História This is Us - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Backstreet Boys
Tags Aj Mclean, Brian Littrell, Howie D, Nick Carter
Visualizações 28
Palavras 2.313
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Este na capa é quem eu imaginei como Gustavo. Demorei tanto para escolher uma imagem, que tô até pensando em deixar a Gabi com ele hahha

Capítulo 23 - Cap. XXIII


Fanfic / Fanfiction This is Us - Capítulo 23 - Cap. XXIII

Gabi Pov

Se a situação não fosse séria, acho que Brian riria da minha cara de total surpresa ao vê-lo ali. Por que motivos ele viajaria de Atlanta até Boston para falar comigo, se a turnê volta em algumas semanas e... Como ele descobriu meu endereço? Ah claro, Nick Carter. Nota mental: Esganar aquele loiro insuportável por ter dado meu endereço para o outro Backstreet Boy loiro.

Mas vamos voltar um pouco antes desse momento...

Depois daquela cena no estacionamento da boate em Sidney no meu aniversário, eu e Brian não tocamos no assunto. Trocamos algumas palavras, claro, mas apenas profissionalmente e fora isso ele não me procurou.

Nick me levou até a porta do quarto naquele dia:

-Vai ficar bem? – me perguntou

-Vou, Carter. Obrigada!

-Qualquer coisa chama o Aj. Eu tô cansado – ele riu

-Chamo sim – Nick já estava virando as costas – Nick – me encostei na porta – Podemos fingir que isso não aconteceu?

Ele entendeu o que eu quis dizer e concordou com a cabeça – Boa noite, Panic – ele sorriu

-Tchau, Carter!

Para minha surpresa Nick tem sido um bom amigo. Claro que a gente implica um com o outro o tempo todo, mas ele me faz rir... Aj também, ele e a Rochelle me mandam mensagem quase sempre para saber como estou.

...De volta aos Estados Unidos, fizeram uma recepção na casa da Lizzie que era a minha também até então. Conhecia apenas ela, Margot e algumas meninas da escola de dança, Lizzie chamou alguns rapazes para me apresentar, mas eu só pensava em descansar o mais rápido possível.

Como tinha combinado com ela, assim que voltasse da turnê eu tentaria achar um apartamento para mim. O que claro não foi fácil! Ninguém queria alugar uma casa para uma imigrante sem emprego fixo e mais uma vez tive que recorrer a Margot. Muitas das minhas coisas estavam em caixas na casa de Lizzie, então foi fácil fazer a mudança.

Enquanto isso a equipe que cuida da parte burocrática da turnê, estava organizando tudo com relação ao meu visto para assegurar que eu consiga viajar pelo país e pelo Canadá durante dos shows.

Nem quero pensar na possibilidade de ficar sem trabalho depois da turnê com os Backstreet Boys e ter que voltar para Cambé... Mas vamos lá. Um passo de cada vez.

Em meados de abril, Gustavo me mandou uma mensagem dizendo que estava vindo para os E.U.A. Eu não ofereci meu apartamento, pois não sabia como estariam as coisas entre a gente e porque não tem tanto espaço assim. Ele passou algumas semanas em Illinois primeiro e só depois nos encontramos aqui em Boston para um almoço.

-Gabi – ele me abraçou como se realmente tivesse sentido minha falta

-Oi, Gus – retribuí o gesto

Ele parou na minha frente não sabendo se deveria me dar um beijo – E então, como você tá? – puxou a cadeira para eu me sentar

-Ótima e você?

-Estou bem – sorriu – Fui para Illinois resolver alguns assuntos. Se tudo der certo, acho que vou estudar por lá.

-Que boa notícia!

-Você está apenas curtindo as férias?

-Quem me dera! Agora tenho um aluguel para pagar e mais os gastos para me manter aqui. Eu ajudo a Margot na recepção da escola e faço uns bicos por aí. Fiz até ponta como figurante num musical em uma cidade aqui perto.

-Como atriz? – disse surpreso

-Não... Só precisavam de uma dançarina e eu fui. A Jamie me manda uns convites, mas são todos em Los Angeles e no momento não posso gastar com passagens.

-Eu posso te ajudar se quiser.

-Não! – recusei – Eu tô conseguindo me virar e eu juntei um dinheiro desses meses que estou trabalhando.

-Mas então, quando volta ao trabalho?

-A turnê volta dia 29 em Miami, mas eu preciso estar lá uns dias antes.

-Então temos tempo para ficar juntos – disse todo charmoso

Eu ri meio sem graça – Temos sim, Gus.

Sei o que vocês devem estar pensando. Eu sei que já transei com o Gustavo, mas foi uma vez e aconteceu tanta coisa desde então.

Passeamos por alguns pontos turísticos daqui, que nesses dois anos ainda não tive oportunidade de conhecer, mas continuei com a minha rotina de aulas, trabalhos e controlar a dieta, afinal tinha uma turnê pela frente.

Em um desses nossos passeios, Gustavo e eu pegamos uma chuva enquanto fazíamos um piquenique em um dos parques da cidade e voltamos encharcados para meu apartamento.

