História The SwanMills Family - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Música do capítulo: She Keeps Me Warm

Capítulo 5 - Uma Noite em Família


Regina segurou a mão de Ella enquanto seguiam até Kerry Park para encontrar Emma e Ally em um dos belos dias de Seattle. Ao lado dela, Ella estava pulando e cantando uma música pop infantil. Ela nunca consegue acompanhar quem é quem ou o que é popular no mundo da música dos adolescentes.

A mente de Regina voltou à noite em que conversara com Emma. Ela teve a noite de sono mais tranquila dos últimos cinco anos. Sua conversa com Emma e sua lenta amizade ardente estavam fazendo seu coração disparar. Ela nunca havia sentido tal conexão com outra amiga antes. Zelena ainda era sua melhor amiga, mas ela não podia falar com Zelena sobre as dificuldades de ser mãe solteira. Emma entendia o quão difícil era ser mãe solteira e fazer isso sozinha. Como mãe solteira, você aprende rapidamente que, embora possa ter ajuda de seus amigos e familiares, eles não podem ser confiáveis a todo instante. Eles têm a família com a qual se preocupar. E desde então Emma e Regina fizeram o ritual de se telefonarem todas as noites antes de dormir; a menos que estivessem de plantão.

Regina riu quando a filha soltou um grito alto quando Emma e Ally apareceram. Regina soltou a mão de Ella, observando divertidamente como Ella corria o mais rápido que suas perninhas podiam até cair nos braços de Ally. As duas garotas começaram a pular em círculos, rindo loucamente. Ah, como era bom ser criança e inocente, Regina pensou.

Regina sorriu quando ela finalmente se juntou ao trio de garotas. Ally era praticamente a gêmea de Emma, Regina rapidamente descobriu tal fato. Elas eram parecidas na estrutura facial, cabelos igualmente loiros, os olhos eram da mesma cor, e eram praticamente gêmeas em seus trajes. Emma e Ally estavam vestindo jeans rasgados com all stars pretos e camisas vintage com o logotipo do Batman. Emma estava com o cabelo preso em um rabo de cavalo, enquanto Ally estava com o gorro do Batman, que era da forma da máscara do Batman. Ela ainda teria que perguntar a Emma sobre a obsessão de Ally por Batman. Ela nunca conheceu outra menina que amasse Batman tão claramente quanto Ally.

– Hey. – Regina cumprimentou timidamente.

– Oi. – Emma sorriu. – Como você está? – Emma questionou, lembrando-se da noite em que Regina a ligou chorando.

– Melhor. Muito melhor. – Disse Regina. – Elas estão animadas. – Comentou, ao espiar as garotas conversando e rindo.

– Sim. – Emma riu. – Quero encontrar um banco e deixá-las por conta própria. Ally trouxe uma sacola de brinquedos para brincar. Além disso, têm o playground. Imaginei que poderíamos passar algumas horas aqui, e depois irmos para algum lugar lanchar. Tudo bem para você?

– Me parece perfeito. – E soou perfeito para Regina.

Regina e Emma encontraram um banco livre que estava à vista das garotas e se sentaram.

Regina olhou para a mão dela, girando os polegares nervosamente.

– Obrigada, por aquela noite. – Regina murmurou.

Emma apertou a mão de Regina.

– Sem problemas, Rê. – Regina sorriu com o apelido. – Eu disse a você por telefone, queria vê-la no hospital, mas eu pensei que poderia incomodar... – Emma segurou a mão de Regina um pouco mais, porém nenhuma delas disse nada sobre isso.

– Como foi sua manhã? – Emma perguntou, sorrindo quando viu a filha empurrar Ella no balanço.

– Foi ótima. Acordei com Ella pulando na minha cama, fizemos o café da manhã juntas e depois assistimos alguns desenhos antes que ela decidisse se arrumar.

– A minha foi parecida. Embora Ally e eu tivéssemos waffles congelados no café da manhã. – Regina riu junto com Emma. – Regina, posso lhe perguntar uma coisa? Está rondando em minha mente desde o dia que nos conhecemos.

Regina pigarreou nervosamente.

– Claro. O que houve?

– Você nunca menciona o pai de Ella. – Foi tudo o que Emma disse. Agora dependia de Regina, se escolheria responder ou não.

