1. Spirit Fanfics >
  2. Tinkerbell >
  3. Capítulo 12

História Tinkerbell - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Já beberam água? Já lavaram as mãos? Já passaram álcool em gel? Não? Pois vai lá e depois você volta
Aqui o coronavairus (hello cardi b) não tem vez
Vamos para mais um capítulo

Capítulo 12 - Capítulo 12


Fanfic / Fanfiction Tinkerbell - Capítulo 12 - Capítulo 12

- Voltou cedo!
- É! - Simon falou mas foi direto pra o quarto.
Delfina, que estava com Pedro nesse momento, perguntou:
- Qual é o problema com ele?
- Eu não sei. Não faço ideia, mas acho que sei de alguém que sabe! - Pedro fala pegando o celular.
- Luna?
- Luna! - o garoto coloca o celular na orelha e espera.
- Alô?
- Luna, sou eu Pedro.
- Oi Pedro. Algum problema?
- Comigo não, mas com Simon... você sabe de algo?
- Sobre Simon? Não, eu não sei de absolutamente nada.
- Bem, alguma coisa aconteceu. Ele acabou de voltar da casa de Âmbar super bravo.
- Olha, eu realmente não sei o que pode ter acontecido, mas se eu descobrir, eu falo.
- Está bem, tchau!
- Tchau, Pedroca!
Pedro desliga o celular.
- Ela não sabe?
- Não.
- Tenta com Nina. Talvez ela saiba.
- É, talvez... - Pedro liga mais uma vez.
- Alô?
- Nina, olá.
- Oi Pedro, tudo bem?
- Comigo sim, mas com meu queridíssimo amigo, não posso dizer o mesmo.
- O que houve?
- Ele acabou de voltar da casa de Âmbar e está todo bravo. Você sabe de algo?
- Não, não sei de nada.
- Ok, então o que é que ele tem.
- Pedro, vamos lembrar que Simon estuda no Blake South College, só há um lugar para saber de todos os problemas e todas as fofocas.
- Está falando daquele blog estúpido?
- Um grande conselho: Não fale assim da tinkerbell perto do pessoal do Blake.
- Ok, vou ver o que descubro. Tchau, Nina e valeu.
- Por nada. Tchau, Pedro.
- O que ela disse?
- "tinkerbell". - respondeu Pedro pra namorada, abrindo uma aba no celular procurando o blog.
- Ok, o que esse blog tem?
- Pelo visto fofoca de todos os alunos do Blake South College.
- Felizmente eu não estudo mais! - Delfi comenta.
- Eu digo o mesmo. - Pedro ri. - Ok, vamos ler.
- Haja código. "A", "D"...
- Deve ser medo de processo ou algo assim.
- Ok, deixe-me ver se eu entendi. - Delfina começou ao terminar de ler o post. - Âmbar tem uma madrinha que está em coma agora e a madrinha dela é doente porque aquela outra garota que o Simon ficou atropelou a madrinha dela. Esse colégio é maluco!
- Eu só não sei como isso se encaixa com Simon.
- Eu acho é bom você conversar com ele. Simon está bem no quarto dele, então eu acho que você deveria falar com ele.
- Vou tentar ver o que eu consigo tirar dele. - Pedro se levanta. - Me deseje sorte.
- Boa sorte, meu amor. - Delfina deu um selinho nele.
- Eu vou precisar.
Pedro foi até o quarto de Simon e bateu na porta.
- Me deixa em paz, Pedro.
- Não. - Foi quando Pedro entrou no quarto de Simon. - Olha só, eu sei que a sua ex ficante atropelou a madrinha de sua professora, mas não entendo porque você ficou tão bravo com isso...
- Espera, Daniela atropelou a madrinha de Âmbar? - Simon perguntou surpreso.
- Você não sabia?
- Não, e eu estou surpreso por você saber.
- Eu vi na tinkerbell.
- Desde quando você acessa blog de adolescente? - Simon pega o notebook e entra no blog.
- Eu só não entendo o porquê de sua raiva.
- Pedro, é assunto meu, ok?
- Está bem, está bem, está bem...Eu vou parar de te irritar.
- Obrigado.
- Tchau!
Simon apenas acena e Pedro vai embora. O mexicano pega o celular e faz uma chamada dupla para Luna e Nina.
- Simon? - as duas perguntam juntas.
- Vocês viram a tinkerbell?
- Não! - mais uma vez elas falam juntas.
- Daniela atropelou a madrinha de Âmbar. - Simon diz numa tacada.
- Mas o quê? - Luna pergunta.
- Como assim? - Nina questiona também.
- Eu não sei como aconteceu, eu só sei que a tinkerbell postou que escutou essa conversa delas duas.
- Acho que é por isso que elas duas não se batem.
- Eu também não ia me dar bem com a pessoa que atropelou algum parente meu. - Luna comentou. - Eu estou chocada.
- A Daniela vai ser muito massacrada no colégio amanhã!
- Ela não vai ser, já está sendo. - Simon corrige. - Os comentários estão aí pra mostrar isso. "D é uma vaca", "A está mais que certa em não ser amiga dela", "Já descobrimos que foi D que revelou o problema da madrinha de A. Uma verdadeira vaca".
- Pobre Daniela, já era excluída e agora...
- Luna! - Nina repreenda.
- Desculpa, amiga, mas é a verdade. Daniela sempre foi louca e Simon provou isso na pele, mas agora sabendo sobre essa história do atropelamento, acho que é mais fácil ela começar a gostar de usar branco, porque é essa a cor da camisa de força no hospício.
- De qualquer forma, Luna, acho isso horrível. - disse o mexicano. - Daniela vai sofrer com isso.
- Ela procurou por isso. Qual é Simon? Não me diga que você está com vontade de voltar a falar com ela. Isso é loucura.
- Não falei isso, Luna.
- Mas foi o que pareceu. Tente ao máximo evitar fazer merda.
- Não sei do que você está falando!
- Não faz o sonso, Simon. Você é assim, sempre que vê alguém sofrendo, você acaba bancando o herói sempre, principalmente se a pessoa em perigo seja uma "donzela em apuros".
- Simon, garanta pra a gente que você não vai voltar a falar com Daniela. - Nina pede.
- Eu não vou fazer isso de novo, ok? Fiquem tranquilas em relação a isso! - falou Simon.
- E o que a gente espera! - Nina começou, mas Luna terminou:
- Não faz merda, Álvarez!
...

