1. Spirit Fanfics >
  2. THE UNIT - jikook >
  3. Seis

História THE UNIT - jikook - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Seis


J I M I N


Panqueca se esfregava em minhas pernas, enquanto Biscoito dormia no colo de Namjoon. Eu e meu melhor amigo havíamos nos encontrado para que ele me ajudasse com toda a matéria acumulada da escola, que eu estava faltando por falta de tempo. Era a primeira vez que alguém vinha aqui, tirando eu, Jungkook, Panqueca e Biscoito, os moradores.

- Joon, você sabe que matemática não foi feita pra mim – eu choraminguei, depois de apenas olhar para uma conta e decidir que não era capaz de fazê-la.

- Mas você sabe que não tem saída, não sabe? - ele pegou o meu caderno de minhas mãos, procurando qual era o motivo do meu desespero – E eu sou um ótimo professor, como você mesmo já disse um milhão de vezes.

- Olha esse tanto de número e letra! - eu apontei para a questão onde eu me encontrava, mas o que me surpreendia não parecia surpreender ele – O que o cara tinha fumado quando decidiu que seria uma boa ideia juntar os dois?

- Depois que você aprende fica fácil, eu prometo – ele falou, tentando encontrar em seus pensamentos uma forma de me ensinar aquilo.

- A gente pode dar uma pausa? - propus, já me espreguiçando e pegando minha filhinha no colo logo depois – Já faz um bom tempo que a gente tá aqui.

- Preguiçoso do caramba – ele reclamou largando meu caderno e o lápis que segurava na mesinha de centro da sala.

- De fazer um exercício desses? Tenho preguiça mesmo, e me perdoe Albert Einstein, viciado em estudar – debochei, fazendo carinho na cabeça de minha gata.

- Se você queria que citar algum matemático importante, deveria ter citado Leonhard Euler – ele disse, usando sua inteligência para se sair por cima na discussão, e posicionou os óculos, o tirando de quase da ponta do nariz.

- Namjoon, vai se ferrar, sério – eu disse, me sentindo um pouco burro por nem saber de quem ele estava falando – Agora, pra mudar de assunto... Eu queria dar uma cor pra esse lugar – digo, olhando para a parede atrás de nós – É tudo tão vazio...

- O apartamento nem é seu de verdade, e ainda tem o Jungkook aqui – meu melhor amigo retrucou, pegando o celular e abrindo em algum aplicativo aleatório.

- Ele também acha que tá muito vazio – justifiquei – E mesmo que a gente não fique todo o tempo do mundo aqui, não custa nada dar uma decorada...

- Compra plantas – Kim sugeriu – Milhares delas. E algum quadro conceitual.

Antes que eu pudesse concordar com as ideias que ele havia recomendado, o barulho de uma chave sendo passada no trinco da porta de entrada nos chama atenção.

Quando a porta foi aberta, Jungkook se revelou ali, com fones de ouvido, uma mochila nas costas, e com seu cabelo, um tanto quando grande, sendo amarrado em um pequeno rabo de cavalo.

Eu e Namjoon deixamos os gatos de lado e nos levantamos. Meu amigo se curvou, fazendo uma pequena reverência, e eu apenas acenei com a mão para meu colega de apartamento.

- Ah, oi – ele disse, e então fechou a porta atrás de si – É seu amigo, Jimin?

- Sou sim – Namjoon respondeu no meu lugar.

- Ele veio me ajudar com as coisas da escola – expliquei, enquanto Jungkook jogava sua mochila na mesa da cozinha.

- As vezes eu esqueço que você ainda estuda – ele disse, abrindo a porta da geladeira, tirando dali um Yakult de morango – Tá com muita matéria acumulada?

- Bastante...

- Eu até ofereceria ajuda, mas eu apenas fingia que entendia alguma coisa no ensino médio, não sei até hoje nada direito do que estudei – o líquido que ele tomava acabara, e então ele arremessou a embalagem no lixo – De qualquer forma, boa sorte.