– Ele não está mais na vida dela. – Regina fez uma careta ao pensar no pai de Ella. Aquele idiota, ela pensou sombriamente. – O nome dele é Daniel Colter, e ficamos juntos por catorze anos. Dez desses anos em que nos casamos. Descobri que estava grávida de Ella aos 35 anos. Não vou mentir, ela foi uma grande surpresa. Bem-vinda, mas mesmo assim uma surpresa. Nós não estávamos nem tentando. E para ser sincera, eu não tinha certeza se queria ter um filho com Daniel. Meu trabalho ocupava muito do meu tempo e trazer uma criança para esse tipo de situação era complicado.

Regina respirou fundo antes de continuar.

– Daniel é um mulherengo. Ele sempre será um mulherengo. Eu fui estúpida o suficiente para cair na sua encantadora armadilha aos 22 anos. Eu sabia que ele estava me traindo durante todo o nosso casamento e acho que uma vez quando estávamos namorando, com minha colega de dormitório. Eu simplesmente não me importei porque tinha o emprego dos meus sonhos e amigos que me amavam. A noite em que Ella foi concebida foi de uma noite de festa regada com muitas bebidas. Daniel estava bêbado e, dois meses depois, descobri que estava grávida. Quando Ella tinha mais ou menos um ano, peguei Daniel na cama com uma das enfermeiras de Boston General. Foi onde trabalhei antes de me mudar para Seattle e finalmente me juntar ao corpo médico do Seattle Grace. – Acrescentou Regina. – Quando Ella tinha quatro anos, nos mudamos para Seattle, e o resto, como dizem, é história.

Emma mordeu o lábio em contemplação.

– Eu conheço esse nome de algum lugar. Simplesmente não consigo me lembrar de onde. – Emma deu ombros. Se ela não conseguia se lembrar do nome desse Daniel, ele não teria sido importante para ela.

– Você provavelmente o conhece porque ele é um otorrinolaringologista de renome mundial e é muito especializado em plásticas. Um dos melhores na área.

– Sim, talvez tenha sido daí que ouvi o nome dele. – Emma disse um pouco duvidosa. Emma olhou para Ally e Ella. Ela as encontrou brincando com a bola de futebol de Ally. – Na próxima semana, Ally e eu estaremos nos mudando para uma casa, eu estava pensando se vocês poderiam nos ajudar...

– Sério? Sim! Nós adoraríamos ajudar também.

Emma balançou a cabeça com a excitação de Regina.







SwanQueen







– Ei, meninas. – Emma se dirigiu às duas garotinhas que estavam felizes mastigando batatas fritas no Dick's Drive-In. – Regina e eu estávamos conversando, e o que vocês acham de ir ao Menchie's tomar um iogurte congelado? – Emma perguntou às crianças de seis anos. – Claro que se você não quiserem ir, tudo bem para gente. Certo, Rê? – Os olhos de Emma brilharam de alegria.

Antes que Regina pudesse abrir a boca para concordar brincando com Emma, duas vozes desesperadas a interromperam.

– Não! – Ally gritou. Ela olhou para Ella. – Nós adoraríamos iogurte congelado. Certo, El?

– Sim. – Ella olhou suplicante para a mãe. Dando a Regina seu olhar de cachorro mais triste. – Por favor, mamãe. Por favor, podemos ir? – Ella fez beicinho.

Regina riu.

– Deus... seria como chutar um filhotinho se eu dissesse não para você. Podemos ir, Ella Marie.

Ally e Ella sorriram e voltaram a comer. Emma sorriu para Regina, voltando-se para sua própria comida.

– Ei, Regina, posso fazer uma pergunta? – Ally perguntou à mãe de sua amiga.

Regina estendeu a mão e limpou a mancha de ketchup da bochecha de Ally. Emma observou a cena com uma sensação quente e confusa no estômago devido as ações de Regina.

– Claro, bebê.

Ally lançou um olhar para sua mãe, lembrando como ela acordou com o cheiro de waffles queimados. Waffles congelados e queimados, o que era muito pior.

– Você sabe fazer panquecas?

Emma gemeu.

