História Tied To Your Love - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Justapostos


Hashirama estava muito concentrado admirando o namorado que jantava distraidamente à sua frente e não percebeu o clima que se construía bem ao seu lado.

Desde que começara a sair com Madara, era a primeira vez que este visitava sua casa. Seu irmão fazia questão de deixar claro os problemas que tinha com os Uchiha, e Hashirama tinha receio de acabar presenciando uma cena desagradável.

Para a surpresa de todos, aquele momento estava se desenvolvendo de forma bastante tranquila. Kawarama e Itama comeram o mais rápido que puderam para voltarem a jogar videogame. Restaram na mesa apenas o casal da noite e os dois irmãos mais novos que, relutantemente, concordaram em participar daquela reunião em família. 

O mais inesperado, no entanto, não foi aquela aparente calmaria. Se o ambiente externo parecia sossegado, era possível dizer o exato oposto sobre o que se passava dentro da cabeça de Izuna Uchiha e Tobirama Senju.

Era como se um fosse a perfeita materialização das fantasias do outro. O pequeno Uchiha engolia em seco toda vez que seu olhar se cruzava com os pungentes olhos avermelhados do Senju. Sem saber o que se passava na mente do outro, ele temia que estivesse sendo secretamente amaldiçoado. 

O Senju de cabelos brancos tentava se conter ao máximo para não encarar escrachadamente a figura sentada a menos de um metro de si. Cada movimento daquela pequena boca rosada parecia um ímã para seus olhos. Quando o menor lambeu os dedos após limpar um fio de molho que escorreu por seu queixo, Tobirama já estava em um universo paralelo dominado por seus desejos impuros. 

- Com licença, irmão. Vou ao banheiro. - Tobirama se levantou e, antes de subir as escadas, voltou-se rapidamente para o Uchiha, que timidamente desviou o olhar.

Izuna nunca pensou que poderia querer tanto receber uma maldição. 

- Hashirama, eu também preciso ir ao banheiro. Tem outro aqui? 

- Hã? Ah, desculpa. - O Senju mais velho mal desviou os olhos de Madara para responder à pergunta do pequeno Uchiha, que olhava os arredores de forma inquieta. - Tem o do meu quarto, lá em cima. É a segunda porta à direita, pode ficar à vontade.

Izuna mal havia acabado de subir as escadas quando se deparou com o Senju saindo da primeira porta à esquerda do corredor. Levou um susto com a aparição súbita do outro, e suas bochechas coraram só de ver que o maior o olhava. 

- Resolveu dar uma volta, Uchiha? - Tobirama cruzou os braços, lançando ao outro um leve sorriso brincalhão. 

- Eu também preciso ir ao banheiro… - O Uchiha, mais encabulado do que nunca, não conseguia olhar para o outro de forma alguma. - O Hashirama disse que eu podia usar o dele.

- Você pode usar o meu também, se quiser. - O tom malicioso era claramente perceptível na voz do Senju.

- Ah, tudo bem… - Tobirama fez sinal para que o menor entrasse em seu quarto. Izuna hesitou ao entrar daquela forma no cômodo pessoal do outro. Ele poderia simplesmente ter negado a proposta e ido ao outro banheiro, mas a verdade é que ele queria ver no que aquilo iria dar.

Quando o Uchiha saiu do banheiro, se deparou com o Senju deitado na cama com as costas apoiadas na parede enquanto folheava um livro. A porta do quarto estava fechada. Assim que viu o menor, Tobirama fechou o livro e o colocou na mesa de canto.

- Melhor agora, Uchiha? - Ele lhe lançava novamente aquele sorriso travesso, como se divertisse com o constrangimento de Izuna. 

- S...sim… - O moreno gaguejou ao ver que o outro usava naquele momento apenas uma camiseta bastante justa, que marcava todos os contornos dos músculos do tronco e dos braços. 

- Posso te ajudar em mais alguma coisa ou você vai ficar só aí me olhando?

- Eu...eu não sei… - “Sim, você pode me ajudar em muitas coisas”, era o que Izuna realmente gostaria de ter respondido.

- Já que você não sabe, talvez eu possa te ajudar a descobrir. - O Senju se levantou da cama e caminhou devagar até o Uchiha, olhando-o incisivamente durante o caminho. O moreno ficou estático, sem saber como reagir à figura tão imponente que se dirigia a ele. Logo depois, eles estavam a poucos centímetros um do outro. Tobirama se abaixou um pouco, colocando a boca bem próxima à orelha do menor. - E agora, começou a ter alguma ideia? - O sussurro daquela voz grave e rouca tão próximo a seu ouvido fez Izuna estremecer. A simples presença do maior o inebriava, fazendo seu coração acelerar e suas extremidades suarem.

