1. Spirit Fanfics >
  2. These Are The Times >
  3. Eu me apaixonei por você Isabella

História These Are The Times - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Estou de volta com um capítulo legalzinho. 😊 Eu amo essa foto♥️♥️♥️

Espero que alguém ainda esteja acompanhando. 😬😬😬

Relevem os erros! 👇

Capítulo 8 - Eu me apaixonei por você Isabella


Fanfic / Fanfiction These Are The Times - Capítulo 8 - Eu me apaixonei por você Isabella

Pov Isabella

O meu relógio marcava exatamente 21h quando encerrou  minha última aula da sexta-feira. Arrumei minha bolsa e guardei meu óculos, coloquei meu casaco e a bolsa no ombro.

Saí da sala e vi Sophie e Kelsen paradas no corredor da minha sala.

- A turma de medicina não é aqui nesse andar. - Disse chegando perto delas.

Sophie logo me mostrou língua.

- Isafeia, como você começa a namorar e não conta nada para as suas amigas? - Kelsen perguntou.

Fiz careta e mostrei língua pra elas.

- Vocês que me abandonaram, uma só quer saber de Dier, enquanto a outra tá quase casando com o Chambers. - Disse pegando pelo braço delas e caminhando até o elevador.

- E a Isabella só quer saber de Croydon. - Sophie disse.

Sorrimos e eu chamei o elevador.

- ELE DISSE QUE ME AMA E ME PEDIU EM NAMOROOOO! - Tive um surto e gritei no meio delas.

Elas caíram na risada e ficaram olhando a minha felicidade explícita.

- Finalmente, eu vivi pra ver isso acontecer. - Sophie me abraçou aos risos.

Abracei ela e pulamos igual duas doidas. Eu estava feliz, muito feliz como nunca antes.

- Não vai me dar um abraço noiva do Chambers? - Baguncei com a Kelsen.

- Doida. Você merece isso faz tempo, parabéns. - Ela me deu um beijo no rosto e me abraçou de lado.

Eu estava eufórica no meio delas, como nunca antes, mas minhas alegria foi interrompida.

- Está feliz gorda de Westminster? - Dilara parou perto na minha frente.

- Se for por causa do Meyer, ele me ligou e está lá embaixo me esperando pra levar pra Croydon. - Chloe disse toda debochada.

Sorri falso pra elas e revirei os olhos.

- Ele também pediu você em namoro ou foi só eu? - Perguntei com um sorriso irônico.

Elas se olharam e caíram na gargalhada.

- Tá sonhando nerd baleia? - Dilara perguntou com o sorriso debochado dela.

- Como faz pra passar pela porta de um elevador fofa? Ficou pequeno pra você, uma gorda igual eu até passa, mas essa coisa enorme que apareceu na sua cabeça, é um pouco difícil passar pela porta, melhor pular pela janela. - Fui debochada e sorri sarcástica pra ela.

Sophie e Kelsen soltaram alguns risinhos ao verem ela fechando a cara.

- Eu vou te matar garota. - Ela rosnou e veio pra cima de mim.

Reagi pegando pelos pulsos delas, vendo ela bufar e querer me atacar com tanta raiva que ela estava.

- Calminha minha linda. Quer que eu leve você até a enfermaria pra te aplicar um medicamento pra dor de cabeça? Só não garanto que vai curar a dor dos seus chifres também. - Disse apertando os pulsos dela.

A garota só ficou ainda mais doida, enquanto algumas pessoas pararam pra ver. É sempre assim quando eu encontro com ela pelos corredores.

- SUA VADIAZINHA, ME SOLTAAA. - Ela gritou entre dentes.

A criatura ficou mais brava que um cachorro enraivecido. Ela rosnava comigo.

- Respeita que eu não sou uma das suas amiguinhas, e vadiazinha é a senhora sua...

- Chega Isa, vamos embora. - Sophie se meteu no meio de nós duas.

Ficamos nos encarando por segundos. Dilara soltava fogos pelos olhos.

- As amiguinhas sempre te defendendo né, vagabunda. - Ela disse com um sorriso debochado.

Meu sangue ferveu, soltei os pulsos dela e quem foi com tudo pra cima dela foi eu.

- NÃO ISABELLA, PARA. - Sophie me pegou por trás e saiu me afastando.

- Eu vou matar essa garota Sophie, me solta. - Rosnei.

Sophie me arrastou pra dentro do elevador junto com a Kelsen tentando me acalmar.

- SOLTA ELA LOIRA, DEIXA ELA VIR AQUI. - A filha da mãe sorria debochada ao lado das amiguinhas.

- MANDA UM BEIJO PRO VERSTAPPEN! - Gritei antes de o elevador se fechar.

As meninas caíram na risada ao verem a cara dela de fúria de novo. Quando o elevador fechou eu me escorei na parede e respirei fundo.

- Aiai Isa, quer ser expulsa perto de você se formar? - Kelsen perguntou.

- Eu vou me formar e quebrar a cara dela ainda... é por isso que o pobre do piloto não aguentou e chifrou essa coisa. - Respondi puxando mei celular do bolso do meu casaco.

- A garota é tão burra que não descobriu que foi com você que ele traiu ela. - Sophie disse aos risos.

Sorri junto com elas. O elevador parou no térreo e saimos de dentro, o povo já comentava sobre o Tom e Jerry de Westminster.

Quando saimos da Universidade avistei o carro do loiro estacionado do outro lado da rua.

- Hum, eu conheço bem essa lamborghini. - Sophie disse sorridente ao tocar meu ombro.

Sorri quando vi a porta do carro se abrindo e ele saindo de dentro.

- My boyfriend, honey! - Pisquei pra ela me achando.

Elas caíram na risada.

- Vejo o sorriso no rosto de quem vai transar muito no fim de semana. - Kelsen disse aos risos.

Sorri e pisquei pra ela.

- Por mim e por vocês parece. - Baguncei.

Elas fizeram cara feia pra mim.

- Nossos boys estão em concentração. O meu eu vejo só no domimgo. - Sophie respondeu.

- O meu só na segunda-feira. Mas eu sou tão sortuda que eu vou pegar folga do trabalho e ele também. - Kelsen disse.

Sorri e vi meu loiro chegando perto de mim, meu coração acelerou como na primeira vez. A atenção das pessoas se voltou pra gente, das meninas principalmente.

- Oi meu bem! - Ele disse me abraçando e dando um selinho nos meus lábios.

Sorri e abracei ele também, passando os braços pela cintura dele.

- Oi loiro. - Dei um selinho nele também.

Afundei meu rosto no pescoço dele e senti ele me tirando do chão.

- Saudades de você meu amor. - Ouvi ele sussurando no meu ouvido e deixando um beijo na minha nuca.

Sorri e senti ele me colocar no chão de novo. Levantei minha cabeça do ombro dele e passei meus braços em volta do pescoço do loiro.

- Parece até que passou um século depois de ontem loiro. - Disse e dei outro selinho nele.

Max sorriu e beijou meu rosto.

- Lembra de nós Max? - Sophie chamou nossa atenção pra ela. - Somos suas amigas, cupidos do casal que agora descobriu que se ama e  resolveu esfregar na cara de toda Londres. - Ela disse.

Max sorriu e me soltou, ele deu um abraço e beijo no rosto de cada uma.

- Foi mal loira, mas agora meus olhos são somente da minha princesa... Ela é linda né? - Max piscou pra elas e depois me olhou todo lindo.

Sorri junto com as meninas. Max me pegou pela cintura, colando nossos corpos.

- Vocês são tão lindos juntos. - Kelsen disse sorrindo toda boba.

- Disso eu sei. - Pisquei pra ela e dei um beijo no loiro.

Max sorriu e afundou o rosto no meu pescoço. Olhei para as meninas e elas olhavam pra gente feito duas bobas.