Depois que ele disse sua última frase, arrancou o prendedor de cabelo, desfazendo o rabo de cavalo, limpou o suor da testa com as costas da mão, pegou sua mochila e foi até seu quarto.

Me sentei novamente, apenas pegando meu caderno de volta, disposto a estudar e a entender aquela maldita matéria. Namjoon, porém, se mantinha de pé, e quando o olhei para analisar sua expressão, sua boca estava aberta, e seus olhos olhando... Pro nada.

- Que foi? - questionei, sem entender o que havia deixado o garoto tão chocado.

- Você tem noção que... - ele começou a dizer, se sentando ao meu lado novamente – Aquele é Jeon Jungkook?

- É... Tenho – falei, ainda não entendendo sua explicação.

- É a primeira vez que eu vejo uma celebridade de perto assim – ele continuou, olhando para a porta do quarto do mencionado – Ele tá meio diferente, não tá?

- Diferente como? - questionei, procurando uma borracha no meu estojo.

- Diferente dos clipes, e coisa e tal – Namjoon explicou, me encarando com a expressão ainda surpresa – O cabelo dele tá crescido... Mas ele é bem mais bonito pessoalmente.

- É, ele é – concordei, torcendo para que meu amigo parasse logo de falar do meu colega de trabalho – O cabelo cresceu, só isso.

Ele finalmente desiste de continuar a conversa voltada para o cantor, sua animação passa, e voltamos a nos focar em toda aquela matéria acumulada.

Quando terminei de escutar suas explicações, Kim decide ir embora, me deixando com algumas atividades para fazer sozinho.

- Se tiver alguma dúvida, me manda mensagem – ele disse, já com a mochila nas costas.

- Não vou ter, eu sou o gênio da história e da biologia – me vangloriei, balançando meu cabelo – Vou acertar todos o exercícios, aposta quanto?

- Se eu apostar, você vai perder – ele me respondeu, rindo da minha cara.

- Que belo melhor amigo você é, Kim Namjoon – dou um tapa leve em seu braço.

Depois que ele foi embora, eu comecei a organizar a bagunça que deixamos na mesinha de centro. Juntei meus livros e cadernos em uma pilha só, guardei as canetas, lápis, e borrachas dentro de meu estojo, o colocando no topo do monte de material escolar.

Sou interrompido pelo estralo da porta de Jungkook, anunciando que foi aberta e que ele estava saindo dali.

- Seu amigo já foi embora? - ele perguntou, jogando as mechas do cabelo escuro para trás, analisando o local – Não queria sair do quarto pra não atrapalhar vocês dois.

- Não ia – respondi de supetão, sentindo uma pontada de culpa – Desculpa por te manter lá dentro.

- Não tem problema – ele andou até a cozinha, abriu os armários, tirando alguns ingredientes dali – Eu estou pensando em cozinhar algo agora, talvez... Panquecas. Quer me ajudar?

Eu ri ao lembrar minha gata que tem o mesmo nome, mas andei até ele, disposto a me oferecer ajuda. Se eu queria de alguma forma, me aproximar do cara com quem eu teria que trabalhar pelos próximos meses, teríamos que fazer uma boa quantia de coisas juntos, e isso fora uma recomendação de Nayeon e de Seokjin.

Mas não era como se eu estivesse me obrigando a fazer isso. Era uma ideia que me agradava, fazer panquecas na cozinha do novo apartamento, com um cantor famoso que eu costumava ver apenas pela TV ou pela tela do celular, e que agora eu via todo dia, ao vivo e à cores.

- Qual é a próxima receita? Biscoito? - brinquei, usando o nome de seu gato.

Ele sorriu, e faz um gesto de como se estivesse pronto para me dar um tapa na cabeça, porém conseguiu se segurar.

