1. Spirit Fanfics >
  2. They Don't Know About Us >
  3. Extra

História They Don't Know About Us - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


HAHAHAHAHAHA Era pegadinha, segue a continuação ai e parem de me odiar!
Boa leitura!

Capítulo 2 - Extra


Draco POV

Eu parei ali, diante de todas aquelas pessoas, vendo os olhos dos meus pais sobre mim, e soube que eu ao menos poderia chorar.

Pessoas choravam em casamento.

Mas eu não poderia ser uma.

Astoria apareceu no meu campo de visão, com aquela música doce tocando ao fundo, e a cada passo que ela dava na minha direção eu sentia como se todas minhas razões para ser feliz houvessem acabado.

E como uma memória distante e triste, eu ouvi em minha mente a risada de Harry, e percebi que minha única fonte de felicidade seria uma triste lembrança, do que eu poderia ter sido.

Eu nunca mais seria feliz.

E eles nunca iriam saber sobre nós.

Mas o engraçado, é que não era uma memória distante e triste.

Não poderia ser, porque todo mundo se virou para trás ao ouvir o som daquela risada.

Eu senti que fiquei pálido ao ver Harry ali.

Todos ao redor começaram a cochichar, falando baixinho várias coisas, enquanto olhavam para aquela figura engraçada ao fundo do salão.

Ele não tinha feito questão de ser discreto, e ria, porque havia derrubado um vaso caríssimo no chão ao entrar ali tropeçando.

Tinha os cabelos totalmente desordenados, como de costume, e vestia roupas prestas casuais, com certo charme.

Eu sempre gostei de ver ele naquela jaqueta de couro.

Eu não sabia o que sentir ao ver ele ali, e Astoria passou a me encarar em questionamento.

Mas eu se quer conseguia desviar os olhos.

Eu não havia me despedido dele no último dia de aula.

Pedi para meu pai me buscar antes, justamente porque não queria ter que dizer adeus. Então eu apenas disse boa noite para ele em um dia, e nunca mais apareci.

Não confiava na minha força para dizer adeus a Harry.

Eu estava tremendo da cabeça aos pés ao ver ele avançar pelo corredor por onde Astoria estava caminhando, trazendo um arranjo de flores muito amassadas nas mãos.

— Não se importem comigo, não se importem comigo! — Vinha dizendo, quase como se não houvesse acabado de interromper a cerimônia, e de uma forma bizarra, isso me fez querer rir.

— Harry... — Sussurrei, ainda de olhos arregalados assim que ele parou diante de mim, parecendo ignorar o olhar chocado de Astoria — O que você está fazendo?

— Você não disse tchau — Foi a primeira coisa que ele falou, colocando as flores nas minhas mãos, e a essa altura minhas pernas parecia ter virado gelatina.

— Draco, quem é.... Isso? — Meu pai havia se levantado totalmente assombrado, parando diante de nós, e não fez questão de disfarçar o quanto desgostava de Harry apenas de olhar.

Ele não o achava divertido, bonito e incrível, como eu.

— Eu não vou deixar você se casar — Ele voltou a falar, ignorando meu pai — Se você não vai fazer algo sobre isso... Bem, eu vou.

Não consegui dizer nada, nem para ele, nem para meu pai, sentindo que ambos me encaravam em busca de uma reação.

— Um amante? Ele é seu amante? — Astoria questionou, e isso me fez ficar pálido, arregalando ainda mais os olhos, porque o tom de voz dela fez todo mundo começar a cochichar.

Harry tentou engolir uma gargalhada quando uma mulher desmaiou na primeira fila, e isso me fez acordar, beliscando o braço dele.

— É minha mãe — Falei entre dentes, vendo meu pai correr para socorrer ela, e aquela festa parecia ter virado um enterro — Harry, o que... você esta fazendo aqui?

— Você disse que eles não sabem sobre nós. É verdade. Eles não sabem sobre as coisas que fazemos, e se soubessem, teriam inveja do que temos. Eles não sabem o que é ficar acordado todas as noites ao seu lado, eles não sabem como é sentir tudo isso. Não sabem de todos esses anos, não sabem de como eu me sinto sobre você. Não sabem sobre todas as vezes que eu faço idiotices para te ver rir, e não sabem, Draco, de como sua risada é o meu som favorito. Eles não sabem de quanto tempo levei para ter coragem, não sabem como esperei tanto tempo para... Encontrar um amor assim — As palavras apenas pareciam fugir por seus lábios, sem medo, enquanto ele me olhava nos olhos — Eles não sabem que eu te amo. Eles não sabem, amor, sobre nós.

Ele estendeu a mão, com tanta segurança, e eu pisquei, olhando ao redor, vendo que todos pareciam me encarar.

Meu pai, ajoelhado no chão co minha mãe entre os braços, tinha uma ameaça clara no olhar, e naquele instante...

Eu não tive medo.

Entrelacei meus dedos aos dele, soltando aquele risinho que Harry me causava desde o primeiro momento, e isso fez o sorriso dele se expandir.

Eu não esperava, como tudo o que havia acontecido naquele dia, que ele fosse simplesmente me puxar pelo braço, usando a mão livre para segurar meu rosto, e chocaria nossos lábios.

Eu ouvi o som de várias pessoas arfando e exclamando atrás de nós, mas de uma forma totalmente fantástica, eu percebi que aquela casamento não poderia ter sido melhor.

