1. Spirit Fanfics >
  2. There is a light that never goes out >
  3. We're totally fucked

História There is a light that never goes out - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Nome da história foi mudado

Capítulo 4 - We're totally fucked


Fanfic / Fanfiction There is a light that never goes out - Capítulo 4 - We're totally fucked

CAPÍTULO 4



HANNA MARVOLO RIDDLE pov


 Assim que eu saio da cama, percebo que Pansy ainda tá jogada nas cobertas, completamente morta, pego as minhas coisas e vou para o banheiro do nosso quarto. Podemos dizer que a comunal da Sonserina é a mais luxuosa, como a maioria é rica as nossas famílias deram um jeito de manter certos luxos para nós, luxos estes que duram a gerações. Além de termos a linda visão do lago negro e sermos visitados por todos os tipos de criaturas que lá vivem, tanto nossa sala quanto os nossos quartos são maiores do que o resto. A maioria dos quartos das outras comunais são divididas por 4 a 5 pessoas, na Sonserina eram divididas em apenas duas e isso se devia também ao fato de não ter tantos Sonserinos como no resto das casas, é extremamente difícil terem bastante Sonserinos por conta dos pré-requisito que foram impostos por Salazar, nosso fundador. Eu e Pansy dividimos um quarto, Regulus divide quarto com Blaise e Theo divide com Draco, era algo que funcionava melhor do que o esperado já que Theo era extremamente relaxado e Draco preservava pela organização, mas no fim todos conviviam em uma certa "paz".


 Tomo um banho, faço a minha skin care matinal de sempre, tenho que manter essa pele de porcelana, me visto com uma saia xadrez verde e um crop top preto, meu cabelo agora curto ainda estava meio desalinhado então prendi a metade em um rabinho de cavalo alto e a outra metade deixei solto. Voltei para o quarto, calço meu Dr. Martens e deixo o quarto em direção a sala da comunal. As lembranças de ontem vão finalmente martelando a minha cabeça e mordo o meu lábio inferior lembrando do beijo de um certo alguém. Aquilo queria dizer que ele também se sentia daquele jeito comigo? Mas e agora? O que caralhos eu faço? "Ei amigo de berço, lembra do nosso beijo ontem? Coisa doida né, que tal repetir?" Isso, parabéns Hanna Riddle, você conseguiu fazer o primeiro cara do mundo a te rejeitar! Porra, normalmente eu sou ótima com essas coisas! Agora que eu realmente preciso dos meus poderes de sedução e meu lado atriz para fingir que tá tudo bem, ELES SOMEM! Finalmente chego na comunal e só vejo Reggie sentado no sofá lendo um livro, novidade. Me aproximo dele e me deito nas suas pernas, ele deixa o livro de lado e faz carinho na minha cabeça.


— tá tudo bem? 


— ta sim, só to com fome


— quer ir tomar café? Ou quer esperar pelos idiotas? — ele fala e eu lembro que nesse grupo de idiotas está uma certa pessoa.


— acho que eu posso esperar mais um pouco, mas se eles demorarem muito eu vou sozinha mesmo 


Ficamos uns 5 minutos apenas em silêncio e pensando sobre o nada, quando de repente alguém vem até nós, chamando a nossa atenção.


— alguém me mata — Theo fala chegando com uma cara de acabado, fraco


— o que deu? O Blaise te arrombou? — pergunto sorrindo 


— você sabe que eu sou o ativo da relação 


— tem mais cara de passivo — Reggie fala e eu concordo rindo


— vão se fuder os dois, cadê o Malfoy? Pensei que ele ia tá aqui


— como assim? Ele não tá dormindo? — perguntei confusa


— que nada, eu acordei não tinha ninguém no quarto, achei que ele ia estar aqui 


— não vi ele, já deve ter ido tomar café ou sei lá, devia estar com fome — Regulus dá de ombros


— hm... — é ele só tava com fome e apenas isso, não precisa se preocupar sua idiota.


— a Parkinson ainda está dormindo? — Theo pergunta para mim e eu afirmo que sim com a cabeça — aquela lá dorme mais do que porco 


— eu durmo mais do que um que, Theodore Nott? — Pansy fala chegando e cruza os braços, lançando um olhar mortal para o Nott


— eu? Eu não disse nada! Apenas falei que era óbvio que você estava cansada e iria dormir um pouco mais, mas deveríamos esperar pela sua maravilhosa presença — ele fala sorrindo nervoso — até porque sem Pansy, sem diversão né?


— hm, vou me fingir de surda  — ela se senta no sofá a frente do nosso e cruza as pernas — mas e ae, como vocês estão depois de terem pegado o pessoal da grifinória e da lufa lufa?


— merda, eu tinha me esquecido totalmente dessa parte — falo alto e irritada, estava tão concentrada no Malfoy que esqueci as merdas que eu fiz ontem.


— tem Theo para todo mundo, então para mim tá de boas — ele dá de ombros — desde que eu não beije sangue ruim, já está ótimo 


— se o meu pai descobrir que eu beijei alguém da grifinória, eu tô morta


— pelo menos você só ficou com o Sirius, que é um Black — Pansy fala e eu concordo mentalmente, se eu tivesse ficado com um Potter daí sim poderia preparar o meu próprio funeral.


— eu tô morrendo de fome, aonde que o Malfoy e o Zabini se meteram? — Pansy fala com uma cara de dor


— o Blaise ta dormindo e o Draco sumiu — Theo respondeu dando de ombros


— como assim sumiu? Ele é o que agora? A Cinderela para sair correndo? — ela fala irritada, também queria saber Pansy... também queria saber.


— para de drama, a gente não nasceu colado e ele só devia estar com fome, do jeito que o Malfoy é nem ligou para a gente 


— tecnicamente a gente nasceu sim colado, mas no sentido figurado do bagulho e o Draco sempre espera pela gente — ela rebate meio brava


— foda se ele, só quero saber quando o Zabini vai acordar — Reggie fala sem paciência


— a gente bebeu sem ter comido quase nada ontem, além do fato de termos nos chapado — falo, beber sem comer é tipo pedir para ir para o inferno. — como a gente não tá em coma?


