1. Spirit Fanfics >
  2. The Untold Truth >
  3. Mother in law

História The Untold Truth - Capítulo 19



Capítulo 19 - Mother in law


Yuki

Finalmente estamos em casa.

Falta apenas três dias para voltarmos para academia e espero que meus pais consigam se aproximar nem que seja um pouquinho do meu Slifer preto.

Chazz dormiu no meio do caminho e eu o cobri com minha jaqueta.

Confesso que ele de preto fica mais bonito.

Não que ele fique feio com roupas coloridas mas me acostumei a ver ele com as mesmas roupas de sempre e roupas escuras realçam bem sua pele pálida.

Embora esteja mais pálida que o normal.

Ele está mais magro também.

Ele me preocupa tanto.

Isso não me incomoda nem um pouco mas quero ver ele bem, saudável e não deste jeito, parece que está doente demais.

-Jaden?

-Hum? – fito minha mãe e percebo que chegamos em casa.

-Vai acordá-lo ou carregá-lo?

-Acordar, é melhor

Balanço Chazz e o chamo algumas vezes mas ele só murmura uma coisa sem nexo e fica quieto; saio do carro e o puxo em direção da porta mas para minha surpresa ele acorda assustado.

-Chazz?

-O… O que…? – ele me encara desorientado –Ah… Jaden – ele me fita sem jeito.

-Tudo bem? – ele apenas assente em respeito –Chegamos

-Já?

-Já, vem, você pode dormir no meu quarto

Entramos em casa e percebi que meu Slifer preto olha nossas fotos; ele se aproxima da estante e pega uma das fotos. Neste dia fomos ao parque e passamos o dia todo lá. Foi muito bom esse dia.

-Chazz…? Tudo bem?

-Hã? Ah, sim…

Ele diz que está bem com um sorriso mas seus olhos me mostram o quão triste ele está. Deve ser realmente triste querer algo que parece ser tão simples e que é algo que ele jamais terá.

Embora eu quero ser a família dele.

Minha família quer ser família dele.

Mas no fundo sei que não é a mesma coisa.

-Eu fui nesse parque quando era mais novo – diz num sussurro olhando para foto –Fui com meu pai, minha madrasta e meus irmãos… Foi tão bom…

Eu não sei o que dizer, digo, o que eu diria? Eu não sei nada sobre sua família tirando o fato de que seus irmãos sempre foram maus e Jagger abusou dele.

-Meninos; estávamos pensando em… Vocês estão bem? – minha mãe nos encara preocupada.

-Sim, estamos bem, mãe. Tava pensando no quê?

-Em pedirmos algo pro jantar. O que acham?

-Tudo bem pra você, amor? – ele apenas assente com a cabeça.

-Ok então, seja bem vindo Chazz e sinta-se em casa querido – ela diz com um sorriso antes de ir para cima.

-Desculpa

-Pelo quê? – pergunto confuso.

-Falar da minha família, sei que não é interessante pra você

Eu pego em sua mão pálida e nossos olhares se cruzam. Eu decido levá-lo para o quarto e assim que chegamos, o deito de bruços na cama e passo a massagear seus ombros tensos.

-Chazz, estamos namorando mas também somos melhores amigos, você pode me contar tudo o que quiser porque vou estar aqui pra você. Sabe disso né?

-Uhum… - assente fracamente com a cabeça enquanto fecha os olhos.

-Quando quiser falar da sua família ou qualquer outra coisa, vou gostar de ouvir. Quero saber mais de você mas também não vou te pressionar pra falar

-Obrigado – sua voz sai baixa e sonolenta.

-Durma bem

Assim que ele dorme, tiro sua blusa e o cubro com uma manta leve, fecho as cortinas antes de sair do quarto fechando a porta atrás de mim.

-Filho

-Fala

-Seu pai e eu vamos ter que sair e não sabemos que horas vamos voltar. Sabe como é nosso trabalho né?

-Sei

-Bom, tem comida na geladeira e armário então faça algo pra vocês comerem. Temos que ir

Minha mãe beija minha testa e meu pai bagunça meu cabelo antes de irem trabalhar. O trabalho deles sempre ocupam o tempo deles mas mesmo assim eles dão um jeito de não me deixarem em casa sozinho por muito tempo, eles não gostam de se sentirem pais ausentes.

