1. Spirit Fanfics >
  2. Three seconds >
  3. Capítulo IX

História Three seconds - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


GENTEEEEEEEEEEEEE, depois de mil anos eu voltei. Desculpinhas é que eu tava tão agarrada com trabalho nessas últimas semanas.

Mais alguém além de mim AMA Octaven?! <3

boa leitura

Ps: A fic já tem quase 600 visualizações e eu to muito feliz, thank u <3

Capítulo 9 - Capítulo IX


Fanfic / Fanfiction Three seconds - Capítulo 9 - Capítulo IX

NO ÚLTIMO CAPÍTULO

Segurei em suas coxas e afundei minha língua em sua entrada. – Aaaah, Lexa... não para! – Cada gemido, cada suspiro era música para os meus ouvidos. Comecei a massagear seu clitóris com uma mão enquanto iniciava um vai e vem com minha língua. Ficamos nesse ritmo até sentir sua entrada contrair, as pernas tremiam e os gemidos eram constantes... ela estava próxima. Intensifiquei os movimentos em seu nervo até que ela se desmanchou em minha boca. Seus dedos afrouxaram enquanto ela tentava normalizar a respiração. Subi beijando seu corpo até chegar em seu rosto que abrigava um sorriso satisfeito. A beijei com vontade permitindo que ela sentisse o quanto era deliciosa.

 

- Seu gosto é perfeito, Clarke. – Vi suas bochechas se tornarem rosadas, mas aquela não era hora para vergonha e ela sabia disso. Me olhou com os olhos transbordando em desejo.

 

- Acho que é a minha vez de sentir o seu. – Disse após chupar meu lábio inferior.

 

Essa noite era somente nossa.

 

CAPÍTULO IX

- LEXA, SERÁ QUE VOCÊ PODE PARAR DE SORRIR FEITO BOBA E ME CONTAR ESSA HISTÓRIA DIREITO? Como assim você e a Clarke...?! Você sabe... Foi bom?

- Foi perfeito, O! Ela é perfeita.

Sim, essa sou eu depois de contar para minha prima tudo que havia acontecido na noite anterior com Clarke. Após passarmos a noite juntas, infelizmente nós tivemos que levantar cedo por causa do trabalho, mas minha vontade era agarra-la e não soltar mais. Passei o dia na empresa sorrindo igual boba e vez ou outra trocávamos algumas mensagens já que naquele mesmo dia eu havia comprado um celular novo.

 

- Octavia, você não pode contar isso para ninguém! Você sabe como meus pais vão ficar se souberem disso, né. – E antes que vocês pensem algo errado, sim, meus pais sabem que gosto de mulheres. Eles não podem saber exatamente porque ficariam perguntando quem é ela e quando eu iria apresenta-la e eu não posso lidar com isso agora, nem eu mesma sei o que vai acontecer comigo e Clarke.

- Eu sei, eu sei, Lelex. Não se preocupa. Tudo que eu tenho a dizer sobre isso é: ATÉ QUE ENFIM MINHA PRIMINHA SAIU DA SECA HAHAHAHAHA... Ai, Lexa! Você está muito agressiva para quem acabou de transar. – Reclamou O colocando a mão no rosto depois de eu jogar a almofada nela.

Quando eu ia retrucar a campainha tocou.

 

Na porta estava uma mulher morena de cabelos longos e lisos, linda.

- Posso ajudar?

- Boa noite, desculpa incomodar, mas a Octavia está aí? Eu fui na casa dela e me passaram esse endereço.

- Reyes?! – O. estava atrás de mim e perguntou ao ouvir a voz da mulher. – O que você está fazendo aqui?

- Toma. – A mulher estendeu um caderno na direção de O.

- O que você está fazendo com o meu caderno? Eu procurei ele pela faculdade toda!

- Encontrei largado na sua sala, como sempre você não presta atenção onde deixa nada, se a cabeça não tivesse grudada no pescoço perdia também. – “Reyes” disse com um pouco de desprezo nas palavras, eu achei foi engraçado.

- Grrrr, veio aqui só para me insultar, Reyes? Então já pode ir embora.