Mesmo tendo uma gata com o nome do que estávamos preparando, eu nunca havia nem visto a lista de ingredientes para efetuar a receita. Mas de acordo com Jungkook, ele já havia feito aquilo milhares de vezes, então estava longe de ser um problema.

Ao conversar com Minkyung, um dos responsáveis do setor de cuidado e manutenção dos apartamentos dos artistas, ele nos providenciou utensílios de cozinha e alguns ingredientes, sem contar o número gigantesco de pacotes de macarrão instantâneo.

Por isso, quando eu ajudei Jungkook a encontrar cada componente que usaríamos, conseguimos encontrar tudo o que precisaríamos.

Batemos tudo no liquidificador, e deixei um grito escapar ao perceber que Jungkook estava quase o ligando com a tampa aberta – o que poderia ter ocasionado ovos, farinha e outras coisas voando pelo aparelho, e ficando espalhadas pelas paredes.

- Você nem lembra que é preciso fechar a tampa do liquidificador antes de ligar, e quer que eu confie em suas habilidades de chef? - questionei, rindo de sua cara, como se tivéssemos toda a intimidade do mundo, enquanto esperávamos que tudo misturasse direito.

- É só distração, prometo – ele se defendeu, tirando o cabelo crescido de frente dos olhos.

Não estávamos sozinhos. Minha filha logo apareceu, sem saber decidir em qual perna roçar primeiro, já que demonstrara que gostara de Jungkook desde o primeiro instante. Biscoito, no entanto, veio direto para a minha.

- A sua gata alguma vez já ficou brava com você? - Jeon me perguntou observando que seu animal de estimação nem hesitou em preferir minhas pernas às dele – Biscoito parece me odiar, pelo menos até o presente momento.

- Na verdade... - eu peguei no colo o mencionado, que aceitou meus carinhos de uma forma pacífica – Nunca. Panqueca é bem tranquila. Talvez seu gato só não se sinta íntimo de você ainda – Biscoito encostou a cabeça em meu peito – Você precisa mostrar que ele pode confiar em você.

- Faz muito tempo que você tem ela? - Jungkook citou minha gata, desligando o liquidificador.

- Fazem dois anos – contei, começando a ficar nostálgico – Ela era a última de uma ninhada, e iria ser sacrificada se não fosse adotada no prazo de 1 semana.

- SACRIFICADA? - Jeon apavorou-se, e isso estava descrito em sua expressão, com os olhos arregalados.

- É – me entristeci ao lembrar que o serzinho mais puro e lindo do mundo quase morrera por falta de adoção – Quando esses lares para cachorros e gatos ficam superlotados, eles costumam fazer isso... Mas quando eu fiquei sabendo, implorei de joelhos, e minha avó deixou que ficássemos com ela.

- Você mora só com sua avó? - ele perguntou, na esperança de puxar assunto, enquanto pegava uma frigideira em um dos armários de baixo.

- Desde que minha mãe morreu – explico.

Assim que ouviu minha frase, o garoto se vira para mim, e consigo encontrar, no meio de outros sentimentos, a pena, em seus olhos. Não era a melhor sensação, aquela de quando alguém sente pena de você por ter perdido alguém importante. Eu não gostava de olhares como aquele, mas entendi que sua intenção nunca fora eu me sentir mal.

- Sinto muito – ele disse, ficando notavelmente envergonhado.

- Não se preocupa, já superei – tentei suavizar, com uma expressão delicada em meu rosto – Eu era pequeno, não sabia muito das coisas. Hoje em dia, minha avó é tudo pra mim, somos bem próximos.

Observei Jungkook ligar o fogo, posicionando a frigideira ali, mas ele me escutava atentamente.

- E ela gosta do que está fazendo agora? - o garoto indagou, se virando para mim enquanto seu quadril encostava no balcão da pia.

- O que? Panquecas? - fiquei confuso com sua pergunta, mas assim que seus olhos se apertaram com a chegada de seu sorriso, eu deduzi que o que eu havia dito fora bem idiota.