Foi quando eu percebi, finalmente, que toda âncora tinha a sua corda. E Harry era a minha.

O beijo foi completamente empolgado, e eu sentia meu coração batendo tão rápido, que suspeitava que todos ali poderiam ouvir.

Embora tenha sido muito rápido, para mim foi como se uma eternidade houvesse passado enquanto ele me beijava, e eu só conseguia sorrir, vendo-o se afastar aos poucos, com um olhar muito carinhoso.

Harry se moveu, pegando as flores das minhas mãos, e eu franzi o cenho ao ver ele entregar para Astoria, que estava congelada nos encarando.

— Estou levando o noivo, então fique com as flores. É justo — Ele disse, e eu ri, tentando abafar o som com a mão, me virando para Astoria, que ainda estava com olhos arregalados.

— Eu sinto muito — Foi tudo o que eu consegui dizer, porque ao mesmo tempo em que meu pai largava minha mãe no chão ao entender que o casamento havia acabado, Harry pareceu achar uma boa hora para me puxar pelo braço.

Enquanto corríamos para fora, eu me virei por um momento para meu pai, congelado ao lado de Astoria, me encarando.

— É ele! Harry! Sempre foi ele! — Foi tudo o que consegui gritar, ouvindo a risada de Harry ecoar por todo o salão silencioso.

Assim que seguimos para fora daquele luxuoso local de evento, eu ri ao ver dois seguranças petrificados pelo caminho.

— Não queriam me deixar arruinar o casamento! — Ele explicou, me arrancando mais uma risada, e eu parei de andar, puxando o braço dele para fazer ele parar também, olhando para seu rosto, sem saber o que dizer.

— Harry... Eu nunca imaginei que você viria aqui!

— Bem, nem eu. Esse era só o plano B, Draco!

— Plano B?

— É claro! Se você não houvesse desaparecido de uma hora para a outra, eu teria te dito que o primeiro plano era você nunca se casar. Esse nosso último ano foi para você ver que não pode viver sem mim. Sua vida seria incrivelmente tediosa.

— Mas... então você sabia que eu sou apaixonado por você desde o primeiro ano? — Questionei com surpresa, mas a maneira como os olhos verdes praticamente dobraram de tamanho foi minha resposta, e eu me senti ficar envergonhado no mesmo minuto.

— O que?! — Bradou totalmente abismado, e eu dei de ombros, sem conseguir me explicar — Eu achei que você houvesse começado a sentir algo esse ano! Por causa do tempo que passamos juntos!

— Eu... — Comecei, sem saber o que dizer, e ele revirou os olhos.

— Sério mesmo Draco?! Nós poderíamos estar namorando há muito tempo — Ele reclamou, e eu sorri.

— Você... se sentia diferente antes?

— Você acha que eu faço malabarismo para qualquer um? — Piscou de lado, e eu me impulsionei para abraçar ele, sentindo meu coração batendo muito rápido — Vamos sair logo daqui, antes que alguém venha te procurar.

— Eu... não sei para onde ir agora. Meu pai deve estar insano de raiva — Falei ao me afastar, sorrindo quando ele entrelaçou nossos dedos, me puxando para seguI-lo, e eu arqueei o cenho ao ver uma moto parada ali na calçada, estacionada de qualquer jeito.

— É do meu padrinho. Ele emprestou quando eu disse que precisava arruinar um casamento com urgência. Só consegui descobrir o lugar hoje cedo. Envolveu um pouco de suborno, eu conto os detalhes mais tarde — Avisou quando eu arregalei os olhos.

— Harry você contou para sua família?!

— Quem você acha que me deu o dinheiro para o suborno? — Rebateu, revirando os olhos ao pegar um dos capacetes que estava pendurado ali.

Eu achei que ele fosse colocar na minha cabeça, mas ele se inclinou para mais um beijo, e eu me senti desmanchar em seus braços.

Sim, as consequências de fugir no meio do casamento iriam chegar em mim.

Mas naquele instante, elas eram tão pequenas perto do que eu sentia!

— Eu amo você — Cochichei para ele, vendo-o sorrir expansivamente para mim, tornando a me beijar.

— Eu também amo você. Preparado para conhecer os sogros?

— O que?!

— Todo mundo lá em casa está esperando para te conhecer — Ele avisou, agora colocando o capacete em mim, parecendo achar graça de como eu estava chocado.

— Nós... vamos para sua casa?

— Sim. Você vai conhecer meus pais, e então vamos compensar todos esses anos dando amassos no meu quarto. Exatamente como o planejado — Ele riu, e puxou a manga da camiseta, me mostrando os rabiscos em seu braço;

1.Comprar Flores

2.Arruinar o Casamento

3.Apresentar Draco para a família

4.Amassos no meu quarto

Ri, negando com a cabeça, vendo Harry subindo na moto após colocar o próprio capacete, estendendo a mão para me ajudar a subir, e eu me sentia um pouco apavorado, mas...

Feliz.

Sim, eu estava feliz.

Abracei o corpo dele, deitando a cabeça contra seu ombro, sorrindo sozinho.

Sim, agora eles sabiam sobre nós.

Todos eles.


Notas Finais


E fim!
Feliz 7 de setembro rsrsrsrs
Gostaram da fic?
Perdoem a brincadeirinha!
Espero que tenham gostado!
Alguma directioner sobreviveu????? Kkkkkkkkkk
Enfim, a fic foi inspirada na música da One Direction They Don't know about us ❤
Até a proxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...