1. Spirit Fanfics >
  2. Ti Odio - Imagine Jotaro Kujo. >
  3. Introdução. - Um Oceano sem Vida. - Parte 1.

História Ti Odio - Imagine Jotaro Kujo. - Capítulo 1


Escrita por: 6Night6Hunter6

Notas do Autor


YAAAHHH MAIS UMA NENÉM❤

Avisos:

☆ Só poderei avançar com ela depois que eu terminar a My Little Boy, pois posso confundir as fics e colocar elementos que seria de um cap da Ti Odio, e colocar na My Little Boy.

☆ Diferente da My Little Boy, que são os episódios me auxilando, essa aqui vai dar muito mais trabalho porque vai depender MUITO mais da minha mente. Então sem previsão de novos capítulos.

☆ Mas há algo bom, os caps 10, 11 e 12 da My Little Boy foi meio que um teste para ver se eu iria me sair bem fazendo algum cap de "total" autoria da minha mente, e né que deu certo?

☆ Bem, o número de palavras dessa fic irei deixar (tentar deixar) que nem da My Little Boy. Vai ser bom para vocês eu acho, porque assim vocês vão ler mais coisas da minha criatividade do que as falas dos eps da pt 3 :'D

Enfim, espero que gostem dessa minha nova neném:'D Minha conta é a creche e minhas fics são minhas crianças*-* (Bruno, vem roubar minhas kid não caraio, volta pra pt 5)

Avisos a mais: Neste capítulo contém: Violência extrema, estupro, pensamentos suicidas que podem lhe causar gatilho, relacionamento abusivo, traumas de infância causados pelo racismo. Militância não será bem-vinda nesta fic e muito menos nos meus demais trabalhos. Agradeço a atenção de todos e também pelo carinho que dão aos meus trabalhos, i love u cês💞

Boa leituraaaa❤

Capítulo 1 - Introdução. - Um Oceano sem Vida. - Parte 1.


Fanfic / Fanfiction Ti Odio - Imagine Jotaro Kujo. - Capítulo 1 - Introdução. - Um Oceano sem Vida. - Parte 1.

P.O.V: (S/n) Anthonieta Zeppeli.



 Acordei com o som do despertador em meus ouvidos, que me fez abrir meus olhos lentamente. Me levantei de minha cama indo em direção ao banheiro que tinha em meu quarto para fazer minhas higienes. Após sair do banheiro com meus cabelos molhados que pingavam enquanto andava, comecei a me arrumar calmamente sem fazer barulho caso meu tio avô Caesar ainda estivesse dormindo. Ao terminar de me organizar devidamente, peguei minha mochila que estava ao lado da cama e desci até a cozinha para fazer o café da manhã. Estava terminando de montar a mesa quando escutei os passos de alguém que se aproximava do cômodo. Caesar entrava na cozinha com um livro de capa vermelha em suas mãos enquanto o mais velho bocejava. 



—Bom dia, papai. -Falei para o leitor sonolento enquanto terminava de arrumar a mesa. 


—Bom dia, minha querida. -Caesar aproximou-se de mim me dando um beijo suave em minha testa e logo o retribuí com um sorriso doce e em seguida o mesmo se sentou à mesa enquanto abria o misterioso livro. 


—Está lendo o que, papai? ‐Abracei o pescoço de Caesar por trás enquanto apoiava meu queixo em sua cabeça, mas logo fui camuflada pelos fios dourados do mais velho. 


—Romance. Por que minha filha? -Caesar respondeu agarrando minha mão e a colocando do lado de seu rosto, tocando sua bochecha levemente rosada. 


—Por nada. Só acho que o Sr. Joestar ficaria incrédulo ao saber que seu melhor amigo estressado ler romances enquanto toma café da manhã. -Soltei uma pequena risada que foi abafada pelos fios ondulados do mesmo. 


—E nem tente contar isso para ele mocinha! -O rosto do mais velho estava vermelho de raiva e de vergonha. —A propósito, seu café vai esfriar se continuar perdendo tempo com um velho que viaja para fora da realidade pelos livros. -O velho Zeppeli sorriu convencido para a mim. 


—Ok papai, eu irei tomar meu café agora. -Sorri novamente enquanto me juntava à mesa para tomar meu café da manhã ao lado do mais velho.



Depois de tomarmos nosso café da manhã enquanto conversávamos sobre assuntos paralelos, peguei meu lanche que tinha feito tempos atrás e o guardo em minha mochila. Vou indo em direção de meu pai e lhe dou um abraço me despedindo do mesmo que retribuiu o ato em seguida. Pego minha mochila e logo meu pai me acompanha até a porta me orientando como sempre fazia todos os dias antes de sair para qualquer lugar. Por mais que ele fosse bastante rígido quando se tratava de sair de casa para qualquer lugar que fosse, no fundo ele apenas sentia medo de perder a única pessoa com qual o mais velho ama. Já que anos atrás, infelizmente, o destino tirou dele duas pessoas queridas. E o que restou, foi o fruto do amor entre o casal que agora escutava os sermões do mais velho. Muitos achariam um exagero o cuidado extremo que o mesmo tem por mim, ou até mesmo desnecessário. Mas quando se trata da minha família, eu não tenho do que reclamar. Para muitos a família é constituída por um grupo de pessoas e seus descendentes, mas para mim, esse número se aplicava apenas para uma pessoa. O homem pelo qual eu mais admiro neste mundo e quero seguir seus passos, Caesar Anthonio Zeppeli. Esse sim, é o homem pelo qual sinto orgulho em dizer que é minha família


—Tome cuidado quando estiver passando na rua, se passar mal na escola não ouse pensar duas vezes e me... -Interrompi meu pai que parecia um capitão do exército dando ordens aos seus soldados para executarem seus inimigos no campo de batalha. 


—Papai, fique tranquilo. Eu ficarei bem. -Dei um sorriso meigo para Caesar que aparentava ter se tranquilizado um pouco e em seguida acenou para mim que aos poucos me distanciava de meu lar enquanto retribuía os gestos de despedida.



Segui meu trajeto que fazia todos os dias até chegar na escola e logo fui recebida por olhares maliciosos dos garotos da escola que chegavam a ficarem de olhos arregalados ao me verem passar pelos corredores da escola. Sinceramente nunca entendia a tara desses imbecis, qual a lógica de ficar babando por uma garota que nunca conversou na vida? Estava perdida em meus pensamentos quando escuto uma voz doce me chamar. 



—(S/n)! Aqui! -Veratos acenou para mim que estava a poucos metros da loira e logo a mesma se aproximava com um sorriso radiante em seu rosto. 


