História Together Forever - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bipolar, Ciclotimia, Ciumento, Ciumes, Hot, Obsessivo, Possessivo, Transtorno De Humor
Visualizações 25
Palavras 2.003
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura, fantasminhas que estou pegando ranço. 👻❤

Capítulo 20 - Nineteen.


Fanfic / Fanfiction Together Forever - Capítulo 20 - Nineteen.

Sexta-feira

16:45HPM

Thiago Calvacante

Arrumo os papéis que preciso levar para o Lucas em uma pasta e respiro fundo, tentando não lembrar de ontem a noite. Minha namorada não ficou brava comigo por causa daquela desgraçada, o que me deixou aliviado para caralho, mas ela ficou um pouco estranha depois, e isso está me incomodando até agora. Conversar pelo celular não é a mesma coisa que pessoalmente e eu espero que ela volte ao normal logo, já que infelizmente, eu não posso largar tudo e voltar para casa.

Como o Lucas foi meio que o culpado, por ter permitido que a Stefany subisse para o nosso quarto, ele a diminuiu de cargo, colocando ela como recepcionista. Achei mais que justo, por ela não ser nada profissional e espero que assim, ela tome vergonha na cara e me deixe em paz. Eu não sei e nem entendo o porque dela está insistindo tanto em mim, já que fui muito claro quando disse que não sairia com ela.

Passo minha mão no meu rosto e volto minha atenção para os papéis em minha mesa, no mesmo momento em que ouço baterem na porta.

— Estou ocupado. — Falo alto, para que a pessoa possa ouvir.

Não escudo mais o barulho e agradeço mentalmente, por quem quer que seja não insistir. Mas o fiz cedo demais, já que a porta range, anunciando a entrada de alguém.

— Já disse que tô ocupado. — Bufo, assinando meu nome no documento.

— Até para mim? — Ouço a voz da minha namorada e de imediato ergo meu olhar.

Prendo minha respiração ao ver que é a Ísis e fico estático, ainda não acreditando que ela está realmente na minha frente. Minha mina dar risada da minha reação e eu me levanto rapidamente, indo de encontro a ela.

— Vida! — Puxo-a para um abraço, a tirando do chão.

Minha namorada prontamente retribui e eu à aperto contra mim.

— Por que não disse que vinha? — Pergunto baixinho, olhando o seu rosto.

— Queria fazer uma surpresa. — Dar de ombros. — Gostou? — Arqueia uma das sombrancelhas.

— Pra caralho. — Murmuro, sentando-a na minha mesa, afastando as coisas que está sobre a mesma, sem me importar.

A olho sorrindo e acaricio sua bochecha, feliz demais em vê-la. Permaneço com minha mão em sua cintura e desço a outra para sua nuca. Dou um puxão firme no seu cabelo, mas sem causar dor na minha namorada e encosto minha boca na sua. Sinto-a segurar minha blusa e aprofundo o beijo, tentando diminuir um pouco da saudade que eu estava dela. A faço vim mais para ponta, nos colando ainda mais.

Encerro o beijo com vários selinhos e sorrio contra a boca da Ísis, à abraçando novamente. Deito minha cabeça em seu ombro e passo meu nariz pelo seu pescoço, fechando os olhos ao sentir seu cheiro gostoso.

— Não quero me afastar, amor, mas você disse que tava ocupado. — Beija minha bochecha, passando a mão pelo meu cabelo.

Suspiro, balançando minha cabeça e a contragosto, lentamente me distancio dela. Dou um rápido beijo em sua boca e à ajudo a descer da mesa. Puxo uma das cadeiras que ficam de frente para a minha mesa, coloco-a ao lado da minha e me sento, fazendo a minha namorada fazer o mesmo.

— O Lucas já sabe que você tá aqui? — Indago, olhando-a de relance.

— Sabe, foi ele que autorizou a minha entrada. — Explica, puxando o celular da bolsa pequena que ela trouxe.

— Nestante ele aparece aqui. — Reviro os olhos.

Minha namorada dar um sorrisinho e balança a cabeça. Sorrio todo bobo, desviando minha atenção para os documentos e volto a trabalhar, muito mais leve e conseguindo me concentrar totalmente no que estou fazendo.

