História This is my life. My life in Berk - Capítulo 1


Postado
Categorias Como Treinar o seu Dragão
Personagens Astrid, Banguela, Personagens Originais, Soluço
Visualizações 92
Palavras 2.269
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Chapiter one


12 anos antes. 

S: Me perdoe minha filha. Adeus - Disse Soluço com lágrimas nos olhos

Sk: Papá! - Vi ele se afastando, me deixando nessa floresta escura. 

Hoje

- Ahhhh!! - Acordei com minha respiração ofegante, mais uma vez estava tendo o mesmo pesadelo. Froskty acorda indo na minha direção meu preocupado. 

- Está tudo bem Frosky, foi só mais um Pesadelo bobo. - Ele subiu na cama, se deitando nas minhas pernas, me vigiando. 

Não consegui mais dormir pensando nisso, mas aquele pesadelo, sempre me deixava assustada. Ele nunca saia da minha cabeça, mas pq? 

Desculpe a grosseria, deixe-me apresentar-me: Meu nome é SaKrah, tenho 16 anos e moro (hoje) apenas com meu cachorro Froskty ou Frosky, como preferir. 

Tenho cabelos castanhos e lisos ondulados, sardas no rosto e uso lentes em vez de óculos. Frosky é um cão de pelos azuis escuros, com suas pontas claras, nunca pensei que ele fosse doente, apesar de ser extremamente gelado e quando me lambe, meu rosto quase congela, mas ainda s, cuido dele. Moro na ilha de Berkânia, que fica proxima à Dinamarca. 

Moro sozinha, pq meus pais morreram num acidente durante uma viagem para ajudar carentes. Eles deixaram uma poupança grande como herança pra mim, mas até hj, nunca precisei de vdd. 

Eu queria poder viver minha vida, em Berk, onde meu personagem lendário favorito vive: Soluço Horrendus Strondus III. Poder voar no meu dragão, sentir o vento forte passarando por cada fio dos meus cabelos. 

Queria entender, pq tenho tantos pesadelos com um homem de cabelos castanhos mais puxados pro ruivo, que montava num ser tão escuro quanto a noite que estava naquela floresta no meu pesadelo. 

Vejo meu amigo acordar, pensando que eu dormia. Ele vai até meu rosto e começa a me lembrar com sua língua gelada. 

- Bom dia Frosky, n aguentou e dormiu n foi? - Vi seu rostinho ficar mais tristonho, queria ter me vigiado, mas n aguentou.

- Tudo bem rapaz. - Digo isso e ele começa a puxar meu pé, ele sabia que eu tinha que levantar. - Ta bom, já estou indo. 

Vou para o banheiro tomar um banho quente,  escovar meus dentes e penteando meu cabelo após o banho. Me arrumo vestindo uma blusa com manga branca, um colete jeans, uma calça jeans preta, tênis All Star vermelho e azul, e minha touca cinza. 

Desço até a sala e vejo que um certo bichinho trás meus remédios para eu tomar (normalmente esqueço). 

- Obrigada Frosky - Digo pegando meus remédios e tomando-os todos com um pouco de água que havia pegado.

Vamos até a cozinha para tomar café. Pego Frosky no colo e o coloco na sua área da cozinha, onde fica todas as refeições. Quem escolhe oq vou comer, é ele, pq ele sabe oq devo comer no dia. 

Tenho problemas respiratórios, de memória e de saúde. O único ser que tenho pra me ajudar com essas coisas que envolvem minha saúde, é o Frosky. 

Quando tinha 4 anos, tive um acidente enquanto meu pai pegava lenha para fogueira. Estávamos num acampamento, quando ele se descuidou e eu fui atingida por um objeto que parecia muito um espinho. Ele n sabia que tipo de espinho era, só sabia que era grande e que continha veneno. O espinho acertou minha cabeça, atingindo a região cerebral onde ficam guardadas as memórias. Consigo me lembrar de algumas coisas, mas desde que eles morreram, Frosky me ajuda deixando meu caderno de desenhos e anotações na minha mochila. 

Meus problemas respiratórios, são que sou alérgica a pelos, mas n me impediu de ter o Frosky. Ainda que eu tenha operado meu nariz, pq o osso havia se quebrado, e as vezes, preciso ficar alguns minutos com uma máquina que passa pelo meu pescoço por canos de plástico. 

Meu problema de saúde é pq tenho diabete, e tomo um dose de insulina de manhã. 

Então, Frosky é mais um médico, do q meu cachorro, pq ele cuida de mim, mais do que cuido dele. Tenho sorte de ter um companheiro tão esperto e cuidador. Além de lindo. 

- Então garoto, oq vamos comer hj? - Vejo ele observando meu calendário alimentar do dia. 

Ele anda até o armário onde fica todos os ingredientes do café do dia. Já que hj é segunda, ele vai e abre o armário. Hj seria Panquecas com mirtilos e suco crítico pra mim, e tiras de bacon pra ele. 

