1. Spirit Fanfics >
  2. Thulight - Um Amor Jamais Esquecido - Parte I >
  3. Tudo desmorando

História Thulight - Um Amor Jamais Esquecido - Parte I - Capítulo 35


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leituraaa lindezas ☾☀♡

Capítulo 35 - Tudo desmorando


"Eu passaria fome, eu ficaria triste e deprimida

Eu iria me arrastando avenida abaixo

Não, não há nada que eu não faria

Para fazer você sentir o meu amor..."

~...~

Luna P.O.V

Voltei para onde todos estavam e o doutor parecia conversar com eles.

- Infelizmente... - o doutor ia terminar de dizer quando uma enfermeira apareceu desesperada, murmurou algo pra ele e os dois saíram correndo.

Fiquei atenta em cada passo quando eles entraram no suposto quarto onde estava Ramiro...

- Não pode ser - murmurei abraçando Matteo.

Yam na mesma hora me olhou, entendendo o que eu quis dizer e saiu correndo até o quarto. Ela paralisou na janela, me aproximei dela, talvez fosse a pior cena que eu já teria visto. Me sentia horrível, ele só estava desse jeito por me salvar, era pra mim estar ali. Nunca senti meu coração doer tanto. A Yam simplesmente invadiu o quarto, o abraçando e chorando sem parar, não aguentava ver aquela cena, realmente era a pior cena que já vi.

- Reage por favor - Yam chorava.

- Vocês precisam sair para continuarmos o procedimento tudo bem? Por favor - o doutor dizia e assentimos saindo do quarto.

- Vem Yam, não pode ficar ai – Matteo o puxou, mas ela sem querer bateu no mesmo.

- Des...desculpa – Yam colocou as mãos sobre a boca.

- Tudo bem, você só está nervosa – ele respirou fundo e saiu da sala, fiz sinal pra Yam que veio na nossa direção.

- Nessa hora só nos resta ter fé, vai ficar tudo bem – falei o abraçando.

- Ele vai ficar bem, nosso garoto é forte – o pai dele dizia tentando acalma-la.

- Meu Ramiro – a mãe dele murmurou antes de desmaiar.

Todos se voltaram a ela, mas eu não... Não conseguia tirar os olhos de Ramiro.

- Tentamos de tudo, fizemos o que podíamos, mas... Agora é com ele  – o doutor disse se retirando de onde estávamos.

~...~

Foram horas difíceis, correria, choro, gritos, soluços, desmaios, não estava sendo nada fácil. O fato de pessoas boas partirem cedo rondava minha mente, tinha que manter a fé, ele iria sair dessa. Estava com tanto ódio, lembrando de tudo que aconteceu e com toda certeza Candelaria ainda vai ter o que merece.

"Se alguém perguntar, vou dizer que nós seguimos em frente,

Quando as pessoas comentarem vou fingir que não os ouço a falar

Toda vez que eu te vir,

Vou engolir meu orgulho e morder a minha língua

Fingir que estou bem com tudo isso

Agindo como se nada estivesse errado"

Não era um bom momento, mas estava divindo o fone com Yam enquanto esperávamos notícias e de repente começou a tocar Cry, também não era uma boa hora pra justo essa música tocar, Yam se desesperou, apenas a abracei com toda força, transmitindo a confiança de que tudo no fim daria certo e logo poderíamos ver Ramiro novamente sorrindo.

"Isto já acabou?

Posso abrir os meus olhos?

Isso é tão difícil quanto parece?

É isso o que a gente sente quando chora de verdade?"

A maioria foi embora, decidimos já que precisavam descansar, só restou Matteo que insistiu ficar comigo, eu, Yam e os pais de Ramiro.

- Ele realmente se importa com você... – Yam murmurou, me tirando a concentração da música.

- De quem está falando?

- Ramiro – ele deu de ombro – Ele... – respirou fundo – te ama de verdade, digo, ele deu a vida dele por você.

- Eu realmente fiquei surpresa pela sua atitude, mas eu apenas o vejo como amigo, aliás o meu melhor amigo, se isso é o que te deixa preocupada – suspirei – eu vi que o ama de verdade e ficaria feliz se caso ficassem juntos, apoiaria muito – sorri pra ela que retribuiu.

