História The time is not a Virtue - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Carla Tsukinami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Seiji Komori, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Amor, Anime, Anos, Ayato Sakamaki, Blood+, Diaboliklovers, Dialover, Dramafic, Fanfic, Fase, Guerra, Kanato Sakamaki, Laito Sakamaki, Mangá, Ódio, Reiji Sakamaki, Romance, Sakamaki, Sangue, Shoujo, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Suspense, Terror, Vampire, Vampiros, Visual Novel, Yui Komori
Visualizações 56
Palavras 1.429
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiiie anjos de my life! Turo bom? Turo ótimo! Lhes concedo mais um capítulo, belezuras! Estou muito estranha hj... Mas ook.
Bjss do Shu e boa leitura!

Capítulo 32 - Capítulo 31



Com o desespero a comandar seus pensamentos, Yui corria sem se importar pelo o que poderia vir pela frente.

De longe, enxergava um enorme portão para o quintal do palácio. Se via o portão enferrujado, iluminado pela lua vermelha da noite. Yui correu desesperada na esperança de poder enxergar sua criança ao outro lado, estava a pensar que teria uma pequena chance de salva-la.

Empurrou, empurrou. Nada.

Estava sozinha a empurrar aquele enorme portão emperrado, sem sucesso de abrir o mesmo. Procurava desesperada algum jeito de abri-lo, sabia que Subaru não podia lhe ajudar a cada segundo de jogo, ele não era obrigado. Estava batendo o portão com força, ainda indignada pela ação dos vampiros; o que era nada. Eles não estavam a fazer nada, e achou que ficaria assim.

Mas não.

Kanato veio até o outro lado do portão, com uma encarada rápida para Komori, que lhe olhou com um semblante genuíno. Então os dois passaram a empurrar o portão com força, Kanato não era o mais forte da família, não como Shu ou Subaru, mas, era um vampiro poderoso como qualquer outro, com sua força sobrenatural assim como qualquer ser vampírico.

Ouviram o ranger do portão, assim mostrando que estavam a conseguir abrir o tal. Devagar, conseguiam empurrar o portão enferrujado, que parecia velho demais e pouco usado.

O que estava na cabeça da loira era como eles poderiam ter levado a criança até lá, se o portão mal conseguia abrir.

E quando a mesma e o arroxeado conseguiram o que queriam que era abrir o negócio, olharam em volta procurando a filha de Yui; na qual também não estava ali.

Subaru chegou perto da outra e apontou ao longe, onde mostrava uma fumaça a sair desesperada.

-Alô, Yui. Estão ao outro lado... Já devem estar começando! -O albino afirmava, percebendo que já havia passado muito tempo, e que a essa hora a garotinha já deveria estar praticamente corrompida.

-Vocês... Vocês conhecem esse lugar! É só me teleportar até lá! Se algum me--

-Não, pra nós conseguirmos ir lá precisamos estar com nossos pensamentos conectados... -Reiji explicava de um modo que tentasse acalmar Yui, que estava a ficar cada vez mais desesperada por conta de sua filha.

-E também não conhecemos o lugar, viemos aqui umas duas vezes, é o castelo de Karl. O nosso foi demolido pra construir a mansão. -Fora a vez de Shu dizer algo, como se entendesse o quanto precisava falar aquilo para Yui deixar de encher o saco deles.

-Então vamos ter que seguir todo esse caminho!? -Gritou, indagando.

-Tem um plano melhor? -Ayato perguntou retórico. Fazendo a moça bufar contra sua vontade, andando em direção ao caminho que necessitava ir. 

Fora seguida pelos seis irmãos atrás de si.

-É um labirinto! É impossível! -Disse a vampira, batendo o pé como uma criança faria. E quando percebeu que um dos Sakamakis lhe responderia, continuou a andar, adentrando um dos caminhos concebido pelo labirinto de arbustos grandes.

Ela não se importava se os outros atrás foram junto para dentro daquilo, e por isso passou a continuar seu caminho e quando via alguma parte pequena mas que lhe atrapalhava; cortava com a faca que Kino havia lhe dado.

Tinha seguido por cinco divisórias diferentes, e acabou ficando presa num local sem saída, teve de voltar um arbusto e seguir seu lado oposto, conseguindo dessa vez; um caminho direto e vasto que pudesse levar até sua saída. Mas era difícil saber por qual dos lados a adentrar, e pensou e como sair dali novamente no local que a deixou presa. 

Então pensou que se ouvisse alguma voz, poderia conseguir encontrar o caminho correto. E sua vontade fora concebida ao ouvir uma voz conhecida de anos por si; a voz de Yuma a gritar com alguém. Era estranho mas, ao mesmo tempo bom para poder sair daquele lugar.

Percebeu que vinha do outro lado, do lado que sabia que ficava a saída.

Correu pelos caminhos, a ouvir a voz do vampiro de longe e a inalar a mesma pela mente cheia. Conseguindo no fim, sair dos arbustos grandes do longo jardim sem cor.

Quando o encontrou, viu junto a si seus três irmãos de criação perto de si. A pensar em algo que ela não tinha ideia. 

