1. Spirit Fanfics >
  2. The Wolf Diaries >
  3. Ciúmes

História The Wolf Diaries - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - Ciúmes


Fanfic / Fanfiction The Wolf Diaries - Capítulo 10 - Ciúmes


Emmalie Hale Cullen 

Haviam se passado 2 semanas desde que Paul e eu trocávamos beijos por aí. As coisas estavam começando a se encaixar e isso me deixava extremamente saudável. Renesmee e eu começamos a fazer yoga juntas para tentar controlar algo que nós não sabíamos o que era que eu tinha. Era manhã de uma quarta feira e prometi a Paul passar na casa de Sam antes de ir para a escola. Renesmee me esperava dentro do carro enquanto eu me despedia dos meus pais. 

Eu me ja me sentia em casa quando estava na reserva a companhia dos meninos, os mimos de Emily me fez melhorar bastante quando estava doente. Paul estava mais alerto e um pouco paranoico com minha saúde. Estaciono o carro um pouco afastada da casa, Quill e Embry estão sentados na varanda da casa, Seth sai com um copo de suco nas mãos, meus olhos focam em uma figura loira alta ao lado do meu...

Ao lado de Paul. 

— Quem é aquela ? 

— Érica Reyes. - Renesmee responde ríspida. — O que esse projeto de americana está fazendo aqui ? 

E eu me perguntava a mesma coisa. 

O que ela fazia ao lado dele ? Por que ele sorria para ela ? 

— Qual é a dela ? - Pergunto.  Saímos do carro e começamos a caminhar. 

— O fato dela achar que todos da matilha tem que idolatrar ela ? Essa garota não se enxerga, Emms. Fora que os meninos já pegaram ela. 

Algo me faz para. Um sentimento ruim me invade, meu coração acelera e meu corpo treme de raiva. Paul me olha da sacada sem entender o movido de ter me afastado. Ele não correu até mim como de costume, parecia está gostando da situação em que estava ali. Dou as costas e volto para o carro, ele se levanta e posso ver a garota chama-lo. Vejo as arvores balançarem com muita força quase a se formar um redemoinho. 

Dou partida no carro antes de Paul me alcançar, minhas mãos estão brancas de tanto apertar o volante e tento me distrair com músicas.  Ryan me espera no estacionamento, bato a porta do carro com tanta força que os vídeos balançam. 

— Chupou limão e não gostou ? - Ryan rir e eu quero soca-lo. 

— Você acredita que aquele cretino arrogante estava se engraçando para o lado daquela loira maldita? 

— Quem Emmalie ? - Pergunta. — Por Deus seu nariz está sangrando. 

— Paul David Lahote. - Digo caminhando para dentro da escola e limpando meu nar

— Que vocês estavam trocando beijos eu já sabia, mas que tinha algo sério... 

— E  não temos. - Digo tocando minha testa no armário.

— Então é só um lance amiga. - Mas não era. Ha magia do impriting que nos unia era maior que qualquer outra coisa existente no planeta. Algo que Ryan nunca poderia saber. 

— O que acha de um dia das garotas ? 

— Eu e você contra o mundo pequena Emmalie. - Ele diz me abraçando e caminhando para dentro da sala. 

Ryan me fez esquecer um pouco da cena na casa de Sam por um tempo, ele tentava me aconselhar e não se cansava de me dizer que poderia ser coisa da minha cabeça. Na hora da educação física sinto meu celular vibrar no bolso. 

" Está chateada comigo ? " 

" Precisamos conversar " 

Guardo o telefone no bolso e volto para o lado de Ryan que olha para os garotos da classe com malícia. 

— O que acha de fazer uma caminhada na floresta hoje de tarde ? -  ele pergunta. 

— Acho meio perigoso Ryan. 

— Para de ser medrosa Cullen, afinal isso é perto da sua casa. 

— Tudo bem mas não vamos muito longe. 

Ryan e eu saímos para almoçar, meu celular vibrar a cada 2 horas com alguma mensagem de Paul. Não é nada grave então trato de aproveitar meu dia com meu amigo. 

— Já que você está tão frustrada com seu gatão. Vou lhe contar algo mais triste ainda. 

