História Thorki ts3 - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Mitologia Nórdica, Thor, Tom Hiddleston
Personagens Frigga, Heimdall, Loki, Odin, Thor
Tags Asgard, Drama, Jotunheim, Loki, Romance, Thor, Thor X Loki, Thorki, Yaoi
Visualizações 405
Palavras 6.202
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Magia, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Olá 👋
Para quem estava me esperando dar as caras apenas nos festejos de fim de ano, fiquem surpresos com minha presença porque até eu fiquei ^-^

Brincadeiras a parte, eu espero realmente que o capítulo esteja do agrado de todos vocês, e se caso não esteja, já vou pedindo desculpas logo de cara por faze-los perder tempo!

Bom, então é só isso mesmo ^-^ espero que gostem e boa leitura a todos!

Capítulo 8 - Capítulo 8


Fanfic / Fanfiction Thorki ts3 - Capítulo 8 - Capítulo 8

ծ

《Loki》


Vou descrever o cenário :

Você está deitado em um gramado bem fofinho, enquanto ouve a melodia harmoniosa de uma alvorada em contraste perfeito com o barulho do vento batendo nas folhas secas, que espalham pelo ar aquele cheirinho gostoso do campo, também conhecido como ar fresco. E além de tudo isso, tendo o direito de ter como travesseiro, os ombros largos de um belo príncipe, e seus braços músculos como cobertor para protege-lo do frio da madrugada já inexistente no momento.

Agora a situação :

Lá estava você tremendo de medo feito uma garotinha assustada, só porque uns e outros homens caíram mortinhos aos seus pés, e por causa disso, você resolveu assim sem mais nem menos, ter um ataque de pânico e entrar em choque.
Por consequência, você não pôde evitar que um filho do amornado, infeliz dos infernos, viesse e te apagasse na cara dura sem te dar a menor chance de defesa.
Ai depois de sei lá quanto tempo depois, você acorda nos braços desse mesmo infeliz, em um local lindíssimo e aparentemente no meio do nada.

Concluindo :

O que você faria se estivesse no meu lugar?

Só pude pensar em duas reações lógicas de uma pessoa normal em uma situação como essa.
A primeira seria meter a porrada no desgraçado que ferou ainda mais com a sua vida, que já nem estava tão boa assim. E a segunda e um pouco mais histérica, seria acorda-lo aos gritos se lamentando por ser uma pobre vítima nas mãos de um maluco desconhecido (nem tão desconhecido assim) e depois sair correndo sem rumo por ai.

Como nunca me considerei uma pessoa normal, continuei abraçado a ele e preferi curtir o momento agradável que estava, até ele acordar ou "me acordar" e ai sim, daria uma de coitadinho sequestrado e ainda meteria a porrada nele!



《Thor》


Essa com certeza foi a melhor noite que já tive! Dormir abraçadinho com meu jotun é uma das melhores coisas que já experimentei.
E para completar, seu corpo se encaixa perfeitamente nos meus braços, me passando uma temperatura amena, devido o calor do meu corpo ser muito mais forte do que o dele podia produzir, formando a combinação perfeita!

Acordei com um mormaço típico de começo da manhã. Estavamos deitados embaixo de uma árvore, mas a essa hora os raios de sol batiam bem onde estavamos. Levantei bem devagar, tendo o cuidado de me desvencilhar de Loki sem acorda-lo.
Tirei a capa que compulha minha armadura, e a estendi sobre um galho não tão alto, para que a luz não pusesse atralhar o seu sono.

Peguei meu martelo, me certifiquei de que não havia nada nem ninguém pelos arredores, para não ter risco nenhum de deixar Loki sozinho aqui, e vendo que não haviam problemas, segui mata a dentro em busca de frutas suculentas para nosso desjejum.



《[Fortaleza de Laufey]》


- ISSO É UM ULTRAJE!!
- Odin gritava com o pobre mensageiro que acabara de lhe entregar uma mensagem de seu filho.
- COMO AQUELE IRRESPONSÁVEL TEVE A CORAGEM DE FAZER UMA PALHAÇADA DESSAS?!!


- S-senhor e..eu...


- CALADO.


O velho rei respirou fundo, tentando organizar as ideias na esperança de conseguir achar uma solução plausível para aquela afronta de seu filho mais velho.


- Onde ele está?!
- encarou o jovem rapaz que tremia levemente por temer que pudesse sobrar para si, devido o ânimo exaltado de seu rei.


- Senhor, sabe que não tenho essa informação... recebi essa carta de terceiros e é quase impossível identificar por quantas pessoas essa mensagem passou antes de chegar em suas mãos e... o príncipe tem seus contatos e seus meios de...