Ouço meu celular tocando e vejo um número desconhecido. Normalmente eu não atendo mas algo me diz para atender.

-Alô?

-Alô. Estou falando com Jaden? – como essa mulher tem o meu número e sabe meu nome?

-Quem é?

-Meu nome é Judith. Estou procurando por Chazz Princeton

Judith?!

Ela é a amiga que Chazz citou!

-Eu sou Jaden e Chazz tá na minha casa

-Que bom, estava preocupada com ele. Não pude ir no hospital esses dias e hoje que fui me disseram que ele já tinha ido embora

-Bom, se quiser pode vir aqui ver ele

-Onde você mora querido?

Eu passo o endereço daqui e Judith me disse que em duas horas estaria aqui. Assim que encerro a chamada, ligo para minha mãe e digo a ela que Judith virá em breve. Tudo o que ela disse é que fará de tudo para chegar mais cedo para conhecê-la afinal, se ela é amiga de Chazz, significa que ela pode nos ajudar a ajudar ele.

Chazz.

Ainda me lembro como nos conhecemos.

E lembro ainda mais nosso primeiro duelo.

Seu baralho era poderoso com monstros infernais e confesso que não gostei muito quando ele controlou meu “Homem-chama alado” usando “Polimero Chitoniano”. Ele era tão malvado antes, sempre fazendo comentários maldosos e me chamando de desleixado o tempo todo.

Senti tanta raiva por não terminar o duelo!

Eu tenho quase certeza de que ganharia o duelo com “O monstro que renasce” mas algo me diz que Chazz usaria algo para se livrar da situação afinal, quando o assunto é duelo, ele é muito bom e sempre parece saber o que fazer.

Chazz antes de perder para mim ao vivo na televisão…

Sempre sendo arrogante, xingando e tratando mal a todos. Quem diria que todos esses atos maldosos e insultos eram sua defesa? Que tudo era apenas seu jeito de não se sentir ainda pior e não ser humilhado por ninguém.

É tão estranho ninguém ter notado isso, quer dizer, Chazz é conhecido na academia inteira, não há ninguém que não conheça seu nome e suas habilidades de duelo então por que ninguém viu que ele estava mal? Por que eu – depois de Atticus – fui o único que viu a verdade por detrás dos olhos negros?

Vou até a cozinha e faço alguns sanduíches para comermos quando Judith chegar e faço chá de camomila.

Feito tudo, vou para o quarto e fito Chazz dormindo. Ele ainda está de bruços e agarrado ao meu travesseiro enquanto diz algumas coisas com a voz baixinha. Me aproximo em passos silenciosos e me ajoelho na frente da cama, nossos rostos estão próximos e minha mão vai até seus fios negros onde passo a fazer cafuné.

-Amor, acorda – ele me diz alguma coisa que não deu para entender –Amor, vamos, acorda

Seus olhos se abrem minimamente de forma sonolenta, seu olhar está desfocado e ele me fita como se a qualquer segundo fosse dormir de novo, o que não duvido que ele fará.

-Amor, Judith vai vir daqui a pouco

-Judith?

Chazz se vira e senta na cama ainda me olhando de forma sonolenta. Ele questionou se poderia tomar um banho então apenas indiquei o banheiro e dei suas roupas que estavam guardadas em sua mochila.

Enquanto meu Slifer preto toma banho, decido trocar de roupa, me vestir com algo mais apresentável afinal vou ver a pessoa mais importante da vida do meu namorado e não posso ficar mal vestido e parando para pensar, como terei que agir na frente dela? Vou ter que ser mais educado ou posso agir como sempre? E se eu fizer algo que ela não goste? E se eu disser algo que a irrite ou chateie?

Sinto um par de braços gelados rodeando meu corpo e algumas gotas pingando em meu ombro.

-Chazz?

-No que tá pensando?

-Nada demais, quer dizer… Como Judith é? Eu não sei o que fazer – digo sem graça.

-Você é um perdedor mesmo… - vejo um pequeno sorriso surgindo em seus lábios.

-Eu tô falando sério Chazz

-Nunca se preocupou com isso antes preguiçoso – me viro de frente para ele e automaticamente minhas mãos vão para sua cintura mas as tirei rapidamente quando o senti estremecer e se afastar minimamente.

-Desculpa – falamos juntos.

-Não, a culpa é minha – digo sem jeito e pego suas mãos.

