História This is NOT a Fairy Tale - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Jellal Fernandes, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Levy McGarden, Loki, Lucy Heartfilia, Mavis Vermilion, Natsu Dragneel, Orga Nanagear, Personagens Originais, Rogue Cheney, Sting Eucliffe, Yukino Aguria, Zeref
Tags Drama, Fairy Tail, Gale, Gruvia, Jerza, Nalu, Romance, Stingue, Stingyu, Zervis
Visualizações 46
Palavras 2.214
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello, quanto tempo!

Já começaram as aulas? Como estão? As minhas aulas voltaram e já tenho trabalho para fazer ;-;

Espero que gostem do capítulo, ele tem um pouco de Nalu hehehe

LEIAM AS NOTAS FINAIS

Capítulo 27 - Namorados por um dia


Natsu e Zeref estavam indo para a clínica na intenção de fazer o exame de DNA. Só foram os dois, encontrariam mais tarde com a Mavis e a Lucy, mesmo elas sem saberem aonde eles iriam

A clínica era toda pequena, toda branca e limpa. Após serem atendidos pela médica, foram ao exame em sala separadas.

A decisão de irem à clínica nesse dia foi de três dias atrás.


~Flashback~


-  Precisamos resolver logo esse negócio do DNA, otouto- O moreno tomando café com seu irmão na varanda, mesmo já sendo três e meia da tarde.


- Voce acha? – O rosado


- Sim, mas apenas isso por enquanto. Quero que você seja  maior de idade e se der, eu consiga fazer faculdade de administração, para ai sim podermos correr atrás do que é nosso – toma um gole do seu café – Assim nosso “tio” não poderá dizer ou fazer nada a seu favor. 


- Realmente, ele poderia alegar que você não tem diploma e então não pode ter a empresa até completar o curso superior...


- Isso mesmo


- Eu também vou fazer faculdade. Vou encontrar o Sting e pedir fazer um histórico escolar para mim, já que fiquei preso....


- Assim seremos nós dois gerenciando a empresa da família.


- Isso aí!! Será dois lindos e brilhantes homens comandando uma empresa, que nem o poderoso Chefão- todo animado


- ..... Só você mesmo, Natsu – Zeref sorri - Então o farei conhecer um pouco da nossa família, mesmo não conhecendo tanto também.


- Isso me deixa tão curioso sabia?


- Vou te mostrar tudo, mas vamos uma coisa de cada vez.


- Sim, primeiro o exame.



~Flashback off~


Tiraram o sangue necessário, para a análise e foram embora do local indo direto se alimentarem, estavam de jejum a 12 horas, ou seja, estavam fracos demais e famintos. Iriam buscar o resultado daqui a uma semana.


Olharam o relógio, faltavam ainda duas horas para se encontrarem com as duas, então poderiam comer tranquilamente sem que as duas suspeitassem de nada. No restaurante, após pedirem seus pratos, o rosado diz:


- Vai dar tudo certo ne? Será que sou seu irmao mesmo?


- Vai! Óbvio que é!- Zeref


- Realmente, só você para ser lindo como eu!


- Só você para achar que somos irmãos apenas pela beleza – Zeref rindo 


- Obvio que é por isso- Natsu brincando – sério, nosso pai nos fez muito bem, tô surpreendido! – ele olha para cima- pai, me ensina como fazer filhos decentes.



.

.

.

.



Após se encontrarem com as meninas na frente de uma loja o casal Mavis e Zeref foram à um encontro, como não faziam á mais de um mês, assim deixando o casal de amantes sozinhos no restaurante .


- O que vamos fazer?


- Hum... não sei.... Tem  um parque bem famoso aqui no centro, quer ir nele?


- Tem? Faz tanto tempo que não vou à um..... – Natsu se lembrando da sua última vez em um local parecido, onde havia ido traficar a droga, e as vezes que acabava vendendo para crianças de 11 anos, isso quando ele tinha apenas 16.


