História Themyscira - Mulher maravilha e Supergirl - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Mulher Maravilha (Wonder Woman), Supergirl, The 100
Personagens Clarke Griffin, Diana Prince (Mulher Maravilha), Dra. Abigail "Abby" Griffin, Kara Zor-El (Supergirl), Lexa, Octavia Blake, Personagens Originais, Rainha Hipólita
Tags Clarke, Diana Prince, Kara Danvers, Lexa, Mulher Maravilha, Supergirl
Visualizações 344
Palavras 3.338
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Fantasia, Ficção, LGBT, Literatura Feminina, Magia, Romance e Novela, Saga, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite.

Capítulo 3 - Sou sua rainha.


Fanfic / Fanfiction Themyscira - Mulher maravilha e Supergirl - Capítulo 3 - Sou sua rainha.


Clarke e Octavia.


Clarke: Para com isso Octavia, não precisamos lutar. - Octavia avança ferozmente contra Clarke, como um animal ela pula contra a amiga. Clarke cai ao chão:


Echo: Quero ver sangue.  Fala quase salivando pela boca.


Otarie: Isso Octavia acaba com ela. 


Lexa não estava gostando nada disso. Clarke não reagia, nada estava saindo como ela planejou. A loira estava levando uma surra. Octavia dispara socos direto na face da amiga que estava no chão. 


Echo: Mata ela Otavia. Essa sua chance de provar ser uma de nós.

 
Lexa: Vamos lá Clarke reage. - Clarke já tinha todo seu rosto ferido.

 
Clarke: Vamos, acaba logo com isso.- Suas palavras saim em meio a um gemido de dor.


Echo pega  sua adaga e coloca na mão de Octavia que segura firme pensando que agora tem que ir até o fim.


- Mata ela.

 
Cerimonia de execução:


Todos na arena se levantam para ver o que vai acontecer. Hipólita que já havia dado a ordem para Indra, cortar a cabeça da humana, reconhece a voz de Abigail e se vira de volta para o centro da arena. 


Indra: Estamos em Themyscira não seguimos as leis de Zeus. - Ela aproxima a espada do pescoço da Abigail.


Hipólita: Indra abaixa essa espada eu ordeno. - Indra prontamente obedece. 


Abigail: Eu invoco a lei maior de Zeus em favor dessa mulher, rainha Hipólita. -  Pela lei maior de Zeus um Deus não pode matar um humano. 


Hipólita: Indra tem razão aqui é Themyscira, as leis de Zeus não se aplicam na minha ilha. 


Abigail: As leis de Zeus se aplicam a todos, até Atena sabe disso. 


Hipólita: Chega, eu sou sua rainha Abigail. Atena não esta aqui para decidir o que fazer. Indra acabe logo com isso.


Diana: Mãe!


Hipolita: O que foi dessa vez, Diana. - Fala já contrariada.


Diana: Atena pode não gostar de saber que você burlou a lei maior de Zeus.


Hipólita: E o que você quer que eu faça ? 


Antíope: Reconsidere minha irmã é o melhor se fazer agora. - Hipólita voltou atrás. 


Hipólita: Abigail vai responder por isso. - Hipólita fala ao povo. - Povo de Themyscira decidi por adiar esse julgamento até lá essa humana fica entre nós.

Abigail: Obrigado minha rainha. 

Hipólita: Guardas levem a nossa curandeira até a sala da rainha. - A rainha não esta nada feliz com a intromissão de Abigail. 


Clarke e Octavia. 

Octavia segurava a adaga pronta para atingir Clarke. 

Lexa entra no centro da roda. 

Echo: O que esta fazendo? - Ela seguro o ombro de Lexa. 

Lexa: Tira suas mãos de mim. - Lexa seguro a mão de Echo e de forma agressiva tirá ela de seu ombro. Logo depois ela consegue impedir  que Octavia acerte o golpe e tira ela de cima de Clarke.

Echo: Lexa deixa ela. - Echo queria ver sangue. 

Lexa: Octavia provou ser uma de nós. Essa luta acabou. - Clarke estava com o rosto ensaguentado. Octavia estava assustada com o que acaba-rá de fazer.  Lexa não reconhecia seu sentimentos, mas sentiu culpa e arrependimento pelo que ela provocou. Tudo isso por que? Por que era tão importante para ela que Clarke fosse uma amazona. Ela nem gostava dela. 

Otarie: Vamos embora. - Fala montando o cavalo. 

Echo: O que você vai fazer Lexa, vai colocar essa fraca no seu cavalo? Quer que ele seja sacrificado como o Alazão de Diana?