- Vamos meu bem! - Max disse beijando meu rosto.

- Hum, vão pra onde? - Sophie perguntou toda curiosa.

Olhamos um para o outro e nos beijamos em meio aos risos.

- Nós vamos passar o fim de semana fora, mas nem pede que eu não vou te levar, tem lugar só pra minha namorada, sua loira feia. - Max mostrou língua pra ela.

Sophie revirou os olhos.

- Seu loiro feio... eu também vou sair em uma viagem romântica com o meu bebê e não vou convidar a sua princesa. - Sophie ergueu as sobrancelhas.

Caí na risada.

- Ela vai está ocupada comigo mesmo. - Max piscou pra ela e depois me deu um selinho.

- Ah seu loiro sem vergonha. - Sophie deu um tapa no ombro dele.

Nos despedimos das meninas e Max pegou na minha mão. Fomos até o carro dele, com as pessoas nos olhando cheio de cochichos.

- Foi boa a sua aula hoje? - O loiro perguntou beijando minha mão entrelaçada na dele.

- Bem chata, só tivemos revisão para a semana de provas. - Respondi.

Ele fez cara feia, me fazendo sorrir.

- Então nós vamos aproveitar e relaxar bastante durante o nosso fim de semana. - Max disse e me deu um selinho.

Chegamos no carro e ele abriu a porta pra mim gentilmente. Ele deu partida e seguiu em direção do meu apartamento. Chegando lá não encontramos ninguém, Kiara continua na Itália e volta no domingo, enquanto Lia está no plantão dela hoje.

- Porque não dormimos aqui loiro? - Me jogando no sofá e tirando meu tênis.

Max veio por cima de mim e me fez deitar no sofá.

- E você acha que eu vou dirigir até Croydon ainda? - Ele ergueu as sobrancelhas.

Sorri e passei meus braços pelo pescoço dele.

- Trouxe suas coisas? - Perguntei beijando ele.

Ele fez que sim.

- E o que vamos fazer agora então? - Perguntei tirando o boné preto que ele usava.

- O que você quer fazer minha princesa linda? - Ele perguntou me beijando.

Sorri e me envolvi no beijo, calmo e carinhoso.

- Eu estou com fome amor... eu tomo banho e você pede algo pra gente. - Dei um selinho nele e empurrei ele de cima de mim, levantando em seguida.

Max sentou no sofá fazendo cara feia.

- Não sente frio mesmo né? - Ele disse me puxando pela cintura e fazendo eu sentar no colo dele.

Fiz que não.

- Vou tomar banho pra ficar cheirosa para o meu loiro lindo. - Disse e dei um selinho nele.

Max sorriu e invadiu meu pescoço.

- Mas você já está cheirosinha meu bem. - Ele disse enquanto cheirava e beijava meu pescoço.

- Mas eu preciso tomar banho, antes de eu ir pra faculdade tive que passar no hospital, então eu preciso de banho. - Respondi revirando os olhos ao sentir os beijos dele.

- Ok.. Mas o que quer comer? Japonesa, tailandesa, italiana, chinesa ou inglesa? - Ele perguntou todo carinhoso.

- Hum, posso escolher mesmo? - Perguntei levantando as sobrancelhas.

Ele piscou como resposta.

- Então eu quero comida chinesa... e como sobremesa eu vou querer você. - Sussurrei perto do ouvido dele.

Levantei do colo dele e dei um último selinho nele. Max ficou rindo maliciosamente enquanto eu fui pro meu quarto.

Arrumei algumas coisas e tirei minhas roupa pra tomar banho, mas quando estava desfilando pelo meu quarto só de lingerie loiro abriu a porta.

- Uau. Quem é você gostosa? - Ele brincou se jogando na minha cama.

Sorri e peguei meu roupão.

- Você gosta do meu corpo assim loiro? - Dei uma voltinha perto dele me exibindo.

Ele sorriu balançando a cabeça em sinal de positivo.

- Perfeita, linda, maravilhosa, gostosa e minha namorada agora. - Max respondeu sentando na cama.

Fiquei toda boba e ele me puxou pra ele. Fiquei de pé na frente dele e vi ele abaixar a cabeça, e depositar beijos pela minha barriga.

- Desce mais loiro. - Provoquei ele enquanto fazia uma bagunça no cabelo dele.

Max levantou a cabeça e me olhou sorrindo.

- Quer a sobremesa agora? - Ele ergueu as sobrancelhas.

Sorri mordendo meus lábios, mas senti a mão dele afastando minha calcinha pro ladinho e me tocando com os dedos dele. Foi bom sentir, afastei um pouco minhas pernas e deixei minha parte mais livre pra ele tocar.

- Quer ou não quer amor? - Ele sussurrou me olhando.

Encarava ele mordendo meus lábios, mas soltei um gemido ao sentir ele penetrar dois dedos dentro de mim.

- Ah loiro, que gostoso! - Gemi ao sentir ele acariciar meu clitóris com o polegar.

Max sorria pra mim vendo minha expressão.

- Diz que você quer Bella. - Ele sussurrou outra vez.

Mordi os lábios e confirmei que sim.

- Uma rapidinha gostosa loiro... eu quero. - Respondi desesperada e abaixei a cabeça pra tocar os lábios dele.

Ele sorriu e me beijou.

- Eu também quero. - Max disse tirando os dedos de mim e fazendo eu chupar junto com ele.

Em seguida ele me pegou com pressa e me jogou contra a cama. O loiro veio pra cima de mim como um animal faminto, minha lingerie de linda e nova foi pro lixo, toda rasgada.

(...)

Quando cheguei na sala ele já me esperava com o nosso jantar arrumado em cima da mesa de centro, com uma garrafa de vinho e duas taças.

Max estava parado na varanda, eu fui até ele.

- Nosso primeiro jantar romântico loiro, está perfeito! - Disse chegando por detrás dele.

Abracei o loiro pelas costas e deitei minha cabeça.

- Porque você não disse nada sobre a briga do Tom e Jerry de hoje? - Ouvi ele perguntar sério.

- Porque não há nada de extrema importância nisso. - Respondi indo pra frente dele.

Passei meus braços pela cintura dele e ergui a cabeça pra encarar ele nos olhos.

- Eu já pedi pra você não cair na provocação delas Bella... Elas só querem prejudicar você meu bem. - Ele disse passando as mãos pelo meu rosto.

Sorri fraco e beijei a mão dele que acariciava meu rosto.

- Você também ficou com a Chloe? - Encarando ele.

Max fechou os olhos e pousou os lábios na minha testa.

- Eu te amo muito meu amor... só isso. - Ouvi ele sussurando.

Sorri e subi minhas mãos até os ombros dele, que passou os braços pela minha cintura e me abraçou forte.

- Minha namorada é você... a mulher que eu amo também é você meu bem... e todos sabem disso agora, então não aceita provocação dela ou de nenhuma outra, porque no fundo elas só sentem inveja de você e queriam estar no seu lugar. - Max disse enquanto dava beijos pelo meu rosto.

Deitei minha cabeça no peito dele. O loiro começou a fazer carinho nos meus fios soltos, vimos cair de uma hora pra outra.

- Hum. Nossa noite vai ser tão gostosa agora. - Ele disse levantando a minha cabeça e me dando um beijo.

Sorri durante os beijos e dei uma mordidinha na ponta da língua dele.

- Vamos dormir juntinhos e agarradinho loiro. - Disse durante o beijo.

Max parou o beijo e me encarou.

- Eu quero fazer amor com você na madrugada de novo... bem gostoso meu bem. - Ele sussurrou puxando meu lábio inferior pra ele.

Sorri e fiz que sim com a cabeça.

- Debaixo do edredom é tão gostoso loiro. - Ergui as sobrancelhas.

