1. Spirit Fanfics >
  2. .timeless love >
  3. .oh god

História .timeless love - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


eu tentei esperar para postar esse cap amanhã, mas fiquei ansiosa demais pra esperar, então---- eh. espero que gostem, bjs bjs

Capítulo 2 - .oh god


estava em pânico e sequer podia se debater, com medo de que só piorasse a situação. resolveu respirar fundo em silêncio ouvindo apenas um pouco da conversa que o grupo de garotos desconhecidos estava tendo. “se aquele pirralho metido à delinquente acha que escapa, ele ta muito enganado”, um deles disse e logo parou de prestar atenção na conversa dos homens por se sentir inebriado pelo cheiro suave que o garoto colado à si exalava. 

depois de mais alguns segundos, pôde ver que já não se dava para escutar conversa nenhuma do grupo de garotos, estes que aparentemente já haviam saído. sentiu a mão do outro se afastar de seus lábios devagar e rapidamente se afastou do não-tão-desconhecido-assim com uma feição ainda assustada e indignada

— qual o seu problema?! — perguntou usando um tom alto de voz e logo em seguida viu o outro colocando o indicador em frente aos lábios, pedindo silêncio

— ah, não precisa agradecer — respondeu num tom debochado, enquanto cruzava os braços e arqueou uma sobrancelha olhando para o mais velho

— eu não precisava da sua ajuda. até o que eu sei, é você quem deve se preocupar em aparecer na frente deles, não eu — disse com o mesmo tom debochado do outro, rolando os olhos

— acha mesmo que eles iriam poupar você se passasse por eles? isso aqui é um beco vazio, garoto. eles poderiam te espancar, violentar, porque ninguém ia ver. deveria me agradecer! e como tem tanta certeza de que estavam falando de mim?! — se segurava para não aumentar tanto o tom da voz, já estava se irritando

— bom, você estava se escondendo e parecia estar com bastante medo deles para o meu gosto — disse num tom quase que óbvio para o outro, em seguida suspirando e ajeitando os fios de cabelo para trás com o auxílio da mão direita — e obrigada. sei que fui grosseiro dizendo que iria saber me virar sozinho, mas não é muito comum alguém te puxar para o canto de um beco de repente e eu fiquei meio em pânico. desculpe — falou encarando o chão, suspirando novamente — bom, eu vou indo — avisou, já começando a andar para fora do beco

— donghyuck! — o novato da escola quase que gritou antes que chegasse ao final do corredor escuro, o que fizera mark olhar para trás, o encarando confuso — meu nome. lee donghyuck. e o seu? — perguntou com um sorriso pequeno, com as mãos escondidas nos bolsos da frente da calça jeans

o canadense ficou um tempo ainda sem entender o porquê daquilo, mas não queria parecer mal educado ou antipático, então tratou de responder o mais novo

— mark. lee mark — respondeu num tom que o outro lee pudesse escutar e sorriu minimamente concordando com a cabeça após a frase que foi dita pelo quase estranho

— é um prazer, mark — disse o nome com certa dificuldade num sotaque pesado, logo começando a andar de costas para a outra saída do beco, não sem antes dizer — te vejo amanhã na escola, mark — e sorriu com o canto dos lábios, sumindo logo em seguida

logo que saiu, mark ficou um tempo encarando o local que o coreano antes ocupava e balançou a cabeça, afastando todos os pensamentos aleatórios da mente começando a caminhar novamente até a própria casa. olhou para o relógio de pulso que usava e arregalou os olhos vendo que tinha apenas quarenta minutos para almoçar e chegar até a loja de conveniência onde trabalhava pela tarde. acelerou os passos e correu até em casa, comendo um sanduíche rápido e se apressando em colocar o uniforme de trabalho, logo decidindo ir usar a bicicleta a tanto tempo parada para ir ao trabalho, começando a se preparar para mais uma tarde de movimento no estabelecimento de esquina

já era 20:26 da noite e como havia sido liberado mais cedo, estava jogado sobre a cama esperando o amigo chinês chegar enquanto separava algumas histórias em quadrinhos para ler e discos para ouvirem. ouviu a voz do chinês o chamando no portão da casa e olhou pela janela apenas para confirmar, logo a abrindo e gritando para o outro que o portão estava aberto, vendo que este rapidamente abriu o portão e o fechou logo em seguida, fazendo com que o canadense se afastasse da janela e se jogasse sobre a cama não demorando muito para ver a porta abrir, revelando um corpo pequeno de um chinês moreno adentrando o quarto sem nem precisar pedir permissão, já que o quarto já poderia ser considerado seu também. carregava nas costas uma mochila onde provavelmente tinha algum livro, algumas roupas e outros objetos que iria precisar para dormir na casa do amigo

— como consegue chegar exatamente o horário certo? — perguntou surpreso ao ver que, no mesmo momento em que olhou para o relógio de pulso, este tratou de mudar de 20:29 para 20:30

