História The Zone - Imagine Jisung - Stray Kids - Capítulo 2


Escrita por: e seungmin-

Postado
Categorias Stray Kids, TWICE
Personagens Han Ji-sung, Hwang Hyun-jin, Jihyo, Kim Seung-min, Momo, Sana, Tzuyu
Visualizações 172
Palavras 1.469
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia, boa tarde ou Boa Noite! Tudo bem com vocês? Comigo está tudo ótimo! 💜


Eu sou a Ster e, sejam Bem vindos e Bem vindas para mais um capítulo!


E aqui está o Segundo capítulo de "THE ZONE" Poxa cara, tô boitola demais por vocês nessa fanfic.


Atingimos os 75 favoritos e 21 comentários com apenas um pequeno capítulo? Isso é graças a vocês, que sempre estão aqui apoiando eu e a @Jeehz , e nós agradecemos muito a todos! 💜


Agora focando em outra coisa!!!


Esse capítulo, conta como tudo aconteceu. Como a Chou (vocês) foram parar na ZONA. Então para melhor compreensão, sugiro que vocês leiam cada parágrafo com MUITA atenção. Será difícil de entender a conclusão da Fanfic, caso, não estejam por dentro dos reais sentimentos da nossa Personagem Principal.


E, no próximo capítulo, vocês terão a continuação dos pontos de vista do nosso Querido Personagem Principal, Han Jisung. 


Até loguinho 💜


Let's read the night away? Let's read the night away! 💜📚📚

Capítulo 2 - Atitude drástica


Seul, Coreia do Sul.


– Estão todos prontos? – Chou Miju, a matriarca dos Chou, passou pela porta e observou os dois ali, Chou Kinn e Chou Kanji, filho e marido. – Aonde está _____ e Tzuyu? – Ela caçou a sala toda.

– Devem estar papeando lá em cima, dê uma olhada. – Kanji sugeriu. Miju concordou se virando para subir as escadas e ir para o quarto das gêmeas. – Não! Calma, deixa que eu vou. Você fica aqui e arruma essa roupa no Kenn, eu realmente não sei como fazer isso! 

– Está bem, querido. – Miju sorriu e, foi até o filho. – Mamãe vai cuidar de você. – Piscou. A criança de 3 anos sorriu em resposta, sem muitas palavras formadas ainda.

Kanji, enquanto arrumava sua gravata, subia as escadas em direção ao quarto de suas filhas. Parou em frente e bateu.


Uma…


Duas…


Três…


– Puppy? _____*, Princesas? Já estamos atrasados para o casamento da sua tia! – Não obteve resposta, ele bateu novamente. Não queria entrar sem receber uma resposta e acabar pegando suas meninas em um momento íntimo, como por exemplo: trocando de roupas. – Sua mãe irá surtar, vamos logo!

Ele ouviu soluços baixos e depois o pedido de socorro quase impossível de ouvir. Era Tzuyu.

– Tzuyu? – Ele abriu a porta, nem mesmo ligando se era uma boa hora ou não. – TZUYU! – gritou, novamente, quando viu o corpo de sua pequena no canto do quarto.

As mãozinhas pequenas cobrindo o rosto e o corpo encolhido, era tudo o que ele precisava para vir a chorar como ela. 

– O que aconteceu? Quem fez isso com você? Cadê sua irmã? – Ele perguntou aflito, temendo que, algo de ruim tivesse acontecido com sua outra princesinha.

– F-Faca! – Tzuyu apontou para baixo da cama.

Kanji, ainda sem entender pegou-a nas mãos. Ela estava limpa, mas como foi parar ali?

– _____? – Chamou e, a porta do banheiro se abriu. 

De dentro saiu ela. Chou _____. Sorriso ladino, vestido branco impecável, cabelos pretos e encaracolados.

– Papai! – Ela encarou o homem.

Kanji não pode explicar, mas sentiu algo horrível naquele momento. Uma energia nunca sentida antes. Aquela não parecia ser a sua menininha.

– Eu estou mais bonita hoje? – Ela foi se aproximando lentamente.

