História The Stripper (MALEC) - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas de Bane, Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Aline Penhallow, Asmodeus, Catarina Loss, Church, Clary Fairchild (Clary Fray), Emma Carstaris, Hodge Starkweather, Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jem Carstairs, Jocelyn Fairchild, Jonathan Christopher Morgenstern, Kaelie, Lady Camille Belcourt, Lilith, Luke Graymark, Lydia Branwell, Magnus Bane, Maryse Lightwood, Max Lightwood, Personagens Originais, Rainha Seelie, Raphael Santiago, Sebastian Verlac, Sebastian Verlac (Jonathan Christopher Morgenstern), Simon Lewis, Tessa Gray, Valentim Morgenstern
Tags Malec
Visualizações 295
Palavras 5.157
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello, hoje voltei cedo❣

O capítulo de hoje vai ter cenas de sexo explícito, se você não gosta de ler esse tipo de conteúdo lhe aconselho a parar por aqui.

Vai ter muica também esse capítulo o link vai ficar nas notas finais.

Eu admito que eu eu li o capítulo anterior umas 10 vezes ouvindo a música, ficou muito sexy pelo anjo KKLKKKK

Boa leitura!

Capítulo 24 - Love me right




Magnus Bane Point of view 


   O caminho de volta seria longo, mas dessa vez eu não me importaria. Nada mudaria meu humor naquele dia.

Absolutamente nada.

   Pensei ao encarar Alec que estava sentado ao meu lado, o homem parecia está mais cansado que nunca. Não era pra menos, nossas últimas horas havia sido mais movimentada que o normal.

   Sorri ao lembrar dos nossos momentos juntos dentro daquele quarto. Cada detalhe estava gravado em minha mente como um filme. Cenas e mais cenas se repetiam constantemente provocando sorrisos idiotas.

"Meu Deus do céu Magnus, não seja bobo!" -sussurei para mim mesmo negando com a cabeça

   Alec se remexeu no assento do carro com o barulho que cuidei de parar. O rapaz dormia serenamente encostado sobre a janela ao seu lado, algumas vezes reclamava inconsciente pelo balançar do veículo.

   Ajeitei algumas mexas de seus cabelos que estavam sobre o seus olhos, e o mesmo respirou fundo. Ele tinha feições tão delicadas, parecia que tinha sido desenhada a mão. Seus lábios eram desenhados por deuses, eram avermelhados e carnudos. Seu rosto angelical era tão  atraente.

    Puxei seu corpo com cuidado para junto do meu, evitando que o mesmo despertasse. E com o instinto, Alec se aconchegou em meus braços rapidamente, acomodando-se da melhor forma possível. O clima estava frio, mas eu o esquentaria. Peguei meu sobretudo cobrindo o homem que quase se tremia de frio. Depositei um pequeno beijo no topo da sua cabeça em forma de carinho, e lentamente deslizei minhas mãos sobre suas costas. Era tão bom vê-lo daquele jeito, Alec era o tipo de homem que precisava ser cuidado, amado e desejado todos os dias. E eu poderia ser a pessoa que poderia lhe oferecer isso.

   Pelo espelho pude ver Marcos nos encarar com um sorriso de quem tinha entendido tudo que acontecia ali. Ele seria testemunhar de muitas coisas que já fiz em minha vida, mas eu confiava em Marcos, já fazia anos que eu o tinha ao meu lado e ele nunca havia me decepcionado.

- Se você contar para alguém, eu coloco você na rua.

Falei sorrindo para o senhor, que sorriu francamente.

- Não contarei a ninguém, Sr. Estou feliz por vocês.

- Está? - perguntei confuso

- Sim, sempre soube que isso terminaria assim.

- Como? E por que? - falei baixo para não  acorda Alec

- Eu apenas sabia. Olhares são o suficiente para percebemos o que acontece Sr. E se me permite dizer, quando você olha para ele é diferente desde o começo.

- Está tão óbvio assim? - perguntei confuso

- Não, só sabe quem o conhece muito bem.

Eu nada falei.

Será que estava tão óbvio? Eu não se apaixonaria, eu não devia. Eu não me apaixonava.