Sua primeira reação fora abraçar cada um deles, o que era difícil já que Yuma era alto demais para a transformada.

Ficou encabulada na hora de abraçar Ruki, que na hora os dois se lembraram de alguns dias atrás; de seu beijo. Yui nem se importou muito, deixando aquele pensamento de lado e o moreno fez o mesmo, o abraçou segurando-o pelas costas, com suas mãos pousadas lá.

Quando se desfez, olhou para trás. Encontrando seis vampiros a lhe encarar, quando um particularmente arranhava a garganta com a própria voz. 

Yui não se intimidou, pelo contrário; deu de ombros e olhou em sua direção da fumaça. Vendo que vinha de cima de uma longa escada a frente, parecia ter uns trinta degraus, velha como um faraó mumificado.

Komori indagou e olhou em direção aos Sakamakis. Gritando. Pois ao encarar as escadas, de longe se podia ver um altar, e esse altar não era como de uma igreja assim como tinha na que seu pai comandava.

-Vocês tem um altar!? Um altar pra sacrifícios?! -Yui berrar, Kou tampava os ouvidos fazendo uma careta ruim, podia se perceber que quando queria; a voz de Yui era bem ruim.

-Não nos culpe! Eles deveriam saber, já moraram com ele! -Disse Subaru a apontar seu dedo direto para os Mukamis que fizeram uma cara estranha ao ouvir aquilo.

Yui deu uma olhada para os quatro que não sabiam como reagir.

-O que? Está desconfiada? Moramos com ele sim, mas não significa que sabíamos sobre isso... -Ruki se explicava, tirando a si mesmo e a seus irmãos da reta.

Komori balançou a cabeça, tirando aquele pensamento da mente e voltando ao seu caminho. Ouvindo as provocações das famílias atrás de si, soltou um: "eu mereço." Que logo fora só para si mesma ouvir, noque não adiantou. Os outros ainda continuavam a falar, ouvia principalmente a voz de Kou e Yuma de um lado e a voz de Laito e Subaru de outro. Pareciam crianças a brigar por um doce caído. Sinceramente.

Ao chegar no pé da escadaria, olhou para cima. Sentindo um cheiro de queimado. De vez ou outra, uma fumaça saia mais forte com luzes, parecia mais um filme com efeitos especiais.

Subiu aquilo com facilidade.

Mas Laito não, fora o último a chegar até a cima, avistando a cada pequeno passo a doce Yui mais jovem novamente a lhe estressar.

-Se lembra, Laito-kun? -Perguntou a mesma, ficando até a ponta da escada lá em cima, a onde já estava alto demais, iluminado por vasos repletos por fogo.

-Do que...? -Parou seu caminho quando viu a alucinação a andar cada vez mais próxima ao fogo.

-Você sempre gostou do fogo... Laito... Kun... -Por segundos a viu se jogar da escada, e como estava embargado pela loucura do momento, correu até a mesma preocupado. Quando a segurou nos braços viu que a menina sumiu como vento a se misturar no ar.

Então encarou o outro lado da escada, a via se encostar no fogo, no mesmo momento seu corpo começou a flamejar. Cada vez mais a pegar fogo, com suas chamas a cobrir todo o corpo da mesma. E ao invés de ouvir seus gemidos de dor, a mesma apenas gemia para mostrar o quanto recebia de prazer. Algo que fazia propositalmente.

-Para... Para, para! -Laito começava a passar a mão em sua cabeça. Kanato vendo aquilo, fora correndo até seu irmão, preocupado.

O arroxeado perguntava o que teria lhe acontecido e quando o de chapéu fora lhe responder. De longe via a menina a sua versão normal, sem nenhuma cicatriz.

-Shhh

Ouviu o sussurrar da mesma, seguido por uma demonstração para que ele ficasse quieto. E o mesmo pareceu obedecer, cedendo a sua vontade; ele ficou calado. Dizendo para Kanato que não havia nada, voltando a sua posição inicial de um homem brincalhão, com sua voz a rastejar como sempre.

Não acreditou naquilo, mas deixaria seu gêmeo em paz. Laito não falaria mesmo.


Lá em cima, Yui avistava coisas que jamais imaginaria vindo de Karl ou de Tsunade.

Sua filha deitada num tipo de maca de gesso, desacordada. Enquanto atrás de si estava uma fogueira a lhe iluminar conforme Tsunade ordenava, enquanto Karl... Cortava a própria mão, misturando seu sangue ao sangue de Yui retirado a minutos antes.

Eles estavam literalmente sacrificando Nara, sem poder matar a menor.

E Yui percebeu, o quão loucos e demoníacos aqueles seres eram. Piores do que pensou que os filhos de Heinz eram.

Se não conseguisse tirar sua criança dali, a mesma estaria perdida na escuridão para sempre.





"Acorde filha... Ele veio te salvar!"



Notas Finais


E aae? O que estão achando? O que acharam? E o que acham que vai acontecer? E lhes digo uma coisa, está beeeem próximo o dia em que vamos descobrir quem é o pai da nossa pequena Nara! E tbm digo que vamos passar muita raiva com eles ainda viu! Bjss e comentem ai!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...