Max balançou a cabeça sorrindo e me deu outro beijo. Voltamos pra sala e sentamos nas almofadas que estavam arrumadas em cima do tapete. Ele abriu a garrafa de vinho e nos serviu, brindamos e começamos a comer juntos.

- Então, agora nós podemos deixar a camisinha de lado meu amor? Ele perguntou curioso.

Sorri de canto de deixei meu garfo, peguei meu guardanapo e limpei minha boca.

- O Liam não gostou de ver a menininha dele se tornando mulher de forma repentina. Respondi pegando minha taça de vinho.

Max passou as mãos pelo meu rosto e sorriu.

- Uma mulher linda meu amor... eu prometi pra ele que vou cuidar de você. Então tá tudo certo hora ou outra isso iria acontecer. - Ele disse pegando minha mão e dando um beijo.

Sorri e dei um selinho nele. Ouvi meu celular despertar em cima do sofá, peguei e era ligação do Chris.

- Quem é? - Max perguntou ao me ver com o olhar paralisado na tela.

Deixei o celular de lado.

- É o Chris. - Disse um pouco entristecida.

Max se aproximou de mim e encheu meu rosto de beijos e carícias.

- Não fica assim meu bem, a escolha é nossa e ele vai ter que aceitar... Eu só não quero que vocês dois se desentendam, briguem, se afastem por minha causa, ou então eu vou ter que afastar. - Ele disse sério.

Fiz que não com a cabeça e pulei no colo dele rapidamente.

- Não loiro, não diz isso meu amor. Por favor, eu não quero perder você nunca. Eu te amo mais que qualquer coisa no mundo e eu morreria se isso acontecesse de novo. - Disse tocando no rosto dele e enchendo de beijos.

Max também me encheu de carinho.

- Shiu, calma meu amor, está tudo bem. Eu ficar com você e te amar muito, ninguém vai me separar de você Isabella, ninguém. - Ele disse beijando meu rosto e tocando meu cabelo.

Trocamos carinho um com o outro e iniciamos um beijo cheio de amor e carícias. Um beijo lento, apaixonado e gostoso, soltamos alguns estalos e foi ficando intenso e quente. Max desceu os beijos para o meu pescoço, me fazendo arfar e meu corpo se acender de novo.

- Nós estamos transando muito esses últimos dias loiro. - Disse ao sentir ele apertando minha bunda por cima do vestido.

Max sorriu e continuou com os beijos pelo meu pescoço e nuca.

- Eu jamais vou me cansar de você Bella... É tão incrível fazer amor com você... você é maravilhosa meu bem. - Ele sussurrou durante os beijos.

Sorri com meus olhos fechados, enquanto sentia os beijos dele descendo para o meu colo.

- Sentir você em mim também é incrível... você é perfeito quando fazemos amor loiro, nós nos encaixamos tão bem um no outro. - Sussurrei levantando a camisa dele e deixando seu lindo abdômen exposto pra mim.

Max sorriu e parou o beijo pra me encarar nos olhos.

- É porque você é minha, você me pertence Bella. Tudo em você foi feito pra mim... eu fui o primeiro e vou seu último e único homem meu amor. - Ele disse tocando meu rosto e me olhando com um brilho intenso.

Sorri e voltei a beijar ele intensamente, mas as nossas atitudes foram calmas. Tocamos um o corpo do outro ainda por cima da roupa, trocamos várias carícias, beijos, sorrisos e declarações. Estamos tão felizes um com o outro, Max não esconde a felicidade, está estampando nos olhos e sorrisos dele.

Quando estávamos prestes a tirar nossas roupas, fomos interrompidos ao sentir um clarão invadindo a sala, alguém tinha chegado e ligado as luzes.

Olhei pra entrada da sala e lá estava o Chris, que abriu a cara ao me ver no colo do loiro.

- O que esse moleque faz aqui Isabella? Ele perguntou brabo.

Levantei do colo do Max e respirei fundo antes de encarar ele.

- FALA ISA? O QUE ESSE CARA AINDA FAZ AQUI DEPOIS DE TUDO O QUE ELE FEZ PRA VOCÊ? - Chris se exaltou e gritou comigo.

Ele estava enraivecido e quando olhava para o loiro parecia que queria avançar em cima dele.

- NÃO GRITA ASSIM COMIGO.... SE ELE ESTÁ AQUI É PORQUE EU QUERO E VOCÊ NÃO TEM NADA HAVER COM ISSO. - Gritei com ele também.

- AH NÃO? E DEPOIS QUE ELE FOR EMBORA E DEIXAR VOCÊ IGUAL UM LIXO, TODA DESTRUÍDA E COMO UMA MORTA? EU TAMBÉM NÃO VOU TER NADA HAVER COM ISSO NÉ? - Chris continuou gritando.

Max chegou perto de mim e tentou me acalmar, eu estava em lágrimas nesse momento.

- Calma meu bem! - Max pediu tocando meu rosto e limpando minhas lágrimas.

- FALA ISABELLA! - Ouvi Chris gritando comigo de novo.

Eu senti medo dos gritos, eu sou sensível e situações assim me deixam fragilizada facilmente.

- NÃO GRITA COM ELA ASSIM. - Max se virou de frente e gritou com ele também.

- CALA A BOCA SEU IDIOTA... VAI EMBORA DAQUI E DEIXA ELA EM PAZ. - Chris se aproximou mais e saiu empurrando o Max na agressão de perto de mim.

- PARA... DEIXA ELE. - Gritei me envolvendo no meio deles e ficando na frente do loiro.

Chris saiu de perto e respirou fundo.

- Você está bem? - Perguntei tocando e beijando o rosto do loiro.

- Sim, mas se acalma meu amor, por favor! - Ele pediu tocando meu cabelo e deixando um beijo na minha testa.

Abracei loiro bem forte.

- Então é isso né? Ele chega todo carinhoso, cheio de conversas e você cai na dele direitinho... Mas depois disso tudo, ele vai embora Isabella, vai sumir da sua vida e sair por aí pegando todas as garotas de Westminster e até suas amigas se bobear... enquanto você vai ficar como semore fica quando isso acontece, fragilizada, destruída e quase igual uma morta. - Chris voltou a abrir a boca.

Soltei o loiro e me virei de frente pra ele de novo.

- CALA A BOCA... NÃO FALA ASSIM. - Gritei em meio as lágrimas.

Senti as mãos do loiro no meu ombro, tentando fazer eu ficar calma. Enquanto o Chris se calou e passou as mãos na cabeça.

- Nós podemos conversar igual pessoas normais agora, ou tá difícil? - Perguntei encarando ele.

Chris balançou q cabeça e veio na minha direção novamente.

- Manda esse cara ir embora daqui Isabella, ou então eu vou fazer com ele q mesma coisa que da última vez. - Chris disse olhando feio para o Max.

Me virei para o Max de novo e abracei ele.

- Para... você não vai fazer nada com ele. - Disse afundando meu rosto no peito do loiro.

Senti as mãos dele no meu cabelo, Max colou os lábios na minha cabeça e me encheu de beijos.

- Melhor eu ir embora Bella. - Max sussurrou perto do meu ouvido.

Comecei a chorar de novo.

- Não loiro, fica aqui... Ele não vai fazer nada com você. - Disse beijando o peitoral dele por cima da camisa.

Ele levantou meu rosto, fazendo eu encarar ele.

- Não é por isso amor, mas é melhor vocês conversarem sozinhos,minha presença aqui só vai piorar ainda mais a minha situação com ele. - Max disse olhando nos meus olhos e secando meu rosto.

- Bem que você sabe... seu desgraçado. - Ouvi Chris se envolver entre nós.

- CALA A BOCA CHRIS... POR FAVOR. - Gritei com ele.

Ele suspirou fundo e saiu da sala, me deixando sozinha com o loiro. Fechei os olhos e deixei as lágrimas rolarem.

- Shiu, fica calma meu bem. - Max pediu tocando meu rosto de novo.