- Então vamos! – a loira segura a mão do amigo, que sorri e afirma, dizendo:


- Posso chamar o táxi?


-Hum? Que tal irmos de metrô? -animada 


- Acha que conseguimos? Ainda não temos celulares, sem internet, como vamos chegar lá?


- Perguntando pras pessoas! Confia em mim, nós vamos chegar. 


Nisso eles saíram de frente a loja, já sabendo o que fazer. O metrô era ali perto então poderiam ir tranquilamente. Mesmo com um pouco de incerteza de perguntar a alguém sobre o caminho para chegar no destino, fizeram. Perguntaram a uma senhorinha que esperava no ponto seu ônibus chegar. Os amantes precisavam pegar o metrô, ir até a estação Ao, seguir a rua principal e então chegariam. Simples e fácil.


Assim fizeram, desceram as escadas do transporte público. Era tudo cinza, as catracas impediam a passagem de quem nao pagava, e permitia as que ja tinha pagado. O lugar onde vendia os bilhetes era ao lado da escada que acabaram de descer, uma pequena fila os aguardava para assim poderem passar. Quando compraram seus bilhetes, foram a catraca encontrando mais escadas à suas frentes, desceram ainda mais, indo mais fundo ao subterrâneo. Após entrarem dentro no metrô, aquele automóvel se movia em alta velocidade, indo rapidamente de uma estação para outra para onde nem um ônibus nem um carro chegaria tão rápido. Chegando onde queriam, os dois saíram de lá, dando de cara com a rua que a senhora havia os falado, seguindo as instruções, e encontrando seus destinos


- preparado para entrar? – Lucy


- Nasci preparado para tudo- e entraram.


Era um parque mediano, mas lindo. Era cheio de árvores, bancos, playground para os mais novos, caminhos que poderiam seguir para se dirigirem á outros lugares. Ambos se lembraram do campo que encontraram antes de entrarem naquela cidade, aquele no qual os dois tinha cochilado em um momento de apenas desespero e tristeza. Porém, não era mais assim, agora não sabiam como se sentir, felizes? Ainda não, faltavam seis pessoas para suas felicidades poderem existir completamente.


Andaram pelo lugar, de mãos dadas, como nunca faziam, vendo algumas pessoas lendo, outras fazendo piquenique, até resolverem se sentar em baixo de uma arvore, apenas aproveitando o momento, não ligando para nada, nem mesmo percebendo como sentaram: O rosado encostando na árvores, de pernas abertas e a loira no meio de suas pernas.


O contato um do outro os trazia paz, nem percebendo o sorriso calmo que carregavam. Lucy sentiu o choque na sua pele ao sentir o Natsu a abraçando por trás, o arrepio em sentir a sua pele quente em volta dela, sempre se esquecia de como ele era quente em todos os sentidos, ele deveria ter algo relacionado a fogo em algum aspecto, aquilo não seria possível não? 


Natsu tinha apenas sentido vontade de abraça-la, sentindo o corpo dela se acomodar no abraco, o fazendo se sentir ainda melhor. Apartir daí ele se perde em pensamentos...será que tinha mudado muito desde aquele dia em que chegara no reformatório? Desde aquele dia em que a viu a primeira vez? Após refletir sobre isso, agora ele tinha certeza, ele havia mudado com toda essa situação, com as pessoas que conheceu e.... ela. Sim, ela o fez perceber um sentimento novo, o qual não sabia ainda, mas queria descobrir. Era um sentimento bom, mas doloroso, tanto o sentimento de prazer inexplicável, não era algo sexual, mas era algo extremamente bom, porém também, a vontade de quebrar tudo e chorar. Precisava descobrir isso logo. 


.

.

.


