1. Spirit Fanfics >
  2. This is love >
  3. Capítulo 13

História This is love - Capítulo 14


Escrita por:


Capítulo 14 - Capítulo 13


Algumas semanas após a descoberta emocionante de Reade e Tasha, estavam todos no laboratório de Patterson atrás de pistas, não que isso mudasse o rumo da investigação, pois continuavam entrando em becos sem saídas.

- Estamos o dia inteiro e ainda nada. - Oliver disse se levantando da cadeira.

- Bem-vindo ao nosso dia a dia. - Reade falou, jogando os arquivos que segurava em cima da mesa de forma brusca.

- Eu já estou ficando com fome. - Tasha declarou com uma voz manhosa.

- Eu posso pedir aquela comida árabe, que você gostou. - Rich sugeriu com o tom de voz animado, tentando fazer a proposta mais atrativa. Ela apenas balançou a cabeça em negação.

- O que você quer comer então? - Oliver perguntou com a voz doce.

- Ninguém perguntou o que eu quero comer. - Patterson que assistia a cena em silêncio, protestou.

- Bom, você não está... - Oliver não chegou a terminar sua fala.

Reade e Tasha tinham contando a todos sobre o bebê, mas separadamente. Por tanto, Oliver não sabia se Patterson tinha consciência da novidade.

- Eu não estou o que? - A loira o questionou, Oliver direcionou seu olhar de desespero a Tasha e Reade, que estavam em silêncio e permaneceram assim.

- Você não está triste! - Ele respondeu em um tom alto.

- E você está? - Patterson perguntou voltando seu olhar para Tasha, mas Oliver logo entrou em sua frente, bloqueando sua visão.

- Ela está muito triste.

-Por que? - A loira direcionou seu olhar a Reade, mas tendo a visão bloqueada por Rich dessa vez.

- O hamster dela morreu. - Oliver respondeu rapidamente, enquanto desviava seu olhar a Rich que assentiu. - Senhor Ramirez! - Ele disse completando a frase de Oliver.

- Tasha não tem hamster. – A loira retrucou em um tom desconfiado.

- Agora não mais. - Oliver disse com um falso pesar na voz.

- Descanse em paz Senhor Ramirez! - Rich completou com um tom de voz dramático. Patterson revirou os olhos e seguiu em direção a Tasha.

- Eu agradeço o esforço gente. – A latina iniciou se levantando da cadeira. - Mas a ela sabe sobre o bebê.

- Você podia ter dito isso antes. - Rich disse com a feição séria.

- E perder essa performasse? Não obrigado. - Reade respondeu entre risos.

- Eu realmente achei estranho, que você tivesse nos contando, mas não a Patterson. - Oliver disse de forma de descontraída.

- Eu não tive muita opção, daqui a algumas semanas vai ser visivelmente impossível negar... – Tasha parou de falar bruscamente, recebendo olhares curiosos. – Eu não te falei que tinha contado ao Rich. Como você sabia?

- Ah... Eu presumi que você que tivesse contado a ele. – Oliver respondeu gaguejando um pouco.

- Eu vou pegar a comida. – Rich disse, saindo logo em seguidas.

- Mas ele nem pediu a comida ainda. – Reade protestou, com um olhar desconfiado e logo cedendo ao riso.

- Você tem razão! Vou ajudá-lo.

- Acho que vai ajudá-lo com muitas coisas. – Tasha falou com um tom malicioso tirando risos de Patterson e Reade.

- Quem é você para falar Zapata? Não se esquece que eu tenho coisas suas. – Oliver disse, fazendo com que Tasha desmanchasse seu sorriso.

- O que? Tem o que ? – Patterson perguntou animada.

- De vocês dois, para ser mais exato.

- Dos dois o que? Deles o que? – A loira questionou enquanto analisava as feições envergonhadas de Reade e Tasha.

- Eu explico mais tarde. – Oliver concluiu com um olhar malicioso, seguido de uma risada fraca.

- O que você quer dizer com isso? – Patterson questionou enquanto acompanhava ele até a saída.

- Nossos amigos são diferentes. – Reade falou direcionando seu a olhar a Tasha e logo fez seu caminho até a porta.

- Eu concordo. – Ela respondeu, enquanto pegava sua bolsa. Assim que deu um passo a frente um dos técnicos do laboratório trombou de frente com Tasha, fazendo com que ela batesse suas costas na mesa firme de metal.

- Me desculpe agente Zapata! – O técnico exclamou quando viu Tasha levando a mão as costas com uma cara de dor.

- Tá tudo bem Mike, não foi nada. – Ela o tranquilizou com um sorriso fraco, mas ainda sentindo dor. Reade estava na porta do laboratório esperando por ela.

- O que houve? – Ele Perguntou assim que viu a feição de Tasha.