Quarta-feira.

- Parece que todo mundo se revoltou contra a Daniela mesmo. - Gastón diz.
- Ela bem que mereceu. Tinkerbell não mentiu em nada! - Matteo fala.
- Matteo tem razão. Eu sou suspeita pra falar, principalmente pelo meu ódio por Daniela, mas nós três vimos o que ela fez.
- Daniela só não foi pra cadeia porque a mãe dela conseguiu driblar o sistema. - comentou Matteo. - Nós três e agora todos nós concordamos que ela devia estar em um hospital psiquiátrico.
- Mas vale lembrar que Daniela não é a única pessoa "culpada". - Gastón disse. - Foi Michel quem comprou aquelas drogas e...
- Olha só, Gastón, vamos ser realistas. - Âmbar começa. - Nós cinco éramos o grupo "perfeito". Daí Michel começou a usar drogas e ofereceu a nós quatro. Nós recusamos como qualquer pessoa e Daniela aceitou. Então chegou aquele fatídico dia, onde Daniela usou, deu em cima de mim, eu recusei ela e ela pirou, a ponto de atropelar minha madrinha e o próprio pai. Depois se fez de sonsa ao se safar e sua mãe ainda nos fez jurar não contar nada sobre a bissexualidade dela, pois os seus pais não aceitam isso. Nós não contamos, mas ainda assim ela preferiu infernizar as nossas vidas, pois sabia que estava passando por um período de "abstinência" e então ela se isolou de todos, tendo um único prazer na vida, ainda infernizar nossas vidas. Ela merece o que tá passando, nós três sabemos.
- Vamos pelo menos torcer pra o Michel não voltar, se não toda essa novela volta! - Matteo disse.
- Boa sorte pra gente. - Gastón diz. - Não quero que esse passado obscuro volte.
- Ninguém quer!
- Então não vamos mais falar sobre isso! - a Smith diz. - Eu não quero que apareçam fantasmas do passado nas nossas vidas.
- Vamos parar de falar deles, ok! - Matteo comenta. - Vamos falar sobre o que realmente importa: a festa do apagão.
- Quando que vai ser isso mesmo? - Gastón questionou.
- Na sexta, vai ser onde eu vou levar Luna inclusive.
- Primeiro encontro numa noite de promiscuidade adolescente? - Âmbar pergunta ao italiano. - Você não acha que é a pior ideia que você já teve?
- Como você disse, noite de promiscuidade adolescente. Na hora do apagão pode rolar muita coisa, isso é, podemos nos beijar sem que ninguém nos vigie ou algo do tipo. A festa do Apagão vai ser épica, então espero que vocês também apareçam.
- Onde que vai ser? - Gastón perguntou.
- Eu passo o endereço por mensagem para vocês.
- Qual é o traje?
- Bem, vai ser festa do apagão, então roupas pretas ou algo do tipo.
- Bem, eu vou, quero curtir.
- E você minha loira favorita?
- Claro! - a menina sorri. - Por que não?
- É assim que se fala, garota! - Gastón diz.
- Você vai chamar a Nina? - Matteo pergunta ao melhor amigo.
- Eu acho que não! - O Perida fechou a cara e apontou para o grupo de Simon, Luna, Nina e Nico.
- Você ainda acha que Nina e Nico se gostam? - o Balsano pergunta rindo. - Você tem uma imaginação super fértil.
- Eu não teria essa imaginação se eles dois não passassem muito tempo junto.
- Eles são amigos, garoto, aceita. - comentou a loira.
- Âmbar tem razão.
- Ela não tinha antes quando era a Luna! - Gastón tocou na ferida.
- Está bem, chega. Talvez nós dois tenhamos errado sobre isso, mas vamos aceitar que eles são amigos e ponto.
- Se você não for chamar ela, você não tem porque reclamar. - Âmbar avisa. - Ponto final!
- E você não vai chamar o seu aluno? - o Balsano questionou.
- Não! - a garota dos olhos azuis respondeu ríspida.
- Problemas no paraíso escolar?
- Ele é um ridículo, apenas isso.
- Bem, mas eu acho que Luna chama ele, assim como eu acho que Luna irá chamar todos os outros dois amigos.
- Ainda bem que é a festa do Apagão. Não precisarei ver ele. - Âmbar comentou.
- Ouvi dizer que demônios aparecem no escuro. - Gastón zoa a amiga.
- Outros ficam escondidos, e eu espero que a sorte e o universo colaborem comigo! - o sinal toca. - Aula, garotos. Vamos!
.


Notas Finais


Espero que tenham gostado
Festa do Apagão. Um lugar escuro cheio de adolescentes cheio de hormônios, o que esperar? Façam suas apostas.
Beijooooooo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...