—Vera. -Sorri de leve para a menor que agora saltitava animada ao meu lado. 


—Você viu a Scar? Ela tem a mania de sempre chegar atrasada! -A expressão de Vera mudou para uma emburrada que a deixava automaticamente fofa. 


—Ainda não, ela já deve está chegando... -Quando iria terminar a frase alguém muuuito misterioso se jogou em mim e em Vera causando uma queda daquelas. 


—BOM DIA SUAS VADIAS!! -A chegada triunfal de Scarlet chamou a atenção de todos que nos observavam ao nosso redor. 


—Scarlet! Você está me sufocando! -Disse a pequena loira que tentava sair debaixo de Scarlet. 


—Scar, você está cheia de energia hein. -Falei um pouco constrangida com a situação em a morena havia nos colocado.



Quebra de tempo.



Estava lanchando no terraço sozinha perdida em meus pensamentos. O clima estava nublado e dava indícios de que iria chover. Adorava aquele clima. Estava indo para meu segundo sanduíche quando Vera e Scar apareceram de repente. 



—(S/n), a loba solitária de sempre. -Scar se sentou ao lado meu lado séria enquanto fazia bolas de goma de mascar em sua boca. 


—Será que ela está apaixonada Scarlet?! Isso poderia ser o motivo pelo qual ela anda sempre sozinha pelo terraço, talvez ela tenha marcado um encontro com um de seus pretendentes! -Logo as duas estudantes se entreolharam e em seguida me olharam com olhares loucos de curiosidade. 


—Não, não estou. -Respondi séria enquanto abocanhava meu sanduíche. 


—É impossível. A última vez que ela se relacionou com alguém foi quando tinha 14 anos e depois disso nunca mais quis outro amor em sua vida. -Disse Vera decepcionada enquanto suspirava. 


—Ele era irritante. Queria que eu parasse de ouvir "as músicas de Satã" e que obedecesse à ele, senão ele iria me largar. Eu achei pouco ele ter ficado apenas um mês internado no hospital depois da surra que dei nele. -Abocanhei meu sanduíche mais uma vez enquanto as duas me olhavam espantadas. 


—Falando em relacionamento, Vera, você ainda está com o Michel? -Perguntou Scarlet para Veratos que se empolgou com a pergunta feita. 


—Sim! Ele é muito carinhoso comigo! É o garoto mais perfeito que eu já conheci! Como nos contos de fadas! -Os olhos carmesim de Vera brilhavam enquanto falava de seu amor. 


—Bem, prefiro morrer solteira, mesmo. -Terminei o meu segundo sanduíche e em seguida fui para o terceiro.



Nota da Autora: Ah, tá, querida.



—(S/n)! Não é porque o Matteo foi um babaca com você que outros serão! -Vera me repreendeu me fazendo soltar uma risada nasal. 


—É... mas... -Scarlet olhou para Vera com malícia. —Vocês, Michel e você, já "afogaram o ganso"? -Ao fazer a pergunta constrangedora para a pequena loira viu o rosto de Vera ficar vermelho como um pimentão e em seguida a mesma invocou o seu Hermit Purple para enforcar Scarlet. 


—Eu estava brincando sua anã de jardim! Pintora de rodapé! -A morena invocou seu Hierophant Green e travaram uma pequena e tosca batalha ali mesmo no terraço.



Observei as duas brigarem enquanto terminava de comer meu lanche. Era uma briga cômica pois nenhuma das duas fazia algo grandioso. Levantei do chão e em seguida invoquei Honorless Warrior, as lutadoras ao verem o grande samurai que as esgueiravam recolheram seus Stands imediatamente e começarem a fingir uma grande reconciliação entre si mesmas, para que eu não as dessem belos sopapos para apartar a briga. Depois de um certo tempo nos sentamos na beira do terraço para observarmos a vista. 



—Ei, vamos ao cinema hoje? -Perguntou Scarlet para suas amigas animada. 


—Que tipo de filme iremos ver? -Vera olhou para Scarlet desconfiada. 


—Confia no gosto da chefia aqui, que vocês não vão se arrepender! -Scar apontou seu polegar para si mesma enquanto dava um de seus sorrisos travessos.



Nota da Autora: Kono Scar Da!



—Eu topo! -Vera abraçou o braço de Scarlet que estava se sentindo uma rainha. 


—E você, (S/n)? -Scarlet olhou curiosa para mim junto a Vera que esperavam uma resposta em meio ao silêncio em que o local havia tomado após a pergunta. 


—Ok... Eu irei. ‐Olhei para minhas amigas que ficaram animadas com a minha resposta positiva. 


—É isso aí! -Scarlet deu um tapinha de "leve" em meu ombro que foi o suficiente para que eu perdesse o equilíbrio e caísse de cima do terraço. 


HIEROPHANT GREEN! -Scar invocou seu Stand que me segurou no último instante, mas a mesma também perdeu o equilíbrio e caiu junto à mim. 


Hermit Purple! -Vera invocou seu Stand que agarrou uma das pernas de Scarlet mas logo a menor era puxada aos poucos com o peso de nós duas. 


—SCARLET, NÃO OUSE ME SOLTAR! -Falei desesperada enquanto olhava para baixo apavorada. 


—AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA SOCORROOOOOOOOOOOOOOOO!!!! -A menor estava dando tudo de si para salvar nós duas que só conseguíamos pedir socorro.


—EU NÃO SABIA QUE UM SIMPLES TAPINHA TERIA TANTO PERIGO ESCONDIDO!! -Scarlet estava quase para desmaiar pois morria de medo de altura, mas mesmo assim a mesma não me soltava por nada que a acontecesse.



Saí do terraço PUTA com Scarlet enquanto a morena apenas ria da minha cara enquanto Vera aparentava estar sem sua alma após uma batalha de cabo de guerra de vida ou morte. Por sorte, nossa gritaria não chamou a atenção dos outros por incrível que pareça. As aulas acabaram e seguimos nosso percusso de sempre de volta para nossas casas. Primeiro Vera, e por último Scarlet que se separou de mim para seguir seu caminho para casa. Cheguei em casa e segui o restante de minha rotina do dia-a-dia normalmente. Foi a partir desse dia que minha vida virou um inferno. 




... × × × ...



Stand Name --->    Honorless Warrior/Guerriero Senza Onore. 


Stand User --->    (S/n) A. Zeppeli.



Destructive Power/Poder Destrutivo: ??? 


Speed/Velocidade: ??? 


Range/Alcance: ??? 