- Nada demais. Eu só dei uma batidinha na mesa. – Ela respondeu tentando diminuir o acontecido.

- Tem certeza? Não quer ia ao hospital? – Reade questionou preocupado.

- Eu estou bem. Vamos para casa. - Tasha falou puxando o pelo braço para dentro do elevador que estava vazio, dando beijos intercalados com risadas e olhares provocantes.

Chegaram às pressas ao apartamento, o adentrando já aos beijos. Reade prensou Natasha contra a parede enquanto a beijava ferozmente, o clima do apartamento esquentou, Reade virou Tasha contra a parede enquanto deixava uma trilha de beijos em sua nuca, a mesma se arrepiava com o toque e suspirava em excitação, Reade fez questão de tirar a camisa de Tasha com os dentes, o que ela particularmente achou sexy e fofo. Os beijos continuavam por toda extensão do tronco desnudo, porem Reade parou abruptamente.

- Tem certeza que não está doendo? – Reade perguntou vendo os hematomas nas costas de Tasha.

- Do que você está falando? – Ela perguntou confusa

- O acidente no laboratório. – Ele falou, sem diminuir o ritmo conforme beijava e acariciava o pescoço de Tasha.

- Você realmente quer falar disso agora?

- Você provavelmente tem razão... Mas eu preciso saber se não estou te machucando. – disse ele bem perto do ouvido dela

- Me sinto lisonjeada com a preocupação, mas o que eu preciso agora é que você me foda. –

Ela disse com a voz rouca e com um tom sexy, era a carta branca para Reade precisava para continuar de onde parou.

Uma semana se passara após o acidente no laboratório, Tasha nem tinha mais sua mente nisso. Os dias que passaram foram completamente direcionados ao bebê, o que teriam que comprar, se adaptariam a casa ou alugariam um apartamento maior, ente outras decisões que precisavam ser tomadas.

Estavam abraçados, com seus na TV onde passava um jogo não tão importante assim, mas Tasha fez questão de assistir.

- Vamos nos casar! - Reade declarou repentinamente, com a voz calma e mão sob a barriga de Tasha, que já aparentava um tamanho relativo. A declaração fez Tasha gargalhar. – Estou falando sério!

- É feio encher uma garota de esperanças vazias. - Ela concluiu entre risos

- Não são esperanças vazias. - Ele falou se levantando bruscamente. - Vamos nos casar!

- Essa brincadeira já está me assustando. - Tasha falou sentando se de frente a ele com um olhar assustado, porém, ainda rindo.

- Tash, vamos ter um filho juntos, moramos juntos. - Reade falou com a voz doce.

- Eu tenho certeza, que você é a pessoa com quem eu quero passar o resto da minha vida. - Tasha o olhou ainda tentando entender o pedido repentino.

- E você quer pegar um avião agora e ir para Las Vegas? - Ela perguntou sarcasticamente, esperando que ele levasse na brincadeira.

- Se sairmos agora, vamos chegar antes de amanhecer. - Reade brincou, se levantando e indo em direção a mesa que ele costumava trabalhar.

- Você realmente, está falando sério? - Tasha questionou séria.

- Eu não estou falando para irmos agora. - Ele disse ainda mexendo em sua gaveta. - Eu estou te pedindo em casamento. - Reade completou virando se para Tasha com uma caixinha preta aveludada em suas mãos.

- Natasha Zapata, quer se casar comigo? - Ele disse enquanto abrir a caixinha, revelando um lindo anel de noivado.

- Reade, eu... – Tasha foi pega de surpresa não só pela proposta de casamento, mas por uma dor extrema que vinha de suas costas e irradiava até o pé de sua barriga.

- O que foi? - Reade perguntou preocupada ao ver a expressão de Tasha.

- Eu não sei... – Ela respondeu levando uma mão as costas e apertando o braço de Reade com a outra. – Tem algo errado com o bebê.

- Algo errado? O que? – Ele perguntou Tentando não entrar em desespero. – Onde está doendo?

- Eu não sei! – Tasha respondeu agora gritando com algumas lágrimas molhando seu rosto.

- Tudo bem... – Ele disse tentando se acalmar, procurando por suas chaves e seu casaco. – Nós vamos ao hospital e vai ficar tudo bem.

- Não, não vai. – Ela declarou entre lágrimas. – Não vai ficar tudo bem Reade.

- Tash... – Reade segurou seu rosto gentilmente. – Vai ficar tudo bem sim meu amor, independente do que aconteça. Agora nós temos que ir. – Ele completou tomando a mão de Tasha e gentilmente a guiando pela sala.

Tasha estava desesperada, não conseguia respirar, a ideia de perder algo tão importante a deixava paralisada de medo.