Lexa: Echo sai da minha frente. - Ela coloca Clarke em seus braços. 

Echo: Você vai carrega-lá até o palácio? Só vai chegar amanha cedo, Lexa. 

Lexa: Leve meu cavalo, não estou pedindo sua ajuda - Lexa seguiu o caminho sozinha carregando Clarke. 


Otarie: Vamos, Echo! Lexa quer se divertir com Clarke. - Echo ficou mordida de ciumes, Lexa nunca protegeu ninguém assim. 

No meio do caminho. 


Clarke: Você é uma desgraçada, Lexa. - Clarke estava com os braços sobre o pescoço da guerreira. 

Lexa: Poderia deixar você aqui jogada, é isso que você quer? - Clarke geme de dor. - Você poderia ter vencido essa luta Clarke poderia ser uma amazona.

Clarke: O que isso importa para você? 

Lexa: Você quer ser vista como fraca pelo resto da sua vida?

Clarke: Não me sinto fraca. Isso que importa. - Lexa coloca Clarke no chão com cuidado para não machuca-la ainda mais. 

Lexa: Deixa eu ver isso. - Lexa iria estancar o corte profundo sobre olho direito da moça, mas Clarke da um tapa na mão dela. - Com você tem que ser do jeito difícil não é? 

Clarke: Por que esta fazendo isso? Vai embora me deixa em paz! 

Lexa:  Você não se importa mesmo com a sua vida, quer saber fica ai.

Clarke: Sei me cuidar sozinha. 

Lexa se levanta para ir embora  quando um grande leopardo se aproxima delas. Lexa levanta a mão para Clarke.

- Fica parada Clarke. 


O leopardo avança contra Lexa que perfura a garganta do animal com toda sua força, era isso ou o animal arrancava a cabeça dela fora.  O sangue do bicho atinge a face da guerreira. 


Lexa: Você ainda quer ficar aqui e ser devora por uma fera ou vou me deixar levar você fraca? 

Clarke: Isso tudo é culpa sua é melhor você para de me chamar de fraca.

Lexa: Ta bom, você vem comigo. - Lexa carrega Clarke a força. 




Sala da rainha. 

Hipólita: Não posso mais tolerar ser desrespeitada por você Abigail,e pela sua filha. Sou sua rainha.

Abigail: Eu sei minha rainha. Não queria desrespeita-lá, mas o que Indra iria fazer seria uma atrocidade.

Hipólita: Indra estava agindo sobre meus comandos.

Abigail: Eu sei Hipólita. - Ela usa um tom mais agressivo por conta da intimidade com a rainha.

Hipólita: Abigail sabe do apreço que tenho por você, mas não confunda isso. 

Abigail: Em momento algum. Não fui eu quem confundi as coisas aqui. 

Diana estava na sala e finge uma tose. Ela conhecia a história do envolvimento da mãe com a mulher. 

Abigail pertencia ao exercito de Atena que em uma de suas visitas a Themyscira trouxe a médica para ilha. Abigail já havia engravidado  de um dos soldados de Atena. Ninguém sabe o que aconteceu com o pai de Clarke. Abigail por anos viveu presa as lembranças do casamento. Ela se dedicou a medicina e a curar as guerreiras amazonas. Hipólita ficou encantada pelos poderes de cura e conhecimento da curandeira. A rainha ficou muito intima da médica não demorou muito para elas terem um envolvimento , mas que não seguiu a diante, porque a rainha temia a reação de Atena.


Abigail: Agora se der permissão para me retirar. 

Hipólita: Saia. - Fala contrariada.

Diana: Qualquer outra mulher, não estaria mais viva. Só mesmo ela para fazer você atrás em uma decisão. 

Hipólita: Não foi por causa dela.

Diana: Assume logo rainha, antes que outra venha e tome ela de você. - Diana se retira deixando a rainha pensar em sua palavra. 

 

 


Abigail foi direto para cela onde às amazonas estavam mantendo a humana. 


Abigail: Quero analisar a prisioneira. 


Artemis: Quem deu autorização? - Artemis estava cuidando da guarda de Themyscira. Ela era a guerreira mais alta e forte do exercito de Hipólita, temida por todos. 


Menelippe: Eu autorizei. Até que Hipólito decida o destino da humana ela deve ser bem cuidada. Agora abra a cela.


Artemis: Pode passar. – Sua voz parecia de um mostro.