– O quê? – Kanji se ajoelhou, ficando na altura perfeita para encarar a filha.

– Eu estou mais bonita hoje? – Repetiu. _____, ainda com as mãos para trás, ia se aproximando.

– Sim, claro! Você sempre está mais bonita a cada dia, querida! – Ele ousou tocar os fios negros da filha. 

– Você me ama? – Kanji não respondeu. Sentiu a manga da sua camisa ser puxada, fazendo com que sua fala fosse impedida. Ele ia responder que sim, ele amava os filhos.

Tzuyu negava, a cabeça balançava para um lado e para o outro negando. 


Não, não, não. Diga não!


A resposta era: Não. 


– Você me ama? – ____, perguntou novamente. Kanji, acordou.

– Sim, eu te amo!

_____, riu.

Tzuyu se levantou do canto do quarto e correu até a porta.

– _____! – O Chou gritou, ao ver _____ puxar o cabelo de Tzuyu e, jogá-la no chão. Ele foi até Tzuyu e a levantou.

Olhou atentamente os traços perfeitos da menina e notou algo que não havia notado além do choro.

O olhar assustado.

– Vai ficar tudo bem, papai está aqui! – ele abraçou o corpo da filha.

– Fala que você a odeia, por favor! – A Chou sussurrou. 

– Não!

– Pai… Ela não quer ser amada. – Tzuyu chorou incontrolavelmente.  – Diga que você odeia ela, diga!

Kanji levantou o olhar para fazer o que Tzuyu havia pedido.

– Tarde demais, papai. – _____ segurou o objeto pontudo com mais força e o atravessou no coração de seu genitor. 

– PAI! – Tzuyu abraçou o corpo do pai com força, o peso do corpo bateu contra o piso de madeira e ecoou pela casa, atraindo a atenção de Miju.

– O que está acontecendo lá? Eles estão demorando tanto! – Ela se levantou e pegou o filho no colo.

– PAI! PAI! – Tzuyu não sabia o que fazer. Se corria, ou se tentava fazer seu pai abrir os olhos.

– Puppy… – Kanji, puxou a filha para um abraço dolorido. – C-Corre. 

– Não, por favor, não! – Ela negou. O sorriso fraco e o carinho deixado em sua mão fez com que ela criasse coragem. Ela se levantou, antes lendo os lábios do pai, ela pôde entender perfeitamente suas palavras.


"Eu amo você"


Tzuyu secou suas lágrimas.

– Eu odeio você! – A Chou mais velha -por alguns segundos-, disse a gêmea.

– Obrigada, Puppy. – _____, se aproximou do pai -agora sem vida-, e, tirou a faca de seu coração. – Eu estou mais bonita agora? – Perguntou, enquanto, limpava a faca ensanguentada em seu vestido branco.

– Não! Você está horrível, se antes você se sentia feia, agora você está pior! Você não é só feia, ridícula, é também um monstro! – Tzuyu cuspia tudo isso na cara de sua gêmea.

– Mas… Somos gêmeas, Tzuyu-Unnie. Se eu sou um monstro, você também é! – _____, sorriu.

– Não me compare com você, assassina.

A porta se abriu. Miju carregava o filho no colo enquanto mantinha uma expressão confusa e irritada.

– Estão demorando assim por quê?

O choro de Kinn fez com que a mulher olhasse para o chão, ela via seu marido, apagado e coberto por sangue. Como médica, seu extinto fez com que ela colocasse o filho no chão e corresse até o marido tampando o corte com o primeiro pedaço de pano que viu pelo quarto.

– O que houve aqui? Em? Quem fez isso? – Ela perguntou assustada, as lágrimas já desciam por seu rosto.

Miju viu _____ se ajoelhar ao seu lado, passando as mãos lentamente pelo rosto do pai com um sorriso psicopata.

– A faca é um pincel. O corpo é uma tela. – _____ encarou a mãe. – Eu queria te matar, mas a senhora é linda demais pra' morrer.

– Saí de perto dela! – Tzuyu puxou a irmã fazendo que que ela batesse as costas na parede. 

