História The White Prince - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, V
Tags Bts, Exo, Hoseok, Jhope, Jimin, Jin, Jinkook, Jungkook, Mpreg, Namjoon, Rap Monster, Suga, Sugamon, Taehyung, Taemin, Vmin, Yoongi
Visualizações 91
Palavras 1.959
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Canibalismo, Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal, não vou atrasar vocês aqui, espero que aproveitem o capítulo

boa leitura ^^

Capítulo 1 - "Happiness is something lasting,


Em 1482...

...No grande, porém humilde, reino de Nelumb, havia um príncipe. Um belo príncipe. Que nascera em um dia de luar amaldiçoado, um belo e terrível dia.

As consequências de ter nascido naquela noite não vieram inteiramente na mesma, e muito menos vieram de imediato.

Uma das consequências de seu nascimento foram as cores e a aparência que habitavam seu corpo. Seus cabelos eram brancos e lisos, e sua pele branca como a lua. Seus lábios rubros como uma rosa. Seus olhos eram vermelhos assim como sangue, eram escuros e penetrantes, seriam assustadores, se não fossem tão lindos...

Qualquer pai, qualquer mãe, qualquer pessoa que tivesse acesso àquele bebê certamente diria que era filho de um demônio, não de um rei.

Um demônio, hum?

Talvez.

Os pais da criança não se importavam que ela não apresentasse uma aparência muito similar à sua, para eles era perfeito a sua própria maneira, para eles o príncipe era dono de uma beleza inigualável.


{◆}


O rei estava decidido a criar seu filho da maneira certa, não o esconderia apenas por conta de sua aparência.

Em uma noite, enquanto dormia, o rei teve uma visão, e não era das mais agradáveis.

Acordou suado e ofegante, abraçado a seus joelhos balançando de trás para frente, repetindo diversas vezes a mesma frase:

"— Ele deve ser mantido longe de todos!"

Esta foi a ordem, que durante bastante tempo, seria seguida.


{◆}


Com o passar do tempo, quando o príncipe já havia crescido um pouco, mas precisamente quando fez quatro anos de idade, ele foi apresentado a seus irmãos, que até então ele não conhecia.

— Filho, estes são seus irmãos. Agora pode conhece-los... — o rei, com um sorriso encantador em seus lábios, indicou que o príncipe fosse para perto de seus irmãos, ele se encolheu cada vez mais atrás do pai, com medo e até um pouco de vergonha — Não tenha medo filho, são sua família.

— Fa-mília...?

— Isso querido, família. — disse a omma do garoto, sorrindo carinhosamente para ele.

Aos poucos, o príncipe saiu detrás de seu pai e aproximou-se de seus irmãos timidamente.

— O-olá — disse o príncipe, olhando para baixo, com vergonha. — E-eu sou T-taehyung.

— Irmão? — disse um dos príncipes, apontando para Taehyung. Os reis assentiram. Ambos os príncipes correram em direção ao irmão e o abraçaram firmemente

— Seja bem vindo irmão! — disseram em sincronia. Taehyung finalmente retribuiu seu abraço e logo disse:

— É bom estar aqui...


{◆}


O rei amava seu filho, e era com pesar que lhe negava o direito de mostrar seu rosto ao mundo, o príncipe não entendia o porquê daquilo. Mas na hora certa, ele entenderia.


{◆}


Seu appa, o rei Kim Jongin, achava o príncipe lindo como o nascer da lua após o pôr do sol. Uma beleza que valeria a pena guardar na memória. Um rosto tão delicado e ao mesmo tempo tão forte. 

Para combinar com sua delicadeza, o príncipe usava normalmente kimonos brancos e longos, que arrastavam no chão junto a seus lindos e longos cabelos. E luvas, que normalmente eram negras, negras como o carvão.

O príncipe não se achava belo. Não tinha opinião sobre esse seu aspecto, se achava solitário, era isso que pensava. Do que valeria sua beleza diante deste fato?

De nada lhe valeria...


{◆}


O príncipe não podia mostrar seu rosto a ninguém. Desde a visão do rei, pouco depois de seu nascimento, foi declarado que sempre que quisesse andar pelo reino o príncipe deveria usar um véu grosso com um tecido especial, que permitia com que ele visse os outros, mas não fosse visto. O máximo que os guardas viam de si eram os lindos e longos cabelos brancos do príncipe.