— Eu estudava no Forks high school. Sair de lá depois de uma puta confusão aonde eu não deveria está. O nome do garoto é Lincoln. O desgraçado capitão do time de futebol  sempre deixou claro que me odiava e que abominava a minha escolha sexual, então eu tentava ao máximo ficar longe dele, até sermos da mesma igreja. 

" Essa merda de cidade é muito pequena então não tinha tantos lugares para me esconder. Lincoln não perdia a chance de fazer piadas nem de me machucar fisicamente, até eu ficar doente. Um dia você é saudável e no outro dia você aparece com câncer. 

— Ryan eu... ‐ Lágrimas rolam por meu rosto. Estou emocionalmente acabada com a revelação do meu amigo. 

— Eu parei de frequentar a igreja e depois a escola, eu estava pouco me fodendo se iria perder um ano letivo. Eu só queria ficar em casa e tentar curar essa doença. Lincoln apareceu em minha porta bêbado, você acredita ? ‐ Limpa as lágrimas e sorrir

" Disse que não existia um dia em que ele não se achava um lixo por te me machucado, pediu desculpas e disse que me amava como um homem pode amar outro. Eu agarrei aquela chance, quanto se estar morrendo você se agarra a qualquer coisa para ser feliz. Lincoln me presenteou com bastante amor, mas nem sempre isso foi o sufiente. " 

"Meu quadro havia apresentado uma melhora e eu quis fazer uma surpresa, apareci na escola para deixá-lo um pouco feliz mas eu percebi que o garoto que eu gostava ainda era um babaca. Ele me ignorou, fingiu que não éramos namorados e me destrarou. Eu me lembro como se fosse hoje quando colocaram o pé para mim cair no meio do refeitório e ele não fez absolutamente nada. Depois me mandou um sms perguntando se eu estava me sentindo bem. "

" Eu me vi em uma relação abusiva, aonde o cara que me maltratava dizia ser apaixonado por mim, dizia me amar e eu sei a pessoa incrível que eu sou e não é porquê estou morrendo que vou ficar com qualquer pessoa que me oferece migalhas. Na frente dos amigos dele eu o perguntei se ele não iria fazer nada, adivinha ? Ele não fez. " 

" Ele mandou eu sair da frente dele então eu disse. " 

— Você não me mandou sair quando pisei na sua cama ontem. 

" Ele me agarrou pelo colarinho da camisa e me chamou de bixona. Então eu soquei a cara dele. Brigamos por alguns minutos até eu me sentir mal e ir parar no hospital. Depois desse dia eu decidir viver completamente, não parar e esperar essa doença se curar por si só, eu iria viver intensamente. " 

— Você é incrível Ryan, minha admiração por você cresce a cada dia. 

— Eu queria poder ver o fim da sua história com o gostoso arrogante, queria também que esse milagre caísse sobre mim mas é difícil. Eu tenho um fraco por homens babacas. 

— Não fale besteiras vai conseguir ver tudo que quiser. - Digo e ele me olha estranho. 

— Eu era muito agarrado a minha vida, eu aproveitaria até o meu último suspiro velhinho olhando para torre de Paris. Agora eu vivo um dia de cada vez como se fosse o último. 

Meu coração parece se quebrar a cada momento, um instinto super protetor me consome e eu quero e posso dar a imortalidade para ele.  Minha família poderia ajudar e eu moveria céus e terras para que ele tivesse sua eternidade. 

— Eu te prometo que tudo vai ficar bem. 

Aperto sua mão. 


                                       ~ 

Ryan e eu combinamos de fazer caminhada, eu não sabia se ele estava realmente bem ou talvez seria culpada pela morte do meu único e melhor amigo. 

— O que aconteceu com Lincoln ? 

— Quando ele saiu do armário o papai dele o mandou para Seattle, para longe da confusão. Ele me ligou algumas vezes... apareceu na escola... Então eu pedi medidas protetivas para a policia. 

— Você é o melhor Rys. - Digo rindo ofegante.

— Eu digo que o amor é a verdade do momento. Eu amei ele naquele momento, quando eu dizia era verdade. Agora são só lembranças. 

— E se houver algo maior que o amor ? - Falo e ele me olha. 

