História This is not a story about forgiveness. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Agust D / Suga, Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Namjin, Sugamim, Suju, Taegi, Taekook, Yoonmin
Visualizações 4
Palavras 3.520
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Shoujo (Romântico), Suspense, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie.
Esse é o primeiro capítulo da fic, talvez eu tenha me empolgado um pouco, já que são mais de três mil palavras. Mas eu particularmente gosto de capítulos grandes.
OBS: as partes em negrito/itálico são flashbacks.

é isso...Boa Leitura. <3

Capítulo 2 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction This is not a story about forgiveness. - Capítulo 2 - Capítulo 1

        “Lembre-se quem é o verdadeiro inimigo”

 

- você não acha que já ‘ta bom?! Gostaria de saber quem é a pessoa que esta te fazendo ficar com toda essa raiva! Dessa maneira vou ter que comprar outro saco de pancada pra você, porque esse não vai durar muito tempo.

Aquelas palavras me tiraram dos meus pensamentos. Minhas mãos estavam doendo, mas eu não havia parado nem um segundo. Olhei para o lado e vi Seokjin me olhando com uma expressão curiosa em seu rosto, eu  nunca disse a ele o que realmente havia acontecido, o conheço desde o ensino médio, foi quando apresentei ele a Namjoon e eles estão juntos até hoje.

Namjoon é um irmão para mim, nossos pais eram muito amigos, tanto que quando sua família morreu, meu pai e minha mãe decidiram cria-lo, cuidaram dele como um filho aceitou sua sexualidade e sempre demonstraram apoio tanto para mim quanto para ele, passamos por tudo juntos. Ele é mais do que um simples amigo, é um irmão.

Talvez seja a hora de dizer a Seokjin, tudo o que eu fiz o Namjoon prometer que nunca diria a ele, não por falta de confiança, mas para não o colocarmos em perigo, não me perdoaria se algo acontecesse com eles.

Não que eu quis contar ao Namjoon, mas é que ele me conhece bem o suficiente para saber que eu faria algo. Eu me lembro como se fosse ontem daquela noite.

 

“ – ELES TAMBEM ERAM IMPORTANTES PRA MIM YOONGI. ELES ME CRIARAM, ME DERAM AMOR, CARINHO.- ele estava gritando, e eu podia sentir na sua voz o choro preso na garganta.

- O QUE EU PRECISO FAZER PRA VOCÊ TIRAR ESSA IDEIA MALUCA DA SUA CABEÇA? – eu sabia que ele não desistiria fácil. – essa guerra não é sua Namjoon.

- O que!? Yoongi vou repetir mais uma vez pra você entender, eles também eram meus pais. Minha família.

   Eu sabia que tudo o que ele estava falando era verdade...então as lagrimas começaram a rolar pelo meu rosto, sem nenhum controle sobre meu corpo, senti meus joelhos tocarem o chão, me permitir chorar, as lagrimas não paravam de cair. Aquela foi a primeira vez que alguém me viu chorar. Foi quando Namjoon se ajoelhou ao meu lado e me abraçou, chorando junto comigo, e era nesses momentos que eu mais apreciava a amizade de Namjoon. Ele sentia a minha dor, minha felicidade, minhas mágoas, minhas alegrias. Depois de um tempo ali abraçados e chorando no chão frio, ele levantou meu rosto com as suas mãos, segurando minhas bochechas pálidas, estava fitando meus olhos, havia um sentimento ali, até então desconhecido por mim.

- Todos aqueles que contribuíram para a morte da nossa família ira pagar, e não iremos descansar até que um por um esteja embaixo da terra. – ele deu ênfase no ‘nossa’, mantendo o olhar.

- Cada um deles.- concordei abrindo um sorriso malicioso.

Ele assentiu com a cabeça, ainda fitava meus olhos, vi um sorriso sarcástico sair de seus lábios fazendo suas covinhas aparecerem. Agora eu entendia o sentimento em seus olhos. Era sede, sede de vingança. E como eu havia descoberto isso? Bom, compartilhávamos o mesmo ódio. Iriamos os fazer pagar.”

 

- Quer mesmo saber? – perguntei para ele, já imaginando qual seria a resposta.