•••

Jogo meus pertences pessoais na minha mochila e a fecho, erguendo meu olhar para a Ísis. Vejo-a passar as mãos nos braços, demonstrando que está com frio e rapidamente tiro meu casaco, estendendo para ela em seguida.

— Não, amor. — Afasta minha mão.

Ignoro e me aproximo mais, começando a vestir nela, enquanto a mesma tenta me empurrar.

— Agora você vai ficar com frio. — Bufa, cruzando os braços.

— Eu tô quentinho e a gente já tá indo embora. — Murmuro, antes de roubar um selinho dela.

— Mesmo assim! — Continua emburrada, fitando a parede.

— Desfaz essa cara, vida. — Peço, acariciando seu queixo.

Ela volta a me olhar e eu faço a minha melhor feição pidona. Minha namorada respira fundo e fica me encarando por alguns segundos, antes de descruzar os braços e ficar nas pontas dos pés, para morder de leve meu queixo.

— Me babou! — Minto, fingindo limpar o lugar.

— Mentiroso! — Bate em meu peito.

Dou risada da cara que ela faz e roubo outro selinho seu. Pego minha mochila e a coloco nas costas, entrelaçando meus dedos aos da minha mina em seguida. Abro a porta da minha sala e quase me esbarro com o Lucas.

— Pirralho, quero falar a sós com a Ísis. — Fala direto, olhando para ela.

Minha namorada revira os olhos e balança a cabeça para mim. Beijo rápido sua boca e deixo a sala, indo para o elevador. Entro no mesmo e aperto o botão da garagem, mas antes de fechar, o Marcos, um dos estagiários, entra.

— Fala, cara! — Sorri, estendendo a mão.

— E aí?! — Falo apenas, fazendo um toque com ele.

— Qual foi da gostosa que tá na sua sala? — Pergunta, como se fôssemos amigos.

Automaticamente fecho minha mãos em punhos, ficando enciumado para caralho.

— É minha namorada, filho da puta! — Murmuro, olhando-o com raiva.

— Porra, cara, desculpa. — Pede rapidamente, ao ver minha reação.

Balanço minha cabeça como se não fosse nada, mas foi, e eu quero muito socar a cara dele até deixá-lo cego, para ele nunca mais admirar a MINHA mina. Olho para frente, tentando não cair na tentação de ir para cima dele. O elevador não demora à abrir e eu sou o primeiro a sair, respirando fundo várias vezes. Desligo o alarme do carro e entro, batendo a porta. Eu já fico puto para caralho quando olham para a Ísis, e tudo piora, quando ouço elogiarem ela ou quando falam diretamente comigo.

Dou partida no carro e assim como no dia anterior, estaciono em frente a empresa, para esperar minha namorada e o Lucas. Puxo meu celular do bolso da minha calça e começo a olhar minhas redes sociais, me entretendo para não ficar entediado. Após alguns minutos, me estresso com a demora e saio do carro, recebendo o ar gélido do fim de tarde. Dou a volta e cruzo meus braços, me encostando na porta do passageiro.

Fico observando as pessoas passando pelo passeio, até avistar a Ísis vindo ao lado do tio.

— Sr. Belikov? — Ouço a voz da Stefany chamar pelo Lucas, no mesmo momento em que a minha mina para de frente para mim.

Ela revira os olhos e se aproxima mais, passando os braços por meu pescoço. Prontamente seguro em sua cintura, recebendo um demorado selinho na boca.

— O senhor não pode me rebaixar de cargo, por assuntos pessoais. — Reclama, jogando o cabelo loiro para trás.

— Ficar se jogando pros colegas de trabalho, não é ser profissional e o que você fez ontem, só me fez querer te demitir. Agradeça por ainda está trabalhando aqui. — Fala tranquilamente, apontando para a empresa.

— Só está fazendo isso, porque a namorada do Thi é sua irmã! — Murmura, perdendo a linha.

— O quê? Não me culpe pelos seus atos! — Minha namorada se desvencilhar do meu toque e se aproxima dela.

De primeira a loira parece ficar surpresa, mas logo sua expressão muda.

— Você é a Ísis Belikov, a orfãozinha? — Provoca, sorrindo debochada.