- Tudo bem. 

Preparo o café e fico conversando com ele. As vezes, acho que ele me entende, tanto que parece falar cmg. 

Terminei meu café e observo ele trazendo minha mochila, já pronta, avisando que estava na hora de ir pra escola. 

- Eu n posso ficar? Só hj... - Ele late, querendo dizer que n - Tudo bem... 

Vou até a porta deslizante, que dava para o jardim, onde estava minha moto. Montei nela, colocando meu capacete e acenando pro meu amigo. Liguei e fui. 

No caminho, estacionei ainha moto na empresa dos meus pais, Strondus. Corp, nome dado a homenagem do meu personagem favorito. Deixei a moto com James, o co-fundador da empresa e amigo dos meus pais, que vem me visitar pra ver se estou bem em casa. 

De lá, fui andando até a escola, que ficava 5 minutos de distância. Chego na escola 15 minutos antes do alarme, tempo suficiente para eu ir no meu canto favorito da escola: o jardim. 

Ele era meu lugar favorito, podia ficar lá, horas, que a escola estava do lado. 

Abro minha mochila, pegando meu caderno. Comecei a relatar meu pesadelo, finalizando com um desenho. Meus pesadelos estão numa ordem, q eu ainda n descobrir. Toda vez que termina um pesadelo, um pedaço de imagem aparece. Desenho-o para tentar montá-lo com os outros. 

Tudo que eu tinha até agora, era uma ilha, que eu chamava de Berk, para lembrar do Soluço. No céu, havia um dragão, o mesmo dos pesadelos, me lembrava muito o Banguela, mas achava que era coisa da minha cabeça. 

Fico desenhando até o alarme tocar. Guardo minhas coisas e vou para o prédio principal, esse lugar parece mais uma universidade do q uma escola do ensino médio. 

Antes que eu conseguisse entrar, um certo grupo de pessoas idiotas vem me atormentar:

- Pq a pressa Skar? - Esse é o Menkdev, sempre me zoando. Ele me lembrava o Malequento, primo irritante do Soluço. 

- Ela parece mais apresadinha hj. Pq Skar? - Esse é o Perk. Eu o chamo de Perneta, me lembrava o amigo do Soluço, Perna de Peixe. 

- Me deixem entrar. Vão poder me zoar depois, n vou ter lembrado mesmo. - Disse sabendo que iriam perguntar. N ligo pras brincadeiras, até pq quase nunca lembro, então n chega a me irritar. 

- Está mais confiante hj Skar. - Essa é Askti. Ela me lembrava muito a esposa do Soluço, Astrid. 

- Me deixem entrar. - Disse empurrando Menkdev que impedia minha passagem na sala. 

Os três pararam de me zoar, pq a professora havia chegado.  Fingiam as vezes, querendo ser meu amigos, mas se eu falasse sobre meus problemas, seria só pra me zoar mais ainda, então quando deu o intervalo, corri antes que percebessem e fui para o jardim.  

Fiquei sentada embaixo de um árvore, que me "acolhia" com suas raízes. Sempre gostei da natureza, do ar livre, e nunca soube pq. Acabei adormecendo mais uma uma vez, mas n tinha pesadelos, eu estava sonhando. 

Sonhava com o mesmo homem ruivo me chamando de princesinha. Ela me pegou no colo e me levou com ele para voar no ser negro. Eu via tudo embaçado, por isso nunca distinguir quem era o homem e o ser. Nos céus, e começou a fazer carinhos no meu cabelo, me chamando de princesa, e dizia que "O papai sempre estaria cmg".

Acordei com isso na minha cabeça. Escrevi meu sonho e fiz um desenho no final, ele me lembrava cada vez mais o Soluço, mas pq? 

O alarme tocou e voltei para a sala. Entrei antes que o grupinho viesse me encher de novo. 

****

Quando acabou, peguei minhas coisas e corri pra saída, mas antes que eu pudesse buscar minha moto, o grupinho correu atrás de mim.

M: Indo embora Skar. Logo agora que temos que falar com Vc. - Menkdev disse agarrando meus braços

- Oq vcs querem? Pq n me deixam em paz? - Perguntei. 

A: Ora, queremos ir na sua casa. - Me surpreendido com a resposta. Nunca que eu deixaria eles irem lá. Fingirem ser meus amigos depois, tudo pq sou "rica" e depois me zoar pro resto da eternidade. 

- Pq querem ir na minha casa? Vcs vivem me zoando que n tenho pais, que moro debaixo da ponte. Pq querem ir pra debaixo da ponte? - Perguntei tentando fazê-los desistirem da ideia. 

P: Vc vive com roupas bonitas. Nem parece morar debaixo da ponte. Queremos ver onde mora. 

Que os deuses me ajudem. Eles me levam agarrada. Vou levando eles até a empresa, onde James me esperava com a minha moto dentro do prédio. 

M: Pq estamos aqui Skar? - Pergunta Menkdev com cara de palhaço. - Quer admirar oq n tem? 