-Não, eu não deveria… Sabe…

O momento está ficando cada vez mais tenso e eu preciso mudar isso rápido.

-Você tá bonito – suas bochechas coram um pouco.

-Tô normal – ele desvia o olhar e eu por alguma razão fito seu pescoço.

Essa pele branquinha…

Me aproximo e passo a dar beijinhos na pele pálida do pescoço, minha boca vai desde atrás da orelha até perto do ombro; o sinto estremecer novamente.

-J-Jaden…

O que eu estou fazendo?!

Eu deveria estar cuidando dele, Chazz foi abusado há alguns dias e eu estou aqui, agarrando e beijando ele com segundas intenções?! Ele deve estar pensando que eu vou fazer a mesma coisa que o nojento do irmão dele.

E se ele tiver nojo de mim?

E se ele ficar com medo de mim?

Me afasto rapidamente e o vejo me olhando assustado.

Droga!

Não era para isso acontecer, quer dizer, eu adoraria avançar um pouco no nosso namoro mas este não é o momento para isso e eu não posso simplesmente agarrá-lo quando eu quiser porque isso pode deixar as coisas ainda piores.

-Desculpa Chazz, eu sei que eu não deveria mas…

Sou calado com os lábios de Chazz nos meus. Uma parte de mim me diz que devo parar mas a outra me diz para aproveitar o momento.

Este momento…

Eu sou muito atrevido por invadir sua boca com minha língua? Espero que não porque foi o que eu fiz.

Este beijo…

Tento ir num ritmo mais lento mas meu desejo fala mais alto e isso faz o beijo ser cheio de luxúria.

Luxúria.

Luxúria.

Não sei como mas agora Chazz está deitado embaixo de mim enquanto eu tiro sua camiseta de forma desesperada.

Preciso ter ele!

Minhas mãos vão até o zíper da sua calça e eu teria aberto se não tivesse ouvido um soluço baixinho.

Ele está chorando?!

Paro tudo o que estava fazendo e encaro meu Slifer preto, me afasto um pouco dele e o vejo se encolhendo.

O que eu fiz?!

Eu sou muito burro, é óbvio que ele não está bem e mesmo assim eu ignorei tudo para tentar me satisfazer.

-Chazz…

-Por favor, Jagger… - sussurra.

-Amor, me desculpa – digo baixinho em seu ouvido enquanto o abraço –Por favor, me perdoa

Cubro seu corpo com a manta que ele estava usando enquanto dormia. O grudo em meu corpo deixando meus braços serpentearem a deixando ainda mais perto de mim.

Ficamos assim por alguns minutos até meu namorando se acalmar, uma das suas mãos sobe devagar até meu peito e apertar fracamente minha camiseta.

-Desculpa por isso, não deveria ter feito isso – diz baixinho enquanto seu rosto sobe em cima do meu ombro.

-A culpa foi minha, eu que não deveria ter feito isso. Sei que não tá bem

-É frescura minha, eu não deveria… - ele se levanta rapidamente e eu o sigo.

Chazz vai até o banheiro e teria se trancado se eu não tivesse invadido o cômodo. Sua respiração é ofegante e suas mãos estão tremulas.

-Chazz…

-Eu sei que é ridículo isso! Eu deveria… Deveria…

-Amor – eu seguro seu rosto com minhas mãos –A culpa é minha. Eu que não deveria ter feito nada disso

-Mas…

-Mas o quê? Que culpa você teve, amor? – seus olhos fitam o chão.

-Se eu tivesse sido um bom irmão, nada disso teria acontecido - sussurra.

-Amor… Você não é um irmão ruim. Eles são

-Não! Eles não são! Eles eram bons até eu matar eles… - suas lágrimas escorrem mesmo ele tentando esconder.

O abraço e o sinto agarrar minha camiseta.

-Você não é uma pessoa má, amor, você não é. Acredita em mim – digo baixinho em seu ouvido.

Eu não sei quanto tempo se passou mas sei que foi o suficiente para Chazz se acalmar, nossos olhares se encontram e me sinto melhor em ver que em suas orbes negras não tem mais a confusão e dor, quer dizer, ainda tem mas não tanto quanto há alguns minutos.

Gostaria de ver seus olhos sem isso.

-Como tá se sentindo?

-Melhor, eu acho – diz com um pequeno sorriso.