- Já basta.
- calou-o outra vez, enquanto esmagava o pedaço de papel em suas mãos.
- Diga a ele que se não parar com esse circo e devolver o filho de Laufey hoje mesmo, vou caça-lo como um animal e quando encontrá-lo, o deserdarei e o jogarei para os domínios de Hel por toda a eternidade!

O jovem sabia que Odin estava falando aquilo da boca pra fora, e certamente Thor pensaria a mesma coisa quando ouvisse e continuaria com seus planos. Mas mesmo assim, prometeu a seu rei que faria o possível para que suas palavras chegassem aos ouvidos de seu filho o quanto antes.

O segundo chefe das tropas asgardianas passou pelo mensageiro que já estava deixando o local, e seguiu de encontro ao pai de todos.


- Meu senhor!
- comprimentou-o cordialmente, para logo prosseguir.
- O que faremos a seguir? Regressar para Asgard ou ainda tem planos para Jotunham?

Odin nada respondeu. Para falar a verdade, ele parecia nem ter ouvido ou notado a presença do homem ali.
Thor e suas maluquices eram as únicas coisas que passavam por sua cabeça no momento.

- Hãm... é... senhor?
- insistiu em dúvida devido a postura pensativa e preocupada do outro.
- Quais são as ordem, senhor?!

Ponderou em chamar a atenção de seu rei com um toque, mas devido as circunstâncias, se não o fizesse ficaria sem respostas.
Meio hesitante, tocou gentilmente em seu braço esquerdo, finalmente conseguindo chamar sua atenção.


- Hein? O que foi... o que disse?
- despertou de seus devaneios meio desnorteado, e sem saber realmente com quem estava falando.


- Perguntei se vossa majestade já decidiu o que faremos a seguir.
- voltou a sua pose formal.
- Quero dizer... se já sabe qual vai ser o destino de Jotunham a partir de agora.


Odin pensou um pouco e chegou a conclusão de que enquanto não resolvesse o problema que mais o afligia, não conseguiria pensar em uma solução para mais nada além disso.

- Diga para servirem meu café, e logo depois me acompanhe até as masmorras. Preciso resolver um assunto com Laufey antes de qualquer coisa e o quanto antes.


- É claro.
- concordou mesmo sem ter a menor ideia do que seu rei pretendia com isso.
- Vou providenciar o que foi pedido e logo depois estarei a sua disposição. Com licença.


Se retirou, deixando um Odin ainda pensativo para trás.



《[Em algum lugar de Asgard]》


Uma pequena variedade de frutas nativas de Asgard, foram devidamente arrumadas em cima de um manto verde estendido sobre a grama.

Thor não tardou em conseguir encontrar o que procurava, e logo regressou de encontro a um jovem príncipe ainda adormecido, abraçadinho a sua capa vermelha, o que deixou o loiro sorridente com a cena. Depois que arrumou "a mesa do café", sentousse junto a Loki a espera de seu despertar.
Não queria acorda-lo muito cedo pois não sabia a que horas estava acostumado a despertar, mas por via das dúvidas, não o deixaria dormir até muito tarde também.

Mas ou menos as oito horas, seria um bom horário para acorda-lo, e como faltava pouco tempo para isso, prefiriu descansar um pouco as pernas antes do desjejum. Não andou tanto assim, mas os poucos metros que percorreu, foram o bastante para deixá-las um pouco cansadas.
Mas mesmo assim não se importava, pois além de conseguir o que queria, ainda achou pelo caminho uma nascente com água doce e uma bela cachoeira não muito longe dali. E a descoberta seria de grande ajuda, caso seu pai preferisse prolongar as coisas recusando-se a acatar suas exigências.


- SEU IMPRESTAVEL!

Thor que já estava quase dormindo novamente, assustou-se com o grito e abriu seus olhos rapidamente para descobrir o que estava acontecendo.
Mas esse foi o tempo do loiro sentir uma dor aguda em uma de suas coxas, devido ao chute que Loki havia lhe dado.


- VOCÊ FICOU LOUCO?! PORQUE FEZ ISSO!
- levantou também aos berros, encarando com fúria o jotun que não estava com a expressão diferente de si.


Loki não se afastou um passo se quer para longe do loiro que se aproximava irritado com sigo, muito pelo contrário, o enfrentou com a mesma intensidade que o mesmo tentava intimida-lo.

- Isso não é nem a metade do que você merece receber em troca do que fez!
- retrucou, impedindo que o loiro o pegasse pelo braço.


- E eu posso pelo menos saber o que fiz para ter o desprazer de se tornar seu saco de pancadas?


- Não banque o sonso comigo, asgardiano maldito! Eu deveria apaga-lo aqui e agora, da mesma forma que você fez comigo!
- empurrou o loiro que o puxou junto, fazendo os dois irem de encontro ao gramado.