– Você ainda está nisso. Vamos! Supere isso!

– O que? – Ally olhou aparentando inocência. – Eu só estou perguntando.

Regina riu de sua suposta pergunta.

– Sim, eu sei. E entre outros itens do café da manhã.

– Tudo mesmo? – Ally olhou intensamente para Regina.

– Sim. – Regina enunciou lentamente.

– Minha mãe não sabe. – Ally sorriu. – Hoje ela me fez waffles congelados. Ela os queimou na torradeira.

– Em minha defesa, eu não vi o quão alto o nível da torradeira estava. Então em parte, não foi minha culpa.

Regina riu.

– Oh, pobre, Emma. Você precisa de ajuda, querida. – Regina pontuou. – Emma sentiu um formigamento com o carinho no final da frase. – Como alguém pode queimar waffles congelados? Isso é equivalente a queimar água. Isso simplesmente não acontece. É impossível.

– Aparentemente é. – Emma disse secamente.

Os olhos de Emma encontraram os de Regina do outro lado da mesa e logo se viram rindo com vontade. Não demorou muito para que Ally e Ella se juntassem às mães.





SwanQueen 






Trinta minutos depois, as Swan-Mills estavam sentadas no Menchie's, no distrito de Queen Anne, comendo iogurte congelado, apreciando completamente o doce, cremoso e saboroso.

Ally pediu o de manteiga de amendoim, sua cobertura era mini xícaras de manteiga de amendoim, lascas de manteiga de amendoim e tiras de manteiga de amendoim. Todo o doce era pegajoso, bagunçado, pecaminoso e gostoso. Ella pediu bolo de morango, torta de morango e morango com iogurte e, como cobertura, geleia e ursinhos de goma com morangos frescos. Emma e Regina surpreendentemente receberam o mesmo tratamento. Elas tinham recebido de hortelã irlandesa como iogurte e biscoitos finos de hortelã como cobertura.

Durante a hora seguinte, o grupo de garotas conversou, riu e brincou. Para qualquer espectador, parecia uma família se divertindo em mais um dia normal.

– Podemos ter uma noite de cinema, mamãe? – Ally perguntou, dando-lhe o seu melhor olhar de cachorro sem dono.

– Sim, por favoooor. – Ella choramingou.

Ally e Ella começaram a fazer barulhinhos gemidos de cachorrinho e salpicaram os braços da mãe com beijinhos. Regina e Emma riram do comportamento igualado das duas.

Emma olhou para Regina, comunicando-se silenciosamente. Regina assentiu, voltando-se para as filhas que imploravam.

– Sim, minhas filhotinhas. – Disse Regina rindo.

– Devemos parar na loja e comprar algumas guloseimas? – Emma sugeriu.

Regina franziu a testa.

– Precisamos mesmo? Quero dizer... nós nos entupimos de hambúrgueres, batatas fritas e dióxido de carbono, alta frutose, açúcar e bebidas com cafeína. Então, decidimos tomar um iogurte. E o que Ally e Ella escolheram deveria ser contra a lei.

– Você poderia ter dito apenas refrigerante, Regina. – Disse Emma.

– Mas Regina, estava tão booom. – Ally sorriu; Regina sentiu seu coração acelerar com o doce sorriso da menina.

– Está bem! – Regina jogou as mãos para o alto em sinal de rendição. – Vocês venceram, no entanto, eu vou escolher o primeiro filme. E será um em preto e branco, estrangeiro e de seis longas horas. – Ela foi recebida com três gemidos de desaprovação. Regina riu maldosamente enquanto caminhava para o carro estacionado.






SwanQueen






Ally cutucou Ella no ombro, chamando a atenção de sua melhor amiga.

– Parece que vocês dormirão aqui essa noite. – Ally disse com um sorriso de orelha a orelha enquanto olhava para sua mãe e Regina se aconchegado no sofá. A mãe dela estava sentada, a cabeça caída para o lado, Regina estava com a cabeça apoiada no ombro da mãe, com a mão da mãe em volta de Regina, segurando-a. Ally sorriu quando notou que Regina também estava segurando sua mãe do outro lado. – Posso finalmente mostrar meus lençóis do Batman que minha tia Ruby me comprou.

