1. Spirit Fanfics >
  2. This Is Me >
  3. A Assembleia

História This Is Me - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Olá!

Capítulo 11 - A Assembleia


   Leo respirou fundo pelo que pareceu ser a milésima vez em apenas um minuto, nas suas várias tentativas falhas de se acalmar. Ao olhar para os lados, ele via Niko perambulando de um lado para o outro, enquanto Isobel estava petrificada em seu assento e Tessa já estava bebendo a quinta garrafa de água. Por outro lado, Cole parecia relativamente tranquilo, ou talvez fosse melhor em disfarçar.

   Com os outros obviamente tão nervosos quanto ele, Leo deveria ficar mais tranquilo. Mas não conseguia. Mesmo que não se importasse nem um pouco com a opinião de qualquer um dos alunos imbecis que vão estar assistindo a apresentação, ele ainda sentia um peso inconveniente no estômago por alguma razão.

   Ele tentava dizer a si mesmo que seu nervosismo não era nada relacionado àquelas quatro pessoas nos bastidores com ele, ou à professora que o havia aceito de braços abertos em seu clube muito antes de saber que ele, na verdade, até que canta muito bem, mas não estava tendo muito sucesso em enganar a si mesmo. Afinal, essa assembleia ridícula era importante para eles, então, se tornava um pouco importante para ele também, considerando que estava preso ao clube Glee por motivos de força maior. Quer dizer, ele não tinha nem escolha a não ser participar.

   Além disso, não era uma coisa estranha não querer que quatro pessoas, das quais ele nem gosta muito, façam papéis de bobos na frente da escola inteira. Era apenas decência humana. Não era como se Leo tivesse realmente se apegado a eles depois de alguns poucos dias ensaiando. Havia ficado surpreso com a receptividade deles, já que tinha certeza que todos ali haviam ouvidos os inúmeros boatos que circulavam sobre ele, mas era só isso.

   Mentalmente, Leo repassou a coreografia e a canção novamente, para ter certeza que estava tudo decorado, e levantou rapidamente quando a Srta. Thorne chegou para checar como eles estavam antes da apresentação.

   "Prontos?" Ela perguntou com um sorriso animado e caloroso.

   "Sim," falou Cole. 

   "Eu acho que preciso ir no banheiro," resmungou Tessa.

   "Bem, tente segurar, porque vocês entram em dois minutos. Boa sorte, vejo vocês do outro lado." E rápido assim, ela foi embora. 

   Alguns segundos depois, ouviram o barulho irritante do microfone sendo ajustado e então a voz igualmente irritante do diretor Morris.

   Um vislumbre de movimento no lado dos aparelhos de som atraiu a atenção dos cinco, que se surpreenderam com a presença da treinadora Ventura, sorrindo gentilmente para eles. "Vim desejar a vocês boa sorte," ela sussurrou. "Sei como esses momentos podem ser enervantes, mas relaxem. Se divirtam. É isso que realmente importa."

   "Obrigado, treinadora." Tessa ecoou as palavras que passavam na cabeça de todos, com o mesmo tom de surpresa. Mas ao ouvir a voz do diretor passando para a da Srta. Thorne, eles tiveram que se despedir rapidamente e se colocarem em suas posições.

   "Quando eu estudei aqui, o Clube Glee era o máximo." Começou a professora depois de cumprimentar a plateia. "E estamos no caminho para voltar a ser, mas precisamos de mais recrutas. Agora, eu poderia ficar aqui falando e falando como o Glee é ótimo, mas acho que vou deixar que vocês vejam por si mesmos."

   Jenny se acomodou em seu lugar junto à plateia, o microfone onde ela falava foi retirado do caminho e as cortinas foram abertas. A música começou em seu ritmo animado, mas quando as luzes do holofote finalmente iluminaram os cinco alunos no palco, ela foi interrompida.

   Niko olhou para os companheiros em busca de respostas, mas todos estavam tão perdidos quanto ela. Da escuridão que havia tomado a plateia começou a se ouvir várias vaias e xingamentos e, no fim das contas, se os alunos tivessem acesso a tomates, eles certamente estariam sendo jogados ao palco com força.