— ainda bem que já estamos acostumados com bebida forte, se não a gente estaria com uma dor de cabeça que puta que pariu — Pansy fala, só de imaginar geral vomitando as tripas me da enjoo


— como será que o resto está? Algo me diz que nem todo mundo ali sabe beber e só de imaginar a cara deles de ressaca dá uma leve vontade de rir — Theo fala sorrindo


— pelo menos ninguém vomitou ontem, ia ser extremamente nojento — falo com uma careta de nojinho 


 Conversamos por mais uns 5 minutos até que Blaise finalmente chega, vamos todos para o salão principal e nos sentamos na mesa da Sonserina. Me sirvo com tortinhas de abóbora e suco de abóbora, procuro Draco com os olhos mas não o acho... que estranho, se ele não aparecer até a noite, eu mato o desgraçado e chamo o Sr. Malfoy para puxar aquela orelha branca dele. Comemos e falamos sobre a festa de ontem, percebi que alguns alunos do último ano ficaram me encarando com um sorriso malicioso e sei que provavelmente eles me viram dançando com Pansy, bando de carniceiro que não podem ver um rabo de saia que já querem meter o pau. Theo do nada se levanta e diz que já volta, vejo ele indo até a mesa da grifinória e se sentando com Aurora, tá isso foi extremamente estranho. Será que eu tô em um mundo paralelo? Primeiro a gente se diverte com a grifinória e a lufa, Draco me beija e depois some, agora para completar o Nott vai se sentar na mesa da grifinória com uma Potter… não tem outra explicação além de mundo paralelo, é isso.

 Assim que todos acabamos de comer fomos até o traidor e a Potter, chamo o Theo e ele já se levanta para vir conosco. Antes de sair roubo um biscoito de chocolate da Aurora, não se recusa chocolate nem do capeta. 


— oque vocês querem fazer? — Pansy perguntou enquanto andamos pelos corredores


— picknick, música e skin care — digo animada, melhores coisas para se fazer quando você está em um dia meio merda, além de levantar a auto estima é divertido.


— eu topo, aonde vocês querem ir? — Reggie eu já disse que te amo? Fica tão lindo quando me apoia.


— perto do lago negro? — Blaise sugere e todos concordarmos.


 Fomos andando e conversando em direção ao lago, chegamos em uma parte onde tinha sombra por conta de uma árvore e decidimos ficar por ali. Sacamos nossas varinhas e com accio chamamos uma toalha de picknick, dois violões, um ukulele e um chocalho. Nos acomodamos na toalha, Reggie e Theo pegaram os violões, Blaise o chocalho e Pansy o ukulele. 


— oque vocês querem tocar? — Theo pergunta já conferindo as cordas 


— Magic Works do the Weird Sisters? — falo e geral concorda, Reggie começa com um dedilhado simples e Theo vai seguindo conforme a música evolui.


— and dance... your final dance — começo a cantar a música e vejo que Blaise começa a fazer uma percussão suave. — this is, your final chance — fecho meus olhos e continuo a cantar


To hold the one you love

You know you've waited long enough


So,

Believe that magic works

Don't be afraid

Of bein' hurt

Don't let this magic die

The answer's there

Oh, just look in her eyes


And make

Your final move

Mmm, don't be scared

She wants you to

It's hard

You must be brave

Don't let this moment slip the way


Believe that magic works

Don't be afraid

Afraid of being hurt

No, don't let this magic die

Ooh, the answer's there

Yeah, just look in her eyes


And don't believe that magic can die

No, no, no, this magic can't die


So dance, your final dance.



 Enquanto eu cantava, um filme passava na minha cabeça... sobre Draco e eu, aquela música fazia tanto sentido nesse momento da minha vida que era até engraçado. Como fala a música, não posso deixar esse momento passar e eu não vou, assim que eu conseguir vou chamar a loira para conversar e botar as cartas na mesa. Seguimos com uma mais animadinha, Theo, Pansy e eu cantamos "Do the hippogriff" e seguimos com "Naive" do the kooks.


— caralho a gente é muito bom — Theo falou se gabando


— comigo de vocalista a gente vai estampar a primeira página do profeta diário, amor - falo e jogo o meu cabelo para os lados, ainda sem ter me acostumado com ele curto.


— a gente se esqueceu do skin care — Pansy fala como se o mundo fosse acabar em 3 minutos


— calma — pego a minha varinha e falo — accio maleta de maquiagem — uma maleta aparece na minha frente e eu a abro, retiro várias loções e máscaras e as coloco sobre a toalha — só escolherem 


 Pego uma loção de super hidratação e nutrição, deixa a pele parecendo de bebê e tem um cheirinho ótimo de chocolate. Theo passa em mim e eu passo nele uma máscara verde de controle de acne, não que ele precise mas okay. Pansy coloca uma loção de vitaminas e minerais com a ajuda de Blaise e passa em Regulus um esfoliante, Reggie passa uma máscara de ácido salicílico no Zabini e assim estávamos todos com produtos no rosto. Convocamos algumas besteiras que tínhamos comprado no carrinho da honeydukes no trem e comemos alguns doces.


— que tal tocar "corduroy dreams" enquanto isso? — Pansy diz já pegando o ukulele


— bora — Blaise pega o chocalho para acompanhar, Reggie e Theo dessa vez não tocam e ficam apenas curtindo a música 


— How could I ignore you? — comecei a cantar e fui deixando a música me levar, me encostei em Reggie com cuidado para não manchar suas roupas de máscara.


"Trust me, I adore you

We're swimming through our dreams

Kiss me in the shower

For a couple hours

Though we're only sixteen

And sit down beside me

Don't call me daddy

'Cause that's just fuckin' weird

Promise that you'll stay here

You and I can lay here

Until the end of time


But girl

Well, don't you worry 'bout me

It ain't new to me

Feeling this lonely, darling

Girl, don't worry 'bout me

But if you're ever unhappy

Then maybe, baby, I must let you go

Let you go


Baby now it's best here

To lay me down and rest here

Let's dream of Corduroy

Work for what you love to do

And I will watch right over you

With your heart, I'll never toy

And you're the other half of me

Drink and sleep and laugh with me

Save me from myself

See I'm a fucking basket-case

Until I'm able to see your face

You saved me from myself


But girl

Don't worry 'bout me

'Cause it ain't new to me

Feeling this lonely

Darling baby, girl

Don't worry about me

'Cause if you're ever unhappy

If you're ever unhappy

If you're ever, ever unhappy

Then maybe

Maybe, baby, I must let you go...



 Ficamos mais um tempo ali apenas cantando, conversando sobre tudo e depois lavamos os nossos rostos no lago, na hora do almoço Theo e Blaise foram pegar comida e ficamos por ali mesmo. Draco ainda não tinha dado as caras e isso me deixava com um aperto no peito, só espero que ele esteja bem. 


— Hanna? — Pansy pergunta, levanto um pouco a minha cabeça do colo de Theo e a encaro


— hm? 


— tá tudo bem entre você e o Malfoy? Vocês estão meio estranhos desde que a gente chegou 


— real, até eu percebi... parecem meio distantes ou sei la, se evitando — Theo fala com uma cara preocupada, olho para as minhas mãos e mordo o lábio inferior.


— eu não sei... Ele ta meio estranho 


— certeza que é só ele? 


— eu não sei, Theo — digo já meio irritada, que caralho — eu não sei, ta? Ele ta me preocupando e...


— e...? — Pansy incentiva 


— e nada — por um segundo pensei em falar do beijo, mas desisto porque antes de falar para eles tenho que falar com o Malfoy.


