História Fuck - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Bts, Dominykka, Imagine, Jimin, Jungkook, Yuri
Visualizações 1.179
Palavras 3.345
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Comédia, Ecchi, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem, beijos de Toddynho. (ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

B
O
A

L
E
I
T
U
R
A

Capítulo 1 - In The Teachers' Room


Fanfic / Fanfiction Fuck - Capítulo 1 - In The Teachers' Room

O dia até que tinha sido tranquilo — se comparado aos outros —, mas havia uma pilha de provas para eu corrigir do 3º e resolvi adiantar a correção, não gosto de levar trabalho para casa. E mesmo hoje, que Kyung vai para a academia e irá demorar para chegar em casa, prefiro fazer tudo o necessário aqui no colégio invés de ocupar meu tempo livre maravilhoso — se é que me entendem — com o Kyung.

Aos poucos, meus colegas foram se despedindo e saindo, e logo eu fiquei sozinha na sala dos seonsaengs.

Tirei meu salto, abri o fecho da calça jeans e agora mais à vontade, comecei a correção. Mais ou menos meia hora depois, Park Jimin, seonsaeng de matemática, apareceu na sala eufórico.

— Deixei minhas chaves aqui. — Avisa ofegante.

Olhei em cima da mesa e avistei um molho de chaves bem onde ele tinha sentado há algum tempo atrás.

— Não seria aquelas ali? — Pergunto apontando com a caneta que estava usando anteriormente para a mesa onde estava o objeto.

— Essas mesmas. — Respondeu as pegando e guardando em seu bolso. Iria sair, mas parou, pensando em alguma coisa e logo recuou, me fitando. — Não quer levar trabalho para casa?

— Digamos que temos coisa melhor para fazer.

Ele puxou uma cadeira e sentou bem na minha frente, respirando fundo. Pronto, ia começar a falar dele e das coisas que ele fazia, como sempre. Jimin é um seonsaeng exemplar que se compromete inteiramente ao seu trabalho, mas se gaba demais, o que me faz manter distância quando posso.

— Conte-me, o que vocês fazem em casa? — Isso parece surreal... Surreal e surpreendente, e talvez, estranho. Era a primeira vez que o via disposto a ouvir alguém que não fosse alguém da coordenação ou da direção.

Sentado de um jeito largado, com o cabelo desarrumado e incrivelmente sexy, ele me fita com um olhar que me deixa intimada. Olhando deste ângulo e desse jeito, vejo perfeitamente que Park Jimin não é de se jogar fora, mas infelizmente, seu ego atrapalha tudo.

— Eu e Kyung gostamos de assistir séries e conversar. — Principalmente transar.

— Esse Kyung parece ser um cara legal. Pelo menos sortudo, eu sei que é. — Afirmou passando a mão em seu cabelo tingido. Ele queria realmente conversar e eu queria ver até onde ele iria com todo aquele papinho estranho.

— É mesmo? Por que você acha isso? — Apoio meus dois cotovelos na mesa e cruzo minhas mãos, apoiando meu rosto sobre elas.

— Ora, para segurar uma mulher do seu naipe, têm que ter muita sorte. — Respondeu mexendo em seu molho de chaves.

— Você acha?

— Claro que eu acho, afinal, não tem como negar que você é uma mulher extraordinária e linda. Todos os seonsaengs daqui acham você a mais gata das teachers. — Park e essa sua mania boba e engraçada de misturar palavras em inglês em meio de suas falas.

— Quer dizer que houve uma eleição e ninguém me falou nada? — Brinquei esbouçando um sorriso provocativo. Ele se levantou, deu a volta na mesa e chegando bem perto de mim, abaixou-se apoiando a mão no encosto da minha cadeira.

— Vai me dizer que você usa essas calças apertadinhas que marcam sua bunda grande perfeitamente bem e esses saltos altos que a deixam mais sensual ainda, por nada? Você sabe muito bem que olhamos para você, e sei que gosta muito disso. Ah e... Não é só os seonsaengs que olham. — Petulância deveria ser o sobrenome de Jimin.

— Que eu saiba, posso usar o que eu bem entender em qualquer lugar que for, e isso inclui a escola a partir do momento que tenho liberdade para isso. — Falei incomoda com sua fala anterior. — E para sua informação, eu uso o que menos chama a atenção. — Ele ri safado.