Abigail entra na sala kara estava deitada em um chão frio e sujo, ela olhava fixamente para parede tendo lembrar qualquer coisa de sua vida passada. Parecia uma animal indefeso e sozinho. 


Abigail: Ei – Kara se assusta. – Esta tudo bem só quero analisar você. 


- Obrigado por ter intercedido pela minha vida.


Abigail: Ouvi dizer que você veio do céu em uma bola de foco, mas não tem nem uma cicatriz. – Abigail pega uma faca e sem aviso faz um corte no braço de kara. O ferimento sara instantaneamente. Kara olha espantada. – Não sei o que você pode ser, mas não é humana. 


- Então, o que vai acontecer comigo? - Fala ainda mais temerosa.


- Melhor esconder isso, a lei maior de Zeus protege os homens e não outros deuses. Preciso ir agora. Vou pedir para trazer um prato de comida para você.

- Obrigado.


 


Rainha Hipolita. 

Hipolita não conseguia dormir pensando em Abigail. Ela virava de um lado para outro da cama. A muito tempo não sabia mais o que era estar com uma mulher. Finalmente toma coragem de assumir seus desejo.  Ela resolve colocar o seu manto e montar seu alazão. Ela cavalgou até a parte mais baixa da ilha sem ser notada.  


A rainha bateu na porta da medica. 

Abigail: Hipólito. – Ela abriu a porta apenas de camisola. – Pensei que era Clarke, não sei onde ela esta. 


Hipolita: Clarke sabe se cuidar. – Hipólito começa tocando o rosto de Abigail. 


Abigail: Para com isso. 


Hipolita: Tenho saudades de você. 


Abigail: Você tem quem você quiser rainha. – Hipólito entra na pequena casa.  


Hipolita: Não quem eu quero de verdade. – A rainha puxa a mulher pela nuca beijando seus lábios e fechando a porta. 


Abigail: Não quero viver isso de novo. – Fala interrompendo o beijo. 


Hipolita: Você não me quer mais? Tem outra pessoa? Outra mulher. – Fala possessa de raiva, com a possibilidade.

 
Abigail: Sabe que não. Só não quero acordar de manhã e ouvir de você que foi só uma noite e nada mais. 


Hipólito: Tenho deveres, você deveria intender isso. 


Abigail: Melhor ir embora. O que vão pensar da rainha , se for vista a essa hora na minha casa. 


Hipólita é uma rainha não aceita um não como resposta. Ela agarra Abigail a força.  

A rainha era alta, loira, forte e umas das mais bonitas das mulheres da ilha. Ela segura com força as coxas de Abigail. Levantando ela na altura da sua cintura. Abigail não resiste e se entrega os beijos de sua rainha. 


 - Poderia ter qualquer mulher, mas é você quem eu quero. Você não sai do meu pensamento. 


- Diga isso para Atena. – Hipólita sorri. 


- Atena não esta aqui, nem sei se voltara. – A rainha continua com os beijos ardentes que fazem os pelos de Abigail se arrepiar com o calor dos seus lábios. – Quero você , preciso que seja minha essa noite. 


Hipólito leva a mulher até a cama, derrubando tudo no meio do caminho. Ela coloca Abigail sobre a cama de forma tranquila. Ela rasga camisola da mulher deixando seu corpo nu a luz de vela. 


Por Hipólita.

 
- Você é linda é perfeita.  Começo a beijar todo seu corpo. Passando firmemente minha mão sobre toda sua estrutura firme e definida. Chego na sua intimidade e devoro seu sexo com a minha língua. Abigail tenta controlar seus gemidos que saem quase que em silencio, mas o suficiente para me deixar ainda mais excitada . Assim fico por bastante tempo com a cabeça enfiada no meios das suas pernas. Com a minha língua bem no fundo dos seu intimo. 


Abigail se contorce se agarrando nas cobertas da cama. Solto um leve sorriso ao constatar que ela ainda é louca por mim. Subo até sua boca tomando sua língua e arranhando com os meus dentes. 


- Diga o que eu quero ouvir, eu ordeno. – Passo minha mão no meios das suas pernas. Ela me olha com fogo nos olhos. Um fogo que preciso apagar essa noite. 


- Sim, sou sua rainha. – Era tudo que eu queria ouvir. Dou a ela o prazer de me ter dentro da sua intimidade. Com urgência e habilidade coloco dois usando a força do meu corpo para empurrar. Fazendo com que a cama batesse contra a parede da casa que começa a estremecer. Sinto ela gravar suas unhas na minhas costa e arrancar um gemido dos meus lábios.  O que antes era gemidos controlados virou um escândalo. Tento controlar seus gritos com meu beijo e sinto ela gozar entre os meus dedos. Abigail não para de gemer sequer por um minuto. A saudade é tanto que pretendo passar a noite fazendo amor com ela. 