- OCTAVIA! Isso é jeito de tratar alguém?! Ela te fez um favor.

- Tudo bem, tudo bem! Não tem problema, eu já estou acostumada com as grosserias dela. Isso tudo é só para esconder o amor que ela sente por mim.

Olhei para Octavia e ela estava vermelha como um pimentão, por um segundo achei que fosse por vergonha mas mudei de ideia na hora que a vi pronta para “avançar” na morena. Inclinei o corpo para frente só para agarrá-la pela cintura enquanto a morena se afastava andando de costas.

- Te vejo amanhã, bravinha. – Antes de se virar mandou uma picadinha para minha prima, o que só acendeu mais ainda a fera.

- É MELHOR IR EMBORA MESMO ANTES QUE EU ACABE COM VOCÊ, REYES!

Fechei a porta com o pé e finalmente pude soltar minha prima que se jogou no sofá e suspirou pesado.

- Ok, você quer me explicar o que foi isso? Quem é ela e porque você estava brava assim? Eu nunca te vi desse jeito. – Disse me sentando ao seu lado no sofá.

- O nome dela é Raven Reyes. Ela está no último ano de engenharia, adora barrinha de cereal de morango, chocolate quente, sempre que está concentrada fica com uma expressão séria, é forte, superinteligente, cheirosa,... e como fica sexy quando chega na faculdade de moto. – Suspirou. – Mas o principal é que ela ME TIRA DO SÉRIO. Aaaargh, convencida, metida e irritante. – Octavia já estava jogada no sofá apertando uma almofada no rosto.

- Espera um pouco, O. – Me joguei em cima dela. - Desde quando você gosta de mulheres? – Perguntei com os olhos brilhando e um sorriso de orelha a orelha.

- O QUE?! Lexa, do que você está falando? Eu não gosto da Raven. Eca! – Colocou o dedo na boca e a língua para fora. – Você não ouviu nada do que eu disse? “Convencida, metida, irritante...”

- Ouvi, mas ouvi a parte do “cheirosa, sexy...”. Octaviaaaaaaa, me conta essa história direito. – Eu não conseguia conter minha animação.

- LEXA! Não tem história e você está louca se acha que eu gosto dela. Eu gosto de homem, H-O-M-E-M. Falando nisso, levanta e vai se trocar que a gente vai sair essa noite.

- Essa noite eu não posso, provavelmente vou madrugar trabalhando no novo projeto. A empresa está a todo vapor por causa disso. – Disse me levantando e alongando o corpo. Eu sabia que a noite seria cansativa.

- Eu não vou nem insistir porque eu sei que você é a louca do trabalho. Não pode ver um trabalho que pensa: “quero”. Não sei como você consegue. – Disse indo em direção à porta. – Bom, você fica aí que eu vou  pra casa me arrumar, ficar linda, sair e beijar muito na boca... de HOMENS.

- Mas vai estar pensando na RAVEN. – Tive que me jogar no chão para desviar do sapato que ela jogou em mim. – Tchau, bravinha. - Não resisti e cedi à provocação. Ainda consegui ver O. girar os olhos antes de fechar a porta.

"8:25 da noite". Fui para o pequeno escritório que tinha em casa e me sentei para começar a adiantar o trabalho. – Quanto mais cedo começar, mais cedo eu termino. – Sim, às vezes eu falo sozinha. Desbloqueei o celular só para ver se havia alguma mensagem de Clarke, mas não havia nenhuma. Me limitei a responder uma mensagem de minha mãe e iniciei os trabalhos daquela longa noite.

.

.

Já passava de meia noite e eu já havia finalizado boa parte do que havia me comprometido a fazer. Fui até a cozinha pegar a terceira garrafinha de água da noite, mas assim que passei pela sala a campainha tocou. Suspirei dando meia volta para atender a porta imaginando que seria minha prima voltando bêbada da balada. – Octavia, você não tem cas-... Finn? O que está fazend- Não pude terminar a frase porque havia caído no chão com a força do soco que recebi.

- Isso é para você aprender a não tocar mais na minha namorada. 


Notas Finais


Genteeeee, obrigada pra quem leu até aqui :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...