— vou fingir que eu acredito, mas... e ae vocês estão ansiosos para o campeonato de quadribol esse ano? — Theo muda de assunto empolgado, percebendo que eu não estava querendo falar sobre a Barbie.


 Os meninos engajaram em uma conversa sobre o esporte e Pansy ficou falando que se eles não ganhassem esse ano, ela ia fazer eles engolirem as bolas uns dos outros depois dela arrancar com os dentes, selvagem. Fico apenas olhando o céu, já está um pouco mais escuro, deve ser umas cinco da tarde, pensando em tudo e nada ao mesmo tempo.


 Entramos na comunal e já está quase no horário de recolher, finalmente vejo Draco mas o filho da puta está de risadinha com a Greengrass e eu quase que vou lá eu mesma tirar o sorrisinho deles no soco. Levanto a cabeça e passo reto em direção ao quarto, não tô afim de ficar acordada por mais tempo hoje e aturar os pombinhos. Ontem ele me agarra e hoje está de conversinha com a Greengrass? A vai se fuder! Ele sabe que eu não suporto ela! Vou dormir e tento não pensar naquilo, mas falho miseravelmente. Ele some o dia inteiro e quando finalmente aparece tá agarrado na lambisgoia? Faça me o favor e crie vergonha na cara, pelo menos me trocasse por alguém melhorzinha né? Agora a Greengrass? Por que não foi com o Crabble de uma vez?  






  Domingo é o dia mais parado da semana, sem absolutamente nada para fazer e estava chovendo, o que só me dava mais vontade de mofar na cama e foi oque eu fiz. Eram umas 20:30 quando eu finalmente resolvi sair do quarto, estava morrendo de fome e sem paciência para aturar qualquer pessoa, ainda bem que não tinha ninguém a essa hora na sala por ser horário do jantar. Saio da comunal e vou até a cozinha, faço cócegas na pêra do quadro e adentro o local de uma vez sem problemas. Assim que eu entro os elfos já vem me servir como se eu fosse a rainha da Inglaterra, me levam até uma área da cozinha com mesa e percebo que eu não era a única pessoa com a ideia de vir na cozinha. Um corvino de cabelo castanho escuro está comendo um sapo de chocolate enquanto murmura consigo mesmo. Me aproximo com um sorriso no rosto e percebo que ele não me nota, me encosto na parede atrás de mim e digo:


— você costuma a falar muito sozinho? 


— MAS QUE CARALHO — ele leva um susto e quase cai no chão, riu da cara dele e percebo que ele está meio sem jeito — eu...


— parece que não fui a única vir roubar comida dos elfos 


— bem... não estamos roubando se eles nos oferecem de mão beijada


— justo


— mas e ae madame dos cabelos rosas, gostaria de dividir esses deliciosos doces com um humilde camponês? — ele pergunta de uma forma toda pomposa e formal 


— eu adoraria, Monsieur...? 


— Stiles Stilinski — ele fala e eu tento não rir, mas falho miseravelmente 


— Stilinski? Mas que porra é essa? — pergunto ainda rindo, quem dá o nome do próprio filho de Stiles? Ainda mais quando o sobrenome é Stilinski!


— e posso saber o da senhorita? Está rindo do meu então o seu deve ser uma verdadeira obra prima em forma de palavras 


— Hanna Riddle, senhor Stilinski — respondo ainda com um sorriso no rosto, me sento na sua frente e pego uma tortinha de morango


— oque te traz aqui, Riddle?


— fome 


— então, não seria mais adequado apenas ir jantar no salão? 


— digamos que não to com paciência para aturar gente no momento — dou de ombros 


— e eu tô incluído? Porque eu cheguei primeiro e não vou sair daqui 


— relaxa, você tá se provando aturável… por enquanto, pelo menos


— vou tomar isso como um elogio — ele sorri é caralho que sorriso fofo


— e você Stilinski? Algum motivo específico pra tá aqui?


— meu colega de quarto tava me deixando louco e se eu fosse para o salão ele ia continuar a querer falar sobre as rebeliões dos duendes


— e consequentemente você iria direto para Azkaban por homicídio qualificado —conclui, colegas de quarto que você não se dá bem é tipo uma das piores coisas no mundo, eu suponho.


— exatamente


 Voltei a comer e ele fez o mesmo, parece que todos os problemas de antes tinham dado um tempo na minha cabeça e agradeço a ele mentalmente por isso. Ele é bonito, não é maravilhoso como o Draco e o Theo, mas ainda sim bem bonito. O sorriso dele era a coisa mais fofa, era genuíno e sempre me arrancava um de volta.


— não me lembro de ter te visto por aqui, Stiles — falo com o cenho franzido 


— digamos que não sou a pessoa mais chamativa do mundo, ao contrário de você e desse seu cabelo rosa 


— e por acaso você tem algo contra o meu cabelo rosa?


— eu acho ele incrível, estava até pensando em pintar o meu dessa cor, o que você acha?


— ia ficar maravilhoso, certeza que ia conquistar geral aqui em Hogwarts


— será que eu consigo conquistar também as meninas de cabelo rosa? Ou elas iriam ficar com ciúmes? — ele sorri de lado sugestivo e eu mordo com muita força meu lábio para não sorrir tanto


— depende 


— do que exatamente?


— não vale contar, se não fica muito fácil


— eu sou um cara fácil 


— e isso é algo bom para você?


— é para você?


— talvez… — ele dá um sorriso de lado e eu mordo a tortinha de morango que estava na minha frente



 Conversamos por um tempo, descobri que ele era do 6 ano e que a comida favorita dele era sapos de chocolate, explicado. Depois de um tempo conversando ele disse que precisava voltar e eu fui com ele, saímos da cozinha depois dos elfos encherem novamente o nosso saco e seguimos juntos pelos corredores.


— quer que eu te leve até a sua comunal? — ele perguntou, ai que amor 


— não precisa, só se você fizer muita questão 


— eu faço muita questão — sorri com a resposta e como dito, ele me levou até a entrada da comunal da Sonserina. Me viro para ele e mordo o lábio inferior, ele sorri de lado meio sem saber oque fazer.


— então... a gente se vê por aí, Stilinski  


— é... a gente com certeza vai se ver por aí, Riddle 


 Ele me lança mais um sorriso e dá meia volta se afastando, mordo os lábios tentando conter o sorriso mas ele sai mesmo assim. Falo a senha e finalmente entro, fecho a passagem e assim que me viro vejo Draco sentado no sofá me olhando. Meu sorriso bobo vai morrendo aos poucos e aquela ansiedade volta com tudo, a calma de antes é substituída por borboletas no estômago e mãos inquietas. Droga de corpo que não tem controle sobre si mesmo.


— você tava aonde a essa hora? — ele pergunta do nada


— como assim?


— já tá tarde e você não foi jantar, tava aonde? — mas que menino atrevido!