Coloco ela por cima. Abigail perdeu o pudor. Ela passa a beijar de forma descontrolado o meu corpo. 


- Eu te amo. – Como era bom ouvir isso. Finalmente depois de tantos anos resolvo dizer. 


- Eu te amo. – Foi o suficiente para ela. Abigail toma meus seus de forma delicada. Como aquilo era maravilhoso. Ela começa a chupar. Resolvo segurar seu cabelo e encaixar meus dedos na sua entrada. Fazendo ela sentir uma onde de prazer e dor. Um dor saudável que a leva a mais um orgasmo. Continuo deslizando meus dedos e girando em velocidade. Para abafar seus gemidos ela chupa meu pescoço. “Espero que Diana não veja essas marcas'. Os gemidos daquela mulher me levam a loucura. Abigail  fode com dois me levando ao Olimpo. “Que Atena me perdoe, mas eu amo essa mulher”. 

 


No outro dia de manhã. 


Hipolita: Bom dia, minhas queridas. 


Antíope: Vejo que acordou muito bem minha irmã. 


Hipólita: Tive uma noite ótima. 


Diana: Imagino pelas marca no seu pescoço. 


Hipolita: Não seja indelicada Diana. 


Diana: Teve mais uma reunião com a Abigail. – Diana desiste de provocar depois do olhar que a rainha lança para filha. 


Lexa chega só agora. 


Menelippe: Posso saber onde estava a noite toda?  Porque não foi a cerimonia. 


Lexa estava suja e com uma cara de cansada. 


Antíope: Que vestes imundas são essas? 


Lexa: Fui atacada por um animal. 


Diana: Será que não foi ao contrario prima Lexa?


Efrain: Lexa você prometeu que nós iriamos treinar hoje. – A irmã faz carinho na cabeça do garoto. Efrain era loiro e muito parecido com Antíope. 


Lexa: Mas tarde levo você para treinar agora tenho que descansar. 


Menelippe: Lexa, melhor que não esteja aprontando, porque estou farta de ter que te corrigir. 


Lexa: Dou minha palavra. 


Antíope fica desconfiada da filha. 


Menelippe: Rainha o que você pretende fazer com a humana?
 
Hipolita: Realmente tinha me esquecido desse problema. 


Menellipe: Ela não parece uma ameaça. Acho que tem uma aura muito boa. Ela poderia nos servir como outros dessa ilha. 


Diana: Uma humana? 


Menellipe: Sim, Diana, uma humana. 


Hipólito: Vou pensar nisso. 
 


Diana e Kara. 

Diana foi ver a humana que ainda usava sua camisola. Kara estava tentando ver a luz do sol por uma janela quadrada que havia em sua cela. A princesa inclina a cabeça tentando ver mais do que podia. Kara se esticava fazendo a camisola ficar até a poupa da bunda. Apesar de magra ela tinha um corpo perfeito e pernas bem definida que faziam a princesa salivar. Kara olha para trás e nota a presença de Diana que tenta disfarçar  seus desejos pela loirinha. 


- Quando vou poder sair daqui?


-Quando se lembrar de quem você é.


- Você me salvou?


- Porque achei que se tratava de um anjo.


- O que são anjos? 


- São criatura divinas, mas você não passa de uma humana. – Kara olha para baixo. Ela sabe que é uma Deusa. – Vou mandar trocar a suas roupas você não pode continuar com a minha camisola.


- Sua? – Kara não lembrava que Diana havia despido ela e trocados suas roupas. Ela estava desacordada quando isso aconteceu. 


Venélia: Princesa, não deveria estar aqui!


Diana: Minha queria Venélia sou princesa dessa ilha, não é você quem vai me dizer onde devo ficar. 


Venélia era a amazona de confiança da rainha, uma das poucas beldades da ilha que não se deitou com Diana. Tudo que a amazona desejava era ocupar o lugar da rainha ainda que do lado de Diana, mas sabia que ser como as outras não iria favorece-lá diante de Hipólita. 


Venélia: A rainha decidiu deixar essa criatura junta com as outras servas. 


Diana: Ouviu isso Humana vai poder servir às amazonas. 


Lexa e Efrain


Os dois estavam treinando, logo Efrain seria levado pelo exercito de Atena. 


Lexa: Vamos meu irmão, você precisa aplicar mais forças nesses braços. 