— Então se isso não é chamativo... Eu realmente estou curioso para saber o que você usa que chama atenção. — Eu realmente queria saber para onde foi aquele seonsaeng gentil e que se gaba quando pode.

— Jimin. — Me levantei afastando a cadeira de propósito para tira-lo dali. — Fique sabendo, que isso não é pra qualquer um. — Saí de perto dele e fui pegar um copo de café. Quando me virei ele estava me apreciando com seu sorriso malicioso que me enlouquece.

— Você fica uma gracinha assim. — Segui o seu olhar e foi quando percebi que estava descalça e com a calça um pouco aberta, rapidamente coloquei o copo em cima da bandeja e fechei a calça. — Não precisa fechar. — Suspiro com a sobrancelha arqueada. — Vem cá. — Ele ordena de um jeito quase carinhoso, mas ainda assim, com a devida arrogância. Eu me aproximei sem saber o que ele realmente iria fazer e num movimento súbito, ele pegou em minha nuca, fazendo um carinho gostoso, e com sua outra mão, soltou meu cabelo, que sempre deixo preso no colégio. — Quando você solta seus cabelos, eu enlouqueço. Vejo você entrar no carro do Kyung com eles soltos e penso na sorte que ele tem. — Ele puxou minha cabeça em direção de sua boca, logo selando nossos lábios.

Eu estranhamente fiquei eufórica, meu coração começou a acelerar, parecia que eu estava na bendita adolescência, com os hormônios à flor da pele. Que porra, Jimin!

Ao se afastar, Park percebe que eu não esbouço nenhuma reação, por conta da surpresa, e então, toma meus lábios para si novamente, juntando nossos corpos. Deixei que sua língua entrasse na minha boca, explorando cada canto que tivesse curiosidade, assim, se deleitando como quisesse. Suas mãos foram descendo e pousaram em minha cintura, a apertando possessivamente. Travávamos uma batalha incessantemente gostosa, onde nós éramos os vencedores que se deliciavam um com o outro.

Necessitando de ar e fôlego que foram arrancados gostosamente de mim, me afasto, com a respiração pesada. Jimin ainda arfante, vai em direção da porta. Fico sem entender a princípio, achando mesmo que ele iria embora, porém, ele apenas a tranca e vira-se para mim.

— Apenas por precaução.

— O que você quer, Park Jimin? — Pergunto com certa indignação.

— No momento... — Dá um sorriso de lado, se aproximando perigosamente de mim. — Apenas usufruir um pouco dos teus lábios e de teu corpo. — Me pega pela bunda me puxando para cima e eu entrelaço minhas pernas em volta de seu corpo, a passos rápidos, Jimin se senta no sofá junto de mim, ainda segurando minha traseira possessivamente. — Sentir seu perfume... — Começa a distribuir beijos por toda a extensão do meu pescoço. — Marcar completamente sua pele macia e branquinha... — Continua sua trilha de beijos que me arrepiam dos pés à cabeça.

— Jimin... — Murmuro levando minhas mãos para sua nuca, fazendo um afago.

Ele para os ósculos em meu pescoço e volta para a minha boca, me beijando de forma distinta. Como poderia descrever? Um beijo intenso? Carregado de volúpia? De qualquer maneira, este é um beijo que será difícil de esquecer.

Me levanto com certa dificuldade e fico de costas para ele, desabotoo a calça e a puxo lentamente para baixo, empinando a bunda, levo o pano até o tornozelo e logo me livro da peça, me viro e observo sedenta, senhor Park Jimin, apertando seu pau por cima da calça, me deixando inevitavelmente molhada. Ele se levanta, e se posiciona atrás de mim, sinto sua respiração meio acelerada bater contra meu pescoço, fazendo meus pelos ouriçarem.

— Gostosa... — Jimin me vira para ele e me empurra delicadamente para o sofá, me fazendo sentar, ele se agacha e ao observar bem minha calcinha, deixa um sorriso escapar e move seus dígitos para o meu íntimo. — Aqui está uma coisa que chama a atenção. Essa calcinha é uma das mais sensuais que já vi e pelo que sei você deve só usar desse tipo. — Afirmou convicto, ainda com seus movimentos deliciosos.

— Realmente... — Concordo começando a ser domada pelo prazer que ele me proporcionava.

— Já tinha reparo há algum tempo, já que às vezes, você usa calças que marcam bem... — Eu preferi não comentar nada, apenas me concentrar naquela sensação maravilhosa, que logo se tornou magnificente por conta de sua língua totalmente habilidosa. — Já está toda molhadinha.

