1. Spirit Fanfics >
  2. Tô meio perdido >
  3. Vai embora

História Tô meio perdido - Capítulo 17


Escrita por:


Capítulo 17 - Vai embora


Fanfic / Fanfiction Tô meio perdido - Capítulo 17 - Vai embora

 

✰JOÃO✰

 

"Então, a Mafê já foi pra festa da Jade, a gente tá sozinho."_ eu falei esperando romper o silêncio mortal dentro do apartamento.

"Pois é."_ ele disse visivelmente nervoso, enquanto estralava os dedos. - "É que eu não sei como começar essa conversa... eu cheguei aqui achando que sabia, mas não sei."

"Olha Enrico eu não sei porque você veio aqui, a gente nunca foi tão próximo.. mas pode se abrir cara. Eu não vou te julgar nem nada do tipo." _ ele continuava em silêncio, encarando o chão. _ "Foi alguma coisa que o Lucas fez?"

 


Bastou citar o nome do Lucas, pra que aquele cagão finalmente olhasse na minha cara. Enrico balançou a cabeça, afirmando. O Lucas fez alguma coisa pro Enrico então.. algo que o trouxe até a minha casa no mesmo dia do vazamento do vídeo. Será que..?

 

"Tá, e o que ele fez de tão grave pra você vir até aqui? Tem alguma coisa a ver com o vídeo?"_ eu perguntei de uma vez e o sujeito na minha frente me olhou por um tempo até criar coragem pra me responder.

"João, foi ele. Foi o Lucas quem gravou e postou aquele vídeo na internet."

"E por que ele faria isso?" _ perguntei.

"Eu não sei" _ ele levantou da cadeira devagar, contrariado._ "Nem eu nem o Theó demos motivos pra isso. A gente sempre acobertou esse moleque em tudo, sempre, sempre. Você sabe disso." _ ele apontou pra mim e eu balancei a cabeça. _ "Eu e o Théo nuca fizemos nada que prejudicasse aquele filho da puta, mas mesmo que a gente tivesse feito, ele não tinha esse direito. O Théo tem um monte de problema com ansiedade, e ele tá muito mal. Eu tentei visitar o Théo essa tarde, mas ele tava tão mal que não aguentava nem ver minha cara. Eu tô com medo de verdade do que ele pode fazer." _ Enrico andava de um lado pro outro e passava as mãos pela cabeça._ "Caralho João, isso é muito grave, sabe.. é imperdoável..."

"É crime."

"É. É crime e eu posso provar que foi ele. Eu tenho um vídeo das câmeras do meu prédio pra provar que foi ele quem entrou na minha casa e fez essa merda, mas eu não quero fazer nada com polícia agora."_ ele parou de andar e chegou mais perto de mim.

"Você devia. Se você for resolver isso sozinho vai perder a razão. Você quer o quê? Espancar o cara?"

"É lógico que eu quero isso, mas eu não sou de brigar. E eu não quero me expor mais nessa história... a verdade é que se eu ver a cara do Lucas outra vez, eu nem sei o que me impediria de matar ele."

"E então o que você quer? Eu não posso bater nele por você, cara." _ gesticulei para a minha cadeira._  "E mesmo que pudesse, isso não é um problema meu. O Lucas é tipo meu irmão, eu tenho que ouvir a versão dele."


Ele respirou fundo e abaixou a cabeça, passando as mãos pelos cabelos. Em seguida, tirou o celular do bolso da calça e começou a mexer no aparelho, sem me dizer nada. Não demorou muito para que o Enrico viesse até mim e se abaixasse ao meu lado, ficando da minha altura. Ele colocou o celular na minha mão e eu me deparei com uma foto da Mafê. 

  "Você não sabe nada sobre seus irmãos, então."  

"Quê?"_ Eu perguntei assustado._ "Que foto é essa?"

"Não tá reconhecendo? É uma foto da Mafê no quarto do Lucas. Na casa do seu pai." 


Ele deslizou o dedo pela tela do celular e outra foto apareceu. Dessa vez, numa qualidade pior, tirada de longe, como se fosse um print. A Mafê aparecia sentada na cama dele de sutiã, enquanto o Lucas tirava a calça dela pelas pernas. De repente eu não conseguia mais raciocinar e o ar parecia rarefeito. Toda vez que o Enrico passava o dedo na tela, outra foto aparecia e eu acreditava ainda menos que aquilo não era outro pesadelo.

