1. Spirit Fanfics >
  2. Those Girls! >
  3. Parque de diversões, romance e BAKUGOU!?

História Those Girls! - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Bom, mais um mês se passou e olha eu aqui de novo 😅. Perdão pela demora, confesso que estou tentando o melhor de mim, essa fic é particularmente meu xodó, exige muita paciência, várias questões delicadas ainda vão ser abordadas aqui, mas estou feliz que estou conseguindo mante - la, eu sei que ela parece parada por agora, mas tem muita coisa pra rolar antes dos finalmente e do pa pa pa também 🙄😏
Boa leitura!!!

Capítulo 4 - Parque de diversões, romance e BAKUGOU!?


Capítulo 4 – Parque de diversões, romance e BAKUGOU!?

- Isso ‘tá uma merda Kirishima, ‘to parecendo o papai, que porra – o loiro reclamou mais uma vez se olhando no espelho, trajava uma calça e uma camisa social, contrastando entre as cores preta e branca. – Foda – se, eu não vou usar essa merda.

- Você não disse que vai num encontro? – o outro apenas suspirou cansado da ambiguidade do amigo, que uma hora estava contente e na outra reclamando sem parar – Se quer saber, acho que essa roupa fica ótima em você.

- É claro que achou, você é careta que nem meu velho – rugiu desgostoso com o senso de moda do amigo que, em sua opinião, não era nada bom – Quer saber, vou usar o meu skinny rasgado e uma camisa qualquer de anime, é melhor que essa merda.

- Então vai seu babaca, e não me chame mais para te ajudar a escolher roupas, você não vai me ouvir de qualquer forma mesmo. – Kirishima se dirigiu até a porta do quarto do loiro mas antes de sair encarou o menino de cabelos espetados mais uma vez - Você pretende contar pra eles quando? TODOS ELES.

- Eu vou, eu sei caralho, mas preciso de um pouco mais de tempo – bufou meio irritado, já era a segunda vez que Kirishima fazia aquela pergunta e a segunda que Bakugou se perguntava se deveria mesmo contar.

Baby I'm sociopath, sweet serial Killer, on the warpath...- Bakugou se sentou ao lado do esverdeado dando um sorriso mínimo em direção ao horizonte ao ouvir a voz suave que sibilava uma canção no fone do mais baixo.

- Você ainda escuta ela? – proferiu como quem não quer nada tomando a atenção do outro para si – Lana del Rey?

- Ah, sim, é minha cantora favorita – o mais novo sorriu deixando os dentes parcialmente a mpstra – Achei que também gostasse dela, não?

- Na verdade só ouvia porque você estava sempre falando a respeito, tsc, foi mal, eu não queria te decepcionar. Só não me mate, não sei se você seria um bom assassino em série, provavelmente se arrependeria logo em seguida e se entregaria. – falou o loiro soltando uma lufada de ar, o que fez Midoriya rir baixinho.

- Tudo bem Kacchan, não tem problema, e quer saber, acho que eu seria mesmo um péssimo assassino - retirou o outro fone pausando a música permanentemente, olhou para o outro menino de forma agitada, em uma batalha interna sobre se deveria ou não contar a respeito de uma coisa – Sabe Kacchan – falou manso esperando o acenar positivo do outro, este veio de imediato – Se lembra da quinta série, tinha uma garota...

- Hmm, não tenho certeza – respondeu pensativo colocando uma das mãos no queijo tentando relembrar alguma coisa relevante – Desculpa, nada.

- Bem, talvez você não tenha reparado nela muito por estar ocupado cometendo pequenos delitos – sorriu com a clara expressão de indignação seguida de um “ei” do outro – Ela se chamava Shouji...

- Oh, me lembro...espera, ela é parente do Todoroki, não é? Acabo de me recordar que eles possuem o mesmo nome, por que está perguntando? Você a viu? – estava surpreso, sua faceta era de pura curiosidade em saber o que o outro tinha a dizer.

- Digamos que sim, mas não – suspirou percebendo o misto de confusão e curiosidade estampada no rosto do menino – Sabe o Shouto? Então, ele é a Shouji, quero dizer, ele foi a Shouji, agora ele é o Shouto.

- Hmm – havia um silêncio constrangedor rodeando os dois naquele momento e Bakugou não queria de forma alguma passar a impressão errada ao esverdeado – Tudo bem, ele odiava vestidos mesmo – sorriu sendo retribuído pelo menor, que se deu por vencido e desatou a gargalhar.