- Você não vai sumir de novo né? - Perguntei com uma dor no peito ao encarar ele nos olhos.

Max me puxou pra ele e me abraçou forte.

- Qual a parte do "Eu te amo, você é a mulher da minha vida" que você não entendeu Isabella? - Ele me perguntou.

Sorri fraquinho e passei meus braços pelo pescoço dele. Fiquei na ponta dos pés pra alcançar o tamanho dele.

- Desculpa loiro, mas é tudo tão... - Ele me interrompeu com um selinho.

Sorri e acariciei a nuca dele com as unhas.

- Eu sei que é tudo muito complicado e tão repentino que é até difícil de acreditar ou confiar em mim de novo... Mas eu não vou te abandonar meu amor, eu não vou sumir da sua vida de novo... nós vamos ficar juntos e nada vai me afastar de você agora... Confia em mim Bella... Eu te amo meu bem. - Max sussurrou com os lábios colados no meu.

Sorri e chorei ao mesmo tempo. É uma sensação misturada com a outra, e são as sensações mais intensas do mundo.

- Eu amo você meu amor, muito, muito, muito... - Sussurrei e dei vários selinhos nele.

Max sorriu e foi afastando nossos rostos, ele limpou minhas lágrimas e deu um beijo na minha testa.

- Fica tranquila amor... qualquer coisa me liga, depois eu volto de novo. - Ele disse me soltando.

Confirmei com a cabeça e dei um último beijo nele. Entreguei minhas chaves e Max foi em direção da porta, enquanto eu fiquei parada no meio da sala. O loiro abriu a porta e antes de ele sair me jogou beijos e sussurrou um "Eu te amo", me deixando segura e fazendo eu sorrir.

(...)

Depois de um bate boca, briga e muito choro, eu acabei deitando no sofá com a cabeça em cima das pernas dele, enquanto ele fazia um carinho no meu cabelo.

- Então me promete que vai se cuidar, não vai deixar ele te fazer sofrer novamente, o que eu sei que é impossível se tratando dele e ... - Interrompi Chris com risos e pedi pra ele dar uma pausa nessa raiva que ele sente do loiro.

- Ele me ama... eu sei que sim, eu sinto que ele me ama, mas só quem me entende é ele mesmo. - Disse.

Chris sorriu e levou minha mão ao alto, dando um beijo nela.

- Eu só quero evitar que tudo aquilo se repita Isa. Não parece, mas eu sofro junto com você, igual todos. - Ele disse entrelaçando minha mão na dele.

- Eu te amo muito, amo todos vocês e sei que eu posso contar com vocês pra tudo. Então eu só peço que você respeite a minha relação com ele agora, só isso.... Vai ficar tudo bem e não vai acontecer nada, mas se acontecer que eu espero que não aconteça, aí você joga tudo na minha cara e bate a porta da sua casa na minha cara também, quando eu te procurar pra chorar no seu colo igual um bebê. - Disse me sentando e abraçando ele.

Chris sorriu de canto e me apertou no abraço.

- Se ele fizer alguma coisa com você, pede pra ele preparar aquela linda carinha dele antes, porque eu vou procurar ele na Alemanha ou até mesmo no Japão, só pra quebrar a cara dele de novo. - Chris disse sério.

Eu revirei os olhos e desfiz nosso abraço.

- Chega Chris... Você aceita um vinho? - Disse me levantando e pegando a taça e a garrafa.

Ele sorriu.

- Pelo menos ele não economiza com você... esse vinho é caríssimo. - Chris disse pegando a outra taça.

Sorri e servi as taças, deixei a garrafa na mesa e voltei para o sofá.

- Você estragou nossa noite romântica. - Disse e bebi um gole do meu vinho.

Chris caiu na risada e depois bebeu o vinho dele.

- Ainda bem, porque o filho da mãe já ia arrastar a minha princesa pra cama... eu te salvei Isabella. - Ele começou a implicar.

Revirei os olhos.

- Nós somos namorados, é normal ele me arrastar pra cama. - Disse segurando o riso.

Ele fez cara feia.

- Isa camisinha princesa, porque eu não mereço ser tio de um mini alemão loiro e feio. - Chris disse.

Mostrei língua pra ele.

- Ele é lindo... mas agora eu tomo anticoncepcional, porque o Liam também não quer ser titio. - Disse levantando as sobrancelhas.

Chris me olhou sério rapidamente.

- Porque anticoncepcional se você não podia tomar antes? - Ele ficou confuso.

Ele ficou confuso.

Sorri sem graça.

- É que dessa vez nós não usamos... - Ele me interrompeu no mesmo momento.

- Não me diz que ele já... - Eu interrompi ele dessa vez

- Não me mata, eu tomei a pílula do dia seguinte e tá tudo bem. Eu fiz alguns exames hoje com o Liam e também está tudo bem. - Disse e bebi outro gole do meu vinho pra não encarar ele.

Chris revirou os olhos e jogou a a cabeça na cabeceira do sofá.

- Ah alemão desgraçado... tá fazendo a minha princesa deixar de ser menina inocente. - Ouvi ele choramingar.

Sorri.

- Nós nos amamos, isso é normal e iria acontecer hora ou outra. - Disse e pisquei pra ele.

Chris deu aquela revirada de olhos e ficou encarando o teto, eu fiquei na minha e bebi meu vinho tranquilamente, até ele falar de novo.

- Tem uma pessoa querendo falar com você Isa... eu posso mandar ele subir? - Chris perguntou fazendo cara de pedinte.

Fiz cara feia, já imaginei até quem era.

- Não vai me dizer que é aquele piloto filho de uma pu... - Ele me interrompeu.

- Calma princesa, ele só quer conversar com você é pedir desculpas por tudo o que aconteceu. - Chris disse.

Joguei minha cabeça pra trás e fiquei calada.

- Por favor meu amor, ele está louco querendo falar com você a dias... Ele é legal e está igual um pateta lá embaixo só esperando você aceitar falar com ele. - Chris insistiu.

Fiquei calada por minutos, enquanto ele insistia, mas foi só eu lembrar da minha noite com ele que o sorriso brotou na minha face.

- Isabella! - Chris insistiu novamente.

Sorri e balancei a cabeça positivamente.

- Tudo bem, pode mandar ele subir. - Aceitei.

Chris sorriu vitorioso e antes de ele levantar me deu um beijo no rosto. Ele sumiu pra cozinha falando no celular e depois voltou, dois minutos depois ouvimos a campainha tocar, ele levantou e foi abrir, enquanto eu esperava bebendo meu vinho tranquilamente.

Pov Max Verstappen

Quando eu estava quase desistindo por tanto esperar, recebi uma luz. A garota aceitou falar comigo.

Enquanto eu subia o elevador até o andar dela, fiquei nervoso como nunca antes, me olhei no espelho igual uma mulher se olha antes de encontrar um homem, e quando elevador parou, meu coração disparou.

Saí e procurei pelo apartamento dela, antes de eu tocar a campainha respirei fundo umas trezentas vezes, quando a porta se abriu eu vi o Chris com um sorriso contagiante na face.

- Cadê ela? - Essa foi q primeira coisa que me interessou saber.

Chris sorriu ainda mais ao notar meu nervosismo e ansiedade.

- Relaxa, minha princesa é tão incrível que está te esperando no sofá com uma garrafa de vinho. - Ele piscou pra mim.

- Não brinca cara, você sabe que eu revirei Londres toda atrás dessa princesa... que vai ser minha. - Disse.

Ele fez cara feia.

- Ah amigo, tá complicado. Mas é melhor vocês conversarem sozinhos. - Chris disse batendo no meu ombro.

- Vai me deixar sozinho com ela? - Perguntei confuso.

Ele sorriu balançando a cabeça.