Thor caiu de coisas com o jotun encima de si, mas logo inverteu as posições sem lhe dar tempo de reagir. Prendeu o mais novo ali, o fitando com um sorriso triunfante moldando seus lábios. Já Loki faíscava de raiva e seu olhar nublado de ódio, era de botar medo em qualquer pessoa, menos no asgardiano que ao invés disso, achava que o moreno ficava fofo quando estava com raiva.

- Você é muito mal agradecido, sabia?
- tocou gentilmente o rosto do moreno, que virou o mesmo para o lado, totalmente enraivecido.
- Deveria estar grato por mim tê-lo livrado da prisão. Você seria preso junto a seu pai se eu não tivesse intervido.


- Acha que isso vai ficar assim?
- questionou irritado, recebendo um sorriso convencido como resposta.
- Ria enquanto pode seu idiota! Você e seu pai vão pagar muito caro pelo que então fazemos a mim e ao meu reino!


Thor resmungou em reprovação a suas palavras, soltando o mais novo que levantou junto a si. O que menos queria era fazer parte dos planos de vingança de seu jotun, e se irrita-lo só o impulsionava ainda mais a isso, achou melhor evitar prolongar a discussão antes que seu ódio por si aumentasse ainda mais.

Loki se recompôs o encarando com a cara fechada, e Thor retribuiu seu olhar brevemente para logo depois desviar das orbes verdes queimando sobre si.


- Você parece irritado.
- brincou para tentar descontrair e afastar um pouco o clima pesado do local, o que obviamente não aconteceu devido a mal escolha de suas palavras.
- Não dormiu bem essa noite?
- tentou novamente, agora mudando de assunto.

A vontade do mais novo era bater no mais velho até que suas mãos reclamacem de dor, mas se o outro queria brincar um pouquinho com toda aquela situação, entraria no seu jogo também.


- E como poderia tendo você como acompanhante.
- declarou desdenhoso, e o loiro sorriu perante sua cara de nojo.


- Nossa...
- suspirou fingindo ter se ofendido com sua afirmação.
- Sou tão ruim assim? O que fiz que não foi do seu agrado? E nem venha falar que ronco porque isso é uma grande mentira!


- Odeio você!
- pensou alto demais, deixando as palavras fugirem de sua boca.


Thor o encarou novamente, perdendo a expressão brincalhona que moldava seu rosto, que em poucos segundos, mudou drasticamente para um tom entristecido.

- Pelo menos você sente alguma coisa por mim!
- resmungou desanimado, ainda encarando o príncipe mais novo.
- Já é alguma coisa!


Depois das poucas palavras que trocaram, um silêncio incômodo para ambos se estalou entre os dois. Loki queria brigar, bater, gritar com loiro para que pudesse ao menos descarregar um pouco que fosse de sua raiva acumulada em cima do seu grande causador, e Thor queria entender o porquê do mais novo não gostar de si a ponto de odia-lo.
Se levassemos em consideração a lei natural das coisas, já era um grande motivo para Loki o odiar, tendo em vista que ambos sempre lutaram mesmo que indiretamente, um contra o outro para defenderem seus reinos e suas famílias, mas mesmo assim, o loiro não via motivos plausíveis que o levassem a crer que em algum momento de sua vida teria dado motivos para o moreno criar ódio por si.


- Me desculpa.
- Thor cortou o silêncio depois de um longo tempo dos dois imersos em seus próprios pensamentos.


- Pelo que me pede desculpas?
- Loki o encarou vendo que o outro fazia o mesmo.
- Não estou dizendo que não tem motivos, muito pelo contrário. Só tenho curiosidade em saber por qual deles você "sente muito".
- fez aspas com as mãos, demostrando não acreditar que suas intenções fossem verdadeiras.

Thor baixou a cabeça encarando suas mãos, e mesmo que não conseguisse disfarçar sua frustração ao ver a relutância do moreno a acreditar em toda e qualquer palavra que saíssem de sua boca, prosseguiu seu relato sem encarar o mesmo.


- Não sei porque me odeia, mas... estou me desculpando pela única coisa que na minha visão te fez sentir raiva de mim.
- encarou novamente o que ainda lhe olhava desgosto.
- Me desculpe por ter te trazido até aqui contra sua vontade, e se você também se sentiu ofendido pelo beijo que te dei naquele dia... eu também me desculpo por isso.

Loki sorriu para logo em seguida soltar um riso anasalado.

- Você acha mesmo que meras palavras vão consertar o que você fez?!
- questionou levemente irritado enquanto se levantava.
- Eu não quero desculpas. Quero voltar pra minha casa e nunca mais ver essa sua cara na minha frente!


- Escuta, Loki...
- levantou também se pondo a prente do moreno que o interrompeu rapidamente.


- E mais uma coisa. Eu exijo que nunca mais repita que teve a audácia de me beijar naquele dia.
- apontou o dedo indicador na cara do loiro, que não gostou nada daquele ato.