— não sabia que lhe devia satisfações 


— não deve, é só uma pergunta 


— não é algo da sua conta, então não preciso responder 


— só perguntei por educação, não é como se eu ligasse para o que você faz ou deixa de fazer — ouch, essa doeu... pegasse mais leve com o meu pobre coração, poxa!


— ótimo...


— ótimo...


— a gente precisa conversar —  depois de um tempo em silêncio, solto antes de me dar conta, merda 


— sobre?


— a festa de sexta


— o que aconteceu na festa de sexta? 


— você sabe, aquilo lá — digo virando a minha cara, merda eu tô com vergonha? Que horror Hanna Marvolo Riddle! 


— não, eu não faço a mínima ideia do que você tá falando 


— como assim? Você não lembra por acaso?


— lembrar do que exatamente?


— você sabe, caralho!


— se eu tô falando que eu não sei, não sei, caralho!


— MAS QUE MERDA — respiro fundo e olho para ele — do que você lembra?


— da vocês girando a garrafa, depois disso é tudo um borrão


— o que? Você tá zoando né? 


— não, porque eu mentiria? Pera, eu fiz alguma coisa fora do normal? Por isso que você quer conversar?


— eu... não, não é nada — balanço a cabeça em negação e sorrio de lado — esquece, era só algo bobo


— certeza?


— Aham, eu vou indo dormir — me finjo de cansada — boa noite 


— boa noite...


  Não esperei por mais nada e sai voando para o quarto, Pansy estava lendo um livro e acabou se assustando quando entrei, não dei bola e fui direto para o banheiro. Tomei um banho quente, fiz minha skin care noturna, coloquei uma blusa do Draco que estava comigo e fui dormir. Me enfiei debaixo  das cobertas e me permiti deixar uma única lágrima cair, puxei a camisa que o idiota tinha esquecido na minha casa para o meu nariz e senti aquele cheiro que me drogava mais do que cocaína. Era incrível que para me recuperar do idiota do Malfoy, eu precisava do idiota do Malfoy... e foi com o cheiro dele impregnado no meu nariz, que eu dormi que nem uma pedra. Mesmo com todas as merdas na minha cabeça e todos os meus pensamentos se embolando, eu consegui apagar por conta daquele maldito cheiro dele. Eu só posso ter ficado louca, dormindo com a camisa daquele idiota mesmo depois dele admitir não lembrar de um dos momentos mais importantes entre a gente? Aonde que está o prêmio de trouxa do ano? Porque me desculpem vadias, mas ele já tem dono!




AURORA R. POTTER pov


Enfim segunda- feira, essa é a primeira semana que considero “séria” de aula, já na sala, nossa primeira aula é poções, minha matéria favorita por acaso, e Slughorn não economiza em passar matéria, nunca escrevi tanto antes, mas como é algo que gosto realmente não me importo. 

Estudar com Hermione é muito bom, ficamos sempre juntas nesse tipo de aula e acabamos sempre nos destacando como dupla apesar de precisar ficar explicando a matéria, basicamente traduzindo a aula pra Harry e Rony, o jeito em que eles são lerdos é impressionante, pelo menos em troca eles me pagam comida nas férias. 


A segunda aula é herbologia, outra matéria que eu curto, unica coisa que complica é a Sprout, ela sempre acaba sendo muito chata na explicação, e isso me irrita pelo fato que ela mais fala do que faz, então sempre acabamos embananado na parte prática. 

Essa aula foi com a Corvinal, então acaba sendo bem silenciosa (por incrível que pareça), o povo de lá é muito concentrado então a grifinória se sente “oprimida”, e tenta dar o melhor, essa mania de competição eles levam muito a sério 

Revisamos o visgo do diabo, essa planta me assusta um pouco pelo seu formato bizarro. Na parte prática fomos em uma sala escura e úmida pra mexer na bixinha, lá estava ela, algumas mudinhas bem pequenas, e honestamente acho um pecado pelo seguinte acontecimento: 


— Hoje vamos revisar a prática de expelir o visgo do diabo, todos lembram como faz? — Pomona questiona, ligeiramente Hermione ergue a mão — Srta. Granger? 


— Lumos Solem, cria luz do Sol na ponta da varinha expelindo o visgo 


— Muito bem, 5 pontos para sua casa Granger- Hermione sorri orgulhosa 


Seguimos a aula com algumas outras perguntas técnicas sobre a planta, e começa a rinha entre alunos da Corvinal e da Grifinória pra responder, nessa parte nao gosto de me meter, se eu erro sou massacrada, então evito. 


— Vamos então a prática! Preciso de dois alunos, para demonstrarmos, alguém? 


Eu e Harry erguemos a mão primeiro então fomos os escolhidos. 


— Certo...Sr. Potter , sua ultima aula do ano passado foi um desastre, espero que tenha estudado nas férias, pois o senhor hoje irá praticar o feitiço, enquanto Aurora será brevemente atacada. — Ela diz isso com um sorriso psicopata  no rosto, o qual me assusta


— Fica tranquila, estudei muito pra esse momento- Harry diz olhando para a professora, e logo me vem a mente os dias  lá em casa,em que ele  tentou recriar uma banheira de creme de avelã que os meninos viram em redes trouxas. Acho que é agora a hora da minha morte. 


A professora coloca o visgo ao lado de meu pescoço e em segundos ele começa a se retorcer e se envolver em mim, apertando cada parte do corpo em que toca


— Espere 7 segundos e faça o feitiço Potter! — Pomona grita de longe 


 Harry começou a tremer, e o visgo começou a me enforcar um pouco, e logo foi ficando mais forte, ele percebe e começa a tentar conjurar o feitiço.


— Lumo Sol — nada acontece 

— Lumi solim — nada acontece 

— Lumas Solas — NADA ACONTECE


Ele só pode ter problema cara, Ele olhava e tremia, vendo que não saia nada, começa a falar palavras aleatórias. Começo a enxergar meio preto, estou começando a ficar ruim de verdade. 


— Ha-Harry, eu to… — falo falhado, até que minha salvadora aparece 


— Lumos Solem — Luna Lovegood grita, até que todo o visgo saísse, ligeiramente coloco a mão no pescoço com marcas vermelhas da planta, e respiro fundo, vou até Harry e dou um soco na barriga dele 


— Seu idiota, vai estudar ao invés de fazer uma banheira de creme.- falo baixo em modo que só ele e Ron que estava perto escutem , Rony começa a ter um ataque de riso muito alto, e a sala começa a rir junto mesmo sem saber o que aconteceu, a risada dele é realmente contagiante. 


— Então, viram o que NÃO é pra fazer? Quem são os próximos? Aliás… 5 pontos para Corvinal por Luna salvar uma vida- todos soltam um riso curto 


A aula continua, e eu me aproximo de Luna


— Obrigada por me ajudar lá… 


— não há de quê, Harry, sei que é seu primo, mas é um frouxo, você poderia ter saído muito machucada. 


