mesma em seguida.

Sob a água relaxante consegui ao menos um pouco tranquilizar a minha mente de pensamentos que me atormentam tanto.

Às oito eu estava pronta em frente ao espelho fitando minha imagem e em como mudei tantos nesses últimos anos, não só fisicamente, mas de personalidade. Tive que me tornar forte por mim mesma, pois meu pai fora uma grande ausência nesses últimos anos. Culpa-me pela morte de minha mãe, diz que sente muito a falta dela, mas não enxerga que eu também sofri e sofro por sua ausência.

Sorri para a foto que tinha grudada no espelho, uma selfie da minha mãe e eu que ela tirou poucos dias antes de falecer. Nela eu estava dando um beijo em sua bochecha e ela sorria para a câmera.

Passei os dedos por sua imagem e fechei os olhos pensando no quanto a amo.

Logo meu celular tocou tirando-me de meu devaneio, deveria ser a Ino.

Pode descer amiga, não estou com humor para olhar pra sua madrasta asquerosa. – Ino disse rindo.

— Tudo bem, estou indo.

Encerrei a ligação e peguei uma bolsa carteira que deixei em cima da cama guardando em seguida meu celular nela. Com um sobretudo no braço dobrado e minha bolsa na mão desci as escadas sem me importar com quem estivesse por ali.

Como pensei lá estava ela, com algumas barangas fofocando. Patéticas!

Revirei os olhos as ignorando quando me chamaram e abri a porta da frente seguindo até o portão, depois de passar pelo jardim.

Entrei em silêncio no carro de Ino e percebi que a mesma me observava, e sem lhe dirigir o olhar coloquei o cinto e ela entendeu o meu recado. Eu queria sair dali o mais rápido possível.

Seguimos um pedaço do caminho em silêncio, Ino é uma grande amiga e me compreendia como ninguém. Eu a amava como uma irmã.

— Sabe que pode contar sempre comigo, não sabe? – disse segurando a minha mão que estava sobre as minhas pernas, sem tirar sua atenção da direção.

— Eu sei disso, Ino. Obrigada. – segurei sua mão e dei um beijo na mesma, ela sorriu para mim.

— Vamos apenas se divertir muito essa noite e não comentar nada sobre o que deixamos para trás. Hoje será uma noite épica. – Ino disse eufórica aumentando o som do carro, uma batida de techno, fazendo-me sorrir.

Eu estava começando a me divertir e a esquecer de tudo.

Ao chegarmos no local vi que era uma balada bem conhecida aqui na cidade e eu já a frequentei umas duas vezes. Muito boa por sinal.

Ino e eu demos as mãos uma para a outra e antes de entrarmos no local Ino fez uma pose com “biquinho” para uma selfie, me fazendo fazer o mesmo. Ao tirarmos a foto sorri para ela e a mesma me deu um beijo na bochecha.

— Venha Sakura testuda. Você vai conhecer o bonitão amigo do Naruto, o namorado da Hinata. – ela disse, dando-me uma piscadela em seguida, puxando-me para dentro da balada fazendo-me revirar os olhos.

Conhecer um bonitão? Sério isso?

Hoje quero apenas me divertir sem ser incomodada, mas pelo visto o meu plano foi todo por água abaixo. Apenas a segui em meio a multidão na pista indo para o fundo onde tinha várias mesas, avistei Hinata ao lado de um loiro, muito bonito por sinal.

— Hinata! – Ino a gritou acenando, a mesma quando nos viu sorriu e se levantou vindo em nossa direção.

— Que bom que vieram. – disse nos abraçando alegremente.

— Não perderíamos isso por nada. – Ino respondeu e eu apenas acenei positivamente concordando com ela.

— Venham! Quero que conheçam o Naruto, meu namorado. – Hinata disse nos puxando pela mão. — Naruto-kun? – chamou a atenção dele. — Essas são minhas amigas que lhe falei. – ela caminhou até o seu lado. — Essas são Ino e Sakura. – nos apresentou.