  Por que você tem que fazer isso comigo?
Pensei olhando para Alec que nem se quer fazia ideia da confusão de sentimentos que eu estava. Eu o queria, e eu o tinha. Mas e o resto? A empresa e todo o mundo?

   Eu amava o seu jeito meigo, o sorriso que fazia seus olhos diminuírem, mas ao mesmo tempo eu amava seu jeito destemido e atraente. Aquele homem era admirável, tinha uma beleza angelical e sua inteligência me surpreendia. Um dia, eu ainda veria Alec na frente de um grande projeto. Tomando decisões feito um bom empresário, que eu tinha certeza que ele seria. Mas e Alexander? Ele ainda era dono dos meus desejos, das minhas vontades, ele apenas havia dividido o posto com o anjo que estava em meus braços.

Por um momento eu pensei em ter os dois. O que me dava duas opções:

Eu ficaria louco, ou eu os deixaria louco.

  Não daria certo em hipótese alguma. E eu não era esse tipo de pessoa, eu jamais faria algo assim com os dois homens, eles não mereciam. A unica opção era abrir mão de um.

De quem você abriria mão?

  Naquele exato momento eu me encontrava dividido entre o desejo e o amor. Neguei com a cabeça ao pensar em tao hipótese, seria difícil escolher ou não...

Eu não pensaria nisso agora. Tudo vai acontecer, quando tiver que acontecer.

O destino já havia sido escrito.

Alec Lightwood Point of view 


"Alec?"

   Ao fundo eu pude ouvir a voz de Magnus me chamando de um jeito único. Será que eu estava sonhando? Me mexi devagar sentindo algo me envolver, lentamente abrir os olhos e a primeira coisa que eu vi foram os olhos engatiados dele me encarando. Magnus estava com os braços em minha volta, e só assim percebi que esse tempo todo eu havia dormido em seus braços.

- Finalmente Sr. Lightwood. - Ele falou com um sorriso

- Me desculpe. - falei com um sorriso tímido

  Afastei-me dos seus braços, notando que o carro já estava parado. Estávamos exatamente em New York, mas especificamente, em frente ao prédio em que eu morava.

- Eu dormi o caminho todo, pelo anjo!

Magnus sorriu.

- Não se preocupe, está tudo bem. Pedi a Marcos que parasse aqui para deixá-lo em segurança.

- Não vamos para a empresa? Creio que ainda está em horário de trabalho. - falei pegando o celular para verificar as horas

15:30. E realmente estava.

- Eu irei, preciso resolver algumas coisas. Mas você pode ficar. - Magnus falou carinhoso

- Não, eu tenho que ir também.

- Alec fique!

- Mas Magnus...

- É uma ordem. - Magnus falou sério - Quero que descanse, te espero amanhã na empresa.

- Tem certeza?

- Sempre tenho.

- Tudo bem... - falei sem jeito

Como deveríamos nos despedir? Ou como nos tratarianos agora?

Arrumei as roupas em meu corpo, e abrir a porta do carro. E no mesmo instante Magnus a puxou fechando novamente.

Fitei seus olhos que me encaravam de forma intensa.

- O que houve?

- Vai sair assim, sem se despedir de mim?

Sorri para ele.

- Eu não sei como fazer isso agora, e além do mais, Marcos está aqui. - sussurei timidamente, olhando para o banco da frente onde Marcos estava

- Não se preocupe com o Marcos, e talvez seja assim...

   Magnus se inclinou em minha direção, e devagar deslizou uma de suas mãos no meu rosto, arrastando o polegar devagar sobre minha pele em um carinho calmo. Meus olhos acompanhavam cada movimento que aquele simples carinho poderia me proporcionar. Sua mão deslizou em direção da minha nuca para logo me puxar lentamente para si. Selando seus lábios nos meus com calma e paciência.

   Diferente dos outros, aquele beijo não esperava nada em troca, não tinha outra finalidade ao não ser sentir o máximo um do outro. Ele tinha uma maneira única de me beijar, não era quando estava com Alexander. Aquele beijo era unicamente para Alec, para mim.

  Seus lábios se moviam sem pressa sobre os meus, sugando pouco a pouco. Sua língua estava em perfeita sincronia com a minha, provocando-me uma sensação reconfortante. Foi tudo calmo e tenso.