   Isobel foi a primeira a começar a recuar para trás e, pelo canto do olho, Niko conseguiu ver o relance da Srta. Thorne correndo em direção ao palco. Enquanto tudo estava dando incrivelmente errado, alguma coisa se acendeu dentro dela e não precisou de música para começar a cantar. 

   "Oh, sometimes I get a good feeling, yeah." No começo, até a própria Niko ficou surpresa com a voz que saiu de sua boca, porque quase não parecia ela mesma. Além disso, aquela não era a música que eles tinham ensaiado. Não havia coreografia nenhuma. Ela nem tinha certeza se os outros a conheciam. "I get a feeling that I never, never had before."

And I got to tell you right now

I believe, I really do believe that

 

Something's got a hold on me

   "Oh, it must be love," Leo completou com o coro, surpreendendo até a si mesmo. Mas meio que valeu a pena quando Niko se virou para ele e sorriu aliviada. 

   "Something's got a hold on me right now, child."

   "Oh, it must be love," Cole e Tessa se juntaram, mesmo que ainda não estivessem muito confiantes no que quer que fosse que Niko havia inventado.

Let me tell you now

I got a feeling, I feel so strange

Everything about me seems to have changed

Step by step, I got a brand new walk

I even sound sweeter when I talk

 

I said, oh, oh, oh, oh

   "I said baby, oh, it must be love," Isobel soou do fundo do palco. Andando lentamente até se reunir com os outros e ser recebida com expressões surpresas e sorrisos. "Yeah, he walks like love!"

   "You know he walks like love," ecoaram Niko, Tessa, Cole e Leo.

   "Makes me feel alright."

   "Makes you feel alright."

   "In the middle of the night," Niko assumiu, depois de receber o sinal silencioso de Isobel que devia ser ela quem terminava a apresentação improvisada. 

   "In the middle of night."

Na na la la (na na la la)

Na na la la (na na la la)

Oh yeah yeah (oh oh oh)

Yeah oh yeah oh (oh oh oh)

Hey, yeah yeah yeah, ah

   Niko retomou o fôlego depois de cantar todo o ar do seu corpo para fora e eles foram recebidos por meia dúzia de palmas confusas, além dos gritos animados até demais do Sr. Hawthorne e do professor McCoy. Mas estava tudo bem.

   "Muito obrigada pela atenção," falou Isobel, puxando os outros quatro para uma reverência rápida e então para fora do palco, onde eles não conseguiram conter a risada. 

   "O que diabos aconteceu?" Perguntou Cole, ainda sem entender nada, mas com lágrimas nos olhos de tanto rir. 

   "Eu não tenho ideia!" Exclamou Niko, também rindo até perceber a presença séria da Srta. Thorne ali atrás com eles e sentir seu rosto se contorcendo em vergonha, finalmente percebendo o quanto ela havia estragado tudo. "Ah, não. Eu sinto muito, muito mesmo, Srta. Thorne. Eu entrei em pânico. A música havia parado. Todo mundo estava vaiando. E eu estava escutando essa outra música no carro quando vinha para cá e daí..."

   Jenny interrompeu a falação da aluna com apenas um sorriso. "Relaxe, Niko. Está tudo bem, mais do que bem. Na verdade, vocês foram ótimos."

   "Como é?!" Ela exclamou, certa de ter ouvido errado.

   "O que você esperava? Que eu brigasse com você por ter salvado a nossa pele?" Jenny riu com doçura. "Certo, pode não ter sido a nossa melhor apresentação e talvez não nos traga mais integrantes, mas vocês foram resilientes, se adaptaram. Conseguiram contornar o acidente com o som e foram ótimos."

   "Na verdade," começou Leo, "eu não acho que tenha sido um acidente, Srta. Thorne. Quer dizer, ninguém mais achou suspeito a treinadora Ventura aparecer bem ao lado dos aparelhos antes da apresentação para nos dar 'boa sorte'?"

   "Parando para pensar agora, foi mesmo meio estranho," concordou Cole. "Tudo que ela sempre faz na escola é gritar ofensas para os alunos."

   "Espera, a treinadora Ventura estava mesmo aqui antes da apresentação?" Jenny perguntou, ainda confusa. E, quando todos assentiram em confirmação, ela teve que se esforçar para não deixar a surpresa e a raiva precipitada chegarem ao seu rosto. "Bem, não importa agora. O que vocês acham de comemorarmos no BreadstiX?"