Nem adianta vocês pensarem que agora rola uma cena de sexo selvagem e beijos ofegantes... Gustavo é um cara atraente... Leia-se, muito atraente! Pele morena, a barba curta e agora que estou vendo ele sem camisa de novo...

-Gabi, tudo bem se eu tomar um banho?

-Oi?– me despertou do meu transe – Pode sim, eu vou achar uma toalha.

-Você não quer ir primeiro?

-Não, pode ir... Eu vou dar um jeito de secar suas roupas, porque acho que as minhas não servem em você.

Ele riu – Ok.

-Vou tentar achar alguma roupa grande ou um roupão enquanto levo as suas lá na lavanderia do prédio.

-Valeu.

Providenciei uma toalha e tudo o que achei foi um sobretudo preto que eu usava no inverno.  

-É isso ou ele anda pelado. Até que não seria má ideia – ri do meu pensamento

Troquei minhas roupas e fui até a lavanderia andares abaixo do meu. O processo demoraria uns 40 minutos, então aproveitei para ligar para minha mãe. Papai também se intrometeu na conversa e perguntou se eu e Gustavo voltaríamos noivos, já o que era o que toda a família estava esperando, segundo ele.

Quis dizer que eu voltaria grávida, mas não quis brincar com o coração do velho.

-Gus – chamei assim que voltei para o apartamento

-Fiquei bem? – disse colocando as mãos na cintura

Gustavo vestia o sobretudo... Repito apenas o sobretudo – Suas roupas – entreguei para ele

-Estou me sentido naquele clipe It's Raining Men – ele riu

-Eles vestem uma capa de chuva e não um sobretudo – ri do comentário dele

-Dá no mesmo... It's raining men, Hallelujah, it's raining men Amen! – começou a cantar e dançar, brincando com o cinto do casaco

Eu não contive a risada – Acho que no fim do vídeo eles dançam pra mulher do clipe né?

-Está sugerindo alguma coisa? – arqueou a sobrancelha

-Não! Até porque os caras do clipe estão de cueca.

-Gabriela, sua safadinha! Está imaginando como eu estou sem isso aqui?

-Não... Até porque eu sei o que tem aí, garoto! Eu já vi, esqueceu? – rebati

Vi que ele ficou meio sem graça quando pensou em dizer algo, mas desistiu.

-Eu vou tomar banho, ok! - avisei

-Eu vou pedir uma pizza pra gente!

Fiz sinal de positivo com a mão e fui para o banho. Nossa pizza ainda demorou um pouco então deu tempo de secar meu cabelo.

-Hey, não quis colocar a camiseta?

Gustavo estava sentado no sofá da sala vendo tv.

-Calor! – ele olhou para mim – Espero que não se importe – sorriu de canto

Eu ri – Não... Por mim tudo bem! Nada da pizza?

-Acho que eu devo ter pedido de algum lugar longe – ele riu

-Acontece. Vou colocar os pratos enquanto isso.

-Eu ajudo.

Organizamos tudo e ríamos de umas histórias bobas do passado.

-Senti sua falta – ele ficou sério de repente – Senti falta da nossa amizade nesses anos.

-Agora você vem morar para cá... Chicago não é tão longe assim.

-É – ele pareceu pensativo

Ouvi o interfone e liberei a subida por pensar que era a pizza – Coloca a camiseta, garoto. Sua mãe não te ensinou que é feio comer sem camisa na mesa? – eu ri e fui atender a porta - Brian? – disse surpresa

-Oi, Gabi – sorriu sem jeito – Eu me livrei daquilo que você me pediu – ele disse me mostrando o dedo onde costumava usar a aliança.

-Ga, é o cara da pizza? – Gustavo apareceu atrás de mim, percebendo minha demora.

Por um momento quis dizer que era engano, mas Gustavo tinha que reconhecer quem estava ali.

-Hey, você não é um dos Backstreet Boys? – perguntou

-Sou sim... – Brian respondeu – E você quem é?

-Eu sou o Gustavo – ele passou por mim e cumprimentou Brian com um aperto de mão – Eu e a Gabi pedimos uma pizza. Não quer entrar?

Meu queixo foi no chão – Eu acho que o Brian está com pouco de pressa e não pode ficar – tratei de dispensa-lo

-Na verdade não – o loiro me interrompeu – Só tem uma coisa que me trouxe a Boston.

“Merda” pensei comigo

-Nunca imaginei que jantaria com um dos chefes da Gabriela – Gustavo era simpático até demais às vezes – Me desculpa, eu só não lembro direito o seu nome. Eu sei que tinha mais um loiro no grupo – disse sem graça

-Brian... Brian Littrell.

-Brian! Eu desconfiei - ele riu

Finalmente a pizza chegou e eu fui obrigada a arrumar um lugar na mesa para meu convidado indesejado.

-De onde você e a Gabi se conhecem? – Brian perguntou interessado

-Nos conhecemos na infância lá na nossa cidade.

-Hum – Brian pareceu se ligar que ele era o tal cara que eu dizia que estava me esperando no Brasil – Gustavo seu nome, certo?