- Mas se comporta e saiba tratar bem a minha princesa. Eu vou dar uma voltinha, mas depois me liga que eu passo pra te pegar. - Ele piscou e saiu da porta pra me dar passagem.

- Tudo bem! - Respondi.

Chris saiu e foi em direção do elevador, eu fiquei fiquei parado igual um idiota na porta. Antes de o elevador se fechar o filho da mãe ainda brincou comigo.

- Qualquer coisa o quarto da princesa é o da última porta e não esqueça de usar camisinha. Mas seja cuidadoso e carinhoso dessa vez. - Ele piscou e o elevador se fechou.

Eu suspirei fundo mais umas trezentas vezes antes de entrar e ficar entre trancar ou não trancar a porta, mas por via das dúvidas, eu tranquei.

Caminhei até a sala nervoso e vi a garota dos meus sonhos sentadinha e com uma taça de vinho em mãos. O cabelo longo e lindo estava solto e percebi ela usando somente um vestido rosa claro de estampa florida, com as mangas longas.

- Boa noite! - Disse com a voz trêmula provavelmente.

Ouvi ela suspirar fundo e depois levantar do sofá, o vestido que ela usava destacava somente as pernas dela de fora, um belo par de pernas pra dizer a verdade.

- Ao invés de insultar você, querer te matar ou te expulsar da minha casa, eu te ofereço uma taça de vinho pra provar que eu sou educada. Mas não me confunda com uma interesseira e  também não pense que eu estou fazendo isso só pra te seduzir, levar pra cama e conseguir o que toda garota interesseira quer. - Ela expressou com uma face irônica.

Sorri e me aproximei mais dela.

- Eu aceito o vinho, mas dispenso as ironias ou sarcasmos. Eu só quero conversar com você e ter a chance de me desculpar por tudo. - Disse parando de frente pra ela.

Ela sorriu de canto. A garota parece uma anã de tão pequena na minha frente, a face dela continuava a mesma linda, linda, igual o sorriso que me encantou logo de cara.

- Ok. Tudo bem. - Ela disse.

A princesa que é uma princesa mesmo de tão linda, se virou de costas pra mim e foi até a mesa de centro, que estava bem arrumada e ela provavelmente estava jantando, mas tinha dois pratos.

- Eu gosto de comida chinesa. - Não suportei ficar calado.

Ela pegou a garrafa de vinho e caiu na risada.

- Pois é. O meu primeiro jantar romântico com o meu namorado e vocês ainda acham de me atrapalhar... A próxima vez eu vou pra Croydon, é mais seguro. - Ela disse e saiu da sala.

Eu fiquei confuso e fui atrás dela, que parou na cozinha e abriu um armário, tirou uma taça de dentro.

- Namorado? Croydon? - Perguntei.

Ela sorriu e virou a garrafa de vinho pra despejar o líquido dentro da taça.

- Sim. Mas é tão novo que poucas pessoas sabem, nem minha mãe sabe também. - Ela respondeu e me ofereceu a taça.

Peguei a taça das mãos dela, mas não fiquei feliz em saber da notícia.

- É o tal loiro de Croydon? - Fiquei curioso.

Ela sorriu e confirmou com a cabeça.

- Max, ele também se chama Max. Mas suponho que o Chris já tenha falado dele pra você mesmo, então eu não preciso dizer nada e mesmo que ele não tenha dito, eu também não vou dizer porque a minha relação com ele não interessa a ninguém. - Ela disse e também encheu mais a taça dela com o vinho.

Sorri falso ao olhar pra ela.

- Que ironia, uns começando e outros terminando. - Disse e bebi um gole do vinho, que por sinal é delicioso.

Ela me olhou com os olhow cerrados.

- É por isso que a sua namorada queria me matar hoje. - Ela disse com um sorrisinho lindo no rosto.

- Sério? - Perguntei incrédulo.

Ela fez que sim.

- Acho que já te contaram a história do Tom e Jerry de Westminster né! - Ela disse andando de volta pra sala.

Caí na risada ao lembrar da Kelsen me contando tudo.

- Sua amiga me contou mesmo, lamento por ela tratar você assim. - Disse seguindo ela.

Isabella sorriu e se virou pra mim, fazendo eu parar no meu lugar.

- As vezes é divertido, mas em outras ela pega muito pesado e por sorte a coitada ainda não conheceu o peso da minha mão naquele rostinho lindo dela de princesa. - Isabella me olhou séria e ergueu as sobrancelhas.

Fiquei parado na minha, ela se virou e andou novamente, chegamos na sala e ela gentilmente me convidou pra sentar em cima das almofadas no tapete.

- Bom, como meu namorado foi embora, eu vou continuar meu jantar, se quiser me acompanhar a comida está praticamente intocável. - Ela disse pegando um garfo.

Sorri e vi ela enfiando uma garfada generosa pra dentro da boca dela.

- Vai me oferecer o prato do seu namorado? - Perguntei sorrindo da cara que ela fazia comendo igual uma doidinha.

Ela largou o garfo e pegou o guardanapo pra limpar a boca dela.

- Esse prato aí quem estava comendo era eu, mas eu posso pegar outro prato e talheres pra você. - Ela disse se levantando.

Sorri e puxei pelo braço dela, fazendo ela sentar de novo.

- Não precisa, tá tudo bem. Só a sua simpatia já me agrada, pensei até que você fosse querer me matar antes de eu entrar aqui. - Disse.

Ela sorriu negando com a cabeça e pegou o garfo dela de volta.

- Eu gosto muito de comida chinesa, é a minha favorita. - Ela disse voltando a comer.

Peguei o garfo e também comi pra acompanhar ela no jantar. A garota parece uma criança comendo, ela é divertida e engraçada, as vezes se suja do nada, ainda vi ela se afogando com o vinho.

- O jantar realmente estava delicioso, só lamento eu não ser a companhia que você queria. - Disse e peguei minha taça de vinho.

Ela se escorou no sofá e também pegou a taça dela de vinho.

- Tudo bem, mas você é uma boa companhia, bem divertido e engraçado. - Ela me olhou sorrindo.

Sorri ao ver o sorriso dela, lindo e natural.

- Acho que chegou a hora de eu pedir desculpas pra você. - Disse me escorando no sofá e encarando ela.

Isabella mudou de expressão e ficou um pouco cabisbaixa.

- Porque você foi embora aquela noite e me deixou sozinha? - Ela perguntou me encarando.

Fechei os olhos e suspirei fundo.

- Porque eu sou um idiota, burro e imbecil como você mesma disse naquela noite. - Respondi tocando o rosto dela.

Ela soltou um sorriso sereno e bebeu o vinho dela.

- Exatamente. - Ela disse e caiu na risada.

Sorri junto com ela e balancei a cabeça.

- Você me desculpa? - Perguntei e desci minha mão do rosto para a mão dela que estava livre, estendida em cima da pena.

Ela sorriu e fez que sim com a cabeça.

- É claro... A minha vida está indo bem demais pra eu ficar guardando raiva ou magoa das pessoas... tá tudo bem Max, você está desculpado. - Ela disse deixando eu pegar na mão dela e entrelaçar na minha.

Senti ela tão feliz, tão plena e sendo tão verdadeira, sincera e agindo de forma natural.

- Você ama tanto assim o seu namorado? - Fiz a pergunta que eu sabia que a resposta não me agradaria.

Ela sorriu lindamente e me olhou nos olhos com um brilho tão intenso.

- Ama uma pessoa e saber que ela te ama na mesma intensidade é a sensação mais incrível do mundo... é lindo, é maravilhoso, é tão surreal tudo isso que eu estou vivendo... estou até com medo de que seja um sonho e depois eu acordar pra minha realidade. - Ela disse em uma felicidade explícita.

Sorri, mas por dentro me doeu um pouco ouvir ela falando tudo isso.