— não sei, é um dom — brincou dando de ombros e logo se jogou ao lado do amigo — e então, como vai a vida do canadense mais chato de todos? — perguntou apoiando o cotovelo sobre a cama e a cabeça sobre a mão, enquanto encarava o amigo

— ah, então... hoje aconteceu umas coisas estranhas quando eu estava voltando pra casa. — disse meio hesitante e tratou de se sentar corretamente sobre a cama

— defina "coisas estranhas" — pediu o estrangeiro mais novo, imitando o ato do lee e se sentando sobre o colchão macio

— hum... meio que hoje eu decidi cortar caminho por um beco e, bom, não se dá para esperar nada bom vindo de becos mas lá estava eu. e... eu encontrei um dos novatos do colégio lá. mas não foi um tipo de encontro comum, sabe? — disse se lembrando imediatamente do acontecimento no beco, um acontecimento muito aleatório e improvável na cabeça de um mark de antes

— mesmo? qual deles era? e que tipo de encontro foi esse? — perguntou interessado, se aproximando mais do lee para ouvir com mais clareza a história deste

— era o de cabelos roxos. meio que nesse beco tinha um grupo de garotos lá e ele me puxou para me esconder deles, ao menos eu acho que era pra isso — deu de ombros. passou a tarde pensando no que havia lhe acontecido e tinha também a hipótese de que se fizesse barulho, o grupo viesse checar e achasse donghyuck e ele poderia estar apenas querendo proteger a própria pele. mas preferia achar que ele queria ajudar ao outro

— uhh... ele é gatinho. todos são, na verdade. mas o que ele estava fazendo num beco bem na hora que o tal grupo de garotos estava? — perguntou pensativo, provavelmente tentando pensar em uma resposta para a própria pergunta, aparentemente não conseguindo pensar em nada plausível

— ah, eu também não sei — meio que mentiu, ao menos achava saber o porquê — mas lá estava ele. e você, alguma novidade para contar? e você e aquele loirinho lá, hein? achei suspeito — brincou com uma das sobrancelhas e riu alto ao ser empurrado pelo amigo

— o nome dele é jeno, ok? não loirinho. e não temos nada, se é o que pensa. só conversamos uma vez e por poucos segundos depois que eu eu você combinamos de eu vir pra cá. ele só disse um "oi", o nome dele e só. nada demais, senhor mente suja — respondeu o amigo sentindo as bochechas se aquecerem, provavelmente tomando uma coloração avermelhada levando em conta a reação do amigo

— você gosta dele! — o canadense exclamou com os olhos arregalados e um sorriso divertido no rosto

— eu não gosto dele! — respondeu no mesmo tom, sentindo o rosto esquentar ainda mais

— gosta sim, gosta sim! meu deus, huang renjun, eu vivi para ver esse momento acontecer — disse numa atuação, fingindo estar emocionado — eles crescem tão rápido — dramatizou, colocando a mão no peito

— para com isso, idiota! e não, eu não gosto dele. é só... uma quedinha. só isso. e não é para falar pra ninguém, ta me ouvindo?! — disse ameaçador, apontando o indicador no rosto do amigo e sentindo a própria face voltar à coloração tradicional

— bom, não tem ninguém pra eu contar, de qualquer forma. e não te culpo, ele é um gato mesmo — falou ao amigo, dando de ombros e saindo da cama para pegar um dos vinis que havia escolhido - sendo algum do michael jackson, logo o colocando para tocar

— ele é, não é? — o chinês falou olhando para o teto, com um sorriso abobalhado desenhado por entre os lábios finos

passaram a noite toda conversando sobre coisas aleatórias e apenas saíram do quarto para ir até a cozinha comer alguma coisa, aproveitando para bater um papo curto com a mãe de mark, esta que era bastante simpática e divertida então não foi difícil puxar gum assunto que durasse ao menos meia hora. voltaram para o quarto e ficaram mais umas horas conversando, lendo quadrinhos e cantando algumas músicas, vez ou outra sendo repreendidos pela lee mais velha fora do quarto pedindo para que não fizessem tanto barulho. às 01:34 decidiram deitar para dormir, pois logo cedo de manhã teriam aula. não se importaram em colocar um colchão sobre o chão, afinal não viam problema algum em dormirem na mesma cama. levaram apenas poucos minutos para pegarem no sono após bastante agitação e papo jogado fora

às plenas 07:30 da manhã, o despertador tocava novamente. pelo susto e por não estar acostumado com o barulho alto, renjun acordou num pulo, empurrando sem querer com o pé o corpo que estava deitado bem na pontinha da cama e o fazendo cair, acordando logo em seguida, assustado pelo tombo. renjun já estava sentado sobre a cama com os fios espalhados e apontando para diversas direções e, ao ouvir o barulho alto do corpo do lee indo ao chão e vendo este todo esparramado sobre a madeira brilhante não se segurou e começou a gargalhar. ficou uns bons minutos rindo da cena, no fim ganhando um travesseiro na cara vindo diretamente do canadense, este que fôra devolvido com vontade. depois de uma breve guerrinha de travesseiros, decidiram se levantar e fizeram tudo o que precisavam no banheiro. por algum motivo desconhecido, acordaram de bom humor naquele dia e decidiram caprichar um tiquinho mais na aparência para irem para o colégio.

