1. Spirit Fanfics >
  2. This is Love? - (Jihope - Hopemin) >
  3. "Meu garotinho está apaixonado"

História This is Love? - (Jihope - Hopemin) - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


H33Y, tudo bom com vocês? Espero que sim de verdade! 💜

Gente, vocês estão se cuidando? Não se esqueçam de lavar bem as mãos e de usar álcool em gel. E o mais importante, evitem sair de casa, só saiam se for realmente necessário. 😉💜

Tenham uma boa leitura e espero que gostem! 🙃😁

Capítulo 17 - "Meu garotinho está apaixonado"


(Ponto de vista - Jimin) 

- Ok, dessa vez você não tem como negar que ficou excitado e que além de tudo, me jogou nesse sofá e literalmente fez de mim uma máquina de beijos. – Falei assim que o garoto saiu de cima do meu corpo e sentou-se no sofá, o qual também está ocupado por mim, agora sentado e ofegante ao encarar o mesmo.

- Ok... – “Ok”, foi só o que ele falou! Mas que tipo de brincadeira é essa?!

- Sério que você só vai falar isso? – Minha cabeça pendeu um pouco para o lado.

- O que eu tenho que falar Jimin? – Ele também fez o mesmo que eu.

- Que porra que aconteceu agora? Desde quando você anda querendo beijar um garoto?! Por que me beijou?! – Ele me encarou surpreso, porém negou com a cabeça e suspirou.

- Só esquece isso, tá bom? – Ele parou por uns instantes e pareceu pensar em alguma coisa... – Hm... Isso não vai se repetir... – Hoseok se levantou e não parou de me olhar. – Acho melhor deixar o trabalho pra outro dia... – E foi só o que disse, enquanto eu, não consegui dizer se quer uma palavra. Apenas o observei caminhar até a porta. A última coisa que vi foi ele olhar pra trás uma última vez antes de se mandar. 

MAS QUE PORRA ACONTECEU AQUI?! Será esse um sonho ou talvez um pesadelo?! Seja o que for não pode ser real. Não pode! O garoto me jogou no sofá, me beijou pra caralho, não estávamos sob o efeito de álcool nem de nenhuma droga, ele ficou excitado, eu fiquei, ele desejava os meus lábios assim como eu desejava os dele e do nada, ele surta e diz “Isso não vai se repetir...”

- AH! – Joguei algumas almofadas longe e gritei feito um louco. Em seguida corri para o quarto, onde sei que irei me jogar na cama e chorar até que todas as lágrimas existentes em mim tenham ido embora.

[***]

- O que você pensa que está fazendo?! – Isso aí é a Lilly gritando... Sim, gritando! – Você ficou maluco garoto?! – Ela continuou gritando e se aproximou de mim. A garota não se deixou abalar pela minha situação e entrou no box do banheiro, e desligou o chuveiro. Estou sentado no chão com o chuveiro ligado há tanto tempo que até os meus dedos estão pedindo socorro de tão engelhados que estão. E sem querer exagerar, toda a água que gastei, daria para encher esse box inteiro até o teto. O pior mesmo vai ser quando a conta de água chegar. Bob vai querer saber onde que eu enfiei toda essa água... – Fala alguma coisa! – E ainda de cabeça baixa, a respondi com a voz baixa e trêmula pelo frio que se apossa do meu corpo cada vez mais. Droga! Nem pra ligar o aquecedor eu sirvo.

- Eu odeio a minha vida, Lilly! É isso.

- O que aconteceu, hm? – Ela estendeu a toalha em minha direção. – Então foi pra isso que você me dispensou?

- Claro que não...

- Então... – Ela me encarou de um jeito estranho, confuso. – Tira essa roupa, você vai acabar pegando um resfriado!

- Seria bom... Só assim eu me livrava dessa porcaria de trabalho. – Me levantei e comecei a tirar a roupa, enquanto isso, Lilly espreme as peças.

- Por falar em trabalho... O Hoseok não vinha aqui hoje?

- E ele veio! – Retruquei enquanto passo a toalha em volta da cintura, tirando a cueca logo em seguida. Lilly não precisa ver todo o meu corpo. Depois espremi a cueca e joguei no cesto de roupas sujas.

- Vocês brigaram de novo?! – Ela perguntou ao jogar as outras peças no cesto e me acompanhar até o quarto, onde se jogou na cama, deitando de bruços e apoiando a cabeça nas duas mãos suportadas por seus cotovelos sobre a cama.

- Não, dessa vez não. – Neguei com a cabeça e vesti uma roupa que resolvesse logo o meu problema com o frio.

- Então por que tudo isso? Por que estava jogado naquele chão feito um doido? – Deitei ao lado dela e fiquei na mesma posição que ela.

- Ele vai acabar comigo, Lilly. É isso. – Então comecei a desabafar com a minha amiga, conselheira amorosa e mais um monte de outras coisas que se encaixam na lista interminável que criei mentalmente sobre essa garota.



(Ponto de vista - Hosoek) 

- Você andou fumando foi?! – Anthony perguntou assim que encontrou comigo na praça.