- Não me desrespeite.
- deu um tapa na mão do mais novo, recebendo um olhar enfurecido em troca.
- Não gosto que me faltem com respeito. Então é melhor que isso não se repita. E enquanto a isso, não se preocupe, sei que não foi de sua vontade e jamais usaria esse fato para lhe espor desse jeito, meu pedido de desculpas é mais que uma prova de que minhas intenções nunca foram essas.


Se afastou do moreno vendo que o mesmo ficou tão irritado quanto ele a receber um tapa em sua mão.

- Sinto muito por isso, mas é bom que saiba que fico enfurecido a ser desrespeitado por alguém.
- declarou se sentando em frente a mesa de café improvisada que havia montado ao chão.
- Não quero continuar conversando com você se a cada palavra que trocamos ficamos cada vez mais próximos de começar uma discussão fervorosa que não nos levaria a nada.
- disse mais calmo enquanto escolhia a fruta que iria comer.
- Venha e sente-se aqui comigo. Sei que deve estar com fome, e que desde ontem não se alimenta direito devido a todos esses conturbados acontecimentos, depois de comer retomaremos essa conversa... isso se você quiser.

Loki ponderou em dar o braço a torcer e obedecer Thor, ignorando sua raiva momentânea por ele. Mas teve que engolir seu orgulho ao ouvir seu estômago reclamavar, confirmando que o loiro estava certo.
O mais novo não havia comido nada desde a manhã de ontem, e pra falar a verdade nem seu café tomou por ter sido surpreendido pelos ataques dos asgardianos em seu reino.

Ele sentou com as pernas cruzadas a frente do loiro, sem lhe dar a menor atenção. Pegou uma maçã e alguns morangos, e assim como o mais velho vazia, começou a comer em silêncio.
Thor puxou uma pequena bolsa de viagem pra perto de si, e de lá tirou dois copos e uma moringa, enchendo os mesmos com um liquido avermelhado.


- Tome um pouco de vilho.
- ofereceu ao moreno, colocando o copo a sua frente.


Loki olhou desconfiado para o liquido dentro do copo e Thor percebendo isso, pegou o seu bebendo um pouco do liquido logo em seguida.

- Vamos beba, não está envenenado se é o que está pensando.


"não foi isso que pensei seu idiota".


- Então qual o problema?
- perguntou sem perceber que já tinha até se acostumado com a habilidade que o mais novo tinha de ler mentes.


- É estranho se ter vinho no meio do nada.
- falou ainda encarando o copo.


- Não tive tempo de trazer nada comigo quando saímos, mas um amigo mensageiro me trouxe vinho e água essa madrugada.
- tirou outra moringa da bolsa, mostrando-a ao moreno.


- Mensageiro?
- questionou intrigado.
- Porque um mensageiro veio até você?


- Não vai beber seu vinho?
- perguntou mudando de assunto.


- Para que você precisou de um mensageiro?
- refez sua pergunta, ainda o encarando duvidoso.


- Beba o seu...


- Eu não posso beber nada alcoólico!
- o interrompeu jogando o copo longe, devido sua euforia.
- Me responde logo o que perguntei.


- Não desperdiçe minha bebida!
- ralhou recolhendo o copo com o liquido agora todo esparramado.
- Porque você não pode beber?

Loki suspirou derrotado ao notar que o loiro não iria contar de nenhuma maneira o porquê de precisar de um mensageiro. Então se rendeu e desistiu de insistir no assunto.

- Bebidas alcoólicas e eu somos arque inimigos desde minha adolescência.
- confessou parecendo estar envergonhado.
- Apenas um copinho desses ai já é o suficiente pra me embebedar, e eu sou um bêbado muito vulnerável.


- É mesmo?
- Thor deu de rir mas contevesse ao ver o desconforto que aquilo causava no mais novo.
- Me desculpe! Mas... vulnerável em que sentido?


- No sentido de acordar no outro dia sem ter a mínima ideia do que houve na noite passada... o que já me trouxe muitos problemas.
- dessa vez seu tom de voz soou mais tristonho do que envergonhado.

Thor notou isso e se atreveu a perguntar o que havia acontecido.

- Por muitas vezes já acordei na cama de desconhecidos sem ter a menor ideia de como havia chegado ali, ou pelo menos de quem se tratava o sujeito que havia transado comigo sem o meu real consentimento...

O loiro se sentiu incomodado ao ouvir aquilo, foi como se uma raiva repentina tomasse conta de seu corpo fazendo seu sangue ferver.

- Depois disso eu parei de beber uma só gota de álcool com medo de que meus pais descobrissem o que eu vinha aprontando, mesmo que sem querer!


