História They dont know about us (Camren) - Capítulo 50


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camila Cabello, Camren, Fifith Harmony, Lauren Jauregui, Lgbt, Romance
Visualizações 391
Palavras 2.789
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 50 - Capítulo 46 - Sign Of The Times


“É 2018, e as pessoas podem ser quem elas quiserem... ou pelo menos deveria ser assim. Eu passei anos da minha vida preso em situações que me causavam estresse, ansiedade e muita tristeza. Eu tive que me esconder, e esconder quem eu amava, para satisfazer uma heterossexualidade compulsória que dita na sociedade que ser gay é errado e vergonhoso. Me disseram que eu perderia minha carreira, meus fãs, o respeito e o carinho das pessoas. E eu tive medo, muito medo, de que isso realmente acontecesse. Mas eu preciso vencer esse medo. Se vocês ficarem ao meu lado nessa nova jornada, eu ficarei imensamente grato e feliz, mas eu vou entender se vocês se afastarem. Vocês podem fazer isso, mas eu não posso mais me afastar de quem eu sou”, disse Harry Styles, um sorriso no rosto. A banda One Direction tinha convocado uma coletiva de imprensa para informar que o próximo cd seria o último e logo depois a banda entraria em hiato, com os integrantes seguindo carreiras solo. Harry tinha aproveitado a ocasião para se assumir publicamente como um homem gay orgulhoso de sua orientação sexual.

“Eu quero isso”, murmurou Dinah Jane, os olhos vidrados na tela do notebook.

“O que você quer? Carreira solo?”, perguntou Normani, rindo. Dinah Jane a encarou, estreitando os olhos.

“Com certeza”, disse Dinah Jane revirando os olhos, “claro que não, sua imbecil. Eu quero me assumir. Eu quero andar de mãos dadas com você na rua, quero poder postar uma foto nossa no Instagram e dizer o quanto eu te amo para todo mundo ouvir”, continuou a loira.

“Isso é mesmo tão importante?”, perguntou Normani, encarando Dinah Jane.

“É claro que é, Mani”, disse Camila, os olhos grudados na tela do notebook, “poder ser você mesma é o mais importante. Você não quer isso?”, indagou a cubana. Normani suspirou.

“Eu tenho a Dinah Jane comigo, o tempo todo. Nós trabalhamos juntas, nós moramos juntas a maior parte do tempo.... agora que a Ally já sabe nós ficamos super a vontade em casa, dormimos juntas toda noite, não precisamos fingir que  somos só amigas. A família da Dinah Jane sabe, a minha também, nossos amigos próximos sabem... não preciso de mais do que isso para estar bem com ela”, disse Normani, dando de ombros.

“Eu não quero passar o resto da vida assim, Mani. Eu quero estar com você por completo, e eu quero que todos saibam que essa mulher maravilhosa é minha”, murmurou Dinah Jane, acariciando o braço de Normani.

“Eu sou sua, e você sabe e eu sei disso. Não acho que precisamos de mais... mas talvez um dia, se isso for mesmo tão importante assim para você”, disse Normani, encarando Dinah Jane.

“Eu quero me assumir o quanto antes”, murmurou Camila, ainda prestando atenção à coletiva do One Direction.

“Eu não sei se isso é possível, Mila”, disse Ally, encarando a cubana com um olhar triste, “nós não podemos ser nós mesmas em quase nenhuma situação”, continuou a morena. Camila suspirou.

“Tem horas em que eu me pergunto em que porra eu me meti”, suspirou Camila, encostando a cabeça no encosto do sofá de Lauren e fechando os olhos.

A porta da frente do apartamento se abriu e Lauren entrou, o semblante fechado. Dinah Jane, Normani, Ally e Camila a encararam. A compositora jogou as chaves e a bolsa em cima da mesa, parecendo estar com raiva de algo. Camila se levantou imediatamente.

“O que foi, amor?”, perguntou, tocando o braço de Lauren. A compositora respirou fundo, depois se inclinou e deu um beijo rápido em Camila.

“Negaram o percentual da nossa proposta de compra”, murmurou Lauren, passando por Camila e se jogando no sofá, “nos ofereceram 5% apenas”, disse a compositora, encarando as amigas.

“E isso é ruim?”, perguntou Camila, se sentando perto de Lauren. A compositora respirou fundo.

“É, Camz... 5% não nos dá nenhum poder real de decisão”, disse Lauren.

“Com 5% a Lauren pode decidir a cor da capa do seu cd”, disse Dinah Jane, encarando Camila.

“Mas nós aceitamos assim mesmo. Eu e o Will agora temos uma ínfima parte da sua gestão”, murmurou Lauren.