Ficamos um tempo em silêncio até que o doutor apareceu avisando que poderíamos ve-lo, então seguimos até o quarto, os pais dele haviam acabado de sair dali de dentro. Senti que Yam precisava de seu momento, me encostei na porta e fiquei apenas observando. Conversamos bastante com ele, apesar que ele ainda estava dormindo e apenas nos ouvia. O doutor apareceu e tivemos que sair, quando esbarro com Matteo tinha me esquecido completamente dele.

- Esqueceu do seu namorado? – ele se aproximou sorrindo, apesar da tensão do momento, ficar perto dele me deixava relaxada.

- Estava com a Yam, não quero deixa-la sozinha – suspirei, ele me olhou compreensivo.

- Tudo bem, eu tenho que ir para casa, vocês deviam fazer o mesmo – ele estava sério – precisam descansar.

- Eu não consigo, minha cabeça parece que vai explodir e só queria que ele ficasse bem, para enfim a gente ter a paz que precisamos – disse e ele me puxou pra um abraço.

- Odeio te ver assim, ele vai ficar bem, como você diz precisamos ter fé e vai dar tudo certo, ta bom? – assenti e ele deu um beijo em minha testa, continuamos abraçados.

Yam quis passar a noite no hospital, os pais de Ramiro disseram que cuidariam dela, então fomos mais tranquilos, pedi pra que qualquer notícia ela me ligasse imediatamente. Eu e Matteo acabamos indo de ônibus mesmo, não importava como fosse, apenas sua presença já era suficiente pra mim.

Descemos em frente a casa dele, quando meu celular começou a tocar, fui ver e era Yam já.

“- Hey, está tudo bem?

- Sim, liguei pra dizer que o Ramiro acordou, ele está bem Luninha – ela dizia no seu tom de alegria, dava pra sentir, meu coração estava mais tranquilo, me sentia mais leve.

- Não acredito, nossa fé foi forte – disse e ela riu do outro lado – graças a Deus, aproveitem bem ai então, eu aviso todo mundo.

- Pode deixar, ai Luninha, meu coração...

- O que tem seu coração doida?

- Está batendo forte, ai meu Deus – ela dizia me fazendo rir.

- Yam vai aproveitar menina, nos falamos amanhã, vou passar ai logo de manhã.

-Venha mesmo, estarei te esperando. Boa noite.

-Boa noite amiga."

Desliguei e mandei uma mensagem no grupo que fizemos da nossa panelinha, olhei pra Matteo que estava com cara preocupada. 

- Ramiro acordou – sorri pra ele que abriu um sorriso enorme, nunca o imaginei assim pelo Ramiro, ainda mais depois do que Candelaria confessou.

-Fico imensamente feliz por isso – ele sorriu e me puxou – agora eu quero aproveitar a minha namorada – ele me olhou sacana, encostando seu rosto no meu – fica comigo essa noite?

Fico com você todas as noites – sorri pra ele que retribuiu e me puxou pra dentro de sua casa.

Entramos e me senti estranha, Zoe veio correndo pulando em cima de mim, Matteo apenas riu e então fiquei me distraindo com ela. 

Já era manhã e depois da noite maravilhosa com o Matt, tinhamos que enfrentar o Blake e ainda ver o Ramiro. 

Fui até em casa e ia com a Ambar ver  Ramiro, Matteo ia depois com Gastón e apenas concordamos e seguimos de ônibus mesmo até lá. 

Enquanto íamos até o ponto de ônibus, acabamos dando de cara com Jim.

- Oi meninas, estão indo ver o Ramiro também? - assentimos - então vou acompanhar vocês, se não se incomodarem.

- Claro, pode ir - Ambar sorriu pra ela e assenti.

- Vocês viram aquela menina nova a...

- Emma? - Ambar disse e Jim concordou.

- Sim, ela é meio estranha, não sei... Não gosto de julgar assim sem conhecer nem nada, mas ela não é bem uma boa companhia, sinto isso.

- Ela é prima do Matt, muito gente boa - disse e ela sorriu sem graça - mas bem... Vamos um assunto por vez, antes de nós enlouquecermos. - disse e elas assentiram.