  Magnus finalizou aquele beijo devagar, como quem não quisesse parar. Como quem escutasse minhas súplicas para continuar, mas ele sabia a hora certa para tudo. E eu confiava naquilo. Seus lábios foram se afastando dos meus, terminado o beijo com pequenos selinhos.

- Se não for agora, eu não largo mas você hoje. - sussurrou ele com o rosto próximo ao meu

Eu sorri com a testa colada na sua.

- Só irei porque sei que tem compromissos importantes.

- Largaria todos Sr. Lightwood.

- E eu me culparia com isso. Então vá, amanhã nos vemos, certo?

- Certo. - Magnus falou se afastando de mim

- Boa tarde Sr. Bane. - disse formalmente em tom de brincadeira, o que fez Magnus rir

- Boa noite Sr. Lightwood, pense em mim essa noite, estarei pensando em você.

  Olhei pela última vez seu rosto, até olhar o carro. Magnus ficou lá até me ver entrar no prédio. Assim que fechei o portão, o homem fez um gesto para que Marcos seguisse caminho, o vidro escuro que até então estava aberto, levantou, e o carro deu partida levando Magnus para longe.

  Caminhei em direção do elevador pensando em tudo que havia acontecido. Eu estava sonhando? Eu havia feito amor com Magnus, e agora ele havia me beijado da maneira mais carinhosa duram todo esse tempo? Pelo anjo, isso estava sendo bom demais pra ser verdade. Olhei-me no enorme espelho do elevador, notando algumas pequenas marcas da noite anterior. Sorri só ver minha imagem no espelho, e pela primeira vez durante anos, eu vi um Alec realmente feliz.

E isso tudo, era para ele, e por ele.

Magnus.

   Entrei no apartamento e o mesmo estava em repleto silêncio. Will e Simon com certeza ainda estavam trabalhando, eu nem queria imaginar o interrogatório que me fariam ao chegar. Provavelmente os dois já estavam por dentro da situação, depois da amizade com Emma, Will sabia de muitas coisas.

  Segui em direção do banheiro, tirando aquelas roupas. Que por sinal eu nem tinha vontade de ficar longe, o cheiro de Magnus estava no tecido de forma intensa.

  Não que eu precisa-se, é claro, eu já havia gravado a fragrância que o homem usava, até o cheiro de sândalo que seus cabelos tinham. Eu havia gravado muita coisa, seu corpo, seu sorriso,  seu beijo...

Pelo anjo, eu estava completamente apaixonado por aquele homem.

Tinha como ser pior?

   Tomei um banho quente, revivendo em pensamentos todo o dia que estive ao lado dele. Vesti uma roupa quente, ainda chovia, e a brisa ficava cada vez mais fria. Preparei um chocolate quente com alguns churros, enquanto assistia a um filme.

"Meu Deus que chuva." Ouvi a voz de Simon vindo da sala

Era a hora do interrogatório.

"Daqui a pouco vamos  ter que voltar de navio para casa." - Will resmungou

"Não exagere, William." - Simon falou rindo

Ouvi barulhos de passos até pararem diante da minha porta com olhares acusativos.

- Algum problema?

- Sim, Simon e eu queremos saber se todos os detalhes.

- Isso é o que você está dizendo.

"Shiiuu" Will esbravejou para Simon, que entrou no quarto se deitando ao meu lado, pegando um dos churros que estavam no prato sobre a cama.

- Isso aqui está ótimo - Simon falou rindo - Como foi seu dia?

- Foi normal. - menti

Simon levantou a sobrancelha com dúvida.

- Você sumiu com Magnus, seu dia foi tudo menos "normal" - Will falou fazendo aspas no ar ao pronunciar "normal", em seguida ele desligou a TV

- Ei, se você não  percebeu eu estava assistindo!

- Disse certo Lightwood, estava. Agora vamos nos reunir como sempre fazemos, e você vai nos contar o que aprontou.

- Por que você é tão curioso, William Herondele?

- Minha vida não está tão emocionante, já a sua parece até capítulo de novela.

Simon soltou uma risada divertida sentando-se na cama.

- Eu também quero saber, Aleczinho. Confesso que agora estou bem curioso, sua cara está de pura felicidade.