“Mas vocês tem o Simon e Amy”, murmurou Camila.

“Sim, mas nossos percentuais combinados não são o suficiente”, murmurou Lauren, se levantando e indo para a cozinha.

“Ela tem estado muito preocupada com a sua gestão, Mila”, murmurou Ally, “eu não sei o que está acontecendo, mas não deve ser nada bom”, continuou a loira. Camila olhou para a cozinha, vendo Lauren apoiada na pia, a cabeça baixa.

“Ela está preocupada com PRs e tours exaustivas”, murmurou Camila. Dinah Jane deu de ombros.

“PRs são uma merda, mas não são isso tudo também... vai ter um segurança com você o tempo todo em que estiver com seu namorado”, disse Dinah Jane, fazendo aspas no ar. Camila sentiu seu peito se apertar. Lauren estava realmente muito chateada com algo que aparentemente não era tão horrível assim.

“Ela está preocupada com a pressão psicológica e emocional que você vai sofrer no momento em que seu álbum for lançado”, disse Normani, como se tivesse lido os pensamentos de Camila, “a gestão vai escolher suas roupas, os locais aonde você deverá ir, o que você vai dizer, o que vai postar nas suas redes sociais... basicamente eles compraram o seu rabo, e vão usá-lo para ganhar dinheiro fácil até sua alma querer sair do corpo”, continuou, encarando Ally e Dinah Jane.

“Vai ser horrível metade do tempo, mas um paraíso quando você estiver se apresentando e interagindo com os fãs”, disse Ally, encarando Camila. A cubana piscou.

“Vocês e a Lauren estão realmente me assustando”, murmurou Camila.

“Não precisa ter medo, mi corazón”, disse Lauren, voltando da cozinha e se sentando, passando um braço pelos ombros de Camila. A cubana se recostou nela. Lauren puxou o notebook, prestando atenção na coletiva do One Direction. Os meninos estavam dizendo o quão importante a banda era para todos, e o quão ansiosos estavam para apresentar suas novas músicas.

“Você vai trabalhar com eles nas carreiras solo, Lo?”, perguntou Dinah Jane, tentando aliviar o clima.

“Só com o Liam e o Zayn”, disse Lauren, “o Simon não quer que a sonoridade de todos soe muito parecida, então teremos três times diferentes trabalhando”, continuou a compositora, “eu ainda não acredito que o Harry conseguiu se assumir”, murmurou Lauren.

“Eu também quero me assumir”, murmurou Camila, enterrando o rosto no pescoço de Lauren. A compositora suspirou. Dinah Jane tinha um olhar triste no rosto.

“Você vai, eu prometo. E até lá, sempre podemos zoar com a gestão”, disse Lauren, o semblante mais tranqüilo.

“Eu faço isso o tempo todo”, disse Dinah Jane, rindo.

“Como assim?”, perguntou Camila, encarando as duas. Ally deu uma gargalhada.

“Dinah Jane curte toda e qualquer publicação de orgulho gay no Instagram”, disse Ally, cutucando a amiga.

“E eu não perco uma única oportunidade de me enrolar na bandeira gay”, disse DJ, rindo, “a cada show, sempre que alguém joga uma bandeira no palco, eu sou a primeira a pegar”, continuou a loira.

“E tem isso”, disse Lauren, levantando seu pulso direito e exibindo a pulseira em couro trançado, “faça questão de exibir isso o tempo todo, e eu farei o mesmo”, continuou Lauren, rindo, visivelmente mais relaxada.

“Você acha mesmo que alguém vai ligar pra uma pulseira?”, perguntou Camila, levantando uma sobrancelha.

“Acredite em mim, as pessoas vão enlouquecer por essa pulseira”, disse Normani, “se tem uma coisa que as pessoas amam é fuxicar a vida dos famosos, e mais cedo ou mais tarde alguém vai reparar que você usa sempre essa pulseira e vão começar a criar mil teorias loucas, e uma alma mais louca ainda vai acabar percebendo que a Lauren aqui usa uma pulseira igualzinha... e que vocês vivem aparecendo juntas por aí”, continuou Normani. Camila deu uma gargalhada.

“Meu Deus, vocês são geniais”, disse Camila, rindo, “eu posso me enrolar na bandeira gay também?”, perguntou, encarando Lauren.

“Meus 5% da sua gestão dizem que você pode e deve”, disse Lauren, rindo, “inclusive vamos logo colocar um coração na minha pulseira”, continuou, beijando a testa de Camila.

“Ah vamos? Quem disse que meu coração é seu?”, disse Camila, uma sobrancelha levantada. Normani deu uma gargalhada.