- Eu to falando da sua carreira!

- Ah, agora eu entendi – cocei a cabeça, tentando não socar minha cara pelo mico, ao mesmo tempo em que tentava pensar sobre sua pergunta – Vovó Boo sempre me apoiou na minha carreira, sim. Inclusive foi ela que me encorajou a postar I Like It, eu não tinha confiança o suficiente para isso...

- Ela que causou tudo isso?

Eu não estava analisando sua fisionomia, e sua voz também não fazia questão de me dizer nada sobre o real sentido da frase. Se ele estava feliz ou irritado com aquilo.

Ao encará-lo rapidamente, tentando captar algum resto de expressão, e quase derrubei o jarro do liquidificador, que eu havia virado para segurar.

Mas para meu alívio, ele tinha um rastro de sorriso que quase havia deixado sua boca. Sendo assim, eu sorrio de volta, segurando a jarra com mais cuidado para não derrubá-la, nem o líquido dentro dela.

- Foi mais ou menos isso – concordei com sua dedução – Por causa dela que estou aqui hoje.

- Vai ter que dar os créditos pra ela nas futuras entrevistas – ele deixou aquele minúsculo sorriso aparecer mais.

Jungkook tirou a jarra de minha mão, andando até o fogão e me chamando para ir até ali também. Ele me mostrou como despejar o conteúdo da jarra na frigideira, mostra quanto tempo esperar e o que fazer quando ela está pronta.

E foi ali, naquele contexto, que eu aprendi como fazer panquecas, e posso garantir que quando provamos, ficaram boas até demais.

- Já escolheu a música do seu solo? - Jungkook perguntou enquanto nos deliciamos com o resultado de nossa receita.

- Já – respondi – Vai ser YOUTH do Troye Sivan.

Ele come a última unidade de seu prato, assim como eu logo em seguida, e largamos nossos pratos na mesinha de centro.

- Jura?

Ele levava um semblante animado, e quando viu que eu havia decidido pegar meus cadernos e livros todos de uma vez, que eu havia deixado ali após Namjoon ir embora, e que eu estava tendo dificuldades naquilo, ele se levantou e se aproximou.

– Deixa que eu te ajudo – tirou alguns da pilha, segurando contra seu peito – Vai ser só vocal? Só dança?

- Só dança – consegui me levantar, com os materiais, e ele me seguiu quando comecei a andar em direção ao meu quarto – Eu já tive umas ideias de coreografia, vou mostrar pro Hoseok mais tarde.

Deixei tudo em cima da minha escrivaninha, e dei espaço para que Jungkook fizesse o mesmo.

- Eu gosto muito do Troye – ele contou, colocando a pilha que segurava por cima da que eu havia acabado de deixar ali – Não tem uma música dele que eu não goste.

- Você vai performar uma dele, não vai? - indaguei, colocando as mãos nos bolsos de trás das calças.

- Fools – ele confirmou, com um leve sorriso – Não estou querendo dizer que convenci Nayeon de colocar essa música na lista... Mas é exatamente o que eu estou querendo dizer.

Rio com sua declaração – Deve ser por isso que eu tive a chance de escolher o meu solo.

- E ambos escolhemos o mesmo cantor – ele sorri – Já deixo avisado que se ela fazer alguma objeção, eu escolhi ele primeiro.

Antes que eu pudesse responder sua provocação, um barulho alto vinha de trás de Jungkook, e não demorou para que ele tirasse do bolso de trás seu celular, que mostrava na tela o nome de Nayeon.

- É chamada de vídeo – ele contou – Chega mais perto.

Eu andei até o lado de Jeon, e ele aceitou o pedido da ligação, fazendo o rosto da mulher aparecer na tela. Ela usava terno preto, sua franja estava arrumada, e tinha uma expressão séria no rosto.

Assim que ela viu que Jungkook não estava sozinho, e sim acompanhado por mim, um sorriso simpático tomou conta de seu rosto.