- Estou normal.

- Para quem não vive com você durante anos, realmente você parece normal. Mas não para nós, agora nos conte o que aconteceu!

- Isso tem cara de sexo!

- Pelo anjo Will, não se fica feliz só com sexo.

- Bem, eu fico e muito!

- Ok, já chega! - falei rindo - não aconteceu nada.

- Conte agora! - os dois falaram em um coro

- Ok, aconteceu sim.

- Eu sabia - Will praticamente gritou- e foi tão intenso que ele rasgou suas roupas?

- Que? - perguntei confuso

- Alec, eu recebi uma ligação logo cedo de Emma pedindo suas roupas.

- Will e eu, passamos a manhã inteira imaginando o que teria acontecido.

- Sabe, sexo selvagem e tal... - Will começou

- Chuva. - O nerd falou

- Roupas rasgadas. - continuou Will

- Roupas molhadas. - Simon concluiu

Soltei uma risada, Simon e Will eram o exemplo perfeito de ingenuidade e perversão.

- E se fosse os dois? - falei

Will e Simon me olharam surpresos

- Sente mais próximo e nos conte tudo. - Simon falou me fazendo rir

- O que está havendo, eu vi Magnus na empresa hoje e você não estava.

- Magnus me deixou em casa, não quis eu eu fosse para empresa. Falou que eu precisava descansar.

- Mordomias por pegar o chefe, isso não acontece comigo. - Will bufou

- Pensei que vocês estivessem brigados.

- E estávamos, discutimos feio ontem. Eu o xinguei, e sai andando na chuva com raiva, depois que eu carro dele quebrou.

- Você o xingou? Não tem medo de ir para rua?

- Simon, Alec não vai para rua nunca, ele é o namorado do dono.

- Não namoramos!

- E o que vocês têm?

- Não sei...

E eu realmente não sabia, tudo estava recente demais. Um futuro indefinido esperava por mim e Magnus.

- Ele é maravilhoso, simplesmente incrível.

- Está apaixonado, que lindo. - Simon falou todo meloso

- Isso é efeito de uma boa pegada, isso sim.

- Você é tão selvagem. - falei rindo

- Sou realista, Baby!

   Conversei com eles, contando tudo que havia acontecido. Will e Simon estavam atentos como quem estivesse assistindo a um filme. Era engraçado vê-los tão curiosos, eu respondia todas as perguntas dos dois, até ouvir um bip do celular.

Peguei o aparelho, mas Will tomou da minha mão.

- O que está fazendo?

- Mensagem do namorado?

- Will, devolva isso agora!

- Deixe-me ver. - Ele destravou a tela, abrindo a mensagem

- Me de isso! - pulei em cima do homem, que deu uma risada divertida

- Sai Alec! Eu preciso ver essa mensagem.

- Solte!

- Saia!

Will levantou da cama, e seguiu ao banheiro.

- Se der mais um passo, jogo seu celular na privada.

- Você não está ficando louco.

- Teste.

- Alec, vai por mim, ele joga mesmo.

Revirei os olhos, deixando que ele lesse a mensagem, eu nem sequer fazia ideia de quem fosse.

"Já sinto sua falta, Sr. Lightwood." M. Bane

Pronunciou Will com o celular na mão.

- Pare de brincadeira. - falei me aproximando

- Eu não estou brincando, é o que está escrito aqui.

- Sério? - falei animado

- Sim, veja. - Will se aproximou me entregando o celular

  E realmente estava, era Magnus. Pelo anjo, ele sentia minha falta. Sorri como um adolescente com seu primeiro amor. Droga! Ele estava virando meu mundo se cabeça para baixo.

- Ele está gostando de você! - Simon falou

- O que vai fazer? Você sabe que ainda tem alguém entre vocês, não é?

- Will, Rapha e eu não temos nada, você sabe. - falei caminhando em direção da cama

- Eu não estou falando de Rapha, me refiro a Alexander.

  Encarei o homem voltando a minha dura realidade. Eu ainda estava dentro daquele jogo, a história com Magnus não era tão fácil como eu imaginava. Por sorte, Magnus não percebeu absolutamente nada na noite anterior, e mais sorte ainda foi a brilhante ideia de andar sempre com o curativo quando eu estivesse perto dele. O que aconteceria agora? Magnus ainda era louco por Alexander, e se ele o procurasse? O que aconteceria?