— Você queria o que? — Pergunto com um meio sorriso, ainda de olhos fechados.

— Eu sabia que você gostava de uma boa foda.

— E quem não gosta? — Questiono segurando seus cabelos e colocando uma das pernas sobre seu ombro.

Ele me chupa de forma venerável, respeitável, digna, celestial, todos os sinônimos de “perfeito” se encaixam nesse oral. Sua língua hábil e seus dedos entrando e saindo de mim de maneira frenética, realmente fazem um primoroso trabalho. A outra mão que estava na minha coxa, subiu pela minha barriga, por baixo da minha blusa e foi se arrastando até o vale de meus seios. Achou o fecho frontal do sutiã e o soltou. E com a mesma mão, acariciava meu bico rígido.

— Você é muito gostosa.

Ele levantou minha blusa e passou a dedicar sua atenção aos meus pomos. Tirei a blusa pela cabeça dando-lhe total espaço. Ofegante, parei para pensar numa coisa que eu amo, que são beijos. Amo beijos. Amo lábios. Amo de paixão sexo oral. Por que não retribuir? Fiz com que ele se sentasse e invertemos as posições. Coloquei-me entre suas pernas e tirei sua camisa dando de cara com um abdômen definido, fui partilhando ósculos em sua pele branquinha e sedosa até chegar ao cós de sua calça, apressada, a tirei imediatamente e assim, um pau enorme, talvez até maior que o de Kyung, se levantou gloriosamente apontando para cima. Sedenta, passei minha língua lentamente por sua glande, provocando, recebendo um gemido rouca.

— Isso gostosa, chupa meu pau...

— Que modos são esses, seonsaeng? — Brinco.

— São os que eu tenho, agora me chupa. — Ainda rindo, continuei passando minha língua vagarosamente por toda sua extensão, arranco mais e mais gemidos roucos que eram um verdadeiro som para os meus ouvidos. — Porra, Mia! — Dando um sorriso safado, coloquei-o todo na boca começando a fazer movimentos de vai e vem rápidos. Ele se contorcia e me alisava como podia. Sentei então, do seu lado, sem largar seu falo, e comecei a usar minhas mãos, o masturbando, ele puxou minha cabeça e selou nossos lábios.

— Como você quer gozar? — Indaguei ofegante sentindo seu dente raspar no meu mamilo.

— Que seonsaeng safada. — Comentou sem responder minha pergunta, batendo em minha bunda, me fazendo gemer baixo.

— Não foi isso que eu perguntei! — Disse parando com os movimentos. — Perguntei onde você quer gozar. — O safado então, parece que retomando o controle, pelo menos um pouco, da situação, pergunta:

— Quais são as minhas opções? — Eu ri, pensando se diria ou se o torturaria mais um pouco.

— Você pode gozar na minha mão, na minha boca, na minha bucetinha...

Não precisei continuar, afinal, com seu movimento brusco, fui incapaz de protestar ou dizer alguma coisa. Quem está perdendo alguma coisa, é ele, já que não ouviu as outras opções. Os afobados sempre perdem alguma coisa. Ele me colocou de costas para ele sobre o sofá e por trás, enfiou com tudo seu membro na minha vagina, me fazendo arquear as costas, puxou meu cabelo carinhosamente do mesmo jeito que Kyung gosta de puxar e aproximou sua boca de meu ouvido.

— Você é uma putinha gostosa, safada e sem vergonha! — Disse rente ao meu ouvido, rouco, grosso, ah... Aquela voz...

— Vamos Jimin, mostre do que é capaz. — Ele começou a se movimentar com mais força e cada vez mais rápido. — J-Jimin...! — Gemi manhosa, fazendo o mesmo distribuir tapas por minha bunda, provavelmente a deixando vermelha. O som de nossos gemidos e corpos se chocando, preenchiam toda a sala, aquele cheiro de sexo estava me deixando extasiada, aquele pau enorme dentro de mim, que sou tão apertadinha é uma maravilha!

Quando eu estava chegando perto de meu ápice, Jimin ligeiro como é, percebeu e parou seus movimentos, indignada, me virei e olhei irritadiça, mas só recebi um sorriso debochado e uma chupada no clitóris que me fez sentir na alma, o desejo da carne que nós sentíamos um pelo outro. Essa foda tá me deixando maluca de regalo!