Power Persistence/Persistência: ??? 


Precision/Precisão: ??? 


Development Potencial/Potencial de Desenvolvimento: ???




... × × × ...




2 meses e meio depois.



 Tantas coisas aconteceram de uma vez... Hoje de madrugada recebi uma ligação de meu pai que dizia que já estaria em casa amanhã, o que me deixou aliviada depois de dias com um aperto em meu peito. Durante esses dois meses ele estava de viagem ao Japão para ajudar nosso amigo Sr. Joseph Joestar, que temia pela perda de sua filha Sr. Holly por uma doença que arriscava a vida da mesma. Ele não me falou do que realmente se tratava a doença da mesma, mas não insisti e apenas concordei e fiquei em casa esperando pela volta do mais velho e junto a isso o aperto em meu peito me atormentava. No segundo mês Vera começou a mostrar um comportamento diferente. Estava calada, não falava mais de seu dia-a-dia, não pedia mais ajuda nas matérias, não saía mais comigo e Scarlet, entre outras coisas. Scarlet e eu chegamos a conversar até com a própria família da mesma que notou o comportamento da mais nova, mas sempre que perguntavam se tinha algo errado a mesma negava. A cada dia que passava Vera ficava mais e mais calada. Não tinha mais aquele sorriso caloroso e muito menos brilho em seus olhos, nem mesmo as brincadeiras de Scarlet foram capazes de animar a mesma. Fazíamos festas do pijama para que a mesma participasse, mas ela sempre negava. Sempre que perguntávamos se havia algo errado Vera voltava a negar, mas no fundo algo me dizia que ela escondia algo... É como se algo de ruim fosse acontecer caso ela falasse a verdade. Naquela madrugada eu adormeci com um pressentimento ruim. Acordei com o despertador novamente em meus ouvidos, me levantei e fui até o banheiro lavar meu rosto e respirar um pouco pois aquele pressentimento ainda me atormentava. Assim que lavei meu rosto fiquei observando-me no espelho por um bom tempo enquanto tentava me acalmar com tudo aquilo que estava me afetando. Depois de um certo tempo consegui me acalmar e o pressentimento ruim desvaneceu. 



NA: Desvaneceu=Desapareceu.



 Fiz minha rotina como sempre de costume, terminei de tomar meu café e saí de casa com minha mochila de lado. Recebi aqueles olhares novamente e ignorei todos como sempre fazia e segui meu caminho de cara fechada até chegar na escola logo entrando na sala e sentando em meu lugar um pouco pensativa, em relação a uma certa notícia que tinha visto enquanto passava por umas bancas de jornais. O mais estranho era que Vera não tinha vindo a aula, o que me deixou um pouco aflita e em alerta. Apenas Scarlet estava lá me pertubando com suas brincadeiras de humor um pouco duvidoso. 



Nota da Autora: Scarlet Shitposter fds :'D



—Scarlet, você sabe o motivo de Vera não ter vindo hoje? -Me virei para trás onde sentava Scarlet que logo me deu atenção. 


—Não, (S/n). Eu já iria lhe perguntar... Parece que ela não avisou para ninguém mesmo. -Scar fazia bolas de chiclete enquanto olhava para a janela. 


—Estranho... -Quando terminei de falar o professor chamou a atenção de todos que estavam presentes na sala de aula.


—Bom dia alunos. Venho aqui informá-los sobre uma notícia triste. Nossa colega Veratos, mais conhecida como Vera, terá que mudar de país por motivos pessoais. Seus responsáveis já vieram buscar sua transferência aqui na escola hoje mais cedo, próxima semana ela estará de volta aos Estados Unidos e espero que se despeçam dela antes de sua partida. Agradeço desde já a atenção de todos. Até a próxima aula. -Se retirou da sala para dar lugar ao próximo professor(a). 


—(S/n)?! Por que a Vera não nos avisou?! Quando eu pegar aquela formiga eu irei puxar seus cabelos sem dó e piedade! -Scarlet estava enfurecida e surpresa de um jeito engraçado. 


—Sim... Mas não ficou sabendo? -Me virei novamente para Scar que me olhou confusa. 


—O que, (S/n)? -Scarlet me respondeu arqueando uma de suas sombrancelhas. 


—Estava nos jornais que o Michel foi preso. -Encarei Scar que ficou em choque com a notícia. 


—O que?! O que caralhos ele fez para ser preso?! (S/n), por acaso isso tem a ver com a Vera? -Scarlet me fazia perguntas em puro desespero. 


—Bem, eu não sei. Mas estava em destaque na capa do jornal. -Continuei a encarar Scarlet enquanto a mesma aos poucos mudava sua expressão de desespero para uma melancólica. 


—(S/n)... Será que ele... -Um soluço de pranto impediu da mesma completar sua frase. 


—Esses últimos dois meses... Veratos ainda namorava o Michel. -Falei pensativa tentando saber se a minha informacão estava certa. 


—Ele fez algum mal pra ela, (S/n)... É impossível ele não ter relação com o comportamento estranho que Vera apresentava durante esses últimos meses... -A egípcia tentava conter suas lágrimas enquanto mil situações passavam em sua mente imaginando o que seria esse mal que Michel teria possivelmente feito para a amiga. 


—Scar, vamos atrás de uma explicação assim que as aulas acabarem. Por hora vamos manter a calma, não podemos fazer um escândalo logo agora na escola. -Alertei Scar que concordou com a cabeça e voltamos nossas atenções para a professora que tinha entrado na sala.



Depois das aulas.



 Scarlet e eu já iríamos sair da sala quando alguém se aproxima de nós em passos rápidos chamando por nossos nomes. 



—Sr. Zeppeli! Sr. Mohammed! -A diretora acenava para nós duas enquanto corria em nossa direção. 


—Sim, senhora? -Scarlet arqueou uma sombrancelha estranhando o comportamento da mesma. 


—Esta carta... -A mais velha parou na nossa frente erguendo uma carta enquanto respirava ofegante por causa de sua corrida. 


—Senhora, de quem é esta carta? -A questionei que em seguida nos olhou um pouco mais tranquilizada. 


—É da Sr. Evans! Sua família deixou a carta comigo antes de saírem. -A mesma entregou a carta em nossas mãos que estremecemos ao escutar o sobrenome de nossa amiga.


—Por que só agora veio nos entregar esta carta?! -Scarlet se alterou um pouco com a superior e quase chegou a partir para cima da mesma, que se não fosse por mim, que a agarrou nos últimos instantes, a mulher já estaria em apuros.


