História The Weird - Capítulo 33


Escrita por: ~ e ~A-L23

Postado
Categorias American Horror Story, Carrie, A Estranha, Pretty Little Liars, South Park
Personagens Bebe Stevens, Butters Stotch, Clyde Donovan, Craig Tucker, Diretora Victoria, Eric Cartman, Gerald Broflovski, Henrietta Biggle, Ike Broflovski, Jack Tenorman, Jimmy Valmer, Karen McCormick, Kenny McCormick, Kevin McCormick, Kyle Broflovski, Liane Cartman, Linda Stotch, Michael (Gótico), Mike Makowski, Personagens Originais, Pete (Gótico), Phillip "Pip" Pirrup, Randy Marsh, Scott Tenorman, Sharon Marsh, Sheila Broflovski, Shelly Marsh, Sr. Garrison, Sr. Mackey, Sra. McCormick, Stan Marsh, Stephen Willis Stotch, Stuart McCormick, Timmy Burch, Token Black, Trent Boyett, Tweek Tweak, Wendy Testaburger
Tags Alquimia, Anticristo, Bullying, Bunny, Creek, Dip, Fantasia, Frike, Gravidez Masculina, Gregstophe, Homofobia, Horror, Lobisomens, Magia Negra, Mpreg, Originais, Paranormal, Romance, Satam, Sexo Demoníaco, Style, Suícidio, Terror, Vampiros, Violencia, Yaoi
Visualizações 129
Palavras 1.852
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, Lírica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Orange, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


SURPRISE BITCH!

Capítulo 33 - O último suspiro


       1

 

Noah se sentia como uma estrela de Hollywood, ele era o principal assunto de South Park, para onde ele ia, os olhares eram direcionados diretamente para ele, algumas crianças se aproximavam e o abraçavam dizendo que ele era sortudo e corajoso. Pobres pessoas inocentes.

E é claro que ele não podia deixar os "melhores amigos" para trás, lá estavam os três na entrada do colégio se preparando para um novo dia, Butters estava mancando e parecia estar todo roxo, Tweek sentia que ia começar a chorar de alegria a qualquer momento, e Noah lembrou dos ensaios que teve para fingir ser o verdadeiro Pip, e se tudo desse certo, ele poderia ganhar um lugar especial na seita ao lado de Maggie.

Ah, a seita, "a seita dos porcos" vão "limpar" South Park dos humanos e de outras criaturas inimigas dos bruxos, a nova era de trevas estava por vir.

 

                                                                      2

 

Os três entraram juntos, ignorando os olhares lançados para Noah, alguns sussurravam que ele nem deveria voltar, outros se perguntavam quem diabos era ele, que em uma noite desaparece e na outra aparece de novo causando o maior tumulto e chamando a atenção da mídia.

Tweek percebeu que as líderes de torcida estavam arrumando os cartazes para o baile, Wendy notou a presença de Tweek e sorriu para ele, era um sorriso meio amigável e meio malicioso, que causou arrepios nele. Tweek não esperava nada de bom vindo de alguém como Wendy e já começou a ficar atento depois daquele sorriso.

- Sorriam, não fiquem com essas caras, parece que eu morri! - Reclamou Noah, colocando um sorriso caloroso no rosto.

- Desculpa, mas eu não dormi a noite... - Disse Butters com a voz rouca.

- Transando a noite toda? Parece que não somos o mesmo trio de virgens de antes. - Disse Noah encarando Wendy, a mesma deu aquele mesmo sorriso para ele, mas Noah devolveu com um sorriso sacana e uma piscadela. - Essas vadias de hoje... - Comentou revirando os olhos.

Wendy se sentiu ameaçada, mas escondeu a preocupação e continuou arrumando os cartazes com as amigas.

- Ei! Eu não tava transando a noite toda! - Disse Butters.

- Não é o que esses chupões dizem! - Disse Noah, de modo acusatório.

- Merda! - Resmungou Butters escondendo os chupões mais ainda com o casaco azul claro. - Eu os escondi tão bem quando saí de casa!

- Butters! Eu não acredito! - Tweek começou a rir descontroladamente. - Eu realmente não acredito!

- Deixa o garoto transar Tweek! Não seja chato! - Disse Noah revirando os olhos. - Qual vai ser o primeiro tempo mesmo?