Izuna, começando a se entregar ao mundo dos sentidos, não conteve o impulso de esticar o braço e tocar suavemente no peito do homem à sua frente. Passou os dedos por aquele tórax definido, acompanhando os contornos esculturais do maior até a base do abdome. O moreno parou o movimento das mãos pouco antes de chegar no início da calça folgada, que mostrava um pouco do contorno da virilha. Mordeu o lábio inferior e olhou para cima, vendo que o Senju não se mexia, e o encarava como se quisesse devorá-lo. 

Ainda seguindo os próprios instintos, o Uchiha desceu a mão lentamente pela calça enquanto mantinha contato visual com o outro. A respiração de ambos começou a pesar. Izuna segurou o volume do maior, percebendo que ele já começava a enrijecer. Massageou languidamente a região, sentindo que o membro endurecia mais e mais a cada toque.

Sentindo a volumosa ereção em sua mão e o olhar penetrante daquele homem bem à sua frente, o moreno logo começou a salivar. Agachou-se lentamente, ainda mantendo os movimentos e o olhar fixo no do outro. 

Ao abaixar a calça do Senju, seus olhos se arregalaram e sua boca se encheu de água ao ver o grande membro pulsante. Agarrou a base do pênis e começou a masturbá-lo enquanto fazia movimentos circulares com a língua na glande. Desceu a boca aos poucos pelo comprimento, lambendo e babando cada centímetro como se fosse um doce delicioso. 

Sentindo a boca quente e úmida do outro explorar sua intimidade daquela forma, Tobirama ficou ainda mais excitado. Agarrou os cabelos do menor e o empurrou de uma vez para si, forçando-o a engolir o membro por completo. O Uchiha engasgou-se com o pênis que adentrava sua garganta, e passou a sugá-lo com ainda mais intensidade, fazendo o Senju começar a gemer e a movimentar a pelve em direção a sua boca. 

Tobirama afastou-o de si e o puxou para cima. Agarrou as coxas de Izuna e o levantou, fazendo com que ele o envolvesse com as pernas abertas, e o jogou bruscamente na cama.

- De quatro, agora. - A voz grave e imperativa do maior era como um afrodisíaco para o Uchiha. Ele obedeceu o comando e virou-se, empinando a bunda o máximo possível enquanto encostava o tronco e o rosto no colchão.

O Senju arrancou as calças do menor e deu um tapa barulhento na bunda pálida e redonda, deixando nela a marca da própria mão. Apertou a carne com força e puxou-a para os lados, exibindo a entrada rosada. Abaixou-se e pôs a rodeá-la e a penetrá-la com a língua, enquanto o Uchiha gemia e mexia os quadris acompanhando os movimentos do outro.

- Vai… Isso… - Sentindo a língua quente e úmida o estimulando daquela forma, a respiração de Izuna tornou-se ofegante. 

- Por acaso eu mandei você falar, Uchiha? - Tobirama se levantou e puxou os cabelos do moreno, obrigando-o a olhar para trás. - A regra aqui é a seguinte: você faz o que eu mandar, fica bem quietinho e só para quando eu deixar. 

Izuna engoliu em seco ao ouvir aqueles comandos tão impetuosos que, apesar de lhe darem um certo medo, o enchiam de tesão. O Senju estendeu dois dedos em direção ao rosto do menor, que os abocanhou imediatamente e os sugou babando o máximo que podia.

Tobirama colocou o primeiro dedo na entrada, fazendo o Uchiha soltar um gemido curto.

- Eu já falei que é pra ficar quieto. - O Senju, então, colocou o segundo dedo de uma vez, e Izuna teve que se segurar ao máximo para não soltar nenhum ruído. - Cada vez que você me desobedecer, eu vou ser obrigado a te castigar. - O maior penetrava Izuna com os dedos cada vez mais rápido, atingindo a próstata do menor como se quisesse propositalmente fazê-lo gemer a qualquer custo. 

O Uchiha começava a enlouquecer de prazer com o estímulo. Se movia e rebolava naqueles dedos grossos, sentindo que iria explodir se continuasse se contendo para não fazer nenhum barulho. Quando o Senju agarrou seu membro e começou a estimulá-lo no mesmo ritmo em que o penetrava, Izuna não conseguiu se segurar e soltou um gemido alto.