- Pelo anjo, estou ferrado!

- Você vai contar a ele? - Simon perguntou

- Não, eu não posso. Seu eu contar, Magnus não  vai querer  me ver de novo.

- Disso você tem toda razão, talvez você deva dar um basta nisso tudo Alec.

- Eu não vou ficar sem ele, Will.

- Isso é muito perigoso, você não vê? Magnus vai morrer de raiva quando souber.

- Ele não vai saber... Alexander vai cuidar de não se aproximar mais dele.

- E se ele for atrás de Alexander?

- Se ele for atrás, você dele abrir mão dele. - Simon falou sério

- Por que?

- Alec, se Magnus for atrás de Alexander em busca de algo, é porque não está levando a sério o que está tendo com você.

  Simon tinha toda razão. Eu saberia exatamente se Magnus estaria disposto ou não a começar uma história comigo. E Alexander era a prova disso, ou melhor eu era.

Sebastian Verlac Point of view 


Alexander Salvatore.

   Eu estava a horas olhando para aquelas fotos, imaginando o que Magnus havia visto naquele homem. Um stripper? Magnus se envolvia com um stripper?

"A que nível chegamos, Bane?"

   Peguei umas das fotos em que Alexander como wfaera amado, está de frente e agachado como quem tivesse rebolando e com as mãos sobre os cabelos. Não era de se negar, o homem era simplesmente maravilhoso. Tinha um corpo de se dar inveja a qualquer homem, seus cabelos eram negros, sempre estava de máscara com o objetivo de esconder sua verdadeira identidade.

   Daria a vida para saber quem se escondia em baixo daquele disfarce. Algo me dizia que não seria difícil saber, eu conhecia aquele homem de algum lugar.

- O nome dele é esse mesmo? - perguntei a Camille que me encarava de forma tediosa

  Havíamos combinado de tomarmos um café juntos aquele tarde. Em troca de dinheiro e vingança, a mulher me daria informações sobre o stripper.

- Sim, desde de que o conheço, ele se chama Alexander Salvatore.

- Não sabe onde ele mora? Ou com quem anda?

- Eu não sei, Ok? Não sabemos nada um do outro. Alexander e eu nos odiamos.

- Pois descubra! Eu preciso de informações decentes dele, garota.

Falei com raiva.

- Vá até a Pandemonium amanhã, é o dia que ele dança.

- Não posso me arriscar, Magnus com toda certeza vai está lá.

- Sim, Magnus não perde uma apresentação.

- Por isso preciso que você consiga mais informações.

- Eu lhe dei todas as informações que eu tenho, não vou atrás do que não me interessa. A única que precisa saber, é que seu marido está enfeitiçado por esse homem. - Camille falou apontando para a foto do stripper em cima da mesa

- Ele tomou seu lugar?

- O que?

- Alexander tomou seu lugar, não é mesmo?

- Como sabe disso?

- Você é muito previsível, Camille. A inveja está estampada em seu rosto

- Como ousa falar que tenho inveja daquele vagabundo? - seu tom de voz foi alterado

- Eu estou apenas sendo realista.

- Você não sabe de absolutamente nada.

Camille levantou-se, pegando todas as fotos de cima da mesa e guardando dentro de sua bolsa.

- Acabou por hoje, Sebastian. - a mulher falou antes de sair

Idiota!

   Peguei a foto que havia escondido em baixo da mesa enquanto a mulher estava distraída, eu iria descobrir quem era Alexander Salvatore e cuidaria de afasta-lo de Magnus.

"Você não sabe o que lhe espera, Alexander!"


  Eu tomaria algumas decisões, investigaria mais sobre o assunto. Eu poderia deixar para trás, logo Magnus enjoaria daquele brincadeira, certo? O homem não era o tipo que se envolvia com garotos de programa, e muito menos o levaria sério. Era apenas diversão, pelo menos assim eu esperava que fosse.

"O que devo fazer?"