Quanto à família, de certa forma o príncipe não podia se queixar.

Tinha dois irmãos. O mais velho deles, e herdeiro do trono, era Jung Hoseok. O irmão do meio era Min Yoongi, que ajudava seu pai e irmão com os afazeres reais no tempo livre. E o mais novo deles, Kim Howaito Taehyung, que só tinha a permissão dos pais para algumas coisas. Os sobrenomes eram diferentes devido a escolha do pai, uma forma de querer honrar pessoas do passado...

Tinha uma pessoa a quem poderia chamar de omma, mas não era uma mulher... não. Era um homem, Byun Baekhyun, o homem que naquela noite de luar deu a luz a um belíssimo príncipe, um amável príncipe. De certa forma um príncipe diferente, se assim pode ser dito.

Como a maioria das pessoas, o jovem príncipe gostava de flores. Mas não qualquer tipo de flor. Rosas negras. Escuras como o vácuo que há no espaço.

Rosas que eram o oposto de si. Ele era claro, elas escuras.

Ele gostava delas, amava suas belas rosas negras. Adorava passar seu tempo no jardim do castelo. Um jardim isolado do exterior, assim como o príncipe... Em todos os seus anos de vida, o jovem nunca havia ultrapassado as paredes do castelo. Nunca vira ninguém além dos presentes naquele lugar. Bom, era o que pensavam.


{◆}


As rosas negras, assim como todas as flores, tem um significado. Elas significam a representação da separação e tristeza, morte e noturnidade; pelo lado positivo também podem significar seriedade, nobreza e... amor.

As rosas negras são oferecidas somente as pessoas que as conhecem e que conhecem seu significado. Uma vez que tenha dado ou recebido alguma, te estará dizendo que estarão juntos até o final, ou, até a morte.

Dizem que são místicas, embruxadas e belas. O príncipe sabia, sabia que suas rosas eram algumas das mais belas flores. Se não as mais belas. Mas de uma coisa todos os que sabiam sobre o amor do príncipe por essas rosas, tinham certeza. Eram raras, muito raras e...

...Eram amadas por ele


{◆}


E ali estava ele, o mais jovem príncipe de Nelumb. Que logo completaria dezoito anos. 

— O povo quis lhe fazer uma cerimônia em comemoração ao seu aniversário. Todos do reino irão participar. E além deste outros reinos participarão. — disse o rei

— Como será? — perguntou o príncipe

— Você estará de frente para as portas do palácio, naquela parede que é decorada com uma tapeçaria. Você estará por trás de três cortinas, cada uma impedindo a visão dos outros sobre você. A cortina que estará a sua frente pode ser aberta facilmente. Não a abra! Você só-

— Agradecerá pelos presentes, e depois os olhará  em particular e devidamente. Entendi. — o rei sorriu para o jovem príncipe.

— Hoseok ajudará na comemoração, ele cuidará de sua proteção e guardará os presentes para você.

— Porque meu irmão tem de fazer isso, não seria melhor apenas um guarda?

— Ele insiste em fazer isso, ele quer proteger você filho.

— Entendi... — disse o príncipe, sorrindo


{◆}


O dia da comemoração chegou, o povo estava animado. Não sabiam se o príncipe gostaria de seus presentes pois certamente estaria acostumado ao luxo. Não ao que eles lhe podiam oferecer.

Não o conheciam.

O príncipe ganhou os mais luxuosos presentes dos reis de países vizinhos. Desde belíssimos kimonos, a grandes quantidades de terra, animais raros, joias e etc. A todos eles o príncipe agradeceu e sorriu minimamente, mesmo que seu rosto não fosse visto.

Os presentes do povo eram flores, comidas feitas por eles próprios, livros, entre uma grande diversidade de coisas. Todos eles o príncipe recebia e agradecia.

Um presente em especial, o chamou atenção. Uma cesta. Uma cesta de rosas brancas.

Embora tivesse um jardim repleto de rosas negras, o príncipe nunca havia visto rosas brancas. Sempre havia visto aquelas rosas tão raras, e nunca havia visto uma rosa comum como a branca.