— Prazer meninas. – ele sorriu para nós, era tão espontâneo e sincero, gostei dele de primeira. — Meus amigos estão espalhados por aí, mas logo apresentarei eles para vocês.

Ino apenas apertou minha mão que ainda segurava, eu tentava procurar segurança em seu enlace, mas não conseguia. Sorri de volta e olhei ao meu redor. Estava lotado aquele lugar.

Após algum tempo sentada com Ino, Hinata e Naruto resolvi ir até o bar buscar algo forte para beber, pois era isso que eu estava precisando. Beber, encher a cara, esquecer…

— Vou até o bar, volto já. – disse já me levantando sem dar chance da Ino me dizer nada.

Eu tentava passar espremida pelas pessoas no meio da pista, por sorte deixei minhas coisas com a Ino assim eu conseguia me locomover melhor, o que estava sendo difícil.

Ao chegar no balcão sentei-me sobre um banco alto e ergui a mão para um barman que logo que me viu deu um sorriso de canto e veio me atender.

— Qual vai ser? – perguntou-me profissionalmente, olhei para ele pensativa.

— Tequila. – respondi.

— Tequila saindo… – logo estendeu um copo com uma dose para mim, junto com um limão com sal.

Sorri para ele e ergui o copo, chupei o limão com o sal e em seguida virei a dose, sentindo minha garganta queimar com o líquido descendo pela minha garganta. Dei um largo sorriso com a sensação da bebida e pedi outra dose.

Senti que estava sendo observada e logo ao meu lado depois de dois bancos havia um moreno que degustava de uma vodka, enquanto seu olhar negro e penetrável me observava. Desviei o meu olhar quando o barman me trouxe minha bebida e novamente segui o ritual, limão com sal e antes de virar a dose ergui o copo brindando com o moreno que me observava e ele estreitou o olhar. Misterioso!

Virei o líquido todo em um só gole e ele deu um pequeno sorriso torto que me deixou desconcertada. Abaixei a cabeça com o pensamento que tive e me contive, levei as duas mãos na cabeça e tentei parar de pensar naquela imensidão que era o seu olhar.

Ergui a cabeça e pedi mais uma dose, e sem olhá-lo dessa vez virei a bebida mais uma vez. Contudo, eu sentia o seu olhar sobre mim, era uma sensação boa ser observada por ele, mas era um estranho, porque diabos eu estava tão atraída assim por ele?

Balancei a cabeça em negativa e me levantei decidida em ir para a pista dançar. Juro que se eu não tivesse bebido, jamais faria isso.

Logo ao me levantar uma tontura me abateu, mas não me importei e dançando dali mesmo fui para a pista que alternava as cores das luzes e uma fumaça cobria o ar.

Eu cantava a música Ocean Drive e mexia o corpo conforme o ritmo da música, levei as mãos para o alto e desci até o chão, subindo lentamente em seguida. Com as mãos no cabelo eu fechei os olhos movendo-me sem me importar com nada. Naquele instante não havia madrasta, não havia problemas, não havia nada… Apenas eu, a música invadindo os meus sentidos e a bebida fazendo efeito sobre o meu corpo.

Virei-me para a frente do bar e lá estava ele de frente para mim me fitando com os olhos estreitos, sorri para ele e continuei a me movimentar ao ritmo da música. Seus olhos são tão negros quanto os seus cabelos. Lindo! Era assim que eu o definiria.

Apontei o dedo para ele e dancei ousadamente na pista fitando-o a todo instante e logo me sanidade deu lugar a ousadia e o chamei com o indicador. Ele deu um sorriso torto com a minha atitude e virou o restante do líquido que estava no copo em cima do balcão e logo caminhou em minha direção.

Ele se aproximou de mim, mas sem me tocar e sussurrou próximo da minha orelha, causando-me arrepios.

— Dançando desse jeito após três doses de tequila, meio arriscado, não acha?

Uma voz com um timbre de tirar o ar e arrancar calcinhas. Arrepiei.