- Química Pip, é a sua matéria favorita. - Butters disse confuso.

- Ah, sim, eu lembro! - Noah deu uma risada para disfarçar. - Vamos, estamos esperando o quê?

Os corredores da escola estavam lotados e Noah andava como se fosse a rainha da Inglaterra, alguns góticos só olhavam e depois reviravam os olhos e murmuravam alguma coisa, algumas meninas suspiravam percebendo a mudança física de "Pip".

- Eu não tô pronto para mais um dia irritante! - Reclamou Butters. - E eu tô com dor de cabeça!

- Butters, o dia logo vai acabar sem você perceber! - Disse Tweek. - Conte até 100 por 100 vezes seguidas!

- Já comecei! - Quando eles entraram na sala, Noah olhou confuso para as bancadas, se perguntando qual era a certa.

- Ah, a professora mudou todo mundo na última aula de dupla, você vai sentar com a Wendy ali. - Disse Tweek apontando para uma das bancadas da fileira da frente.

Noah alisou os cabelos loiros com a mão com preocupação e foi se sentar ali, pegando o livro de química e esperando a colega, quando o sino bateu, os alunos entraram correndo e se sentaram em suas bancadas, Tweek acabou sentado com Kenny e Butters com Craig.

Uma vez Butters comentou com Tweek que a frieza de Craig o assustava, Tweek disse que a frieza de Craig assusta todo mundo, mas pena que não espanta as "vacas" da escola.

- Bem vindo de volta ao inferno. - Disse Wendy, se sentando ao seu lado.

- E quem seria você? Uma prostituta da babilônia? - Respondeu Noah, sarcástico.

Antes de Wendy responder, a professora já tinha entrado na sala revirando alguns papéis na mão e os jogando na mesa, tirou os seus óculos escuros e começou a encarar todo mundo.

- Eu realmente espero que todos tenham feito as tarefas de casa! Vou me sentar aqui e quero que façam as tarefas da página 104!

E ela se sentou em sua cadeira, colocando os óculos escuros e caindo no sono logo depois.

- Vai ter volta, Pip! - Sussurrou Wendy, com ódio na voz.

- O que vai fazer? Vai me bater Wendy? - Provocou Noah. - Vai me bater como o seu pai faz com a sua mãe todo dia?

Nesse momento, Noah sabia que tinha pegado pesado, usar os poderes para revirar as memórias de Wendy era algo baixo para um anjo caído. Wendy ficou de boca aberta, mas logo a sua face foi tomada por ódio.

- Como... você sabe?

- Como eu sei? Não seja tola, sei tudo sobre você, sei sobre o seu segredinho sujo. - Disse apontando para Stan e Kyle com o queixo. - Tadinho de Stan, ele deveria saber a verdade, não é mesmo?

Wendy não aguentou e quando menos se deu conta, já tinha dado um soco em Noah.

 

                                                                                  3

 

Wendy e Noah foram mandados para a diretória, a diretora Victória havia dado exatamente 2 horas de sermão sobre como brigar em um ambiente como a escola era algo horrível. Quando ela finalmente acabou, liberou apenas Wendy e ficou com Noah.

- Pip, eu entendo que você deve ter passado por coisas horríveis e traumatizantes, mas por favor, sem brigas! 

- Tudo bem diretora, sem brigas.

- Agora eu quero conversar com você...

- Posso beber água? - Pediu Noah, com segundas intenções.

- Eu vou trazer! - E quando a diretora saiu da sala, Noah se levantou e foi logo direto para a área dos históricos dos alunos, ficou revirando as pastas até chegar na letra P, pulou entre várias pastas amarelas até chegar ao nome Pip Pirrup, Noah ouviu o barulho do salto alto da diretora e se apressou colocar a pasta amarela velha em sua bolsa.

Quando a diretora chegou, tudo parecia estar do jeito que ela deixou, Noah estava sentado esperando a diretora voltar com a água.

- Aqui está querido. - Disse entregando o copo frio para ele.

- Obrigado diretora Victória!

- Agora vamos conversar...

 

                                                                           4

 

Kyle não se sentia bem ultimamente, especialmente naquele dia, ele parecia estar muito sensível a pouca e fraca luz do sol de South Park, era como se a sua pele queimasse se entrasse em contato com o sol, ultimamente a sua sede parecia insaciável e sua pele estava fria como mármore.