Fico puto com o que ela diz e olho para a minha mina, a tempo de ver sua mão voar no rosto da Stefany. Puta que pariu!

— Sua vadia, olha o que você fez?! — Reclama, colocando a mão no nariz.

— A única vadia aqui é você, que se abre para qualquer cara que aparece. — Responde à altura.

A maluca a olha com raiva e acerta um tapa no rosto da minha namorada, fazendo sua cabeça virar com o ato inesperado. Me desencosto do carro e me aproximo rapidamente, mas a Ísis parte para cima da Stefany e elas começam a brigar. A Ísis nunca passou de uma discussão com alguém e eu estou surpreso para caramba, porque ela sempre manteve o autocontrole, mesmo quando ficava bastante brava.

Vejo a Stefany puxar o cabelo da minha mina, que já revida com outro soco no rosto da loira. Segura a Ísis pela cintura e com certa dificuldade, puxo-a de cima da outra, que é amparada pelo Marcos. Dois filhos da puta! Minha namorada se debate em meus braços, mas eu consigo mantê-la em meu aperto.

— Tá demitida. — Lucas avisa para a Stefany, na maior calma.

Levo a Ísis para o carro e o seu tio abre a porta de trás.

— Me solta, Thiago! — Reclama, me arranhando.

— Amor, você vai acabar se machucando. — Bufo, tentando fazê-la entrar.

Empurro sua cabeça sem força e com cuidado para baixo, conseguindo colocá-la dentro do carro. Adentro o mesmo e fecho a porta, enquanto o Lucas assume a direção.

— Eu não terminei de quebrar a cara dela! — Resmunga, cruzando os braços.

— Vida... — Começo, tocando seu braço, mas ela me afasta.

Suspiro, bagunçando meu cabelo e fico quieto, achando melhor deixá-la se acalmar.

•••

Termino de secar meu cabelo e saio do banheiro, indo direto para minha mala. Pego um par de meias dentro dela e coloco nos meus pés, já que está ficando cada vez mais frio. Deito na cama, no mesmo momento em que minha namorada entra no quarto, usando um conjunto de moletom assim como eu. Desvio meu olhar para a televisão, onde está passando um filme de natal.

— Thi? — Chama após alguns minutos, se deitando ao meu lado.

— Oi. — Murmuro, olhando-a.

— Desculpa ter te tratado daquele jeito, amor. Estava com raiva e acabei descontando em você. — Explica, brincando com os dedos.

— Tá de boa, vida. — Seguro sua mão.

— Aquela piranha me tirou do sério. — Bufa, vindo para mais perto de mim.

— Tô com medo de você, amor. — Brinco, puxando-a para o meu peito.

Ela ri e dar um leve tapa em meu peito.

— Tá machucada? — Indago, erguendo sua cabeça.

Minha namorada nega e acaricio seu rosto com o meu polegar, procurando com os olhos qualquer arranhão.

— E isso aqui, é o quê? — Toco no canto da sua boca, onde tem um pequeno corte.

— Nem tinha visto. — Dar de ombros.

Percebo que está sendo sincera e deixo um selinho em seus lábios, antes de deixar vários beijos em toda sua face. Ela sorri lindamente e segura na lateral do meu rosto, juntando sua boca na minha. Nos beijamos com calma e eu aperto de leve sua cintura. Ísis morde meu lábio inferior quando ficar sem ar e eu beijo sua bochecha, começando a acariciar seu cabelo.

— Grude do caralho! — Ouço a voz do Lucas.

Olho para a porta do quarto e vejo-o encostado no batente da mesma, balançando a cabeça de um lado para o outro.

— Chato pra caralho! — Reclamo, desligando a TV.

— Meu pau! — Rebate, apagando a luz e se jogando na cama ao lado.

— Já disse que não curto esses bagulho. — Coloco o controle no criado mudo.

— Vai se foder, seu pirralho! — Joga um travesseiro, que passa bem longe de mim.

Minha namorada rir da nossa idiotice e eu puxo o edredom, nos cobrindo. Aperto-a entre meus braços e fecho os olhos, ciente que vou dormir bem novamente.


Notas Finais


Espero pelos comentários de vocês. Deixem essa autora feliz, please!

💥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...