Depois de um tempo ali conversando, Loki nem tinha visto o tempo passar, e como num passe de mágicas, a raiva que sentia por Thor, parecia inexiste. Já o loiro sentiu dificuldades em tirar da cabeça o fato de que o mereno mesmo com tão pouca idade, teria se deitado com um qualquer um por ai, e sentiu seu orgulho ferido por não ter impedido os desgraçados que ousaram tocar no que a tempos já lhe pertencia, e ainda por cima, sem o consentido de seu jotun. A vontade que ele tinha era voltar no tempo só para acabar com a raça dos infelizes um por um.


Pouco antes do meio dia, Thor lembrousse da cachoeira que havia encontrado, e aproveitando a aparente trégua que havia se estalado entre os dois príncipes, o loiro convidou o moreno para acompanha-lo até lá, e para sua felicidade, seu convite foi aceito. Os dois seguiram até o local e quando finalmente chegaram, Loki ficou maravilhado com a beleza do lugar.


- O que achou?
- perguntou empolgado ao ver o brilho nos olhos do jotun.


- É lindo!
- declarou lançado um sorriso ao loiro que retribuiu o gesto com um maior ainda.



《[Fortaleza de Laufey]》



- O SEU FILHO SUMIU COM O MEU FILHO, ODIN! E QUANDO EU ENCONTRAR AQUELA SUA CRIA DEFEITUOSA ELE VAI VER UMA COISA...


- CALA ESSA BOCA!

Odin mal entrou no lugar e os gritos de ambos os reis já dominavam os corredores daquela masmorra. E mesmo que quisesse continuar respondendo o outro com o mesmo tom, Odin sabia que não conseguiriam resolver nada daquela forma, e com muito esforço, procurou respirar fundo para se concentrar em resolver o assunto da forma mais calma possível.


- Acertou em sua dedução. Ele realmente foi levado daqui ontem, e ainda a pouco um mensageiro me trouxe isso.
- estendeu o papel amassado ao outro que pegou agressivamente.


A cada linha que Laufey lia, seu rosto se contorcia ainda mais em pura raiva. Ele encarou Odin perplexo com o que acabará de ler.

- o que é isso? alguma brincadeira?
- perguntou zombeiro mas sem poder disfarçar a preocupação por trás de suas palavras.
- Loki não é uma moeda de troca! E vocês podem até roubar meu reino, eu não me importo porque vou reave-lo novamente e chutar vocês daqui muito em breve.


Odin suspirou derrotado, voltando a fitar o prisioneiro atrás das grades.

- Vou ser bem claro com você. Nem você e muito menos eu temos recursos para encontra-los. Thor é sorrateiro e é quase impossível resolver esse impasse sem darmos o que ele quer! Ele não vai parar, muito menos mudar de ideia enquanto não cumprirmos esse acordo.


- NUNCA!
- esmurrou as grades.
- É quase impossível você diz? Então significa que à outra alternativa. ME DiGA, VAMOS...


- Não estou disposto a sacrificar meu filho a favor do seu, sendo que tenho tudo ao meu favor. Você esta preso, seu reino sob meu poder e além de tudo...
- apontou em direção as portas do local.

Pelas mesmas, surgiram guardas trazendo com sigo a jovem princesa de Jotunham e sua mãe, a rainha.


- SEU DESGRAÇADO VOCÊ VAI ME PAGAR POR TUDO ISSO, ODIN!!!


- Se eu tiver que escolher entre concordar com esse absurdo a deserdar meu próprio filho para ele não levar tudo isso a diante, prefiro ser egoísta e negligênciar a situação em que o seu se encontra.


Deu as coisas aos soberanos de Jotunham que agora dividiam a mesma cela novamente.

- Você não pode obriga-lo a casarsse com ele só por um capricho de seu filho maldito! Ele não tinha o direito de...
- foi interrompido pelo outro.


- Sim, Thor é um irresponsável por fazer uma estupidez dessas, mas também ninguém tem culpa do seu filho ser uma menininha indefesa que não consegue nem se defender do meu.


- Ora seu... o seu filho deve tê-lo pegado na corvadia. Mas cobra criada é assim mesmo, deve ter aprendido com o pai!


- Já chega vocês dois!
- a rainha os interrompeu surpreendendo a todos ali.
- Não vêem que se ficarem ai se alfinetando não vai adiantar em nada?! Resolvam logo isso com...


- Já está tudo resolvido senhora!
- Odin a respondeu cordialmente.
- Só vim lhes informar como as coisas vão ser daqui pra frente. Não tenho nenhum interesse ou planos futuros para jotunham mesmo, então no final das contas não perderei nada, e se cooperarem comigo para acobarmos logo com essa palhaçada toda, devolverei Jotunham a vocês como Thor propôs, em troca da mão do filho de vocês.

Os soberanos o olhavam se sentindo de mãos atadas em relação ao inevitável acordo que o pai de todos estavam os propondo.