– Isso é igual uma festa do pijama? – Ella perguntou timidamente com olhos esperançosos.

– Dã! – Ally riu. – Você só tem festas de pijama com suas melhores amigas. E você é minha melhor amiga, Ella.

– Eu nunca estive em uma festa do pijama antes. – Comentou Ella com tristeza.

– Bem, por enquanto, sempre que eu for convidada para uma ou tiver uma com minhas tias, você virá comigo. Você é meu Robin, você deve estar ao meu lado.

– Você é meu Batman. – Ella confirmou. – O que devemos fazer com nossas mamães? – Ella olhou para sua mãe. – Mamãe nunca dorme com um sorriso. Ela está sorrindo agora.

– Minha mãe também. Minha mãe chora à noite porque meu pai morreu e ela sente falta dele. Mas não estou preocupada. No meu aniversário do ano passado, eu desejei que a mamãe encontrasse alguém para fazê-la feliz novamente.

– Como Superman e Lois Lane. – Disse Ella animadamente com o seu breve conhecimento sobre amor verdadeiro. – Ou Batman e mulher-gato.

– Sim, algo assim. – Ally concordou. – Meu desejo ainda não se tornou realidade. – Ally suspirou tristemente. – Mamãe ainda está triste.

– Paciência é uma virtude. – Ella tranquilizou Ally. Ela não sabia o que aquilo significava. Tudo o que sabia era que sempre que se cansava de esperar por algo, sua mãe sempre dizia isso. – No meu aniversário, vou desejar a mesma coisa. Eu nunca tive um pai antes, acho que gostaria de um.

– Você ia gostar de ter um pai. Deveríamos ir para a cama. Ei, você acha que sua mãe fará panquecas de manhã? – Ally e Ella subiram as escadas para o quarto de Ally.

– Sim! – Ella assentiu. Ela sorriu quando Ally entregou-lhe um pijama.

– O banheiro fica do outro lado do meu quarto. Ao lado da minha escova de dentes do Batman, há uma escova de dentes do Super-homem. Ninguém nunca a usou. Pode ser a sua.

Ally e Ella se revezaram no banheiro. Quando Ella estava se vestindo, Ally desceu as escadas e encontrou sua mãe e Regina havia se mudado, elas agora estavam deitadas lado a lado com os braços de sua mãe em volta de Regina. Ally pegou o cobertor que estava atrás do sofá e o colocou sobre elas.

Ela beijou sua mãe.

– Eu amo você, mamãe. – Ally murmurou.

Ally se aproximou, beijando Regina na bochecha também.

– Eu amo você, Regina. Obrigada por fazer minha mãe sorrir.

Regina murmurou algo incoerentemente, aconchegando-se mais em Emma.

A menina sorriu com a cena e em pequenos passos regressou ao quarto, onde sua melhor amiga já a esperava pronta para dormir.

Ally envolveu o cobertor com mais força ao seu redor enquanto pensava.

– Você sabe o que seria muito, muito legal?

– O que? – Ella sussurrou.

– Se minha mãe e sua mãe se apaixonassem. Isso nos tornaria irmãs e melhores amigas.

– Isso seria tão, tão legal! – Ella exclamou. – Então poderemos fazer tudo como uma família. Como hoje. – Ella pensou por um momento antes de perguntar. – Posso lhe contar um segredo, Al?

Ally se virou e abraçou sua melhor amiga.

– Você pode me dizer qualquer coisa, El.

– Hoje eu fingi que éramos uma família. Que a Emma também era minha mãe e minha mãe era sua mãe e nós éramos melhores irmãs. Eu nunca tive uma família antes. Tenho avó e avô, mas mamãe não gosta muito deles. Eu quero uma família.

Ally enxugou as lágrimas de Ella. Ela beijou Ella na bochecha.

– Está tudo bem. Vou compartilhar minha avó e meu avô com você. Eles amam crianças. Eu amo você, El, e sempre protegerei você. Prometo que vou encontrar a melhor família para você.

– Eu amo você, Al. Prometo ajudá-la a encontrar o verdadeiro amor de sua mãe.

E foi assim que Emma e Regina as encontraram na manhã seguinte. Ambas as meninas estavam abraçadas e roncando levemente.

Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...