   E eu pensando no sonso do secretário, um morto de fome e sem classe não tiraria Magnus de mim, ele não teria esse poder. Mas e Alexander? Pelas informações todos que entravam lá ficavam loucos por ele, e o mesmo era chamado de intocável, pois nunca havia dado sequer uma chance a qualquer cliente que lhe quisesse.

Quesito no qual Magnus não se encaixava, é claro.

Era cedo demais para tomar qualquer decisão, eu investigaria, e tiraria o homem do jogo na hora certa.

Alec Lightwood Point of view 


Naquela manhã eu só tinha uma palavra para descrever meu estado:

Ansiedade.

  Eu estava ansioso para ver Magnus, para saber como seria daqui pra frente, nossa convivência, nosso trabalho...

Pelo anjo, era tudo tão complicado!


  Eu cheguei mais cedo que o normal, Will e Simon ficaram sem entender. Eu já estava dentro do enorme prédio da Bane's Advocacia. Hoje tínhamos uma reunião importante com interessados em abrir uma filial na Inglaterra. Era um grande projeto de Bilhões de dólares. Maguns, de acordo com as últimas pesquisas era um dos homens mais ricos dos EUA. Não era de se espantar é claro, em negócios Magnus era especialista.

- Não sei por que chegamos mais cedo. - Will resmungou entrando no elevador

- Isso é pela reunião mesmo?

- Claro Simon, por quê maia seria?

  As portas do elevador iriam se fechar, quando foi interrompida por alguém. Encarei a pessoa que colocou uma das mãos no sensor da porta que se abriu, dando espaço pare ele entrar.

Minha respiração ficou lenta.

- Por isso! - Simon falou

  Magnus entrou no elevador, me encarando com uma expressão intrigante. Os cantos dos seus lábios se curvaram em um sorriso cafajeste.

- Bom dia, garotos! - Ele falou olhando fixadamente para mim

- Bom dia, Sr. - Will e Simon falaram juntos

  E eu apenas o encarei, guardando dentro de mim a vontade que eu tinha de beija-lo. Magnus era ótimo disfarçando, mesmo tendo certeza que meus melhores amigos sabiam de nós, o homem preferiu fingir que nada aconteceu.

- Não vai me dar bom dia, Sr. Lightwood?

Sorri para o homem que me encarava, fitando meu corpo da cabeça aos pés.

- Bom dia, Sr. Bane!

Magnus deu de ombros com um olhar malicioso, seus olhos estavam em uma tonalidade escura e misteriosa.

- Bem melhor agora. - Magnus falou olhando fixadamente para meus lábios

  Era nítido a quilômetros, que havia algo entre nós, nos encaravamos sem pudor algum. Praticamente nos comíamos com os olhos. Magnus colocou uma das mãos nas minhas costas, um pouco acima do meu bumbum. Minhas respiração novamente ficou lenta.

Will pigarreou algumas vezes chamando nossa atenção.

- Alec, você precisa pegar os relatórios que eu fiz, vai precisar na reunião de agora. - Will falou tirando minha atenção do homem ao meu lado

- Você tem razão, vamos direto pegar. Tenho que arrumar tudo antes de começar.

- Sr. Lightwood...

  A porta do elevador se abriu no andar no qual Will e Simon ficavam. Os dois então saíram me esperando no lado de fora, no momento que caminhei para fora senti a mão de Magnus segurar um dos meus braços.

- Depois você pega, preciso de você nesse momento. - Ele ordenou

Will e Simon trocaram um olhar cúmplice.

- Não se importam, não é rapazes? - Magnus perguntou de forma arrogante

- De forma alguma, Senhor.

  Magnus me encarou como um predador. Deus, aquilo  era uma coisa boa, ou melhor era boa demais. As portas do elevador foram se fechando, e a última coisa que eu vi foi Will e Simon piscando para mim.

》 COLOQUEM A MÚSICA 《

Rendezvous at two - Love me right


No primeiro bipe, faltavam mais 15 andares para chegar ao último.

Magnus rapidamente me encostou na parede do elevador com força, pressando seu copro contra o meu.

- Senti sua falta essa noite, Sr. Lightwood. - sussurrou em meu ouvido de forma sensual. Roçando seu membro contra o meu, eu podia sentir que o mesmo já estava ficando duro

- Pelo anjo! - arfei ao ouvi-lo daquele jeito - Magnus...