A cesta repleta de rosas brancas estava bem a frente do príncipe. No momento em que seu irmão aparecera para pegar a cesta de rosas, o príncipe estendeu os braços e a pegou. O príncipe não deu atenção à seu irmão ou ao jovem plebeu a sua frente, que o olhavam estáticos por motivos diferentes. O príncipe não ligava para eles, ele encarava as rosas. Ele as tirou das mãos do jovem a sua frente, e as trouxe para perto de si, como se as fosse abraçar

— Obrigado pelo lindo presente — o príncipe disse, dirigindo um lindo sorriso ao homem que lhe havia dado a cesta de rosas. Estava estático, o homem estava estático com o quão belo era seu príncipe. A cortina fechou-se novamente.

O homem ainda mantinha um olhar de choque diante dos recentes acontecimentos. Nenhum plebeu além dele havia visto aquilo.

— Levem esse homem para o calabouço — disse Hoseok — Agora!

...

— O príncipe não verá mais ninguém agora. Por favor vão embora, obrigado por terem vindo. — disse o rei, que já havia sido informado do ocorrido.

O príncipe só poderia sair de onde estava quando todos já houvessem ido embora. 

— Guardas, saiam.— O rei ordenou e assim foi feito. Quando todos os guardas já haviam saído o rei dirigiu-se a Taehyung — Vá para o quarto junto de seu omma, agora!

O príncipe obedeceu, sem nem lugar para o fato de seu pai estar gritando. Depois conversariam.

...

Ao adentrar o quarto, Jongin notou que todos encontravam-se ali. Taehyung e Baekhyun estavam sentados na cama e Hoseok estava em pé ao lado de Yoongi.

— No que estava pensando? — disse o rei. O príncipe mal havia escutado o que seu pai disse, estava muito concentrado admirando suas rosas.

— Então é verdade? — disse Yoongi, que havia acabado de ser informado sobre a situação — Alguém viu o rosto de Taehyung?

— Sim, o homem que lhe deu essa cesta. — disse Hoseok, apontando para a mesma

— São rosas. — disse Yoongi, sorrindo para Taehyung, que desviou a atenção da cesta para o irmão. Yoongi se ajoelhou a frente de Taehyung e disse — Gostou do presente, minha flor? — Era assim que Yoongi chamava seu irmão, um apelido de muito tempo...

— Gostei... — respondeu, afundando o nariz entre as rosas para sentir o delicioso aroma.

— O que faremos com este homem? — perguntou Hoseok.

— Não farão nada. — respondeu o príncipe — Não farão nada a ele. Ele não fez nada para que vocês o punam. Eu fiz algo que sabia que não deviam ter feito. Punam a mim então. — disse o príncipe, arrumando as rosas dentro da cesta 

— Está louco? Não podemos deixa-lo livre para espalhar boatos sobre você! — disse o rei

— Que espalhe. O reino já sabe de minha existência, só nunca viram a mim. No fim, não importa que saibam que alguém viu a mim, vocês não deixarão que o povo tenha a mesma oportunidade.

— Taehyung- 

— Com sua licença, Majestade. — disse, curvando-se para os três e saindo apressadamente daquele cômodo.

...

Ao chegar em seu quarto, pôs as rosas sobre a cama e sentou-se a beira da janela, que estava fechada, com gotas de chuva escorrendo incessantemente pela mesma

— Aqui sempre teve facilidade para chover.... — suspirou, olhando as gotas de água escorrendo pela janela — Isso é exaustivo, é irritante. Porque eu não posso sair? 


{◆}


— Vossa majestade, descobriram a identidade do homem que viu o príncipe — disse Hoseok, ao entrar no quarto, estava ofegante por conta de ter corrido até lá

— Quem ele é? — perguntou o rei, inquieto

— O nome dele é Park Jimin, ele é um guarda. Seus pais não puderam vir então ele pediu o dia livre para que viesse em seu lugar. Ele tem uma família humilde, dona de uma floricultura e- — Hoseok arregalou os olhos ao ler tal fato escrito no papel amarelado em suas mão 

— O que foi? Diga!

— A-aqui diz que ele estava presente no dia do massacre de kill's — respondeu, com um olhar assustado.

— Impossível. Todos os guardas de Nelumb morreram naquele dia... Ou ao menos foi o que informaram a mim... Hoseok, chame o chefe da guarda. — Hoseok estava tão estático que mal ouvira a fala do pai — Agora!

— S-sim senhor — disse, curvando-se e saindo do cômodo logo em seguida.

...


Notas Finais


gente desculpa os erros >-<

espero que gostem. comentem o que quiserem, vou adorar ler os comentários ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...