- Eu avisei, Uchiha. - Tobirama cessou os movimentos e virou o corpo do menor rudemente. Izuna estremeceu com o olhar firme e impetuoso que o outro lhe lançava. O Senju puxou o moreno pelas coxas até que a bunda tocasse sua ereção. Penetrou-o de uma vez, fazendo com que o Uchiha gemesse ruidosamente. O maior agarrou Izuna pelo pescoço enquanto continuava com as estocadas cada vez mais intensas.

- Vai mesmo me desafiar? - Ele firmou uma mão na garganta do menor, usando a outra para estimular o membro do Uchiha conforme o penetrava com força. O moreno começava a asfixiar, sentindo a cabeça ficar leve conforme era estimulado pelo maior com tanto vigor. Ele queria gemer, queria gritar, queria chamar pelo nome do outro implorando para que este o possuísse de todas as formas possíveis. 

O Senju largou o pescoço do Uchiha, que tossiu ao sentir o ar voltando a passar normalmente por sua traqueia. Tobirama deu um violento tapa em seu rosto, fazendo com que o Uchiha arfasse com o impacto.

- Não quero ouvir um pio. - O maior ergueu de novo o corpo de Izuna, colocando-o sobre si enquanto deitava na cama. - Senta no meu pau. - O menor ficou de cócoras sobre o Senju e encaixou o pênis dentro de si, descendo lentamente sobre ele enquanto rebolava. Inclinou-se para trás e apoiou os braços nas coxas do outro, que começou a mover o quadril em sua direção e a empurrá-lo para baixo. Agarrou o pênis de Izuna e passou a estimulá-lo intensamente enquanto o menor quicava sobre seu membro cada vez mais rápido. Abriu um sorriso maldoso ao ver o esforço que o moreno fazia para se manter em silêncio. - Algum problema, Izuninha?

- Eu não… aguento… eu vou… AH! - O Uchiha ejaculou na mão e na barriga do Senju, tremendo e contorcendo o corpo enquanto sentia os intensos choques de prazer. 

- Hum, então é assim? - Tobirama se virou subitamente sobre o menor e o posicionou de bruços abaixo de si. - Fica bem quietinho aí. - Levantou-se e pegou a calça de Izuna, que estava jogada no chão ao lado da cama. Tirou o cinto pendurado nela e sorriu maliciosamente. - Olha que interessante. Já veio com tudo pronto.

O Senju ergueu as mãos de Izuna e as amarrou firmemente na cabeceira da cama usando a calça para prendê-lo. Tirou a própria camisa e a atou ao redor da cabeça do Uchiha, como se fosse uma venda. O menor deu um sobressalto quando ouviu o barulho do cinto estalando próximo a si.

- Agora, Uchiha, quero ver você fazer qualquer barulhinho que seja. - Tobirama puxou agressivamente os quadris do outro para cima e o penetrou de uma vez em uma forte estocada. Agarrou os cabelos do menor e os enrolou na própria mão, obrigando Izuna praticamente a se contorcer, já que não conseguia se levantar devido às mãos amarradas. 

O Senju acelerava os movimentos enquanto espancava a bunda do outro até deixá-la completamente vermelha. Izuna já não sabia mais se queria se manter em silêncio, já que a dor que o outro lhe infligia como punição lhe dava um prazer inacreditável. Quando o outro agarrou seu quadril com uma das mãos e deu uma violenta estocada enquanto puxava seus cabelos para trás com toda a força, o moreno não conseguiu mais se segurar e deu um grito lamurioso e repleto de tesão.

- Me fode, Tobirama… mete mais fundo… - As súplicas do Uchiha mal conseguiam sair de sua boca, sendo entrecortadas pela respiração ofegante e pelos movimentos intensos. 

- Quer apanhar, sua puta? - O maior dobrou o cinto ao meio e o usou para chicotear com força a bunda já machucada do outro, o que o fez soltar outro grito. - Você gosta disso, né? - O Senju falou provocativamente, dando mais duas cintadas no Uchiha, que já não mais tentava se conter e rebolava freneticamente sobre o pênis do outro. - Eu vou fazer você calar essa sua boca. - Tobirama empurrou o menor para baixo e deitou-se sobre ele, pressionando o corpo de Izuna contra o colchão usando o próprio peso. 