“Então é isso que o coração significa? Vocês poderiam ser menos melosas”, disse Normani, rindo. Dinah Jane deu um tapa na cabeça da namorada.

“Por que você não pode ser fofa assim comigo?”, perguntou DJ, encarando Normani.

“Eu sou fofa com você, muito fofa”, murmurou Normani.

“Nem sempre, amiga”, disse Ally, encarando Normani.

“Allyson, não coloca mais fogo”, murmurou Lauren, gargalhando.

“Eu só estou falando a realidade... Normani realmente precisa ser mais fofa com a DJ”, continuou Ally, “falando em fofura, você já mostrou pra Lauren a música que você fez pra ela, Mila?”, continuou Ally, encarando Camila.  A cubana ficou repentinamente vermelha. Lauren piscou.

“Mais uma?”, disse Lauren, rindo e levantando uma sobrancelha em direção à Camila.

Camila bufou, dando um tapa no ombro de Lauren.

“Sim, mais uma, acho que eu posso escrever quantas músicas eu quiser para a minha namorada”, murmurou Camila, fazendo bico.

“Então eu voltei a ser sua namorada?”, perguntou Lauren, um sorriso largo no rosto.

“Pra mim nunca deixou de ser, sua idiota”, murmurou Camila, se levantando e pegando o violão.

It'll be 'til the end, give me nothing I've ever tried

It'll be the perfect sin, something like the truest lie

Everywhere somehow, the only place I'll ever be

As long as you hold me down, oh such a liberty

Camila começou a cantar de olhos fechados, a voz poderosa preenchendo a sala. Sem dizer uma palavra Lauren se levantou e foi até o piano no canto da sala, começando a dedilhar as teclas, acompanhando o ritmo que Camila ditava no violão.

Warm me with your touch, pressure from your fingertips

Never be enough, I'll do nothing but submit

A voz de Camila ficou mais alta, alcançando o refrão, os olhos fixos em Lauren ao piano, se maravilhando com o quanto a compositora entendia sua música. Não tinha pensando em utilizar um piano, mas o instrumento dava a profundidade que a letra pedia, enriquecendo a melodia que Camila tinha criado no violão.

I just wanna feel a thousand hands from you, only you

Can you make me feel a thousand hands from you, only you?

Lauren fechou os olhos, sentindo a música, percebendo o quanto de seu coração Camila tinha derramado naquelas palavras.

Grab a hold of my soul and make me feel complete within

You'll be the one to show these goosebumps on my skin

I'll wear my heart on my sleeve, I need you to feel the pain

Would you take a bullet for me? Cause you know I'll do the same

A voz de Lauren se uniu à de Camila, fazendo a base para que a cubana alcançasse o tom perfeito. Suas vozes se equilibravam, a harmonia suave de Camila envolvendo  o tom rouco e mais grave de Lauren. Camila voltou a cantar sozinha, um olhar maravilhado no rosto.

Warm me with your touch, pressure from your fingertip

Never be enough, I'll do nothing but submit

Lauren sentiu uma lágrima rolar por seu rosto.

I just wanna feel a thousand hands from you and only you

Can you make me feel a thousand hands from you and only you?

Camila sentiu seu peito se apertar.

I just want to feel a thousand, from you

A thousand hands from you

Just wanna feel a thousand

A thousand hands from you

Feel a thousand hands from you

O fim da música encontrou Ally, Normani e Dinah Jane boquiabertas. Lauren respirou fundo e se levantou do piano. Camila largou o violão e sorriu.

“O que você achou?”, perguntou a cubana, encarando Lauren.

“Eu... eu... achei a coisa mais incrível que eu já ouvi”, disse Lauren, se sentando ao lado de Camila.

“Como... como vocês fazem isso?”, perguntou Ally, visivelmente emocionada.

“Fazemos o que?”, perguntou Lauren.

“Como vocês se completam desse jeito? Como você sabia o que tocar?”, perguntou Dinah Jane, encarando Lauren.

“Eu só senti que ficaria ainda melhor com o piano, e acompanhei as notas que a Camila tocava”, murmurou Lauren. A compositora sabia que ela e Camila formavam uma dupla perfeita, não apenas na música, mas na vida como um todo. O momento que tinham compartilhado só reforçava essa certeza.

“Eu acho que vocês precisam de um momento à sós”, disse Normani, se levantando e praticamente arrastando Ally e Dinah Jane para fora do apartamento de Lauren. Camila deu uma gargalhada, acenando para as amigas.

Lauren se ajeitou no sofá, puxando Camila para que se deitasse em seu colo.

“Eu quero essa música no seu cd”, murmurou, acariciando os cabelos de Camila.