— O que estão falando? — Cho e Maya aparecem 


— Que o Harry é um idiota basicamente, gostariam de se unir ao grupo Anti Harry? — Luna responde 


— Com certeza! Nada contra mas sabe… Tira do sério às vezes — Maya fala rindo 


—“As vezes” — faço aspas com os dedos —  você tá sendo gentil demais…


— Ela foi gentil por que já gostei dele… — Cho fala ela tem dedo podre coitada 


— MEU DEUS CHO! SUPEROU NÉ? — to realmente impressionada com a informação, ela é tão querida e bonita, e o Harry é tipo… Harry? 


— Superei, eu acho vai que ele aparece lindo e inteligente do dia pra noite né, nunca se sabe.. 


— As Chances são nulas fica tranquila… — Luna diz e rimos


Chega o horário da próxima aula, nos despedimos e logo sigo para aula de Aritmancia,eu ODEIO aritmancia, pelo menos eu acho a professora simpática, eu não entendo essa matéria, muitas coisas não fazem sentido na minha cabeça, e preciso estudar três vezes mais que todo o resto das aulas, muita regra chata, enfim… acho que deu pra entender. 


A professora se atrasa, como isso é possível? também não sei pois ela é sempre muito pontual. 


— O que sera que rolou? — pergunto a Parvati que estava do meu lado. 


— Pelo que fiquei sabendo andaram descobrindo que alguns alunos foram no andar proibido e tava cheio de coisa… Estranha? se é que você me entende, devem estar fazendo alguma reunião pra tentar achar possíveis culpados. 


Meu cu tranca. Como nunca tinha se visto antes, eu não sei se vão descobrir que estive lá, não sei se deixei algo, e se eu fui a única que deixei? E se eu for expulsa? Minha cabeça começa a criar muitas paranoias

A professora chega correndo e pede desculpas, ela começa a explicar como vai ser esse ano, e logo passa a matéria, eu não escuto absolutamente nada,entro na minha bolha de pensamentos e lá permaneço, até Parvati me cutucar 


— Escreve Aurora, tu vai se perder, volta pro mundo! 


— Ah, obrigada —  saio da bolha e começo a prestar atenção na aula, apesar de não entender nada pois perdi 90% da explicação. 


Filch abre a porta da sala e todos se calam e olham pra ele. 


— Desculpe,  Preciso de Aurora Riddle Potter. 


MEU CU NÃO PASSA UMA AGULHA, me levanto, pego o material e quando saio da sala James e Sirius estão lá fora, Filch nos leva até um corredor gigante 


— Vocês seguem até o final, lá tem uma porta, entrem e aguentem o que lhe esperam — ele diz com um SORRISO FULL DE MALUCO  no rosto. 


assentimos, pego na mão de James que estava suando frio. 


— Eu to com medo, será que fodeu? — pergunto baixo 


— OBVIO QUE FODEU — sirius fala nervoso — Walburga vai me enfiar uma estaca no cu vei se ela descobrir algo 


— Qualquer coisa tu se manda lá pra casa, se meus pais não descobrirem e matarem eu e Aurora,  é claro! — James rebate 


Chegamos até a porta e a abrimos, lá dentro estavam todos, literalmente TODOS que estavam envolvidos, Lupin fica em pé quando nos vê. 


— Eles não fizeram nada, deixe eles irem. — Remus diz 


— Sente-se sr. Lupin, sei que quer tirar a culpa dos seus amigos,  mas sei muito bem o que todos fizeram — Dumbledore diz aparentando estar muito bravo 


Sentamos todos em cadeiras afastadas, aparentemente uma sala de  detenção gigante. Dumbledore começa a falar 

— se fosse por nosso zelador, estariam todos expulsos dessa escola pelo primeiro período... mas como eu sou o diretor e não Argus. Sei que como era praticamente o primeiro dia, expulsão seria algo radical demais ao meu ver conforme as suas atitudes inapropriadas e quebras claras das regras. Confesso estar levemente surpreso pelo grupo que tenho a minha frente, tenho dos meus piores e melhores alunos nessa sala e isso me decepciona, ver que as pessoas que eu achei serem as mais espertas, serem as mais influenciadas a praticarem atos errôneos e ilícitos. Não sei o que aconteceu para tal mistura de grupos acontecer e nem sei se quero saber, mas aconteceu e infelizmente não para o melhor. Ao invés de finalmente se juntarem para algum benefício, formarem amizades decentes e saudáveis, vocês se juntam no terceiro andar para o uso ilícito e proibido nessa escola de drogas. 


— não sei o que eu estou fazendo aqui, sinceramente — Theo diz bocejando 


— senhor Nott, gostaria de ir ver por si mesmo o grande "THEODORE NOTT É UM GOSTOSO" em uma das paredes do andar proibido? Ficarei lisonjeado de lhe acompanhar 


— você me pegou velhote — ele sorri e pisca para o diretor 


— Bem, além dessa vasta declaração de amor próprio também achamos outras evidências de suas negligências. Entre elas estão: bitucas de várias marcas de cigarros, cabelo rosa por todo o chão, garrafas de bebidas por todo o lugar e um livro pertencente a Maya Black, que confesso ter me deixando levemente impressionado e ao mesmo tempo decepcionado senhorita Black — Maya abaixa ao cabeça a perceber os olhos do barbudo nela — além de claro, possuir meus informantes pessoais ou como vocês provavelmente os chamarão de X9, bocas de trombone ou dedos duros, como preferirem. 


Maldita Lavender Brown , eu tenho certeza que foi ela, ela viu tudo na comunal  e ficou de bico calado, era óbvio que ia ser uma babaca, que merda! 


— Vocês ficaram em detenção por uma semana, vou separa-los em grupos e tratem de se comportarem enquanto realizarem as suas devidas tarefas. Caso ao contrário seus pais serão informados dos acontecimentos e não creio que isso seja algo seus interesses. Alguma dúvida?


Pansy levanta a mão 


— não, senhorita Parkinson, não pode dar sugestões de grupos — ela revira os olhos e abaixa a mão, Dumbledore puxa um pergaminho e começa falar quem vai ficar com quem detenção — senhores Diggory e Nott, limparão o pátio e ajudar na limpeza do grande salão


— só pode ser brincadeira — O Nott fala 


— senhores Potter e Malfoy ajudaram os elfos domésticos na cozinha — eu preciso ver isso, todo mundo sabe o quanto os Malfoy e os Potter de odeiam, ja to prevendo uma guerra.


— O QUE? VOCÊ SÓ PODE ESTAR DE PALHAÇADA SE ACHA QUE EU, DRACO LUCIUS MALFOY, TRABALHAREI DE DOMÉSTICO JUNTO COM IMUNDO DO POTTER — O Malfoy berra indignado 


— Prefere limpar o banheiro da Murta que geme com não apenas o senhor Potter, mas os senhores Lupin e Black também? — Dumbledore pergunta e Draco fecha a cara — foi oque pensei, agora... Regulus Black e Sirius Black, ficarão encarregados na organização dos livros da biblioteca


— esse velho ta a cada dia mais louco — Sirius fala estagnado e Remus não muda aquela expressão de cu.


