História Todos Nós Mudamos De Noite...- Gastina - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Gaston, Nina
Tags Gastina, Lutteo, Simbar
Visualizações 104
Palavras 1.016
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Violência

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, meus amores! 💕
Boa Leitura! 📚
Amo vocês! 😙😙

Capítulo 20 - "Minha Vida Vale Mais Do Que Este Sol...!"


Fanfic / Fanfiction Todos Nós Mudamos De Noite...- Gastina - Capítulo 20 - "Minha Vida Vale Mais Do Que Este Sol...!"

Nina Simonetti 


-Obrigada por ter me deixado em casa! - Digo olhando em seus olhos castanhos 

-É o mínimo que eu poderia fazer! Você nos ajudou muito, Nina! É também já é de noite!

-Mesmo nós sendo vizinhos?

-Mesmo assim!

-Er... Acho melhor eu entrar...! - Digo pois ainda estamos brigados

-É! Tchau Nina!

-Tchau! - Abro a porta e entro no hall de entrada da minha casa 

Quando fecho a porta devagar vejo Gastón saindo do jardim da minha casa.


Narradora.

Já era a milésima vez que Ricardo liga para a mansão Simonetti querendo saber onde a filha se encontra. Ele está furioso pois Olga disse que ela havia saído cedo e não tinha voltado para a mansão. 

-Pare de ligar pra ela! - Angie aconselha - A Nina sabe se cuidar, está tudo bem! - Ele guarda o IPhone no bolso dianteiro da calça jeans preta.

Os dois estavam em um posto de gasolina na estrada. Estavam completando o tanque com não queriam passa pelo ocorrido de antes de novo.

- Não me interessa a Nina! Isso pode fazer mal para a minha imagem! - Angie revira os olhos - Já pensou? "Filha de Ricardo Simonetti desaparece em Buenos Aires"!

-O que que tem?

- Eu seria conhecido como irresponsável!

-Com o se não fosse... - Angie murmura mas o Espanhol escuta

- Angie! - Ricardo repreende 

-Desculpe, senhor! - Angie lhe chamou assim pois Ricardo odeia ser chamado de senhor 

-Aff... - O Espanhol bufa 

-Hey! Olhe o lado Bom!

- Que lado Bom?!

- Você está se importando com a sua filha!

-Com a minha imagem!

-Aham! 

-Senhor, já terminamos de encher o tanque! - Uma atendente bastante atirada diz para Ricardo 

- Já volto! - Ele diz e sai do carro deixando o celular no banco do carro 

Angie não havia gostado nada daquela atendente. Ela ficava se aproximando de mais quase ao ponto de encostar em Ricardo. Parecia que ela queria o seduzir.

Angie os fuzilava com o olhar, Mas parou ao ouvir o IPhone de Ricardo tocar.

Ao ler na tela "Mansão" ela imediatamente atente.


Nina Simonetti.

-Alô?

- Angie? - Pergunto confusa 

-Ah, Oi! Seu pai foi abastecer o carro e deixou o celular então eu atendi!

-Entendi! Mas, você sabe o que ele quer falar comigo?

- Ele quer saber aonde você estava pois disse que pode prejudicar a imagem dele!

-Ah! Claro, a imagem!

-Vou passar para ele agora...

-Ok... - Escuto Passos, Ele deve estar indo para longe de Angie

-Aonde estava? - Ele grita

-No hospital com um amigo...

-Fazendo o que lá?

-Indo ver o irmão dele que está mal! - Escuto uma risada sarcástica da parte dele

- Você? Ajudando alguém? - Ele ri novamente da mesma forma - Até parece! Você nunca se importou! Você é só uma garotinha mimada que se acha o centro do mundo! - As lágrimas começam a cair ivoluntariamente 

As palavras  são afiados como uma faca.  Aquela corda imaginaria em volta do meu pescoço volta a se apertar

-Mas...

-Nada de mais! Não tem mas! Você não significa nada! Nem para mim nem para ninguém! Nunca irá significar nada! Ouviu? NADA! - Ele desliga e eu começo a chorar mais

Coloco o telefone no gancho e saio do escritório do meu pai. Se é que ele é meu pai. Subo as escadas tentando não soluçar, mas foi em vão. Entro em meu quarto encostando a porta. Logo após sento no chão frio. E encosto as costas na porta branca de madeira. Pela  primeira vez Não me arrepio ou estremeço com o contato do chão frio. Não sinto nada. 