- Quê?! – O encarei sério. Ele só fez levantar as mãos em sinal de rendição e sentou ao meu lado.

- Que cara é essa, irmão? Se eu não te conhecesse diria que tu fumasse uns três proibidos de uma vez, um atrás do outro. – Ele deu uma risadinha e o acompanhei.

- Calma, eu quem devo perguntar, desde quando você anda entendendo tanto sobre essas coisas?

- Oras, vai me dizer que quer sair da reta? – Ele semicerrou os olhos. – Era eu quem invadia a sua casa às duas da madrugada com bebidas e besteiras? Ou era eu quem pegava o carro do meu pai e fumava dentro até a fumaça tomar conta da gente?

- Ei, o que é isso?! – Perguntei surpreso. – Não precisa explanar o bagulho! – O empurrei ao tocar seu ombro sem muita delicadeza.

- Tudo bem, tudo bem... – Ele continuou rindo. – Você não ia fazer o trabalho com o Jimin? – E do nada o garoto ficou sério. – Calma aí, você não fez nada com ele não né?

- Que porra é essa?! Desde quando você ficou todo preocupadinho com esse garoto? – Ah meu Deus! Eu não acredito que estou perdendo o meu melhor amigo pra aquele garoto que ultimamente tem roubado tudo na minha vida.

- Ele parece ser legal, sem contar que é muito amigo da Lilly. – Ele se explicou.

- Ah... Sério mesmo que você vai me trocar por aqueles dois?

- Isso é ciúmes?! – Ele apertou a minha bochecha e fez biquinho. – Fica tranquilo amorzinho, eu não vou te trocar!

- Para de zoar, Anthony! – Dei um tapa em sua mão e esfreguei o local onde o mesmo estava a apertar.

- Seja o que for que aconteceu entre vocês, acabou com o seu humor. – Ele disse enquanto olha para o celular.

- Hm... – Ele me interrompeu.

- Aliás... – O garoto chamou a minha atenção e então deu um tapa na minha cara. Um tapa mesmo!

- Você pirou?! – Cerrei os punhos.

- Foi pela Lilly, ela teria feito, mas agora está consolando o Jimin. – Ele se explicou. – O que você fez?! Socou ele de novo?

- Não... – Neguei com a cabeça. – Da próxima vez que você me bater eu juro que acabo com você sem pensar duas vezes na nossa amizade!

- Mantenha a calma, amorzinho. Converse aqui com o tio, eu vou te ajudar!

- Que conversar o quê moleque?! Vai se ferrar e some daqui. Vai lá se juntar àqueles dois.

- Ai Deus, desde quando o meu garotinho ficou tão rebelde e ciumento assim?! – Ele disse em tom de deboche e voltou a apertar minha bochecha.

- Sério cara, para. Eu não tô legal! – Falei manso, mas só para não socar a cara desse idiota.

- Tudo bem, eu vou parar! – Ele guardou o celular. – Agora você pode me dizer o que aconteceu? Você tá aí todo cheio de não me toque, enquanto o Jimin está desabafando com a Lilly...

- Desabafando?! – O encarei. – O que você quer dizer com isso?!

- Você acha mesmo que eu não sei, Hoseok? – Ele negou com a cabeça com certa indignação.

- Do quê, hm?! – Franzi os lábios.

- Ah irmãozinho... Você é muito confuso... A Lilly... – O interrompi.

- O que essa garota te contou? – Semicerrei os olhos e até já imagino quais serão as próximas palavras que sairão da boca desse imbecil.

- A minha garota, que é muito amiga do Jimin, pediu a minha ajuda. Eu sei que você e o Jimin andam se pegando... – O interrompi.

- De onde você tirou isso porra?! – Falei alto. – Eu gosto de garotas!

- E do Jimin! – Ele retrucou.

- Vai se ferrar!

- E não negou!

- Vá pro inferno! – Continuei gritando.

- Calma cara, não precisa disso. Eu não vou te julgar! – Ele falou manso e se bem o conheço, está prestes a socar a minha cara de novo. Além do Jimin, ele é o único que me bate e ainda continua inteiro.

- Que porra julgar o quê?! – Perguntei indignado. – Nada do que essa garota disse é verdade! – Falei baixinho.

- Sério mesmo? – Ele se aproximou mais de mim. – O que é isso, Hoseok? Somos como irmãos, nos conhecemos desde moleques, medimos nossos pênis desde a oitava série, mano. – Dei uma risadinha.

- Já faz tempo que não fazemos isso... – Completei.

- É... Você anda um pouco estranho. Seu pênis anda diminuindo?

- Isso não, o meu sempre será maior que o seu! – Retruquei.

- São só dois centímetros, Hoseok! 

- Por dois centímetros, trabalhadores de uma ponte calcularam os metros de um cabo errado e a ponte caiu com eles em cima.

- De onde você tirou isso? – Ele deu uma gargalhada.

- Isso não importa. – O acompanhei.

- Mas agora... – Ele se recompôs. – Eu acho... Na verdade, eu exijo que me diga o que está acontecendo com você.