- O que pode ser tão grave assim que há anos você e o Nam não me contaram?! Conheço vocês a tanto tempo. Mas parece que vocês não confiam em mim. E eu sei que tem alguma coisa que vocês estão me escondendo. Não faço ideia do que seja, mas escuta só Yoongi, o meu relacionamento com o Namjoon esta indo mal, muito mal, e eu sei que você não tem nada a ver com isso, mas...- ele estava praticamente gritando aquelas palavras, de uma forma tão desesperada que as palavras saiam rápido da sua boca, parecia que estava tomando coragem para dizer algo que nunca havia dito para ninguém. Eu estava olhando atentamente para ele, talvez eu esteja com certo receio das palavras que sairiam da sua boca.

-...mas eu me preocupo com vocês, não só com Namjoon por ele ser meu namorado. Mas com você também, você é como um irmão mais novo pra mim. Me sinto como uma mãe.

Um risinho saiu dos meus lábios. Amizade. Amor. Eu o amava. E ele me amava. Um amor fraternal, o mesmo tipo de sentimento que eu nutria pelo Namjoon. E eu sentia as palavras de Seokjin, sentia no fundo da minha alma, sabia o quão verdadeiro aquelas palavras eram.

Algumas lagrimas silenciosas rolavam por sua bochechas, quando me virei em sua direção, ele rapidamente enxugou as lagrimas com as costas das mãos. Forte, assim como Namjoon, ele queria ser a pessoa forte nos momentos difíceis, mesmo que sabendo o quão sensível ele podia ser.

 

- Deixa o Taehyung ficar sabendo que eu sou seu irmão mais novo favorito. – eu disse enquanto tirava as luvas das minhas mãos, com uma certa dificuldade devido vários machucados em minhas mãos, por causa das minhas longas horas de treino. – vem comigo.

 

Saímos da ‘mini academia’ indo em direção a porta. Durante todo o trajeto da minha ‘academia’ até meu escritório foi silencioso. Abri a porta e dei passagem para ele entrar, ele abriu um sorriso, parecia uma criança quando ganha doce.

Meu escritório quase ninguém entrava lá apenas eu e Namjoon.

Fechei a porta e indiquei um sofá de couro preto, para Seokjin se sentar, caminhei vagarosamente até uma parede, onde um quadro branco de  molduras douradas se encontrava, um pouco acima de uma simples mesa de mogno, que continha apenas um jarro dourado com rosas perfeitamente brancas. A minha sala é praticamente decorada em tons neutros, como branco e preto. Toquei a tela branca do quadro, quando rapidamente o espaço ocupado pelo quadro se elevou, revelando ali um cofre secreto. Olhei para trás, vendo a face surpresa de Seokjin.

Sorri sem mostrar os dentes e dei de ombro, voltando meu olhar para o cofre, digitando a senha rapidamente; quando ouvi o ‘bip’ e a porta do cofre se abrir. Não havia tantas coisas importantes ali, apenas algumas fotos, algumas notas de dinheiro, uma caixa preta e um pen drive.

Peguei o pen drive, fechei o cofre arrumei o quadro, deixando ele normal, como se nada tivesse acontecido. Sentei ao lado de Seokjin, abrindo o notebook que estava na mesa de centro, pluguei o pen drive, busquei a pasta ‘boy of D’ cliquei, uma aba se abriu e eu dei um ‘pause’ antes do vídeo começar.

- Tem certeza que quer ver isso? – perguntei ao Kim.

Senti que ele estava apreensivo sobre o que podia ver naquele vídeo, eu também ficaria.

- Tenho certeza Yoongi. Não há nada que eu não enfrentaria pela minha família, e vocês também são minha família. – ele me surpreendeu, estava tão determinado, que as palavras saíram tranquilamente por seus lábios cheinhos.

- Okay.- dei o ‘play’ no vídeo, não queria passar por aquilo novamente. Eu normalmente evitava ver aquele vídeo. Eu tinha visto apenas quatro vezes, mais ainda me sentia abalado.

  A tela estava completamente preta, quando a figura de um homem apareceu na tela. Meu pai. Ele estava sentado em uma cadeira, suas mãos e pernas estavam amarradas, um pano cobria sua boca, havia machucados em sua face, sua camisa branca, que normalmente estava sempre bem arrumada e passada, estava amarrotada e suja de sangue. 

“você vai me dizer onde esta?” uma voz rouca perguntava, ele tirou o pano que cobria a boca do meu pai. “estou esperando uma resposta” ele insistia.

“nunca” meu pai disse.

“Tudo bem então. Pode trazer” a voz disse.

Fechei meus olhos mesmo sabendo o que aconteceria em seguida. Lá estava ela, aquela linda mulher de cabelos lisos e negros que caiam delicadamente sobre seus ombros, aquela mulher que vivia sempre com um sorriso em seus lábios, naquele momento estava com seus cabelos bagunçados, sua maquiagem estava terrivelmente borrada, suas roupas caras e limpas estavam sujas e rasgadas. Havia um pequeno corte em seus lábios, onde era possível ver o sangue que escorria por sua pele branca.