— Blaise Zabini e Remus Lupin, vocês dois ajudarão o professor Snape conforme suas necessidades — dois poços de silêncio — senhor Smith e senhorita Parkinson ajudarão a nossa querida professora Sprout a cuidar das estufas.


— ótimo, adora plantas, whoo — Pansy diz ironicamente e revira os olhos, como alguém não gosta de plantas? Mas devo concordar que a Sprout deixa a matéria meio chatinha


— senhoritas Black, Riddle e Potter ficarão responsáveis pela limpeza dos troféus 


Ótimo vou ficar com a minha tia que a família me odeia e a Maya com quem eu mal falo, perfeito.


— vocês começam hoje depois das suas determinadas aulas, daqui a pouco É o horário de almoço então tratem de comerem bem para aguentarem o dia — ele encerra com um sorris


Não sei o que esperar, na verdade não esperava nem que isso acontecesse, mas pra cada ação tem uma reação, e essa foi nossa consequência. 





MAYA BLACK pov


Foi uma manhã de primeiro dia de aula bem tranquila, por mais que a primeira aula tenha sido com o Snape e ele não se empolga muito com a minha existência, foi divertido ver ele irritado quando eu acertava as perguntas e ganhava pontos para a Corvinal. Eu acertei todas as perguntas.


Aula de Herbologia foi mais legal, teve o Harry tapado Potter fazendo merda, Luna salvando o dia e arrumando a bagunça dele. Conversei um pouco com a Aurora, ela na verdade é muito legal, não sei muito bem porque eu nunca falo com ela, faria sentido já que o James é primo dela e ambas têm interação direta com os marotos 


— Maya, como você conseguiu ser tão educada sobre o Harry na frente da Aurora? Você odeia ele! - pergunta Cho 


— Porque eu aprendi que não é uma boa ideia falar mal dos parentes dos outros na frente das pessoas — digo — Tipo uma vez eu estava reclamando do Rony perto da Ginny e ela ficou muito brava comigo, a mesma coisa aconteceu com o Fred e com Jorge, daí eu resolvi baixar a bola 


— Ou talvez seja só uma coisa dos Weasley - diz Luna que andava meio avoada, porém ainda prestando atenção na conversa 


— Bem não sei,mas achei melhor não arriscar — digo e logo me dirijo a Cho — E essa história de não ter certeza se passou a crush no Harry? 


— Né — Luna volta pro mundo — Tanta gente bonita nessa escola e gostar do Harry???? Não faz sentido 


— Sei lá, Potter é um sobrenome interessante sabe — ela começa a fantasiar, mas percebe e volta atrás — Não! Esse ano eu vou focar em mim mesma, nada de macho 


— Ok, mas tipo se tu realmente quer um Potter amiga, fica com o James, que beija bem, tem um rosto legal e ainda é cheiroso. Até onde eu sei o Harry é tudo ao contrário, de acordo com alguns boatos que tem circulado por aí


— Ou explora a sua sexualidade e vai na Aurora, muito melhor que esses dois — a Luna brinca e nós rimos, mas não deixa de ser verdade, a Aurora é realmente superior aos dois,nunca vou entender como os três são da mesma família 


— Então eu sou cheiroso, é? — a voz convencida e irritante  de James aparece atrás da gente no corredor 


— Bem, não agora — digo fechando o nariz, era como se ele tivesse nadado  no esgoto ou algo do tipo — O que aconteceu aí?


— Estávamos na aula do Hagrid e um sonserino conseguiu empurrar eu e o Sirius em cima de um enorme coco de hipogrifo — ele diz e eu dou uma risada, eles deviam estar provocando o garoto — mas agora o cheiro não sai e o Remus foi atrás de uma poção específica para tirar o cheiro e nunca mais voltou. Tu viu ele por aí ? 


— Não, ele deve ter se perdido nos livros ou em outras coisas para aperfeiçoar a poção, logo ele vem 


— Já faz uma hora — ele diz se balançando de um pé pro outro — Vocês sabem algo que possa ajudar? Já trocamos de roupa e tudo mas o cheiro não vai embora 


— Tenta ir na Madame Pomfrey, ela deve ter algo — Cho opina 


— Ou tomem banho com uma mistura de lágrimas de Fênix, lavanda e água gaseificada pode ajudar, bem sempre ajudou o meu pai com o fedor da nossa plantação de rabanetes


— Tem um feitiço que a Andrômeda usou no régulos quando ele tropeçou no esgoto perto da casa deles, só não sei se lembro direito. Fala do Régulos caindo que provavelmente o Sirius vai lembrar na hora 


— Ok,valeu eu vou ver qual das três opções dão certo


— Sim e quando acharem o Remus me falem, precisava falar com ele — digo andando em direção a sala de aula 


— Tá e depois aparece lá na nossa comunal, Sirius ficou preocupado, tu sumiu o final de semana inteiro — ele diz se afastando 


— Ele sempre sabe onde me encontrar e deve ter sido ótimo ficar atormentando os alunos do primeiro ano sem ter mais alguém brigando e dando sermão em vocês 100% do tempo 


— Sim, porém do mesmo jeito passa lá! — ele quase grita e eu só faço um joinha com a mão 


Nós três viramos a curva e entramos na sala do Slughorn, que já estava lotada de alunos, incluindo o Filch e a madame Norra. O que será que ele quer ali?


— Senhorita Black! Finalmente! — Slughorn diz ao me ver entrar


— O que aconteceu? — pergunto confusa



— O professor Dumbledore está chamando a senhorita para encontrá-lo na segunda sala do terceiro andar, Filch era de acompanhar até lá 


O que será agora? É o primeiro dia de aula, não tem muitos motivos para estar indo para lá agora … A não ser que...Não não é possível, ninguém viu a gente indo para lá sexta e obviamente ninguém do grupo dedurou nada, só se alguém acabou deixando evidências na torre, mas mesmo assim, espero que não.


Se for isso ele vai fazer o que, nos expulsar? Walburga e Órion Black vão surtar se realmente for isso, vão colocar a culpa toda no Sirius, fazer da vida dele um inferno e nenhum de nós vai sair de casa nunca mais.


Chegando na sala, vejo apenas Remus e Dumbledore, talvez não seja tão ruim, porém a cara deles não é nem um pouco boa 


— Eu vou ir buscar os outros professor Dumbledore — Filch diz fechando a porta 


Ele permanece em completo silêncio, apenas contemplando a folha de papel que havia em sua mesa, sento do lado de Remus, que não para de balançar a perna 


— Eles descobriram — ele diz em baixo tom no meu ouvido - Eles descobriram sobre Sexta 


— Merda! — sussurro — Tem certeza ?