—Scar, se acalme. Não é hora para brigarmos, principalmente com a própria diretora da nossa escola. -Segurava minha amiga enquanto a mesma segurava a carta com força em suas mãos. 


—Me pe-perdoem! Eu estava muito atarefada, e a escola é muito grande. Passei duas horas procurando pela sala de vocês duas e só agora eu pude as encontrar. -Falava a diretora se afastando um pouco de Scarlet que estava quase a soltar-se de meus braços. 


—Agradecemos pela entrega da carta, senhora. Mas no momento recomendo que saia daqui o mais rápido possível, pelo seu bem. -Falei com dificuldade de segurar Scarlet que xingava a superior de todos os palavrões que conhecia. 


—S-Sim! -A diretora apressadamente passou pela porta da sala e agora apenas os sons de seus saltos ecoando pelos corredores eram ouvidos. 


—Por que não me soltou?! Eu iria acabar com a raça daquela... -Scarlet se conteu para não falar mais uma palavra de baixo calão. 


—Scarlet, se acalme! Ela já foi. O importante agora é sabermos o que Vera escreveu nesta carta para nós. Provavelmente é aqui onde estará o motivo dela partir. -Reparei que minha fala fez Scar estremecer e após poucos segundos abrimos a carta e começamos a ler seu conteúdo.



... ( ... ) ...



De: Veratos Agatha Evans. 


Para: (S/n) Anthonieta Zeppeli e Mohammed Scarlet.



Esta é a vida?... Eu pensei que ela tinha um gosto tão doce e suave. Mas depois esse gosto ficou amargo... Tão amargo que eu era obrigada a continuar com este gosto amargo em minha boca. Esses últimos dois meses não foram fáceis para nós, não é, meninas? Seu pai já voltou de viagem, (S/n)? E sua mãe, Scarlet? Ela parou de trair seu pai? Espero que tudo esteja bem com vocês. Mas o intuito dessa carta não é algo poético ou sobre nossas vidas, e sim outro. Vocês podem me encontrar hoje à tarde na escola? Já que tenho pouco tempo aqui... Eu quero passar esse tempo ao lado de vocês. As únicas pessoas que estiveram ao meu lado nos momentos bons e ruins. Quero aproveitar cada segundo que tenho ao lado de vocês, sem que ninguém interfira. Eu sinto falta das risadas, das encrencas, das noites em claro, das piadas de humor duvido, de tudo que nós vivemos e passamos. Por favor, venham me encontrar hoje pela tarde... Eu imploro. 


Com amor, a irmãzinha caçula de vocês duas, Vera. ♡



... ( ... ) ...



—... -Baixei a carta lentamente enquanto Scarlet estava ao meu lado com um olhar sereno para as palavras escritas no papel amassado. 


—(S/n), eu virei. E você? -Scar me olhou com um sorriso meigo. 


—... Eu também. -Deixei um sorriso doce escapar durante minha resposta. —Mas... O que ela queria dizer com gosto amargo?...



Quebra de Tempo.



 As horas se passaram rápido e eu já estava arrumada. Estava com uma camiseta de uma banda que gostava e com uma calça jeans despojada, coloquei meus acessórios, sequei meu cabelo enquanto me arrumava, coloquei meus all stars, fiz uma maquiagem leve e passei perfume. Eu iria deixar um bilhete para meu pai quando me lembrei que ele chegaria pela madrugada, então apenas preparei a casa para sua chegada pois já tinha combinado com Scarlet que deveria estar em casa antes que fosse tarde da noite. Por dentro havia um lindo jardim dentro de mim, e por fora uma garota que por mais que se mostrasse fechada e séria esbolçava um pequeno sorriso em seus lábios que agora estavam vermelhos por causa do batom que tinha aplicado. Saí de casa fechando as portas e janelas e rapidamente indo em direção a escola e como de costume ignorando tudo e todos. Cheguei em frente a escola e vi Scarlet na entrada que acenou para mim e logo fui em sua direção. A mesma estava com uma camiseta preta e branca listrada com um macacão que destacou mais ainda suas vestimentas, um coturno preto, acessórios, e um chapéu preto. 



Nota da Autora: Olha, as vestimentas vocês podem imaginar quais quiserem:3 Só selecionei esses tipos de trajes porque realmente curto isso.



—Olha, olha! Parece que (S/n) se arrumou bastante hein! -Scarlet ria de pura adrenalina. 


—E pelo que vejo você também não dispensou uma boa transformação. -Dei um sorriso de leve para a garota enquanto cruzava meus braços. 


—Acho que Vera já está chegando! Aposto que ela deve estar mais animada do que eu! -Scarlet falava enquanto me cutucava me fazendo soltar uma risada abafada. 


—Meninas! -Vera gritou ao longe e logo corria em nossa direção enquanto os babados de seu vestido preto e branco de lolita rodopiavam no ar e seus acessórios tremiam com os passos apressados da pequena loira.



Nota da Autora: Dio quase me derruba aqui da árvore dizendo que não pode haver nenhuma Barbie que possa copiar a diva que ele é.



—Finalmente anã de jardim! -Scar gritou de volta para Vera que saltou em em cima de nós duas dando risada.



Seu abraço era forte como de um leão, matando cada sentimento de ruim que havia em nossos corpos. Mas havia algo a mais naquele abraço do que felicidade e saudades. 



—Ve-Vera? Por que você está chorando? -Scarlet se preocupou ao ver Vera chorando com um sorriso em seu rosto. 


—Eu pensei que nunca mais veria vocês novamente... -A loira dizia em meio a soluços enquanto tremia e logo o sorriso da mesma sumiu e uma expressão de desespero e sofrimento tomou conta da menor. 


—Vera, nós diga o que aconteceu... -Scarlet passava a mão na cabeça de Vera que só chorava mais e mais enquanto sua maquiagem se desfazia aos poucos deixando marcas em nossas roupas. 


—Vamos para a sala de música. Lá você pode nos contar o que aconteceu. -Falei enquanto ajudava Scar a levar Vera para a sala. 


 Andamos até a sala de música tentando acalmar Vera que não conseguia parar de chorar. Quando entramos na sala de música pegamos cadeiras para nos sentarmos. Após todas nós estarmos confortáveis, Vera aos poucos foi contando o que havia acontecido com ela nesses últimos dois meses. 




Aviso:

Se algum(a) de vocês, estiverem em um relacionamento abusivo por favor, SAIM DELE AGORA. Não importa se você é lésbica, gay, panssexual, trans, ou o que seja. Apenas preze pela sua saúde mental e pelo seu emocional. E caso conheçam alguém que passa por isso, ajudem a pessoa, mesmo que ela se negue, tentem ajudar essa pessoa que está cegamente dando seu amor para uma pessoa errada.