- Podem me soltar? - Perguntei enquanto fazia um sinal pro James vir me salvar. 

A: Pq estamos na empresa dos Haddock(sobrenome dos meus pais)? - Pergunta Askti enquanto me soltavam. 

- Eu... - Quando eu ia falar algo, James veio. Te devo uma James. 

J: Está tudo bem senhorita? - Ele pergunta fazendo os  outros três se afastarem um pouco. 

- Estou tio. Só meio "presa" - Disse me referindo aos três que me agarravam tempos antes. 

P: Como conhecer o co-fundador? Ele é o maioral, como algo tão idiota e nerd, conhece um poderosão? - Perk pergunta muito confuso e impressionado. 

- Tio, me acompanha até em casa? - Disse fazendo eles se tocarem.

James me acompanha até a entreda do prédio, onde estava minha moto. Os três idiotas ficaram me observando entrar com tanta facilidade numa empresa tão poderosa. 

Depois dessa, acho q n vão me atormentar por um tempo. Dou um beijo na bochecha do James, me despedino invés de ir pela entreda, fui pelo fundos, pro grupinho n me ver. 

Enquanto ia, observei o pôr do sol, que estava lindo. Tinha sorte da minha casa, ser do lado de uma floresta, onde dormia a maior parte das vezes com Frosky

Ela me lembrava muito a floresta dos meus pesadelos, tão escura e "sombria" como era neles. N tinha medo de lá, na vdd, eu amava o lugar, mesmo n tendo boas lembranças, aquele lugar me deixava mais tranquila em dias de estresse. 

Cheguei em casa e desci da moto, deixando o capacete pendurado em cima do banco da mesma. Passei pelo jardim, até chegar na porta deslizante. Entrei e tranquei-a, caso fosse invadida. 

Froskty me esperava na mesma posição de sempre, sentando encarando a porta até eu entrar, e quando entro, ele pega meus remédios. 

Ele late, perguntando (sei os tipos de perguntas dele pelo latido) se eu comi algo na escola. 

- N, desculpe Frosky. Estava muito concentrada num desenho e num sonho que nem consegui lanchar. - Disse e ele veio batendo na minha perna como "punição" por n ter comido. 

- Desculpa. Aprendi a lição e vou anotar. O sonho foi tão bom, que n consegui pensar em outra coisa - Ele fez uma carinha de confuso, ele sabia que era raro eu sonhar. Sabia que queria detalhes. 

Expliquei tudo a ele, enquanto preparava uma refeição pra mim e pra ele, de acordo com sua escolha. Fiz um Hamburger com salada e suco de laranja pra mim, e tiras de filé mignon sem gordura com um pouco de suco pra ele. 

Apesar de morar sozinha com ele, nós comiamos bem, ele principalmente, que comia praticamente só carne. 

Depois da comida, subi pro meu quarto, me despi e entrei no chuveiro. Sentir água morna escorrendo pelo corpo é uma sensação muito boa, melhor é quando vc vai dormir logo depois. 

Viso um pijama listrado de azul e verde, e meu colete de couro. Eu gosto do colete, me faz parecer que vivo na era dos Vikings. 

Deito-me na cama, com Frosky na minha barriga, fecho meus olhos e adormeço, torcendo para ter mais um sonho. 



3000 anos antes/ do outro lado da floresta. 

Hj completam 12 anos desde que tive de abandonar minha filha no "mundo futuro". Espero que ela esteja bem. Frosky é o melhor metamorfo que descobrir, ele parece um semi-deus protetor. 

Penso se devo buscá-la, já que a guerra e o ser que a ameaçava se foi. Astrid está ansiosa pra saber quando vamos ver nossa filha denovo, lembro como ficou destruída quando tivemos que deixá-la. 

Saio dos meus pensamentos com um dragão, lambendo meu rosto. 

S: Banguela, vc sabe que isso n sai n sabe? - Disse tentando tirar a gosma do meu rosto. 

A: Então, qual é o pronunciamento? - Disse Astrid vindo me chamar. 

S: Ela vai voltar.

Saímos da casa e todos em Berk queria saber da novidade. 

S: Povo de Berk, - Disse chamando a atenção de todos - como sabem, há 12 anos a herdeira do trono teve que partir. Hj, depois de tanto tempo, a herdeira retornará, SáKrah vai voltar pra casa!!  -Todos comemoraram, eles queriam minha filha devolta tbm. 

Quem mais ficou animado, foi Adriev, o melhor amigo dela, de quando eram pequeninos. Ele sentia falta dela, assim como Melokdy, o Canção da Morte que adorava brinca com ela e com Froskty. 

Vamos esperá-la filha, vc vai voltar para casa. N importa o tempo que demorar, estaremos esperando-a... 


Notas Finais


Então... É isso, o primeiro capitulo dessa fic. Ela é a minha primeira, então aceito críticas construtivas.
Até a proxima talvez...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...