“eu tenho que admitir que você sempre teve um bom gosto para escolher as mulheres.” O homem andava em círculos ao redor da minha mãe, “a sua esposa é muito linda, e ela foi muito útil para os meus capangas” uma risada diabólica saiu daquele homem.

Neste momento Seokjin já estava apertando minhas mãos de uma maneira reconfortante.

“Acho melhor você me dizer ou...” aquele homem dizia enquanto estava verificando sua arma.

Naquele momento meus olhos se voltaram para a tela, apenas para ver a expressão dos meus pais, o amor que transbordava dos olhares deles, mesmo em um momento tão terrível como aquele.

“não diga nada a ele” a voz da minha mãe estava autoritária, mas mesmo assim conseguia soar tão doce.

Meu pai chorava lagrimas silenciosas, que escorriam por suas bochechas.

“Se você encostar um dedo nos meus filhos, eu saio do inferno pra procurar você.” A raiva explorava a fala da minha mãe.

“não se preocupe, eles irão pra lá depois de você” a risada diabólica daquele homem permanecia lá, “ainda vou ser bonzinho, quais são suas ultimas palavras?”.

Minha mãe olhou para o meu pai e sorriu, aquele sorriso que eu sempre via em seu rosto quando ela estava feliz, e ela estava, mesmo que eu nunca entenda o porque.

“eu amo os meninos. E eu amo você. Pra sempre” Ela olhou para baixo, suspirou fundo, e olhou nos olhos do homem que usava um mascara escondendo seu rosto, minha mãe abriu o sorriso mais diabólico que eu já havia visto em seu rosto, “Eu te encontro no inferno” ela disse para o desgraçado.

Em milésimos de segundos o tiro foi disparado, tudo ficou silencioso, o sangue dela espirrou por todos os lados o terno do homem tinha sangue da minha mãe, sua mascara tinha sangue da minha mãe. Foi um tiro certeiro, no meio da sua testa, seu corpo estava caída no chão sobre uma poça de sangue que aumentava cada vez mais e mais.

Meu pai não chorou, não gritou, apenas uma frase saia de seus lábios, “ pra sempre ”.

Não sei em que momento as lagrimas começaram a cair dos meus olhos, descobri que elas estavam lá, quando Seokjin começou a limpa-las com suas mãos. Ele também estava chorando, seu rosto estava meio inchado e seu nariz avermelhado.

“jovem mestre, eu sinto muito lhe informar sobre isso neste momento, mais não encontramos os garotos” uma nova voz surgiu.

Uma cadeira foi jogada a uma certa distância. O desgraçado estava com raiva, muita raiva.

“Espero que tenha os escondido bem, eu não terei dó deles quando eu acha-los”

“Você nunca ira achar eles”, e aquela foi a ultima palavra a sair da boca do meu pai em vida. Depois daquilo só se ouvia tiros, tiros e mais tiros. Sangue frio, aquele desgraçado matou meus pais a sangue frio. A tela se fechou, o vídeo havia acabado.

- Yoongi, como este vídeo chegou até você? – Kim perguntou, enquanto olhava para a tela do notebook.

- hum, esse não é o único vídeo. – eu já havia clicado em outro vídeo, olhei para ele que parecia pensativo sobre algo; então acenou positivamente para mim dar o ‘play’ no vídeo.

 A tela mostrava meu pai, saudável, com sua camisa social branca, como sempre costumava usar, a gravata estava meio solta e os cabelos estavam levemente bagunçados, a típica aparência que ele tinha quando ele chegava em casa depois do trabalho, o cenário do vídeo era seu escritório que ficava em casa, devidamente organizado.