Gustavo concordou e eu fiquei só assistindo os dois conversarem sem dizer uma palavra.

-E você era o preferido da Gabriela, imagina – Gustavo me cutucou

Eu sorri sem saber onde enfiar a cara

-Ainda sou né Gabi? – Brian disse com ar de riso

Já posso enfiar minha cabeça num buraco?

-Pode deixar que eu tiro os pratos – Gustavo se ofereceu

-Imagina! Você é visita, deixa aí!

-Fica tranquila! Acho que seu chefe veio aqui por algum motivo. Podem conversar – sorriu

Fui até a sala com Brian, morrendo de raiva dessa lerdeza do Gustavo para captar as coisas no ar.

-O que você veio fazer aqui? – perguntei direta

-Posso me sentar primeiro?

-Não... Não pode não!

-Por que toda essa agressividade? Foi seu amigo que me convidou para entrar. Aliás, ele parece estar bem a vontade na sua casa.

-E o que você tem a ver com isso?

-Nada – balançou os ombros - É ele o tal cara lindo que valia pena?

-Você ainda não me disse o que veio fazer aqui?

-Eu me divorciei.

-É para eu te dar os parabéns ou dizer que pena?

-Precisava te contar. Afinal foi isso que me pediu, me livrar da aliança e você me daria um chance.

-Eu devo ter dito isso bêbada.

-Gabriela – seu tom de voz se tornou sério – Me diz... Me diz que você não sente o mesmo que eu.

-Não sinto – desviei o olhar

-Mas diz isso olhando no meu olho – Brian parou na minha frente e me fez olhar para ele – Diz – ele segurava meu rosto com um das mãos – Diz que não sente nada e eu desisto.

Minha respiração estava pesada e eu fechei os olhos, pois era incapaz de encara-lo.

-Ga, onde eu guardo esses pratos? –a voz do Gustavo vindo da cozinha fez que nos separássemos no susto - Tá tudo bem aqui? – perguntou pausadamente

-Tá – ajeitei o cabelo meio nervosa – O Brian está de saída.

-Estou? – Brian perguntou me encarando

-Está sim... – fui o empurrando sutilmente até a porta

-Foi um prazer conhecê-lo, Gustavo – Brian acenou com as mãos

-Posso dizer que agora eu conheço um Backstreet Boy – ele riu

-É pode sim... – abri a porta - Tchau! – disse seca

-Se despeça de mim direito – Brian me puxou para fora do apartamento e me encostou na parede sem espaço para eu fugir, se aproximou de mim e eu institivamente fechei os olhos para o que viria a seguir, mas me enganei – Eu não vou desistir de você – disse próximo ao meu ouvido – Nos vemos em Miami, Panic – se despediu e fiquei parada no mesmo lugar o vendo descer as escadas.

Minha reação por ter ele tão perto de mim valeu bem mais do que qualquer resposta que Brian queria.

-Saco – voltei para dentro, fechando a porta atrás de mim

-Tem alguma coisa para me contar ? – Gustavo disse sem tirar os olhos da TV

-Sobre? – me fiz de desentendida

-Gabi – ele virou para mim – Não precisa ser muito esperto para saber que tem alguma coisa entre vocês

Respirei fundo

-Longe de mim estar te cobrando alguma coisa e sei que não posso ter ciúmes, mas...

-Eu não tenho nada com o Brian – sentei ao lado dele

-Mesmo? – duvidou

-Eu não sei que nome dar a isso... Eu nem sei se o que a gente teve pode se chamar de relacionamento – falei rápido

-Então teve alguma coisa?

-Uns beijos... Algumas vezes – disse sem jeito

-E?

-E que não deu em nada. O Brian é casado ou era. Ele veio me contar que se divorciou da mulher.

-Por você! – constatou

-Não! Os dois já não estavam bem antes mesmo da turnê começar. A Leighanne, a esposa dele, já tinha feito o pedido de divórcio antes de eu pensar em me interessar pelo Brian.

-E agora?

-Agora o que?

-Caminho tá livre para vocês – pareceu um pouco triste

-Eu... Eu não sei – disse confusa

-Ga – Gustavo pegou na minha mão me fazendo olhar para ele – Vou te perguntar mesmo sabendo a resposta. Você gosta dele?

Demorei uns minutos relutando para admitir o que no fundo eu já sabia - Eu acho que sim.

-Acha?

-Eu gosto – revirei os olhos

-E eu acho que ele também, se não ele não viria atrás de você.

-Ele me disse que estava apaixonado um pouco antes da turnê acabar...

-Então... Vai ser feliz! – sorriu sincero

-Gus – me senti mal por ele

-Hey, vem cá – ele me puxou para um abraço –Não se sinta mal por mim. Eu meio que gosto de você, mas é impossível competir com um Backstreet Boy – ele riu

-Bobo – ri sem humor

-Vem aqui – ele me abraçou de novo e eu perdi a noção do tempo que fiquei ali no colo dele, recebendo um cafuné até pegar no sono.


Notas Finais


E aí???

It's Raining Men - The Weather Girls https://www.youtube.com/watch?v=l5aZJBLAu1E


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...