- Estão no apartamento, dupla?

Fizemos que sim com a cabeça.

- Pedi pro motorista encarregado por vocês para passar aí, acho que ele chega em 5 minutos – ela contou, enquanto se movimentava com sua cadeira giratória para outra mesa de seu escritório – Agora adivinhem o que vocês vão fazer.

- Treinar? - tentei decifrar, mas sua reação imediata deixou claro que estava longe de acertar.

- Reunião? - dessa vez quem chuta é Jungkook, que também recebeu uma reação negativa.

- Vocês vão pra um salão de beleza.

Sem entender o motivo de sermos mandados para um, eu deixei de encarar a mulher na tela, para olhar Jungkook. Ele parecia igualmente confuso.

- Pra quê esse susto? - Nayeon questionou – Jungkook vai cortar o cabelo, Jimin vai pintar.

- PINTAR?

Eu só percebi que meu tom de voz havia aumentado consideravelmente, quando os dois me olharam.

- Mas... Meu cabelo é virgem! - tentei mudar a ideia da mulher – Eu nunca coloquei nada nele... E se der algo errado? E se eu... FICAR FEIO?

- Ah, meu anjinho – ela tentou me confortar – Nada vai dar errado. Nós confiamos nossos artistas, e bem, seus cabelos, para um estúdio de beleza muito renomado. Nunca tivemos problemas.

- Mas...

- E faz parte do conceito da unit! - ela me interrompeu – Um loiro, outro moreno.

- Por que EU tenho que ser o loiro?!

- Eu sinto muito por não ter avisado antes, de verdade, mas agora já está marcado – ela voltou a mostrar que não tinha volta – Como é sua primeira vez pintando o cabelo, você pode estar assustado, mas eu juro que vai ficar bom em você. Encontro vocês lá.

Antes que eu pudesse encontrar outro argumento para fazê-la mudar de ideia, o interfone tocou, Jungkook finalizou a ligação, e nos apressamos para não deixar Seokmin esperando por muito tempo.

ੈ✩‧₊


J U N G K O O K


Nayeon não era a única que nos esperava no estúdio. Seokjin, o assessor de Jimin, estava lá também. Eu me segurei para não rir ao encontrá-los discutindo sobre algum assunto bobo. Essa guerra só acabaria quando um dos dois morresse ou fosse para um lugar longe de Seoul.

Jimin não parecia triste, mas assustado. Tentei imaginá-lo loiro, mas foi mais difícil do que eu pensava.

Nos sentamos em cadeiras perto uma da outra, de frente para um grande espelho. A mulher que cortaria meu cabelo conversava com Nayeon, discutindo qual seria o corte, mas eu já previa que seria undercut.

- Ei – chamei por Jimin, que ainda não havia visto a pessoa que seria responsável por seu cabelo. Quando o garoto olhou em minha direção, eu disse suavemente – Não precisa ter medo, vai ficar bom em você.

Ele sorriu de leve, feliz por ter recebido meu apoio, e ambos voltamos a voltar para frente.

Enquanto a mulher cortava minhas mechas, eu apenas ignorava como o corte estava ficando, pois estava envolvido demais em meus pensamentos barulhentos.

Eu estava dando o meu melhor para não ser um babaca, e essa era a verdade. Eu percebi que não deveria descontar minha desambição com o projeto em Jimin.

Ele parecia animado com a ideia, estava feliz por trabalhar com artistas como eu e Hoseok, e não tinha culpa se eu não estava tão animado assim com isso. Aparentemente, eu era o único que não estava.

Mais cedo naquele dia, eu e ele havíamos cozinhado algumas panquecas juntos, e quando ele deixou escapar alguns detalhes de sua história de vida, e como ela tinha sido difícil para ele, uma parte de mim sentiu culpa.

Eu não me dei o trabalho de ser gentil com ele quando a ideia do projeto era algo distante – em minha cabeça. E também não me dou o trabalho de ser gentil com o resto do mundo.