— Jimin! — Grito arqueando mais as costas. Isso é tão bom!

— Sim? — Para com o oral, e começa a masturbação.

— Me faça gozar, rápido...! — Peço manhosa e repentinamente, nem termos tempo de fazer algo, a porta abre subitamente, revelando nosso aluno de ouro. Jeon Jungkook.

Seonsaeng Mia, seonsaeng Jimin... — Diz incrédulo, tentando associar aquela cena de algum jeito. — Eu vim, comunicar e pedir que... — Jungkook estava estático na porta, me encarando de um jeito... Sedento?

— Jungkook, acalme-se. — Pedi me aproximando do mesmo, que logo mudou sua expressão de surpreso e incrédulo, para safado e carrego de volúpia.

— Eu estou calmo, seonsaeng. — Diz e me pega pela cintura. — Já a senhora...

— Jungkook, o que...

— Ah seonsaeng... — Fecha a porta com o pé. — Acho que é muita falta de educação da senhora não me convidar para sua festinha com o Jimin. — Faz um biquinho fofo. — Não acha?

— Eu... — Tento formular alguma resposta coerente e descente, mas nada vêm à minha cabeça.

— Eu acho que o Jungkook tem razão, Mia, ele deveria participar da nossa festinha. — Ouço o ruivo gostoso dizer atrás de mim, deixando seu pênis encostar na minha bunda.

— Acho que, com o consentimento de todos, não vejo motivo para recusar tal presença ilustre. — Respondo brincalhona, tentando me controlar com o aperto de ambos os sexos.

Jimin leva minhas madeixas para o meu ombro direito e começa a espalhar beijos por toda a extensão de minhas costas e pescoço, enquanto acariciava minha circunferência. Já eu, me concentrava em reprimir meus gemidos e desabotoar a camisa de Jungkook, que tirava seu cinto lentamente.

— Espero mesmo que vocês deem conta de mim. — Digo sentindo o sorriso de ambos se direcionarem a mim.

Park se afasta e Jeon me ataca, me beijando de forma imoral, sensual e nova, nunca havia beijado daquela forma, era como se fosse outra primeira vez.

A partir de hoje, eles participam dos quatros melhores de foda da minha vida.

Ele interrompeu o beijo e virou-se para mim e mordeu o lábio inferior, analisando meu corpo por completo, meus olhos desceram para o volume em sua cueca box branca, e não tardou para que o aluno de ouro tomasse meus lábios para si da mesma maneira que antes. Envolvi um de meus braços em seu pescoço e pulei em seu colo, entrelaçando minhas pernas em seu quadril. Jeon me colocou sentada sobre a enorme mesa que tinha no centro da sala e começou a me apreciar novamente.

— Não seja tão possessivo Jungkook, ela é nossa. — Jimin disse risonho e dando espaço, Jeon o deixou pôr-se entre minhas pernas. — Já disseram que você é muito gostosa quando fica olhando alguém desta maneira? — Pergunta enquanto sube suas mãos por minhas costas, me acariciando.

— Que maneira? — Sussurro vendo Park tirar minha calcinha enquanto Jungkook observava aquilo da maneira mais despudorada possível.

— Inocente e safada. — Umedece os lábios e desce as mãos para minhas coxas, aperta as mesmas com força e afasta-se um pouco. — É completamente excitante.

Saio de cima da mesa e segurando os ombros de Jimin, aproximo meus lábios de sua orelha e sugando o lóbulo da mesma, lanço um olhar para Jeon e sorrio de forma devassa. Saber que estava sendo desejada por aqueles dois homens me fazia sentir um fogo enorme, era algo tão diferente do que estou acostumada que me faz vibrar por completo.

Jimin me segura pela cintura e me vira, aproximando minha bunda de seu membro e eu prontamente, rebolo contra o mesmo. Jungkook veio até nós e apalpando meus seios, apertou-os com força e um gemido alto me escapou, a ereção do seonsaeng parecia crescer cada vez mais enquanto eu movia meu quadril contra o dele. Jeon segurou minha nuca com certa firmeza e cravou seus dentes em meu pescoço, mordendo e dando várias sucções fortes que me fazem gemer quase gritar.

Por minutos, eles desfrutaram como queriam de meu corpo, apertando-me e tocando-me. E a cada segundo que passava, eu me sentia mais molhada e ansiosa, finalmente poderia toca-los como eu também queria, então já não aguentando mais aquela demora, arfei e afastei-me dos dois, encostando-me à parede gélida da sala.