Efrain usava um bastão o objetivo dele era acertar um golpe em Lexa que fazia questão de se defender de todos. 


Lexa: Vamos Efrain, você precisa me acetar. – O garoto já estava exausto sem força e cai de joelhos. 


Efrain: Não consigo Lexa, nunca serei um bom guerreiro. 


Lexa: Ei – Lexa levanta o queixo do garoto. – Você é filho de Antíope, sobrinho da Rainha e neto de Ares o Deus da guerra. Você tem sangue de guerreiro correndo por sua veias. 


Efrain: E se eu não for o bom o bastante, Lexa?


Lexa: Seja o melhor que você pode ser. Isso será bom o bastante. Agora vamos comer garoto.


Antíope e Menélippe, estavam observando a interação dos dois, de longe. O coração de Antíope estava desolado em saber que perderia seu filho ainda menino para guerra. Efrain era doce e puro de coração. 


Menelippe: Não deveria deixar leva-lo. Ele é seu filho Antíope. 


Antíope: O que eu poderia fazer ? São as leis de Themyscira mulher. 


Menelippe: Lia não vai te perdoar, eu não te perdoaria.

 
Antíope: Acha que não queria que fosse diferente? 


Menelippe: Fale com a rainha.


Antíope: Hipólita nunca irar dizer não a Atena. 


Menelippe: Ele é sobrinho dela. 


Antíope: Quantos filhos o exército de Atena já não levou? Quantas mães desolada já não deixaram para trás? E o que foi feito ? – Menelippe não tem resposta. – Eu digo , nada foi feito. Não posso interceder por Efrain. Amo meu filho, mas o destino dele estava escrito quando nasceu homem em Themyscira – Antíope sai com seu cavalo soltando algumas lágrimas.   
 


Banquete das amazonas. 


Uma das atividades principais da ilha era o banquete das amazonas. Que acontecia quase sempre. Já que Themyscira estava sempre em festa. No palácio da rainha na sala central era montada varias mesas para guerreiras amazonas. Lexa e Diana se sentavam em meio às mulheres. Diana aproveitava para flertar com as beldades. Durante o banquete é quase impossível prestar atenção em uma conversa já que ninguém para de falar. 


Kara e Clarke entram na sala central para ajudar servir. As duas vestidas para deixar suas pernas grossas a mostra e também seu abdômen definido totalmente de fora. Não tinha uma guerreira que não olhassem para elas. 


Clarke: Tudo bem não abaixe a cabeça e não aceite provocação só devemos servir e sair. – Clarke passa as instruções para kara que esta totalmente sem jeito. 


Conforme elas vão andando todas às guerreiras começam a prestar atenção. O silencio começa a tomar conta do local. Até que Otarie coloca o pé na frente para Kara cair, mas ainda pior ela consegue deixar a bandeja cair na maior guerreira do exercito. Todos às guerreiras dão risadas até Diana parece se divertir com a situação. Artemis se levanta ainda se limpando da comida que Kara deixou cair na cabeça da guerreira. 

- Desculpa! - Kara fala sem jeito para mulher com mais de dois metros na sua frente. Artemis levanta a pequena mulher pelo pescoço. Se kara fosse humana teria perdido o ar, mas ao invés disso ela sente seu sangue fervendo. Seus olhos ficam vermelho. Todos às amazonas estão batendo na mesa.

Clerke: Solta ela. - Clarke joga uma bandeja nas costa da gigante , que parece não se importar. 

Lexa: Diana, é melhor a gente fazer alguma coisa. - Antes de Diana fazer qualquer coisa a linda Raven controla a gigante.

Raven: Tudo bem, Artemis, solta a garota agora. - Kara estava presta a usar sua visão de calor. 

Artemis: Ela jogou uma bandeja em mim. 

Raven: Não, foi apenas um acidente, deixa ela. - Raven vai segurando o braço da amiga. Até ela soltar Kara. 

Kara coloca os pés no chão recuperando o folego. Raven estende às mãos para humana. Que estranha o gesto, já que nem uma guerreira tinha tratado ela com respeito ou compaixão. 

Raven: Ei não tenha medo. - Raven era linda, inteligente e tratava todo mundo como igual. Estrategista  de guerra e muita elogiada pela rainha e pela Deusa Atena. Coisa que deixava Diana possessa de ciumes. Kara teria em Raven uma grande amiga.

 

Continua . . . 



  











  


Notas Finais


Que rainha safadinha em meninas. Bjs Bjs

Me contem suas conclusões desse capitulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...