“Tudo bem”, disse a cubana, sorrindo, “eu acho que ela se encaixa antes de Never Be The Same”, murmurou Camila, pensativa.

“Concordo”, disse Lauren, “Camila... você realmente se assumiria, e me assumiria, mesmo que isso significasse não ter mais uma carreira?”, indagou Lauren, encarando Camila. A cubana sorriu.

“Lauren, cantar é uma paixão... é meu sonho. Mas isso”, murmurou Camila, apontando para Lauren e para si mesma, “é a minha vida”, continuou, estendendo uma mão para tocar o rosto da compositora. Lauren suspirou, fechando os olhos ao toque de Camila.

“Você é incrível”, murmurou Lauren, “eu não sei porquê você é tão louca por mim”, continuou a compositora, sorrindo.

“Porquê você é um doce. E beija e fode muito gostoso”, disse Camila, dando uma gargalhada alta.

“Meu Deus, você estragou o nosso momento, eu não acredito!”, disse Lauren, empurrando Camila para o sofá. A cubana a puxou pela camiseta, fazendo com que a compositora caísse em cima dela. Lauren beijou Camila com paixão, pressionando o corpo contra o dela. 

“Vamos pro quarto”, murmurou Lauren, a boca no pescoço de Camila. 

“Eu tenho uma entrevista as 9 da manhã no Good Morning América, esqueceu?”, disse Camila, empurrando Lauren para cima, “então agora é banho, pijama e cama... sem sexo, ou eu não vou dormir nada e vou estar horrorosa amanhã”, continuou a cubana, se levantando. 

“Você nunca fica horrorosa”, resmungou Lauren, seguindo Camila até o quarto. 

Na manhã seguinte uma Camila sorridente apresentou uma ótima performance de Crying in the Club no Good Morning América, arrancando elogios calorosos dos apresentadores. 

“Camila, todos estão aguardando ansiosos pelo seu álbum”, disse Lara Spencer, uma das apresentadoras, “você pode nos dizer o título dele?”, continuou. 

“Sim. The Hurting, The Healing, The Loving”, disse Camila, sorrindo e ajeitando o cabelo com a mão direita, fazendo com que sua pulseira aparecesse o máximo possível. 

“Uau, é um título poderoso. O que você nos contar sobre esse álbum?”, perguntou Michael Strahan. 

“É sobre amar alguém, perder esse amor, se sentir machucada e perdida e depois se encontrar nos braços de outra pessoa”, disse Camila. 

“As musicas vão detalhar experiências pessoais?”, perguntou Lara, uma expressão curiosa no rosto. 

“Sim. Todas foram compostas por mim e em algumas eu tive a ajuda de uma compositora maravilhosa, Lauren Jauregui. É definitivamente um álbum muito íntimo, infinitamente pessoal, e eu mal posso esperar para compartilha-li com vocês”, disse Camila, sorrindo e fazendo um gesto com a mão direita em direção a plateia. 

“E nos mal podemos esperar para recebê-la de novo, Camila, dessa vez para o lançamento do álbum”, disse Michael, “palmas para Camila Cabello, pessoal”, continuou. 

Camila sorriu, se despedindo dos apresentadores e acenando para a plateia. Encontrou Lauren a sua espera nos bastidores, um sorriso no rosto.

“Você foi muito bem. E parabéns por ter balançado tanto a mão direita, daqui a pouco vai surgir o boato de que você tem algum problema nela”, disse Lauren, divertida. Camila revirou os olhos. 

“O que fazemos agora?”, perguntou, um sorriso no rosto. 

“Parte dois do plano: vamos sair juntas, pela entrada de trás, onde com certeza vários fãs aguardam sua chance de uma foto com a Fada Cubana”, disse Lauren, uma mão nas costas de Camila, indicando a ela a saída. 

Do lado de fora, como previsto, uma dezena de fãs esperava por Camila. A cubana tirou fotos, distribuiu autógrafos e conversou com as pessoas por um tempo. 

“A sua pulseira é linda”, disse uma garota de cabelos vermelhos, apontando para o braço direito de Camila, “ela tem algum significado?”, continuou a garota. Lauren deu um passo à frente, se posicionando ao lado de Camila, passando a mão direito displicentemente pelo cabelo, a pulseira em seu pulso ficando evidente. A garota de cabelos vermelhos arregalou os olhos. 

“Tem sim, mas é segredo”, disse Camila, piscando para a garota antes de se virar para atender a mais um fã. Lauren piscou para a garota, colocando uma mão nas costas de Camila. 

Os jogos estavam oficialmente abertos. 

 

 

  

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...