– Bebezinha chorona. – _____, se levantou. – Morre! – Um simples tapa fez Tzuyu ir ao chão.

– Parem! – Miju, já assustada segurou o braço de _____, impedindo que ela fizesse mais alguma coisa. – Eu amo vocês duas, não briguem, por… – A frase da Chou falhou.

– NÃO! – Tzuyu correu e bateu nas mãos de sua irmã, jogando a faca para o outro lado do quarto.

– _____? – A matriarca dos Chou caiu na cama, olhando a filha sem expressão alguma. Ela estava sangrando, mas naquele momento ela só tinha uma preocupação.

– Kinn! – Tzuyu pegou o irmão no colo e o apertou com toda a força.

– _____! – O garotinho chamou pela irmã. Era inevitável, Chou Kinn tinha um carinho maior pela outra gêmea, _____. 

O menino se estica em direção a ela. Tzuyu ainda relutante a dá-lo.

– Venha, meu amor. – _____, pegou o pequeno no colo a força e jogou a faca em cima da mãe. 

Tzuyu seguiu sua irmã, com o bebê ainda no colo para fora do quarto.

– A vida tem regras, Puppy. Ser morto, ou matar. – Abrindo os braços rapidamente, _____ deixou que o irmão mais novo caísse escada a baixo.

O som do corpo se chocando com o chão e o sangue voando nas paredes fez Tzuyu desmoronar.

– Não… – Ela se apoiou na grade e observou o corpo estraçalhado no carpete branco da sala. – não…

_____ passou por ela e ia descendo as escadas lentamente. Parou no meio.

O som de sirene e as luzes azuis e vermelhas que iluminavam o quintal escuro da casa dos Chou fez _____ parar.

Tzuyu desceu as escadas rapidamente indo até a porta e a abrindo.

Policiais entraram armados, se assustando ao ver o corpo de uma criança morta e uma menina parada no meio da escada.

Pela janela do quarto das gêmeas, Jeon Somin, a vizinha, viu a briga antes mesmo de Kanji entrar e, se assustou quando ____ mostrou uma faca, fazendo com que Tzuyu a jogasse embaixo da cama e com as batidas na porta, _____ entrasse no banheiro. Ela não ia fazer nada, até ver o corpo do senhor Chou no chão e Tzuyu o abraçando. Tinha algo errado, ela decidiu chamar a polícia.

– Mãos para cima, senhorita! – Três policiais apontaram suas armas para _____. Esta que, sorrindo desceu as escadas lentamente, com as mãos para cima.

– Foi ela, foi ela! – Somin, confirmou ao policial. _____ a encarou. Nunca havia gostado dela, tinha apenas 15 anos, mas tinha também idade suficiente para odiar alguém.

– Senhorita…

– Chou _____, prazer! – _____, fez uma breve referência levantando seu vestido como uma verdadeira princesa.

– Senhorita Chou, você está presa! – O policial, caminhou até ela e prendeu suas mãos para trás.

_____, enquanto sorria vitoriosamente, ouvia também o choro de sua gêmea. 

– Puppy… – Tzuyu a olhou. Sem poder se segurar ela acertou um tapa no rosto da irmã e, foi segurada por Somin.

_____, encarou novamente a garota e sorriu dócil, em seguida dizendo as últimas palavras para Tzuyu.

– Eu vou te alcançar e tirar um pedaço dessa merda que você chama de coração.


Notas Finais


Olá meu povo e minha pova, tia Jeehz aqui nas notas finais again uhu yeah *palmas*

Nem sei o que falar para você sksksks

Obrigada pelos comentários e pelos 75 favoritos 💙💙💙

Amo muito vocês, meus nenês ♥

É só isso, obrigada por ter lido <33

Segue aê  @seungmin- @Jeehz

( Oiii, aqui é a Ster novamente invadindo as notas finais da @Jeehz - Desculpa amore - pra avisar que o capítulo de hoje saiu mais cedo, porquê eu descobri de última hora que eu não estaria aqui até às 21:00 e por esse motivo tive que postar agora às 18:30. Desculpe, pelo imprevisto. Até mais ✨💜)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...