Juntos, quase pegaram no sono, porém antes disso se lembraram que deveriam aproveitar o dia e, e nao o aproveitariam dormindo, assim eles se entreolham e falam os dois ao mesmo tempo


- Vamos para outro lugar?- percebem a sincronia de pensamentos dando uma risada juntos


- Parece que concordamos que queremos ir embora daqui....- Natsu 


- Eu só não quero dormir aqui... – Lucy e termina a frase em um tom mais baixo – Quero curtir com você hoje!- ele escuta e abre um sorriso, sentindo o seu coração aquecer .


- Eu também quero... – a loira envergonhada diz, mudando de assunto:


- B-bom aonde----- sendo interrompida


- Lucy, se eu te beijasse agora... seria ruim?- seu amante pergunta olhando para seus lábios, ela simplesmente o beija como resposta.


Os lábios se encontram, fazendo os dois fecharem os olhos e se acomodarem em uma posição. Lucy sentada no colo dele, com Natsu com as mãos em sua cintura, sem descer ou subir mais a mão, a respeitando. O ato que faziam agora não era uma novidade, mas algo que faziam com frequência, fariam mais ainda se a vergonha não os dominasse, era algo que ambos amavam fazer, com aquele sentimento sem nome em seus peitos. Talvez estivessem esperando pelo beijo até o tal momento. Ao se separarem, se encararam, ainda perto do rosto um do outro.


- .....Vamos hoje deixar de ser amantes e passarmos para namorados? Apenas hoje? - o rosado- Ninguém precisa saber, só quero aproveitar esse dia com você direito.


- Vamos - a loira – assim vou poder segurar sua mão enquanto andamos?


- Podemos começar com isso agora – Ele pega a mão dela- Vamos a um encontro então?


-  Podemos?


- Se estou perguntando – diz como se fosse óbvio.


- Então vamos – eles se levantam, dando a mão novamente.


Resolvem sair do parque, começando a andar pelas ruas, o clima entre eles mudou, sentiam que poderiam fazer o que quiser agora, sem uma tensão do que não fazer. Trocavam piadas, risadas, xingamentos sem fundamento, com selinho no final, queriam estar assim a muito tempo, mas nunca iriam assumir. O orgulho era sempre maior.


Até se esqueceram da noite passada quando seus corpos não foram seus, tudo o que importava era o agora, não o ontem nem o amanhã, afinal hoje eram um casal adolescente de 17 anos, passando pelas ruas de magnólia. Não eram mais fugitivos, nem vigaristas, não passavam horas com o coração apertado com o pensamento em seus amigos. A dopamina deles estava alta, o que significava: felicidade. 


Eles se depararam com um cinema antigo e por alguma razão, parecia estar funcionando, se entreolharam, conversando com os olhos e se aproximaram do guarda que estava ali na porta.


-Licença pode nos informar se o cinema realmente esta funcionando?- a loira e o guarda abre um sorriso


- Ah sim, esse cinema foi aberto essa semana para comemorar os anos 90 e o começo dos anos 2000.


- Ah obrigada – a loira olha animada para seu namorado de um dia- que tal assistirmos um filme?


- Achei que não ia perguntar – abrindo um dos seus lindos sorrisos.


Os dois entraram naquele cinema, se deparando com algo totalmente retrô,  mesmo não indo aquele tipo de lugar a tempos, sabiam que não eram assim atualmente. Os filmes eram da época, nomes como “TITANIC" , “MEU PRIMEIRO AMOR" , “GHOST: DO OUTRO LADO DA VIDA"  e “O REI LEÃO”. Após decidirem, foram comprar o que comer lá dentro, comprando uma pipoca grande com manteiga e dois copos grandes de Coca-cola. 


Foram assistir “GHOST: DO OUTRO LADO DA VIDA", pensaram muito em ir ver “O REI LEÃO”, e realmente quase foram por ser um filme da infância dos dois, mas decidiram que iam ver um filme que os dois nunca tivessem visto, então escolheram a outra opção.  Se sentaram na última fileira, nas cadeiras bem do meio, se acomodaram nas cadeiras . Natsu pensa em perguntar se poderia abraça -la, mas algo em sua mente não o permitiu perguntar e simplesmente agiu. Lucy pega um pouco de surpresa, sorri gostando da ação inesperada. Então o filme começou.