- Vocês não vão sair perdendo nada também...
- parou pensando melhor no que havia dito.
- Bom... quer dizer, apenas o filho de vocês que depois do casamento naturalmente vai conosco para Asgard!


Depois que achou ter deixado as coisas bem claras aos familiares de seu futuro genro, Odin saiu dali os deixando a sós com a tensão que havia se formado no local.
A rainha abraçou seu marido, e a princesa que até então se mantinha calada, começou a lamentar-se pelo futuro que guardava seu irmãozinho caçula. Ela sabia que para ele, seria um castigo se casar e ter que conviver com um povo, pelo qual adquiriu um ódio profundo no passado.


- Mande um mensageiro avisar minha esposa para que comece os preparativos da cerimônia.
- Odin ordenou a um dos guardas que o seguiam.
- Mudei de ideia em relação a realizarmos o casamento aqui. Laufey é ardiloso e não quero ter mais problemas para me preocupar, já me basta os que tenho!


- Tem toda razão, senhor! Em Asgard ele não poderá tentar nenhuma gracinha. Vou agora mesmo cumprir suas ordens.
- o reverenciou, começando a sair dali.


- Ah, mande outro mensageiro dar um jeito de avisar o inconsequente do meu filho, de que já pode parar com esse circo de horrores. Quero que ele devolva o filho de Laufey, e quero os dois em Asgard o quanto antes.


- Sim, senhor.
- concordou saindo dali a passos apressados.


Odin massageou as têmporas e respirou fundo para tentar diminuir o estresse. Ninguém melhor do que ele sabia que o que estava concordando em fazer, era algo deverás precipitado, mas o velho rei já estava tão casando de tudo, que aceitaria qualquer coisa só para poder voltar para sua casa, com a certeza de que nunca mais botaria seus peis em Jotunham para guerrear novamente.


《[Em algum lugar de Asgard]》


Thor observava a beleza do jovem príncipe, sentado sobre uma grande pedra ao lado da cachoeira. Loki nadava graciosamente sob as águas cristalinas, que brilhavam a medida que os raios de sol refretiam ali.
O loiro estava tão imerso no que estava fazendo, que nem percebeu quando um grupo de valquirias começou a se aproximar dali. Sua sorte, era que por ser um local aberto e silencioso, as pisadas das mulheres contra o chão tomado por folhas secas, poderia ser ouvido ao longe e o mesmo despertou o loiro antes que o pior acontecesse.
Valquirias eram complicadas de se lidar, e até explicar, ou melhor, tentar inventar uma desculpa para o fato de estar ali com um jotun em território asgardiano, elas já o teriam se voltado contra si a muito tempo. E também tinha o risco de seu pai ter colocado as mesmas para caça-lo por toda a Asgard e além dela.

Ele levantou rapidamente de onde estava, catando as roupas do mais novo e correndo de encontro ao mesmo.


- Loki saía da água agora!
- chamou afoito pelo menor que o ignorava.
- Ora vamos, eu não estou brincando. Não me faça entrar ai e tira-lo a força.


- Não seja estraga prazeres...
- fez uma cara de coitadinho para tentar convence-lo a deixa-lo ali mais um pouco.
- Porque quer que eu saía?

Thor bufou começando a se estressar com o jotun.

- Não temos tempo pra ficar aqui batendo papo! Sai dai agora.
- disse um tom mais alto do que da última vez, ao notar que os passos pareciam estar cada vez mais próximos.


- Ah que chato!
- resmungou começando a sair lentamente da água.

O moreno vestia apenas uma sunga preta com detalhes em verde. Seu corpo molhado e a falta de roupas, estavam deixando o loiro abobado novamente.

- Me traz aqui só pra depois acabar com minha alegria.
- Loki o encarou emburrado, percebendo que o mesmo parecia estar em outro mundo.
- Ei! Eu tô falando com você. . .
- estalou os dedos em frente ao rosto do loiro.

Thor pareceu acordar pela segunda vez em menos de dois minutos.

- Vem logo!
- aproveitando que o jotun agora estava a seu alcançe, puxou o mesmo para fora da água as pressas.


Entregou as roupas do mais novo que as abraçou, e começou a seguir o loiro que caminhava apressado para fora dali. Thor olhou brevemente para o moreno, percebendo que o mesmo estava tendo dificuldades para acompanha-lo.
Parou um estante para espera-lo, e quando o mesmo o alcançou, pegou sua capa vermelha e o cobriu para protege-lo do vento devido o mesmo estar molhado. Pegou na mão do moreno e seguiu o puxando levemente para que ele pudesse acompanhar o ritmo de suas passadas.

Dentro de pouco tempo já estavam de volta ao pequeno "acampamento" improvisado pelo loiro.


- Vista-se se quiser. Vou buscar alguma coisa pra gente beber.
- Thor ditou, se aproximando de sua bolsa de viagem.