“Yoongi. Se você e o Namjoon estão vendo esse vídeo, é porque algo deu completamente errado. Há algo que eu nunca disse a vocês, poucas pessoas sabiam dessa informação. Mas eu não trabalhei na marinha antes de abrir a empresa, na verdade eu trabalhava para o governo. De uma forma um pouco errada, se assim posso dizer” ele estava pensativo olhando em algum ponto distante, “eu matava pessoas, não pessoas boas e inocentes. Mas as pessoas que eram más, que faziam coisas ruins, como traficantes de armas e drogas, ladrões de colarinho branco, assassinos de aluguéis, corruptos. No meio disso eu descobri sobre o trafico humano que estava acontecendo no nosso país. Eu havia recebi um caso para cuidar, quando descobri a sujeira embaixo do tapete e a verdade é que alguns políticos estavam envolvidos nisso, nomes grandes de pessoas que diziam estar ajudando a população, mas estava fazendo coisas piores do que se pode imaginar. Eram crianças Yoongi, criança que estavam sendo escravas sexuais para homens nojentos, crianças inocentes que iriam ter suas purezas tiradas. Quando descobri que um dos meus supervisores estava envolvido, resolvi contar ao meu ‘amigo’ de campo, ele já era meu parceiro de campo a anos, eu confiava nele. Mas eu não sabia que na verdade ele era a mente brilhante por trás do esquema, que ele estava envolvido nisso” sua expressão seria, havia ganhado um ar triste, “ eu e sua mãe achamos que a melhor coisa seria fugir, não tinha como contarmos a policia ou algo assim, então decidimos que seria melhor ir embora de Seul, após a morte da família Kim. Eu e Kim Bum havíamos feito uma promessa, que se alguma coisa acontecesse com algum de nós, um iria proteger a família do outro, como se fosse a própria...então mudamos nossos nomes e recomeçamos; abrimos a rede de hotéis e vivemos até hoje aqui em Jeju, mas tenho fortes motivos para acreditar que aquele ‘amigo’ ainda esta procurando nossa família, e tenho certeza que em questão de dias ele achará” meu pai olhava para a câmera, seus olhos pareciam cansados ou talvez só estivessem preocupados.

Ele pegou um caderno de couro preto que estava em algum lugar que a câmera não conseguia captar, segurava o caderno firmemente em suas mãos, “esse caderno tem informações extremamente confidenciais, se as informações desse caderno vazassem, é capaz de causar uma guerra sem volta entre a Coréia e outros países, poderia matar inocentes, tirar políticos de seus respectivos mandados e também pode colocar a vida de muitas pessoas em risco”, ele respirou pesadamente e deixou o caderno sobre a superfície da mesa, dobrando as mangas da camisa logo em seguida, “eu não vou deixar esse caderno para vocês, não quero dizer qual caminho vocês devem seguir. O caderno vai estar em segurança, longe daqui. Vocês dois tem uma escolha muito importante para fazer. Podem escolher o perdão absoluto, segui em frete em outro país, outro continente longe disso tudo. Ou podem escolher lutar, lutar por uma causa justa, mas também uma causa perigosa, um caminho sem fim. Se escolherem a segunda opção, eu gostaria de ajudar a caminhada de vocês de alguma maneira”

Seu rosto tomou um ar de autoridade e seriedade, a mesma expressão que ele fazia quando eu e Namjoon ouvíamos seus sermões sobre termos bebido a noite toda e voltado para casa apenas de manhã, o que normalmente deixava a Omma preocupada. Depois de tudo o que aconteceu, nós entendemos a preocupação exagerada da omma, ela tinha medo, medo de não voltarmos para casa, medo de que aquele ‘amigo’  pudesse nos achar e fazer sabe se lá o que comigo e o Namjoon. E por esse motivo quando chegávamos em casa, ao invés de brigar com a gente ela corria em nossa direção com lagrimas nos olhos e nos abraçava, dizendo que nos amava e que estava preocupada. O sermão sempre ficava por responsabilidade do nosso pai.

“Vão aparecer pessoas no seu caminho, pessoas ruins, não o ‘amigo’ mas outras pessoas. E outra coisa, esse caminho sempre tirara algo de você, ninguém nunca consegue tudo sem perder algo em troca, acredite. Então pensem bem, não tomem decisões precipitadas e pensem também nas pessoas ao seu redor que podem se machucar especialmente você Namjoon, sei que você ama demais aquele garoto o... ” meu pai começou fingir que estava pensando em alguém.

Olhei para o lado e vi que Seokjin estava tão ansioso pela resposta, que acho que ele nem percebeu que meu pai estava brincando, meu pai sempre apoio o relacionamento dos dois, minha mãe adorava o Seokjin, especialmente quando ele ia pra nossa casa cozinhar com a Omma.

“assim me lembrei, Kim Seokjin, me lembro como se fosse ontem, o dia em que m ligaram no escritório falando que você tinha brigado com um garoto na escola...” meu pai deu uma risada, tão leve, tão natural, nem parecia que ele estava falando sobre mortes e tráficos uns vinte segundos atrás. “depois de uma semana, vocês três já andavam colados para todos os lugares. Cuidem dele, ele é uma boa pessoa, um ótimo genro, espero estar presente no casamento de vocês, sabe como a mãe de vocês ira pirar em organizar esse casamento”

As bochechas de Seokjin começaram a corar.