- Que bom, eu só não queria que... – suspirou mais uma vez, mas dessa vez fora de alívio, era bom saber que Bakugou por mais boca suja, mal educado, bagunceiro e temperamental que fosse, tinha uma mente aberta e evoluída – Desculpa, acho que te julguei mal.

- Estava esperando que eu fosse fazer o que? Piada escrota ou algo assim – falou um pouco indignado – pfft, porra Deku, eu sei que fui um bosta, mas olha pra mim, eu gosto de um garoto e faço faculdade de Licenciatura em Língua Estrangeira, quem sou eu pra julgar alguém.

- É – riu nasalado com a piadinha interna – Maldito ônibus, já fazem 20 minutos que deveria ter passado.

- Se fossemos a pé, já estaríamos lá – falou bufando, e assim que terminou a sentença, o bendito havia chegado – Já era hora. E o Todoroki?

- Disse que nos esperaria no Parque, parece que ele tem um carro.

- Malditos riquinhos mimados, tsc – os dois riram subindo no ônibus enquanto procuravam pelos cantos dos olhos por algum lugar vago ao fundo, sem sucesso – Merda.

- Acho que podemos ficar em pé, são só trinta minutos até o parque Kacchan – sorriu minimamente para o outro que retribui um pouco forçado – Vamos.

- Ta bom – os dois se apoiaram um no outro segurando na barra de metal acima de suas cabeças, o que era pra ser uma curta jornada de meia hora até o parque, acabou se tornando trinta torturosos minutos para Izuku, que tentava a todo custo não reagir a cada encostada que seu corpo dava no loiro toda vez que passavam por um quebra mola, ele sabia que não era proposital, mas não podia evitar sentir um calor nada convencional se instalar pelo seu corpo a cada solavanco – Ufa! – suspirou aliviado ao sair do vagão – Digo, estava muito quente lá denteo né hehe – sua feição quase o entregava.

- É, uma merda, da próxima vez, diga ao pavê que venha nos buscar.

- Kacchan – repreendeu deixando escapar uma gargalhada alta pelo local – Vamos, ele disse que estaria perto da barraca de algodão doce.

- Ótimo, tem um milhão dessas coisas por aqui.

- Não reclama, pelo menos já chegamos.

Os dois saíram em direção as barracas de doces, pipocas e comidas que ficavam na parte central do parque, por sorte, encontraram o bicolor logo de cara, na primeira barraca, segurando três algodão doce, um azul, outro amarelo e um cor de rosa. Midoriya sorriu minimamente para o garoto indo a seu encontro, pegou um dos doce oferecido a si, que por acaso era justamente o que lembrava a cor penetrante de um dos olhos do bicolor, azul. A muito custo, Bakugou aceitou ficar com o rosa, não sem antes armar um barraco e faze – los serem enxotados da barraca do moço que não aguentava mais aquela barulheira.

Sem mais, Midoriya sugeriu que fossem a roda gigante, e, inacreditavelmente, Katsuki protestou, os meninos acabaram por descobrir que Katsuki Bakugou, o maior valentão da quinta série, era na verdade um gatinho medroso quando se tratava de altura. Fora meia hora o convencendo ir até a fila e mais meia hora para o convencer a subir na roda gigante, mas mesmo assim, Bakugou optou sentar entre os dois com a desculpa de que poderia segura – los se algo acontecesse pois era o mais forte, mas Izuku sabia que era apenas porque o maior estava com medo e não queria admitir. O ponto ápice daquela aventura foi quando a roda parou no ponto mais alto e Katsuki quase deixou o algodão doce voltar enquanto falava coisas desconexas e xingava os outros dois.

- Puta que pariu Deku, mas que porra, isso é alto pra caralho – preferia irritado e amedrontado ao mesmo tempo, alguém iria pagar por aquilo – Vou matar vocês quando descermos.

Parece que Bakugou levou a sério suas próprias palavras, e agora “caçava” feito louco os outros dois meninos que estavam escondido na máquina de tirar fotos.

- O que foi? – Todoroki fora quem perguntara estranhando o comportamento do esverdeado ao seu lado, que esfregava as mãos nos braços e se distraia vagando o olhar de um lado para o outro – Você está bem Midoriya?

- Ah, é, ta meio frio aqui né – forçou um sorriso tentando disfarçar seus reais motivos – Sabe Todoroki... – pensou mais um pouco antes de ter certeza se perguntaria aquilo ou não - Por quê?

