1. Spirit Fanfics >
  2. The Villain Of Love >
  3. Capítulo 36

História The Villain Of Love - Capítulo 37


Escrita por:


Notas do Autor


Oiê!

Eu buguei a mente de vocês no capítulo anterior né? Kskssks

Espero que gostem.
Até lá embaixo
Boa Leitura 🌼

Capítulo 37 - Capítulo 36


Pov's Violetta.

Uma semana se passou desde que eu pedi um tempo pro Leon e ele tem respeitado, o pessoal não entendeu muito bem porque estamos afastados, mas não comentam nada, apenas observam.

Entrei correndo na sala do Fede o assustando.

- Oi? Tudo bem? - Perguntou segurando uma xícara de café.

-  Fede, aconteceu uma coisa semana passada e eu preciso te fazer algumas perguntas - Digo inquieta.

- Okay, pode fazer as perguntas - Colocou a xícara na mesa e me olhou sorrindo.

- Seu tio, como ele se chamava?

- A gente nunca disse pra você?

- Só disseram o sobrenome, uma vez e eu não lembro mais - Ele arregalou os olhos.

- Desculpa, que erro meu - Sorriu - O Nome do meu tio era Ruggero, Ruggero Pasquarelli - Tremi da cabeça aos pés - Tudo bem?

- Sim, como seu tio era?

- Assim - Me mostrou umas fotos idênticas ao homem que me abordou e eu tive que me sentar ou eu cairia dura no chão - Vilu? O que foi?

- Qual era a frase que ele mais costumava falar?

- Ah, tinha duas - Disse rindo - Ele costumava dizer pro León "cada um tem seu tempo, entende? Umas pessoas são mais ágeis e outras são mais lentas pra aprender" porque o León se cobrava muito e ele não gostava disso - Assenti.

A mesma frase que ele me disse semana passada.

- E a outra?

- A outra era  "não se esqueça que o fim é apenas o começo e que sempre terá gente querendo estragar a sua felicidade, e você pode quebra-la na porrada ou ter uma conversa civilizada" e ele sempre escolhia.

- A primeira opção - O Interrompi e ele me olhou.

- É - Disse confuso.

- Ele gostava de ajudar garotas?

- Ah sim, quando ele via uma garota chorando ele ia falar com ela e tentava ajudar, acredita que tudo isso começou porque ele ajudou um casal de amigos a ficarem Juntos? O nome da companhia é uma homenagem a amiga que ele ajudou e bem, não vou explicar o porquê, isso é uma outra história - Assenti incrédula - Escuta, por que essas perguntas repentinas?

- Nada, eu só não achei legal estar trabalhando aqui e não saber nada sobre o fundador da companhia né? Obrigada Fede.

Sai da sua sala rapidamente.

- Eu tô delirando - Digo entrando no elevador.

A porta do elevador se abriu e eu dei de cara com o León.

- Violetta? Tudo bem? - León me encarava preocupado.

- Não - Ele colocou a mão na minha testa e no meu pescoço.

- Você não tá com febre.

- Eu preciso de água - Ele assentiu e me levou até sua sala.

Ele me colocou no sofá e foi até o filtro.

- Você tá branca que nem um papel - León Comentou trazendo um copo de água - O que foi? Parece que viu um fantasma.

- Quase isso - Bebi a água em um gole só.

León se sentou ao meu lado e me olhou.

- Posso? - Assenti e ele me abraçou, encostei minha cabeça em seu peito e respirei fundo.

Ficamos em silêncio, agora isso era constrangedor e eu queria sair correndo dali por isso.

- O que aconteceu? - Ele perguntou quebrando o silêncio.

- Nada, eu só preciso - Ele me Interrompeu.

- De um tempo - Suspirou.

- É, é isso.

- Quer que eu te dê férias? Desde que chegou você não tirou férias e precisa descansar - O encarei - Você passou por muitas coisas, eu te entendo, sei que sua cabeça tá a mil, e não vai ajudar nada você ficar aqui, por isso vou te dar férias - Se levantou indo até sua mesa.

- Não, eu não quero férias.

- Para de ser teimosa! - Bufou enquanto mandava mensagem pra alguém.

- Eu disse que eu não quero férias!

- Eu sou o chefe aqui! Então eu vou sim te dar férias e não é você que vai me fazer mudar de ideia - Se alterou me assustando - Passa na sala do Federico, ele já tá sabendo.

Fiquei parada incrédula com o que acabou de acontecer e ele me olhou.

- Vai logo, Garota! - Gritou e eu saí correndo da sua sala.

Trombei com Carter no corredor que me olhou sorrindo.

- Tudo bem senhorita Castillo? - Ele perguntou.

- Tá, eu tenho que fazer uma coisa.

Entrei na minha sala e a tranquei, fiquei andando de um lado para o outro sem saber o que fazer.

- Aceita as férias, é melhor.

Dei um grito de susto e ele riu.

- Calma.

- Como entrou? Eu tranquei a sala.

- Você não trancou, pensou que tinha trancado, mas não trancou - Respirei fundo - Vai, vamos lá, quando você voltar, vai estar tudo melhor - Pegou minha mão e me puxou até o elevador.

León saiu de sua sala e nos encarou, virei meu rosto e Fede sussurrou alguma coisa pra ele.

Entramos no elevador e ele veio junto, fiquei no meio em silêncio.