- Eu me apaixonei por você Isabella. - Disse sem medo do que eu iria ouvir dela depois.

Ela parou de sorrir e ficou vermelha.

- Isso é loucura, você nem me conhece, e o que nós tivemos naquela noite, foi só aquela noite e ponto... é impossível você se apaixonar assim tão rápido e ainda mais por mim. - Ela disse afastando nossas mãos uma da outra.

- Você é incrível garota... aquela noite mudou a minha vida completamente, e eu não estou mentindo meu amor. - Disse olhando nos olhos dela.

Isabella se sentiu desconfortável com p clima e desviou o olhar do meu, se levantou e foi recolhendo os pratos e talheres.

- É melhor você ir embora. - Ela disse sem jeito e se virou indo pra cozinha.

Me levantei do meu lugar e peguei algumas coisas, ajudado ela e indo pra cozinha também.

- Eu posso te ajudar? - Perguntei me posicionando ao lado dela na frente da pia.

Ela ficou sem responder.

- Numa boa Isabella, por favor! - Insisti, porque eu não queria sair se perto dela.

Ela sorriu fraco e levantou as mangas do vestido dela até os cotovelos.

- Sabe pilotar uma pia de louças sujas também, Max Verstappen? - Ela perguntou erguendo as sobrancelhas e levando as mãos ao cabelo, prendendo em um coque.

- Se tiver um avental eu posso tentar. - Disse também levantando as mangas da minha camisa até o cotovelo.

Isabella caiu na risada e foi até uma porta, era s dispensa, quando saiu de dentro, veio com dois aventais.

- Meu vestido também é muito bonito pra ser sujado. - Ela disse me entregando um.

Ela colocou o dela e eu o meu.

- Eu posso ir ensaboando e você só tira o sabão depoi, ok? - Ela ergueu as sobrancelhas.

Pisquei pra ela e voltamos pra pia. Lavamos tudo em meio aos risos, com ela me ensinando a tirar bem o sabão das louças. Quando terminamos a lavagem, eu fui enxugando e ela guardando tudo. Deixamos a cozinha limpa e eu segui ela pra sala, ajudei ela na limpeza de tudo e depois caimos no sofá.

- Acho que eu vou contratar você pra ser meu empregando doméstico, aceita? - Ela brincou comigo.

Sorri.

- Aceito senhorita Toledo! - Pisquei pra ela.

Isabella cerou os olhos pra mim.

- Como sabe meu sobrenome? - Ela perguntou pegando o celular dela, que estava jogado em cima do sofá.

Sorri.

- Isabella Melina Toledo, é lindo igual a dona... Eu gostei de Melina. - Respondi olhando nos olhos dela.

Ela se intimidou toda e desviou o olhar para o celular.

- Você precisa ir embora antes da chuva cair ou o meu namorado voltar. - Ela disse se levantando do sofá.

- Está me expulsando? - Perguntei me levantando também.

Ela seguiu pra varanda da sala, as cortinas estavam esvoaçantes com o vento forte que vinha de fora.

- Não, mas se quiser ficar aí pra conhecer ele... - Ela foi sarcástica.

Cheguei na varanda e parei ao lado dela, a chuva estava começando a ficar forte.

- A chuva já está caindo, só falta o seu namorado chegar pra eu acompanhar ele no vinho que ainda restou. - Disse.

Ela sorriu balançando a cabeça em sinal de negação e cruzou os braços.

- Até que você é legal, acho que eu vou desbloquear você nas redes sociais, te seguir e virar sua amiga... você consegue um boné e uma camisa da Mercedes pra mim? - Ela perguntou segurando o riso.

Caí na risada.

- Tá me achando com cara de Lewis Hamilton? - Perguntei erguendo as sobrancelhas.

Ela caiu na risada também e deu um soco no meu braço.

- Eu sou fã dele, esse ano eu não consegui ir pra Silverstone no gp daqui... minha prova caiu justo no dia e na hora da corrida, aí o Chris foi sozinho porque a Kiki estava viajando também. - Ela disse digitando algo no celular e depois bloqueou.

- Nunca assistiu uma corrida de dentro do autódromo? - Perguntei curioso.

Ela fez que não e foi até uma poltrona, sentou e me chamou pra sentar na outra ao lado dela.

- Só vejo pela TV mesmo, a única chance que eu tive de ver diretamente do autódromo, minhas provas não deixaram. - Ela respondeu deitando a cabeça na cabeceira da poltrona e cruzando as pernas.

Sorri e vi ela encarar a chuva que caía no momento, só foi ficando mais forte.

- Daqui a quatro semanas eu vou correr na pista do seu país. - Disse.

Ela sorriu serenamente e me olhou.

- Você foi incrível na pista de Interlagos em 2016, eu comecei torcendo para o Lewis, mas quando vi você voando naquela pista debaixo de chuva, foi muito emocionante e incrível. Foi como se o Brasil estivesse vendo o nascimento de um novo Ayrton Senna. - Ela disse com um sorriso lindo e encantador na face.

Sorri só de ver a felicidade dela nas palavras.

- Até pra mim foi emocionante. Aquele momento é algo inesquecível na minha vida e na minhas carreira... você gostou mesmo? - Perguntei sorrindo.

A felicidade dela me contagiou.

- Tá louco, eu nunca tinha torcido pra um outro piloto além do Hamilton até aquele dia... você foi espetacular... até quem odiava você teve que levantar e te aplaudir, reconhecendo que você é o menino prodígio da fórmula 1. - Ela disse não escondendo a felicidade.

- E atualmente? Você gosta de mim? - Perguntei curioso.

Ela me olhou sorridente.

- Continuo fã do Lewis Hamilton, mas torcendo para o Max Verstappen em algumas corridas, odiando o Sebastian Vettel, mas com agora com um dos olhow mirando o Charles Leclerc. - Ela disse e depois soltou uma gargalhada ao ver minha expressão de susto.

- Uau... mas você vai torcer pra quem no Brasil? - Perguntei curioso.

Ela sorriu e ergueu as sobrancelhas, me fazendo sorrir imaginando que fosse pra mim.

- Não, não é pra você se é isso que está pensando... eu quero o Lewis Hamilton ganhando no Brasil esse ano. - Ela disse fazendo meu sorriso se desmanchar todo.

- Então eu não vou conseguir o boné e a camisa da Mercedes pra você. - Disse virando a cara pra ela.

Ela caiu na risada e deu um tapa no meu ombro.

- Seu bobo... se você ganhar lá trás pelo menos a garrafa de champanhe pra mim, é melhor do que desperdiçar dando banho nos outros. - Ela disse.

Sorri e no mesmo momento ouvimos o celular dela tocar. Ela pegou o celular e sorriu ao olhar o visor.

- Eu preciso atender. - Ela disse levantando da poltrona e calçando um par de pantufas rosa.

Sorri e assenti com a cabeça. Isabella saiu da varanda e foi embora falando no celular, ouvi ela dizendo "Oi meu amor" assim que atendeu.

Fiquei sozinho vendo a forte chuva caindo, estava frio e começou a soltar alguns trovões também, minutos depois foi o meu celular que despertou no bolso da calça.

Atendi rapidamente e era o Chris, dizendo que não podia vir me buscar por causa da chuva que estava caindo, as pistas estavam muito molhadas e escorregadias. Mas a ligação foi encerrada na metade da nossa conversa, fui ver e tinha ficado sem sinal, segundos depois ficou tudo escuro, era a energia.

Levantei da poltrona e liguei a lanterna do celular, entrei pra dentro da sala e vi a Isabella vindo do corredor extenso do apartamento, também com a lanterna do celular dela ligado.

- Eu não gosto da chuva com raios e trovões assim, as pistas causam muitos acidentes. - Ela disse indo pra varanda de novo.

Segui ela e voltei ora varanda também.

- O Chris me contou da sua amiga, eu sinto muito. - Disse vendo ela cruzar os braços e se entristecer.