 Vera na verdade estava em um relacionamento abusivo. Um relacionamento com altos e baixos, e sempre que Vera planejava em terminar de vez ele apenas fazia aqueles dramas que faziam Vera não terminar com ele, com esperança de que ele iria mudar por ela, mas não mudou porra nenhuma. Foi indo nisso até chegar no segundo mês, que foi onde tudo piorou. Vera começou a ser espancada por Michel até quase perder os movimentos de suas pernas e braços quando ía na casa do garoto, relações sexuais forçadas e traições da parte do garoto eram normais para a menor. Vera era obrigada a vestir roupas largas para esconder seus hematomas e maquiagens pesadas para esconder os do rosto. Quando Vera já estava no seu limite ligou para a polícia e o denunciou, já que só estava aguentando e engolindo tudo aquilo por causa das ameaças feitas pelo mesmo, caso ela não continuasse o relacionamento. 



—Vera... Você deveria ter contado isso pra gente... ‐Scarlet dizia enquanto observava os hematomas e cicatrizes que haviam no corpo da menor. 


—Vera... Que tipos de ameaças foram essas? -Questionei minha amiga enquanto um sombreamento estava em meu rosto. 


—As ameaças... -Vera parou de falar por uns instantes. —As ameaças que ele fazia eram... -Começou a chorar novamente. 


—Vera... -Olhei para a loira preocupada enquanto a mesma ganguejava e tentava falar entre seus soluços.




—Ele... Ameaçou vocês de morte... Caso eu não continuasse com ele... 




—... -Arregalei meus olhos ao escutar aquilo e enquanto Scarlet se levantou da cadeira assustada. 


—Vera, eu não acredito nisso! -A morena segurava suas lágrimas. —Você nunca deveria ter aguentado tudo isso por nós! -Gritou enquanto estava trêmula. 


—Vera... Você sabe que somos usuárias de Stand. Poderíamos nos proteg... -Acabei sendo interrompida por Vera. 


—Scarlet... (S/n)... Eu sei que somos usuárias de Stand. Mas mesmo assim, nós não somos imortais. -Scarlet abraçou Vera e agora ambas choravam juntas. 


—... -Tentava manter uma imagem firme perante minhas amigas, mas era impossível. Rapidamente abracei as meninas com força enquanto lágrimas desciam sem parar de meus olhos. 


—Mas, o pior dessas ameaças... Era viver sem ao menos poder me divertir ao lado de vocês, pois caso eu soltasse algo que eu não devia ele...  -Vera afundou sua face em nossas vestimentas as encharcando mais uma vez com suas lágrimas. 


—Vera, está tudo bem agora. Ele já está preso, não há mais o que temer. -Falei enquanto acariciava o topo da cabeça de sua amiga. 


—Agora nós podemos viver em paz. Dependendo dos anos que ele passar na prisão, já estaremos longe quando ele sair. -Falou Scarlet em seguida com um grande sorriso em seus lábios para reconfortar Vera que já estava com suas pálpebras inchadas de tanto chorar. 


—Eu queria ficar aqui... Mas meus pais quando souberam disso tudo, botaram na cabeça que queriam voltar para os Estados Unidos. Para recomeçar uma nova vida por lá, ao invés daqui, mesmo morando aqui a alguns anos. -A menor secava suas lágrimas enquanto falava. 


—Que irônico... Parece que foi ontem que nos conhecemos... E vejam só, já estamos uns mulherões da porra. -Falou Scarlet dando uma leve risada para distrair daquele clima tenso. 


—Só você mesmo numa hora dessas, Scar. -Falei soltando ar pelas minhas narinas pela forma discontraída de sua forma de lidar com situação sensíveis. 


—Só vocês, porque eu continuo do mesmo tamanho que me conheceram... -A loira bufou um pouco constrangida enquanto se via cercada pelas duas "gigantes". 


—Por isso que eu te chamo de anã de jardim, oras. -Scar deu um leve peteleco em Vera que logo reclamou da pequena dor causada e em seguida pôs suas duas mãos no local fazendo uma pequena careta. 


—Não estão esquecendo de algo? -Arqueei uma sombrancelha enquanto perguntava para minhas amigas que me olharam confusas. 


—Do que, (S/n)? -Questionou Vera. 


—Da nossa diversão, bobinhas. -Sorri maliciosamente para as garotas que  retribuíram os sorrisos com olhares travessos.



Aquela tarde foi apenas diversão. Andamos pelas ruas, passamos em várias lojas de discos que haviam pela cidade, ajudamos Scarlet a comprar diversos tipos de gomas de mascar para que a mesma consumise durante nosso passeio, lanchamos em um restaurante clandestino da região onde tinha fama de ter a melhor Piadina Romagnola da região. 



Nota da Autora: Piadina Romagnola: Um lanche italiano parecido com a nossa típica tapioca, que pode ser recheado pelo o que sua imaginação e fome preferir. Fontes: eurodicas.



Além disto e mais outras coisas, colocamos nossos assuntos em dia. Matérias escolares, professores impertinentes, desastres diários e vexames. Rimos como nunca em uma única só tarde, como loucas. Vera já não tinha mais aquele semblante triste, pelo contrário, parecia rir mais alto que eu e Scarlet juntas durante nossas conversas. Pessoas que passavam por nós nos olhavam torto, outras nos olhavam com um sorriso meigo como se relembrassem suas infâncias e já outras nos encaravam com olhos arregalados enquanto ouviam as piadas de Scarlet. Depois de muita diversão voltamos para a escola rindo sobre nosso passeio. 



—(S/n), eu nunca tinha visto você rir tanto em minha vida! -Falou Scarlet incrédula para mim que a olhei de canto enquanto sorria. 


—Oh, Scarlet. Esse dia está sendo o melhor de toda a minha vida. Vera está conosco, meu pai chegará hoje do Japão... Está tudo perfeito. Nada pode estragar esse dia. -Dei um sorriso aberto para Scarlet que se surpreendeu ainda mais com minha atitude. 


—(S/n) tem toda razão. Este dia deveria virar até uma data especial para nós, o que acham? -Falou Vera enquanto experimentava um sorvete em suas mãos. 


—Eu nunca tinha pensado nisto... -Falou Scarlet colocando seu indicador em seu queixo confusa. 


—Eu aprecio a ideia de Vera. Mas, como será o nome da nossa data? -Olhei para o teto pensativa enquanto voltava para a sala de música com minhas amigas. 