- León, preciso que assine alguns papéis - Fede puxou assunto.

- Deixa na minha sala, quando eu chegar assino - Ele assentiu.

A porta se abriu e nós saímos calados, León Foi até a saída e antes de sair me olhou.

Abaixei a cabeça e fui com Fede até sua sala.

- Você tem direito que escolher quantos dias quer ficar em casa, 30? 15? - Ele disse se sentando e eu fiquei encarando a foto do senhor Pasquarelli.

- Seu tio escolheria quantos dias? - Ele me encarou.

- Acho que ele não aceitaria as férias, isso aqui era a vida dele.

- Eu não quero as férias, ele tá me tratando como se eu fosse incapaz de resolver meus problemas e preciso de um empurrão pra isso - Me sentei - Eu tenho 22 anos, não 2.

- León só está preocupado com você, e eu também, o que aconteceu? Não entendi nada.

- Eu pedi um tempo semana passada.

- Por que? - Perguntou surpreso.

- Fede, muita coisa aconteceu em 4 meses e eu tô sentindo o peso disso agora e meio que ele quer que eu seja a Antonella, mas eu não sou ela, entende? Quando não é isso, ele me trata como um bebê.

- Isso é culpa minha, todos vivemos te falando da Antonella quando você faz algo, deve ser frustrante, me desculpa - Pegou minha mão.

- Quando eu pedi um tempo, eu não estava querendo férias.

- Eu entendi o raciocínio dele, você precisa de um tempo pra pensar e aqui você não vai conseguir isso, por isso ele te deu as férias.

- Tá, mas precisava ter sido grosso? - Ele riu.

- Essa é a maneira que ele tem de fugir dos problemas, quando algo não sai como planejado.

- Ele corta o seu pescoço - Rimos e eu suspirei - Tudo bem, eu aceito as férias.

- Sabia escolha, quantos dias Vilu? - Perguntou preenchendo o papel.

- Sete dias - Ele me encarou - O que?

- Sério? - Assenti - Vou te dar quinze dias - Bufei - Uma semana não da.

- Tá - Ele sorriu.

- Vou deixar esses papéis lá na sala dele e assim que ele assinar você pode tirar suas férias - Assenti - Se cuida, tá? - Beijou minha testa.

Ele saiu e eu fiquei na sua sala olhando a foto do senhor Pasquarelli.

- Eu tenho que descansar, tô vendo até gente morta - Suspirei.

Me levantei e fui até minha sala, me sentei na cadeira e deitei minha cabeça na mesa.

Respirei fundo e fechei meus olhos.

A porta estava aberta, então Qualquer um poderia me ver naquela situação e quer saber? Eu não estava nem aí.

Escutei batidas e olhei pra ela vendo León parado com os braços cruzados.

Voltei a deitar minha cabeça e escutei ele suspirar.

- Me desculpa, eu não deveria ter gritado - Escutei ele se aproximando.

- Não se preocupa, eu já me acostumei - Digo sem demonstrar a minha tristeza.

- Violetta, não precisa esconder que ficou chateada, eu sei que ficou - O encarei.

- Eu já disse que me acostumei, você é assim - Ele bufou - Quando algo sai do controle.

- Eu corto o pescoço das pessoas, tá eu sei - Disse sem paciência - Eu já assinei suas férias, pode ir embora se quiser.

- Agora você me dá a opção de querer?

- Violetta, por favor, eu não quero brigar.

- Eu também não quero, mas você me dá motivo - Me levantei - Obrigada pelas férias, senhor Vargas - Digo Ironicamente e saio pela porta.

- Violetta! - Ele me chamou

Ignorei e entrei no elevador apertando o botão, as portas se fecharam antes dele conseguir entrar e eu pude respirar novamente.

Eu tô brincando com fogo!

Sai e me despedi do pessoal que disseram que tudo ia se resolver.

Andei pelo parque e comprei uma casquinha de chocolate, tinha tempo que eu não fazia isso e já estava sentindo falta.

Me sentei em um dos bancos e respirei fundo  relaxando completamente.

Pov's León.

- Aquela garota vai me deixar louco! - Digo andando de um lado para o outro e eles riram.

- Relaxa León, Ela só precisa de um tempo - Ludmi comentou.

- Eu no lugar dela estaria assim também, não deve ser fácil, a vida dela virou de cabeça pra baixo em 4 meses.

- É, quando ela voltar vocês conversam - Maxi completou.

- É, nem pense em ir atrás dela nesses quinze dias, ou a gente te mata.

- Quinze dias? Porque não deu um mês?

- Ela queria apenas 7 dias, então quinze tá ótimo - Rimos - Agora é o seguinte, houve um vacilo da nossa parte em comparar tudo o que ela faz com a Antonella, não percebemos isso.

- É, eu sou burro pra caralho não notei que queria que ela fizesse tudo o que a Antonella fazia - Olhei pro porta retrato da Antonella.

- Calma, não se estressa.

- Pediu tarde demais - Digo bufando.

- Quer saber? Todos na minha depois do trabalho, vamos pedir pizza e relaxar um pouco - O Encarei.

- A casa é minha também - Eles riram.


Notas Finais


Espero que tenham gostado
Não deixem de comentar ou eu chamo o Rugge pra falar com vocês.

Um beijo
Adíoss ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...