— Que diabos está fazendo aqui ? Emmalie Hale Cullen. - De imediato me viro para encarar Paul. 

Sinto o rosnar dele de longe. 

— Estamos fazendo uma caminhada, não está vendo. - Tento parecer tranquila mas sei que ele escuta as batidas do meu coração. 

— Você não tem celular não ? Por que não responde minhas mensagens? 

— Pensei que estava se divertindo com o projeto de americana. - Digo. Vejo Ryan se sentar em um tronco de árvore, Jered aparece atrás de Paul. 

— Preciso de uma pipoca. Briga de casal com tesão acumulado são as melhores. - Ryan solta e eu reviro os olhos. 

— Linda você entendeu tudo errado. - Paul parece ter se acalmado. 

— Qual parte ? Renesmee não mentiria para mim. Vocé enfiou ou não a lingua nela ? 

— Todos da matilha do Jake ficou com ela, eu nunca toquei na Érica e não tocaria porquê tenho você. Você é a única que eu quero. - Meu coração derrete, toda a raiva que eu sentia parecia ter evaparoado. Mas aquela insegurança parecia querer me consumir a cada minuto. 

— 1 minuto para falar por favor. - Olhamos para Ryan. — Uma mulher insegura é uma mulher não convencida, faça algo que prova o que quer ser para ela. 

Meu coração descompensa. 

— Droga Emmalie eu estava planejando isso de tantas outras formas. Mas você garota furacão, me deixa maluco. Para tirar qualquer sentimento ruim do seu coração eu te passo em namoro até no fogo cruzado, eu nunca trocaria você por mais ninguém. Você é única. 

" Emmalie Hale Cullen, você aceita namorar comigo. " 


Seus olhos são sinceros, quero ele perto de mim para dizer mil vezes sim e sentir seus braços me rodear. Então eu enxergo o medo atrás dos seus olhos, estou demorando. 

Paul chega mais perto de mim. 

— Sim eu aceito ser sua namorada. 

No meio daquela mesma floresta aonde nos vimos pela primeira vez ele me beija novamente. Os muros de inseguranças são derrubados e só existe eu, Paul e o vento. 

— Alô galera... estamos aqui. Cena linda. - Ryan diz arrancando risada de nós. 

— Aguenta caminhar até em casa ? - Pergunto. 

— Se eu disser que não você me mata ? 

— Paul vou voltar para casa. - Jared avisa e sai depois de um breve cumprimento.  

— Preciso de um favor seu. - Falo para Paul. 

                                         ~

— Emms acho que vou roubar seu namorado para mim. - Gargalho enquanto Ryan Evans agarra o pescoço de Paul. 

Ele leva meu melhor amigo para casa em seu colo. 

— Vocês não tem cabeça mesmo. Vão para a floresta sozinhos e se quer conseguem voltar. 

— Eu tinha total capacidade de voltar sozinho mas quis provar desses braços fortes. - Paul sorrir. Admiro meu namorado pela paciência e carinho que ele trata Ryan. 

Meu namorado, parece até sonho. 

Ao chegamos em casa peço para Carlisle da uma checada em Ryan antes de deixá-lo em casa, ele está bem só está cansado. Paul e eu paramos para jantar e depois seguimos de volta, visto um casaco seu por conta do frio. 

— Queria que soubesse que eu nunca fui um cara assim. - Ele diz quebrando o silêncio.  Estávamos sentados na grama da casa de Sam. Há única coisa que nos iluminava era a lua. 

— Assim como anjo ? - Ele acaricia meu rosto, parece gostar do apelido. 

— Um cara que fica com várias mulheres ou que mente ou trai. Eu nunca fui assim. - Diz. 

— Me perdoe por achar que era. Eu nunca mais vou desconfiar de você. 

— Eu sei que não. 

Ele me beija. 

Um beijo aonde entrega toda aquela magia, somos um só quando nos beijamos. 

Hoje eu sei o que eu quero ser para ele, e como seu imprinting eu sei o que ele quer ser para mim. 





Notas Finais


Talvez mais tarde tem mais. Amanhã não sei se terá capítulo pois vou tirar o dia para ficar com meu imprinting.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...