Sorri para ele e balancei o indicador em frente a sua face negativamente e empurrei levemente o seu corpo, mais precisamente seu peitoral e abri um espaço entre nós. Eu estava flertando e ele parecia gostar do nosso pequeno jogo de sedução.

Caminhei entre a multidão e fui em direção ao corredor escuro dos banheiros, onde a luminosidade era baixa e entrei no banheiro feminino. Ousei olhar para trás e o vi logo atrás de mim. Entrei em um dos pequenos toaletes que tinha ali e logo ele estava trancando a pequena porta atrás de si.

— Aqui é o banheiro feminino, se não percebeu. – provoquei-o.

Eu estava insana e sua beleza não contribuía muito com a minha sanidade no momento.

Ele avançou com o corpo para me prensar na parede, porém, fui mais rápida e o fiz se sentar sobre a tampa da privada e sentei no colo dele com a mão no seu peitoral, impedindo-o de se aproximar muito de mim.

Se esse moreno gostoso pensa que não sei jogar, se enganou.

Aproximei a minha face da sua e os nossos lábios estavam a poucos centímetros um do outro. Eu pisquei freneticamente fitando as suas íris, tão negras, que me enfeitiçaram e acabei deixando-me envolver.

Senti suas mãos em minha cintura, querendo aproximar os nossos corpos.

E como se um balde de água tivesse sido jogado sobre mim, me levantei rapidamente e abri a porta do banheiro e caminhei para longe de si.

Algumas vezes, como hoje, eu tenho esses surtos e me pego pensando em coisas negativas, sem ao menos deixar acontecer. E foi o que aconteceu, já ocorreu até mesmo com um simples beijo. Devo marcar novamente uma consulta com a Dra. Senju.

Saio para o lado de fora da balada e sinto a brisa gélida em minha face, suspiro bem fundo de olhos fechados e ao abri-los fito a rua praticamente vazia.

Ao olhar mais preciso no fim da rua vejo a minha madrasta de braços dados com um cara que não faço a mínima ideia de quem seja. Ele havia acabado de estacionar sua Mercedes do outro lado da rua e caminhavam em direção a balada em que eu me encontrava.

Fechei meu semblante e o ódio subia por minhas veias. Eu não podia acreditar na cena que eu via.

Corri para dentro da balada e segui em direção a mesa que minhas amigas estavam. Mal me aproximei e Ino já me gritou.

— Sakura! Fiquei preocupada. – disse e eu me senti culpada.

— Me desculpe. Estava precisando daqueles cinco minutos, sabe? – respondi e ela compreendeu-me lançando aquele olhar cúmplice que tínhamos uma com a outra.

— Olhem! O Sasuke chegou… – Naruto disse olhando para alguém que estava atrás de mim.

Me virei para ver quem era e meu queixo quase caiu. Era o estranho moreno gostoso que encontrei no bar e que "quase" agarrei no banheiro.

E nesse momento eu queria mais do que nunca, socar a minha cabeça na terra, assim como os avestruzes fazem.

— Sasuke, quero que conheça as amigas da Hinata. Essa é a Ino e a Sakura. – Naruto me apresentou a ele. — Sakura esse é o Sasuke, meu melhor amigo.

Hoje definitivamente não era o meu dia, e como se não bastasse a minha madrasta estar aqui, quando você pensa que a situação não poderia piorar acredite, ela pode, e muito.

E como se nada tivesse acontecido apenas lhe sorri e ele permanecia sério com um ar misterioso que jurei desvendar.

Merda! Tenho um mal pressentimento aonde isso vai dar, tomara que meus instintos não me engane e que ele seja mais que um rostinho bonito.

 

 

 


Notas Finais


Não pirem, mas a madrasta é muito ***. Simplesmente insuportável. Desde já aviso que ela será revelada, e é um personagem de Naruto. E se preparem, ela não é boazinha.


Essa semana voltarei as aulas na faculdade e meu tempo ficará mais limitado, por isso, peço a compreensão de todos. Tentarei o meu máximo atualizá-la o mais depressa possível.



Obrigada pelo carinho.
Kisses da Julie'H 🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...