Isabella desligou a lanterna do celular e jogou na poltrona, vi ela limpando algumas lágrimas do rosto.

- Eu não gosto de lembrar disso... Foi a pior coisa que me aconteceu durante todo o meu trabalho. - Ela disse com a voz dela de garotinha fofa.

Desliguei a lanterna do meu celular e deixei ao lado do celular dela na poltrona. Cheguei perto dela e toquei seus lindos fios de cabelo.

- Eu posso ficar aqui? O Chris não vai conseguir chegar aqui pra me buscar. - Disse.

Ela sorriu fraquinho e levantou a cabeça pra me encarar.

- É claro que pode... melhor você aqui do que correndo riscos nas pistas molhadas de londres... mas e o Chris? Onde ele está? - Ela perguntou preocupada.

- Fica tranquila, ele conseguiu chegar em casa. - Respondi colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha dela.

Ela sorriu de canto e ficou olhando a chuva cair.

- Você está com frio? - Ela perguntou me olhando.

Sorri e peguei uma das mãos dela, ela estava gelada.

- Você está gelado Max... quer um casaco? - Ela perguntou ao sentir nossas mãos entrelaçadas e geladas.

- Você também precisa de um casaco, está muito gelada. - Disse tocando o rosto dela.

Ela sorriu nervosa e afastou minha mão do rosto dela.

- Vem comigo, o Chris tem alguns casacos aqui, você pode usar. - Ela disse toda sem jeito comigo encarando ela nos olhos.

Sorri de canto e assenti.

Isabella pegou o celular e ligou a lanterna de novo, eu segui ela pra dentro. Entramos no corredor e eu logo avistei as três portas, uma distante da outra. Entramos na porta do meio, em um quarto bonito, aconchegante, grande, bem decorado e gelado, o cheiro também era bom. Ela seguiu rumo ao closet do quarto e eu fui atrás dela.

A garota abriu uma das portas e ficou olhando por alguns segundos.

- Segura pra mim? - Ela pediu me dando o celular dela.

Peguei o celular da não dela e iluminei pra dentro do móvel cheio de peças de roupas. Ela foi revirando tudo e tirou um cabide com um casaco pendurado, que pareceu ser preto na minha visão.

- Esse aqui vai combinar com a sua roupa. - Ela disse tirando a peça do cabide.

- Entende de moda também? - Perguntei sorrindo.

Ela sorriu e pegou o celular dela da minha mão.

- Um pouco, eu aprendi com a Kiki. - Ela respondeu meu entregando o casaco.

Ela me ajudou segurando meu celular, eu vesti o casaco, que ficou quentinho e confortável.

- Ficou ótimo, mas você também precisa de um. - Disse pegando meu celular de volta.

Ela sorriu e fechou as portas do móvel.

- Não quer dormir agora? - Ela perguntou.

Fiz que não com a cabeça e ela sorriu de novo.

- Eu também não. Acho que posso te fazer companhia vendo a chuva e os trovões. - Ela disse caminhando pra fora do closet.

Segui ela e saimos do quarto, ela foi pra última porta e abriu, mas parou e se virou pra mim antes de entrar.

- Não bagunça comigo, eu ainda sou uma menina de cinco anos como todos dizem. - Ela disse sorrindo.

Sorri também e ela se virou pra entrar no quarto, deixando a porta escancarada pra mim entrar também. Entrei no quarto e senti logo o cheiro doce e suave, mas gostoso. É igualmente o quarto da casa do Chris, mas um pouco menor e com um closet pequeno também. As cores em rosa eram as mesmas, alguns detalhes e decorações também.

A cama dela é enorme, com travesseiros, lençóis e edredom rosa. Na cabeceira tem uma enorme prateleira, com um urso panda gigantesco e outros ursos no tamanho médio e pequeno.

- Uau... quando eu for ora China vou levar você comigo pra conhecer o zoológico de lá e ver os os pandas. - Disse ao ver ela sair do closet vestida com um casaco rosa claro até os joelhos.

Ela sorriu e veio até mim.

- Eles são fofos... parecem uma bola de pêlos grande. - Ela disse levantando o celular e iluminando a parede com a coleção de ursos.

- Sweet child! - Disse olhando diretamente pra ela, que ficou distraída olhando pra prateleira dela.

Isabella sorriu e levantou a cabeça pra me olhar também, ficamos encarando um ao outro por segundos, até eu ter o impulso de tocar no cabelo dela de novo. Ela ficou nervosa, mas deixou e até fechou os olhos ao sentir o carinho que eu fui fazendo no rosro dela.

Sorri ao ver ela sorrindo com os olhos fechados e rendida ao meu carinho. Desliguei a lanterna do meu celular e coloquei no bolso do casaco. Me posicionei de frente pra ela, que abriu os olhos e me encarou sorridente.

- Você é tão linda meu amor. - Disse tocando o rosto dela com as duas mais dessa vez.

Ela parou de sorrir e ficou nervosa, bem nervosa.

- É melhor voltarmos pra sala... e esperar a energia voltar. - Ela disse travando nas palavras.

Sorri e aproximei meu rosto do dela, que paralisou me olhando e já respirava pesado.

- Meu amorzinho... - Sussurrei com a testa colada na dela.

Ouvi os batimentos dela descontrolados, os seios dela subiam e desciam de tão forte que a respiração estava.

- Eu... eu não... você não... - Ela começou a tropeçar  as próprias palavras e deixou o celular dela ir ao chão.

Isabella passou as mãos pelo meu ombro e ficou alisando meu peitoral. Ela abria a boca, mas nada saía, somente o hálito quente e gostoso.

- Eu posso? - Sussurrei com a boca colada na dela.

Senti os lábios dela molhados, gelado e doce por causa da bebida.

- Eu não posso... não posso. - Ela disse afastando nossos lábios e abaixando a cabeça.

Peguei pelo queixo dela e fiz ela levantar o rosto pra me encarar nos olhos.

- Você quer! - Disse vendo ela fechar os olhos e apertar forte.

Ela soltou um sorriso lindo, mas fechou a cara de novo.

- Eu não posso... não posso estragar tudo agora... eu amo o Max. - Ela disse se afastando de mim.

Isabella saiu do quarto nas pressas, eu fui mais rápido e parei ela no corredor, coloquei ela contra a parede.

- Só um beijo amorzinho... por favor... seu beijo é tão gostoso... me deixa provar de novo. - Pedi tocando no rosto dela.

Ouvi ela suspirar fundo e ficar em silêncio. Eu continuei tocando no rosto dela, que paralisou mas gostou do carinho. O corredor estava completamente escuro.

- Por favor Isabella... só um beijo. - Insisti colando minha testa na dela.

A respiração dela continuava a mesma, e por segundos ficamos só sentindo isso. O cheio, o calor, o desejo de cada um, até ela mesma ter a atitude de aceitar o meu pedido e colar os lábios nos meus.

- Porque você mexe tanto comigo? - Ouvi ela perguntar.

Sorri com a pergunta e ao sentir os braços dela voltados para o meu pescoço.

- Eu também quero descobrir o porque você mexeu tanto comigo desde a primeira vez. - Respondi como um sussurro.

Ouvi ela sorrir pelo nariz. Isabella começou a fazer um carinho tão gostoso na minha nuca.

- Eu disse que você jamais iria conseguir se apaixonar por alguém como eu. E agora você conhece metade de mim, metade da minha vida e ainda quer ficar  ela... porque isso? - Ela perguntou chupando meus lábios levemente.

Sorri e chupei os lábios dela também, são deliciosos.

- Eu gostei de tudo o que descobri sobre você, cada detalhe só me encantou ainda mais... eu também me pergunto o porque de eu me apaixonar logo por uma menininha linda de cinco anos e que é toda complicada. - Disse passando minhas mãos pelo cabelo dela.

