1. Spirit Fanfics >
  2. Time After Time >
  3. I hear the clock tick and think of you

História Time After Time - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


olá é minha primeira fic do exo e bem.. eu não consegui parar de pensar nela por dias e aqui está bem no dia do aniversário dEle, espero que gostem

Capítulo 1 - I hear the clock tick and think of you


Não é como se fosse um acontecimento extraordinário no sentido em que você fica surpreso e ansioso com a novidade, era o contrário na verdade durante anos na sua vida você evita pensar sobre como se isso te precavesse de esse dia finalmente chegar. Também não era algo insignificante que não afetaria em nada sua vida em apenas não pensar sobre esse evento. Se você é um homem na Coréia do Sul é sua obrigação, seu dever com o seu país. 

Se fosse uma pesquisa de campo com todos os homens entre a faixa etária para o alistamento militar obrigatório ou próximos para, as respostas seriam ao mesmo tempo distintas e ao mesmo tempo muito próximas, encaixadas dentro do senso comum da vida cotidiana.

E nenhuma dessas respostas importava para Sehun, ele nem sequer queria saber delas não quando um dever enquanto cidadão tiraria dele por um período de tempo longo demais segundo ele, a pessoa que não somente fazia seu coração bater mais forte e gera borboletas em seu estômago e todos os clichês já escritos para se falar e pensar na pessoa amada, Junmyeon é seu chão, o seu amanhã.

O pôr do sol e toda a vida começa em Kim Junmyeon, em suas palavras sempre carregadas de doçura e cuidado, em sua sabedoria de ser, na energia reconfortante em que ele emite, em todos os sorrisos luminosos de quem parece que sabe todos os segredos do universo e atingiu o nirvana e está pronto para o conduzir até lá, seu abraço que faz com que você acredite que o mundo é bom nos momentos e portanto que esteja nos braços dele. 

A paz, a segurança que Sehun não conhecia antes de ele entrar em sua vida, da forma gentil e paciente de ser, como um sonho realizado mas ele era real, tão real que até ele tinha que se alistar, tão real não somente ao toque, ao cheiro tão característico masculino e ao mesmo tempo tão suave e envolvente e por mais que passe muito tempo naqueles braços, aconchegado naquele peito ouvindo as batidas daquele coração ao qual pediu morada sem a menor vergonha. E o tempo continua correndo impaciente e ele é um homem que sempre quer mais.

Mesmo que já conheça aquele corpo tão bem como conhece o seu, cada oportunidade de se perder nele é única, cada vez que é amado e tomado é como a primeira com um mundo de sensações e prazeres que só é formado unicamente pelos dois, com um amor e desejo ainda maior do que da última vez e poder usar seus corpos para o expressar de dançar na órbita um do outro, nunca vai ser o suficiente e ambos estão dispostos a tentar por um longo tempo atingir essa completude. 

Com infelizmente intervalos, como o exército. A angústia da ausência começa como um pequeno buraco que vai se expandindo na medida em que a concretude da falta vai se fazendo presente e só vai aumentando no ponto em que sua mente se torna um albúm de fotografias de todas as memórias que são folheadas exaustivamente e sem qualquer piedade e você sucumbir sem forças ou você tira todas lembranças com você e segue em frente mesmo faltando um pedaço seu. 

Tomar algo bom daquilo ou se entregar em um abismo em que sua única companhia é tudo aquilo que você não quer ver, não quer entrar em contato, tudo aquilo que pontua a sua dor dia após dia.

Muitos o chamam de dramático mas Sehun sabe melhor, ele se conhece, ele os conhece e já faz tantos anos com a presença constante do mais velho, da sua bagunça e da forma com que todo o seu corpo sabe quando ele está próximo e como o responde e a segurança que isso transmite, poucas coisas são constantes em sua vida e Junmyeon é uma delas.

Não é uma guerra deles pra tomar partido e ao mesmo tempo é, só porquê não te afeta diretamente não significa que não é sua e que não possa te atingir em algum momento, uma hora ou outra bate a sua porta, você abrindo ela ou não.

A incerteza do que pode acontecer durante todo o período em que ele estiver exercendo o serviço militar, tudo pode acontecer em uma noção diferente do dia a dia, a vida é frágil, é um sopro e uma animosidade entre dois países tão próximos não é exatamente um trabalho e moradia dos sonhos para alguém com quem sua vida está tão unida e você ama de forma tão desmedida.

Junmyeon é seu companheiro em todos os sentidos da palavra e por mais tenha uma percepção clara de que não nascem junto com ele, é como se uma parte sua fosse arrancada antes de atingir todas as possibilidades possíveis junto a ele, Sehun pode ser muitas coisas mas ingênuo e patologicamente dependente não é nenhuma delas, está em sua natureza ser objetivo e seus sentimentos e emoções não são uma exceção disso.

Quando você passa muito tempo tentando se conhecer e encaixar em seu próprio mundo leva ainda mais tempo que as pessoas em geral para interagir com o que e quem está a sua volta, isso quando você consegue. Junmyeon exatamente não pediu para entrar, ele tomou seu próprio caminho com toda gentileza e firmeza em cada passo que só ele possui.

Talvez firmeza não seja a palavra certa para descrever uma característica tão marcante, ele tem confiança e ele é otimista, ele acredita no que quer e que as coisas boas vão acontecer quando for o tempo delas.

Sehun tinha pressa das coisas, gostava da vida sempre em movimento embora ele mesmo seja uma pessoa um tanto parada, funcionando em rotação própria e não indo muito além das zonas em que conhece, com Junmyeon que é um desbravador encantador e com suas mãos para o segurar, Sehun se torna um desbravador cauteloso, ele sabe que não está sozinho e que mesmo que erre vai achar seu caminho de volta e Junmyeon vai estar lá.

Só que por determinado espaço de tempo ele não vai estar lá, não por deixar de o amar mas sim por algo que está longe de seu alcance de controle, da sua vontade e o não ser e não estar, é como se toda a vida fosse destituída de seus cores mais primárias porque amar alguém isso, é se desprender das suas cores e se deixar mesclar pelas cores do outro, se perder no outro e se encontrar em si.

-Talvez eu não possa dar a resposta que você queira ouvir Sehunnie, essa ninguém vai te dar. - Junmyeon ri da expressão enviesada do mais novo e enche o rosto bonito de pequenos beijos estalados. - É temporário bobo, vamos nos encontrar de novo daqui uns meses.

E não é como se fosse uma despedida definitiva de qualquer forma, as noites passariam a ser solitárias e a casa arrumada demais e Sehun ranzinza demais para o gosto geral e eles se encontrariam novamente, ele voltaria para a casa.

Não era um coração partido, era uma despedida agridoce até se encontrarem novamente.

 


Notas Finais


o próximo e último capitulo já está pronto quando menos esperar estará aqui xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...