História The Teacher - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Marian, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Captain Swan, Evil Charming, Outlaw Queen, Outlawqueen, Romance
Visualizações 141
Palavras 1.257
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OI GENTEEEE, desculpa a demoraaaaa me veio um bloqueio cês não tem noção. Por esse motivo e outros que o capítulo tá beeeem pequenininho mas eu espero que vocês gostem. Aproveitem o capítulo.

Capítulo 4 - Chapter Four


A semana passou mais rápido do que eu imaginava. Talvez pelo fato de estar ansiosa para as aulas extras, mas prefiro não dar muita bola pra isso. Pode ser que ocultar o fato faça com que seja menos especial. E não é para ser especial, é só uma coisa que eu sempre fiz e nunca deram em nada além da grande ajuda a qual é o objetivo.

Essa conversa comigo mesma se perpetuou até que eu chegasse na casa da minha mãe. David disse que tinha um compromisso com o pessoal do trabalho, coisa que não acreditei no começo porque é muito difícil ter reuniões em pleno domingo, porém me forcei a acreditar pois ele não tem nenhum motivo para mentir pra mim.

Roland implorou para dormir com Zelena e acabou passando a noite com ela na sexta e no sábado. Em casa, isso resultou em noites de muito sexo, evitando o silêncio constrangedor que haveria caso contrário. Às vezes minha consciência pesa por este ser praticamente nosso único tipo de contato depois da noite na banheira, mas talvez seja apenas o nosso jeito de se reaproximar mesmo depois de tantos meses desde que nós voltamos.

Toquei a campainha e Zel abriu a porta revelando seu pijama broxante de estrelinhas. A ruiva tinha um olhar mal-humorado, uma xícara de café em mãos e um cabelo que mais parecia um ninho. A única coisa que consegui fazer ao olhar para aquela trágica cena foi rir.

— Me esqueci do quanto sentia falta disso. — Falei e entrei após lhe dar um beijo na bochecha. — Cadê todo mundo?

— Supermercado. — Respondeu ao tomar um gole de seu café. — Quer? — Ofereceu.

— Sem café na hora do almoço. — Ri da minha própria piada.

— Ha ha. Acordou comediante hoje.

Sentamos no sofá e ficamos assistindo o programa de culinária pelo qual Zel é apaixonada. Coisa que não entendo porque ela não cozinha nada.

— Sabe, eu tava pensando... — Começou ainda com os olhos na TV. — A gente podia passear na praia amanhã. Segunda-feira é um ótimo dia, vai estar ensolarado e nunca tem muita gente.

— Eu adoraria, mas estarei ocupada. Inclusive gostaria que me fizesse um favorzinho.

— Lá vem. — Me encarou.

— Será que você poderia ficar buscando o Roland na escola por um tempinho? — Sorri amarelo e juntei as palmas das mãos. — Eu vou começar a dar aulas extras a um aluno essa semana.

— Eu nem acredito que você vai me trocar, Gina. — Reclamou com chateação.

— Larga de drama, Zel. Eu não tô te trocando, você devia estar feliz por mim. O que eu tô fazendo é uma boa ação.

— O que você quer? O prêmio Nobel? — Gargalhei enquanto ela revirava os olhos.

— Vai fazer isso por mim ou não? — Cruzei os braços.

— Claro né. Mas só por causa do Roland.

Abri um largo sorriso e pulei em seus braços e ela não demorou muito a retribuir meu abraço.

— Você é a melhor irmã, sabe disso, não é?

— Aham, puxa saco. — Apertei ela mais um pouco e a mesma decidiu deitar com a cabeça em meu colo. — E esse seu aluno, é gostoso?

— Zelena. — Arregalei os olhos. — Que pergunta mais boba.

— Eu só quero saber ué.

— Tá. — Fiz carinho em seu cabelo, querendo desviar do assunto. — Ele é... Bonitinho.

Seu olhar tinha segundas intenções, típico dela.

— Pode parar. — Falei. — Ele é só um aluno. E eu sou uma mulher casada, então pode tirar esses pensamentos bobos da sua cabeça.