Na hora do almoço, ele comeu um sanduíche de tofu no banheiro, só de sentir o cheiro já dava uma vontade imensa de vomitar, para engolir foi o maior trabalho, mas parece que o seu estômago não aceitou, logo vomitou aquele pedaço de sanduíche.

Kyle decidiu desistir daquilo e jogar o sanduíche fora, sabe que seria falta de consideração com a mãe, mas o garoto realmente não estava se sentindo bem.

Quando o sino bateu avisando que era o começo da aula de matemática, Kyle parecia estar sendo arrastado para a sala, parecia um zumbi indo para o próprio extermínio.

A aula parecia se arrastar, e só tinham se passado 20 minutos, Kyle percebeu que Stan não parava de farejar o ar e fazer uma careta de nojo, Kyle estava para se levantar e usar Stan como desculpa para o levar até a enfermaria e matar aula lá.

No momento, Bebe estava resolvendo uma equação no quadro, Kyle percebeu que a maioria dos meninos olhavam fixamente para a bunda dela, enquanto ela errava de propósito a conta, e Kyle sabia que era de propósito, nas provas ela era a única que arrasava.

Outro que estava agindo de um jeito estranho, era Dougie. O garoto não parava de suar frio, ele estava corado e parecia se controlar para não gritar, deve estar sentindo falta de Trent, já que ele faltou hoje, por receber outra suspensão.

E sem falar de Pip! Que estava praticamente demonstrando todo o seu desprezo por Wendy naquele dia. Kyle achava que era falta de sexo da parte dos dois. Kyle massageou a cabeça, rezando para a dor de cabeça passar longo, o dia estava ficando estressante demais.

Kyle queria ter ficado na sua cama quentinha ao invés de ficar ouvindo um bla bla bla irritante, então ele teve uma ideia, pegou o seu lápis e começou a desenhar uma lápide solitária, depois uma árvore seca, e depois mais lápides, e depois passou a desenhar uma bola perfeita no centro, e depois deu forma a ela, era a lua, e ele tinha desenhado um cemitério.

Era estranho, mas viu que se passaram 40 minutos e já era a hora da próxima aula, a aula de literatura, bom, quando eles foram para a sala de literatura, Kyle desviou o caminho e foi para atrás da escola.

- Ei! O que você pensa que está fazendo aqui?! - Perguntou Henrietta Biggle acompanhada dos amigos góticos.

Kyle não aguentava aquele cheiro de cigarro e maconha.

- Eu vou pular o muro e ir para a minha casa, com licença. - Realmente, Kyle estava sem paciência naquela manhã, se pudesse enfiar um galho de árvore na cabeça de Henrietta, ele o faria sem mais e nem menos.

Kyle jogou a bolsa para o outro lado do muro, e quando ele atingiu o chão, ele se preparou para escalar o muro de arame.

 

                                                                                  5 

 

Kyle decidiu pegar um atalho, pela floresta, chegar no caminho normal ia demorar muito e Kyle sentia que ia vomitar de novo. Kyle se sentia confuso, havia vomitado 3 vezes só hoje, do jeito que a coisa andava, ele ia ficar parecido com um palito em menos de dois dias.

O sono também era forte, a sede, a vontade de vomitar...

As árvores grossas impediam a entrada da luz do sol na floresta, coisa que o favorecia muito naquele momento bastante delicado. No meio do caminho ele havia começado a tossir violentamente.

Tanto que passou a tossir sangue, quando Kyle viu as suas mãos, sujas de sangue, ele começou a se apressar e ficar em pânico, ele precisava de um médico, agora! A sua visão estava ficando turva e ele perdeu a força nas pernas.

Kyle começou a vomitar sangue, e começou a tossir junto, ele não conseguia aguentar e começou a se afogar no próprio sangue, a poça de sangue era como uma pequena piscina na terra.

Ele começou a olhar fixamente para o seu enquanto se afogava no próprio sangue, sentia os antigos cortes no pulso arderem, e então veio o sopro frio e solitário da morte.

E com ela, o seu último suspiro.


Notas Finais


MORTE MUITO SEM NOÇÃO, EU SEI, MAS EU JURO QUE ELA VAI SER EXPLICADA!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...