—Bem... Tem que ter algo a ver com esses dois meses e com a nossa superação sobre eles. -Falou Scarlet se sentando em uma cadeira pensativa. 


—Que tal... Stella di Domani? -Sugeriu Vera enquanto levantava a colherzinha de seu sorvete.



Nota da Autora: Tradução: Estrela do Amanhã.



—É um belo nome. -Falei enquanto olhava para Vera que sorriu com minha reação positiva. 


—Eu amei! Será esse o nome da nossa data! -Scarlet pulou da cadeira nos abraçando que quase caímos com o abraço de urso da egípcia. 


—Esse dia ficará para sempre em nossas mentes, para sempre. -Falou Vera enquanto sorria segurando seu sorvete com seu braço para o alto. 


—Eu só quero lembrar dos nossos momentos bons, apenas isso. -Dizia enquanto cerrava meus olhos com um leve sorriso em meus lábios. 


—Eu amo vocês, eu não quero esquecer vocês nunca. -Falou Scarlet com uma expressão adorável em sua face.



Quebra de tempo.



 Já era noite enquanto eu estava observando as luzes das casas com as meninas de cima do terraço da escola quando escutei passos lentos vindo atrás de Vera que aparentava não escutar nada junto a Scar, quando me virei para ver do que se tratava vi um palhaço com vestimentas listradas em azul e vermelho carregando uma grande marreta consigo. 


—Vera! -Gritei para a menor mas já era tarde demais quando a vi ser atingida pela marreta do ser que a jogou para fora do terraço em seguida. Honorless Wa-



Fui interrompida por uma forte dor em meu estômago e em seguida fui jogada de cima do terraço enquanto observava os olhos vermelhos do palhaço que gargalhava enquanto assistia minha queda. 



Hierophant Green!! -Scarlet invocou seu Stand que conseguiu agarrar nós duas com seus tentáculos e em seguida nos puxando de volta para o terraço mas a mesma foi atingida pelo palhaço durante a ação.



 Em questão de segundos senti os tentáculos do Stand se soltarem de minhas pernas e logo caí no terraço sentindo uma grande dor do impacto da queda em meu corpo que me fez soltar um pequeno grunhido de dor. 



—Vera... -Sentia algo escorrer pelas minhas mãos enquanto me arrastava até a menor que apenas estava trêmula no chão enquanto a chuva caía sobre seu corpo.



 Conforme eu me aproximava de Vera, uma grande quantidade de sangue escorria pelas poças de água feitas pela chuva até o momento que finalmente a alcancei e vi a cena mais grotesca de toda minha vida. 



—Vera... Não... -Minhas lágrimas começavam a escorrer pelo meu rosto quando vi um grande buraco no peito da menor causado pelo ataque do ser que agora lutava contra Scarlet. 




 A partir daquele momento eu não sabia se gritava ou chorava. Eu fiquei travada. Meu olhar estava fixado no rosto de minha amiga que era banhado pelos pingos daquela chuva junto com seu sangue que descia de suas bochechas rosadas. O meu mundo parou por uns instantes enquanto os pingos da chuva eram como agulhas que caiam sobre minha pele. A dor que eu sentia por dentro não era nada comparada a minha externa. Minhas lágrimas não conseguiam mais descer de jeito nenhum, minha voz tinha sumido, os movimentos do meu corpo paralisados. Enquanto estava perdida em meus lamentos senti um toque de uma mão gelada em meu ombro, após eu finalmente olhar para cima vi Vera em pé. Eu imediatamente tentei abraçar a menor, mas não senti nossos corpos juntos. Depois de observar bem a Vera que estava em minha frente, percebi que a mesma estava começando a ficar dourada como ouro enquanto sorria para mim com o seu sorriso de Aurora. 



—Esse tempo que passamos juntas foi muito bom depois dos maus bocados desses últimos meses, né, (S/n)? -Vera me olhava com um olhar cheio de felicidade mas também de tristeza.



Eu estava em choque diante da mesma, chegando a me questionar se era realmente aquela Vera que conhecia. Até que de repente senti braços pequenos em volta de meu corpo. 



—(S/n)... Me perdoe por não passar mais um tempinho com você e Scarlet. Eu não pude conversar mais aprofundadamente com vocês nesses últimos dois meses... Haha, imagino as loucuras que não tive tempo de escutar vindo da Scar. Sabe, (S/n)... O meu maior medo era morrer sozinha, sem ninguém ao meu lado, abandonada por minha família depois de velha. Sabe aquele gosto amargo que citei naquela carta, (S/n)? Era o gosto do meu próprio sangue em minha boca por causa das agressões que eu sofria do Michel... Ele tirou todo o doce que minha vida tinha. Eu coloquei toda a minha fé e preces em uma cara que nunca me amou. É tão ruim (S/n)... É tão ruim você depositar todo seu amor em uma pessoa que amassa e rasga seus sentimentos como se fosse um rascunho de uma carta de amor que não está ao seu gosto... Eu acho que nasci para não ter um final feliz como dos contos de fadas de príncipes encantados... -A loira deu um sorriso fraco enquanto sua visão estava vaga para as poças ďágua que respingavam com o pintos de chuva fortes que agora caíam, depois de instantes a mesma se separava de meu abraço.


Minha morte foi dolorosa, algo que eu sempre imaginava evitar nela quando chegasse o meu último dia. Mas só pelo fato de que eu pude aproveitar... Por mais que fosse como mais uma de nossas tardes comuns antes desse caos... Já é o bastante para eu não me sentir sozinha durante minha partida. Obrigada, (S/n). Obrigada, Scarlet. Vocês sempre terão um lugar especial em meu coração, mesmo que ele tenha sido arrancado e despedaçado durante minha morte. Adeus, (S/n)... Estarei lhe esperando no Paraíso. -Vera acenou para mim e em instantes sua alma dourada se desfez como uma fumaça, alcançando os céus em forma de espiral se misturando às nuvens negras daquela chuva. 


—Vera... Você não.... Por favor... Vera! Vera!! VERAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!! -Eu clamava aos céus que devolvessem minha amiga, mas as mesmas não foram atendidas. Até porque, os verdadeiros lugares dos anjos são nos céus.




Veratos Agatha Evans ---------------------------------



Morreu ao ser atingida por algo desconhecido. A perícia continua com as investigações para tentar compreender melhor a morte da jovem. Sua família a enterrou nos EUA após a tragédia e por lá ficaram, atualmente não conseguimos mais saber o paradeiro da família Evans.