“Espero conhecer o seu pretendente também Yoongi, essa pessoa precisa ser corajosa, porque aguentar seu humor é uma prova de amor” sua risada ia diminuindo e seu tom sério já começava a aparecer em sua voz.

“por favor não coloquem as pessoas que vocês amam em perigo. Outra coisa, nem sempre o inimigo é quem parece ser. Cuidado com as amizades, se lembram que Lúcifer era o anjo de confiança de Deus; eu poderia simplesmente falar o nome do ‘amigo’ e deixar o caminho mais fácil, mas nem sempre o caminho mais fácil é o certo. E vocês também tem o poder da escolha, como eu disse podem esquecer as coisas ruins e viverem suas vidas longe daqui, mas se escolherem lutar, terão que aprender a sobreviver neste mundo, acho que agora vocês entendem porque eu sempre fiz questão de que vocês tivessem aulas de artes maciais, boxe, tudo que pudesse ser uma base de defesa pessoal. Mas ainda há muito a aprender, porem eu sei que irão consegui. São meus filhos, conheço vocês bem o suficiente para saber que escolherão lutar, então vou te deixar uma ajuda. Em Nova York, eu tenho um amigo, ele é um hacker, talvez já esteja velho e tenha abandonado seu posto, mas conheci o neto dele e posso dizer que ele tem tanta capacidade quanto o avô, ele é só o começo, aos poucos vocês irão conhecer pessoas que irão ajudar vocês em tudo o que precisar, os que realmente se importam estarão ao lado de vocês em todos os momentos. Mais uma coisa, junto desse pen drive, sera entregue a vocês informações uteis, uma casa escondida da civilização, onde vocês poderão treinar e aperfeiçoar suas habilidades, não adiantem o tempo, não tenham pressa, o momento certo vai chegar e vocês saberão que irão estar prontos, pode demorar anos, mas o momento certo vai chegar. E vocês são meis filhos, sei que conseguem; deixarei dinheiro vivo além da conta no banco, alguns contatos e não usem seus nomes verdadeiros.  Todos os contatos que deixarei com vocês é de extrema confiança. Mais uma coisa, a pessoa que esta te entregando esse pen drive e todas as outras informações para vocês é de extrema confiança minha, então irei pedir para que confiem nesta pessoa também. Eu amo muito vocês. Fiquem vivos.”

Ele estava se levantando para desligar a câmera quando se sentou novamente e olhou em direção a câmera que estava gravando suas ações.

“lembre-se quem é o verdadeiro inimigo”

A tela ficou preta, deixando para trás um ultimo sorriso do meu pai e suas ultimas palavras que eram direcionadas a nós. Olhei para Seokjin que tinha um olhar maternal para mim, mesmo sendo mais novo Namjoon cuidava de mim como se ele fosse o mais velho, enquanto Seokjin ocupava aquela parte maternal que faltava.

- Achei que nunca deveria contar a verdade para ele- olhamos em direção a porta e lá estava Namjoon, parado de braços cruzados sobre o peito encostado no batente da porta, olhando em nossa direção.

- Ele não aguentava mais. – eu disse enquanto me levantava do sofá, cai novamente nele quando um Seokjin passou apressadamente por mim, indo até Namjoon o abraçando.

- Eu sinto muito, não consigo acreditar no que vocês tiveram que passar.- ele já estava chorando, sensível.

Vi Namjoon apertar com tanta força a cintura de Seokjin que parecia que a qualquer momento ele poderia quebrar; depois do abraço Nam guiou Seokjin novamente até o sofá.

- Agora entende porque não contamos a você? Só estávamos preocupados demais com você...

- Eu sei Nam, mas agora é minha hora de tomar uma decisão, e é a escolha mais louca que já fiz na vida, além de aceitar namorar com você. –eu tive que rir, me lembrava muito bem do dia em que Namjoon havia pedido ele em namoro, e simplesmente tinha sido uma das cenas mais engraçadas que eu já havia presenciado. Namjoon olhou pra mim com uma carranca terrível, segurei o riso; mas assim que sua atenção voltou ao namorado, uma risada leve saiu dos meus lábios.

- eu também quero ajudar, e não vai ser nem você e nem o Yoongi que vai me impedir.

Meu sorriso desapareceu na hora.


Notas Finais


Espero que tenha gostado <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...