   "Comemorar o que exatamente? Perguntou Tessa, com as sobrancelhas franzidas.

   "Nosso talento e resiliência, obviamente," soltou Isobel.

   "Exato," Jenny concordou. "Vamos? Por minha conta."

   "Eu não sei vocês, mas eu nunca recuso comida de graça," falou Leo com um ar brincalhão. "Estou dentro."

   Os outros rapidamente concordaram e começaram a se dirigir para fora do ginásio já vazio quando repararam que a professora não os acompanhava.

   "Srta. Thorne?" Chamou Niko.

   "Vão na frente," ela sorriu. "Eu tenho algumas coisas para resolver."

 

 

 

   "Jenny!" Exclamou Sabina assim que saiu de seu escritório e viu a colega encostada na parede do corredor, a esperando. "Que surpresa agradável. Uma pena o que aconteceu na assembleia, não é?"

   Jenny estreitou os olhos, mas Sabina era uma boa mentirosa. Era quase fácil demais acreditar em sua encenação de tristeza. "Pare com isso, eu sei que foi você."

   "Como é?" Um sorriso surpreso escapou dos lábios da treinadora. 

   "Meus alunos te viram perto dos equipamentos de som. E eu não sou burra, Sabina," Jenny cruzou os braços e se aproximou lentamente. "Optei por ignorar, no começo, porque achei que era apenas uma rivalidade passageira, mas é mais que isso. Você realmente quer que o Glee acabe e, pelo jeito, está disposta a jogar sujo para que isso aconteça."

   "Nossa. Acho que nunca ouvi tanta bobagem em tanta minha vida. E eu trabalho com adolescentes, então isso quer dizer alguma coisa." Mesmo diante a toda as acusações, Sabina permanecia com um semblante relaxado e um sorriso debochado nos lábios, o que era mais do que suficiente para alimentar a raiva de Jenny. "Só para deixar claro: eu não poderia me importar menos com o seu clube."

   "Então por que cortou o som durante a apresentação?"

   "Por favor, eu não perderia o meu tempo fazendo algo assim." Sabina respondeu com uma careta de desdém. "Além disso, se você estivesse certa, o que não está, e se eu quisesse mesmo que o coral acabe, não é como se eu precisasse fazer alguma coisa. Vocês já estão no caminho certo para isso."

   "Do que você está falando?" Jenny franziu as sobrancelhas em confusão, deixando Sabina ainda mais satisfeita. 

   "Bem, eu estava conversando com o diretor Morris esses dias e ele foi gentil o suficiente pra me contar que se vocês não se classificarem nas regionais, o seu programa vai ser cortado. Mas, aparentemente, é preciso de 12 alunos para sequer poder se qualificar e, da última vez que eu chequei, você só tinha cinco." Sabina completou com um sorriso convencido e quase diabólico. "Viu? Seu clube está fadado ao fracasso, Jenny. Aceite."

   "Para alguém que não poderia se importar menos, você certamente andou pesquisando bastante sobre o assunto, Sabina." Jenny praticamente arrancou o sorriso do rosto dela. "Ainda temos tempo para achar mais integrantes, você não precisa se preocupar."

   "Eu não me preocupo. Mas você devia." Sabina ressaltou. "Porque, diferente do que você pensa, não há muitos alunos dispostos a nadar até sua ilha maluca de brinquedos desajustados."

   "Você está me ameaçando, Sabina?"

   "Ameaçando você? Não. Pense como... um conselho de amiga. Faça com seu grupinho depressivo de crianças o que eu fiz com o meu velho e rico pai: eutanásia. Já está na hora, não acha? Se não, eu prometo que as coisas vão ficar bem piores para vocês."

   "Desculpe, Sabina," falou Jenny, deixando o mesmo sorriso convencido que Sabina usava enfeitar seu rosto. "Eu honestamente não sei o que você tem contra o clube Glee, mas vai ter que superar isso, porque ele veio para ficar. Eu acredito nos meus alunos e nós iremos às regionais, você tem a minha palavra disso. Mas, obrigada pelo conselho... Amiga."


Notas Finais


Something's Got a Hold On Me: https://www.youtube.com/watch?v=TZFQgqhNoEI


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...