— Sim, aquela folha ali tá com os nomes de todo mundo que estava lá sexta à noite


— Como eles…?


— Não sei, mas eu vou dar um jeito de nos tirar dessa


— Remus, não precisa, vamos achar uma solução lógica pra isso — digo, o que é verdade, lindo o que ele quer fazer pelos amigos porém se for o caso de expulsão, de todo mundo que estava no dia, Remus Lupin é a pessoa que mais precisa da vaga em Hogwarts 


— Eles não vão expulsar ninguém, se é o que você tá pensando — ele percebe a minha preocupação estampada na cara — Ter que lidar com os pais de todos esses alunos vai ser mais complicado do que qualquer coisa, provavelmente vai ser só detenção 


— Espero — seguro a mão dele, que sempre é quente — Ainda com os Malfoy e o Tom Riddle que não iam aceitar isso tão fácil 


Ele ri mas em questão de segundos fica sério de novo, quando o grupo inteiro dá sonserina entra na sala, Hanna está com uma cara péssima, provavelmente deve já estar xingando o Dumbledore de todas as maneiras possíveis dentro da cabeça dela. Nos cumprimentamos de longe e o grupo se sentou nas cadeiras do outro lado da sala 


Não muito tempo depois chegam os dois da Lufa Lufa, Cedrico sorri pra mim e retribuo, ele e Ambrose sentam em outro oposto da sala 


Ficamos todos uns cinco minutos encarando os próprios pés, até que Aurora, James e Sirius se juntam ao resto do grupo. Meus olhos encontraram os do Sirius mas ele desvia na hora, nunca o vi tão preocupado



Depois de uns 3 minutos o Dumbledore começa um enorme discurso sobre o porque estávamos ali e como estava chateado e nos separa em grupos para a detenção. Draco fazendo dupla com o James é a coisa mais divertida dessa semana, mas agora Sirius e Régulos ou pode dar muito errado ou pode dar certo, eu realmente não sei, os dois já foram amigos mas não sei se um dia voltam a ser de novo, ainda torço para que sim. Eu vou ter que fazer trio com a Aurora e com a Hanna, isso vai ser interessante.





HANNA MARVOLO RIDDLE pov.



 Estava na 2 aula do dia, particularmente a minha favorita, Slughorn estava explicando sobre a nossa primeira poção do ano: elixir para induzir euforia. Os ingrediente eram simples, 11 folhas de helária; 5 folhas de menta; suco de abóbora. O modo de preparo também não era nada complicado ou elaborado, prático e eficaz. Estava fazendo dupla com Pansy, ao contrário do se sempre, normalmente eu e Draco ficávamos juntos nessa aula por ser a preferida dos dois e sermos os melhores do nosso ano, mas não estava confortável em ficar do seu lado então pedi para Pansy trocar o Theo por mim hoje. Depois de um tempo nossa poção ficou finalmente pronta, Slughorn nos elogiou e falou que era a melhor do dia, isso até ele ver a de Draco. O Malfoy sempre foi o seu favorito, melhor aluno de poções de toda Hogwarts e isso desperta inveja de muitos corvinos. Snape antes de ser professor de DATDA era mestre de poções e como padrinho de Draco o ensinou muitas coisas, a Barbie o admira imensamente e o vê como um modelo a ser seguido. Snape quase foi o meu padrinho mas papai jamais copiaria o senhor Malfoy e por decidiu fazer de Bartô o meu segundo pai, confesso que prefiro ele do que o cabelo de vaca lambida, adoro Severus mas o tio Barty é uma das pessoas mais engraçadas que eu conheço, ele vive viajando e sempre traz presentes incríveis e histórias sensacionais das suas aventuras pelo mundo. Eu amo viajar e nós dois compartilhamos dessa mesma paixão, Paris é um dos meus lugares favoritos no mundo e uma vez fomos apenas nós dois, ele tinha assuntos a tratar no ministério francês da magia e eu aproveitei e o acompanhei, aprontamos cada uma que se papai sonhar em tudo o que fizemos, estaríamos mortos a tempos. 


Estava tão distraída que não percebi que Filch havia entrado na sala até que Pansy me chutasse por debaixo da mesa.


— ai — reclamei de dor


— algum problema, senhor Filch? — Slughorn perguntou e o aborto deu um sorriso meio sádico 


— Dumbledore precisa ver os alunos, Draco Malfoy; Theodore Nott; Regulus Black; Pansy Parkinson; Hanna Riddle; Blaise Zabini. — mas o que esse velho quer agora? — imediatamente 


— mas é claro, vocês escutaram crianças, juntem as suas coisas e sigam o nosso zelador, próxima aula nós continuamos — revirei meus olhos e fiz oque ele mandou, eu e Pansy fomos até a saída da sala já com as nossas coisas em mãos.


A galera já estava toda pronta e começamos a seguir o aborto pelos corredores até chegarmos na entrada do escritório do diretor, Filch diz a senha "tortinhas de abóbora" e subimos as escadas. Quando entramos já estavam Maya e o Lupin lá, Dumbledore parecia puto e assim que nos viu já começou uma parte do discurso que eu sei que viria, porque ele simplesmente não consegue resumir suas palavras. Para um dos bruxos mais poderosos do mundo, ter a incapacidade de encurtar um elóquio é frustrante, ele deveria fazer monólogo... tenho certeza que se daria bem, duas horas apenas do velho noiado falando alguma merda irrelevante parece algo bem do seu feitio extremamente entediante. Provavelmente seria conhecido como "Dumbledore o assassino das palestras, pensando em se matar mas está sem coragem o suficiente? Dumbledore e sua narrativa de 5 horas sem parar é o que você precisa para finalmente tomar esse passo, quem não se matar até o fim do show se mata depois só de lembrar que perdeu horas da sua vida naquilo".


— finalmente chegaram, confesso que de vocês eu já esperava então não posso dizer que estou surpreso de estarem envolvidos nisso — ele nos diz com uma cara reprovadora — apesar de o fato de terem se envolvido com grifinórios e lufanos ser algo realmente impressionante, não achei que chegariam a esse ponto


— será que alguém pode me explicar que merda que a gente tá fazendo aqui? — falo, já extremamente irritada por não saber do que toda aquela palhaçada se trata, apesar de já ter uma ideia.


— olhe o linguajar, senhorita Riddle, vejamos por acaso você se lembra dos acontecimentos de sexta a noite? Porque eu tenho certeza que o cabelo rosa no chão do terceiro andar sim, andar este que é proibido se me permite lembrar — ops, acho que agora eu tenho certeza do porque a gente 'ta aqui.


— talvez eu lembre...