- Nada... – Dei de ombros.

- Mano, você não me engana. Você está gostando dele?

- Claro que não! – Ele me repreendeu com o olhar. – Hm...

- Você está confuso? – Neguei com a cabeça.

- Sim... – Confessei. Vai, tudo bem. Eu não acho que o Anthony seja tão covarde a ponto de abrir a boca e sair espalhando pra toda a sociedade que eu ando confuso por não saber o que está acontecendo.

- Você acha que gosta de garotos?

- Não. – Continuei negando com a cabeça.

- Então... – O interrompi.

- Eu gosto do Jimin. Só dele. Eu não sinto atração por outros garotos, só por ele. E não, eu não desgostei das garotas.

- Então você não é gay? – Ele arqueou a sobrancelha confuso.

- Não... Sei lá! – Dei de ombros.

- Talvez... Bissexual? – Ele disse manso.

- Talvez... Mas isso não é quando alguém gosta de homens e mulheres?

- Sim. – Ele confirmou com a cabeça.

- Mas comigo não é bem assim.

- Então explique.

- Suponha que depois que o Jimin me beijou naquela primeira festa que ele resolveu estragar minha rapidinha, eu... Bom... Comecei a notá-lo e a pensar nele de maneiras diferentes... Sensuais... Mas ainda sim, não sinto atração por nenhum outro garoto. E ainda sim quero transar o máximo de garotas possíveis.

- Você está apaixonado pelo Jimin, mas ainda quer transar com todas as garotas possíveis? – Ele repetiu enquanto confirmo com a cabeça. – Talvez você realmente seja Bi.

- Num sei. – Dei de ombros. – E se isso for só besteira minha?

- Você só vai saber se tentar conviver mais com ele. Talvez se passarem mais tempo juntos, algo mude. Eu não sei. Só acho que deveria tentar. Tá um porre ter que aturar todo esse mau humor pós Jimin.

- Eu não posso. O que as pessoas vão pensar de mim?! – O olhei incrédulo.

- E desde quando você se importa com isso?

- Desde quando eu tenho uma reputação a zelar! – Gritei num sussurro. – Imagina eu, um dos garotos mais popular daquela escola, desfilando com o Jimin de mãos dadas pelos corredores da escola, com todos nos olhando e me taxando de gay. Eu não quero isso pra minha vida!

- Cara, você tem que pensar na sua felicidade. E se ela estiver ao lado do Jimin?

- Mano, depois que você começou a sair com essa tal Lilly, você ficou um porre de chato!

- Eu?! Pior você, que desde que começou a pegar o Jimin ficou todo cheio de não me toque!

- Eu não ando pegando ninguém!

- Tá, Hoseok. Pode negar o quanto quiser, mas depois que perder aquele garoto e ver outro fazendo ele sorrir, não venha me dizer que eu tinha razão.

- Tá amorzinho, tá! – Resmunguei.

- Ah... Meu garotinho está apaixonado. – Ele voltou a apertar a minha bochecha e a me abraçar de lado.

- Para porra! – Me levantei e comecei a caminhar.

- Aonde você tá indo?! – Ele gritou.

- Pra casa! – Gritei de volta.

- Eu vou com você. – O garoto falou já ao meu lado e seguimos para a minha casa.

[***]

- Eu juro, juro que não tive culpa! A Lilly me ouviu resmungar e... – Interrompi o garoto que está paralisado á minha frente. Estamos indo pra escola e fiz questão de pegar o mesmo caminho que ele.

- Tudo bem Jimin, tudo bem. Foi bom assim. – Sorri. – Tá indo pra escola?

- Sério mesmo que você está me perguntando isso?! – Ele me encarou surpreso.

- Hm... Eu estou nervoso. – Dei de ombros.

- Pra me beijar no sofá da minha casa você não fica nervoso, né? – Ele arqueou a sobrancelha e sorriu.

- Você gosta de me zoar, né? – Sorri e o empurrei contra a parede, ficando de frente para o mesmo e a encará-lo.

- Você gosta de me imprensar, né? – Ele retrucou.

- Ah moleque... – Uni meus lábios aos dele e comecei  beijá-lo. Além de desejo, recebi entrega do mesmo, que correspondeu aos meus comandos e me acompanhou nesse beijo... Hm... Selvagem. – Hm... – Não sei o que dizer. Estou a encará-lo e seus lábios entreabertos são uma grande distração. – Vem, temos que ir se não vamos atrasar! – Segurei a sua mão e comecei a caminhar, porém logo senti todo o meu corpo ser puxado para trás, onde o mesmo me empurrou contra a parede e voltou a me encarar.

- Você é maluco! – Seus lábios voltaram a entrar em contato com os meus. O garoto sabe bem fazer isso... E só depois de estarmos ofegantes, ele mordeu o meu lábio inferior. – Vem, eu não quero atrasar! – Jimin voltou a segurar minha mão e começamos a acompanhar as outras pessoas á caminho da escola.


Notas Finais


É isso, nos vemos em breve! 🤗

Bjão 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...