Quando chegamos no hospital, Ambar foi com Jim para algum lugar, me aproximei da Yam que estava sentada no chão do lado da porta que eu tenho quase certeza que é o quarto do Ramiro.

- Está tudo bem? - perguntei me sentando ao seu lado.

- Não consigo entrar lá - ela escondeu o rosto com as mãos - a mãe dele saiu um pouco tensa, então estou aqui desde aquela hora.

- Você não o viu? - ela assentiu - entendi, bom... Entre comigo, vai se sentir melhor assim? - ela concordou limpando as lágrimas e então entramos no quarto.

Estavam o médico e o pai do Ramiro conversando, eles olharam na nossa direção e sem falar nada saíram do quarto, olhei pra Yam confusa e ela deu de ombro.

Nos aproximamos dele devagar, quando ele abriu os olhos e sorriu pra mim.

- Você veio! 

O abracei fraco, tinha medo de machucar ele. 

- Claro, como você está? - perguntei me sentando na beira da cama.

- Bem melhor agora Luna - ele sorriu e olhou pra Yam sorridente. - e você Yam? Como está?

- Es... Estou bem, obrigada - ela sorriu fraco, percebi que estava um pouco incomodada. 

- Bom, vou deixar vocês conversando, estão precisando, enquanto isso vou ver o que a Ambar e a Jim estão aprontando - ele riu - já voltamos aqui - pisquei pra Yam que apenas concordou.

Fui até a lanchonete e claro, elas estavam ali, onde mais poderia se encontrar Ambar? Me aproximei delas quando esbarrei sem querer em alguém.

- Matteo!

- Ah... Oi amor - ele sorriu e me deu um beijo.

- O que está fazendo aqui? 

- As meninas me chamaram - ele deu de ombro e olhei para elas desconfiada.

- O que vocês estão aprontando? - me sentei junto com elas.

- Na... Nada! - Ambar disse e a encarei séria - Só seria bom todos estarmos aqui pra apoiar o Ramiro.

- Não sei... Isso está me cheirando mentira - cruzei os braços bufando. - falem logo.

- Não posso - ela disse e tampou a boca na mesma hora.

- Não pode o que? 

- Eu... - a Jim ia dizer quando o Matteo interrompeu.

- Deixa de drama, você gosta do meu amigo, isso é normal - ele deu de ombro.

- A... Amigo? - ele assentiu - Que amigo? - perguntei confusa.

- Simón... - ela disse baixinho.

- Não entendi - disse e ela me olhou sem graça.

- O Simón - ela disse e olhei chocada - Sério? E a Emma? - perguntei olhando Matteo.

- Ah, não sei... Eles não estão dando muito certo e a Jim sempre foi apaixonadinha por ele - Matteo deu risada.

- Matt - ela o repreendeu - eu... Eu tenho que superar isso.

- Capaz amiga, vamos te ajudar - disse Ambar a apoiando e ela concordou.

- Adoraria ver vocês juntos, sei que faria meu amigo muito feliz - disse e a abracei - vamos mesmo te ajudar - todos concordaram.

 - Vamos ver o Ramiro? - perguntou Jim e assentimos.

Quando chegamos lá o ouço conversando com Yam e fico feliz por ela conseguir conversar, mesmo depois de tudo. De repente...

- "Desculpa Yam, eu ainda sou muito apaixonado pela Luna, não sei, esse sentimento vai além de mim e..."

Foi o suficiente pra dar meia volta e sair daquele hospital. Não estava entendendo nada, eu só queria um pouco de paz pra todos nós. 

Estava perdida em pensamentos quando ouvi uma voz conhecida me chamar. Era Simón.

- Ei Luna, está tudo bem? - ele se sentou do meu lado.

- Não muito, sinto tudo desmoronar na minha cabeça Si, eu não estou aguentando. 

- Calma, estamos aqui com você, eu estou aqui com você - ele disse e me abraçou.

Nos abraçamos o mais apertado possível e ficamos em silêncio, apenas ouvindo o barulho dos carros passando e estava um clima mais ou menos, nem tenso, mas nem tão calmo, só queria dessa vez um pouco de paz pra todos nós


Notas Finais


Digam o que estão achando, se estão gostando, críticas construtivas, gosto de ler os comentários de vocês, bem... até o próx cap, beijinhooo ☾☀♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...