- Espero que fique quieto no filme – ela sussurra para ele 


- Eu sou totalmente quieto, você me tratando assim é um desrespeito .


- Tá, você é muito quieto e eu sou o Batman.


- Caralho não sabia que era o Batman, como faz para esconder os peitos? E ficar mais alta?- ele brincando 


- Idiotaaaa!! 


Depois de dizerem isso começam a assistir o filme. Apenas comendo a pipoca, muitas vezes bebendo no colo errado só para ver seu/sua companheiro/a “irritado/a”, trocando breves selinhos, carinhos e comentários nada haver. O filme contava a história do casal Sam e Molly que vivem juntos na cidade de Nova Iorque. Após um assalto, Sam acaba morto, mas permanece como fantasma na terra e mantém contato com Molly através de uma falsa médium. 


No final do filme, a Lucy deixou umas lágrimas cairem e Natsu estava quase chorando. 


- Voce está chorando? Não creioo- o rosado olhando para a sua namorada de um dia.


- Olha quem falaa- ela vendo os olhos dele cheios de lágrimas.


- Tô normal! Não ta vendo?!!


- Ah ta! – ela suspira – Vamos sair?


Os dois saem do cinema e verificaram a hora, tinham ainda duas horas e meia antes de encontrarem sua família. Seguiram a rua, logo encontrando uma galeria, esse lugar era térreo, com apenas em andar. E no final daquele imenso corredor havia um estúdio de tatuagens. 


- Sabe, temos dinheiro, por que não fazer uma tatuagem?- o rosado.


- Sabe que é arriscado né?- a loira.


- Apenas vamos curtir...


- Ok....


Os dois entraram no estúdio. Depois de pensarem um pouco foram fazer a tal tatuagem. Com agulha quente injetando tinha em suas peles, deixando aquilo permanente, marcaram aquele momento...


Quando terminaram, perceberam as ideias parecidas: Na clavícula de Natsu estava tatuado “Princess” e na cintura de Lucy “Dragon", eles apenas se olharam, sentindo algo aquecer entro de si e sorriram sem dizer nada.


.

.

.


Se encontraram com Zeref e Mavis, pareciam ter tido um encontro maravilhoso pela felicidade que os dois exalavam enquanto o casal de um dia tentava esconder a deles, como se fosse mais um dia comum. Escondiam os toques, os gestos, os beijos sem permissão que roubaram o dia todo um do outro, achando que estavam conseguindo disfarçar....mas não estavam.


Após chegarem em casa, tomarem seus banhos. Ela foi ao quarto dele, apenas querendo passar o seu último tempo sendo sua namorada, se aconchegar nele, sentir seu cheiro, admirar sua nova tatuagem, ouvir suas piadas e dormir, nada além disso.


Natsu pensou em sexo, mas logo descartou a ideia vendo ela entrar com aquele pijama fofo, só queria abraca-la, sentir o seu cheirinho de hidratante de banho, mexer em seus cabelos, ouvir sua gargalhadas e enfim, dormir. 


E foi assim que ficaram, até o sono vir.


Só que antes de pegarem no sono, o momento de refletir sobre aquele dia veio e nesse momento perceberam que o sentimento que nutriam um pelo outro, não era só amizade.


Notas Finais


Iai? O que acharam? Foi bom?

Acham que Zeref e Natsu sao irmãos de sangue? O que acharam do dia do Natsu e da Lucy? Gostaram?

Será que eles se amam?

Ficaria muito feliz se vocês comentarem.

Sério, as vezes parece que ninguém está lendo....


Bom, até o próximo Capítulo



Kissuss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...