"O seu irmão apostou comigo e outros 3 caras que comia sua irmã, João. E ele não deixou a Fernanda em paz até conseguir isso. Na verdade ele não deixou ela em paz até ela quase morrer naquele acidente de carro, que inclusive foi culpa dele."

"Quê.."

"Ele humilhou a garota de todas as formas e mesmo assim continuava correndo atrás dela. Daí no dia do aniversário do Motta, ele trancou a Fernanda num banheiro e ela teve que sair de lá correndo. Ela tinha tanto medo dele, que entrou no carro daquele cara lá.. do David. Eles estavam bêbados e morrendo de medo porque o Lucas tava louco, daí o resto você já sabe."

"Enrico.. pelo amor de deus cala a boca. Eu.."_  tentei dizer alguma coisa.

"Ele gravou a primeira vez da sua irmã e ganhou 400 reais por isso, João. Foi isso que o seu irmãozinho fez." _ a voz dele era carregada de ironia._ " Cada um que desacreditou teve que pagar 100 reais pro Lucas. Ele vendeu a sua irmã por 400 conto e depois que ela descobriu, ele continuou no pé dela. A Fernanda foi humilhada das piores formas possíveis e ninguém podia te contar nada. Pra ele você é um trouxa."

"CALA A BOCA, ENRICO."_ eu queria poder me levantar dali e não ouvir mais nada. Cada palavra dele parecia uma navalha na minha carne.

"EU TÔ TE PASSANDO A VISÃO, CARALHO." _ ele se afastou de mim. "Essas fotos aí são só prints que eu guardei do vídeo original. Ele teve pelo menos o respeito de cobrir a buceta dela com um lençol.."

Eu arremessei o celular que eu tinha nas mãos, nele. Não sei como consegui, porque meu corpo todo parecia doer. Meu orgulho, minha confiança, minha dignidade..

"A Mafê.."_ meu deus isso não podia ser verdade. "Eu não acredito em você! Você veio aqui só pra botar coisa na minha cabeça né, seu arrombado do caralho. Seu problema não é comigo, Enrico. Por que cê tá fazendo isso?"_  meu rosto formigava e eu estava prestes a chorar de raiva.

"Eu tô fazendo o que eu queria que alguém tivesse feito comigo, oh caralho. Que alguém tivesse aberto meus olhos."_ ele apanhou o celular do chão e juntou as peças que se separaram. _ " A Fernanda é a menina que ele tanto fala pra você. O amorzinho que ele nunca superou. É por isso que você nunca viu nem a cara dessa garota, porque o tempo todo ele tava transando com tua irmã, João."

Eu tapava meus ouvidos, sendo consumido por uma dor de cabeça.

"VAI EMBORA DAQUI. VAI EMBORA DAQUI!" 

"EU.."

"SAI DAQUI CRALHO. SAI DAQUI AGORA."_ as lágrimas enchiam meu rosto e minha cabeça explodia em dor. Eu alcancei um prato em cima da mesa e arremessei na direção dele. 

Enrico foi embora e agora eu estava sozinho naquele apartamento, acompanhado apenas pela dor da traição

"Caralho velho"_ eu arfava em meio a um choro carregado de raiva. _ "Isso não pode ser verdade, não pode!" 

Andei com a cadeira de rodas até meu quarto e passei pela porta com dificuldade. Eu estava inquieto, mas sentado naquela cadeira, mais do que nunca eu me sentia inútil. Uma piada. E o Lucas estava rindo de mim.

Fui até meu armário e puxei uma das portas com força, em busca das minhas muletas. Elas escorregaram direto pras minhas mãos, mas o movimento brusco do armário também fez com que um monte de caixas caíssem no chão. Ótimo, mais bagunça. Eu não sabia o que ia fazer, mas estava fazendo. As coisas passavam pela minha cabeça e eu não conseguia filtrar nada. Segurei as duas muletas uma em cada mão e fiz força na cadeira para levantar, como eu treinei 2 ou 3 vezes na fisioterapia. Na primeira tentativa eu caí na cadeira, mas na segunda eu consegui me equilibrar e fiquei de pé. Experimentei a sensação por uns segundos sem me mover, depois fui até a sala aos tropeços.

"Puta merda.. isso só pode ser um pesadelo."_ eu disse, enquanto fechava a porta do apartamento e me preparava para entrar no elevador.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...