História To be Continued... - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Undertale
Personagens Chara, Frisk, Sans
Visualizações 44
Palavras 1.267
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


(sigla em inglês que significa “Massively Multiplayer Online Role-Playing Game”, designando games para uma grande quantidade de usuários, que utilizam muitos dos elementos existentes nos jogos de interpretação de papéis, os famosos RPGs)

Capítulo 23 - Mmo Rpg


Fanfic / Fanfiction To be Continued... - Capítulo 23 - Mmo Rpg

                                                              Logo reconheci.
 

O que era um tanque de guerra, armas de fogo e cada um de seus efeitos.

Éramos poucos e eles muitos. Pareciam uma enxurrada de insetos, fáceis de esmagar, mas em grande quantidade;       e picavam!
 

                    Também voltava quando ele ou ela caiam, não os deixaria morrer por nada.

Mas alguém me olhava através dos reflexos, seja eles dos trajes dos inimigos, das poças de sangue ou de seus olhos em pânico ao me ver. Aquela garota que estava sendo refletida ali não era eu.

                                                                                                  Quem era aquela pessoa ali?

 

---- Sans! ....Sans... ---- corri ate ele ao ver que seus golpes haviam parado. ---- Você esta bem? ---- o encontrei com os olhos fechados como se fosse dormir em pé no meio da batalha.

---- Isso cansa. ---- respondeu ao fazer força para criar outra cabeça, mas segurei sua mão e sem querer ele a desfez e me olhou estando visivelmente fadigado.

---- Chega. Corra... ---- ordenei com um meio sorriso. Mas algo dento de mim me fez apertar forte a faca em minhas mão, empunha-la como se fosse usar contra ele. E ele me olhou serio.

---- Chara!? ---- se afastou um pouco. Seus olhos se converteram de carinho para um ódio profundo.
Eu não entendi o por que.

 

---- Rápido! ---- ouvi a voz de Asriel nos chamado e passando por nós. Não o tinha visto no combate em momento algum. ---- Eles estão recuando.        Anda!         Não vamos deixar!

Passou por nós rápido, mas ele o ignorou. Ficou me encarando e apontou para mim sua arma como se fosse me matar naquele momento.                                       Meu coração apertou como nunca.

                                                                                                            Por que Sans?

Mas ele não teve tempo de desferir seu golpe; a peixe passou me puxando para fora junto de si, e logo nos vimos em pleno céu aberto. Não tive tempo de contemplar as estrelas que não via há anos, nem de sentir o vento fresco nos cabelos. Não pude sentir a plenitude daquele mundo que me foi tirado. Eu tinha que lutar assim como eles.

Corremos em direção as armas que nos miravam. Carregadas e furiosas, cheias de vontade por cuspir fogo e aço para cima de nós.

Undyne as explodia antes que chegassem mais perto, e eu voltava caso algo desse errado. Quantas vezes precisasse, sem me cansar.                                               Mas não via Sans.
Logo vi as rajadas de ossos de Papyros empalar os soldados cegos a nossa frente e se junta à esposa no combate; que sorriu saudosa e orgulhosa pela força que ele havia conquistado com sua ajuda.



Desta vez.........................

Não vi o sol queimar meus olhos, estava uma noite de trevas sem extrelas.

Eu não trajava um lindo vestido e sim uma poderosa e intimidadora armadura.

Não corremos. Lutamos ate o fim!

Os humanos correram de nos.


 

                                                                Olhei para trás.

                                                                  Para os lados.

                                                                      Não o vi.
 

---- Isso! ---- ela gritou se sentindo vitoriosa. E os dois se abraçaram comemorando felizes. ---- Quem mais vai querer cair dentrooooo!

Sorri ao ver sua alegria.
Tínhamos vencido?

Mas Asriel estava serio ao meu lado olhando a tudo a nossa volta.
Tudo, mas tudo mesmo estava destruído. Arvores tombadas e pegando fogo, roxas partidas e aquele ar de devastação.

---- S-Sans...? ---- olhei em volta o procurando claramente, e logo o sorriso de Undyne se desfez e assim meu coração voltou a apertar.

Vi quando seu irmão caminhou a esmo olhando a tudo com um olhar tão esperançoso e triste quanto o meu. Mas logo uma lagrima escorre e ele se abaixa recolhendo a jaqueta azul tão característica dentre os destroços dos inimigos, a abraçando forte.                                                           Como pude ser tão idiota e arrogante? Com certeza ele estava temendo mil vezes mais este futuro onde Sans morria para nos salvar.