— que bom saber que a memória da senhorita está intacta, ficaria preocupado se a de um velho de mais de 100 anos fosse melhor do que uma jovem de 16 


— o que não vai ficar intacta é essa sua cara horrorosa, seu velho idiota — Draco sussurra, mas pelo visto além de memória o diretor também tá bem de audição 


— disse algo, senhor Malfoy? 


— nada não — ele revira os olhos e eu me seguro pra não rir, deve ta se cagando com o fato do seu pai descobrir que ele aprontou logo no primeiro dia.


Argus volta e abre a porta, ele tinha saído? Atrás dele vejo, Aurora e os dois idiotas da grifinória e percebo que tem mais dois lufanos ali também.


— eles não fizeram nada, deixe eles irem — o Lupin disse, será que ele é burro ou só retardado mesmo? Até parece que isso vai funcionar, ela tá falando com o velho cafona que usa vestido de estrelinha e uns chapéus mais velhos e pontudos que os peitos da vó da Pansy, e não a porra do ministro da magia Fudge que é mais burro que uma porta. Cornélios talvez caísse nesse papo furado, uma vez fomos em um baile e ele estava para lá de bêbado, falando mais do que deveria sobre os assuntos do ministério e óbvio que papai usou isso ao seu favor e arrancou informações valiosas do idiota.


— sente-se senhor Lupin, sei que quer tirar a culpa dos seus amigos, mas sei muito bem o que todos fizeram — até porque se não a gente ia tá na aula e não nessa bosta de reuniãozinha de merda, corta o papo e pula logo para a parte que me interessa amor.


Nos sentamos em umas cadeiras que haviam pela sala e Dumbledore continuo em pé com a sua falação.


— se fosse por nosso zelador, estariam todos expulsos dessa escola pelo primeiro período... mas como eu sou o diretor e não Argus — ouch, essa doeu em mim — sei que como era praticamente o primeiro dia, expulsão seria algo radical demais ao meu ver conforme as suas atitudes inapropriadas e quebras claras das regras. Confesso estar levemente surpreso pelo grupo que tenho a minha frente, tenho dos meus piores e melhores alunos nessa sala e isso me decepciona, ver que as pessoas que eu achei serem as mais espertas, serem as mais influenciadas a praticarem atos errôneos e ilícitos. Não sei o que aconteceu para tal mistura de grupos acontecer e nem sei se quero saber, mas aconteceu e infelizmente não para o melhor. Ao invés de finalmente se juntarem para algum benefício, formarem amizades decentes e saudáveis, vocês se juntam no terceiro andar para o uso ilícito e proibido nessa escola de drogas. 


— não sei o que eu estou fazendo aqui, sinceramente — Theo diz bocejando 


— senhor Nott, gostaria de ir ver por si mesmo o grande "THEODORE NOTT É UM GOSTOSO" em uma das paredes do andar proibido? Ficarei lisonjeado de lhe acompanhar 


— você me pegou velhote — ele sorri e pisca para o diretor 


— Bem, além dessa vasta declaração de amor próprio também achamos outras evidências de suas negligências. Entre elas estão: bitucas de várias marcas de cigarros, cabelo rosa por todo o chão, garrafas de bebidas por todo o lugar e um livro pertencente a Maya Black, que confesso ter me deixando levemente impressionado e ao mesmo tempo decepcionado senhorita Black — Maya abaixa a cabeça a perceber os olhos do barbudo nela — além de claro, possuir meus informantes pessoais ou como vocês provavelmente os chamarão de X9, bocas de trombone ou dedos duros, como preferirem. 


Escuto alguém gemendo em decepção no fundo e já quero ver as tretas quando descobrirem quem foram os malditos que nos deduraram.


— Vocês ficaram em detenção por uma semana, vou separa-los em grupos e tratem de se comportarem enquanto realizarem as suas devidas tarefas. Caso ao contrário seus pais serão informados dos acontecimentos e não creio que isso seja algo seus interesses. Alguma dúvida?


Pansy levanta a mão 


— não, senhorita Parkinson, não pode dar sugestões de grupos — ela revira os olhos e abaixa a mão, Dumbledore puxa um pergaminho e começa falar quem vai ficar com quem na maldita detenção — senhores Diggory e Nott, limparão o pátio e ajudar na limpeza do grande salão


— só pode ser brincadeira — Theo resmunga e vejo o lufano revirando os olhos


— senhores Potter e Malfoy ajudaram os elfos domésticos na cozinha — ai meu Merlin, e a quarta guerra bruxa começa 


— O QUE? VOCÊ SÓ PODE ESTAR DE PALHAÇADA SE ACHA QUE EU, DRACO LUCIUS MALFOY, TRABALHAREI DE DOMÉSTICO JUNTO COM IMUNDO DO POTTER — tento me controlar para não rir mas acaba que não consigo e não sou a única, Draco se fudeu e admito até gostar, ele merece depois das merdas que tem feito ultimamente.


— Prefere limpar o banheiro da Murta que geme com não apenas o senhor Potter, mas os senhores Lupin e Black também? — Dumbledore pergunta e Draco fecha a cara ainda mais — foi oque pensei, agora... Regulus Black e Sirius Black, ficarão encarregados na organização dos livros da biblioteca


— esse velho ta a cada dia mais louco — Sirius fala estagnado e Remus não muda aquela expressão de bosta na cara, mas o conheço suficientemente para saber que deve estar morrendo de ódio por dentro.


— Blaise Zabini e Remus Lupin, vocês dois ajudarão o professor Snape conforme suas necessidades — Blaise se limita a apenas a revirar os olhos — senhor Smith e senhorita Parkinson ajudarão a nossa querida professora Sprout a cuidar das estufas.


— ótimo, adora plantas, whoo — Pansy diz ironicamente e revira os olhos, eu sinto a sua dor amiga... planta é um saco e a Sprout consegue deixar a matéria mil vezes mais entediante


— senhoritas Black, Riddle e Potter ficarão responsáveis pela limpeza dos troféus 


É agora que acontece um suicídio coletivo e uma matéria fresquinha para o profeta diário? Pensa "adolescentes se matam em Hogwarts por conta das regras e punições ridículas impostas por Albus Dumbledore" ia ser front Page.


— vocês começam hoje depois das suas determinadas aulas, daqui a pouco É o horário de almoço então tratem de comerem bem para aguentarem o dia — ele dá aquele sorriso bondoso mais falso que os peitos da Greengrass.


Filch nos guia até a saída e todos ficamos em silêncio até estarmos mais afastados, sinto meu rosto ficando meio avermelhado de raiva e eu juro que se esse velho vier com mais alguma palhaçada eu soco aquela cara de mingau estragado dele. Será que ele nunca ouviu falar em loção para rugas? Eu hein. Ficamos todos olhando para a cara um do outro sem saber o que dizer, estávamos ferrado e a palavra "fudeu" era a única coisa que eu conseguia pensar no momento.



Notas Finais


FICHA DOS PERSONAGENS — https://pin.it/46wkbjg


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...