E mesmo que eu saiba que meu coração está um tanto quanto amargurado, principalmente pelo momento estressante que eu passei esse tempo todo, ainda assim, eu consigo sentir culpa.

Eu havia decidido manter a boa convivência, aliás, tudo seria mais complicado de lidar se eu agisse como uma criança birrenta. Mas seria egoísta de minha parte dizer que isso fora tudo fruto de meu auto conhecimento e amadurecimento. Hoseok, antes que a mudança de apartamento acontecesse, disse:

- Você deve estar se sentindo mal com tudo isso, dá pra ver, mas ainda assim não tem o direito de descontar em um garoto que nem conhece.

Mas naquela tarde, enquanto Jimin contava que havia perdido a mãe e que morava com a avó, fez florecer em mim algum tipo de empatia por ele.

Não era como se fosse a coisa mais difícil do mundo ser amistoso com o garoto. Ele deixava isso mais fácil, já que era assim também. Mas eu sempre tive dificuldade de me conectar com uma pessoa que acabei de conhecer. É como se tivesse uma parede entre eu e a pessoa, e eu tenho medo de tentar atravessar essa parede e tudo dar errado.

E é claro, quando essa outra pessoa era receptiva, engraçada e gentil, a tarefa de quebrar tijolinho por tijolinho da parede ficava mais fácil.

Eu ri ao ver que Park tentava desesperadamente convencer o homem que mexia em seu cabelo, a não fazer nada com ele. As mechas de Jimin eram negras, e transformar aquilo em um loiro seria uma tarefa que levaria horas.

Mas ficaria bom nele, pelo menos na minha cabeça.

Só quando meu penteado foi finalizado que pensei em olhar para mim mesmo pelo espelho. Meu cabelo estava bem mais curto, e tive a impressão de viagem no tempo ao me ver ali. Era o mesmo tipo de corte que eu costumava usar quando eu era ativo no mundo da música.

Eu estava me sentindo bem ao voltar a ser o que sempre fui, treinando todo dia, e até a correria e falta de tempo pareciam coisas boas. Eu desejava que o tipo de vida que eu tive nos últimos tempo, apenas desaparecesse da minha história, que nunca tivesse acontecido.

E me olhar daquela forma, me fazia pensar que eu poderia seguir em frente de vez.

Eu tinha voltado a ser o Jungkook.

ੈ✩‧₊


Como o resultado do cabelo de Jimin demoraria mais do que o meu, eu apenas fui na frente para a empresa, ensaiar enquanto o garoto continuava no salão.

Encontrei Hoseok em uma das salas de prática, e ele estava deitado em um sofá preto comprido, quase dormindo, e fez o maior escândalo ao levar um susto com minha chegada.

- Finalmente! - ele exclamou, levantando – Faz meia hora que eu estou esperando vocês. Cadê o Park?

- Você soube o que estão fazendo no cabelo dele? - eu perguntei, enquanto em o cumprimentava com um high-five.

- Na verdade não...

- Park Jimin está ficando loiro nesse exato momento.

A boca de Hoseok se transformou em um gigante O, seus olhos se arregalam, mas toda aquela feição assustada também demonstrava que ele estava FELIZ com minha afirmação.

- Vai ficar absurdo! - ele bateu palminhas, enquanto dava pulinhos animado.

- Vai demorar um tempinho, mas ele logo chega – contei, andando até a frente do espelho, alongando os braços.

- Quer ensaiar seu solo enquanto isso?

E é isso que fazemos. Hoseok me ajudou a montar a coreografia, e conseguimos deixá-la boa o bastante, mas nada complicado ao ponto de deixar a parte vocal difícil.

Já sinto meu corpo inteiro suar, e tudo que eu desejava era um banho daqueles tão gelados que poderiam me causar uma gripe ou até uma hipotermia. Depois de ficar deitado no chão descansando os músculos por uns cinco minutos, eu me levanto, para voltar aos ensaios.