A campainha toca nos tirando do nosso transe. Nós dois abrimos um sorriso e pela primeira vez em algum tempo, o sorriso de Chazz não é triste ou falso.

-Acho melhor atender a porta, perdedor

-É… - coço minha nuca.

-Nervoso em conhecer a sogra? – indaga com um sorriso maldoso.

-Não tem graça, Chazz – digo emburrado.

-Claro que tem, vamos Slacker

Saímos do quarto e vamos até a porta da sala para atender a visita.

-Judith! – meu namorado diz animado e a abraça.

Ele parece uma criança assim.

Fomos até a sala e deixei os dois conversando enquanto fui buscar o lanche. Assim que voltei, deixei tudo na mesinha de centro e me sento ao lado do meu namorado.

-É muito bom conhecer o garotinho safado do meu menino

O que Chazz contou a ela?!

Sinto minhas bochechas esquentarem.

Que vergonha!

Escuto Chazz rindo baixinho.

-Não tem segredos entre nós e também fiquei curioso com aquilo que você fez – meu Slifer negro explica com uma expressão serena.

Tão raro isso.

-Bem… - esta é a segunda vez no dia que coço minha nuca –É um prazer conhecer a senhora também

-Não precisa ser tão formal comigo, Jaden. Posso ser como uma sogra, mas não serei chata como uma

Já gostei dela.

A porta é aberta e vejo meus pais que logo se apresentaram a Judith e começamos a conversar. Agora entendo porque Chazz gosta tanto dela ao ponto de deixá-la ser sua amiga e mãe de coração, ela é gentil e muito amorosa.

Por falar em Chazz, assim que ele terminou de beber seu chá, não demorou muito para se sentir sonolento e estar cochilando no meu ombro.

-Chá de camomila sempre o faz dormir – fito minha sogra.

-O quê?

-Chá de camomila. Desde pequeno o faz dormir rápido e sempre que toma, nunca tem pesadelos

Isso é bom saber.

-Bem Judith, gostaríamos de conversar com a senhora sobre Chazz. Estamos no processo de adoção dele e queremos conhecê-lo melhor pra melhor adaptação dele aqui

-O que querem saber?

-O que pode nos dizer dele? – Judith solta um suspiro.

-Chazz é um menino muito doce embora ele não deixe ninguém se aproximar mas acreditem, ele é muito amoroso e carinhoso

Isso é verdade.

-Como foi a infância dele? – meu pai pergunta.

-Foi difícil depois que seus pais morreram. Sua mãe morreu no parto e depois de alguns anos seu pai se casou novamente mas faleceram num acidente de carro. Chazz sobreviveu por milagre… Ele teve hipotermia e quase morreu afogado também

-E como os irmãos passaram a ser com ele?

-Depois que eles ficaram órfãos, eles passaram a maltratar Chazz. Batiam, xingavam e davam castigos absurdos a ele. Realmente foi horrível ver ele sofrendo por tanto tempo

Repentinamente minha camiseta é agarrada e Chazz esfrega seu rosto no meu ombro logo subindo no meu rosto enquanto murmura algumas coisas sem nexo.

-Por que ele tá sem camiseta?

-Porque… - como eu digo isso? –Ele tomou banho

-Vou pegar sua coberta antes que ele fique doente – minha mãe sobe as escadas e não demora em voltar e cobri-lo.

-Quero fazer um pedido a você, Jaden – fito minha sogra.

-Qualquer coisa

-Cuide bem dele, Chazz não sabe como é ter uma família, como é amar e ser amado então, por favor, tenha paciência com ele. Sei que terá dias difíceis mas lembre-se que ele não sabe como falar ou demonstrar as coisas. Pode cuidar dele pra mim?

-Posso e vou

Judith rapidamente pega um lenço de sua bolsa e tosse. Isso realmente não seria nada demais se não tivesse sangue no lenço branco.

-Judith…? – ela me encara com ternura.

-Meu tempo neste mundo tá acabando. Por isso te peço que cuide dele porque quando eu for desta para outra, ele não terá mais ninguém neste mundo

-… - meus olhos marejam e sinto meu peito doer, e olha que acabei de conhecê-la –Chazz… Ele não desconfia disso, né? – ela nega com a cabeça.

-Não quero que ele sofra ainda mais. Por favor, não conte a ele

Por que agora que as coisas estão melhorando, algo ruim aparece?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...