Cada palavra de meu pai que escuto todos os dias, machuca mais que tudo. Meus olhos estão embaçados. Acredito que seja pelas lágrimas. Queria que aquela vida que minha mãe escreveu no diário voltasse. Queria que ela voltasse.

Cada palavra de meu pai é afiada e corta como uma lâmina. Uma lâmina.

Esfrego os olhos os desembaçando e me levanto. Vou em direção ao banheiro e olho meu reflexo no espelho. 

Cabelo completamente liso e sedoso. Olhos castanho-claro. Dentes brancos e extremamente retos. Bochechas levemente rosadas. Lábios avermelhados. 

Muitos diriam que sou perfeita. Mas eu me vendo agora no espelho. Me sinto horrível. Tanto por dentro, quanto por fora. Posso até ser "perfeita", Mas não consigo ver isso. Não consigo ver coisas  perfeitas. Meus olhos estão extremamente cegos. 

Abro a gaveta da pia e pego uma pequena caixa. A pequena caixa que poderia aliviar minha dor, ou que poderia piorar. Abro a mesma lentamente e as lágrimas aumentam. 

Lâminas. 

Pego apenas uma das pequenas lâminas. Nunca as usei para algo assim. Sempre foi para cortar outros tipos de coisas, Nunca a minha pele. 

Rodo a lâmina entre os dedos. Ela brilha pela luz da lâmpada. Estico meu pulso sobre a pia e ponho a lâmina levemente em cima. Quando vou preciona-la a porta do banheiro se abre.

- Nina! - Gastón grita e toma a lâmina de minha mão a jogando no chão 

-Me deixa, Gastón! - Grito entre lágrimas 

-Isso não vai resolver nada!

- Vai sim, eu sei que Vai!

- Não, Nina...! - Ele olha para mim e me abraça 

Eu choro entre o abraço. 

-Nunca mais pense em fazer uma coisa dessas! - Ele diz acariciando meus cabelos - Xi.. Hey! Está tudo bem!

-Quero sumir! - Murmuro

-Mas  não pode! E não pense nisso agora! Estamos distantes de tudo, pelo menos agora!

[...]

Estou deitada no peito de Gastón. É de madrugada, acordei de um pesadelo horrível. Gastón está dormindo abraçado a mim. 

Ele é realmente um amor. 

O relógio na cômoda marca três e vinte e dois da manhã. 

Estava pensando em meu pai. Como você pode não me amar, pai?

Quem te disse que é fácil ser eu?

Quem te deu direito á dor?

Tudo o que você diz de mim, faz eu me distanciar de você. Momentos sem rir querendo ir embora para um lugar sem luz e espelhos no final. 

Mesmo que você sobrecarregue minhas costas com seu medo ao amor. Mesmo que brinque com meu orgulho, você não ser a ganhador. 

Você não pode me derrubar, minha vida vale mais que este Sol.

Que  quero que brilhe e ilumine meu coração.

"Então me abraça forte e me diz mais uma vez que já estamos distantes de tudo."



Notas Finais


Oi, meus amores!💕
Gente criei um canal no YouTube, estou postando vídeos da Fic lá! Dêem uma olhadinha e me digam o que acharam! O nome do meu canal é "Ruggesconi Bernaslioff"! 😙😙😙
Este capítulo fiz pois não estou muito alegre hoje pois escutei coisas que não queria ouvir. E bem... O final do capítulo que foi o pensamento da Nina para seu pai. Foi o meu pensamento para a garota que me humilhou!
Mas... Tudo bem!
E não estou incentivando ninguém a se cortar! Nunquinha façam Isso!
Quero agradecer pelo carinho e pelo amor de todos vocês!❤ Então #Obrigada! 💓💓💓💓💓💓💓💓
Amo muito vocês!💕💕💕💕💕
Não se esqueçam de deixar um comentário bem grandão! 📚
Abraço a todos!
Nunca deixem de sorrir! 😀
~Mare 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...