Loki nada disse, apenas terminou de se enxugar e logo em seguida começou a vestisse.
Pouco tempo depois, o loiro voltou a seu encontro lhe entregando um copo com água. Ele aceitou fitando o loiro em dúvida.


- O que foi?
- Thor perguntou ao notar que o moreno o perseguia com o olhar.

Os dois sentaram-se novamente embaixo da árvore, travando uma batalha de orbes verdes e azuis.

- Para que tudo isso?
- o mais novo questionou o outro sem esperar uma resposta.
- Primeiro você tenta me prender na primeira vez que nos encontramos, e pouco tempo depois, não deixa que seus soldados me detenham.

Thor ficou em silêncio, vendo onde o jotun queria chegar com aquilo e quais conclusões havia tirado de suas ações contra si.

- No começo fiquei irritado com você por ter me apagado e me trazido até aqui contra minha vontade. Mas depois, pensei melhor e cheguei a conclusão de que só fez isso para me livrar da prisão, não é mesmo?


- Sim, e de nada!
- respondeu convencido.


- Entretanto...
- cortou o loiro que o olhou preocupado.
- Minha vontade de bater em você está começando a voltar, sabe. E tudo porque até agora você me mantem aqui e estou começando a me sentir um prisioneiro mantido em cativeiro, por um louco que me trata super bem, mesmo nós estando em lados opostos de uma batalha entre dois mundos.


Thor sorriu sem humor mediante a declaração de seu jotun. Como poderia trata-lo mal ou vê-lo como um inimigo se o amava?


- Não espero nada em troca do meu amor por você, e muito menos vou pedir pra que me ame também!

Soltou as palavras normalmente, surpreendendo Loki com a naturalidade que admitia o que sentia, e tal declaração vinda de alguém que o mais novo mal havia conhecido, o fazia achar tudo aquilo muito difícil de se entender.


- Mas você pelo menos podia não me ter como seu inimigo?!
- perguntou esperançoso, o que só reforçou a confusão na cabeça do jotun.


Loki levantou, se afastando um pouco do loiro que o olhava preocupado ao perceber que o outro parecia estar desnorteado.
Era difícil para o jotun acreditar que realmente havia verdade nas palavras do asgardiano. E mesmo que fosse esse o caso, Loki preferia fazer de tudo para afasta-lo de si e faze-lo desistir dos sentimentos que nutria por ele.
Uma desilusão amorosa já era o bastante vinda daquela raça que agora repudiava, e a última coisa que precisava era se deixar ser envolvido novamente por outro asgardiano. Então o que lhe restava a fazer, era tentar dar-lhe um choque de realidade, para que o mesmo não o tentasse mais, já que não se apegar ao loiro, era algo que estava tentando com tanto esmero desde que o conheceu.



- Escuta muito bem o que eu vou dizer! - ditou afobado, balançando o indicador a frente do loiro, que trincou seu maxilar, parecendo tentar conter a raiva que sentia mediante a sua atitude.
- Nós somos inimigos! Meu reino está nesse momento sob poder de seu pai, que prendeu o meu em sua própria masmorra...


- Você e eu não temos culpa das atitudes de nossos pais!
- Thor o interrompeu, tentando se aproximar do jotun para acalma-lo.


- O restante de minha família deve estar por ai se escondendo para não ter o mesmo fim de meu pai, e tudo por culpa da sua raça maldita!
- não estava dando atenção as palavras do loiro e se afastava de si, a medida que o mesmo encurtava a distância entre eles.
- Então não venha dar uma de bom moço! Você é um deles! É igual a eles e eu odeio todos os asgardianos que só me fazem mal.


Thor parou por um instante, ainda encarando o mais novo que parecia estar bastante irritado com sigo.

- Apenas me responda uma coisa.
- pediu mas o jotun lhe deu as coisas como resposta.
- Olha... Se por acaso aquele asgardiano não tivesse iludido você, mesmo assim sentiria ódio de todos nós?

Mesmo tento o silêncio como resposta, prosseguiu na esperança de faze-lo entender seu lado da história.

- Você ainda lutaria contra nós se o ódio não o motivasse a isso?
- sorriu minimamente ao ver o mais novo baixar a cabeça.
- Porque se me disser que sim, só ai vou acreditar em suas palavras. Eu não luto contra vocês por vontade própria. No começo fazia isso apenas para agradar meu pai, mas achava um tédio.
- riu brevemente, notando em segunda que Loki lhe olhava de canto.
- Só que depois do dia que o vi, você se tornou minha motivação! Eu ficava ansioso quando voltava pra casa, contando o tempo e torcendo para que nossos pais guerreassem outra vez, para que eu pudesse regressar a Jotunham e ficar te admirando em meio ao confronto.


Aproveitando que o jotun parecia mais calmo e entretido com suas palavras, se aproximou do mesmo o virando novamente de frente pra si.