O problema é que por conta do suor que estava se acumulando em minhas costas, o chão acabou ficando molhado, me fazendo escorregar, até cair de bunda em cima do meu próprio suor.

Hoseok gritava sua risada, que nunca era discreta, e eu me acabei de rir também.

O que interrompeu aquele momento foi a porta se abrindo, fazendo nossas cabeças virarem para o lado, curiosos para saber quem era a pessoa que estava entrando ali.

Com os fios agora claros, Jimin apareceu na sala, e quando seu olhar pousou em nós dois, notei seu semblante neutro, sem demonstrar felicidade e nem o oposto, pelo resultado de seu novo visual.

- Jimin-ah! - Hoseok exclamou, animado, andando até o garoto com um sorriso enorme no rosto. Ele passou a mão no cabelo do mais novo, bagunçando-o, e arrancando um leve sorriso dele – Ficou incrível!

- Obrigado hyung... - suas bochechas se avermelharam, por conta da vergonha que tomou conta de si. Depois de responder Hoseok, ele olhou em minha direção, como se esperasse algum comentário vindo de mim.

Mas eu não sabia direito o que dizer. Jimin parecia ter nascido para ser loiro, mesmo que os fios negros também combinassem com ele. Seu rosto parecia mais claro, e algo ali fazia sua estrutura corporal inteira parecer diferente.

Depois de me embaralhar em pensamentos, eu finalmente me levantei, dizendo:

- Eu sabia que ia ficar bom em você!

Ele sorriu mais intensamente em resposta, agradeceu meu elogio, e então decidiu mostrar o que havia criado de coreografia para seu solo.

Enquanto Hoseok ficava nas laterais da sala, para analisar a coreografia melhor, eu me sentei no sofá preto, com os cotovelos nos joelhos, atento para também assisti-lo.

A música começou, e como esperado, o garoto se movimentou como se cada passo fizesse parte de sua alma, como se ele precisasse executá-los para respirar. Meu olhos arderam, anunciando que estava tempo demais sem piscar, e isso já era uma prova concreta de que Jimin nasceu para aquilo. Ele prende as pessoas quando dança.

Eu só reparei que estava prendendo a respiração quando meus pulmões começaram a queimar, e retomei a respiração, antes que morresse ali mesmo.

Quando o loiro terminou de mostrar tudo que havia criado, Hoseok explodiu em uma salva de palmas, tentando demonstrar o máximo que ele havia amado cada passo.

Eu, no entanto, tive cada músculo congelado, amortecido, e apenas consegui observar o sorriso do garoto, causado pelas palmas de Hoseok. Quando seus olhos caíram sobre mim, provavelmente para captar que tipo de reação eu tive, nossos dois olhares se entrelaçaram no ar, e ali eu comprovei que sim, o cabelo loiro havia caído muito bem nele.

Eu consegui mover os músculos do rosto para formar um sorriso, mostrando minha aprovação para a coreografia que ele tinha feito, e ele sorriu de volta.

 ✩ continua ✩


Notas Finais


Oi xuxus!

Eu to MUITO insegura com esse capítulo, tipo MUITO.

Eu tô preocupada com esse desenvolvimento do JK na parte de como ele reage ao JM, sabe? Parece que tá sendo tão rápido...

Se tiver desculpa, eu só não quero que esse seja o foco, então decidi deixar mais rápido, mas será que tá demais? KKKKK to com medo

Outra coisa: na lista de músicas que os meninos vão performar, eu coloquei GOOD TO ME do seventeen, mas tecnicamente o seventeen não existe nesse universo kkkkk

E isso porque o Seokmin (motorista) é um integrante do grupo kkk

Prometem relevar isso?

De qualquer forma espero que tenham gostado!

Não esqueçam de seguir e de votar!

Até semana que vem!

xoxoxoxo

cam


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...