Chegaram ao hospital em pouco minutos, Reade ignorou todos os sinais vermelhos, placas de redução de velocidade e de Pare. Tasha foi medicada assim que chegou no local, já estava mais tranquilo quando o médico entrou pela segunda vez em seu quarto.

- Natasha, está mais tranquila? – O médio disse assim que entrou, ela apenas assentiu em concordância. – Você dois nos deram um grande susto.

- Não exatamente. – Ela respondeu rispidamente.

- Então não é nada grave? – Reade perguntou ainda preocupado.

- Bom, é complicado, mas vieram no momento certo. – Ele explicou calmamente. – Eu entendo que isso é assustador, ainda mais sendo o primeiro filho. O descolamento da placenta é um problema grave, mas com absoluto repouso, o seu caso não é tão grave. Então o repouso será em casa, não no hospital.

- Repouso absoluto. – Reade repetiu, direcionando seu olhar a Tasha, que permanecia calada.

- Pode respirar mamãe. Vai dar tudo certo. – O doutor disse com um sorriso fraco. – Eu vou te dar alta hoje, mas quero que fique em casa pelas próximas duas semanas e se houver uma melhora, estará liberada para trabalho burocrático apenas.

Tasha apenas assentiu e voltou seu olhar para Reade. – Estou com medo. – Ela declarou com os olhos marejados. – A culpa é minha. Eu não quis vir para o hospital depois do que aconteceu no laboratório... Se tivéssemos vindo quando você falou...

- Não faz isso Tash, não pode se culpar. Foi um acidente e você ouviu o médico, ele disse que vocês ficaram bem, só precisa de muito repouso. – Ele a abraçou e deixou a chorar por alguns minutos. Foram liberados não muitas horas depois.

Foi uma noite muito difícil para aos dois, mas logo já estavam em casa, Tasha não disse uma palavra no caminho de volto e continuou assim até a chegada ao apartamento. Tasha e Reade conversaram sobre o que fariam sobre o assunto, e como lidariam com tudo, Reade decidiu tirar uma semana de licença também, para cuidar de Tasha, apesar dos protestos da mesma. Apenas passariam no escritório para pegar algumas coisas e voltariam.

Tasha estava separando suas coisas no vestiário quando viu Oliver se aproximando com um embrulho.

- Que bom que você chegou. – Ele disse animado. – Quero te mostrar algo.

Ele a mostrou duas camisetas de bebê Com o logo da CIA e do FBI, Tasha sorriu fraco ao ver os presentes.

- Você não gostou? – Oliver perguntou desanimado vendo a reação de Tasha. – Tem em outras cores também.

- Não é isso Oliver, elas são lindas. – Ela falou tomando as pequenas camisetas da mão dele. – É que ainda não estando comprando roupas para bebê.

- Mas você já vai entrar no segundo trimestre. – Ele protestou.

- Parece que alguém andou lendo meus livros sobre gravidez. – Tasha falou e soltou uma risada baixa.

- Alguém tinha que ler. – Oliver falou com um tom debochado. – Espera, por que está tirando suas coisas do armário?

- Eu vou ficar umas duas semanas em casa. - Tasha disse, enquanto retirava suas coisas do armário.

- Duas semanas em casa? Por que? - Oliver questionou tirando a bolsa das mãos dela, para que prestasse completa atenção a suas perguntas. - Foi difícil fazer você ficar uma semana em casa quando levou um tiro. - Tasha apenas assentiu esperando que ele concluísse.

- O que está realmente acontecendo? É o bebê, não é? - Tasha não precisou responder as perguntas de Oliver, apenas se sentou no banco que, ficava a frente dos armários. - O que está acontecendo com o bebê?

- Algo não grave... - Ela falou com a voz embargada. - O médico disse para eu pegar leve nessas duas semanas, até sabermos exatamente seu o bebê está livre de riscos.

- Isso parece bem grave pra mim. – Ele disse e logo percebeu o olhar mais preocupado de Tasha.

- Eu sinto muito Tash. - Oliver disse puxando a para um abraço, Tasha deixou algumas lagrimas escaparem. - Mas vai ficar tudo bem. E antes que você perceba, já vai estar me nomeando padrinho. - Ele declarou, arrancando alguns sorrisos dela.

- Vai ter que entrar na fila... - Tasha disse com um sorriso fraco, se levantou pegando sua bolsa de volta.

- Me ligue se precisar de algo! - Oliver declarou, vendo a passar pela porta. Ela apenas assentiu e saiu em direção a sala de Reade, já que ele tirara uma semana de licença para ficar com Tasha.

- Vamos? - Reade a perguntou assim que ela entrou em sua sala, Tasha apenas concordou acenando com a cabeça. Tasha estava assustada, mas k seu medo diminuia sempre que olhava para ele, sentia se segura perto dele. E isso a tranquilizava.


Notas Finais


Não há necessidade de massacre, pois tudo se resolverá.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...