- Eu entendo seus motivos, mas quero que entenda os meus também, e não duvide por um só minuto de meus sentimentos por você!
- encarou o jotun que retribuia seu olhar com uma expressão duvidosa.
- É uma pena que estenda o que sente por um só homem, para toda sua raça também. Mas acredito que com o tempo você percebá que eu não sou igual a ele e muito menos concordo com as atitudes de meu pai, por isso peço que não me inclua na sua lista negra.


Loki pareceu convencido com as palavras do loiro, o que o deixou muito feliz por pensar que havia conseguido faze-lo compreender suas reas intenções com sigo. O que infelizmente não passava de um lego engano.
O jotun o empurrou para longe, arrancando um suspiro frustrado do príncipe de Asgard.


- Não me peça o impossível! Ou você quer que eu corresponda aos seus sentimentos idiotas, mesmo depois de praticamente me sequestrar, enquanto o seu santo pai está mandando e desmandando em meu reino?!


- Você não ouviu uma só palavra do que eu disse? O que meu pai faz não é de meu agrado e....


- Isso é cárcere privado!
- interrompeu o loiro sem dar a menor atenção ao que ele dizia.


Thor bufou novamente, desistindo de tentar se defender das acusações do jotun. Jogou-se sobre a grama, enquanto Loki ainda tagarelava o ditando como sequestrador.


- Não estou mantendo vc preso em uma casa, porão ou coisa assim. Só porque você não pode sair daqui, não quer dizer que eu esteja o prendendo.
- protestou quando o outro já estava lhe enchendo a paciência.
- Olhe em volta, você não está preso!


Ouviu o moreno dar um grito baixo de ódio perante seu sarcasmo, e sorriu com isso ao se convencer de que ele realmente parecia muito fofo quando estava com raiva. Notou também que a sombra que a árvore vazia sobre si, parecia estar desaparecendo por consequência de um brilho intenso sob sua cabeça.
Olhou para cima, encarando Loki que lhe olhava com um sorriso vitorioso, prestes a atacar o loiro com um de seus melhores feitiços.


- Você vai aprender a nunca mais zombar de mim, asgardiano!
- ditou convencido, encarando o loiro que agora tinha uma expressão assustada no rosto.


Thor levantou rapidamente, chamando seu martelo para proteger-se do impacto. Esse que não veio, pois Loki pareceu desistir do ataca, desfazendo o feitiço enquanto encarava em dúvida o horizonte.

- O que é aquilo?
- apontou para um circulo brilhante no chão, com demarcações e símbolos asgardianos, não tom longe dali.

O loiro olhou na mesma direção, vendo que a bifrost estava prestes a abrir.
Pensou em pegar Loki e sair voando dali, mas desistiu ao se conformar de que não daria tempo para fugir de seu pai, se é que era ele mesmo chegando.
Suspirou aliviado quando avistou seu amigo mensageiro saindo do círculo e correndo em sua direção.


- Tenho ótimas notícias, Thor!
- parou a frente do loiro, que o fitou com os olhos brilhando ao ouvir sua frase.
- Vamos, pegue seu noivo e volte pra o palácio dourado!


- Isso quer dizer que...
- deduziu sem acreditar que aquilo estava realmente acontecendo.


- Sim, amigo! Seu pai aceitou suas condições, já regressou a Asgard e sua mãe começou os preparativos para o casamento ainda pouco!


O loiro ouvia mais custava acreditar nas palavras do mensageiro. Pensou que seu pai não iria aceitar suas imposições e para sua surpresa, tudo acabou mais rápido do que podia imaginar. Thor ficou tão empolgado com a notícia, que não via a hora de voltar pra casa e poder desposar seu jotun.

Loki que até então não estava entendendo bulhufas do que os dois estavam falando, se assustou quando o loiro começou a puxa-lo junto a si a caminho do símbolo rabiscado ao chão.


- Ei! O que pensa que está fazendo! Me solta, asgardiano!
- puxava o loiro para trás tentando faze-lo o soltar, mas de nada adiantava. Thor estava afobado demais para se quer prestar atenção em seus protestos.


- Heimdall, abra a bisfrost!
- ordenou sorridente, fitando com carinho seu jotun emburrado.


E assim, ambos partiram de encontro ao evento que mudaria suas vidas radicalmente e para todo o sempre!



...

Notas Finais


Gente, eu havia prometido a algumas leitoras postar dois capítulos esse final de semana. Esse hoje (estou dentro do prazo! Eeeeee!!!) e outro da ts1 amanhã.
Acontece que por problemas técnicos /a culpa não é minha, juro ^-^/ me atrazei um pouco com esse capítulo e dúvido muito que ele esteja pronto pra sair amanhã :/
Mas se caso não der para postar ele amanhã, segunda ou no máximo terça ele tá saindo tá bom ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...