Observando aqueles dois gostosos não hesitei em começar a masturba-los da maneira que bem entendia, hora levava um a boca hora outro, ver as expressões deleitosas de ambos era mais do que excitante para mim. As formas como eles gemiam meu nome de maneira arrastada e sensual me fazia querer continuar com aquilo o máximo de tempo possível. Então após faze-los gozarem, outra vez as mãos deles voltaram a me tocar como queriam.

— Afaste um pouco as pernas, Mia. — Park mandou e logo acatei o que ordenara. Um gemido alto me escapou novamente quando senti sua língua entrar em contato com meu intimo molhado e completamente necessitado de ambos os toques daqueles homens maravilhosos que estavam ali comigo. Enquanto o safado do Jimin continuava de onde tinha parado, Jungkook apertava meus seios e distribuía chupões por meu corpo, marcando-me como bem entendia.

Ofegante e com as pernas trêmulas, atingi meu ápice rapidamente e se não fosse pelas mãos firmes de Jimin em minha cintura, com certeza eu teria caído no chão.

— Acho que já está na hora de fodermos você, seonsaeng. — A voz de Jeon saiu como um sussurro em meu ouvido e jogando a cabeça para trás, encosto a mesma em seu ombro e assinto. Umedeço os lábios e sentindo o membro pulsante de Park começar a adentrar em minha buceta novamente, mordo os lábios com força e solto um arfar baixo. Já completamente dentro, ele começara seus movimentos rápidos e profundos enquanto ambas as mãos de Jungkook apalpavam minha bunda com força e acertava vez ou outra, um tapa forte que me fazia gemer cada vez mais alto. Não tardou muito para que meu dongsaeng também começasse a enfiar seu membro em minha outra entrada.

Já com os dois membros em mim, rebolava e impulsionava-me contra ambos e assim íamos cada vez mais rápido ao êxtase.

Eu praticamente gritava palavrões enquanto me entorpecia cada vez mais de prazer e eles não estavam tão diferentes de mim. O suor escorria pela testa de Jimin, o deixando ainda mais atraente enquanto Jungkook acertava tapas com mais frequência em minha bunda e coxas. Eu nunca tinha feito algo parecido antes, e francamente, nunca pude imaginar que seria tão prazeroso quanto está sendo. Eles possuíam-me de uma forma tão insana que me fazia querer continuar ali até não conseguir andar no dia seguinte.

Então soltando um gemido alto e entrecortado, senti meu ápice se aproximar e o mesmo não tardou para chegar. Minhas pernas perderam as forças e minha respiração estava ofegante como nunca, os meninos continuaram até atingirem seus próprios ápice e assim que conseguiram, permaneceram na mesma posição por alguns instantes. Tentando se recuperaram assim como eu também tentava.

— Prometo não contar nada, seonsaeng. — Jeon sussurra rente ao meu ouvido.

— Bom menino. — Falo dando-lhe um selinho.

— Você é louca, Mia. — Jimin comenta rindo. — Uma louca gostosa.

— Completamente deliciosa.

— Não me provoquem, seus meninos malvados. — Respondo rindo. — Agora, saiam daqui o mais rápido possível, tenho provas para corrigir e tenho mais o que fazer em casa, e se algum de vocês tiver amor à vida, vão estar o mais longe daqui quando eu terminar de me trocar. — Falei rindo e beijei os dois, logo indo para o banheiro, me limpei e quando saí do mesmo, a sala estava limpa e não tinha sinal de nenhum dos dois. Fui colocar minha roupa quando senti falta da minha calcinha, procurei ela por todo lado quando achei um bilhete em cima da mesa onde estava corrigindo as provas.

“Achamos que levamos algo seu que chama bastante atenção...”

Aigoo... — Comento rindo. Que safados! Termino de vestir minha roupa, agora sem calcinha e me sento na minha cadeira, olhando para as provas que me esperavam ansiosamente. Respirei fundo, peguei minha caneta, mas antes de recomeçar a correção, peguei meu celular e chamei aquele que está como primeiro dos meus contatos favoritos. — Kyung, safado, você não sabe o que aconteceu aqui na hora que eu ia corrigir as provas...


Notas Finais


Espero que tenham gostado, (づ ̄ ³ ̄)づ kissus. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...