- Não sentiu minha falta essa noite? - disse esfregando novamente seu membro no meu

  Suas mãos foram para minha bunda, apertando a mesma por cima do fino tecido da calça social. Suas unhas como sempre estavam pintadas de preto, e as mesmas arramanhavam minha bunda por cima do tecido, eu já estava ficando duro.

- Alguém pode nos ver Magnus. - falei com uma respiração pesada

Magnus sorriu diabólico.

- O perigo deixa tudo mais excitante. - Ele sussurrou em meu ouvido devagar

Maldito!

  Suas mãos foram de encontro da minha cintura, puxando-me com força para a outra parede. Magnus tomou minha boca de uma forma feroz, sua língua adentrou em minha boca com tamanha gana que me fez tremer. Uma de suas mãos apertaram com forças o botão de emergência.

O elevador parou.

Porra!

- O que você fez comigo, Sr. Lightwood? - sua voz era rouca e carregada se luxúria

   Magnus me virou de costas para si, e eu pude sentir seu membro sobre minha bunda, e em seguida beijou minha nuca. Suas mãos repousaram sobre as minhas para logo as levantar e colocar de encontro com a parede.

- Eu? Eu não fiz absolutamente nada.

- Você se fez, oh se fez! E deveria até ser castigado por isso.

Ele falou devagar mordendo o lóbulo da minha orelha. Suas mãos desceram por minha cintura até chegar ao meu membro.

- Porra... - esbravejou ele ao apertar meu membro e ver que eu estava totalmente duro- Você não tinha esse direito Lightwood.

   Eu fechei os olhos e encostei minha cabeça na parede fria do elevador. Magnus deslizou as mãos sobre o cintio que eu usava e o retirou, e em seguida abaixou minha calça deixando a mesma sobre meus pés, eu usava apenas uma box branca. Ele apertou minha bunda com força uma, duas três vezes. Abaixando-se na mesma direção para depositar um beijo molhado de cada lado. Eu arfei.

O homem levantou-se e novamente deslizou as mãos por meu bumbum até chegar no meu membro.

- Duro... - sussurrou ele de forma ousada - tão rápido? - Eu poderia sentir seu tom sarcástico

Eu arfei, fechando os olhos com força quando ele acariciou meu membro sobre a cueca.

- Culpa sua, idiota! - falei raivoso

  Magnus sorriu, e eu sabia que ele sorria de forma cafajeste. Ousado. Eu amava Magnus romântico, amava seus sorrisos e sua maneira de me fazer sorri. Mas eu amava mais seu jeito arrogante, sua força, sua dominação. Ele se tornava o poder, a luxúria, e o prazer em pessoa. Era por esse Magnus que eu havia me apaixonado. Talvez sua imagem autoritária fosse seu maior atrativo.

- Vou lhe fuder tão gostoso, Sr. Lightwood. Não sabe a vontade que estou.

Magnus sussurrou em meu ouvido, abaixando minha box, e esfregando seu membro sobre minha cavidade.

- Oh!

  Eu queria ter onde descontar o que estava sentindo, eu queria segurar seus cabelos aperta-los com força. Porra! Magnus deslizou um de seus dedos, dentro de mim.

- Porra! - mordi os lábios com força

- Você é fodidamente bom, Alec, tão apertado. - Ele penetrou mais dois dedos

   O homem gemeu ao falar. Retirou os dedos de dentro e mim e rapidamente abaixou sua calça e seu membro pulou da box vermelha que usava e o mesmo bateu sobre minha bunda, em uma rapidez inexplicável ele colocou a camisinha e se enterrou de uma vez mim. Magnus beijava minha nuca enquanto me fodia.

- Pelo anjo! Com força! - falei entre gemidos

- Você gosta, não é? Gosta assim, Lightwood? Rebole para mim... hummm... isso... vaiii...

  O elevador parecia ser minúsculo, o ar estava quente e eu estava suando. Magnus fazia movimentos rápidos, e meu corpo vibrava com cada estocada. Era enloquecedor. O barulho dos nossos corpos se chocando me deixava a todo vapor, eu rebolava nele que entrava e saia com força.