♡ 06/03/1971.

☆ 01/02/1988.



----------------------------------------------------------------------------------------




—Vera?... -Scarlet chamou por sua amiga enquanto olhava para o corpo da mesma no chão. 


—SCARLET!! -Gritei em direção da morena que havia baixado sua guarda. 


—... ?! -Scarlet foi acertada por trás pelo ser que fez sua marreta atravessar o corpo da morena. 


—... -Olhava assustada para Scar que agora era jogada de cima do terraço. 


HONORLESS WARRIOR!! -Estendi minha mão em direção do palhaço que foi jogado para longe com uma investida de meu Stand que usou suas espadas. 


—... Arg... -Scarlet sentia o sangue descer de sua boca lentamente enquanto alguém segurava sua mão. 


—Scarlet, aguente firme! Eu irei acabar com ele e assim poderei te levar para o hospi- —Fui interrompida por minha amiga que deu uma tapa em meu rosto com os tentáculos de seu Hierophant Green. 


—(S/n)... Eu já não estou em condições de andar, muito menos de me manter em pé... Como você quer que eu já para o hospital ao seu lado...? -Scarlet ergueu sua cabeça para o alto para observar a chuva caindo. 


—Scarlet... -Olhava incrédula para a morena que tinha um sorriso doce em seus lábios enquanto apreciava a vista das nuvens negras. 


—Sabe, (S/n)... Antes de conhecer você e Vera, eu não tinha nenhum amigo... Só pelo fato da cor da minha pele ser diferente das demais crianças daqui... -Lágrimas transbordavam dos olhos da egípcia enquanto falava.


—Scarlet... Não... -Olhava paralisada para Scar enquanto eu continuava a insistir no aperto de minha mão que começava a escorregar do braço de Scarlet. 


—Vocês... Foram as únicas que me salvaram naquele dia... -Scarlet deu uma pequena risada fechando seus olhos enquanto lágrimas desciam pelas bochechas da mesma. 


—Scarlet, para! Você não vai morrer! Segura minha mão com força, por favor! -Suplicava para minha amiga enquanto deixava suas lágrimas rolarem durante suas palavras melancólicas. 


—Não, (S/n)... Eu não irei fugir de minha morte... Esse é meu destino. Sabe... Eu pensei que ficaríamos juntas para sempre, até morrermos e chegamos ao Paraíso... (S/n)... Como será o Pasaíso? Será que lá, os anjos irão me aceitar do jeito que sou? Irão aceitar a cor da minha pele, assim como vocês me aceitaram? Quando eu era pequena... Eu tinha medo de quando eu morresse... Os anjos e até mesmo Deus não me aceitasse pela minha cor... E me condenassem ao inferno... Onde seria o lugar adequado para os "carvões" aumentarem o fogo do inferno para a punição eterna... Era o que eu pensava baseado aos apelidos sem graça que me colocavam na escola...  -A morena dizia todos os seus mais profundos tormentos com uma expressão de ternura em seu rosto.



Nota da Autora: Quero deixar bem claro que este tipo de atitude não é praticada por mim e nunca será, pois isso é uma ofensa assim como você falar para uma pessoa que ela é um lixo (sendo que a mesma sofre com depressão). Recomendo que denunciem atitudes como estas para a polícia, pois infelizmente isso ainda é presente no Brasil... Onde praticamente somos todos miscigenados, e isso é o mais lindo do nosso país. E me perdoem se eu errei em alguma parte da nota, principalmente na questão da miscigenação.



—Scarlet... Não me deixe... Primeiro foi a Vera... Agora você?... Scarlet... Por favor... -Eu chorava descontroladamente enquanto minha voz falhava durante meus pedidos para a morena que apenas continuava a me olhar com carinho com um sorriso estampado em seu rosto. 


—Eu e Vera estaremos ao seu lado sempre... Aguardando pacientemente para o dia de nosso reencontro... Eu sou profundamente grata pelos anjos que conheci em minha vida.... Que são vocês. Vocês me ajudaram a pensar diferente sobre minha cor... E até mesmo sobre a minhas inseguranças... Vocês foram a minha luz de todos os meus problemas... Obrigado por nunca me abandonarem nos meus momentos difícies... -Um jorrar de sangue interrompeu Scarlet que grunhiu de dor. 


—Scarlet! Por favor, preserve sua voz! -Gritei preocupada para minha amiga que cerrou um de seus olhos. 


—(S/n)... Posso te fazer o meu último desejo?... -Ergueu sua cabeça com dificuldade para olhar dentro de meus olhos. 


—Claro... -Tentei dar um sorriso reconfortante para a mesma que com dificuldade fazia seu pedido. 


—(S/n)... Promete... Que nunca irá nos esquecer?... Nem de mim e de Vera?... 


—... -Olhei surpresa para Scarlet que agora estava triste. 


—Nos prometa (S/n)... Eu não quero ser esquecida... O vazio do esquecimento parece ser tão cruel... Eu não o suportaria... Por favor... Prometa... 


—... Eu nunca esqueceria minhas próprias irmãs, Scarlet... -Observava Scarlet que com bastante esforço deu seu último sorriso para mim. 


—Adeus... (S/n). -Scarlet soltou minha mão aos poucos até a mesma encontrar o ar aguardando o impacto de seu corpo contra o chão. 


SCAAAAAAAAAAAAAAAAAAAARRR!! -Tentei agarrar minha amiga com meu Stand mas a mesma já havia tido seu encontro com o chão.



 O barulho do corpo da morena contra o chão ecoou por toda a escola. O som dos ossos quebrados... A chuva levando o sangue de minhas amigas... O som do vento gelado soprando em seus ouvidos... O pressentimento ruim foi revelado. O que me deixava profundamente infeliz, era saber que os modos que minhas amigas haviam sido mortas, eram os mesmos dos quais as mesmas não queriam ter durante suas passagens de vida para o Pasaíso. Mas... Mesmo assim elas sorriram para suas mortes... O que eu não podia compreender. Vera odiava sentir dor e medo de morrer sozinha... Scarlet tinha medo de altura... O que as realmente fizeram encarar suas mortes com sorrisos meigos em seus rostos? 




Mohammed Scarlet -------------------------------------



Morreu enquanto caía de cima do terraço de sua escola. Assim como Vera, a mesma também tinha o misterioso buraco em seu peito e também a perícia estava agindo para saber mais sobre o mistério que rodeava esse caso. Sua família depois de sua morte voltaram para o Egito e seu pai e sua mãe se separaram após o ocorrido, quando o homem leu o diário que sua filha guardava embaixo de sua cama onde contava todo o seu dia-a-dia e sobre as traições de sua mãe com o vizinho da família.