Mas nos mudamos. Mudamos tudo ele tinha que...

---- Obrigado por achar isso. Ia ser osso conseguir outra. ---- foi impossível não sorri com esta piadinha fora de hora.

Ele estava vindo andando calmo como se nada tivesse ocorrido de errado, suas roupas rasgadas e muito, mas muito machucado e uma cara de exausto que deu ate dó, mas agia como se estivesse tudo bem.

Mas não consegui ser a primeira a o abraçar. ---- Que susto! Nunca mais faça isso! A onde você foi? ---- ele chorava e gritava ao mesmo tempo que misturava uma bronca com perguntas. Era o nosso Papyros afinal.

Todos estávamos mais aliviados ao o ver e ter certeza de que havíamos conseguido mudar o futuro. Mas e agora? O que iria acontecer com todos?
Mas aquele era um momento de comemoração.

Era a primeira vez em anos que todos sentíamos o calor do sol sobre nossas peles. E desta vez não queimou meus olhos. Ele foi subindo devagar e iluminando a tudo ao espantar o frio e a escuridão da noite.
                                                                                                Parecia uma promessa boa.

Ficamos ai admirando as nuvens um pouco, parecia que a maioria nunca as tinha visto. Undyne ate disfarçou uma lagrima que escorreu enquanto o marido não disfarçava em nada suas emoções; já Asriel olhava serio para tudo como se não conseguisse, relaxar achando que isso não terminaria ali. E eu concordava com seu temor.

Enquanto todos admiravam o céu azul que se mostrava acima de nós ele ficava de olhos fechados como se apenas sentisse a brisa fresca sobre sua...              pele?
 

---- Vamos. Temos que sair daqui e nos unir ao grupo de Asgore. Ele ficou cuidando de todos sozinho. Meu pai é forte, mas tudo a limites... Não deixamos Sans sozinho para trocar e deixar ele. ---- ele comenta ao se virar e guiar o caminho para onde os pais estariam.

Undyne já respirava pesado de canseira da batalha, mas caminhava firme visivelmente preocupada com os filhos que havia deixado aos cuidados de Toriel.                            Todos ali estavam exaustos, tinham passado de seus limites.
Mas eu estava muito bem.
 

Ainda conseguiria lutar por muito tempo.

Sentia o corpo quente, pedindo por mais. Era como se ele ansiasse por este tipo de coisa, toda esta ação este confronto. Mas eu sempre fui uma pessoa pacifica não?
 

---- Criança! ---- ela me abraça quase me esmagando. ---- Que bom que esta bem! Fiquei tão preocupada. Por que foi junto? Devia ter ficado aqui conosco!

A coitadinha ate tremia ao me abraçar, e eu só consegui corresponder ao abraço. Não gostava de a ver triste. Isso me acalmou, seu abraço quentinho e fofinho fez meu sangue parar de se aquecer e logo comecei a chorar. Voltei a sentir o medo que sentia, eu quase perdi todos.                          Tudo foi assustador!

---- Calma criança. Estou aqui; eu sempre vou estar aqui.

Não importa que eu tenha crescido, ainda cabia em seu colo perfeitamente; e ela era forte para me levar para outro lado, ainda escondidinha entre seus pelos macios e perfumados. Escondida abaixo de sua orelha pude ver Undyne pegar as crianças e respirando fundo como se só o gesto de as pegar aliviasse todas as suas preocupações, enquanto que seu marido carregava o irmão que estava completamente desacordado em suas costas.

Asriel tinha nos chamado para ir atrás das tropas que haviam fugido, mas eu não fui. Será que ele foi?                                                                          Estava tão cansadinho.
 

Asgore estava a frente de todos.

Cauteloso e em guarda, com seu tridente em punhos.

Alphys carregava à pequena e feupudinha Togore que dormia um sono tranqüilo cercada por varias armas que pareciam bem piores que Mettaton, e este por sua vez usava sua mega armadura de combate. Mas acho que desta vez ela era forte... Onde vi ela antes?                                       Tantas perguntas me surgiam.

Quem era Chara?

Por que ele me chamou assim?

 


Notas Finais


(Tive a seguinte idéia. Se quiserem vcs podem fazer perguntas aos personagens nos comentários e eu responderei como sendo eles. Que tal? Acho que fica uma brincadeira divertida kkk claro aqui eles tem personalidades bem diferentes viu \o/ mas a base mantive. Bjs! Vamos brincar?)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...