- Gosto! Sim, Magnus... oh como eu gosto!

  Magnus acertava meu ponto de prazer, eu estava enlouquecendo, com aquele homem era incrívelmente gostoso. Eu sentia meu corpo entrando em espasmos, eu sentia seu membro pulsar e minha cavidade se contrair sobre ele. Pelo anjo! Um orgasmo  devastador estava se aproximando. Eu sentia meu corpo quente, suando, as gotas de suor se formavam em minha testa, e Magnus não parava, ele ia até o fim.

  Espalmei as mãos na parede do elevador, me inclinando mais para ele. Eu estava perdido, eu havia mandado todo o controle que eu tinha para o espaço.

- Goze para mim Alec, goze agora! - ordenou

   Era como se meu corpo estivesse entrando em colapso, as vibrações que meu corpo emajava se espalhou pelo meu corpo. Provocando gemidos descontrolados, Magnus passou a gemer em meu ouvido. Eu sentia que Magnus estava quase gozando. E No enorme espelho ali, eu puder ver Magnus com uma expressão prazerosa, movimentando-se com gana. Eu explodir em um orgasmo devastador, todas minhas terminações nervosas foram para o espaço e eu sentia o líquido quente sobre minha cavidade. Ele saiu de dentro e mim, e retirou a camisinha, lentamente ele me virou de frente para encara-lo.

- Chupe! - Ele ordenou apontando para o seu membro

  E como um bom provocador, eu me ajoelhei e coloquei seu membro por completo na minha boca. Suas mãos foram para meus cabelos enquanto ele gemia, o homem tinha uma expressão tão prazerosa ao me ver fazer aquilo.

- Quem é você? - Magnus perguntou sorrindo

- Alec Lightwood, Sr. - falei com um sorriso enquanto beijava sua glande

   O chupei por alguns minutos até o mesmo explodir sobre minha boca, eu como um bom garoto tomei todo o líquido. Me levantei e subir minha calças enquanto apertava novamente o botão de segurança, fazendo o elevador se mover.

   Ajeitei-me rapidamente juntamente com Magnus, olhando-se no espelho. Porra, era um belo estado para um pós foda! Ao fundo Magnus me encarava com um sorriso. Ele estava do mesmo jeito que entrou, como era possível? Agradeci ao céus, porque naquela manhã eu está usando uma blusa preta e assim não mostraria o quão suado eu estava. 


- Você me surpreende mais a cada dia. - Ele falou

- Espero que seja bom.

- Para mim muito bom, eu garanto.

Magnus falou roubando-me um beijo demorado.

- Perfeito, então!

- Mais do que isso Alec... mais do que isso...

  As portas do elevador se abriram, trocamos um último olhar e então saímos de lá sobre olhares curiosos e atento. Eu nem se quer olhei para os lados, e Magnus como sempre fez o mesmo. Eu amava aquela pose imponente que ele carregava, como se todos ao seu redor fossem meros mortais, e ele um grande feiticeiro que jamais habitaria no mesmo lugar que eles. Sua presença tinha um ar poderoso que movia todos ao seu redor, inclusive a mim.

Ele era magnífico!

- Alec?

Ouvi sua voz mais a frente, despertando-me dos meus pensamentos.

- Sim? - falei em frente da sua porta

- Deixei um recado para você em cima da sua mesa. E queria dizer que você foi incrível, como sempre achei que fosse.

  Magnus falou, soltando uma pequena piscada para mim. Eu sorri e o deixei entrar, caminhado em direção da minha mesa.

   Era tão louco como tudo estava acontecendo. Em dia estávamos nos matamos e no outro isso? Sentei-me em meu lugar, notando uma caixa vermelha de chocolate sobre a mesa.

Em surpresa, peguei a caixa e um pequeno bilhete.

Tirei do envelope preto. E com letras mais do que conhecida estava escrito

"Temos um jantar essa noite, saia mais cedo. Lhe pego as 21:30, e Sr. Lightwood, isso não é um pedido é uma ordem.

M.B"

Será que Magnus poderia ser mais perfeito?













Notas Finais


LINK DA MUSICA: https://youtu.be/PdNLrJLMJCE

e aí o que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...