Ouvi ela soltar uma risada gostosa e levar as mãos até o meu cabelo.

- Complicada eu sou mesma, mas quando você descobrir tudo sobre esses meus complexos, acho que você não vai querer permanecer na minha vida e vai embora. - Ela disse com a voz baixa e sem muita expressão.

Sorri e colei minha testa na dela.

- A única coisa que me impede de ficar na sua vida agora é o seu namoro inesperado... mas quanto aos seus complexos posso dizer que eu iria encontrar a cura pra casa um deles. - Disse sugando os lábios dela levemente.

Ela sorriu e fez o mesmo que eu.

- Como seriam as curas para os meus complexos? - Ela perguntou tocando no meu rosto.

- Na hora da sua depressão eu posso ir até a China e trazer um urso panda enorme pra colocar no zoológico daqui e levar você lá todas as vezes que a tristeza aparecer no seu lindo rosto. - Disse tocando no rosto dela e deixando alguns beijos.

Ela soltou outra risada gostosa e contagiante.

- Eu sofro de compulsão alimentar também, qual seria o segredo pra essa cura? Que nem o meu psicólogo e nutricionista conseguem me ajudar na horas das minhas crises. - Ela disse desmanchando o sorriso e ficando cabisbaixa.

Dei um beijo na bochecha dela.

- Eu iria te abraçar bem forte, substituir comidas pelos meus carinhos e beijos, chorar junto com você, gritar junto com você até as suas crises passarem... eu não me importaria de ser chamado de louco junto com você. - Disse atenciosamente acariciando o rosto dela.

O clima de sorrisos sumiu, e agora ela estava em silêncio e só fez deitar a cabeça no meu peito, o que me fez sorrir, porque eu senti uma felicidade no coração. Comecei a fazer carinho na cabeça dela.

- Só quem conseguiu ficar comigo foi o Marcel nesses momentos. Ele sofreu junto, susportou minhas crises e nunca me abandonou... e eu sei que ele sim me ama de verdade e mais que qualquer outro... você dizendo isso agora parece tão fácil, mas não é, e na minha primeira tristeza iria perder totalmente a paciência comigo tentando me colocar pra cima, mas ver que nada vai funcionar e eu vou continuar na tristeza... na hora das minhas crises de choro e gritos você iria sair correndo dizendo que eu sou louca. - Ouvi ela dizer com uma voz de choro.

Apertei ela nos meus braços e dei beijos pela cabeça e testa dela.

- Mas se for pra ficar com você o tempo todo, te beijar como ele te beijava, te abraçar e ficar agarradinho com você assim como ele também ficava, eu suportaria tudo meu amor. - Disse acariciando os fios macios de cabelo dela.

Ouvi ela sorrir gostoso de novo.

- Não sei se isso é um defeito ou qualidade, mas eu sou muito carinhosa mesmo, e na prova de resistência ao meu carinhosos o Marcel suportava até o fim... tinha vezes que eu passava o dia inteiro atracada no pescoço dele igual um macaco, e ele nunca reclamou. - Ela disse aos risos.

Sorri também.

- Não tem problema, eu suporto tudo isso também, só pra ficar aqui do seu lado. - Disse.

- Você iria suportar ter que adiar seus compromissos só pra ficar agarrado em mim o dia todo, e eu te sufocando com tanto carinho? - Ela perguntou levantando a cabeça e chegando no meu pescoço.

Ela começou a me cheirar e me encher de beijos carinhosos, me fazendo sorrir.

- Pensando bem, acho que eu iria abandonar até o Gp de Mônaco só pra ficar agarrado em você e receber esses beijos de agora. - Disse aos risos.

Ela também sorriu, mas continuou com os beijos me fazendo revirar os olhos e contorcer meu pescoço. Ela foi ficando na pontinha dos pés pra alcançar minha altura e beijar meu rosto também.

- When life gets you down. We find a way to make it better. When days turn into dark. That's when we light it up together... - Por um impulso eu comecei a cantar pra ela.

- Eu amo essa música. - Ela sussurrou me dando um selinho.

- Eu também. - Sussurrei e dei outro selinho nela também.

Isabella sorriu e da ponta dos pés, pegou minhas mãos e seguiu comigo pra varanda da sala. Ela me fez sentar em uma poltrona e se jogou no meu colo, ela pegou meus braços e passou em volta da cintura dela, depois deitou a cabeça no meu ombro.

- These are the times that we've been praying for, these are the moments that we will not forget, this is the life that we've been waiting for, I wouldn't change it for nothing. - Ela também cantou a música, enquanto olhávamos para a chuva forte caindo junto com os trovões e raios.

Ela me olhou com os olhos brilhando e um sorriso encantador. Eu fiquei sorri pra ela também e fiquei feliz por saber que a garota nem lembrava que tinha namorado. Ela estava totalmente entregue nesse momento, eu puder sentir ela sendo só minha.

- Quando todas as fases ruins acabassem eu iria levar você pra um show do meu amigo, pedir pra ele tocar essa música e dançar coladinho em você como na nossa primeira vez. - Sussurrei com rosto coladinho ao dela e beijando seus lábios lentamente.

Ela sorriu e também beijou meus lábios.

- E onde seria esse show? Só pra eu saber de antecipação mesmo. - Ela disse com os olhow fechados e me beijando.

Sorri e também aproveitei o momento, fechei os olhos e continuamos com os beijos, lentos e carinhosos.

- Onde você quiser... eu te levaria em qualquer lugar desse meu amor. - Sussurrei sentindo o carinho dela na minha nuca durante o nosso beijo.

Ela sorriu e foi se ajeitando no meu colo, mas sem parar o beijo. Isabella sentou no meu colo com as pernas uma de cada lado do meu corpo. Minhas mãos pararam em cima das coxas dela, descobertas totalmente pelo vestido.

Alisei toda a coxa dela enquanto o nosso beijo foi ficando intenso, gostoso e caloroso. Ela estava entregue totalmente no momento.

- Se o meu namoro acabar eu vou te procurar pra chorar no seu colo. - Ela disse durante o beijo.

Senti meu coração acelerar, mas sorri ao perceber que ela ainda lembrava do infeliz do namorado. Lembrei do que o Martin me disse quando convenceu e insistiu pra garota dele se entregar pra ele de novo, e na mesma noite em que eu fiquei com a Isabella pela primeira vez. Eu traindo minha namorada, o Martin traindo a namorada dele e a garota dele traindo o namorado dela também, tudo na mesma noite.

- Assim como eu não me arrependi da nossa primeira noite juntos, você também não vai se arrepender de hoje. - Sussurrei entrando as minhas mãos pra dentro do vestido dela.

Alisei a bunda dela e depois apertei de leve, ouvindo ela arfar e deixar escapar um gemido durante o nosso beijo.

- Aquela noite foi incrível... mas tem certeza que eu não vou me arrendar e você também não vai fazer o que fez depois? - Ela perguntou diminuindo a intensidade do beijo.

Sorri e parei o beijo, olhando nos olhos dela e vendo ela sorrir lindamente pra mim.

- Não, claro que não meu amor... vai ser diferente dessa vez... Me deixa te provar? - Sussurrei subindo minhas mãos para o rosto dela.

Acariciei o rosto dela de forma doce, vendo ela sorrir e fechar os olhos, mas apertou forte como se estivesse com medo.

- Por favor... vai ser incrível meu amor... só me deixa te amar essa noite... você não vai se arrepender. - Sussurrei dando um selinho nela.

Ela colou o rosto no meu e me apertou pelo pescoço, a garota voltou a me beijar de novo.

- Me leva pro quarto, Max. - Ela sussurrou e me olhou nos olhos.

Sorri com o meu coração disparado, me arrepiei todo.





Notas Finais


É isso meus amores. Até o próximo. 🤟


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...