renjun vestiu uma blusa com listras coloridas em cores pastéis, larga, de tecido fino e mangas compridas, acompanhada de uma calça jeans mais justa e tênis surrados, a camisa presa para dentro da calça, acabando por ficar mais larga no tronco. tentou o máximo que podia ajeitar o mullet de fios castanhos e passou um gloss de leve. mark optou por uma camiseta branca de uma banda que gostava bastante, colocando por cima uma jaqueta jeans clara e vestindo uma calça jeans também clara, junto de suas tradicionais botas marrons. os fios apenas ficaram divididos ao meio com alguns fios soltos na frente dos olhos, não se ocupou muito os ajeitando e repetiu o ato do amigo, passando um pouco de gloss nos lábios.

jogaram as mochilas nas costas e cada um pegou uma maçã para irem comendo pelo caminho enquanto conversavam mais, afinal sempre achavam alguma coisa para conversar, podendo ser a mais aleatória possível como falar sobre o cachorro da vizinha de renjun que havia falecido por estar velhinho de mais, que evoluiu para que raça de cachorro pretendiam ter quando fossem morar sozinhos - eles não pretendiam ter realmente, porém, no calor do momento, começaram a falar sobre aquilo -. ao chegarem no portão da escola, ganharam alguns olhares de outros alunos, mas poucos. sabiam que o resto tinha coisas muito mais interessantes para notar. porém, entre os olhares direcionados aos dois, estavam os de cinco rapazes que vestiam jaquetas pretas e brilhantes de couro, estes que não passaram despercebidos pelo lee e o huang que logo devolveram o olhar brevemente. ou melhor, brevemente apenas da parte de mark, já que renjun estava ocupado trocando olhares com o loirinho novamente, algo que já estava enchendo mark

— por que não tenta puxar um papo de verdade com ele? — perguntou assim que pararam no lugar de sempre, fazendo com que o huang parasse de encarar o denominado jeno para encarar o amigo

— ficou louco? não tenho nenhum assunto que dure para podermos conversar, fora que esses garotos estão sempre no pé dele e... eu tenho vergonha de puxar assunto na frente de todos eles — finalizou com um olhar sem graça, enquanto encarava os próprios pés

— não entendo o porquê dessa vergonha — falou dando de ombros e sentindo um olhar queimando em suas costas, acabando por procurar de onde vinha e encontrando donghyuck com o olhar vidrado em si. sentiu as bochechas corarem e tratou de desviar o olhar, jurando ver o outro soltando uma risadinha discreta milésimos antes de desviar completamente

— por que suas bochechas estão... — renjun iniciou mas parou assim que olhou por cima do ombro do lee, sorrindo divertido e o lee soube que estava preparando uma de suas provocações — parece que não sou apenas eu que tenho uma quedinha por um gatinho que usa jaquetas de couro. por que não tenta puxar um papo de verdade com ele, mark? — refez a pergunta anteriormente direcionada à si, com um sorriso debochado tomando-lhe os lábios

— pode parar? não estou que nem você e não tenho uma quedinha por ele, ok? eu só... só fiquei assim porque o olhar dele estava queimando em mim! até você ficaria assim na minha situação — não mentiu. ao menos... disse o que achava. estava certo, não estava?

— bom... você quem sabe, né? — disse dando de ombros, logo ouvindo o sinal tocar para que entrassem. segurou na mão do lee e entraram na escola, logo adentrando a sala de aula onde ficavam e se sentando nos mesmos lugares de sempre

mark negaria com todas as suas forças se perguntassem para ele se ele estava perdido em seus pensamentos por causa do garoto de cabelos roxos, negaria sim, óbvio. mas estaria mentindo. não conseguia parar de criar dúvidas em sua própria cabeça sobre o outro lee. dúvidas como "qual a idade dele?", "de onde ele veio?", "como ele é fora daquele beco, será que ele é misterioso e debochado daquela forma sempre?" ou até "será que ele tem namorado?". mas voltou aos sentidos assim que viu a silhueta do garoto que invadia seus pensamentos passar pela porta e entrar na sala, logo olhando para mark e, novamente, lhe mandando uma piscadela, fazendo com que mark se lembrasse do primeiro dia em que viu o grupo dos "garotos de jaqueta de couro" pela escola. mark não revirou os olhos. apenas suspirou e voltou a olhar para frente, enquanto obrigava a própria mente a parar de pensar no garoto misterioso que sentava do outro lado da sala junto de parte do grupo de amigos. vendo que era em vão, apenas se ajeitou sobre a cadeira e deitou a cabeça sobre os braços, encarando as próprias mãos, novamente tendo os pensamentos direcionados ao mesmo rapa

Céus, aquele garoto estava o deixando louco!


Notas Finais


eh, não revisei de novo. espero meeeesmo que tenham gostado desse cap e eh isso--- ate o proximo uhu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...