— É. Casada com um homem que te traiu com uma aeromoça. — Suas palavras me atingiram como uma facada. — Desculpa, saiu sem querer.

— Tudo bem. — Falei com um sorriso falso. — Ele está arrependido. Estamos tentando fazer com que as coisas voltem a ser como antes.

— Eu só não sei como diabos você conseguiu perdoar ele, Regina. — Disse com as mãos no rosto.

— É sério que vamos entrar nesse assunto agora? — Aumentei um pouco o tom de voz deixando clara a minha irritação.

— Eu só quero o melhor pra você, mana. Você merece melhor, sabe disso. — Ela saiu do meu colo e sentou de uma forma que ficamos cara a cara.

— Acontece que eu não estava pensando só em mim, Zel. Tem o Roland também, já pensou como seria difícil pra ele crescer com os pais separados? Eu não quero isso pra ele.

— Isso tudo por causa do seu trauma de infância? — Elevou a voz e suas palavras me fizeram lembrar claramente do nosso passado. — Gina, você não imagina a quantidade de casos que eu vivenciei entre casais que se divorciaram e ambos têm uma ótima relação com os filhos. Isso é só um estereótipo que você colocou na sua cabeça.

— Acontece que eu não sou mais um de seus casos, Zelena. Eu sou sua irmã e você devia ficar do meu lado e me apoiar.

— Mas é meu dever de irmã mais velha cuidar de você e também lhe corrigir quando estiver errada. — Gritou de volta.

— Ok, já chega. — A voz da nossa mãe ecoou pelas quatro paredes.

Ela tinha entrado pela porta da sala percebendo a nossa discussão. A mão na cintura e seu olhar para nós duas não negava que estava furiosa com a tal briga.

— O que está acontecendo aqui? — Perguntou com um tom que eu conhecia bem.

— Não é nada, mãe. — Falei me levantando e pegando minha bolsa pronta para ir embora. — Eu só pensei que Zelena tinha voltado para começar uma vida nova, não para cuidar da minha. — As palavras eram dirigidas a ela indiretamente mas nosso contato visual só se desfez quando eu saí da sala.

Peguei Roland, que estava na mesa procurando algo no saco de compras, e o mesmo não parou de me questionar o caminho inteiro até o carro. Expliquei resumidamente o que aconteceu e ele finalmente se calou antes que minha cabeça explodisse.

Minha mente estava a mil. Tudo o que Zelena disse ficava passando como um loop no meu cérebro. De novo, e de novo, não parava nenhum momento sequer. Sem que eu pudesse impedir minha visão ficou embaçada pelas lágrimas de raiva e parei o carro por um momento até que meu choro parasse, mas isso não aconteceu.

— Não precisa chorar, mamãe. — Ouvi a voz de Roland soar suave. — A tia Zelena é boazinha, ela vai pedir desculpa. — Me virei para olha-lo e ele me olhou de volta com um sorriso otimista no rosto.

— Eu espero que sim, querido.

Limpei as lágrimas e voltei a dirigir me recompondo aos poucos. 

Já que os planos de passar o dia na casa da minha mãe foram por água abaixo, tive que me virar com o que tinha em casa.

— O que vamos comer, mamãe? — Roland perguntava isso de quinze em quinze segundos.

— O que você quer? — Perguntei do outro lado do balcão.

Ele estava sentado no banquinho balançando suas perninhas sem cessar.

— Hmm... — Pôs a mão no queixo demonstrando estar a pensar. — Macarronada! — Disse finalmente com animação na voz.

— Macarronada, aí vamos nós. — Respondi com a mesma animação levantando a mão para um high-five.

Peguei os ingredientes que precisava e comecei a cozinhar. Roland colocou músicas aleatórias para tocar no celular enquanto eu mexia tudo na panela. O menor remexia o corpo sem parar e o acompanhei nos movimentos que me faziam esquecer dos problemas que estava passando ultimamente.

Meu coração tranquilizou pois sabia que tudo que eu precisava e queria estava comigo naquele momento.


Notas Finais


Iai, gostaram da treta? Eu adoro uma discórdia jsjaksjsjd, mais uma vez perdão pela demora e não desistam de mim ❤, até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...