Começou a dar beijos, lambidas e mordidas no pescoço e na orelha do Uchiha enquanto o penetrava com estocadas lentas, porém fortes. - Você só vai parar de dar pra mim quando eu estiver satisfeito. E não ache que isso vai ser tão rápido, porque eu poderia passar a tarde inteira te comendo assim. - Ele sussurrava provocantemente no ouvido de Izuna enquanto puxava os longos cabelos do moreno, que soltava vários gemidos curtos e ofegantes cada vez que sentia o impacto da pelve do maior. O Senju cobriu a boca de Izuna com a outra mão e apertou com força o rosto delicado. - Eu não vou deixar você se esquecer de mim assim tão fácil, Uchiha. - Mordeu e chupou a pele do pescoço do menor, enquanto este murmurava inutilmente sob a mão grande e forte de Tobirama.

O Senju começou a acelerar os movimentos, arfando despudoradamente no ouvido do Uchiha, que há muito tempo já havia perdido completamente a razão. Nunca pensou que pudesse ser dominado daquela forma, e que isso seria tão incrivelmente delicioso. O maior o penetrava como se quisesse rasgá-lo, e Izuna sufocava com o peso e a pressão que o outro colocava sobre seu rosto com uma das mãos. O corpo do moreno suava e estremecia, e choques de profundo prazer tomaram conta dele mais uma vez. 

-  Gozou de novo, sua vadia? - Tobirama ergueu o corpo, desamarrou bruscamente as mãos do menor e arrancou a venda improvisada de cima de seus olhos. - Você já se divertiu bastante hoje. Agora é a minha vez. - O Senju ficou em pé ao lado da cama e puxou Izuna para perto de si pelos cabelos, já completamente desarrumados. - Ajoelha no chão e abre essa boca. - Izuna o obedeceu, se deparando mais uma vez com o grande membro à sua frente, que estava totalmente melado. 

O maior o segurou pelo pescoço e forçou sua cabeça para cima, puxando o queixo para baixo com o polegar. - Você vai engolir tudo. - Os jatos quentes de esperma preencheram a boca do Uchiha e se espalharam também por boa parte de seu rosto. Tobirama empurrou o queixo do menor para cima, fechando a boca do outro à força. - Engole. - Izuna estava sem ar e teve dificuldade para engolir o líquido espesso. Recebeu logo em seguida um outro tapa forte no rosto. - Eu disse engole. - O Uchiha, então, o obedeceu prontamente.

Tobirama passou os dedos pelo rosto do menor, tirando os restos do próprio sêmen. - Abre. - Ele colocou os dedos à frente da boca de Izuna, que os engoliu e chupou avidamente, segurando a mão do outro, até deixá-los completamente limpos. O Senju, então, o levantou mais uma vez e o levou até a cama. Se esticou relaxadamente, e bateu no colchão ao seu lado, chamando o Uchiha para perto. Izuna se deitou sobre o tórax do outro, completamente suado e cheio de marcas roxas pelo rosto e pelo corpo. 

- Que desculpa você vai dar pro seu irmão, Uchiha? - Izuna arregalou os olhos e sentiu o coração palpitar ao se lembrar de que Madara estava lá fora e não podia vê-lo daquele jeito. Tobirama sorriu maldosamente. - Acho que ele não vai gostar nem um pouco de te ver nesse estado. Melhor você pelo menos tomar um banho.

E Izuna assim o fez. Limpou o suor e o esperma que estavam grudados em todo o seu cabelo e corpo, sentindo pontadas de dor a cada movimento. Quando saiu do banheiro, Tobirama estava novamente sentado na cama lendo o mesmo livro.

- Tobirama… - O Uchiha voltou-se timidamente para o Senju. - Dá pra ver muito?

- Tirando sua cara vermelha e inchada e seu pescoço roxo, tá tudo normal. - Izuna lançou-lhe um olhar emburrado, arrancando uma risada do maior. - Vai logo ou eles vão suspeitar.

- Como já se não estivessem suspeitando a essa altura… - O Uchiha respirou fundo e foi até a porta do quarto, tentando arrumar a camiseta para esconder as marcas o máximo possível. Pensava em inúmeras possíveis justificativas para seu estado e preparava-se para o pior. 

- Vai, Hashirama, me fode mais forte! - Quando ia puxar a maçaneta, Izuna se sobressaltou com os gemidos, gritos e batidas que vinham do quarto do outro lado do corredor. - Vai, porra, me come! Ah, AH! - Quando olhou para trás, encabulado, viu que Tobirama o encarava. Logo, os dois começaram a gargalhar juntos.

- É, Uchiha, hoje realmente foi o seu dia de sorte. 




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...