- Por que o que? – Shouto estava confuso, todavia decidiu dar corda a conversa esperando que Izuku revelasse do que estava falando.

- Hmm, na quinta série, você era a Shouji Todoroki, não é? – perguntou por fim.

- Ah, era isso – coçou a nunca meio encabulado, não costumava contar muito essa história – Bem, desde que me conheço por gente, nunca fui Todoroki Shouji, era como prisão, entende? – a pergunta fora retórica, não necessitava uma resposta, e, mesmo assim, Midoriya entendia – Eu odiava vestidos, desde muito pequeno, as roupas masculinas me eram mais agradável, mas ao mesmo tempo, eu não queria magoar minha mãe, então...

- Então, aquele tempo todo, você só seguia um padrão social por ter medo do que sua mãe iria pensar, mas não por que era quem você era?

- Não exatamente, eu queria ser motivo de orgulho, não de debocho – suspirou frustrado – Mas por mais que eu tentasse, eu sabia que aquela não era eu, eu sempre fui um menino, Shouji era apenas uma tentativa falha de manter as aparências, as pessoas não perdoam Izu, nem mesmo uma criança.

- Você tem razão, sinto muito se fui invasivo, eu só queria – fora cortado imediatamente por mãos firmes adornando seu rosto, virou em direção ao rosto que o mirava com ternura, e não pode deixar de sorrir mais uma vez – Acho que é agora que acontece aquilo – engoliu seco tentando deixar espairecer o nervosismo que criava crateras em seu estômago – Você sabe...

- Acho que sim – puxou o sardento mais perto, apertou sua nuca encostando seus lábios de leve nos do outro – Obrigado Midoriya, por ser tão incrível.

Era pra ser um momento extremamente romântico e clichê, como aqueles filmes de romance que passavam nos finais de semana, era pra ser um beijo longo e molhado, cheio de ternura, emoção, era pra ter borboletas flutuando em seu estômago enquanto se questionava se aquilo era amor, paixão ou apenas uma atração momentânea, mas tudo que os dois puderam sentir naquele momento fora culpa, assim que terminaram o ato se depararam com um Katsuki perplexo, de boca aberta e pela primeira vez, sem saber o que falar. Midoriya sentiu o peso das suas atitudes naquele momento, e pareceu injusto, mesmo sem ter a intenção.

- Foi mal, não quis atrapaalhar vocês - se retirou sem olhar pra trás.

- Espera, Bakugou... – sua frase morreu no ar ao sentir uma mão apertar levemente seu ombro tentando o reconfortar.

- Acho que precisamos conversar com ele. Mas antes, eu preciso te contar uma coisa.

...

- Kacchan – suavizou a voz ao avistar o menino sentado em um banco de frente para um pequeno rio artificial que corria ali – Acho que precisamos conversar...com toda certeza precisamos.

- Pra que? Acho que já vi o suficiente, vocês estão juntos, eu estou atrapalhando, foi por pena? – direcionou seu olhar ao esverdeado, este inflou as bochechas soltando uma lufada de ar em seguida – Foi?

- Claro que não, você é um grande idiota Kacchan – suspirou pesado – Eu... acho que aconteceu rápido demais, mas, eu... eu só não quero magoar ninguém, Kacchan, eu gosto de você, e isso é frustrante, porque eu gosto do Todoroki – kun também, e nós nem nos falamos direito nesses últimos anos.

- Eu também gosto de você Katsuki – a voz altiva e pacífica de Shouto se fez presente – Eu sei que está chateado pela cena de agora a pouco, mas, eu realmente gosto de você e do Midoriya... desde a quinta série, só não sabia que gostavam de meninos também, fiquei com medo de contar.

- Seus desgraçados, por que foram se pegar na cabine fotográfica e não me avisaram? – sorriu com escárnio fazendo os outros dois gargalhar – Da próxima vez, vê se não esqueçam de me convidar.

- É claro – Midoriya depositou um beijo terno em sua bochecha.

- Não esqueceremos – o bicolor deu ênfase.

- E quer saber, Todoroki, vestidos nunca combinaram com você de qualquer forma – o loiro proferiu sorrindo.

- É verdade – concordou Midoriya.

- Obrigado, eu acho - agradeceu o heterocromático.


Notas Finais


Oh, parece que as coisas estão encaminhando bem para o lado dos docinhos. To até com diabete, de tanta doçura.
Iii mas já adianto que tem treta pra rolar.
Bjinhos e até o próximo. 🤗😚😉


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...