♡ 18/12/1970.

☆ 01/02/1988.



----------------------------------------------------‐-------



O vento gelado era o único que me consolava em meio ao cenário que eu me encontrava. Arrepios percoriam minha espinha enquanto observava o corpo de Scarlet ensanguentado no chão enquanto seu olhar frio da morte estava para o céu que sem piedade a castigava com seus pingos que eram como navalhas em contato com a pele. Como seria minha vida depois daquele dia?... Como eu iria dormir sabendo que nunca mais veria os rostos dos quais me arrancaram tantos sorrisos e risadas sem querer? O pressentimento ruim que antes me atormentava agora já não existia mais. Minha mente estava bagunçada, era como se as telhas de aranhas do profundo de meu ser estivessem se entrelaçando umas as outras como se estivessem com raiva. Meus olhos vagaram até o corpo de Vera que começava a ficar pálida. Todo seu sangue estava em minha volta misturado as poças de água criadas pela chuva. Eu nunca tinha presenciado algo tão horrível em minha vida, nunca. Mesmo com a morte de meus pais quando eu era apenas um bebê, eu tinha ficado tão mal do jeito que eu estava. Por um segundo passou pela minha mente de me jogar de cima do terraço para encerrar minha vida. Eu sentia como se mãos me agarrassem com força me impedindo de faça tal besteira. Lembrei de meu pai com carinho e dos momentos bons que vivi ao lado do mesmo desde que eu era criança. Pai... Por favor não chore por mim... Não é minha intenção fazê-lo chorar... Se eu não estiver de volta na hora de sua chegada para recebê-lo com abraços para matar as nossas saudades um do outro... Siga em frente... Como se nada realmente importasse. 



Nota da Autora: Há um trecho da música "Bohemian Rhapsody" da banda Queen neste texto.



—Oh... Eu não pensei que Mad Hatter faria tanto estrago assim. -O dono da voz suave e elegante olhava impressionado ao redor do terraço. 


—... ?! -Meus olhos se arregalaram e meu coração quase parou de bater quando ouvi aquela maldita voz.



Aquele desgraçado... Logo ele... 



—Quanto tempo, (S/n). -Sorriu para a garota que continuava trêmula enquanto estava ainda de costas ajoelhada na beira do terraço. 


—Michel... -Cerrei meus punhos com força enquanto lentamente me virava para trás. 


—Me admira você ainda se lembrar de meu nome, (S/n). -Michel inclinou um pouco sua cabeça para o lado enquanto continuava a sorrir me observando aos poucos deixar o chão. 


—Você... -Olhava o garoto com ódio enquanto o mesmo debochava da situação. 


—Sim, eu sou usuário de Stand. Não são maravilhosas essas habilidades que possuímos, (S/n)? Somos bastante privilegiados... Assim como estas outras duas que acabaram de partir. -Sua expressão amigável mudou para uma de frieza. 


—Você não matou só Scarlet e Veratos. -Encarava o loiro enquanto seus lábios se curvavam lentamente para formar um sorriso malicioso. 


—Eu nunca irei perdoar Vera por ter me obrigado a matar pessoas inocentes apenas para que eu cumprisse com minhas ameaças. -O loiro finalizou com uma risada suave.



—MIIIIICHEEEEEEEEEEEEEEEEELLLLL!!!!




... × × × ...



Stand Name --->    Mad Hatter/Cappellaio Matto. 


Stand User -->   Michel A. Marc.



Destructive Power/Poder Destrutivo: B


Speed/Velocidade: B


Range/Alcance: A


Power Persistence/Persistência: D


Precision/Precisão: D


Development Potencial/Potencial de Desenvolvimento: D




... × × × ...




To be continued -->


Notas Finais


Link do gif: https://pin.it/1W8QuId

Link da jóia de aja que me inspirou pra criar esta minha neném: https://www.spiritfanfiction.com/historia/meu-acucar-e-mascavo-imagine-jotaro-kujo-hiatus-21170038


Aparências dos personagens:

Scarlet: Mariah, Stardust Crusaders.

Veratos: Mina, Dance In Vampire Bund. (Inclusive, o nome Veratos foi da assistente de Mina no anime)

Michel: Michael Langdon, American Horror Story: Apocalypse. (E por incrível que pareça... Ele é filho de Satã nessa temporada:0 Parece que ele e Dio são irmãoszinhos de loooooonga arte:'D)

Caesar: Suas madeixas douradas cresceram, ficando em seus ombros. Seus pêlos faciais não ficaram por fora, principalmente seu bigode.

Matteo: Straizo, Battle Tendency. Porém, seus olhos são diferentes dos de Straizo. Me inspirei nos olhos de Darcia, de Wolf's Rain.


Playlist's:

Para a produção do cap: Send Me An Angel (Scorpions), Miss Jackson (Panic! At The Disco), Salute (Little Mix), Abertura de Shiki (Completa), Another Ones Bites The Dust (Queen), Right Now (KoRn), Always Somewhere (Scorpions), Bohemian Rhapsody (Queen), Spiders (Slipknot), Wind Of Change (Scorpions), Goodbye Nostalgia (Versão Br do canal Mig Music e a Original), Rock Like You Hurricane (Scorpions) e Killer Queen (Queen).

Pra pancadaria da (S/n) e do Michel: Dragula (Rob Zombie), We Are The Thuth (Mushroomhead), This Is The New (Marilyn Manson), The Nobodies (Marilyn Manson), The Riff (Lordi), Right Now (KoRn), The Devil In I (Slipknot), Unsainted (Slipknot), Psychosocial (Slipknot), Solway Firth (Slipknot), Left Behind (Slipknot), Duality (Slipknot), All Out Life (Slipknot).

Músicas PRINCIPAIS que me inspiraram para as cenas: Goodbye Nolstagia (Morte de Scarlet e Veratos), Always Somewhere (Cena pós luta), Spiders (Pós mortes), Música de batalha de Noragami (Para a batalha de S/n e Michel).

E mais uma vez obrigada River, serião, tu arrasa demais nas fics muié💞
Sem contar com o apoio que você me deu pra cacete e até mesmo aturou meus aúdios longos das ideias que eu falava pra tu sobre as minhas fics :'D
Beijos e abraços e até o próximo cap dessa minha neném aaaaaaa💞💖💕💗💓💝❤💜🧡💚🤍🖤🤎❣💟💌💖💓💝💞💟💗💝❣🧡💙💓


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...